Monte Verde

Honeymoonlândia
  • 0
Heloísa Dall'Antonia
por Heloísa Dall'Antonia

Quando Verner Grinberg conheceu a região de Campos do Jaguari, na divisa entre Minas Gerais e São Paulo, em 1938, a paixão foi instantânea. Nascido na Letônia e vindo ainda criança para o Brasil, Grinberg viu ali o lugar para se estabelecer por definitivo, depois de ter morado em outras cidades do interior em que letões haviam formado colônias. Dos cinco alqueires comprados de início, suas propriedades foram aumentando de tamanho, e quando um vilarejo nasceu, nada mais justo do que dar a ele o nome de Grinberg (grüne Berg, em alemão, significa verde monte).

Com o passar do tempo, a vocação turística de Monte Verde foi tomando corpo. A altitude de 1.555 metros passou a atrair hotéis e restaurantes. O clima frio, aliado às bonitas paisagens da Serra da Mantiqueira e ao aconchego das pousadas, compunha o cenário perfeito para viagens românticas. Nascia o combo perfeito lareira + fondue para casais apaixonados. Em Monte Verde, qualquer viagem tem aspecto, cor, temperatura e textura de lua de mel.

Ainda que a quantidade de lojinhas e lugares para comer e ficar tenha se multiplicado nos últimos anos, Monte Verde conserva um pouco de seu lado rústico, já que parte de suas ruas continua, de propósito, sem asfalto. A estrada serrana que leva ao vilarejo, porém, não deixa mais ninguém atolado pelo caminho: foi asfaltada.

Apesar de ser apenas um distrito (a sede do município é em Camanducaia), Monte Verde possui uma agência do Bradesco e um caixa eletrônico do Itaú (dentro do Inverness Mall). Cartões de débito e crédito são bem aceitos em praticamente todos os lugares, mas alguns contam com recepção fraca de sinal.

Ao chegar a Monte Verde, não deixe de dar uma paradinha no portal da vila: o esquilo que dá boas-vindas se mexe.

Se preferir, clique para ir direto ao tópico:

  • Quantos dias em Monte Verde?

Monte Verde: avenida principal

Dois dias inteiros em Monte Verde (ou seja, três pernoites) é o tempo mínimo para explorar as atrações naturais da região. Mas para curtir as principais vocações do destino -- descanso e comilança -- o ideal é ficar mais tempo.

Voltar | Menu

  • Quando ir a Monte Verde

Monte Verde: Mirante da trilha da Pedra Redonda

Mirante da triha da Pedra Redonda

Apesar do apelo incondicional no inverno, Monte Verde pode ser visitada o ano todo, mantendo sempre temperaturas amenas -- inclusive no alto verão.

O verão, de dezembro a março, é a época mais chuvosa do ano, com precipitações médias acima de 200 mm. A temperatura dificilmente ultrapassa os 24ºC, fazendo mesmo do verão uma época agradável na serra.

Outono e inverno são as temporadas mais secas no local (o índice pluviométrico sequer chega a 95mm), garantindo aqueles bonitos dias com sol e ventinho de fresco para gelado, dependendo do horário. De abril a agosto a temperatura vai, em média, dos 11ºC a no máximo 20ºC. E mesmo naqueles dias de inverno em que dá para sentir calor sob o sol, à noite o friozinho será garantido).

Setembro costuma ser um mês particularmente chuvoso em Monte Verde. A média histórica indica precipitação de 238 mm, destoando do restante da primavera, que apresenta pancadas de chuva que não devem atrapalhar os passeios. A temperatura sobe um pouquinho, com mínima por volta dos 15ºC e máxima de 23ºC.

Festivais de Monte Verde

Os principais eventos que movimentam o distrito são:

  • O Festival de Inverno, que acontece nos fins de semana em julho e combina atrações musicais, oficinas culturais e apresentações de rua em diversos endereços
  • O Festival Gastronômico, que promete deixar os participantes sempre com água na boca, durante o mês de outubro.
  • O Festival de Natal, que acontece nos sábados de dezembro, com apresentações temáticas e decoração especial.

Voltar | Menu

  • Como chegar a Monte Verde

Monte Verde faz parte do município de Camanducaia, no sudoeste do estado de Minas Gerais. Do centro de Camanducaia até Monte Verde são mais 30 km em estrada asfaltada, porém bastante sinuosa. O local está a 1.555 m de altitude.

A melhor forma de circular pelo centrinho do distrito é a pé –- aos sábados à noite pode ser especialmente difícil chegar até a entrada do restaurante escolhido --, mas há diversos estacionamentos pagos pela avenida Monte Verde.

Para conhecer os atrativos mais distantes, estar motorizado faz toda a diferença.

De carro

De São Paulo a Monte Verde de carro

São Paulo-Monte Verde de carro

São Paulo fica a pouco mais de 165 km de São Paulo, uma viagem de duas horas e meia.

Vá pela Fernão Dias (BR-381), seguindo por aproximadamente 122 km (você vai passar por dois pedágios). A saída 918 vai indicar o caminho para Camanducaia. Já na cidade, acompanhe a sinalização rumo ao distrito de Monte Verde, por mais 30 km.

Do Rio de Janeiro a Monte Verde de carro

O Rio de Janeiro fica a 541 km de Monte Verde, uma viagem de oito horas.

Percorra perto de 495 km em direção a São Paulo pela Dutra (BR-116), até a entrada de Jacareí. Saia pela Rodovia Pedro I (SP-065) até a cidade de Atibaia, onde você vai virar na Fernão Dias (BR-381). A saída 918 vai indicar o caminho para Camanducaia. Já na cidade, acompanhe a sinalização rumo ao distrito de Monte Verde, por mais trinta quilômetros.

De Belo Horizonte a Monte Verde de carro

Belo Horizonte está distante 483 km de Monte Verde, uma viagem de seis horas e meia.

Siga pela Fernão Dias (BR-381) por pouco mais de 440 km até Camanducaia. Já na cidade, acompanhe a sinalização rumo ao distrito de Monte Verde, por mais trinta quilômetros.

De ônibus

A partir de São Paulo

Rodoviária de Camanducaia

Meio do caminho: rodoviária de Camanducaia

Não há um ônibus direto entre São Paulo e Monte Verde. É preciso pegar um ônibus de São Paulo a Camanducaia e outro de Camanducaia a Monte Verde.

