Aruba: onde ficar

Palm Beach, Aruba

Os hotéis (e time-sharings) ocupam inteiramente os dois trechos mais nobres e Aruba, Eagle Beach e Palm Beach (assim mesmo, em inglês). É possível também se hospedar no centrinho da capital, Oranjestad. Veja as vantagens e desvantagens de cada localização e descubra o seu hotel.


View Aruba: onde ficar in a larger map

Palm Beach

Palm Beach


Fica a 7 km do centrinho, na direção norte. Foi a segunda zona hoteleira a ser desenvolvida, com hotéis verticais. Tanto que aparece, em algumas placas, com a denominação “High Rise Hotels” — algo como “zona de hotéis altos”.

Ali, numa faixa de dois quilômetros e meio, alinham-se hotéis modernos, pé na areia, construídos ao gosto americano, como em Cancún. Só que, bem diferente de Cancún, você pode atravessar a rua atrás do hotel e sair andando para encontrar restaurantes, bares e lojinhas. Essa mini-Cancunzinha com footing, erguida em escala humana, é para mim o grande diferencial de Aruba com relação aos outros destinos caribenhos mais populares entre os brasileiros.  Isso é o que me faz recomendar Palm Beach como a opção número 1 de hospedagem em Aruba e a própria razão para escolher a ilha entre todas as outras.

Tecnicamente, a praia não é a melhor de Aruba. Longe disso: a faixa de areia é estreita e tem boa parte tomada por espreguiçadeiras. O mar, apesar de ter um lindo tom azul-bebê, não é muito cristalino, devido à areia finíssima em suspensão. Mas a praia tem seus méritos: um calçadãozinho simpático serpenteia entre os hotéis (você pode usar os bares dos outros hotéis como visitante). O mar é calmíssimo, sem perigo para crianças. De quando em quando você depara com um quiosque/restaurante independente (como o Moomba Beach). O píer da De Palm Tours, que tem um bar na ponta (o Bugaloe), é um charme. E o fim de tarde na praia é perfeito: muitos hotéis montam mesas na areia para jantares românticos ao pôr do sol.

O esquema para curtir Palm Beach é combinar dias de preguiça com dias de passeio, voltando para curtir o entardecer e a noitada por lá, sem se incomodar com transporte e estacionamento à noite. O café da manhã normalmente não está incluído na diária e custa entre 17 e 20 dólares. É caro, mas se você aproveitar os bons buffets e comer só um lanchinho na hora do almoço, vale a pena. Senão, procure na rua de trás um lugar para tomar café (dá para tomar por menos de 10 dólares) ou faça compras no supermercado, aproveitando o frigobar e a cafeteira do quarto.


View Aruba: onde ficar in a larger map

Divi Phoenix

Divi PhoenixDivi Phoenix

O primeiro hotel da orla, para quem vem de Oranjestad, é o Divi Phoenix. Pontos altos: todos os apartamentos têm cozinha; o trecho de praia é o mais cristalino de Palm Beach — e também o mais sossegado, porque está no canto da praia, não é passagem para nada. O bar/restaurante de praia, o Pure Beach, é charmoso, com ares de South Beach. Não tem cassino. Procure ficar nos apartamentos da torre, que são mais novos. A desvantagem do Divi Phoenix é que está fora da área dos restaurantes e lojinhas; se você não quiser caminhar dez minutos, vai ter que ir de carro. Se você estiver de carro alugado e o preço estiver interessante, vai firme (eu fiquei e recomendo). Pesquise tarifas, veja opiniões de hóspedes e reserve aqui.

The Mills

Na quadra de trás do Westin fica o hotel boi-de-piranha dos pacotes (usado como chamariz de preço baixo), o The Mills. O preço fica ainda mais apetitoso quando você vê que todos os apartamentos têm cozinha equipada. Mas não espere luxos, e conte em caminhar pouco mais de cinco minutos até o início da zona da muvuca noturna. Tem uma estaçãozinha na praia que aluga espreguiçadeiras. Pesquise preços, veja opiniões de hóspedes e reserve aqui.

