Villa La Angostura com crianças: os relatos do Amaro e da Ana

Hostería Antuquelen, Villa La Angostura

Quando estive agora em março em Villa La Angostura, o vilarejo beira-lago a 80 km de Bariloche (e no caminho de San Martín de los Andes), vi que não eram exagerados os elogios que tinha ouvido sobre o lugar. Ainda estou devendo um post próprio. Ainda bem que o Amaro saiu do Recife agora em julho e levou as filhas de 7 e 10 anos (e os seus pais) para passar cinco dias por lá e nos presenteou com este testemunho. Sem mais delongas, passo a bola para ele:

Aeroparque

Caos total. Como não há fila única (com aqueles divisores) e os guichês são válidos para todos os voos, cheguei com 1h30 do meu voo para Bariloche (Villa La Angostura) e tive que sair em outro porque passei ‘apenas’ 2 horas na fila do check in, sem nenhuma informação disponível. Uma característica curiosa nos aeroportos (Ezeiza, Aeroparque e Bariloche): na área de check in e de embarque os painéis avisam os horários de chegada e não de partida, que seria o mais lógico.

Bariloche

Ainda bem que meu destino era Villa La Angostura, pois a calle  Mitre & cia. ficam parecendo a 25 de março na véspera de Natal. Se não gosta de muvuca, fuja. Para a criançada vale a pena o parque de diversões na neve Piedras Blancas: o velho esquibunda em versão macro. Diversão na certa.

Villa La Angostura

Maravilhosa. Só a estrada já vale a viagem. Ficamos na Hostería Antuquelen; os donos Marta e Alejandro são muito atenciosos e a pousada é muito aconchegante (tem até piscina térmica ao ar livre). Vale a pena. A cidadezinha é uma delícia, praticamente uma rua com lojas e restaurantes. Há uma fábrica de ‘pastas’, Nicoleto, que tem um restaurante no andar de cima que é coisa de cinema, fica em uma rua transversal. Para evitar os ‘gafanhotos’ eles estão com uma campanha contra os ônibus de turistas. Minha filha adorou o termo, não podia ver o pessoal da CVC com suas roupinhas azuis e amarelas, para tentar descobrir se eram gafanhotos ou formigas (a classificação era em função do estrago que faziam na cidade).

O Cerro Bayo, para ser ‘boutique’ é muito pretensioso: para quem não esquia ou esquia pouco, não há muito o que fazer, os restaurantes/bares são apertados e com cardápio restrito. Mas o visual é maravilhoso (segundo minha irmã que seguiu viagem para San Martín de Los Andes, Chapelco é muito melhor, com estrutura mais variada).

Vale também um passeio a Puerto Manzano, na beira do lago, há umas pousadas lindas e alguns restaurantes e o visual é estonteante. A dona da Antuquelen disse que a alta temporada deles é no verão, o pessoal viaja muito para pescar, passear de barco e fazer esportes de aventura. Já fui na região em janeiro e sei que também é muito bonito. Se for no inverno e alugar um carro, não esqueça de pedir as ‘cadenas’ (correntes) para colocar no pneu. Lá é mais úmido que Bariloche, neva mais e boa parte dos acessos às pousadas não é pavimentado, o carro patina que é uma beleza.

Obrigadíssimo, Amaro!

Villa La Angostura no inverno

(A foto “conceitual” do portão abandonado em Puerto Manzano é da Luiza, filha do Amaro.)

A Ana Luisa também acabou de chegar de lá e escreveu um guia detalhadíssimo na caixa de comentários. Claro que eu tinha que trazer para cá! Fala, Ana Luisa!

Chegando em Bariloche uma van nos aguardava e fomos para Villa La Angostura onde nos hospedamos no El Faro. O hotel realmente foi um capítulo a parte. Fica debruçado sobre o lago Nahuel Huapi e é de um bom gosto impressionante. São apenas 15 suítes, uma diferente da outra, divididas em 4 categorias (boutique, especial, superior e suíte). Nós ficamos em duas suítes especiais que se comunicavam com o fechamento do corredor. Lindas e enormes! O meu quarto tinha uma bela varanda e uma banheira gigante com vista ao lago.As janelas eram inteiras, ou seja, até o chão, de modo que você acordava com as montanhas nevadas e o lago escancarado sobre o seu quarto. O atendimento foi de primeira.Funcionários muitíssimo bem preparados e extremamente solícitos. Jantamos dois dias no hotel e em um deles comi o melhor sorrentino de jamón y queso da minha vida. Sensacional. Ao final tivemos uma agradável surpresa pois embora tivéssemos reservado e pago 50% da estadia (que seria de 27/07 a 03/08) efetivamente só chegamos no dia 28/07 por conta de problemas com a Aerolíneas e eles não nos cobraram essa diária, embora os quartos estivessem reservados para nós. Achei bacana. É uma excelente opção de hospedagem, com um ótimo custo x benefício.

