Europa no inverno: impressões (e dicas) de um recém-chegado

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Praga

Fazia tempo que eu não passava a virada do ano no frio. Depois de dois anos seguidos com viagens ao hemisfério norte no inverno (2000/2001 Réveillon em Paris, 2001 carnaval entre Londres e Nova York, 2001/2002 Natal e Réveillon entre Andaluzia e Portugal), nunca mais tínhamos nos aventurado voluntariamente por temperaturas abaixo dos 10ºC. Você conhece o meu lema: nem sempre que eu tô feliz eu tô de Havaianas, mas sempre que eu tô de Havaianas eu tô feliz.

Em 2007, quando subi um post-enquete sobre Europa no inverno, tive que puxar pela memória para fazer minhas recomendações (que mais eram desrecomendações: "não vale a pena torrar uma grana que nos faz falta para brigar com as condições atmosféricas"). E, claro, pedi a opinião dos trips. Muitos contra-argumentaram dizendo que amam viajar no frio. Outros ainda vieram dizer que não têm outra alternativa; só podem tirar férias grandes em janeiro.

Pois bem. Acabo de chegar de 11 dias de inverno europeu (10 deles debaixo de neve). De maneira geral, mantenho a minha opinião de dez anos atrás. Adorei ter tido a sorte de viver um Natal Branco -- e desejo isso a todo mundo; foi mágico. Mas não gostaria de repetir isso todos os anos, não.

Se mantive minha opinião, por outro lado trouxe mais insights e dicas testadas para que você que não pode viajar em outra época (e mesmo você que adora frio) possa aproveitar ainda mais esta época no Hemisfério Norte.

Praga

As vantagens

Sim, até eu que não curto viajar no frio consigo enumerar algumas vantagens (até porque são evidentes).

- Menos turistas disputando espaço com você. O frio espanta as massas (e, no caso da Ponte Carlos em Praga, até mesmo os vendedores de bugigangas!). Isso é menos válido na semana entre Natal e Réveillon, que é semana de férias em todo lugar. Mas em dezembro antes disso, e depois em janeiro e fevereiro... pista livre.

- Hotéis menos caros. Com exceção da virada do ano, as diárias de hotel costumam ser sensivelmente mais baratas no inverno (a não ser, claro, em estações de esqui).

- Comer e beber com gosto e sem culpa. O inverno vem sempre forrado de coisas gostosas -- e sazonais -- para comer e beber. Mais do que em qualquer época do ano, comer é programa.

As desvantagens

- Aquelas que você já está desprovido de cabelos de saber. Dias curtíssimos (dezembro é pior, março menos). Os dias nublados parecem ainda mais cinzas e tristonhos do que no resto do ano. A Europa das mesas na calçada desaparece da vista. Longas caminhadas deixam de ser um prazer para virar um suplício. Nevascas podem trazer o caos aéreo (e às vezes até ferroviário) sem aviso prévio. Dirigir exige mais paciência e destreza (e, em algumas regiões, correias).

O que fazer

- Mantenha os pés secos e as extremidades aquecidas. Calçados impermeáveis são o item mais importante do seu vestuário. Meninas, arrumem um jeito de se sentir elegantes vestindo botas de trekking -- pés molhados e gelados são uma tortura (e uma porta aberta para a gripe). Luvas e gorro também são essenciais. E seu casaco precisa ser impermeável. Não exagere na estratégia cebola, ou você vai ter que se livrar de várias camadas sempre que entrar nos ambientes fechados, que são aquecidos. (Roupa de baixo colada no corpo, suéter de lã e um bom casaco devem ser suficientes, desde que você use luvas e gorro.)

- Privilegie cidades grandes. Pense que a sua viagem vai ficar mais confortável quanto maior for o número de atividades em ambiente fechado que você possa fazer. Lembre-se que, com exceção das estâncias de esqui (e de cidadezinhas com feiras natalinas), as cidades pequenas estarão hibernando (sobretudo à noite).

- Vai viajar em dezembro? Inclua lugares em que o Natal seja especial. A Europa Central comemora o Natal com mercados natalinos gostosíssimos. É o tipo de experiência sazonal que redime todas as dificuldades de viajar nesta época.

