Inhotim

Como visitar Inhotim

Inhotim: como visitar | Roteiros práticos

Veja como planejar sua visita ao Inhotim:

Horários e preços

Durante a pandemia, o parque abre apenas 6ª, sábado, domingo e feriado às 9h30. Fecha às 16h30 na 6ª e às 17h30 sábado, domingo e feriado.

O ingresso custa R$ 44. Crianças até 5 anos não pagam. Estudantes identificados, crianças de 6 a 12 anos e maiores de 60 anos pagam meia. Na 4ª, a entrada é gratuita para todos (exceto em feriados, quando há cobrança de ingresso).

Para visitas em dias consecutivos (que não envolvam o dia gratuito de 4ª), compre um passaporte. O de 2 dias custa R$ 84. O de 3 dias, R$ 122. O passaporte para 4 dias custa R$ 154. Todos os passaportes saem pela metade do preço para estudantes identificados, crianças de 6 a 12 anos e maiores de 60.

Comprando ingresso online, você imprime um voucher e troca num guichê exclusivo, evitando filas maiores.

É importantíssimo ir com calçados usados e confortáveis. Leve também uma mochilinha para carregar água e guardar o blusão ou casaquinho que você queira tirar depois de começar a caminhar.

Transporte interno no parque

Inhotim

Uma frota de carrinhos elétricos roda por cinco rotas, com pontos de parada fixos e sinalizados.

Visitantes com dificuldade de locomoção podem usar o transporte gratuitamente: basta pedir uma pulseirinha na recepção (com direito a um acompanhante).

Os demais visitantes pagam R$ 30 pelo serviço (grátis crianças até 5 anos acompanhando pagantes). O transporte pode ser comprado online (selecione a data da visita e aparecerá também a opção transporte).

Para ir de Belo Horizonte ao Inhotim, leia a página Como chegar.

Inhotim em 1 dia

inhotim6

Uma visita é insuficiente para explorar todo o complexo. Se você só tem um dia e está na neura de não perder o essencial, o melhor é (1) estudar previamente as obras, para definir quais você faz mais questão de ver e (2) comprar o passe de transporte interno para conseguir chegar às galerias mais distantes.

As obras e galerias podem ser pré-visitadas virtualmente pelo Google Art Project. Sabendo o nome do artista, você pode pesquisar também no próprio site do Inhotim. O mapa oficial pode ser baixado do site para planejar a sua visita. Não deixe de pegar o mapa físico na recepção ao entrar.

Como não existe uma hierarquia entre as obras expostas, tampouco uma lógica para a distribuição das obras pelo parque, não há um percurso-padrão unânime para o visitante que não queira perder nada do ‘best of Inhotim’. A verdade é que cada pessoa terá seus próprios favoritos.

Tendo apenas um dia, eu privilegiaria as galerias de um artista só, que são mais espetaculosas e demandam menos tempo de visita. Galerias que expõem muitos artistas (como Lago, Fonte, Praça) funcionam como minimuseus e requerem um tempo maior de contemplação.

Caso você queira ir atrás do meus favoritos, aí vai um roteirinho circular com paradas nas obras que mais me impressionaram (acompanhe pelo mapa):

Inhotim

  • Pegue o carrinho da linha 1. Ele leva até o Galpão Cardiff & Miller (G11 no mapa). Antes ou depois do galpão, você pode almoçar na pequena hamburgueria anexa. Ainda na área, não perca o caleidoscópio de Olafur Eliasson (A13); aproveite que está pertinho para entrar no salão de baile de Valeska Soares (G14).
  • Na rua de trás, pegue o carrinho da linha 2. Ele leva até a Galeria Psicoativa Tunga (G21 no mapa).
  • Volte pelo carrinho da linha 2 e pegue o carrinho da linha 3. Ele deixa você em frente à piscina de Jorge Macchi (A15). Por ali, caminhe até a instalação participativa de Marilá Dardot, onde você pode plantar flores em vasos com as letras do seu nome. Volte à rua principal e suba até o pega-varetas de vigas de ferro de Chris Burden.
  • Pegue o carrinho da linha 4. Ele leva até os fuscas de Jarbas Lopes, que são o ícone-mor do Inhotim (A6 no mapa). Se ainda der tempo, visite a Galeria Cosmococa, de Hélio Oiticica e Neville d’Almeida.

Inhotim

  • Vá descendo pela transversal do circuito amarelo e, antes de sair, despeça-se de Inhotim na Galeria Lygia Pape (G20, circuito laranja).

Tenha em mente que, numa visita tão esquematizadinha pá-pum como essa (ou qualquer outra que você venha a planejar), você até consegue ver o máximo de galerias, mas abre mão de surpresas e também do ritmo mais relaxado que o parque oferece para quem visita a pé.

Uma estratégia alternativa para curtir o parque em 1 dia sem neuras: (1) tirar a manhã para flanar e fazer descobertas ao acaso; (2) depois do almoço, ainda vai dar para ir (usando o transporte dos carrinhos) a três ou quatro obras/galerias que estejam no topo da sua lista e que não tenham aparecido no seu caminho da manhã.

Inhotim em 2 dias

Tendo dois dias para visitar, você consegue zanzar por todo o parque sem se esbaforir. A visita pode ser menos planejada — o que é ótimo, porque quanto menos informação prévia você tiver sobre as obras, maior o seu potencial de encantamento.

Vejo duas estratégias possíveis para uma visita em dois dias. A primeira é cartesiana: siga os circuitos rosa e amarelo no primeiro dia (veja no mapa), e percorra o circuito laranja no segundo dia.

A segunda estratégia é aleatória: tire o primeiro dia para se perder no parque e ir visitando as obras e galerias ao acaso, à medida que se apresentem no seu caminho. Depois da visita, veja no mapa por onde você andou e, no segundo dia, faça uma visita mais dirigida, passando pelas áreas não-visitadas do dia anterior.

Inhotim em 2 dias com criança

Veja um roteiro completo neste post.

Passagens mais baratas para Belo Horizonte no Kayak

Encontre seu hotel no Booking

Faça seu Seguro Viagem na Mondial Assistance

Alugue carro em Belo Horizonte na Rentcars em até 10 vezes

30 comentários

Ricardo, quando preparo uma viagem para qualquer lugar no mundo não diexo de o consultar. Suas dicas são funcionais e facilitam na organização e descobertas. Parabéns! Em fevereiro ou março planejo uma ida a Inhotim em 2 dias. Li numa de suas respostas que vc indica dormir em BH no primeiro dia. Como chegarei pela manhã tipo 6h, penso em engrenar direto. Vc orienta buscar um tour idas e vindas em 2 dias ou há acomodações em Brumadinho no centro? E será fácil transporte até o parque? Tanto na ida como na volta do parque? Vc teria esta experiência? Obrigado!

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.