Viagem à Europa: como fazer o convênio do INSS

Usando seguro-saúde no exterior

Uma informação que pouca gente sabe – a gente mesmo não sabia, até ler este post do Aquela Passagem há um ano – é que o Brasil tem convênio com o INSS de oito países, incluindo quatro europeus: Portugal, Espanha, Itália e Grécia. Isso significa que, para viajar a esses países (e somente a esses) não seria necessária a emissão do seguro Schengen, que atende a exigências de outros países do tratado, como Alemanha e França.

Atualização importante:

O Tony Gálvez do De Viaje a Brasil nos informa que a cláusula do convênio entre Brasil e Espanha que garantia reciprocidade no atendimento foi suspensa. Para a Espanha é necessário ter seguro-assistência. (Obrigado, Tony!)

Só que a coisa não é automática, não. Para fazer valer esse convênio, você precisa obter o Certificado de Direito a Assistência Médica (CDAM) em agências específicas do INSS. Sem esse certificado, você não estará segurado. Para conseguir o CDAM, é preciso comparecer a algum desses endereços apresentando documentos, como passagem de ida e volta, CPF, passaporte, carteira de trabalho (para celetistas), últimos contracheques ou contribuições sociais e certidões de casamento e nascimento para dependentes.

Vale a pena? Um seguro-assistência para uma viagem de 15 dias à Europa sai em torno de R$ 180, normalmente parceláveis em seis vezes sem juros. E vem com assistência por telefone em português – o que é um conforto nas emergências – e a possibilidade de visita por especialistas sem que você precise ir a um centro de saúde. Os planos Schengen cobrem coisas como regresso antecipado ao Brasil por motivos médicos ou por morte de familiar e repatriação de corpo. Sendo necessária uma internação, o seguro pode pagar a vinda de um acompanhante. Os seguros-assistência ajudam a localizar bagagem extraviada e, dependendo do plano, reembolsam perdas.

O melhor uso do convênio do INSS é para viagens longas – por exemplo, de estudo – quando a contratação de um seguro-assistência de longa duração representaria um custo alto demais.

Caso você opte por emitir o certificado de convênio, porém, não se esqueça de fazer um seguro Schengen para os períodos em que estiver em outros países europeus – incluindo Reino Unido e Irlanda, que não exigem (mas nem por isso você deve viajar desassistido).

Quem tem cartões de crédito Platinum, Infinity e Black pode também usar o seguro oferecido pelo cartão. Normalmente são automáticos para quem compra a passagem internacional com o cartão (confira nos seus benefícios). No entanto, saiba que pode haver uma burocracia a mais na ativação do seguro (podem exigir a prova de que a passagem foi comprada pelo cartão) e você pode ter que pagar as despesas e pedir reembolso depois. (Nos seguros-assistência convencionais você não paga nada dentro dos limites contratados.)

Não dá para prever a qualidade do atendimento médico – recebemos relatos sobre experiências boas e ruins, embora a maioria tenha sido de clientes satisfeitos. Mas, na parte operacional, as seguradoras tendem a funcionar melhor do que os cartões de crédito, segundo os depoimentos dos nossos leitores.

Depoimentos de leitores sobre seguro-assistência:

MarcosMaria FláviaFernandoFranciscaFernando – LucianaMarceloPauleteGustavoSilviaClaudioCarlos EduardoAlexandreAlexandreMárcioStelaLuciana

Depoimentos de leitores sobre seguro dos cartões:

WanessaPatriciaThiagoMarcelo – Carlos – Juliana – Thay – Rafael – Celio – Luxcoelho – Elaine – Gustavo – Nick – Raimundo – Breno – Lu – Schnaider

E você? Já viajou com o convênio do INSS? Como foi a emissão e o atendimento?

Leia mais:

99 comentários

Dica super útil! Dessa, eu não sabia!
Eu sempre acompanho as informações dadas por aqui e em todas as viagens que fiz, me foram muito úteis!
Espaço muito bom, Ricardo!
Curti!!

Como o cartão de crédito dá direito ao seguro, apesar de saber do convênio do INSS, sempre faço o Schengen, mas conheço que fizeram o do INSS ms não precisaram, felizmente, utilizar na Europa.

Ricardo, uma atualização muito importante. O convênio sobre Seguridade Social entre o Brasil e a Espanha continua existindo, mas foi suspensa a cláusula do referido convênio que estabelece a prestação mútua de serviços de saúde aos segurados dos dois sistemas de previdência. Está pensando ir para a Espanha? É imprescindível estar em posse de um seguro de saúde. Abs.

Olá Pessoal
Ano passado fiquei na Ítalia por 1 mês e, antes de viajar, fiz a declaração de convênio. Foi tudo muito fácil. Liguei para obter detalhes e quais documentos precisava levar, agendei um horário e levei toda a papelada. Em Curitiba funciona no mesmo prédio do Ministério da Saúde, os atendentes são super simpáticos, fizeram na hora e nem precisei levar nenhuma cópia autenticada, tudo em cópia simples acompanhado dos documentos originais. Ah! Não tem custo e não tinha absolutamente ninguém na fila, de modo que o agendamento de horário nem era necessário. A informação que recebi é a de que poucos turistas valem-se deste convênio, embora seja gratuito para os contribuintes do INSS e seus dependentes. Felizmente não precisei utilizá-lo em solo italiano.

Morei na Espanha de nov/2012 – agosto/2013, antes de viajar fui atrás dessa história para fazer meu convênio. Na época o convênio da Espanha com o Brasil estava suspenso, não sei se houve alguma mudança nesse meio tempo…
Acabei fazendo o seguro da World Nomads que oferece uma cobertura bem grande, com um preço excelente!

Eu faço este seguro desde 2006, quando fizemos o Caminho de Santiago e a pessoa que na época nos vendeu a passagem tentou nos empurrar um seguro. Só que nos sites sobre o caminho o pessoal já dizia que este era aceito. Então fizemos. Até hoje nunca usamos (ainda bem), mas realemnte só serve para saúde. Para lance de malas e outras coisas melhor mesmo acionar o do cartão ou comprar um seguro.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.