- Considere cidades que ficam abarrotadas no verão. No inverno elas oferecerão uma densidade demográfica bem mais palatável. Os melhores exemplos: Veneza e Praga. (De novo: na semana entre Natal e Réveillon a diferença será menos gritante.)

- Invista um pouco mais em hospedagem. Você vai ficar mais no quarto. Ou pelo menos vai querer um pouco mais de aconchego sempre que voltar. Para estadas a partir de cinco dias, alugar apartamento é ideal.

- Saia do hotel sabendo onde vai comer. O inverno rigoroso não é uma época apropriada para escolher restaurante ao acaso, na base da intuição. Faça o seu dever de casa e estude onde vai fazer as refeições e como se chega: ninguém merece rodar ao léu no frio e com fome.

- Vá devagar. O inverno deixa você naturalmente mais lento. Vá com tempo sobrando e usufrua da preguiça que o frio traz. Sua viagem fica muito mais gostosa quando você não abusa do organismo e segue o ritmo da estação.

Praga

Visite o VnV no Facebook - Viaje na Viagem
Siga o Ricardo Freire no Twitter - @riqfreire

450 comentários

Atenção: perguntas que já estejam respondidas no texto e comentários ofensivos ou em maiúsculas serão deletados.

Cancelar
Andrea
AndreaPermalinkResponder

Oi gostei muito das dicas! Viajaremos em janeiro (Viena e Budapeste) e estou muito apreensiva com o frio pois nunca peguei neve! Eu quero isso, mas estou com medo rs. Eu gostaria de saber sobre a duração do dia no inverno pra eu montar um roteiro. Qual seria o horário ideal pra sair do hotel e iniciar as atividades? E quando começa a anoitecer? Muito obrigada!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Andrea! Os dias são mais curtos, mesmo. Você pode calcular as horas de sol durante a sua estadia usando este site: http://www.timeanddate.com/worldclock/sunrise.html

jarbas
jarbasPermalinkResponder

Diga lá Bóia. Um grande abraço a todos vocês. Estou marcando passagens para ir para a Europa com a família, esposa e três filhos, de 10 a 16 anos, para o início de janeiro. Achei passagem barata para Bruxelas e iria fazer Paris, Londres, Amsterdam e Bruxelas-Burges, sendo que no primeiro dia iria direto de Bruxelas para Paris. A diferença de preço de voos chegando em uma cidade e saindo de outra, no meu caso, dá mais de R$4.000,00 de diferença. Não compensa. Porém me surgiu a ideia de viajar de carro (R$1.600,00 por 15 dias), vez que como a minha família tem 5 pessoas os deslocamentos entre as cidades fica mais barato de carro do que de trem. Sei que o carro não combina com cidade grande na Europa. Assim, me surgiu um outro roteiro que posso fazer de carro, levando-se em conta que há passagens baratas também para outras cidade da Europa, como as cidades da Itália, Suíça, Espanha. O ideal é que o passeio roteiro possa circular uma determinada região ou países de forma que eu chego e saio da mesma cidade. Por último, se puder incluir estações de esqui, fica ainda melhor. No mais agradeço a atenção dispensada. Tudo de bom.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Jarbas! Existem diversas regiões que podem ser exploradas de carro na Europa, mas leve em conta que em janeiro faz um frio danado. A melhor opção para a época é concentrar a viagem em grandes capitais, que têm opções de lazer em locais abrigados do frio.

Larissa Soares Delalana

Boa Noite!

Viajaremos dia 15 de Dezembro para Bruxelas e voltaremos dia 02 de Janeiro, saindo de Bruxelas também. Gostaríamos de conhecer, Bruxelas, Amsterdã, França, Itália e Alemanha e estamos muito convulsos, visto que será nossa primeira viagem para Europa.
Gostaria de ter uma opinião de alguém que já foi, no quesito se você acha que dá tempo, no inverno que hora fecha as coisas na Europa, se vai ficar muito corrido para conhecer tudo.

Muito obrigada

Larissa

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Larissa! Em 15 dias, sem estar em excursão, você não conseguirá fazer tantos lugares com proveito.

Comece seu planejamento por este post:
http://www.viajenaviagem.com/2011/12/como-montar-viagem-europa