A Viação Cambuí (tel. 11/2221-4165) tem saídas diárias para Camanducaia a partir do Terminal Rodoviário do Tietê (metrô linha 1 – azul). São 7 horários diários, em ônibus confortáveis, com tarifas de R$ 31,87, ida (setembro de 2017). Dá para comprar online em portais de passagem de ônibus. A viagem até Camanducaia dura pouco mais de duas horas.

Chegando na pequena rodoviária de Camanducaia, você compra a segunda passagem, também da Viação Cambuí, que leva até o distrito (percurso de aproximadamente mais uma hora), com paradas de ônibus de linha. De segunda a sábado há normalmente sete saídas para o distrito; já aos domingos, há apenas três opções de horários. A passagem custa R$ 8,20, ida (setembro de 2017). Para coordenar os dois ônibus saia de São Paulo, no máximo, no ônibus das 15h, para pegar o segundo, em Camanducaia, às 17h30 (ou, caso a Fernão Dias não colabore, às 19h). Essa passagem não pode ser comprada online.

Ao chegar a Monte Verde, o ônibus entra na Av. Sol Nascente e segue por toda a sua extensão. Não há terminal rodoviário no distrito: o ponto final da linha fica na rua dos Eucaliptos, em frente a uma padaria.

Aos domingos, a Cassalho Turismo (tel. 35/3433-1432) opera micro-ônibus que levam de Monte Verde a Camanducaia (e vice-versa) em mais horários. A passagem custa R$ 8 (agosto de 2017) e as malas precisam ser transportadas dentro do veículo.

Caso você queira (ou precise) ir de táxi da rodoviária de Camanducaia e Monte Verde, espere gastar R$ 120 (agosto/2017).

Pontos de táxi em Monte Verde

Há um ponto de táxi bem no centro da cidade, na rua da Mantiqueira, ao lado do Bradesco. Os carros não têm taxímetro, por isso, combine com o motorista sobre valores antes de começar a viagem. O sr. Onofre (35/998-748-045) e o sr. Roberto (35/999-670-012) são dois dos taxistas locais, que circulam bastante pelo distrito e arredores.

De avião

O aeroporto mais próximo de Monte Verde é o de Guarulhos, em São Paulo. Não compre passagem para Congonhas: sua viagem vai aumentar em uma hora, atravessando a cidade de São Paulo.

Do aeroporto de Guarulhos a Monte Verde de carro

Do aeroporto, siga pela Via Dutra (BR 116) em direção a São Paulo. 10 km depois de entrar na Dutra você fará o retorno para pegar a Fernão Dias (BR 381) -- ou seja, não será preciso entrar em São Paulo. Siga as instruções do tópico De São Paulo a Monte Verde de carro.

Do aeroporto de Guarulhos a Monte Verde de ônibus

É complicadinho. Você vai precisar ir de táxi, ônibus especial ou ônibus comum + metrô até o Terminal Rodoviário do Tietê, de onde saem os ônibus para Camanducaia. A partir dali, siga as instruções do tópico De ônibus a partir de São Paulo.

Voltar | Menu

  • Onde ficar em Monte Verde

Roots Resort: café da manhã

São quase 200 pousadas e hotéis para escolher. Quanto mais bacana for a pousada, mais difícil será encontrar acomodações tamanho família. O clima lua de mel impera.

Se você vai de carro, descubra como é o estacionamento na sua pousada –- se numa área específica para todos os veículos ou próxima ao chalé em que você vai se hospedar. Como muitos terrenos foram preservados na construção dos estabelecimentos, pode ser trabalhoso levar as malas até a entrada do quarto.

Nem todos os hotéis aceitam animais de estimação. Caso queira levar o seu pet, consulte antes.

No Centro

Quem se hospeda na área central dispensa o carro nas saídas noturnas. As pousadas a seguir estão anotadas em vermelho no mapa.

Roots Resort

Onde ficar em Monte Verde: Roots Resort

Hospedar-se no Roots Resort é como estar num condomínio fechado: apesar de estar localizado no centrinho da vila, a apenas uma quadra das galerias e já com opções de onde comer a passos de distância, a tranquilidade é absoluta. Além do portão e muros que separam a propriedade da rua, as casas em que ficam os quartos ficam 'afastadas' dessa entrada.

Casas? Pois é. O Roots disponibiliza diversos quartos, todos dentro de estilosas residências que dividem apenas a sala de estar. Contando com decoração de bom gosto e qualidade superior na escolha de colchões, roupas de cama e de banho, um quarto é diferente do outro, inclusive em tamanho, vista a partir da sacada e mesmo se há ou não banheira no quarto.

O projeto paisagístico da propriedade é muito bonito e há diversos locais para se caminhar e apreciar a natureza por ali mesmo. A piscina e a jacuzzi são externas.

O café da manhã conta com bolos, doces da região e pães. A atenciosa equipe também prepara ovos, vitaminas e tapiocas caso o visitante peça.

Mais pousadas

A Pousada Avenida tem dependências simples, mas está muito bem localizada. Proximidade do centro também é o forte da Flor da Montanha é superconveniente para famílias e grupos: oferece chalés em que cabem até nove pessoas.

Tudo é novinho e bem clean na Pousada Jardim da Mantiqueira. Não estão muito longe dali os Chalés Dona Zenta, que oferecem uma estadia simples, mas avaliada como muito cortês com os hóspedes.

A uma pequena caminhada do centrinho do distrito também está a Pousada Villa D’Amore, cuja construção privilegiando madeira dá um clima e charme todo especial aos quartos, alguns com lareira e jacuzzi. A Pousada Bem-Te-Vi está pertinho da rua principal e também oferece esse clima rústico com conforto, aceitando também animais de estimação.

Av. Sol Nascente e arredores

Essas pousadas estão a uma pequena distância do centrinho, mas você já vai quer usar o carro para sair à noite. As pousadas a seguir estão marcadas em laranja no mapa mais acima.

Villa Monte Verde

Onde ficar em Monte Verde: Villa Monte Verde

Bem próximo da entrada da cidade, a Pousada Villa Monte Verde oferece dois tipos de acomodações. Há os chalés, que têm uma pequena sala de estar, lareira e banheira com vista para a área verde do espaço, e algumas suítes que ficam juntas em outro prédio, um pouco mais distante da recepção.