Riu Palace

Riu Palace

De volta à areia, o Riu Palace Aruba, é o mais importante all-inclusive de Palm Beach. A rede tem seus fãs, mas eu não curto não: acho os hotéis rebuscados, exagerados. E se eu já não recomendo all-inclusive em Aruba, em Palm Beach acho que não faz o menor sentido: a razão de estar ali é poder aproveitar a muvuquinha; se é para fazer todas as refeições dentro do hotel, faz mais sentido ficar em Eagle, que é uma praia melhor e não oferece a tentação do consumo do lado de fora. Mas o hotel se prepara para incorporar o prédio vizinho, onde funcionava o Westin. Ou seja: aumenta a presença all-inclusive no pedaço.

Radisson

Radisson

O hotel seguinte é o Radisson. Ainda não me hospedei nele, mas é possivelmente o hotel com a melhor relação estrutura x localização. Tem três grandes piscinas e um cassino de bom porte. O píer da De Palm Tours, de onde saem os passeios para a De Palm Island e onde fica o charmoso bar Bugaloe, está à esquerda do hotel. E você estará no comecinho do footing noturno: você atravessa a rua de trás e já está no shoppingzinho The Village (onde pontifica o Señor Frog’s. Na esquina estão o italiano Gianni’s e a steakhouse Daniel, e dobrando a rua você encontra a disco Confession, o Hard Rock Café e o shopping de bares South Beach Center (onde eu gosto do Café Rembrandt e do South Beach Lounge). Na outra calçada dessa rua lateral você chega a outros restaurantes, que detalho daqui a dois parágrafos, quando falar do Brickell Bay. Pesquise preços, veja opiniões de hóspedes e reserve aqui.

Occidental Grand

O vizinho de direita do Radisson é outro all-inclusive, o Occidental Grand. Acho um hotel mais simpático que o Riu, mas continuo não achando que all-inclusive valha a pena na ilha — sobretudo em Palm Beach.

Brickell Bay

Brickell BayBrickell Bay

Na quadra de trás do Occidental está aquele que eu acho a melhor alternativa econômica de Palm Beach, o Brickell Bay. É um três estrelas, sem estrutura nenhuma, piscina minúscula e funcionários não muito bem humorados — mas o quarto é gostoso, o preço costuma ser bom e a localização é perfeita. Há uma saída para a praia em frente; indo reto, você chega até o quiosque conveniado onde pode alugar sua espreguiçadeira. Na própria quadra do hotel, no shoppingzinho Arawak, você encontra o Salt & Pepper, onde dá pra tomar café da manhã a menos de 10 dólares. Há outros restaurantes na quadra, como a pizzaria (em conta!) Tomato Charlie’s e o piano bar The Sopranos. Pegando a rua lateral (a mesma do Hard Rock Café e do South Beach Center, descritos no parágrafo do Radisson) você chega à churrascaria-rodízio Amazônia e ao bom restaurante de peixes Aqua Grill. No fim da quadra estará o McDonald’s; e se você atravessar a estrada, vai achar um dos segredos desta região, o tailandês BBB Sawasdee. Já fiquei e achei um bom negócio. Pesquise preços, veja opiniões de hóspedes e reserve aqui.

Hyatt

Hyatt

Voltando à beira-mar: passando o Occidental está o sofisticado Hyatt. Os apartamentos são elegantes, os jardins, belíssimos — e a estrutura para crianças interessante, com tobogã na piscina. A quadra de trás, porém, é ocupada pelo estacionamento. Caminhando para um lado você chega aos restaurantes descritos nos parágrafos do Brickell Bay e do Radisson; para o outro, chega ao simpático Smoky Joe’s Island Grill, cenografado para não esquecer que está no Caribe, e à churrascaria-rodízio Texas de Brazil. Pesquise preços, veja opiniões de hóspedes e reserve aqui.

