Floripa: 7 programas para fazer quando não der praia 1

Floripa: 7 programas para fazer quando não der praia

Todo mundo vem a Florianópolis por causa de suas praias. Mas é preciso ter um plano B para dias nublados, chuvosos ou frios demais para ir à praia.

Mesmo não tendo nenhum museu de primeiríssimo time, nem um patrimônio histórico padrão Minas, Floripa oferece, sim, programas bacanas para fazer no inverno ou em dias cinzentos de verão.

Aqui vão alguns passeios redondinhos para saber o que fazer em Florianópolis com chuva.

1 | Palácio Cruz e Souza + Mercado Público + Casa da Alfândega

As principais atrações do centro histórico estão bastante próximas umas das outras.

Comece sua visita pelo Palácio Cruz e Sousa — conhecido na cidade como Palácio Rosado — que fica na Praça XV de Novembro (no final do calçadão da Felipe Schmidt), uma construção colonial que foi modificada no fim do século 19.

As salas conservam a aparência do início do século passado, justificando a denominação de Museu Histórico de Santa Catarina. Mas os ambientes não são nada republicanos: se dissessem que aqui despachavam os reis de Santa Catarina, dava para acreditar 🙂 Abre de 3ª a sexta das 10h às 18h; sábado, domingo e feriado, das 10h às 16h. O ingresso custa R$ 5.

o que fazer em florianopolis com chuva

A apenas quatro quadras dali estão duas construções vizinhas: a Casa da Alfândega, onde funciona o maior mercado de artesanato da ilha, e o Mercado Público de Florianópolis, a maior atração do centro histórico. Atualmente o mercado está sendo reformado. Depois da Páscoa será a vez da ala sul fechar (onde estão os bares famosos, como o Box 32); a reforma deve durar até o fim de 2014.

Floripa: 7 programas para fazer quando não der praia 2

A Casa da Alfândega abre de 2ª a 6ª das 9h às 18h30; sábado, das 9h às 13h. No Mercado, as lojas funcionam de 2ª a 6ª das 9h às 18h e sábado das 9h às 12h; os bares vão até as 22h entre 2ª e 6ª e até as 15h no sábado. Tanto a Casa da Alfândega quanto o Mercado fecham no domingo.

 2 | Fortaleza de São José da Ponta Grossa + Santo Antônio de Lisboa

Fortaleza de São José da Ponta Grossa

Há três fortalezas importantes que defendiam a Ilha de Santa Catarina. Duas delas têm acesso apenas por barco: as fortalezas de Santa Cruz de Anhatomirim e a de Santo Antônio de Ratones. Mas existe uma que pode ser visitada de carro: a fortaleza de São José da Ponta Grossa, na Praia do Forte, a 25 km da Beira-Mar Norte.

O acesso é pelo canto esquerdo de Jurerê Internacional. Não fique só pela área externa: entre na Casa do Comandante, onde há uma exposição de fotos sobre o dia-a-dia da fortaleza quando estava em uso. Abre diariamente das 9h às 17h (entre dezembro e março, até as 19h). O ingresso custa R$ 8 (crianças pagam R$ 4).

Santo Antônio de Lisboa

Uma boa continuação de programa está a 15 km de lá (ou a 10 km da Beira-Mar Norte), pela SC-401: o vilarejo de Santo Antônio de Lisboa. Um dos primeiros povoados açorianos da ilha, Santo Antônio é meio que a “Santa Teresa” de Florianópolis — um lugar bucólico, artístico e algo boêmio. Por ali, uma entradinha na galeria Casa Açoriana Artes e Tramóias Ilhôas (nome melhor não existe!) é de lei, para passar em revista as obras de arte e as peças únicas de artesanato em exposição.

Floripa: 7 programas para fazer quando não der praia 4

Depois, escolha um dos restaurantes à beira-mar, como o Freguesia Bar, a Marisqueira Sintra, o Chão Batido, o Bate Ponto ou o Rosso; a maioria serve ostras cultivadas em viveiros da praia em frente (o Rosso traz suas ostras do extremo sul da ilha, onde são cultivadas em mar aberto). O passeio fica ainda mais bacana em dias claros: comer ostras ao pôr do sol em Santo Antônio é um dos programas top da ilha.

Dá para continuar pela orlinha de Santo Antônio de Lisboa na direção sul — direita de quem olha para a água — até a vizinha Sambaqui, que também tem restaurantes à beira-mar. Do centrinho do povoado é possível contratar um barqueiro para visitar a Fortaleza de Santo Antônio de Ratones.

3 | Projeto Tamar + Costa da Lagoa

Uma combinação interessante no leste da ilha.

Comece pela base do Projeto Tamar da Barra da Lagoa, onde os tanques mostram tartarugas em vários estágios da vida. As crianças amam. O Tamar abre diariamente das 9h30 às 17h; de 20 de dezembro a 9 de março, abre das 10h às 19h. O ingresso custa R$ 10 (R$ 5 para crianças, estudantes e idosos).

Projeto Tamar
Costa da Lagoa
Costa da Lagoa

Dali, faça o passeio-mais-legal-que-quase-ninguém-já-ouviu-falar: a travessia à Costa da Lagoa, um povoado isolado na margem interior da Lagoa da Conceição, num ponto acessível apenas por barco ou por uma trilha de uma hora. Barquinhos de madeira de cooperativas levam até lá, onde funciona uma meia-dúzia de restaurantes com mesas nos salões e nos decks. Você pode pedir para parar em qualquer um deles.

O queridinho dos bacanas (você verá pela quantidade de lanchas estacionadas) é o Cabral, mas todos servirão um peixe honesto (atenção: ninguém aqui vende ostras, e seqüência de camarão não é o forte)

Costa da Lagoa

Há dois pontos de embarque: no Parque Florestal Rio Vermelho, entre as praias da Barra da Lagoa e de Moçambique (relativamente perto do Tamar, e com estacionamento abundante) e também no centrinho da Lagoa da Conceição, ao pé da ponte (onde o estacionamento é mais escasso).

A travessia do Rio Vermelho é curtinha (10 minutos); a do centrinho da Lagoa da Conceição leva meia hora e vale por um autêntico passeio de barco. As embarcações saem de hora em hora nos dias de semana e de meia em meia hora no fim de semana. A travessia de ida e volta custa R$ 15 por pessoa.

4 | Ribeirão da Ilha

Ribeirão da Ilha
Ribeirão da Ilha

Até a década de 90, este vilarejo do sul da ilha era visitado apenas por sua herança açoriana. De lá para cá, tornou-se o maior pólo de cultivo de ostras de Floripa. Aqui se cria, aqui se prova: o Ribeirão da Ilha hoje é um centro gastronômico, onde a maioria dos restaruantes têm decks ou mesmo píers avançando no mar de dentro.

Ribeirão da Ilha

O píer mais bacana é o do pioneiro Ostradamus. Entre os outros restaurantes à beira-mar estão Rancho Açoriano, Umas & Ostras, Santa Figueira, Ostra da Ilha e Porto do Contrato. (O Gustavo Belli, do Viajar & Pensar, recomenda também as moquecas do Muqueca da Ilha.) O Ribeirão fica a 24 km da Beira-Mar Norte.

Floripa: 7 programas para fazer quando não der praia 5

Aproveitando que você está no sul da ilha, poderia esticar até a praia do Pântano do Sul, onde está o Bar do Arante, famoso pelos bilhetinhos que os freqüentadores penduram nos varais. O único inconveniente desta esticadinha é que você vai precisar escolher onde comer — se no Ribeirão da Ilha ou no Arante. O Bar do Arante abre de 2ª a 6ª das 11h30 às 23h; sábado, domingo e feriado das 11h30 às 16h30 (nesses dias serve buffet). O Pântano do Sul fica a 12 km do Ribeirão da Ilha (e a 28 km da Beira-Mar Norte)

No inverno, outra combinação possível é com uma paradinha na Praia da Armação (no meio do caminho entre o Ribeirão e o Pântano do Sul) para tentar a sorte da observação de baleias. Leia mais abaixo, no passeio 7.

5 | Shoppings

Em dias chuvosos de verão, turistas e moradores se refugiam nos shoppings. O mais central é o Beiramar Shopping, na Beira-Mar Norte, entre os hotéis Blue Tree Towers e Majestic (e a poucas quadras do Sofitel). Tem 5 salas de cinema e os restaurantes Outback e Madero, no térreo. O estacionamento lota e tem a saída engarrafada em dias de chuva.

No bairro Santa Mônica, próximo à UFSC, o Iguatemi tenta ser o mais sofisticado da ilha. Tem 7 salas de cinema e não lota tanto quanto o Beiramar.

O terceiro shopping é o Floripa Shopping, na SC 401, a auto-estrada que leva às praias do norte da Ilha. É o menos metido dos shoppings; tem 7 salas de cinema Cinemark.

6 | Beto Carrero World

Tendo disposição para vencer a distância (são 120 km desde a ilha, umas 2h de viagem), o Beto Carrero World é uma ótima alternativa para dias nublados. Mesmo com chuva, o parque funciona: os brinquedos principais só param em caso de ventos fortes ou chuvas torrenciais, e há muitas atrações em ambientes cobertos (todos os shows, por exemplo) – saiba como visitar o parque.

Beto Carrero World

Antes de programar o passeio, consulte o calendário de funcionamento. De novembro a fevereiro, em julho (e, em 2014, na segunda quinzena de junho também), o parque abre todos os dias, mas nos outros meses, fora de feriados, fecha entre 2ªa e 4ª ou 5ª.

Beto Carrero World

A melhor estratégia para aproveitar o parque é fazer os brinquedos de manhã. A partir da hora do almoço começam os shows. O mais bacana, disparado, é o sensacional Velozes & Furiosos, uma mistura de esquadrilha da fumaça com globo da morte aplicada a carros envenenados.

Beto Carrero World

Se você vai de carro, tenha em mente que o último show (o musical “O Sonho do Cowboy”) termina perto das 19h (e depois são duas horas para voltar). Agências de turismo em Floripa vendem o ingresso com traslado por R$ 120 por pessoa (no parque, o ingresso adulto sai por R$ 84).

Sempre lembrando que a melhor base para curtir o Beto Carrero World é Balneário Camboriú, que está a 40 km e oferece outros passeios o ano inteiro.

Para ir ao Beto Carrero World de trânsfer compartilhado, veja a opção oferecida pela Easy Travel Shop, saindo de hotéis localizados no Centro e Norte da Ilha – pagamento em até 10 vezes.

Ingressos para o Beto Carrero World:

7 | Observação de baleias na Praia da Armação

Entre junho e outubro, a costa catarinense é visitada por baleias franca que vêm ter e amamentar seus filhotes. Em 2013 a Justiça suspendeu, a pedido de uma ONG estrangeira, os passeios de observação que saíam de Garopaba e Imbituba, 80 km ao sul. Os empresários e as autoridades do turismo estão tentando reverter essa decisão ainda para a temporada de 2014.

De todo modo, é possível observar as baleias sem sair da terra firme, na ilha. A praia da Armação, no sul da ilha (onde as baleias costumavam ser capturadas, na época da colonização açoriana), é um dos pontos preferidos das baleias para amamentação. Você só precisa de binóculos.

O Gustavo Belli tem um post bárbaro sobre avistamento de baleias na Armação, no Viajar e Pensar (clique aqui).

A Armação fica no caminho tanto do Ribeirão da Ilha quanto de Pântano do Sul, podendo ser encaixada no passeio 4.

Receba a Newsletter do VNV

Serviço gratuito

57 comentários

Eu usei este post quando há 4 anos fui a Florianopolis – a lista está mais extensa – nós fomos ao Forte e a Sto Antonio de Lisboa Parabéns Riq! Parabéns VnV!

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.