Quanto à Villa: foi uma experiência inesquecível. Concordo com o Amaro. Fomos um dia a Bariloche e me senti extremamente oprimida com a quantidade de gente, notadamente de brasileiros. Sem dúvida, Bariloche tem mais opções de diversão para crianças, todavia, ao meu ver não compensa.

O Cerro Bayo é um lugar lindíssimo, cercado de verde e bem menos muvucado que o Cerro Catedral de Bariloche. Tudo parece novinho. A organização deixa um pouco a desejar. No Cerro comemos em um lugar estilo bandejão chamado Tronador. A comida estava razoável (milanesas com papas fritas) porém achei caríssimo. Há também um bistrô Barsorvia (do Las Balsas) no Cerro, mas estava lotado.

O restaurante Nicoletto ( também mencionado pelo Amaro) é muito bom, as massas são fantásticas e o preço bem camarada (pagamos 240 pesos por 5 pratos com vinho incluído – Alto de las Hormigas, que não é um vinho tão barato). Além disso comemos no La Caballeriza ( sim é a mesma de Bsas) onde comemos um excelente bife de chorizo. Indico também a truta do Las Varas (fica na Av. Arrayanes) e os morrones ( pimentão assado) do Los Pioneiros (Av. Arrayanes).

À parte desses restaurantes menores, que ficam na própria Villa, tomamos um chá no Las Balsas (que fica para o lado contrário ao nosso hotel, mas é belíssima. Pude visitar a suíte top deles e é fantástica. Também é bem exclusiva com apenas 13 suítes, mas o preço é bem mais salgado que o El Faro). E na última noite jantamos no Correntoso (que vale a visita)onde comi um excelente risoto de vegetais e por incrível que pareça paguei o mesmo preço que o bandejão do Cerro Bayo. O hotel é extremamente suntuoso e pareceu ter uma ótima estrutura para crianças, mas faz o gênero hotel grande (sem perder o charme é verdade). El Faro, Luma, Sol Arrayán e Correntoso ficam praticamente lado a lado na Av. Siete Lagos.

Quanto aos passeios, fizemos o Bosque Arrayanes (com uma balsa praticamente nossa) que saía do Porto de Angostura; Cerro Bayo; um passeio de quadriciclo bem bacaninha contratado no La Piedra ( na subida do Cerro Bayo) onde também tem tirolesa e arvorismo (canopy) e alugamos um Suzuki ( super barato, diga-se de passagem – custou 200 pesos por dia com limite de 200km) na locadora 100X100 que nos proporcionou fazermos um passeio ao Cerro Otto em Bariloche. A estrada que liga Angostura a Bariloche é de tirar o fôlego ( 80km).

A roupa de esqui e equipamentos alugamos no Bananas que fica na Arrayanes e tem bom preços e roupas novinhas. Mas atenção: Achei roubada total alugar equipamentos embaixo porque é um peso insano para subir até o topo do Cerro Bayo. Melhor pagar (bem) mais caro e alugar lá por cima mesmo.

Só fiquei na vontade de ir a San Martin de los Andes pela Rota dos 7 lagos, mas nevou muito e a estrada estava sem condições. Fica para uma próxima.

Desculpem o tamanhão do comentário, mas super indico essa viagem. A família toda adorou. Já havia ido em Bariloche em 2006 e apesar da variedade de atrações não troco Angostura por lá nem a pau.

Muchísimas gracias, Ana Luisa! Ninguém mais precisa comprar guia pra ir a Villa La Angostura!

Para ler o relato completo da viagem do Amaro, incluindo suas impressões de Buenos Aires (Buenos Aires Bus, outlets de Villa Crespo, Parque de la Costa e outras milongas  mais), clique aqui. E os contratempos da Ana Luisa com a Aerolíneas em Buenos Aires estão aqui.