Costa Linda

Ao lado do Hyatt fica o Costa Linda, que funciona sobretudo como time-sharing. Para os não-hóspedes, o interessante são as lojinhas e restaurantinhos que dão para a rua de trás.

Holiday Inn

Holiday Inn

O próximo hotel é controverso: o Holiday Inn. O preço costuma ser o menor entre os pé-na-areia, e a localização é ótima: fica em frente ao shopping mais gostoso de Palm Beach, o Paseo Herencia (onde tem Friday’s, japonês, Starbucks e Häagen Dazs). Na praia, ao seu lado direito, na divisa com o complexo Marriott, você encontra um restaurante praiano legalzinho, o Moomba Beach. O problema do Holiday Inn é que o hotel estava muito detonado; uma renovação milionária está em curso, mas ao que parece só uma ala está pronta. Então tome cuidado com os apartamentos mais baratinhos. Pesquise preços, veja opiniões de hóspedes e reserve aqui.

Marriott

Marriott ArubaMarriott

MarriottMarriott


O complexo Marriott tem três hotéis: dois com características mais funcionais, com cozinha equipada, próprios para time-sharing — o Marriott Surf Club (apartamentos mais familiares, com lavanderia) e o Marriott Ocean Club (apartamentos mais sofisticados) — e o 5 estrelas Marriott & Stellaris Casino. A localização na praia é interessante, porque está no canto direito, com pouca passagem. Mas em termos do movimento da rua de trás, está mal posicionado: é preciso caminhar de 5 a 10 minutos (ou pegar o bondinho) para ir à muvuca. De todo modo, o hotel é auto-suficiente: nos dias em que der preguiça, dá para escolher entre buffets e restaurantes dos três hotéis. A área de praia é a mais charmosa entre os hotéis de Palm Beach; vale a pena reservar um jantar pé-na-areia ao pôr do sol. Os quartos do Marriott & Stellaris Casino são bastante luxuosos; já fiquei e gostei muito. O shopping mais próximo é o Palm Beach Plaza, onde lojas de grife e cinemas (além do ótimo bistrô Taste of Belgium); mas o vizinho Paseo Herencia é mais astralzinho. Pesquise preços, veja opiniões e reserve aqui.

Ritz-Carlton

Aberto em 2013, o Ritz-Carlton chegou para ser o hotel mais luxuoso de Aruba. Fica no canto direito, e virtualmente isolado, de Palm Beach. Dá para ir andando ao ponto onde ficam os windsurfistas Pesquise preços, veja opiniões e reserve aqui.

Eagle Beach

Eagle Beach


A apenas 3 km do centrinho da capital Oranjestad, Eagle foi a primeira região de Aruba a ser desenvolvida para o turismo. Os hotéis não têm aquela aparência urbana de Palm Beach; são mais praianos, com poucos andares, construídos mais para o gosto europeu. Nas placas da estrada você pode encontrar a indicação “Low-Rise Hotels” (área de hotéis baixos).

Os três quilômetros da orla têm areia mais branca, mar mais cristalino e densidade demográfica bem menor do que Palm Beach. A bem da verdade, o nome da praia muda conforme o trecho; o mais próximo ao centro é Druif, daí numa curva se torna Manchebo, e só perto da metade passa a atender propriamente por Eagle.

O primeiro quilômetro e meio tem hotéis que dão diretamente na areia; a segunda metade tem faixa de areia mais larga, calçadão, avenida beira-mar e um ou outro quiosque. Mas não pense numa beira-mar com lojas e restaurantes; não é o caso. O comércio é bem reduzido na região, provavelmente pelo fato da maioria dos hotéis funcionar no sistema all-inclusive. Os restaurantes funcionam dentro dos hotéis (alguns são abertos ao público); há um grande cassino, o Alhambra, e um shopping recém-inaugurado (fiquei sabendo no Guia de Aruba da Bel Koch-Allaman).

