Índia: o caminho das pedras

Taj Mahal ao amanhecer
[Taj Mahal ao amanhecer]

A novela das nove passou os últimos meses tentando as lamparinas do seu juízo a viajar para o Rajastão. Sozinha, Glória Perez conseguiu fazer de 2009 o Ano da Índia no Brasil.

Por ironia, é com o fim do folhetim de Maya e Raj que começa a época mais auspiciosa para viajar ao subcontinente. De outubro até março, a Índia vive seu período seco, com dias geralmente quentes e ensolarados e – ao menos no norte do país – noites entre agradáveis e frias.

Veja o que você precisa saber antes de sair arrastando o sári no mercado para comprar sua passagem. Atchá!

TOURS ANTI-STRESS
Não é fácil ser um “firangi estrangeiro” (o certo é apenas “firangi”, que já significa “estrangeiro”) em férias na Índia. O assédio é intenso: parece que todos os que cruzam o seu caminho querem oferecer, vender ou pedir alguma coisa. Além disso, cada novo passo acaba envolvendo uma nova rodada de burocracia e negociação. O mais tranqüilo é fazer uma viagem montada por especialistas, como a Amba, ou então embarcar logo num tour em grupo, como os da Raidho. Querendo pegar carona com os firangis estrangeiros chiques, pense na Cox & Kings e na Abercrombie & Kent.

DE CARRO
Entre Délhi, Agra e o Rajastão não existe melhor jeito de viajar do que em carro alugado com chofer. O motorista serve também como guia (em inglês) e anteparo contra o assédio. Se você abrir mão de hotéis cinco estrelas e palácios de marajá, a mordomia do carro com motorista nem sai muito cara. A elogiada Namasté India Tours tem roteiros desde US$ 100 por dia para duas pessoas, incluindo carro, motorista e hospedagem em hotéis básicos.

POR CONTA PRÓPRIA
Já é possível reservar passagens aéreas e hotéis pela internet, em sites como Travelmasti.com e Yatra.com. Se quiser fazer a Índia de trem, cadastre-se e emita suas passagens em IRCTC.co.in (compre sempre a classe com ar condicionado). E não saia de casa sem consultar os extensos fóruns (em inglês) do IndiaMike.com. Em português, o melhor ponto de partida para obter informações sobre a Índia real é o blog Indiagestão.

JAIPUR
A uma hora de vôo (cinco de trem, ou quatro de carro) de Nova Délhi, a Cidade Rosa é a locação principal de “Caminho das Índias”. Mas não espere encontrar tudo o que aparece na novela por lá. O Taj Mahal está em Agra (cinco horas de carro), o bairro brâmane de casas azuis fica em Jodhpur (seis horas de carro) e as cenas do Ganges foram filmadas em Varanasi (do outro lado do país).

AGRA
Pernoitar ou não pernoitar, eis a questão. Muita gente faz da cidade apenas um pit stop entre Délhi e Jaipur, especificamente para ver o Taj Mahal. Quem dorme em Agra, porém, tem o privilégio de entrar no Taj Mahal ao amanhecer, quando é mais mágico (e mais vazio) – e depois, pode visitar com calma a cidade-fantasma de Fatehpur Sikri, já a caminho de Jaipur.

JAISALMER E UDAIPUR
Na minha opinião, são os lugares mais encantadores do Rajastão. Jaisalmer é uma cidade murada no meio do deserto, quatro horas de carro ao norte de Jodhpur. Udaipur, à beira de um lago, fica a cinco horas de Jodhpur, só que para o sul. De lá você pode voar a Bombaim e voltar ao Brasil sem passar de novo por Délhi.

VARANASI
A cidade sagrada dos hindus, com seus incríveis rituais no Ganges ao amanhecer, está a 75 minutos de vôo de Delhi. De lá você pode voar para Khajuraho (onde há uma coleção de templos com entalhes eróticos) ou estender sua viagem a Katmandu, no Nepal.