As suítes têm bom tamanho e banheiro com chuveiro. Há também uma lareira, mas sozinha ela não dá conta do frio durante a noite. Talvez por isso mesmo os quartos contem com lençóis térmicos, uma invenção da humanidade que você vai se questionar de por que não conheceu antes. É só ligar e dar o tempo necessário para que você nunca mais tenha vontade de sair da cama.

O café da manhã é servido na casa em que está a recepção. Bolos, pães e pãezinhos de queijo assados na hora dividem espaço com frutas, iogurtes e ovos.

Mais pousadas

Ainda na Av. Sol Nascente estão a novinha Pousada Canto do Sabiá, com seus chalés com lareira e hidro e o estiloso Hotel Saint Michel, que oferece chalés charmosos com hidro, lareira e que recebem até quatro pessoas.

Banheiras de hidromassagem individuais ou duplas a metros da cama e decoração colorida são características da Alas de La Sierra, que assim como a Pousada Cantinho de Monte Verde e a Essências de Minas está próxima à entrada do distrito.

Pousadas em 'pontos turísticos'

Duas pousadas estão localizadas em lugares que fazem parte do city-tour de Monte Verde. Elas estão anotadas em azul no mapa mais abaixo.

A Viviê Pousada tem um pequeno avião e uma torre de comando dentro do seu terreno (inclusive aproveitou para fazer uma suíte especial tematizada por ali).

A Pousada do Castelo é outro marco de Monte Verde: um castelo de tijolinhos que muita gente faz questão de fotografar.

Mais distantes do centro

As pousadas e hotéis deste grupo oferecem imersão na natureza e vistas inigualáveis. São as melhores opções para quem quer simplesmente descansar (ou namorar) com todo o conforto. Para passear, porém, estar de carro é fundamental. As pousadas a seguir estão marcadas em verde no mapa.

Mirante da Colyna

Onde ficar em Monte Verde: Mirante da Colyna

O atendimento da Pousada Spa Mirante da Colyna é muito cuidadoso desde o check-in. A pousada se espalha dos dois lados da rua: de um lado, recepção, quadra de tênis, sala de jogos e cinema. Do outro, o hotel propriamente dito -- onde também ficam o restaurante, a piscina coberta e o spa. São 24 chalés para casais, mas há uma opção de chalé para cinco pessoas, com mezanino. Alguns quartos são equipados com banheira de hidromassagem dupla, e absolutamente todos têm calefação (que só pode ser ligada por um funcionário da pousada) e lareira. Para contemplar o verde, uma rede está estrategicamente posicionada na varanda.

O gracioso restaurante serve todas as refeições, desde o café colonial (incluso), até almoço e jantar -- uma comodidade para quem não quer se deslocar à noite. Pela manhã há uma boa variedade de pães e doces, além de uma ótima forma de oferecer outros pratos: todas as mesas dispõem de lápis e papelzinho com as opções do que pode ser preparado a parte especialmente para o hóspede – omeletes, ovos mexidos, vitaminas. É fácil e rápido. À noite, a grande lareira fica acesa para receber os visitantes e servir caldos, fondues e outros pratos à la carte. O clima é muito agradável, e mais gostoso ainda porque você sabe que está a apenas alguns passos do seu chalé (o jantar também pode ser servido no quarto).

O Samandhi Spa tem uma bonita estrutura envidraçada, que permite que alguns dos tratamentos sejam feitos com a vista da mata nativa.

Kuriuwa

Onde ficar em Monte Verde: Kuriuwa

Quartos confortáveis e quentinhos são o grande diferencial do Kuriuwa Hotel. É uma delícia chegar ao chalé pela primeira vez e já encontrar o aquecedor funcionando, tanto o do quarto quanto o que funciona no banheiro, fazendo com que a banheira dupla fique ainda mais interessante.

Na altitude e cercados de muito verde, os chalés têm boa distância uns dos outros e estão espalhados pela grande área do hotel. Todos contam com lareira interna e outra externa, numa pequena varandinha com sofás. Sala de ginástica e spa ficam próximos da piscina, que é ao ar livre. Uma grande sacada na saída do restaurante oferece lugar para quem quer simplesmente relaxar ou tentar encontrar esquilos, praticamente cidadãos honorários de Monte Verde. O café da manhã tem opções de pães, bolos e geleias. O restaurante serve todas as refeições -- você pode pedir para ser servido no quarto. Um dos chalés oferece vista a partir da banheira. Outro dispõe de um ofurô externo, também com visão do verde.

Meissner Hof

Onde ficar em Monte Verde: Meissner Hof

Uma pequena capela, incrustada nas montanhas, mostra a vocação do Meissner Hof para eventos românticos. O hotel tipicamente alemão foi construído quase que artesanalmente por seu dono, e é uma das primeiras hospedagens de Monte Verde. Os quartos e chalés podem receber tanto casais quanto famílias (o que inclui animais de estimação).

Há piscina externa e outra coberta e aquecida, com uma bonita vista da área; redes; salão de jogos; sauna; mini golfe e bar, além do restaurante que pode servir todas as refeições. A culinária oferecida tem também inspiração da Alemanha e a ideia central da hospedagem é que o visitante se sinta na Baviera.

Fazenda Itapuá

Onde ficar em Monte Verde: Fazenda Itapuá

Divulgação

Pertinho dos limites do distrito, a Fazenda Hotel Itapuá tem chalés privativos espalhados pelo amplo terreno, repleto de pinheiros e eucaliptos. O espaço, que preservou a natureza local, oferece trilhas e passeios a cavalo.

Há quartos para casais, com deliciosas lareiras e banheira de hidromassagem, e opções para famílias, que chegam a hospedar até cinco pessoas. Todos os chalés contam com varanda com redes e vista para o verde. Alguns contam com ofurô.

Piscina externa climatizada, hidromassagem e um pequeno parquinho para crianças completam o local, que também aceita animais de estimação. O restaurante, cheio de simpáticos detalhes como uma coleção de cucos, serve todas as refeições, inclusive fondues e pratos de cozinha mineira.

Mais pousadas

A belíssima vista a partir do restaurante é um dos atrativos da Emy Pousada. Os arredores da graciosa Pousada Suíça Mineira, que podem ser apreciados a partir das janelas dos chalés e mesmo da piscina coberta, também garantem o clima romântico.