145 comentários

Ai, que vontade! Deixa o meu filhote nascer, que hei de programar uma viagem pra Villa La Angostura… Mas eu vou na baixa estação, que a paisagem é LINDA de morrer (e eu sou friorenta) 😉

Como fui no final da temporada não tive o problema de super lotação em Bariloche. A minha viagem só não foi perfeita porque na semana anterior havia caido uma nevasca e por isso não pude visitar San Martin de los Andes. Não faz mal, fica pra próxima…
Fiquei 5 dias em Bariloche, fiz todos os passeios indicados e depois fui para Villa Angostura onde fiquei mais 3 dias no Porto Manzano, no Hotel El Corazon de la Bahia (http://www.agoda.com.pt/south_america/argentina/villa_la_angostura/el_corazon_de_la_bahia_hotel.html) que também recomendo muitíssimo.

Indo de São Paulo para Ushuaia, ano retrasado, meu marido e eu fizemos uma conexão em Ezeiza. Não havia funcionário em terra para nos orientar. Saímos da ala internacional e fomos andando a procura da ala nacional de embarque. Confusão maior impossível. Como disse o Amaro: fila única. Nenhuma informação. Para não perdermos a conexão, saímos da fila que nem sabíamos para que era, passamos pelo portão de embarque, entramos no avião sem sabermos ao certo se era mesmo o nosso vôo, sem fazermos o “check in”. Se Cumbica é uma coisa de louco, Ezeiza é a própria loucura.

E não é que o Riq publicou mesmo as fotos?
Estou em Belém/PA (desta vez a trabalho), quando chegar quero ver a cara de Luiza, quando eu mostrar a foto dela no blog.
Só um detalhe eu deixei escapar: minha irmã (e família) também foram para Angostura, éramos 10 no total.

