Oficina Brenand

Recife cultural: Oficina Brennand, Instituto Brennand e Fundação Gilberto Freyre no mesmo passeio

Os passeios culturais no Recife não se resumem a Olinda e ao Recife Antigo.

O bairro periférico da Várzea e a Zona Norte recifense rendem um belíssimo programa de dia inteiro, visitando a Oficina Brennand (do grande ceramista Francisco Brennand, falecido em 2019), o Instituto Ricardo Brennand (do colecionador Gilberto Brennand, falecido em 2020), a Fundação Gilberto Freyre (que preserva a casa onde morou o sociólogo) e o bairro do Poço da Panela (de belos casarões junto ao rio Capibaribe).

Veja todos os detalhes.

Mapa do passeio

Quando fazer este passeio

O passeio cobrindo os três museus pode ser feito de 3ª a 6ª (na 2ª os Brennands estão fechados, e no fim de semana a Fundação Gilberto Freyre não abre).

O melhor jeito de fazer esse passeio é combinar com um taxista do ponto do seu hotel. O outro jeito é ir de Uber — neste caso, porém, saiba que você pode perder algum tempo até aparecer algum carro nas redondezas dos Brennands (sobretudo da Oficina).

Para aproveitar melhor o dia, comece pela Oficina, que sempre abre mais cedo que o Instituto. Ambos museus têm cafeterias para um lanche. No Instituto há também um restaurante, o Castelus.

  • Castelus | Instituto Ricardo Brennand | Tel (81) 99161-7157 | Instagram

Oficina Brennand

A Oficina Francisco Brennand é o museu-ateliê de Francisco Brennand, o maior ceramista brasileiro, falecido em dezembro de 2019. Instalada numa antiga olaria que Brennand recebeu como herança, a Oficina reúne mais de duas mil obras do ceramista.

Prepare-se para penetrar num laboratório repleto de criaturas míticas e formas delirantes que transpiram erotismo. Em alguns momentos você não vai saber se está num museu ou no parque de diversões particular do artista. É isso (e não exatamente a estética) que faz de Brennand o Gaudí pernambucano.

A obra de Francisco Brennand também pode ser admirada no Parque de Esculturas do Marco Zero, no Recife Antigo. Ali você vai ver Brennand fazendo parte da paisagem da cidade. Mas para viajar pelo seu universo criativo, só mesmo indo até a Várzea.

Informações práticas

Instituto Ricardo Brennand

Primo de Francisco, Ricardo Brennand montou seu Instituto num outro terreno da família, na margem oposta do rio Capibaribe. Em linha reta, os dois museus estão a 1 km de distância. Mas como para ir de um Brennand para o outro é preciso dar uma grande volta até a av. Caxangá, o trajeto entre os museus dá quase 8 km.

O Instituto Ricardo Brennand é a realização de um sonho do seu excêntrico dono. Depois de amealhar uma das mais importantes coleções de armaria (armaduras, espadas, punhais, facas) do mundo, Ricardo Brennand construiu um castelo medieval europeu — em pleno trópico — para expor seu tesouro.

Mas não parou no castelinho. Construiu também uma pinacoteca, onde guarda a maior coleção privada de pinturas de Frans Post, paisagista que retratou o Brasil durante a ocupação holandesa de Pernambuco. Gravuras, cartas, tapeçarias Gobelin e moedas da época do Brasil holandês também fazem parte da exposição.

Réplicas de esculturas européias do século XIX (e um Botero autêntico!), dispostas no jardim e nas áreas externas do castelo, completam o acervo.

Informações práticas

Fundação Gilberto Freyre

A Fundação Gilberto Freyre — ou melhor: Casa-Museu Magdalena e Gilberto Freyre — fica no sítio em que o sociólogo-escritor-poeta-político-causador viveu com sua mulher Magdalena por mais de 40 anos até morrer.

O casarão teve sua última grande reforma em 1881. Freyre só acrescentou quadros, livros, móveis e objetos, todos conservados como na época em que viveu ali. A visita, guiada, leva 40 minutos. O script é delicioso, cheio de citações da obra e anedotas da vida de Freyre.

Pena que não dá pra tirar fotos dentro da casa.

Informações práticas

Poço da Panela

Um núcleo de casarões baixos, muitos deles centenários, faz o charme do Poço da Panela, um bairro tombado em meio aos bairros verticais de classe média alta da Zona Norte do Recife.

Os casarões históricos se localizam na Estrada Real do Poço e nos arredores da Igreja de Nossa Senhora da Saúde, junto ao rio Capibaribe.

Aproveite para jantar na Zona Norte

Se já estiver perto do anoitecer, faça hora no bairro e aproveitar para jantar no primeiro horário num dos bons restaurantes da região (a Zona Norte é o maior pólo gastronômico do Recife). Considere os contemporâneos Cá Já e Arvo ou o peruano Chiwake.

  • Cá Já | R. Carneiro Vilela, 648 – Aflitos | Tel (81) 3126-0648 | Abre 18h30 | Instagram
  • Arvo | R. Djalma Farias, 170 – Torreão | Tel. (81) 99673-7122 | Abre 19h | Instagram
  • Chiwake | R. da Hora, 820 – Espinheiro | Tel. (81) 99185-7075 | Abre 18h30 | Instagram

3 comentários

Boa noite, sou professora de escola estadual em Itanhaém/SP e só gostaria de dizer que temos muito orgulho em possuir uma obra de Francisco Brennand em nossa escola. É um painel do padre Anchieta, trabalhado todo em azulejos, muito bonito.Obrigada.

Obrigada por este post. Eu queria fazer esses passeios em um só dia mas não sabia se seria possível. Minha viagem será bem melhor agora🥰

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.