Um dos mais tradicionais de Monte Verde, o Hotel Cabeça de Boi tem uma boa avaliação principalmente no que se refere a recreação de crianças. Lago com pedalinhos, mini golfe, trilhas e piscina coberta estão entre os atrativos.

Tanto o rústico e romântico Chalés Montanha Serrana quanto o confortável Resort Magnífico ficam ligeiramente próximos do portal do distrito e, ainda que seja necessário estar de carro, o percurso não toma mais do que cinco minutos.

Voltar | Menu

  • Onde comer em Monte Verde

Ir para Monte Verde é certeza de, pelo menos uma vez, comer fondue. O prato de origem suíça bate ponto em praticamente todos os cardápios -- e mesmo quem não pretende sair do quarto à noite costuma poder pedir um da cozinha do próprio hotel. Dos 'tradicionais' feitos com queijo, carnes e chocolate, até outros com ingredientes inusitados. O valor da fondue costuma estar nítido bem na entrada dos locais.

Mas se o seu paladar quer passar longe dos réchauds, há também comida mineira e outras opções para encarar o friozinho. Mesmo o café no meio da tarde ganha um aliado especial: o strudel, que pode ser encontrado em versões doces e salgadas.

A avenida Monte Verde e suas transversais concentram praticamente todos os restaurantes do distrito. Com algumas exceções (notoriamente os restaurantes italianos e os de comida mineira), os cardápios trazem um pouco de tudo: rodízio de fondue, saladas, pratos com carnes e eventualmente até lanches, em muitos casos tornando difícil definir uma especialidade. A maioria dos restaurantes abre para almoço e jantar.

Fondue

Presente em praticamente todos os cardápios dos restaurantes de Monte Verde, a fondue pode ser servida de três formas diferentes:

  • Como prato único (em que apenas um tipo é servido)
  • Como rodízio, normalmente de carne, queijo e chocolate (em que se repete à vontade todos os tipos oferecidos)
  • Como sequência, também de queijo, carne e chocolate (mas aí com uma porção única de cada um deles)

Costumam acompanhar o pedido, pães, batatas, molhos e frutas. Os preços são por pessoa e variam conforme a sua escolha (pergunte ainda na porta como qual é o esquema da casa). Caminhando pela cidade você notará que os preços são bastante semelhantes no que se refere ao valor da sequência, que fica na casa dos R$ 50 (agosto/2017).

Como boa parte dos restaurantes tem ambiente fechada por conta do friozinho da região, comer fondue é como ir a um churrasco: o passeio termina mas o cheiro do jantar fica impregnado nas roupas. Leve isso em consideração ao montar sua mala.

Onde comer em Monte Verde: Mont Vert Casa do Fondue

Mont Vert (Casa do Fondue)

O Restaurante Mont Vert, também conhecido como A Casa do Fondue (Rua Rolinha, 71, tel. 35/3438-2083) é um dos endereços mais tradicionais para se apreciar o prato no vilarejo. O concorrido endereço serve as opções comuns e também uma série de outras iguarias, como fondue de leite ninho com gianduia, de queijo suíço, de carnes nobres (que incluem javali, cordeiro e avestruz) e de doce de leite.

O rodízio premium oferece filé mignon, truta, lombo suíno e frango, trazidos crus à mesa, assim como a chapa, já com o réchaud, em que serão preparados pelo próprio visitante. Com uma rápida explicação o garçom mostra a quantidade de azeite e de tempo que cada carne exige para ficar no ponto escolhido pelo cliente. Já o fondue de queijo, que vem ao mesmo tempo, chega prontinho, bastando mergulhar nele as batatas temperadas e os pedacinhos de pães. Oito molhos são servidos numa simpática bandeja com legenda, para facilitar a vida dos atendentes: chimichurri, alho, mostarda com mel, abacaxi com pimenta, palmito, barbecue, chutney de manga e um especial do dia. Na hora da sobremesa, morangos, bananas, uvas, marshmallows e suspiros são embebidos no chocolate preto derretido, garantindo a energia para o clima frio. Custa R$ 89,90 por pessoa (agosto/2017). O rodízio tradicional tem carnes diferentes -- bombom de alcatra, lombo e frango –- mas é o mesmo no restante das opções, e custa R$ 79,90 (agosto/2017). Apesar de a especialidade serem os fondues, até as 17h a casa serve pratos de cozinha mineira e caseira. À noite, há música ao vivo.

Misto de barzinho e restaurante, o Empório Monte Verde (Av. Monte Verde, 1057, tel. 35/3438-1474) tem sequência de fondues a partir de R$ 44,90 por pessoa (agosto/2017) e oferece no cardápio outros pratos com carnes e legumes que podem ser servidos nas mesinhas externas. Ocasionalmente há música ao vivo.

Próximo dali, numa esquina em que também funciona um empório que vende queijos, chocolates e geleias, o Alpminas (Av. Monte Verde ; tel. 35/ 3438-2022) tem sequência de fondue a partir de R$ 49,90 (agosto/2017) e buffet de sopas. Curiosidade: a casa se gaba de ter o 'maior doce de abóbora do Brasil', com 700 kg.

No Restaurante Március (Av. Monte Verde, 845, tel. 35/3438-1508) a fondue é servida no esquema de sequência a partir de R$ 59,90 (agosto/2017). Filés e massas complementam o cardápio.

O ambiente descontraído e as opções caprichadas do Café Pinhão (Av. Monte Verde, tel. 35/3438-1222) agradam em cheio. O rodízio sai por R$ 55,90 (agosto/2017).

Restaurante e boteco, o Villa Amarela (Av. da Fazenda, 10; tel. 35/3438-2460) tem comida mineira, carnes, massas e sopas, além de um rodízio de fondue a R$ 49,90 (agosto/2017).

Truta

Há opções de pratos com trutas por toda a cidade, mas o cardápio do Paulo das Trutas (Av. das Montanhas, 120 e Rua da Floresta, 810, tel. 35/ 3438-1214) é focado no peixe em diversas formas: assada, no papelote, em iscas, como casquinha... A criação própria abastece o restaurante, que serve o peixe sempre fresco.

