Franceses, os piores turistas?

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

[caption id="attachment_4538" align="aligncenter" width="450" caption="Um dos vários McDonald&/#39;s do centro histórico de Roma"]pioresturistas[/caption]

A Alessandra me pediu para comentar essa notícia que bombou anteontem por aí, sobre uma pesquisa da Expedia que apontou os franceses como os piores turistas do mundo.

É mais uma daquelas manchetes que todo mundo passa adiante sem se dar ao trabalho de analisar o conteúdo.

Fora de contexto, assim do nada, o que faria alguém ser o "pior turista"?

Na minha cabeça, o pior turista é o mais mal-educado, o que fala alto, o que desrespeita os direitos dos outros, o que estraga os lugares para onde vai.

Só que essa pesquisa não foi feita comigo nem com você nem com turista nenhum. Ela foi feita com funcionários de hotéis. E os funcionários de hotéis classificaram os franceses como os piores turistas do mundo basicamente por dois motivos: porque são os que dão menos gorjeta e não falam inglês.

Dã.

O mais engraçado é que os americanos ganham nota alta no quesito "tentar falar a língua local". Sei smile

Como eu não trabalho em hotel e por isso não espero gorjeta de francês, no que me concerne posso dizer que acho os franceses turistas excelentes. São discretos (ou seja, guardam  a arrogância para si, ao contrário de muitos anglos...), costumam viajar aos lugares certos e, o que é melhor, não desvirtuam os lugares que visitam.

E bom 14 Juillet pra você também.

66 comentários

Paulo
PauloPermalinkResponder

Certo, mas tirando a coisas mais sérias como destruição da natureza e do lugar que visitam, os turistas geralmente não atacam os iguais, ou seja, outros turistas. As "vítimas" são geralmente os que estão trabalhando - nos hotéis, nos restaurantes, lojas e etc...E para o pobre que atende, bom cliente sempre será quem paga mais e reclama menos, quem quer saber da opinião do consumidor é o rico dono da empresa.

Ricardo Freire

Hahaha.... quando reservam as cadeiras da praia com toalha (os alemães são useiros e vezeiros), turista atrapalha turista. Quando se movimentam em grupos de 40 e tomam conta do recinto, turistas atrapalham turistas. Quando são tão numerosos e "alto-falantes" que te dão a impressão de que você está no país deles, e não no país que está visitando, turistas também atrapalham turistas.

Dionísio (www.blogdodionisio.wordpress.com)

RIQ, concordo plenamente.

E não sei se os franceses são os piores, mas sei que os brasileiros também aprontam mundo afora.

Me senti péssimo quando estive em Casapueblo, Punta del Este, em dezembro, e havia lá três ônibus de excursões de brasileiros que simplesmente tumultuaram o lugar.

Gritos, gargalhadas, crianças correndo, adultos botando a mão nas obras, gente batendo papo sobre futebol e roupas não deixando os outros ver os quadros...realmente, uma total falta de inadequação para um espaço de arte como aquele.

Mas também tem uma coisa, né? A Casapueblo poderia muito bem coibir esse tipo de comportamento, fixando regras rígidas antes da visita. Mas parece que está mais interessada mesmo em faturar com os tickets e as vendas de suvenires...

Carla
CarlaPermalinkResponder

Hahaha... Americano "falando a língua local" foi a piada do ano... lol (Só se for a língua local do Canadá, da Austrália, da Inglaterra...)

Sylvia
SylviaPermalinkResponder

Falam sim Carlinha eekops:
Todos tem um guia na mão para ler : bom dia, boa tarde, obrigado wink

Carla
CarlaPermalinkResponder

Agora que eu vi, Sylvita, que o item é "tentar falar" a língua local, e não "conseguir falar"... Aí eu até concordo! wink

Zé
PermalinkResponder

É isso mesmo, Sylvia. Um americano educado, esclarecido, SEMPRE carrega um phrase book com ele, SEMPRE! grin

Existem dois tipos de turistas americanos: a tchurma dos arrogantes e que estão sempre falando alto como se fossem os donos do mundo (esses são a minoria), e a tchurma dos educadinhos, boas maneiras e que fazem a lição de casa antes de viajar (esses são a maioria e odeiam e sentem vergonha dos caras da outra tchurma)

Marcie
MarciePermalinkResponder

pra não mencionar os americanos que viajam de moleton....!

Sylvia
SylviaPermalinkResponder

haha Marcie , essa me lembrou um "trapinho" de moleton cinza , sem acabamento nenhum , que estava na vitrine da Osklen por 749 reais grin Cheguei a dar marcha ré pra ver se eu não tinha olhado errado ...