Vale a pena se hospedar em Eagle? Para um europeu que quer absorver energia solar por quinze dias torrando na praia, o lugar é perfeito. Mas pelo que eu aprendi nas caixas de comentários dos destinos do Caribe no site, o brasileiro busca um movimentozinho à noite — e, no departamento all-inclusive, prefere resorts mais estruturados e animados do que os de Eagle. Mas se o que você está a fim é de praia boa e descanso, e quer fugir dos modelos de Cancún ou Punta Cana, então Eagle Beach pode ser o seu número.


View Aruba: onde ficar in a larger map

Trecho pé-na-areia

Tamarijn

O primeiro trecho da orla (o mais próximo ao centro) é ocupado pelo complexo Divi, com os hotéis Tamarijn ArubaDivi Aruba, Divi Village Golf e Divi Dutch Village. Juntos, formam o grande resort da ilha, com campo de golf, recreação e entretenimento noturno. Tamarijn e Divi Aruba são all-inclusive ficam à beira-mar e têm nove restaurantes somados (os hóspedes podem freqüentar os restaurantes do vizinho). Divi Village Golf, com apartamentos mais luxuosos entre a praia e o campo de golf,  e Divi Dutch Village, com apartamentos mais simples nos fundos da propriedade, funcionam tanto sem refeições (você compra vouchers para usar em em alguns restaurantes do complexo) ou por all-inclusive (comprado ao fazer check-in, e também com oferta limitada de restaurantes no complexo). Fica no Divi Village Golf tem o prestigiado restaurante Windows on Aruba, aberto ao público (e onde hóspedes dos outros hotéis pagam extra).

O primeiro hotel passando o complexo Divi é o Casa del Mar. É o menos discreto dos hotéis da área, com quatro andares fincados na praia. Todos os apartamentos são suítes. A decoração parece meio antiquada. Não é all-inclusive.

Bem na ponta que divide duas enseadas está o primeiro hotel a ser construído na região de Eagle, o Manchebo Beach Resort. O prédio é baixinho e discreto; há lindas cabanas junto à praia que são usadas pelo spa. Os jardins também são muito bonitos. Funciona no sistema all-inclusive, com três restaurantes (há uma modalidade premium com refeições à la carte e drinks melhores). Pesquise preços, veja opiniões de hóspedes e reserve aqui.

Ao lado está um time-sharing das antigas, o Aruba Beach Club.

O próximo hotel é talvez o mais romântico da ilha: o Bucuti, o mais indicado para lua de mel. O hotel tem quartos elegantes e não hospeda crianças. O café da manhã está incluído nas diárias, mas as outras refeições são cobradas. O hotel recomenda o programa Dine Around, oferecido pela associação de resturantes da ilha, com menus de três pratos a 38 dólares. Pesquise preços, veja opiniões de hóspedes e reserve aqui.

Encerrando o trecho de hotéis pé-na-areia, um outro time-sharing: o Costa Linda.

Trecho com avenida

Eagle Beach

Finalmente, na praiona de Eagle, a apenas uma avenida da areia, existem dois hotéis.

Um é o baratíssimo MVC Eagle, um hotel simples mas que é a maior pechincha da ilha. De carro, a muvuca de Palm Beach estará a cinco minutinhos. (Daria até para ir a pé, mas vinte minutos no escuro pela estrada não é um programa agradável.) Pesquise preços, veja opiniões de hóspedes e reserve aqui.

O outro é o Amsterdam Manor, construído em estilo colonial holandês, que normalmente oferece um bom custo x benefício para quem busca um pouquinho de charme. Pesquise preços, veja opiniões de hóspedes e reserve aqui.