Mineiros

O Caipira

O Caipira (Av. das Montanhas, 43, tel. 35/3438-2141) leva a sério sua identidade: arfáci e côvi são citados no cardápio como acompanhamentos de pratu pra duas pessoa cumê, entre outras gracinhas com o vocabulário. Vaca atolada, costela no bafo, leitão à pururuca e filé minhão cum frita são algumas das opções que servem duas pessoas e ficam na faixa dos R$ 100. Depois da saborosa refeição é possível se servir de café ou chá feitos no fogão a lenha.

Apesar do nome, o Sabor Mineiro (Av. Sol Nascente, 1945, tel. 35/3438-2417) não fica apenas no leitão, frango caipira e tutu, servindo também fondue e feijoada.

No Galinha da Roça (Av. da Fazenda, 37, tel. 35/3438-1509), que fica pouco depois do portal de entrada do distrito, pratos à la carte (como trutas e rodízio de fondue a R$ 49,90 –- preço de agosto/2017) dividem espaço com comida mineira no esquema self-service, feita no fogão a lenha.

Italianos

Onde comer em Monte Verde: Portale di Napoli

Portale di Napoli

Passando o portal de entrada de Monte Verde está a simpática Cantina Portale di Napoli (Av. Monte Verde, 215, tel. 35/3438-1956), especializada em polpettones clonados do Jardim de Napoli paulistano. O ambiente interno é divertido e o atendimento, cuidadoso. O cardápio oferece diversas massas frescas, além de antepastos bem saborosos. Espere gastar ao menos R$ 50 por prato.

Pequenino como o nome sugere, o Villa Donna Bistrô (Rua da Rolinha, 33, tel. 35/3438-1881) trabalha com massas frescas e também prepara polentas servidas em panelinhas de ferro, além de risotos.

Um pouco mais à frente, o Mamma Tera (Rua da Rolinha, 102, tel. 35/3438-1912) tem no nhoque recheado seu prato chefe, mas também serve trutas, filés e fondue.

Massas, pizzas (servidas numa simpática embalagem imitando o Coliseu) e sopas também são servidas na Cantina Roma (Av. Monte Verde, 969, tel. 35/3438-2200).

Um pouquinho mais distante, o Ristorante Di Venetto (Rua do Aeroporto, 740, tel. 35/3438-2606) acrescenta trutas e sopas servidas dentro do pão italiano ao cardápio típico de cantina.

Já o Tito’s du Village (Av. Monte Verde, 790, tel. 35/3438-2527) é uma opção para quem busca uma raclette.

Para quem não consegue ficar sem pizza, a Casa da Pizza (Rua Pau Brasil, 218, tel. 35/3438-2581) tem ambiente simpático e serve variações como borda vulcão, ou recheada de requeijão.

Alemães

Onde comer em Monte Verde: Fritz

Fritz

Salsichões e, obviamente cervejas, são a especialidade do Fritz (rua da Rolinha, 10, tel. 35/3438-2414). Há diversos pratos que servem duas pessoas misturando diferentes carnes -- como o München, que traz Eisbein defumado, Kassler, salada de batatas e chucrute acompanhados de molho páprica, a R$ 66 (agosto/2017). Vários rótulos produzidos na casa são servidos harmonizando com os sabores. Saladas e aperitivos também fazem parte do cardápio.

'Um food truck que não sai do lugar'. É assim que os monte-verdenses se referem ao escondidinho Wurst Fast Food (Av. Monte Verde, 850, tel. 35/3438-1223), que serve salsichões no espeto, com batata rosti, goulasch e lanches gourmet.

Weisswurst, Kassler e Bratwurst são servidas também no Restaurante Tenne (Rua Pau Brasil, 245, tel 35/3481-1304).

Pratos alemães são os petiscos na Confraria Paulistânia (Av. Monte Verde, 858, tel. 35/3438-1725). Como o espaço tem mesas ao ar livre e outras em ambiente coberto, recebe visitantes com pets.

Com ar acolhedor, o Bistrô Krause Haus (Av. Monte Verde, 481) tem opções feitas na hora, além de salames, linguiças e pernis, além de vários rótulos de cervejas.

Português

Alheiras, bacalhau e pratos com frutos do mar estão no cardápio tradicional do Trás os Montes Restaurante (Av. Monte Verde, 845, tel. 35/3438-1699) -- que também tem comida mineira e carnes como opções, pois pois.

Carnes

Uma casa de arquitetura típica abriga o Rancho da Picanha (Av. Monte Verde, 1040, tel. 35/3438-1943), que se define como churrascaria, mas também serve trutas, comida mineira e fondue.

O argentino La Milonga (Av. Monte Verde, 168, tel. 35/3438-1480), bem na entrada da cidade, também amplia o cardápio com pizzas e fondues.

O Restaurante Ribas (Av. Monte Verde, 1233, tel. 35/3438-1987) tem pratos bem servidos de comida mineira, sopas e massas, além de filés. Serve comida por quilo em determinados dias e horários.

Hambúrgueres artesanais e sanduíches que podem ser montados de acordo com o gosto do freguês são a especialidade do BBQRoad (Av. Monte Verde, 569, tel. 35/991-642-811), que pode inclusive entregar no seu hotel.

Sopas

A especialidade do Só Sopas (Av. Monte Verde, 346) é bem óbvia. São 12 tipos de sopas e caldos (entre os quais canja, de mandioquinha, de lentilha e de cebola), servidos individualmente com pães e patês. Leve dinheiro.

Já o Restaurante Pucci (Av. Monte Verde, 1117, tel. 35/3438-1193), um dos mais tradicionais da vila, serve sopas mas também tem massas, carnes e... fondue.

Animados

Onde comer em Monte Verde: Café Bistrô

Truta do Café Bistrô

Apesar do nome, o Café Bistrô (Av. Monte Verde, 1000, tel. 35/ 3438-1809) tem mais cara de barzinho do que de café. Com um cardápio que inclui massas, risotos, trutas, carnes e fondue (o de queijo mais chocolate, para duas pessoas, sai por R$ 74,90 – agosto/2017), a casa, que fica atrás de uma agradável pracinha, capricha também nos drinks. Aos fins de semana tem música ao vivo – diga-se, a melhor que ouvi enquanto estive por lá.

