St.-Barth para duros: a Elisa foi e comprovou :-)

Praia de Saline, St.-Barth

Depois do meu post St.-Barth para duros, em que mostro como mortais podem aproveitar a ilha dos bacanas, o próximo post seria sobre como aproveitar St.-Barth como os bacanas. Mas ontem a Elisa, que ainda está em St. Maarten, deixou um super-relato dos três dias BBB que passou em St.-Barth, tomando aquele post como ponto de partida. Ela descobriu muitas outras bocadas (incluindo outro hotelzinho que — na baixa temporada — aluga o combo quarto + carro baratinho) e repassou imediatamente pra gente. Uma ótima dica dela é levar do Brasil a sua bolsa térmica (nesta minha última passada em St.-Barth, antes do carnaval, procurei bolsas térmicas para comprar por lá e não achei). Vai pela Elisa:

Cheguei de St.-Barth ontem e ainda estou em St. Maarten! As dicas estão fresquinhas!

Bom, ficamos incialmente 09 dias em St. Maarten e então fomos de ferry boat ao invés de avião. Pagamos U$234,00 pra mim e marido e confesso que a viagem foi tranquila dentro de um limite. Eu esperava mais “emoção”. Tomei Plasil pra garantir e só senti um mal-estar na volta porque sacolejava demais, mas nada grave.

O hotel que fiquei é simples porém muito digno e limpo. Chama-se Auberge de la Petite Anse e o dono, Sugér, uma simpatia de pessoa! Pelos e-mails que trocamos já pude perceber e depois, quando o conheci pessoalmente a impressão se confirmou. Na baixa temporada eles fazem um pacote diária do hotel + carro e no fim, duas diárias que paguei cash em dólar ficaram U$300,00. Preço ótimo para ser em St.-Barth e vale lembrar que os apartamentos tem cozinha e varandão com vista espetacular. Além disso são superprivativos, da sua varanda só se vê o mar, lindo!  Tudo simples mas bem limpinho e com localização muito boa. Pretendo voltar e ficar lá novamente!

Bom, St.-Barth é uma pérola no Caribe! Amei cada instante na ilha que mais parece um pedacinho da França com o upgrade do mar azul turquesa. E ao contrário do que eu mesmo previa acabei gastando relativamente pouco. Optei por levar uma excelente bolsa térmica do Brasil então segui as dicas de levar sanduíches e bebidinhas para as praias. Farofeira chique, comendo parma e tomando vinho de frente pro mar. Muito legal mesmo!

Os supermercados oferecem produtos franceses maravilhosos a preços muito atrativos. Prova disso é que voltei cheia de sacolas porque acabei fazendo comprinhas e trazendo pra St. Maarten (onde tb estou num apart hotel). Tudo com aquela qualidade típica da gastronomia francesa, excelente!!! Estive em dois supermercados: um no centro, pertinho da marina da Gustavia, na rua principal e outro em frente ao aeroporto num centrinho comercial.

Como passávamos o dia na praia comendo sanduichinho e tomando vinho no fim só saímos para jantar-lanchar a noite. Lá tudo é cedo, então era sempre por volta de 7 no máximo 7:30 que íamos. Recomendo a aqui citada Kiki-Mo (melhor panini e tiramissu da vida!).

Também gostamos demais do Andys Hideaway (que fica em St. Jean, escondidinho num centro comercial da rua principal perto da Kiki-Mo); pizza excelente por 13 euros.

Ao lado do Hideaway tem uma rotisserie maravilhosa (não lembro o nome) com sobremesas espetaculares, sanduíches e comidinhas. Recomendo muito. Nas duas vezes que fomos no Hideaways comemos a sobremesa nela.

Em Gustavia recomendo uma creperia (La Crêperie) muito boa. O rapaz que nos atendeu foi mega simpático e indicou várias coisas legais para se fazer. Fica na rua atrás da principal, numa esquina.

Bom, como foram só três dias acabei não conhecendo tanto quanto gostaria. Minha praia preferida da vida é Anse du Gouverneur, calma, com árvore grandona pra nos abrigar do sol e super bem freqüentada. Fui dois dias por lá. Salines é linda porém se você não tem guarda sol vai torrar porque lá não tem onde se abrigar.

No mais achei mil vezes melhor que St. Maarten, sem comparação mesmo! Pessoas lindas e educadas, preços dignos (se pensar que é em euro e você está numa ilhota no meio do Caribe) e tudo limpinho, organizado! As estradinhas são um pouco sinistras e é preciso muito cuidado para dirigir nas curvas e morros de lá mas compensa demais!

Alguns poucos lugares não achei quem falasse inglês mas na maioria deles a gente consegue se comunicar muito bem com a língua da terra do tio Sam. Lembrando que o idioma oficial da ilha é mesmo o francês!

Não dá pra ficar sem carro por lá, definitivamente! E não recomendo a ninguém que vá só para passar o dia. Eu fiquei 3 dias e achei pouco. Devia ter me programado para ficar mais mas ok … é uma boa desculpa para poder voltar.

St.-Barth vale cada centavo ( de euro) gasto! É a crème de la crème do Caribe!!!

Merci, Elisá!

Leia mais:

Todas de St.-Barth no Viaje na Viagem

Guia de St. Maarten

Visite o VnV no FacebookViaje na Viagem
Siga o Ricardo Freire no Twitter@riqfreire

44 comentários

Olá,
Não existe vôo direto Miami para St Barth???
Obrigada!

    Olá, Mazinha! O aeroporto de St.-Barth só recebe teco-tecos bastante pequenos. Voe de Miami a St. Maarten e pegue lá o aviãozinho.

Olá, quero comprar um tour guiado ao Museu do Vaticano e capela Sistina e encontrei um em português a um preço razoável.
A minha dúvida é porque não consigo obter nenhuma informação sobre a confiabilidade do site…apesar de que se declara como site autorizado pelo Vaticano. Trata-se do site “Descubra o vaticano”, vcs já ouviram falar?
Agradeço a atenção.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.