Mô Gribel
Mô GribelPermalinkResponder

Sylvia, lindona, vou dis-concordar de vc!
Não que eu tenha amado os moletons da Osklen, mas foi genial o que ele fez.
Além do mais, vc sabe que o tecido é o menor custo da roupa, né?
Beijos!

Barb
BarbPermalinkResponder

O americano tem tanta vergonha da turma dos arrogantes que tem ate um nome especificos para eles, sao chamados de "ugly american". http://en.wikipedia.org/wiki/Ugly_American

Paulo
PauloPermalinkResponder

Exatamente! Se atrapalham de graça os iguais, imagina quando se acham no direito por estarem pagando (ou não). Os outros turistas ao menos podem fugir.

André
AndréPermalinkResponder

Sei não... suspeito que isso tem a ver com educação, simplesmente. Sempre aprendi duas coisas básicas: na sua casa, seja educado com as visitas. Na casa dos outros, seja ainda mais educado, pois você é a visita.

Acho difícil imaginar que um francês seja mais educado no exterior, viajando, do que é em casa, recebendo turistas.

Portanto, acho plausível que as pessoas vejam os franceses como maus turistas.

Marcie
MarciePermalinkResponder

Acho essa uma avaliação muito one-sided. E uma generalização - e como tal, imprecisa.

luis r.
luis r.PermalinkResponder

falando em franceses e turismo, vcs viram q o conselho de paris está fazendo uma campanha pra estimular a população local a sorrir + para o turista? a ideia é, com isso, reverter a queda da receita com turismo na cidade, q teria sido considerada por uma pesquisa (tripadvisor?) como a + supervalorizada da u.e., com custo alto e gente antipática. ñ merece, ñ merece

douglas
douglasPermalinkResponder

confirma, tive varias expriencias negativas com turistas, mas tenho um grande chef amigo frances que assumiu ser brasileiro

Lena
LenaPermalinkResponder

Ué :roll: Eu sempre ouvi dizer que quem dá menos gorjeta, somos nós, brasileiros!! Tem até aquela história de que a tripulação dos cruzeiros não queria mais vir para o Brasil... Tiveram que incluir a gorjeta na tarifa dos cruzeiros... Imagina como o pessoal dos hotéis fica feliz da vida ...

Andre Lot
Andre LotPermalinkResponder

Aqui estamos tão habituados aos 10% (ou em alguns casos, mais que isso) da taxa de serviço em hoteis e restaurantes que simplesmente não temos o habito.

Ernesto, o  pato

Eu não gosto destas generalizações... Acho que este tipo de ranking leva ao preconceito, e grande parte da popularidade dos americanos se deve a cultura da gorjeta. Lá a norma e o habito local (que eu repito) é dar 15% da conta, e se o americano repete isto no Brasil, ele vai ser bem popular, pelo menos entre os taxistas e os graçons... Aqui no Brail, por exemplo ninguem dá gorjeta para taxista, salvo situações exepcionais, já nos EUA eu não dei para um malcriado, que ficou ainda mais mal educado....

Riq, que tal um enqete.... Melhores e piores taxis do mundo, boas e más experiencias....

PêEsse
PêEssePermalinkResponder

Também sigo fielmente a prática dos 15% da gorjeta. Depois que uma amiga brasileira que trabalhou por lá me disse que a tip, quando paga no cartão de crédito, nem sempre é repassada pelo estabelecimento aos empregados, passei a pagar a tip por fora, em espécie. Mas detesto essa visão mercantilista americana. Parece que ninguém lá trabalha se não tiver um "por fora" e que tudo é feito no interesse. Além disso, fazer drama dizendo que os empregados dos lugares são remunerados basicamente com a tip é absolutamente injusto. Os empregados trabalham diretamente para o dono do restaurante e só indiretamente para mim. Por que, então, que eu é quem tenho que remunerá-lo? Sem falar que, nos EUA, como o imposto é cobrado por fora (o que acho excelente, porque gera transparência tributária), em um restaurante o preço que você vê no cardápio sempre tem de ser acrescentado de aproximadamente 25% (ou seja, um quarto) a mais por conta da tip e da tax. Com isso aquele ravióli lindo com aquele vinho imperdível deixa de ter um preço aceitável e passa a ser caro.