Onde comer em Monte Verde: Vemaguet

Vemaguet

Fãs de automóveis vão curtir o ambiente descolado do Garagem Vemaguet Bar e Restaurante (Av. Monte Verde, 653, tel. 35/3438-2822). Da decoração divertida ao uniforme das garçonetes, tudo no lugar lembra o simpático carrinho da DKW feito no Brasil entre os anos 1950 e 1970 (e se você não souber como ele era, tudo bem, porque há um deles numa das áreas externas do lugar). No cardápio estão lanches, comida mineira, pratos com trutas, carnes, sopas e, claro, fondues (rodízio a R$ 49,90, preço de agosto/2017).

Strudel

Onde comer em Monte Verde: Maçã Crocante

Maçã Crocante

A hora da próxima fornada de strudel é informada já na calçada do Maçã Crocante (Av. Monte Verde, em frente ao Bradesco), uma graciosa casa de tijolinhos com árvore dos desejos na porta. Tem strudel com recheio de maçã, banana e até com recheio salgado, de frango. Para acompanhar, café, chás e sorvetes artesanais, como os de amora e frambosa.

O quitute austro-húngaro também é a especialidade da Strudel Haus (rua da Mantiqueira, 92), que também serve alguns salgados em um ambiente com cara de casa da vovó.

Chocolaterias

Há uma profusão de lojas de chocolates na avenida Monte Verde. Além de comprar barras, bombons e afins, o visitante também pode comer sobremesas e tomar bebidas quentes na Chocolateria Monte Verde (tel. 35/3438-2844), na Sabor Chocolate (tel. 35/3438-2784), na Gressoney (tel. 35/ 3438-2883), na ChokoMel (tel. 35/ 3438-2729), na Chocolate Montanhês (tel. 35/ 3438-1782) e na Toco Chocolates.

A decoração charmosa do New Benditto Café (Av. Monte Verde, 606) também convida para um espresso com salgados ou doces.

Voltar | Menu

  • O que fazer em Monte Verde

Lareira, vinho, boa comida, paisagens e arquitetura serrana. Olhando assim, é fácil entender porque Monte Verde está no topo na lista destinos românticos da Serra da Mantiqueira. Mas não se deixe enganar pelo climão 'love is in the air': namorar e sair para jantar não são as únicas atividades em cartaz.

Trilhas

A localização na altitude da Serra da Mantiqueira faz de Monte Verde um lugar com algumas opções de trilhas em meio à natureza. Algumas podem ser feitas por conta própria, mas o ideal é fazer passeios guiados com uma das 50 agências credenciadas. Um dos programas mais interessantes é assistir ao por do sol do alto de uma montanha -- mas a volta precisa ser estrategicamente calculada para que você não se veja caminhando na trilha quando a luz some, o que acontece muito rapidamente. Há pouca (ou nenhuma) infraestrutura nos caminhos; leve água e lanche.

Trilha do Pinheiro Velho

Rapidinha e de fácil acesso, essa trilha tem saída da avenida principal e leva até o aeroporto desativado do distrito. Em meia hora entre a ida e a volta, é possível encontrar diversas árvores centenárias, entre as quais a do mais antigo pinheiro da região.

Trilha das Corredeiras do Itapuá

Dentro da área do Hotel Itapuá, essa trilha acompanha o Córrego do Cadete e suas diversas pequenas quedas d’água.

Trilha do Chapéu do Bispo

O que fazer em Monte Verde :trilha do Chapéu do Bispo

Trilha do Chapéu do Bispo

Chegar até a base das pedras de formação semelhante a um chapéu de bispo é relativamente fácil porque o terreno tem poucas subidas mais puxadas. Pelo caminho é possível ir parando em vários mirantes disponíveis em bifurcações do caminho. O percurso é de uma hora entre a ida e a volta.

Trilha da Pedra Redonda

O que fazer em Monte Verde: trilha da Pedra Redonda

Trilha da Pedra Redonda

Praticamente todos os prestadores de serviços turísticos do distrito oferecem o passeio ao topo da pedra, passando por um caminho que já conta com alguns lugares para facilitar o acesso, como escadas e algumas tábuas no chão. Ainda assim, o percurso de aproximadamente uma hora e meia entre ida e volta é de intensidade intermediária, com várias inclinações.

No meio do percurso há um mirante com uma bonita vista, mas é lá no alto na Pedra Redonda, onde Minas Gerais e São Paulo se encontram, que a vista impressiona mais, principalmente no pôr do sol. Quando o dia está limpo, é possível identificar até cidades; em dias não tão perfeitos, a sensação é a de estar acima das nuvens.

Trilha do Platô

Outra trilha bastante movimentada de Monte Verde, de intensidade intermediária e vários aclives desde seu início. Há mirantes durante o trajeto. Entre ida e volta imagine levar ao menos uma hora e quarenta minutos de caminhada.

Trilha da Pedra Partida

Estreita e com caminho de subidas e descidas íngremes, passa por penhascos até chegar a seu cume. Espere levar ao menos duas horas e quarenta e cinco minutos entre a ida e a volta. O nível dessa trilha é avançado.

Trilha do Selado

Outra trilha de nível avançado e que não deve ser percorrida sem a presença de um guia, pois passa por mata fechada e tem acesso pouco utilizado. Espere levar ao menos quatro horas entre a ida e a volta.

Quedas d’água

Monte Verde não disputa a primeira divisão do campeonato nacional de cachoeiras, mas caçadores de quedas d'água não voltarão para casa sem acrescentar duas ou três ao seu currículo.

Seguindo de carro pela Avenida da Fazenda, chega-se à Roda D’Água, que forma um pequeno lago; à queda d’água do Gato de Botas, com várias pequenas cascatas; à Cascata Siriema e à queda d'água da Pedreira.

Mais distante do distrito, depois de seguir por 12 quilômetros na estrada sentido Camanducaia, à esquerda, você vai encontrar placas para a Cachoeira dos Pretos, de 170 metros de queda. Há estrutura de lanchonete no local.

Fazenda Radical

O que fazer em Monte Verde: Fazenda Radical

A alguns minutos de Monte Verde, a Fazenda Radical oferece uma série de atividades de aventura -- um superprograma para fazer com filhos teens. As atividades podem ser compradas de maneira avulsa (R$ 25 a R$ 100 po atividade) ou em pacotes (R$ 40 a R$ 156, dependendo das ativiades incluídas).