Oranjestad


View Aruba: onde ficar in a larger map

O centrinho da capital é menos agitado que Palm Beach, mas tem o seu movimento. Os dois pólos principais são o hotel Renaissance, que tem um supercassino e um shopping de grifes, o Renaissance Mall; e a marina onde aportam os cruzeiros, que tem restaurantes, bares e um shopping (com cinemas). O ambiente varia conforme a permanência dos navios; se há um cruzeiro aportado, a região da marina fica mais viva. Para compras não-grifadas, tente a Main Street durante o dia. À noite aproveite os restaurantinhos charmosos: o Que Pasa, o Cuba’s Cooking (com música ao vivo), a paelleria  Casa Tua Barcelona (agora no Renaissance Marketplace) e o português Gostoso.

RenaissanceRenaissance

Renaissance MarinaRenaissanceRenaissance

Renaissance Island


O grande hotel do centro é o Renaissance Marina Hotel, que tem um shopping e um cassino. O tchan aqui é o acesso à Renaissance Island, uma ilhota particular, com praias melhoradas pela mão do homem, que tem ambientes separados para adultos (topless permitido) e famílias. Lanchas fazem o trajeto Renaissance-ilha, ida e volta, de 20 em 20 minutos. A lancha entra dentro do Renaissance Marina — é um acontecimento. Pesquise preços, veja opiniões de hóspedes e reserve aqui.

Leia mais:

171 comentários

Sempre viajo usando as dicas de vocês é sempre dá super certo! Adoro!
Meu filho vai passar a lua de mel em Aruba e eu indiquei o Holiday em Palm beach pela indicação do Viaje na Viagem.
Agora nem mencionam este hotel. Porque? Obrigada!

    Olá, Cecilia! Na época da última atualização do post o hotel devia estar em reforma, tinha muita reclamação sobre isso. Agora parece que está OK de novo, tem nota 8 no Booking.

Olá! Compramos as passagens Brazil-Aruba, curacao-Brazil. Quantos dias vocês indicam para passarmos em cada lugar? Temos 8 dias livres. Obrigada!

me ajudem please! vou ficar 10 dias em Aruba, em agosto de 2019, e uma dúvida: Holiday ou The Mill ? Na diferença de preço entre os dois, ficando no The Mill, posso fazer mais passeios, visitar outras praias, etc … Vi que o The Mill é sempre colocado em pacotes, fiquei um pouco com medo ….

    Olá, Andrea! A diferença maior é que o Holiday Inn é pé na areia, o The Mill está na quadra de trás. Se a economia vai te proporcionar uma viagem melhor, vale a pena sim.

Olá!!!! Vcs saberiam me informar se o Radisson virou Hilton? Pq tento pesquisar por Radisson por indicação de uma amiga e por ver no site de vcs que é bem localizado, mas sempre caio no Hilton! Obrigada!!! Bjs

Fui na indicação do Ricardo Freire e me hospedei no Brickell Bay.
Não caiam nesta roubada!!!
Quarto feio, com o piso manchado, ar condicionado velho e barulhento. Por estar no meio de bares, restaurantes, etc… extremamente barulhento. Solicitei a troca de quarto, mas deu na mesma.
Não recomendo!!! A não ser que realmente os outros hotéis não caibam no orçamento.

Olá,
Estou em Aruba e, para minha surpresa, o Radisson virou Hilton. O pessoal da ilha está gostando. Para mim, que não conhecia nada, está tudo perfeito.

    Ah, obrigada Fernanda…estava procurando o Radisson para reservar e apareceu o Hilton, fiquei confusa se seria o mesmo hotel…seu comentário me ajudou.

Olá, bom dia!
Vou para Aruba e Curação em Agosto/2015. Qual seria sua sugestão de melhor hotel para passar lua de mel?
O Renaissance é muito longe das praias mais bonitas e agitação do palm beach?

Obrigada!

    Olá, Vika! Você estará à 15 minutos de carro de Palm Beach.

    Leia os comentários dos leitores acima. Muitos dão dicas de hotel que ficaram durante a lua de mel. 😉

Oi, eu estive em aruba a 4 anos atrás, fiquei no the Mill, adorei !!!

Eu gostaria de saber se tem alguma “pousada”, bread and breakfast ou hostel .

Grande abraço adoro seu blog

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.