Barb
BarbPermalinkResponder

Nao existe em lugar nenhum o conceito de trabalhar de graca, todos trabalham porque tem o interesse de no final do mes pagar as contas... a Starbucks recentemente perdeu uma acao na justica e teve que pagar milhoes de dolares aos empregados porque as gorjetas dadas pelos clientes eram compartilhadas com os gerentes das lojas (o que e’ proibido, gorjeta e’ para o barista, o cara que esta fazendo o cafe). Acho dificil um estabelecimento comercial nos EUA nao repassar as gorjetas... A gorjeta e’ a melhor forma para que baristas, garcons, taxistas, etc. facam um bom trabalho para te atender da melhor forma possivel, se fizerem um bom trabalho aqui vai 20%, do contrario 10% da’ um bom recado que o trabalhador precisa se esforcar mais. Quer fugir da gorjeta nos EUA? Peca nos restaurantes a comida para “take out” e coma no parque ou hotel, desta forma voce nao se ve obrigado a pagar a gorjeta e economiza.

PêEsse
PêEssePermalinkResponder

Como disse, sempre pago os 15% nos EUA e 10% em qualquer outro país. Isso, contudo, não me faz achar legal ter sempre de dar gorjeta a todo mundo por qualquer coisa: por exemplo, a um porteiro por simplesmente e sem ser solicitado abrir a porta de um táxi que já estava ali parado para o próximo que aparecesse (gentileza remunerada) ou ao próprio taxista, que já ganhou o que cobrou pela corrida (recebe duas vezes pela mesma coisa). Particularmente eu acho uma inversão de valores. Quem ganha dinheiro com empregados trabalhando corretamente é o dono do estabelecimento. Não reputo justo que ele repasse o custo de seus empregados aos seus clientes. Mas reconheço que o tema é polêmico. Se a gorjeta deixasse de ser cobrada e os estabelecimentos assumissem a remuneração de seus próprios empregados, provavelmente os preços aumentariam e a coisa daria no mesmo (se bem que aí o preço mais elevado já no próprio menu poderia influenciar a decisão dos clientes). Eu vejo com muita nitidez duas situações: a da gorjeta que se dá porque o garçom se destacou, atendeu primorosamente, deu sugestões impagáveis etc. e a da gorjeta que se dá porque ficou estabelecido que todo mundo tem de sempre receber no mínimo 15% mesmo o atendimento tendo sido apenas normal ou básico. Mas vai ver eu provavelmente estou errado.

Carla
CarlaPermalinkResponder

Se está errado, PêEsse, então somos dois... Eu concordo com tudinho o que você disse. Também dou as minhas gorjetas direitinho, de acordo com o costume de cada lugar - mas isso não quer dizer que eu concorde...

PêEsse
PêEssePermalinkResponder

Carla, você não tem noção de como é ótimo estar errado em sua agradável companhia.

Eduardo Luz
Eduardo LuzPermalinkResponder

Então somos 3, Trabalhou direito dou os 15 ou 20% a que tem direito.
E não tem choro!!

Zé
PermalinkResponder

Nos EUA as gorjetas variam entre 15% e 20%. E é verdade que os garçons (na maioria estudantes de high school, college ou imigrantes) recebem salário baixo, sim... faz parte do esquema (em geral, US$ 5,00 hora) e vivem das gorgetas. Eu costumo dar 20% porque sou rico.

Ricardo Freire

mrgreen

mrgreen

mrgreen

Zé
PermalinkResponder

Esqueci de comentar uma coisa sobre as gorjetas nos restaurantes aqui dos EUA (como curiosidade, apenas): quando você paga com cartão de crédito, na notinha tem um campo (escrito "Tip") onde você preenche o valor da gorjeta que você quer dar. Acho que isso é para evitar maracutaia do dono do restarurante com os garçons, acho. :roll:

PêEsse
PêEssePermalinkResponder

Ou talvez porque sobre o valor declinado no campo "tip" não incida a tax. Seja como for, depois do conselho da minha amiga que disse que não recebia a tip inteira, passei a pôr um traço no campo "tip" da nota do cartão de crédito e dar os 15% (não sou rico) em espécie.