O lugar oferece duas mega tirolesas (uma de 475 m e outra de 450 m, a 70 m de altura), circuito de arvorismo (9 obstáculos bum percurso de 110 m), escalada, arco e flecha, slackline e passeio de quadriciclo (num percurso de 1 hora por trilha de 13km, em terreno acidentado, com acompanhamento de um guia).

Não deixe de fazer o passeio por conta de chuva no dia anterior: o público costuma indicar que passar por poças gigantes de barro é um dos momentos mais divertidos do passeio de quadriciclo.

Dentro da fazenda, as atividades se realizam em pontos distantes uns dos outros. É conveniente ir de carro até o ponto de saída de cada atração.

Fazenda Radical

  • Rodovia Agostinho Patrus, km 5 | Tel.: 35/ 988-172-645 | Sábados e feriados, das 10h às 17h; de domingo a 6ª das 10h às 16h | Consulte os preços aqui | Pagamento no local apenas em dinheiro ou cheque; e possível comprar o passeio pelo site

Escola Mineira de Falcoaria

O que fazer em Monte Verde: Escola Mineira de Falcoaria

Localizada dentro da Fazenda Radical, a Escola Mineira de Falcoaria é um espaço conduzido pelo biólogo Riuvânio Rodrigues. Sem pressa, ele explica sobre as especificidades e hábitos de águias, corujas, falcões e gaviões.

Quem faz a caminhada com falcões tem a oportunidade (incrível) de, devidamente equipado, servir de apoio para que uma das aves de rapina voe livremente e pouse em seu braço. É também nessa atividade que se alimenta a ave, limpando seu bico, um ato que cria uma conexão entre a pessoa e o animal.

Riuvânio responde a qualquer pergunta sobre as aves, mostra como elas se comportam conforme outros elementos acontecem ao redor (como quando um dos cães locais passa por ali; ou quando os quadriciclos começam o passeio) e transforma o passeio em uma aula interativa.

Escola Mineira de Falcoaria

  • Rodovia Agostinho Patrus, km 4 | Tel.: 35/988-515-333 | Aberto todos os dias, exceto 4ª, das 9h às 16h | R$ 50 (caminhada com falcão) - Pagamento no local apenas em dinheiro ou cheque; agende com antecedência

Fazenda Esperança

A centenária Fazenda Esperança fica nos arredores de Monte Verde e combina natureza intocada (com direito a corredeiras e trilhas) com vida rural. Resultado: além de vaquinhas e cavalos pode ser que você aviste outros residentes, como lobos-guará, veados e tamanduás. Tem restaurante e venda de doces.

Fazenda Esperança

  • Rodovia Agostinho Patrus, próximo ao km 20 | Tel.: 35/3433-1036 | Aberto todos os dias, no almoço das 11h às 16h. Não é possível chegar ao local de veículo de passeio em dias chuvosos | Não aceita cartões

Orquidário MV

O que fazer em Monte Verde: Orquidário MV

Quase 1.500 espécies de orquídeas e 150 de plantas carnívoras dividem a estufa com bromélias, cactos e suculentas no Orquidário, que apesar dos números, é pequeno. Há também venda de mudas, e, dependendo da época, palestras sobre o cultivo das plantinhas.

Orquidário MV

  • Av. Sol Nascente, 1000 | Tel.: 35/3438-2718 | Abre 6ª das 10h às 15h; sábado, domingo e feriado das 10h às 17h

Paulo das Trutas

O que fazer em Monte Verde: trutário Paulo das Trutas

O trutário de um dos restaurantes mais tradicionais de Monte Verde é um dos pontos de visitação do distrito. Ali é possível ver a criação dos peixes em um lugar cercado por mata nativa. Há também uma filial do restaurante, uma loja de compotas e geleias e outra de cachaças, com alambique e tudo (a marca Filho da Truta oferece sabores diferenciados).

Paulo das Trutas

  • Rua da Floresta, 810 | Tel.: 35/ 3438-1214 | Aberto no fim de semana, das 10h às 17h -- confirme pelo telefone

Passeios a cavalo

A Pousada dos Marchadores oferece passeios a cavalo, inclusive para crianças.

Já no Haras MV Encanto Horse é possível cavalgar por um circuito interno.

Passeios de Quadriciclo, 4x4 e trenzinho

Quadriciclo

O passeio de quadriciclo está disponível em outros locais além da Fazenda Radical.

A JP Quadriciclos Adventure oferece pista fechada para crianças e adultos. AR&S Adventure e a Quadri Venture fazem expedições em trilhas de montanha.

Bicicleta

Bike e montanha tem tudo a ver.

A Nossa Viagem organiza roteiros de cicloturismo.

A Viva Roots usa mountain bikes elétricas e oferece também trilha noturna.

4x4

O que fazer em Monte Verde: passeios de 4x4

O 'city tour' de Monte Verde inclui as principais vistas dos arredores e é feito em 4x4. Há muitos operadores, como a Julio Passeios (35/ 997-372-937). Os valores não diferem muito: espere pagar a partir de R$ 75 por pessoa (agosto/2017).

Trenzinho

Nos fins de semana há trenzinhos-jardineiras que fazem um passeio pelo centro a partir da pracinha em frente ao Bradesco.

Patinação no gelo

O que fazer em Monte Verde: patinação no gelo

Aberta o ano todo, a pista de patinação no gelo de Monte Verde não é muito grande, mas pode ser uma atração para toda a família –- mesmo crianças com menos de seis anos podem patinar, acompanhadas de uma espécie de andador que garante a firmeza dos pequenos.

Patinação no Gelo

  • Av. Monte Verde, 1463 | Tel.: 35/3438-1440 | 5ª e 6ª das 13h às 18h; sábado das 10h às 21h30 e domingo das 10h às 18h30 | Aluguel de patins por meia hora, R$ 60 (não há horário fracionado); aluguel do andador para crianças, R$ 10 | Preços de agosto/2017

Compras

O que fazer em Monte Verde: galerias

Galeria Oak; das Flores; Vila Germânica; Girassol; Europa, Inverness Mall; Alpina, das Estrelas; Suíça; Monte Verde; Verner Grinberg; Shopping Center Celeiro... a avenida Monte Verde concentra praticamente todo o comércio turístico do distrito. Cada uma dessas galerias reúne pelo menos umas cinco lojinhas que vendem artesanatos, malhas, cachecóis, gorros, pijamas, meias, velas, mantas, sabonetes, acessórios para cães e gostosuras como geleias, doces em compota, queijos, vinhos, chocolates e temperos. Explore os corredores até o final -- de vez em quando você encontra uma lojinha escondida onde achava que não haveria nada.