VIA DUBAI
Não é só merchã de novela: a rota mais curta entre o Brasil e a Índia é via Dubai, sim. São 15 horas de viagem até o emirado – mas depois, só mais três horas a Nova Délhi ou Bombaim. Se quiser fazer uma parada de uns dias, deixe para a volta.

Originalmente publicado na minha página Turista Profissional, que sai todas as terças no suplemento Viagem & Aventura do Estadão.

46 comentários

Adorei saber que outros trips são iguais a mim. Eu só fui ao Egito pq amo história antiga e amei. Índia é demais para mim. Curioso é que faço parte de um grupo vocal paralizado no momento pq uma dos 4 integrantes foi fazer um retiro espiritual aonde? 😉

No final do ano passado, meu pai fez uma viagem independente de 45 dias à India (primeira vez dele e terceira da minha madrasta) e me mandou uma série de e-mails de lá que viraram posts no blog. Mais do que dicas, tem as impressões dele sobre a India, e pra quem tiver interesse, é só entrar na tag India e ler os post “direito da India”:
http://blogs.abril.com.br/bigtrip/tag/india
Eu confesso que ainda não sou evoluída espiritualmente o suficiente para fazer uma viagem dessas. Ainda. Quem sabe um dia.

Riq, eu acho da Índia o que você achava da Rússia há tempos atrás, e ainda assim à milésima potência: aquilo lá só vai estar preparado para turistas daqui há uns vinte anos, no mínimo.
Mas dou toda a força a quem já quiser ir indo – vai ajudar a preparar o futuro :mrgreen:

Em relação a melhor época para viajar à Indía, vale o registro que em janeiro tem muita névoa no período da manhã no norte do país (Agra, Khajuraho, Varanasi), que além de poder atrapalhar a visita a alguns monumentos (não se vê o Taj Mahal pela manhã…) provoca atraso de trens e aviões.

Pretendo ir à Índia um dia, mas morri de rir ao lembrar de um jornalista estrangeiro que, ao contrário dos livros tipo “mil lugares para conhecer antes de morrer”, “100 coisas para fazer antes de morrer” etc, lançou um livro “100 lugares que você não precisa conhecer antes de morrer” e citou a Índia. Disse mais ou menos o seguinte: ” Tudo bem, o Taj Mahal é lindo, mas é cercado de Índia por todos os lados – fedor, pedintes, sujeira, etc. É melhor ver em DVD”…

Sinceramente… minha vontade de conhecer a India é ZERO!!!
Conheço gente que já foi para lá, gente que já morou lá e pelos relatos fiquei convencida que não tem nada a ver comigo!

Riq e prezados trips,
Alguem poderia dar me dar uns pitacos sobre os arredores de Marrakesh? Estarei lá para um congresso de uma semana e provavelmente terei uns 2 ou 3 dias livres. Uma ida a Fez é obrigatória? Ou faço melhor indo às montanhas Atlas e/ou ao deserto? E Essaoira, alguém conhece e recomenda? Toda e qualquer sugestão é muitissimo bem-vinda. Obrigadissima!

    Simone, não fui a Fez — mas fiz a travessia das montanhas Atlas até Ouarzazate, e lá fiz um passeio à beira do deserto, em Zagora. Adorei. A travessia é belíssima, e a experiência do deserto adiciona diversidade à sua viagem; Fez seria um pouco mais do mesmo.

    Simone

    Eu fui a todos estes destinos, e gostei de todos eles. Na penultima Marie Claire tem uma reportagem da Mari Campos sobre Essaura. Quando eu fui fiz tudo de trem e onibus sem problemas, mas se voce for desacompnhada, ou só com mulheres, recomendo uma excursão. Use roupas bem compridas, de preferencia uma saia, e sera menos assediada. Se voce gostar de algo diferente, recomendo um passeio de camelo de 2 ou 3 dias pelo deserto.

Ai, não. QUem me acompanha no twitter sabe do meu “problema” com a Índia. Por causo dos exemplares indianos que tenho como vizinhos (cerca de 20 famílias) eu não tenho a MENOR vontade de ir até lá, rs (aliás, risos não, poderia colocar lágrimas) 😀

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.