Zé
PermalinkResponder

Na Itália uma garçonete brasileira me disse que os donos dos restaurantes de lá são sacanas e muitas vezes não repassam a gorjeta pros garçons. Eu dei a tip direto pra ela (só que foi 20%... porque sou rico) grin

Dionísio (www.blogdodionisio.wordpress.com)

Me sinto bem dando uma gorjeta pro trabalhador que merece porque trabalha bem. Me enchi de onda quando um garçom de um La Pasiva de Montevideo me disse: "muy amable, señor". Não foram 20% nem sou rico, mas me senti rico!

jpsoares
jpsoaresPermalinkResponder

Liberté, égalité, fraternité

Alex Melo
Alex MeloPermalinkResponder

Os franceses que encontrei sempre foram muito bem educados e tranquilos, até mesmo sociáveis. No geral, sempre tive mais más experiencias com brasileiros que com qualquer outra nacionalidade...

Alê Godoy
Alê GodoyPermalinkResponder

Acho que não dá pra generalizar...
Francês = péssimo turista e péssimo anfitrão...
Não tenho muita experiência em viagens, nem tenho a pretensão de defender os franceses, mas lendo este post me ocorreu dizer que estive em Paris no ano passado e fui muito bem tratada em todos os lugares.
E ainda tive uma experiência inédita em viagem, por 2 vezes fui abordada por parisienses (idosos) se oferecendo para me ajudar a achar o lugar que eu procurava no mapa (nas duas vezes estava tentando me localizar no mapa).
Em ambas as ocasiões ficou nítido que não falavam inglês (sério!) e eu nem uma palavra em francês. Apesar de super confuso, fizeram de tudo pra me ajudar e não desistiram até conseguir.
E olha que eu nem precisava da ajuda... era só eu olhar o mapa mais um pouquinho (mais fácil do que tentar entender as dicas em francês). smile

Mô Gribel
Mô GribelPermalinkResponder

Eu acho esse tipo de atitude uma 'fofura'!

Natalie
NataliePermalinkResponder

Também fiquei surpresa quando recebi ajuda de um francês em um restaurante enquanto tentava pedir gelo. Em um mercado também recebemos ajuda voluntária de uma francesa para encontrar uma escova de cabelo. Foi bem bacana smile

Camilla
CamillaPermalinkResponder

Bom, generalizações realmente acabam incitando o preconceito. Existem melhores e piores turistas (ou qq outra coisa!!) de qualquer nacionalidade! Porque isso independe dela, apesar de muitos hábitos culturais estarem relacionados (identificamos a origem de algumas pessoas pelos modos!). Pura bobagem, um marketing negativo, desnecessário, apenas para manchar a reputação dos franceses (às vezes acho q rola uma pontinha de inveja de todos nós, outros!).

Lu Malheiros
Lu MalheirosPermalinkResponder

Acho que no final das contas existe gente educada e gente mal educada, independentemente da nacionalidade. O melhor turista, pra mim, é o educado e, não, o que gasta mais dinheiro no país! Mas esta é a visão de viajante, não de comerciante! Impossível conciliar as duas.
Viajando pela Europa, os piores turistas - insisto, na minha visão - são os japoneses. Eles fingem não entender inglês, andam em bando de 50, furam fila na maior cara de pau, atacam o café da manhã a ponto de não deixarem nem um farelinho para contar história e não se esforçam para falar o idioma local (nem um mercizinho).
Devo admitir, contudo, que já vi muito brasileiro sendo extremamente groseiro no país alheio...

PêEsse
PêEssePermalinkResponder

Sobre a falta de educação de alguns brasileiros, ver http://viajeaqui.abril.com.br/blog/68000_comentarios.shtml?1311328

Eduardo Luz
Eduardo LuzPermalinkResponder

Essas pesquisas são só ... pesquisas!
Pergunte pros corintianos qual é o melhor time do mundo? Qual será a resposta? (se bem que neste caso é verdade!!) rs.
Acho que uma pesquisa boa, seria fazer esta mesma pergunta pros tripulantes e cada um responder qual a nacionalidade de turistas que mais o incomodou ( no quesito educação) nas inúmeras viagens que fez?
Off-topic : estou precisando de dicas, as mais variadas possíveis, sobre o Peru, Lima especialmente já que a maioria das pessoas passa correndo pela capital peruana a caminho de Machu Pichu.
E Riq, você tem alguma notícia sobre a "atuação" da gripe por lá ?

Ricardo Freire

Edu, tem um cara que eu sigo no twitter, o http://twitter.com/stuenperu , que costuma falar dos pontos negativos do Peru, mas nunca tocou no assunto gripe.

