Machu Picchu: quando ir, como chegar, como visitar 1

Machu Picchu: quando ir, como chegar, como visitar

Machu Picchu

Figurinha carimbada entre as listas de destinos mais desejados do mundo, Machu Picchu é desses lugares que mexem com a imaginação das pessoas. Na volta, os amigos não perguntam “E então, o que você achou de lá?”, mas sim “Me conta: o que você sentiu?”. É comum que se fale de boas vibrações e de renovação de energias. (Eu acrescentaria aí falta de fôlego e alguma vertigem, também.)


Primeira viagem ao Peru:

Seja você da turma dos místicos ou da turma dos pragmáticos, a verdade é que Machu Picchu faz a gente se sentir pequenininho – frente à grandiosidade dos Andes, a uma impressionante obra de arquitetura e, enfim, à História.

A cidade inca perdida

Machu Picchu

Machu Picchu é um dos sítios arqueológicos mais importantes do mundo. A Unesco o descreve como “o legado tangível mais significativo da civilização inca”. Acredita-se que a cidadela tenha sido erguida no século XV e abandonada após a chegada dos conquistadores espanhóis ao Peru. A sangrenta investida da Espanha sobre o Império Inca começou em 1532.

Machu Picchu

O mundo só veio a conhecer Machu Picchu após 1911, através dos relatos do arqueólogo americano Hiram Bingham. Não é que as ruínas estivessem totalmente perdidas ou esquecidas; outros exploradores passaram por lá antes, e por ali viviam pessoas de origem quéchua. Hiram Bingham chegou até as ruínas acompanhado por moradores locais, inclusive. A diferença é que ele reconheceu, mesmo debaixo de toda vegetação crescida ao longo de quase 600 anos de abandono, que aquele se tratava de um achado sem precedentes. Pediu financiamento para estudar a área, e a descoberta foi divulgada mundialmente. (A matéria publicada em 1913 pela National Geographic pode ser consultada aqui, com relatos originais do arqueólogo e fotos sensacionais da época.)


thumb-dicas-atacama-passeios-salar-de-tara
Mais um favorito na América do Sul:

Como é a visita a Machu Picchu

Machu Picchu

Das publicações científicas para as capas das revistas de turismo, hoje Machu Picchu recebe milhares de visitantes diariamente. Mochileiros, montanhistas, trekkeiros e senhores de 70 anos com espetacular preparo físico fazem da viagem uma grande aventura, percorrendo a Trilha Inca ou a Trilha de Salkantay a pé. Chegam a Machu Picchu pelo alto das montanhas, em tours que levam 4 ou 5 dias.

Mas Machu Picchu também pode ser visitado em um esquema mais tranqüilo?

Sim! É como a maior parte das pessoas faz, chegando à cidade-base de Aguas Calientes de trem, subindo de Aguas Calientes ao parque de ônibus e fazendo o passeio em seu ritmo. É uma aventurinha mais amigável, mas ainda assim uma aventurinha – em parte pelo que se aprende ao contratar um tour guiado, e também pelo esforço físico que, de toda forma, se faz. Percorrer toda a extensão das ruínas rende um passeio de 3 a 5 horas, com um sobe-e-desce constante de degraus bem altos. Cansa. Mas é lindo.

Machu Picchu

Machu Picchu

Dá pra fazer com menos sobe-e-desce?

Sim. Os 20 primeiros minutos de escada acima são os mais puxados, mas já levam direto à vista mais conhecida de Machu Picchu. Se você tiver dificuldades de mobilidade, ou simplesmente quiser gastar a sua visita apenas contemplando aquele visual, o seu ticket já valeu. (Mas se puder, encare a caminhada.)

E as montanhas de Huayna Picchu e Machu Picchu? Preciso subir?

Não obrigatoriamente. Subir as montanhas de Huayna Picchu ou de Machu Picchu (homônima ao parque) é para quem prefere o passeio “com emoção”. Eu não subi, mas a opinião de amigos que foram (e que adoraram) é de que a experiência do parque já é bastante completa com um bom tour guiado pela cidadela. Se estiver em boa forma e curtir esse tipo de desafio, vá em frente (e compre com antecedência a modalidade de ingresso que permite a subida). A escalada Huayna Picchu acima leva de 45 a 90 minutos; para Machu Picchu, considere 1 hora e 30 minutos a 2 horas de subida. (Leia mais a respeito aqui.)

Trilha à Ponte Inca

E a Ponte Inca? Preciso visitar?

A trilha à Ponte Inca é um caminho em sua maior parte plano, que sai de dentro do parque e leva a uma ponte de madeira que pode ter sido uma rota de fuga inca. É uma caminhada leve a moderada, com vista para as montanhas e ladeada por um… penhasco. A trilha não faz falta, mas permite um contato maior com a floresta. Para essa trilha não é necessário ingresso, e dá para percorrer o caminho em cerca de 40 minutos.

Sou obrigado a contratar um guia?

Passear por Machu Picchu com guia não é obrigatório, mas é muito mais interessante. A bem da verdade, até hoje não se sabe muito sobre o que representou Machu Picchu nos tempos do império. A civilização inca não deixou escritos, e as crônicas dos conquistadores espanhóis não mencionam a cidadela. Teorias não faltam, e elas ajudaram a dar nome a cada parte das ruínas, a imaginar suas funções e a explicar a avançada engenharia aplicada ali, que manteve a cidade de pé mesmo muitos séculos e alguns terremotos depois. O seu guia vai ajudar a contextualizar tudo isso.

Machu PicchuGuia em Machu PicchuMachu Picchu

Guias particulares cobram cerca de 50 a 60 dólares por 2 horas de passeio e esse é um investimento que vale bastante a pena. Apenas guias oficialmente credenciados podem entrar em Machu Picchu, então dá para contratar até mesmo aqueles que ficam na porta oferecendo serviços “no grito”. A vantagem de contratar com antecedência é poder negociar valores e buscar um guia que fale um idioma que você compreenda bem. O nosso guia foi o Marco Escalante (contatos aqui), que é muito atencioso e fala um português perfeito.

Machu Picchu

Será que vou passar mal por conta da altura?

Machu Picchu fica a 2.400 metros do nível do mar. Em grandes altitudes é comum sentir alguma tontura, enjôo, falta de ar ou dor de cabeça — esse mal-estar é conhecido como soroche. Se você dormir na véspera em Águas Calientes, ou se estiver vindo de alguns dias em cidades mais altas (como Cusco ou as cidadezinhas do Valle Sagrado), a chance de se sentir mal ao visitar as ruínas é pequena. Permita-se um tempo para aclimatar.

O que eu não posso esquecer de levar?

Além do ingresso, é preciso apresentar também o passaporte ou a carteira de identidade (o documento que tiver sido usado para a compra). Coloque na mochila protetor solar, repelente, duas garrafas de água, um lanchinho leve e um agasalho. Vista roupas de caminhada e o seu tênis mais confortável. É bom lembrar que dentro do parque não há banheiro, e que a lanchonete da estação de ônibus é cara pra dedéu.

Quando ir a Machu Picchu

Machu Picchu

A época ideal para ir a Machu Picchu vai de abril a setembro, quando há mais chance de se pegar tempo firme por lá. Julho e agosto, meses de férias na Europa e nos Estados Unidos, devem ser, se possível, evitados – é período em que o parque fica mais cheio.

Pacote de Carnaval para Machu Picchu? Fuja dessa roubada! O verão é a estação das chuvas, que podem cair em volume o suficiente para estragar a sua viagem. Evite janeiro e fevereiro, principalmente.


Machu Picchu
Atualização

Como chegar a Machu Picchu

Machu Picchu

O passo a passo:

  • Avião do Brasil a Lima;
  • Avião de Lima a Cusco;
  • Ônibus, táxi ou trânsfer de Cusco a Poroy, Urubamba ou Ollantaytambo;
  • Trem de Poroy, Urubamba ou Ollantaytambo a Aguas Calientes
  • Ônibus a Machu Picchu.

É um trampo, e funciona melhor em um roteiro de no mínimo 9 dias, que inclua também uma passagem pelo Valle Sagrado.

Nós fizemos a parte aérea combinando vôos da TAM e da LAN (viajamos a convite da TAM Linhas Aéreas e do Sumaq Machu Picchu Hotel). Voamos de TAM de Guarulhos a Lima, e de LAN de Lima a Cusco. Desde a associação das duas companhias dá para emitir todos esses trechos de uma vez só, pelo site da TAM. Também emitir passagens-prêmio com pontos TAM Fidelidade/Multiplus para todo o percurso.

Vale a pena fazer bate-volta de Lima no mesmo dia?

Ir de Lima a Machu Picchu em esquema de bate-volta é impossível.

Vale a pena fazer bate-volta de Cusco no mesmo dia?

Ir de Cusco a Machu Picchu em esquema de bate-volta é viável, mas não é o ideal. A viagem de trem a Aguas Calientes é chacoalhante e longa (saindo da estação de Poroy, dura cerca de 3 horas; de Urubamba, 2 horas e meia; de Ollantaytambo, 1 hora e meia). As chances de chegar em Machu Picchu já um pouco cansado são reais – mas o pior é chegar acompanhado de um monte de gente que vai disputar os ônibus para o parque, e que vai entrar no parque todo-mundo-junto-ao-mesmo-tempo.

A visita a Machu Picchu fica bem mais confortável se você programa um pernoite em Aguas Calientes, o povoado mais próximo, no dia anterior.

Paisagem entre Cusco e Ollantaytambo

A nossa viagem deu muito certo: como não visitaríamos o Valle Sagrado, seguimos de manhãzinha do aeroporto de Cusco direto a Ollantaytambo. O trajeto é lindo, ligeiramente sinuoso e dura 1 hora e meia. Chegamos na estação e pegamos o trem de 11h15 da Inca Rail, a concorrente de Peru Rail que opera em menos horários.

Vagão da Inca Rail

Foi mais um lindo trajeto, que não nos incomodou em nada aproveitar na primeira classe, com poltronas mais espaçosas e janelões bem grandes. :mrgreen:

Desembarcamos em Aguas Calientes no início da tarde e fomos direto ao hotel. O Sumaq tem quartos muito confortáveis, spa e uma excelente cozinha.

Sumaq Machu Picchu Hotel

Descansados, às 7 da manhã do dia seguinte já estávamos prontos para pegar o ônibus para Machu Picchu.

O trajeto de ônibus até a entrada do parque leva cerca de 25 minutos desde Aguas Calientes. Só os microônibus do próprio parque têm permissão para chegar até lá. A única alternativa é subir (e subir, e subir, e subir, e subir…) até a entrada a pé.

Ponto do ônibus para Machu Picchu

Ônibus para Machu Picchu


Nesse esquema, conseguimos aproveitar o parque na companhia de poucos turistas até as 10h30, quando chegou o galerão do bate-volta. Em baixa temporada, o fluxo de pessoas não atrapalha tanto, mas especialmente nos meses de julho e agosto o pernoite em Aguas Calientes é providencial.

Os primeiros microônibus saem do povoado em direção a Machu Picchu entre 5h e 5h30. Os últimos microônibus deixam o parque por volta de 17h30.

Como comprar passagens de trem para Machu Picchu

Estação de trem de Ollantaytambo

As passagens de trem para Aguas Calientes (pela Inca Rail ou pela Peru Rail) podem ser compradas online. Há pegadinhas na hora do pagamento – por questões de segurança, são aceitos apenas cartões de crédito com a tecnologia Verified by Visa ou SecureCode da MasterCard (entenda aqui). Um leitor do Viaje na Viagem foi assistido pela Peru Rail e conseguiu efetuar a compra dos bilhetes com um cartão sem esses dispositivos de segurança; entenda o “jeitinho” que a companhia deu aqui.

Também dá para comprar as passagens nos pontos de venda da Peru Rail ou da Inca Rail ao chegar, mas correndo o risco de não encontrar bilhetes para os horários, dias ou classes desejados.

Como comprar ingressos de trem para Machu Picchu

Machu Picchu

A venda online é feita pelo site oficial MachuPicchu.gob.pe. É preciso ter um cartão Visa que participe do sistema Verified by Visa.

O número de ingressos à venda para o parque é limitado. Atualmente, são permitidos oficialmente 2500 visitantes por dia. Compre seus tickets antes de viajar. Na entrada do parque não existe bilheteria.

Se quiser fazer as trilhas que sobem às montanhas de Machu Picchu ou Huayna Picchu, é preciso comprar o ingresso específico (Machu Picchu + Montaña Machu Picchu ou Machu Picchu + Huayna Picchu). Na nossa opinião, não é necessário comprar o ingresso combinado (leia mais aqui).


thumb-dinheiro
Orçamento de viagem:

Como estimar gastos de alimentação, transportes e passeios (e não passar aperto)

Nosso dossiê completo sobre Machu Picchu

Machu Picchu

O Viaje na Viagem tem um dossiê completo para você organizar a sua primeira viagem ao Peru. Publicado em 2016, tem um capítulo inteiro dedicado a Machu Picchu.

Machu Picchu

Mariana viajou a convite da TAM Linhas Aéreas e do Sumaq Machu Picchu Hotel.

Leia mais:

Passagens mais baratas para Lima no nosso parceiro Kayak

Encontre seu hotel no Booking

Faça seu Seguro Viagem na Allianz Travel

Alugue carro em Lima na Rentcars em até 12 vezes e sem IOF

Passeios e excursões em Lima com a Viator

235 comentários

Olá, adorando seu blog com super dicas para o Peru! Vou fazer um passeio rápido lá entre os dias 8 à 13 de janeiro de 2017, vi aqui que é época chuvosa, infelizmente. Vc pode me dizer que roupas usar no passeio? É por favor, pode me dizer qual transfer utilizou do aero de Cusco pra estação de ollantaytambo? O link que tem no blog está indisponível. Grata!

    Olá, Nathália!

    Nosso post mais atualizado é este: https://www.viajenaviagem.com/2016/04/machu-picchu-e-cusco . Ali você encontra outro operador de trânsfer.

    Procure pesquisar informações sobre clima e época adequados antes de marcar viagens.

    Leve roupas leves para usar de dia — em Machu Picchu, vá com as pernas e os braços cobertos, porque no verão, além das chuvas, é grande a incidência de mosquitos em Machu Picchu. De noite fará frio, leve casaco também.

Olá, super esclarecedoras as informações do site. Só não entendi pq no roteiro não há a sugestão de ir direto para o aeroporto de Cusco, tô arrumando as coisas, lendo muito para não fazer besteira. O melhor é Brasil-Lima, depois Lima-Cusco, poderia me explicar pq? Sou de Brasília.Obrigada pela atenção!

    Olá, Luciana! Se você não tem interesse em ficar uns dias em Lima, compre a passagem com ida e volta a Cusco. Haverá conexão em Lima na ida e na volta.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.