Teleférico do Parque da Cidade

Do Parque da Cidade à Orla da Atalaia, um roteiro pelas principais atrações de Aracaju

Orla de Atalaia, Aracaju

Nascida em 1855 para proporcionar um porto mais eficiente do que a da antiga capital São Cristóvão, Aracaju já chegou inovando: é uma das primeiras capitais brasileiras a ter sido planejada. Seu desenho na época obedecia a um tabuleiro de xadrez imaginário, que acompanhava a margem sul do rio Sergipe. Hoje, boa parte das atrações turísticas da cidade continua na orla. É fácil desbravar a cidade simplesmente seguindo o desenho do mar ou do rio Sergipe.

Orla de Atalaia, Aracaju

Com dois dias inteiros é possível esquadrinhar todas as atrações da cidade com calma. Mas se você só tiver um dia, e muita disposição, dá para fazer um city-tour completo por conta própria. Vamos lá?

Teleférico do Parque da Cidade

Teleférico do Parque da Cidade

Pegue o ônibus 008 – Santa Tereza/Bairro Industrial e desça na parada do Parque José Rollemberg Leite, conhecido como Parque da Cidade (Avenida Corinto Leite, s/n, tel. 79/ 3179-1932, aberto diariamente, das 8h às 17h). Afastado do centro, sua área verde tem mais de 600 mil m². Ali estão duas interessantes atrações: o mini zoológico e um teleférico (que também proporciona a visão do zoo de cima). Embora as entradas no parque e no zoo sejam gratuitas, o passeio de teleférico é pago (R$ 16 – funciona das 9h30 às 16h (às terças) e até às 17h durante o restante da semana; não abre às segundas). São aproximadamente 20 minutos até chegar ao topo, onde está uma estátua de Nossa Senhora da Conceição. A melhor visão, porém, está na região do voo livre do Morro do Urubu. Tente fazer o passeio cedo, porque se o sol estiver forte, é difícil sobreviver até o final da jornada (um oferecimento do seu protetor solar: não saia do hotel sem ele). 😉

Colina de Santo Antônio e Mercado Municipal

Colina de Santo Antonio, Mercado e Catedral de Aracaju

Vista da Colina de Santo Antonio, Aracaju

Mercado de Aracaju

Mercado Municipal de Aracaju
Mercado de Aracaju
Se quiser conhecer outra bonita vista da cidade e ainda o local onde foi decidido que Aracaju se tornaria a capital do Estado, siga com o ônibus 007 – Fernando Collor/Atalaia até as proximidades da Colina de Santo Antônio e sua igreja (Praça Siqueira de Menezes, s/n). O local é pequenininho e tem missas apenas às quintas e fins de semana, mas é muito bem cuidado. O mesmo ônibus leva ao Terminal Mercado, de onde se pode conhecer tanto a área de venda de produtos (frutas, carnes e afins), quanto a que oferece diversas lojas de souvenires de todos os gêneros: rendas, bonequinhos de cabaça, roupas, sapatos e estátuas, entre outros. Há também várias opções de restaurantes, mas quando passei pela escondida entrada do Caçarola, que fica no andar superior do local, acabei apostando nele. A escolha se mostrou mais acertada do que eu poderia imaginar. Além da oferta fresquinha de saladas e legumes (o quilo do self-service sai por R$ 33), ainda recebi por lá uma ótima dica do que fazer em seguida:

Centro Cultural de Aracaju

Centro Cultural de Aracaju

Fachada e interior do Centro Cultural de Aracaju
Centro Cultural de Aracaju

A uma curta caminhada do Mercado, o Centro Cultural de Aracaju (Praça General Valadão, 134, tel. 79/3214-5387 – funciona de segunda à sexta das 9h às 17h) foi inaugurado em outubro de 2014. A novíssima atração está no Marco Zero da cidade, no prédio ocupado em outros tempos pela Receita Federal. Uma restauração histórica aconteceu no espaço (datado da metade do século 19), que agora oferece uma série de atividades culturais à população. Ali estão a Biblioteca da Cultura Sergipana Escritor Mário Cabral, um pequeno teatro e um cinema, além de salas dedicadas à história do Carnaval e às festas típicas de Sergipe. O próprio interior do prédio já é uma atração, com pé direito alto, grandes portas e até cofres que faziam parte dos trabalhos desenvolvidos ali. A visitação (assim como a programação) é gratuita e guiada (em pouco mais de cinco minutos um grupo é formado para conhecer as instalações).

Catedral e Palácio

Palácio Olímpio Campos, Aracaju

A próxima parada é a Praça Olímpio Campos. Comece o passeio pelo quarteirão em que está a Catedral de Aracaju (tel. 79/ 3214-3418), uma bonita construção de 1910. Em torno da igreja existem várias barraquinhas vendendo artesanato e comidinhas. Na quadra seguinte está o Palácio do Governo (tel. 79/3198-1461 – aberto de terça à sexta das 10h às 17h e aos sábados, das 9h às 13h – é necessário fazer agendamento para visitas monitoradas), que pode ser conhecido por dentro. Obras de artistas sergipanos importantes e detalhes da arquitetura do edifício são as atrações do espaço. Na parte de trás do prédio fica o Café Palácio, ótima parada para um descanso e um refresco.

Ponte do Imperador e Museu da Gente Sergipana

Ponte do Imperador, Aracaju

Siga reto em direção ao mar para encontrar a Ponte do Imperador, um ancoradouro construído em 1860 para a embarcação que trazia D. Pedro II a uma visita a Sergipe. Hora de andar mais alguns quarteirões para chegar ao divertidíssimo Museu da Gente Sergipana, que você pode ver em detalhe neste outro post.

Oceanário de Aracaju

Oceanário de Aracaju

Oceanário de Aracaju
Oceanário de Aracaju
Volte de táxi ou ônibus para a orla de Atalaia para conhecer o Oceanário de Aracaju (Avenida Santos Dumont, s/n – tel. 79/ 3243-3214 – ingressos a R$14 – funciona de terça a domingo e nos feriados, das 9h às 21h), o primeiro do Projeto Tamar no Nordeste, inaugurado em 2002. A construção, que tem forma de uma tartaruga gigante, tem cerca de 70 espécies diferentes expostas em 18 aquários. Dependendo do dia e do horário, é possível acompanhar a alimentação de alguns animais, assim como o trabalho dos tratadores. O passeio é bem divertido e ensina sobre a vida e comportamento das tartarugas de uma forma muito bacana.

Orla de Atalaia, Aracaju

Orla da Atalaia

Orla de Atalaia, Aracaju

Quadras poliesportivas e parquinhos estão espalhados por toda a orla; abaixo, uma “ponte” leva o visitante do calçadão à areia
Orla de Atalaia, Aracaju
Arcos de Atalaia, Aracaju

A orla de Atalaia é um passeio por si só. Em sua urbanizada e bem cuidada extensão podem ser encontrados barzinhos, restaurantes, barracas de comidas e bebidas e mais uma série de outros atrativos, como quadras para diversas práticas esportivas e parquinhos para crianças, o Centro de Cultura e Arte, a Passarela do Artesão, além de pista de skate, motocross e kart. Uma ciclovia acompanha todo o trajeto, passando por lagos e estátuas em homenagem a grandes nomes da história do Brasil e do estado de Sergipe. Caminhando mais um pouquinho você chegará aos Arcos da Orla de Atalaia, uma estrutura de aço de 5,5 m de altura e que pesa mais de duas toneladas, dedicada ao fundador da cidade, Inácio Barbosa. Se não quiser caminhar, a orla é perfeita para ser explorada numa Caju Bike.

Para encerrar o dia com chave de ouro, siga até a região da Passarela do Caranguejo, onde há diversas opções de restaurantes típicos. Mas isso fica para outro post. 🙂

Orla de Atalaia, Aracaju

Mais atrações

Se esta não é sua primeira viagem a Aracaju, considere também uma passada pelo Parque dos Cajueiros (Avenida Beira Mar, s/n, na Farolândia – tel. 79/3255-4175 – aberto todos os dias das 7h às 20h), que além da área verde também dispõe de quadras poliesportivas, parquinho para crianças e até um centro de treinamento de remo. O Parque da Sementeira (Avenida Beira Mar, esquina com a av. Dep. Sílvio Teixeira – tel. 79/ 3179-7013, aberto diariamente das 5h às 20h) é outra opção, oferecendo também a estrutura de esportes e entretenimento.

O recém-reformado Farol Antigo, também no bairro da Farolândia, é outra boa pedida para imagens. Inaugurada em 1861 e com 35m de altura, a construção fica muito bonita acesa, à noite. O projeto de revitalização da área criou vagas para carros e uma pequena área de lazer.

O Calçadão da 13 de Julho (Av. Beira Mar s/n) e principalmente o seu mirante (tel. 79/3179-2192; funciona de segunda à sexta, das 9h às 19h; sábados, domingos e feriados, das 9h às 15h) oferecem outra bela vista, com a ilha de Santa Luzia e o manguezal do rio Sergipe. O Farol da Coroa do Meio (bem no final da av. Santos Dumont) também rende boas fotos.

Heloísa viajou a convite do novo Ibis Budget Aracaju, na Atalaia.

Leia mais:

21 comentários

Amo minha cidade (Aracaju), moro em Santos mas todo dezembro estou aí 😍🙏sem palavras pra esse paraíso amo de mais…

Estas estátuas de bronze estão abandonadas , sujas ( já mim deu vontade de limpar ) , sem indentação dos personagens . Eu como sergipano que conheço a história dos personagens . Fico com vergonha de ver um turista olhando as estátuas sem saber o que significa a história de Sergipe através das estátuas.

Ric,planejo conhecer o xingó entre 25 e 31 de Dezembro. Tava considerando ir direto pra Piranhas,sem parar em Aracaju. Qual seria sua sugestão para meu caso? Acha que cabe/ devo parar em Aracaju? Se sim, quantos dias recomenda? O foco é fazer todos os passeios do Xingó, com calma!
Obrigada!!

    Olá, Daniela! Quem responde é A Bóia. Aracaju é uma parada conveniente para não emendar o vôo com uma viagem de 3 horas. Em termos de atrativos naturais, porém, Aracaju não é páreo para o Xingó. Caso você pernoite na cidade, não deixe de ir a São Cristóvão — é a atração top da região de Aracaju.

Interessante que quando o ônibus saiu do ponto final em Santa Teresa, uma passageira embarcou e deu uma garrafa de suco caseiro para o motorista e trocador. Assistir a gentileza fez valer a pena o engano de ter pegado o ônibus no sentido errado. Rsrs

Excelente post! Vale mencionar que o ônibus 8 para o parque da Cidade deve ser pego no sentido bairro industrial. Acabei de pegar no terminal Sul no sentido Santa Teresa e estou fazendo um passeio extra rsrs

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.