Carla
CarlaPermalinkResponder

Edu, eu continuo devendo os posts sobre Lima lá no I&V, mas vários trips já publicaram alguns posts bem interessantes. Vale visitar:

- Agora Vai: http://agoravai.wordpress.com/category/peru-lima
- Cadernos de Viagem: http://cadernosdeviagem.wordpress.com/category/peru/lima
- Dividindo a Bagagem: http://dividindoabagagem.blogspot.com
- Karinissima: http://karinissima.wordpress.com/category/peru
- viaggiando nel Mondo: http://viaggiandonelmondo.blogspot.com/2008/11/lima.html

Carla
CarlaPermalinkResponder

Faltou o link do Dividindo a Bagagem: http://dividindoabagagem.blogspot.com/search/label/Lima

Ricardo Freire

Ops, não tinha entendido a parte das dicas fora a gripe.

Aqui neste post tem todos os links que a Carla menciona:
https://www.viajenaviagem.com/2009/05/passo-a-passo-a-lima-e-machu-picchu-no-otimo-blog-da-lu-malheiros/

CarlaZ
CarlaZPermalinkResponder

Sabe que anteontem eu vi um programa (Drinques e Cidades) e era em Lima e fiquei com muita vontade de ir...

Ricardo Freire

No Discôberi Trábel and Líbing?

Camila
CamilaPermalinkResponder

Cheguei atrasada, mas não tem problema. A Carla já deixou o caminho direitinho. wink Acho que nesses links dá pra descobrir muita coisa legal. Eu só conheci Miraflores e o centro histórico. Gostei bastante dos dois!

Inquietos
InquietosPermalinkResponder

Bom, eu concordo com todos que dizem que generalizações são ruins e preconceituosas. Mas vou deixar o meu lado politicamente correto de lado e desabafar!!!!!

O pior turista é o japonês, sem sombras de dúvidas.

Quando eles andam de excursão no meio do Louvre, com a plaquinha do guia bem alta na frente dos quadros? Mal educados.

E furam filas? Mal educados.

E te empurram em meio aos outros para não se perderem? Mal educados.

E quando o guia pede para você ceder seu lugar no trem para o japonês do grupo que ficou de pé? Sim, isso aconteceu comigo no Jungfraujoch e achei inacreditável! Pq o japonês tem mais direito do que eu, se pagamos a mesma coisa pelo passagem?

Não dá. Não gosto de turista japonês (não confuda com os japoneses). Não cedo lugar, não abro espaço e respondo à altura.

Paula Bicudo
Paula BicudoPermalinkResponder

Inquietos, e quando insistem em fotografar as obras de arte dos museus com flahs, sabendo que isso as deteriora e fingindo que não entendem o ENORME aviso de uma máquina fotográfica com o traço de proibido. E juro, para que fotografar obras de arte se fotos delas bem sem flah e profissionais estão por aí na internet aos montes, nos sites dos museus. Eu mesma, quando gosto de uma obra de arte, anoto e pesquiso em casa, guardo imagens, enfim, essa mania de fotografar tudo principalmente dos japoneses me irrita sobremaneira. #prontofalei

Nico
NicoPermalinkResponder

Edu Luz,
Estive em Lima mês passado. Fiquei 3 dias por lá. O que posso dizer é que achei a cidade muito agradável e limpa. O bairro de Miraflores é excelente e sem dúvidas o melhor para se hospedar. Realmente parece que o sol não dá as caras por lá, em compensação a chuva tb não.
Acompanho seu blog e sei que já esteve no La Mar em Santiago, então não deixe de ir à matriz em Lima. Gostei muito dos ceviches e outros pratos do mar do La Mar Lima.
Lima tem uma sobremesa deleciosa que é o Suspiro Limenõ, há uma pequena doceria em Miraflores que é o paraíso do suspiro, Maga. Mis Suspiros. Fiquei em dois Hotéis em Lima (uma na ida e outro na volta de Cuzco), o Casa Andina Miraflores Centro é um bom hotel e muito bem localizado. Fiz a reserva pelo consolidador Octopus Travel e correu tudo bem.
Pergunte se quiser mais informações, pois ainda estão frescas.

Carmen
CarmenPermalinkResponder

Em Espanha issa pesquisa, também fez, e deu como resultado: os franceses como piores turistas e despois os própios espanholes! Os melhores os japoneses, tranqüilos e educados, conforme a issa pesquisa interna sobre o turismo e os turistas em Espanha!

Carmen
CarmenPermalinkResponder

Pronto eu mesma me viraré turista (espero ser uma boa turista, quase tanto como os japoneses) Bjs e boas férias pra quem tenha!

