Vista de Lake Louise, em Banff

Rochosas Canadenses: Banff, onde mora o Lake Louise

Placa no chão indica a rua em Banff
No Canadá, existem apenas duas cidades localizadas dentro das áreas de parques nacionais. Uma delas é Jasper, que fica no Jasper National Park. A outra é a encantadora Banff, parte do Banff National Park, que com seus menos de 4km2 de extensão marca para sempre a memória de quem a visita.

Situada a 1.463 m de altitude, Banff é a cidade mais alta do Canadá. Integrante das Montanhas Rochosas canadenses, e classificado como Patrimônio Mundial da Unesco, o pequenino município é um sonho: ruas bem cuidadas, com muita área verde, arquitetura graciosa, cercado por lindas montanhas, e ainda com Lake Louise pertinho, é impossível não pensar em como é sortudo quem mora ali.

Vista de Lake Louise a partir das montanhas

No inverno, Banff vira um dos destinos mais concorridos do Canadá. Juntando a estação Lake Louise Ski Resort, a Sunshine Village e a Mount Norquay, são 32 km² de áreas esquiáveis, com duas gôndolas e 26 lifts e teleféricos. No verão, trilhas pelas montanhas, passeios de cavalo, ou de canoa pelos lagos, observação de fauna e flora, além de opções culturais e de restaurantes recheiam uma visita.

As águas termais da cidade, porém, são atração independentemente da época do ano — ainda que mais gostosas no inverno. Em 1882, funcionários da Canadian Pacific Railway descobriram (sem estar procurando), uma piscina natural de águas quentes, no pé do que hoje é a Sulphur Mountain. Três anos depois, o parque de Banff foi criado, a fim de proteger toda a área. Hoje, vários hotéis oferecem piscina de águas quentes, mas o visitante também pode conhecer a Banff Upper Springs (1 Mountain Ave, ingressos a partir de C$ 7,30 por adulto).

Pontes sobre as estradas de Banff

O cuidado com a fauna, aliás, é uma das características mais bacanas da região. As estradas que cortam o parque não apenas são cercadas, para que nenhum animal corra o risco de ser atropelado, mas também ganharam pontes que tentam ao máximo reproduzir a vegetação local, para que os bichinhos também pudessem cruzar de um lado a outro da área, numa tentativa de não interferir demais em suas vidas.

Lake Louise

Mesmo que eu tentasse explicar o que é olhar pela primeira vez para Lake Louise, não seria capaz de me fazer entender. Quando você está a caminho dali, ainda nas montanhas, e começa a ver aquele “grande pontinho azul” lá no meio, já dá para começar a sonhar. Mas chegando de fato às margens do lago de mais de 2,5 km de extensão e 90 metros de profundidade, parece que o tempo para.

Vista de lake Louise

Vista do Lake Louise, em Banff

Guia do passeio de canoa pelo Lake Louise

Uma vez ali, é possível fazer passeios de barco ou canoa, alugados pelo Banff Canoe Club. Um simpaticíssimo guia nos ensinou conceitos básicos para remar e foi explicando durante a “navegação” o processo de degelo do pico da montanha Victoria e a formação do lago (que por isso ganhou o nome da filha da monarca britânica), além de histórias sobre a construção do hotel Fairmont Chateau Lake Louise. No inverno, a área se transforma em um rinque de patinação no gelo que também recebe torneios de hóquei e até competições de esculturas na neve.

Vista do farmont a partir de Lake Louise

Festival do gelo no Farmont de Lake Louise

Por estar em um ponto tão estratégico da paisagem, mesmo que você não se hospede no Fairmont, é possível almoçar ou tomar um café no estabelecimento, e aproveitar a maravilhosa vista. A questão é que mesmo depois de ter passado uma ou duas horas nas águas de Lake Louise, você continua a querer ficar por ali, admirando a paisagem.

Teleférico em Banff

Ursos vistos a partir do teleférico em Banff

O azul do lago porém, não é o único atrativo do parque. Os 6.641 km² guardam várias outras opções de passeios, como o teleférico aberto ou em gôndola, ambos com aproximadamente 15 minutos de duração. Dependendo da época do ano, é possível avistar alguns dos ursos-cinzentos que moram no local dando uma espreguiçada no sol. Há uma série de empresas locais que oferecem o passeio, saindo dos hotéis da cidade, ou incluindo refeições especiais no percurso.

Bow River e Moraine Lake

Tão maravilhoso quanto Lake Louise é Moraine Lake, que fica a apenas 14 km de Lake Louise, numa área conhecida como Valley of the Ten Peaks. A vista a partir do lago, com montanhas ao fundo, é chamado de Twenty Dollar View, pois era retratado nas notas de 20 dólares canadenses na década de 1970.

Estábulo de cavalos em Banff

Vindo das Montanhas Rochosas e passando por Lake Louise, o Bow River cruza toda a cidade de Banff. E uma forma interessante de conhecer as estradas da região é seguir o curso do rio a cavalo, em trilhas guiadas que duram de uma a duas horas. A vegetação encanta, assim como o barulhinho do rio, que acompanhará você por toda a duração do passeio. Tours de bicicleta também são possíveis, e não apenas pelo parque ou pelas áreas verdes, mas também pela cidade. Por ser pequeninha, é fácil chegar a vários pontos bonitos do local apenas pedalando. Por conta disso, é comum que os hotéis ofereçam gratuitamente algumas bicicletas para os hóspedes.

Aurora boreal em Banff

Outra visita interessante nos arredores é a Cascade Mountain, que fará moldura a todas as suas fotos do centro da cidade, Consta que pessoas muito, muito sortudas, conseguem presenciar, entre os meses de agosto e setembro, a aurora boreal acima dela.

Vista noturna da Banff Avenue

Onde ficar em Banff

Piscina em caverna no Fox Hotel

A maior parte das lojas, restaurantes e vida noturna da cidade fica na Banff Avenue e transversais. Como vários dos hotéis também estão localizados ali, é fácil se locomover pela cidade sem precisar de carro. Caso pense em ir mais longe, o sistema de transporte público cobre vários dos trajetos para as atrações clássicas da cidade, e custa apenas $ 2 por adulto (conheça mapas e horários aqui)

Minha estadia de apenas dois dias na cidade (e acredito que Banff mereça ao menos uns três dias inteiros, ou mais caso você queira de fato aproveitar a hospedagem), foi no Fox Hotel & Suites, uma gracinha de hotel que homenageia vários aspectos da cidade em seu interior, seja na madeira, elemento predominante da decoração ou na piscina de águas quentes que fica, literalmente, dentro de uma caverna abaixo do nível do hotel, como o verdadeiro Cave and Basin National Historic Site, o tal local encontrado pelos trabalhadores da Pacific Railway no século retrasado.

Cervo faz um lanchinho em Banff

E se nada disso convenceu você a conhecer a cidade, pense apenas: em que outro lugar, caminhando pela rua, você poderia encontrar um cervo fazendo um lanchinho no jardim de uma casa, sem que absolutamente ninguém ache aquilo anormal?

Heloisa viajou a convite da Canadian Tourism Comission.

Leia mais:

16 comentários

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.