Vamos lá;
O começo de nossa viagem foi bem conturbado por culpa da Aerolineas Argentinas cujo serviço está cada vez pior. Fariamos um vôo no mesmo dia ( Rio Bsas/ Bsas Bariloche) via Aeroparque e tivemos 2 vôos cancelados de modo que o meu vôo que sairia às 10:30 do Rio e pousaria em Aeroparque saiu ás 13:30 e pousou em Ezeiza.
Ademais, cancelaram o voo que partiria de Aeroparque para Bariloche naquele dia e nos colocaram em um pardieiro para pernoitar em Bsas ( Hotel Presidente no Cerrito).
Detalhe, eramos 2 adultos e 3 crianças!
Passado esse embrólio inicial no dia 28/07 partimos para Bariloche via Aeroparque. Esse vôo foi tranquilo e saiu relativamente no horário.
Chegando em Bariloche uma van nos aguardava e fomos para Villa La Angostura onde nos hospedamos no elfaropatagonia.com/pt/
O Hotel realmente foi um capítulo a parte. Fica debruçado sobre o lago Nahuel Huapi e é de um bom gosto impressionante.
São apenas 15 suites uma diferente da outra e divididas em 4 categorias ( Boutique, Especial, Superior e Suite) Nós ficamos em 2 especiais que se comunicavam com o fechamento do corredor. Lindas e enormes! O meu quarto tinha uma bela varanda e uma banheira gigante com vista ao lago.As janelas eram inteiras, ou seja, até o chão, de modo que você acordava com as montanhas nevadas e o lago escancarado sobre o seu quarto.
O atendimento foi de primeira.Funcionários muitíssimo bem preparados e extremamente solícitos.
Jantamos 2 dias no hotel e em um deles comi o melhor Sorrentino de Jamon e Queso da minha vida. Sensacional.
Ao final tivemos uma agradável surpresa pois embora tivessemos reservado e pago 50% da estadia ( que seria de 27/07 a 03/08) efetivamente só chegamos no dia 28/07 por conta da Aerolíneas e eles não nos cobraram essa diária embora os quartos estivessem reservados para nós. Achei bacana.
É uma excelente opção de hospedagem, com um ótimo custo benefício.
Quanto à Villa:
Olha foi uma experiência inesquecível. Concordo com o Amaro. Fomos um dia a Bariloche e me senti extremamente oprimida com a quantidade de gente, notadamente de Brasileiros. Sem dúvida, tem mais opções de diversão para crianças, todavia, ao meu ver não compensa.
O Cerro Bayo é um lugar lindíssimo, cercado de verde e bem menos muvucado que o Catedral. Tudo parece novinho. A organização deixa um pouco a desejar.
No Cerro comemos em um lugar estilo bandejão chamado Tronador. A comida estava razoável ( milanesas com papas fritas) porém achei caríssimo.
Há também um bistrô Barsórvia (do Las Balsas) no Cerro, mas estava lotado.
O restaurante Nicoletto( também mencionado pelo Amaro) é muito bom, as massas são fantásticas e o preço bem camarada ( pagamos 240 pesos por 5 pratos com vinho incluído- Alto de las Hormigas, que não é um vinho tão barato).
Além disso comemos no La Caballeriza ( sim é a mesma de Bsas) onde comemos um excelente bife de Chorizo.
Indico também a truta do Las Varas ( fica na Av. Arrayanes)e os Morrones ( pimentão assado ) do Los Pioneiros ( Av. Arrayanes).
A parte desses restaurantes menores que ficam na própria Villa, tomamos um chá no Las Balsas (que fica para o lado contrário ao nosso hotel, mas é belíssima. Pude visitar a suíte top deles e é fantástica. Também é bem exclusiva com apenas 13 suítes, mas o preço é bem mais salgado que o El Faro).
E na última noite jantamos no Correntoso (que vale a visita)onde comi um excelente risoto de vegetais e por incrível que pareça paguei o mesmo preço que o bandejão do Cerro Bayo.
O Hotel é extremamente suntuoso e pareceu ter uma ótima estrutura para crianças, mas faz o gênero hotel grande ( sem perder o charme é verdade).
O El Faro, Luma, Sol Arrayanes e Correntoso ficam praticamente lado a lado na Av. Siete Lagos.
Quanto aos passeios fizemos o Bosque Arrayanes ( com uma balsa praticamente nossa) que saía do Porto de Angostura; Cerro Bayo; um passeio de quadriciclo bem bacaninha contratado no La Piedra ( na subida do Cerro Bayo) onde também tem Tiroleza e Canopy e alugamos um Suzuki ( super barato, diga-se de passagem- custou 200 pesos por dia com limite de 200km)na locadora 100X100 que nos proporcionou fazermos um passeio ao Cerro Otto em Bariloche. A estrada que liga Angostura a Bariloche é de tirar o fôlego ( 80km).
A Roupa de Ski e equipamentos alugamos no Bananas que fica na Arrayanes e têm bom preços e roupas novinhas.
Mas atenção: Achei roubada total alugar equipamentos embaixo porque é um peso insano para subir até o topo do Cerro Bayo. Melhor pagar (bem) mais caro e alugar lá por cima mesmo.
Só fiquei na vontade de ir à San Martin pela 7 lagos, mas nevou muito e a estrada estava sem condições. Fica para uma próxima.
Desculpem o tamanhão do comentário, mas super indico essa viagem. A família toda adorou.Já havia ido em Bariloche em 2006 e apesar da variedade de atrações não troco Angostura por lá nem a pau.

    Caros Amaro e Ana,

    Primeiramente parabéns pelos relatos sobre Villa La Angostura. Estou praticamente fechando uma viagem para lá em JUL com esposa e meu filhinho de 4 anos. O depoimento sobre o caos de Bariloche em confronto com a tranquilidade da Villa está sendo decisivo na escolha. Ocorre que alguns conhecidos têm me dito que na Villa não há opções de lazer para crianças e que eu necessitaria de alugar um carro pois sequer há agências de turismo. Indago-lhes se isso procede, pois não estou muito seguro para alugar um carro na neve e pretendia contratar passeios nas agências locais.

    Obrigado.

A Família (com filhos pequenos) que deixou o seu relato no meu blog também gostou muito da Villa La Angostura. Ficou claro que da próxima vez, é lá que vão ficar para passar alguns dias, em vez de Bariloche.

Para crianças pequenas é o melhor lugar para passear, esquiar. A cidade é pequena, mas muito linda, a comida é ótima e o entorno sensacional.

VILLA ANGOSTURA É MESMO MARAVILHOSA, JÁ ESTIVE LÁ DUAS VEZES COM MEU MARIDO. O PASSEIO PELO BOSQUE ARRAYANES A PARTIR DE ANGOSTURA TAMBÉM É LINDO…

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.