No Shopping Center Celeiro (Av. Monte Verde, 743), onde as lojas são simpáticas casinhas uma ao lado da outra, está a Vila dos Esquilos, onde é possível encontrar alguns roedores dispostos a tirar fotos. Um cenário de 'cidade' foi feito para eles, compondo ainda melhor as imagens. Siga as orientações dos cuidadores. Um parquinho para crianças também pode ser encontrado ali.

Em muitos destes centros de compras, usar o banheiro custa R$ 2.

Cerâmica e azulejos

O que fazer em Monte Verde: Ateliê Paula Unger

Ateliê Paula Unger

Num terreno bonito e arborizado de 3 mil m² a artista Paula Unger mantém a Unger’s Pottery House Art Gallery, onde expõe e vende suas criações em objetos de decoração para áreas externas e internas. Suas peças também podem ser encontradas em várias pousadas de Monte Verde. Algumas joias e peças de autoria de outros artistas também estão à venda.

Ainda no ramo das artes, o ateliê da Mazal Azulejaria, de origem portuguesa, é outro lugar em que contemplação de peças e compras se completam. Lá é possível ver vitrais, peças em cerâmica, ladrilhos hidráulicos e outros itens.

Unger’s Pottery House Art Gallery

  • Rua da Represa, 1307 | Tel.: 35/3438-1470 | Aberto todos os dias, exceto 4ª, das 10h às 17h; sábado, férias e feriados, até as 18h

Mazal Azulejaria Portuguesa

  • Rua Siriema, 95 | Tel.: 35/3438-1118 | Aberto todos os dias, exceto 4, das 9h ªàs 18h30 –- confirme pelo telefone

Geleias da Tia Nata

Tudo é fofo na casa de arquitetura alpina da Tia Nata, onde há décadas o casal de proprietários, de ascendência letã, faz artesanalmente geleias de diversos sabores, como kiwi, amora e morango. O jardim, onde as frutas usadas nos doces são cultivadas, é um charme a parte. Se você der sorte, dá pra ver até os simpáticos ajudantes de seu Renato: esquilinhos que já plantaram várias das plantinhas que ali estão.

Geleias da Tia Nata

  • R. Bem-te-Vi, 84 | Tel.: 35/3438-1641 | Uma plaquinha no portão indica se eles estão ou não abertos

Fritz Tour de cerveja artesanal

O que fazer em Monte Verde: Fritz Tour

Em aproximadamente 40 minutos, o simpático Braumeister Jorg Franz Schwabe, que se formou mestre cervejeiro em 1972, apresenta o processo de produção da cerveja artesanal alemã servida no Chopp do Fritz, que fica a poucos metros da fábrica.

Ele explica sobre os ingredientes da bebida, a história da cerveja e o 'selo de pureza' alemão antes de servir a todos os participantes um copo de chopp direto do tonel.

Ao final do passeio, todos ganham uma garrafa da cerveja produzida ali.

Fritz Tour

  • Rua da Rolinha, 10 | Tel.: 35/3438-2414 | 4ª às 18h e às 19h; 6ª às 19h; sábado às 12h, 15h e 18h | Nas férias, outros horários podem ser abertos | R$ 30 por pessoa - apenas em dinheiro

Voltar | Menu

8 comentários

Cristina Paes
Cristina PaesPermalinkResponder

Pequena cidade ao norte de Minas Gerais que visitamos, eu e marido, em fevereiro de 2016 e que nos agradou muito. Pequena mas com grandes opções de hospedagem. Banco, apenas uma agencia de Bradesco e um Caixa 24 Horas. Ficamos no Hotel Vila Greemberger, superou as expectativas. Dois anos de funcionamento, bom atendimento,bem equipado (pequena cozinha, lareira, espaçoso e ótimo enxoval). O único inconveniente do hotel e a distancia do centrinho onde tudo acontece, quase 1 km de ladeira que nos obriga a usar carro. Destaco tb a Cervejaria e Restaurante Fritz que tem visita guiada e bom atendimento no restaurante. Os passeios, não foi possível aproveitar, muita chuva. A viagem já vale, muito verde vem no caminho. E a temperatura 18 graus local nos permitiu comer um rodizio de fondue, em pleno fevereiro.

Queila Gorgulho

Oi Cristina! Na verdade, Monte Verde fica no Sul de Minas Gerais! smile

Karla Valéria Muniz de Lima

Sou antiga leitora. Só quero ler a página como sempre fiz. Mas fui encaminhada a me cadastrar. Beijos!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Karla! Esquisito... não é para acontecer isso não. (De todo modo, estamos trabalhando num guia completo de Monte Verde. O campo já está feito e o guia deve ser publicado antes do feriado de 7 de setembro.)

Aline
AlinePermalinkResponder

Voltei de Monte Verde há um mês. Em agosto choveu todos os dias e a temperatura caía bastante quando começava a chover. O restaurante "O Caipira" foi uma péssima escolha. Pedi uma galinha caipira com quiabo e estava totalmente insossa e atendimento horrível.
Uma dica pra quem vai: na semana praticamente não tem restaurante aberto!
Fiquei na Pousada Lago Azul e foi uma excelente escolha!

Erika Jodas
Erika JodasPermalinkResponder

Lugar maravilhoso para praticar a contemplação da natureza. Meu marido e eu nos hospedamos na Fazenda Hotel Itapua no chalé 11... SIMPLESMENTE MARAVULHOSO. Não fizemos nengum passeio pq o hotel já era um deslumbre só. Pura natureza e esquilos.

Pedro @travelwithpedro

É incrível como Monte Verde tem estado em voga recentemente. Quase toda semana leio algo a respeito, então já estou com vontade de conhecer. Na lista pro ano que vem! smile

Rosi
RosiPermalinkResponder

Estive no feriado e ficamos na pousada Ana Terra, charmosa, silenciosa pois na rua não passa quase carros, muito menos os que fazem passeios para as montanhas. Café da manhã excelente, sem luxo mas muito agradável. Também gostaria de comentar a comida mineira do restaurante armazem e o atendimento, especial.

Fazem passeios

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar