Pra lá de Iguaçu: Missões paraguaias e argentinas, por Dani S.

Jesús, Paraguai. Foto: Daniela Siqueira

Relato de 2010. Para um relato de 2015, clique aqui.

Acho que tudo começou com um comentário da Juliana Amorim, perguntando se valia a pena esticar de Foz do Iguaçu até as missões jesuítas do Paraguai e da Argentina, que estão ali perto. O assunto ficou reverberando por alguns posts, eu dei uma pesquisadinha, e chegamos à conclusão de que o bate-volta não valia a pena, mas que era uma grande continuação de viagem, seja de carro alugado, seja de ônibus.

Pois a Daniela Siqueira (ou Dani S. para os habituês) estava planejando uma viagem pré-carnavalesca e achou que este roteiro missioneiro era tudo o que ela precisava para tornar original sua peregrinação a Foz do Iguaçu. Deu certo: a viagem foi o máximo, e assim que ela voltou, postou um comentário enciclopédico de fidibeque — que, claro, só podia virar post. Sensacional, Dani! Vamos ao relato:

(Para saber onde cada foto foi tirada, passe o mouse sobre a foto, que aparece a legenda.)

Jesús, Paraguai. Foto: Daniela SiqueiraTrinidad, Paraguai. Foto: Daniela SiqueiraSan Ignacio Mini, Argentina. Foto: Daniela Siqueira

Dando retorno da minha viagem – que foi fantástica:

Pousamos em Foz e fomos direto pra Argentina, de táxi. Ficamos dois dias em Puerto Iguazú, uma cidade bem pequena, mas charmosinha.

Daí, alugamos um carro (o aluguel ficou mais barato na Argentina, fizemos reserva pela Hertz no Brasil, e o carro pode entrar no Brasil sem problemas, mas não no Paraguai) e seguimos viagem para Posadas, a capital da província argentina de Misiones.

No caminho, choveu (já disse que eu atraio chuva?) e não pudemos visitar em San Ignacio, como planejado. Só almoçamos em um restaurante próximo às ruínas, que não parecia nada promissor (chama-se Carpa Azul, ou algo assim), mas que tinha um pacu na brasa surpreendentemente bom.

Seguimos para Loreto e Sant’Ana. Parênteses explicacional: as missões jesuíticas são cerca de trinta ruínas, na Argentina, Brasil e Paraguai, remanescentes do período de 1630 até a expulsão dos jesuítas. Começaram no Brasil, na região do Guairá (onde existiam as Sete Quedas), mas foram descendo pro sul pra fugir dos bandeirantes paulistas. Oito dessas ruínas foram tombadas pela UNESCO: no Brasil, só Santo Ângelo, no RS; na Argentina, San Ignacio Mini, Sant’Ana, Nuestra Señora de Loreto e outra mais distante; e três no Paraguai, sendo que Jesús e Trinidad são as mais fáceis de visitar.

As missões reuniam os índios guaranis, sendo que sua estrutura física era composta de uma igreja, colégio ou oficinas de trabalho e cemitério, e das casas destinadas aos índios, tudo em torno de uma grande praça comum. Grande parte das antigas cidades – que chegaram a ter até 7000 habitantes, como Loreto – foi abandonada depois da expulsão dos jesuítas (outros religiosos tentaram continuar a experiência, mas não deu certo) ou destruída, principalmente pelos paraguaios, nas guerras pela posse dos territórios.

As missões na Argentina e no Paraguai têm um ingresso comum (por país), que permite a visita às outras missões em 15 ou 3 dias, respectivamente. Na Argentina, o ingresso comum custa 50 pesos, e no Paraguai, 25.000 guaranís (que dá a estonteante quantia de 5 dólares). É só comprar na primeira missão que visitar, e mostrar o ingresso nas demais.
Fecha parênteses.

Loreto e Sant’Ana são ruínas, mesmo, dentro de uma quase-floresta, mas têm guias ótimos, dispostos a passear com você mesmo com garoa. Foi bom conhecê-las primeiro, já que San Ignacio Mini já é mais reconstruída, e a ordem contrária deixaria a comparação injusta. Cuidado apenas com as placas: o que parece ser um outdoor de cada missão é mesmo a placa de entrada das estradinhas que levam às atrações. A estrada para Loreto é horrível, com asfalto cheio de buracos, mas curta.

Fomos dormir em Posadas, ainda na Argentina, que já é uma cidade grande e até que bem bonitinha, na margem do rio Paraná. Ficamos no Hotel Posadas, bem central (não achei nenhum hotel interessante por lá, acabamos escolhendo pela localização mesmo). A costanera (beira-rio) deles é super arrumadinha, com calçadão e vários restaurantes. Recomendamos o Mama Chula, especializado em massas – fica ao lado de uma enorme FarmaCity, que tem de tudo.

No dia seguinte, expedição antropológica ao Paraguai. Você pode contratar um táxi em Posadas (cobram 250 pesos para ir a Trinidad, e 300 para incluir Jesús, para duas pessoas), ou ir com alguma excursão. Preferimos ir de ônibus, pra ver como é. É só pegar o ônibus internacional, escrito Encarnación, que passa no centro de Posadas. O colectivo é muuuuito lotado, mas tem ar condicionado. Pára na aduana argentina, e todo mundo desce pra fazer a imigração, em uma filinha. Você pode pegar o próximo ônibus, com um papelzinho que te dão quando da compra do bilhete, que custa 4 pesos por pessoa. Todo mundo sai da imigração argentina e pega o ônibus, que atravessa a ponte extensa sobre o Paraná. Do lado paraguaio, outra descida, pra fazer a entrada – nos disseram que é necessário fazer a imigração, porque senão, na volta, podem te multar por não ter o tal papelito. Até entre os argentinos da fronteira, o Paraguai tem uma reputação horrível. A fila é demoradinha, mas tranqüila. Toca subir no ônibus de novo, e seguir até a rodoviária.

Chegando na rodoviária, pedimos informação, e fizemos câmbio: o câmbio é um homem com uma bolsa de couro, sentado em uma cadeira na plataforma. Ele te fala o câmbio, faz as contas em uma calculadora pra não ter erro, você dá o dinheiro e ele abre a bolsa e tira de lá as notas de guarani. Trocamos 100 pesos (mais ou menos R$ 50,00) e deu e sobrou. Aí toca procurar o ônibus que vai pra Trinidad. Uma empresa só tinha pra 40 minutos depois, e aí saímos correndo pra pegar um outro ônibus, que já estava saindo. A vantagem é que TODO MUNDO no Paraguai é super simpático, e te explica tudo. Lá fomos nós de ônibus à missão Trinidad.

Trinidad, Paraguai. Foto: Daniela Siqueira

Uns 35 minutos depois, chegamos à entrada da missão. De novo, um outdoor anuncia a entrada (é só pedir no ônibus, que eles param direitinho). Daí, se caminha uns 500 metros pra entrada do parque. Trinidad é DE LONGE, a MAIS LINDA DAS MISSÕES. A igreja ainda tem várias esculturas, algumas com as pinturas originais, e o complexo todo é enorme e bem preservado. Vale a pena toda a peregrinação de ônibus no Paraguai só pra vê-la. Linda, linda, linda.

O ônibus que leva a Jesús também está em ruínas. Foto: Daniela Siqueira

De lá, volte pra estrada, atravesse, e caminhe uns 100 metros até um posto de gasolina. Lá, ficam uns táxis e uns ônibus lotação esperando chegar gente para ir a Jesús. A passagem custa 1.000 guaranís (cerca de 1 dólar) cada perna. São uns 12 km por uma estradinha simpática até a cidadezinha de Jesús, e o ônibus te deixa na missão, e te espera por meia hora. É tempo suficiente pra essa missão, cuja igreja não chegou a ser concluída, mas que fica num lugar lindo, no alto de um morro (a vista parece coisa digna da Toscana). Voltando à gasolinera, é só esperar no ponto até outro ônibus passar, com destino a Encarnación.

Sinceramente, achamos Ciudad del Este até que bonitinha depois de Encarnación. Esta cidade está de mudança, pois vão fazer uma represa no Paraná, e a parte velha está caindo aos pedaços, e a parte nova parece um monte de conjuntos do BNH (só vimos do ônibus). Compramos uma camisa do Paraguai pra coleção do marido, e voltamos à romaria do ônibus pra Argentina.

Contabilidade final: 9 pesos argentinos + 2 dólares por pessoa, e muita história pra contar – muito mais antropológico que ir de táxi!

San Ignacio Mini, Argentina. Foto: Daniela SiqueiraJá no caminho de volta para Foz, passamos em San Ignacio Mini, que é a mais visitada das missões, e a mais restaurada. O museu (com ar condicionado, eba!) é bem explicativo, e as ruínas já estão bem restauradas. Há tótens com explicações gravadas na frente de cada construção. Trinidad é beeeem mais bonita, mas San Ignácio é mais fácil de ir, e dá uma boa idéia da magnitude das missões jesuíticas.

A estrada pra Posadas é muito boa, apesar de pista simples não tem um buraco. A região é muito bonita também, e apesar de só vermos o rio Paraná já em Posadas, cruza vários arroyos. Chamam a atenção na estrada os vários altares, com bandeiras vermelhas. Segundo me explicaram, são locais de veneração dedicados a pessoas santas, como o Gauchito Gil.

Então seguimos para Foz do Iguaçu.

Obrigado, Dani!

Leia mais:

64 comentários

Boa tarde, uma duvida, nunca viajei dessa forma que vc falou e eu pretendo ter essa experiencia. é sobre as bagagens como vcs fazem, mochila, porque pra se deslocar dessa forma precisa de algo melhor para andar ou fica tudo mesmo no hotel.

    Olá, Dank! Em todos esses lugares o Ricardo Freire se hospedou e deixou a bagagem no hotel enquanto visitava as missões.

Olá, como foi a experiência de viajar de carro por lá? Me disseram que a estrada não tem sinalização. Faço planos de visitar San Ignácio de carro. Pretendo viajar de dia com GPS. Alguma dica?

    Olá, Ana Livia! Não temos como perguntar à Dani. Passe no posto de informações turísticas e abasteça-se de informação e folhetos oficiais.

    Olá, Ana Lívia!
    Como pedimos para um remis nos levar às ruínas, nem prestei atenção em sinalização, então minha resposta não é tão completa. Mas as estradas lá no geral são boas e San Ignacio é a mais famosa das ruínas e é a que tem o acesso mais simples, quando comparado com Loreto e Sant’Ana.