Paula Bicudo
Paula BicudoPermalinkResponder

Sobre gorjetas: eu não sabia que na França não era "praxe" dar gorjetas e sempre deixava mais ou menos 10% e percebia o super sorriso dos garçons e demais atendentes. Depois que uma amiga minha que mora disse que NENHUM francês faz isso, resolvi diminuir a tip, mas sempre deixar alguma coisa, SALVO serviços excepcionalmente ruins.

Carla
CarlaPermalinkResponder

Eu fazia isso também, Paulinha! Não sabia que o serviço estava incluído, e acabava deixando 15% por fora, como fazia nos EUA... Os garçons amavam, claro! wink

Carlos Nascimento

Quem, como eu, tem o planejamento do turismo como profissão não se contenta com release de pesquisa, assim quando eu vi a notícia vasculhei a internet para achar o texto completo e ainda não achei, somente retalhos de releases. Mas os critérios aplicados tem coisas curiosas como vestimenta (os americanos foram classificados como o os mais mal vestidos, costume de reclamar (dos serviços? dos locais?). Pelo que eu entendi das notícias no quesito falar é esforçar-se para fazer os pedidos em restaurante e hotel, por exemplo, na língua local.
A propósito os japoneses, tão criticados aqui, seguidos dos britânicos e canadenses, foram considerados os melhores turistas. O ranking está aqui: http://www.dailytelegraph.com.au/news/worlds-best-tourist-rankings/story-e6freuy9-1225748081640

Edu Luz
Edu LuzPermalinkResponder

Ôpa, obrigado pelas dicas.
Não fiz a lição de casa pois não olhei no blogroll ao lado, né Riq?

E Carla e Nico, pode deixar que assim que tiver pesquisado melhor, volto a importunar. Por falar nisso, Nico, o Barranco não é legal pra ficar? É que vou ficar 2 dias em Lima na ida, mais dois na volta e gostaria de ficar tanto em Miraflores como lá.

Achei legal a aparente criatividade dos peruanos ao batizarem os seus estabelecimentos comerciais. Maga, Mis Suspiros é um bom exemplo, assim como o restaurante os Sete Pescados Capitales.

Nico
NicoPermalinkResponder

Edu, Barranco é bacana tb, porém mais alternativo, acredito que Miraflores é mais estruturado. E depois o táxi é barato (desde que se combine antes o valor) e Miraflores e Barranco são vizinhos, então dá pra ir pra lá a qualquer momento.

Carla
CarlaPermalinkResponder

Edu, eu também fiquei hospedada em Miraflores, e gostei muito da estrutura do bairro. O hotel em que fiquei, o León de Oro, é bem básico, mas valeu pela super barganha que consegui na época, menos de US$ 40 o quarto duplo, por um hotel situado a uns 5 minutos de caminhada do Shopping Larcomar. Mas, se você vai se hospedar em Lima tanto na ida quanto na volta, acho que é uma boa idéia experimentar Barranco, sim... wink

Sylvia
SylviaPermalinkResponder

Não deixe de trazer as famosas Tejas Helena , considerado o melhor produro gourmet do Peru ( prefiro a tradicional, com limão ) http://helenachocolatier.com/

Edu Luz
Edu LuzPermalinkResponder

Carla, acho que vou ficar com a tua opinião, pois assim, experimento 2 bairros e dois hotéis diferentes ( e que como o próprio Nico disse, ficam bem perto um do outro).

Sylvia, não conhecia os tais chocolates da Helena. E é claro que vou trazer e comer, ainda mais com a Dé sendo uma chocólatra assumida !!
Agora, você não exagerou um pouquinho ao citá-lo como o melhor produto gourmet da maravilhosa culinária peruana?? rsrs

Camila
CamilaPermalinkResponder

Eu também comprei as tejas Helena! Para mim e para os amigos. São mesmo uma delícia! E nos supermercados é bem mais barato que nos locais turísticos. wink

jpsoares
jpsoaresPermalinkResponder

Para mim os piores são os italianos,gente bastante brusca especialmente dentro de aviões e em resorts. Mas tambem aprendi, que reagindo com eles com a mesma brusquidão eles amansam...não são grande problema, só um pouco caóticos (como toda a Italia) e com vontade de armar confusão...o maior defeito deles é mesmo nunca deixar gorjeta

Leonardo Luz - BrasiLéo

E nós brasileiros em 19º no ranking? Glupt!

Lourenco
LourencoPermalinkResponder

Os franceses realmente sao tao gentis, acho que soh perdem mesmo em educacao para os russos.

Alex Melo
Alex MeloPermalinkResponder

Atrasadíssimo, eu sei, mas...
Fui para Lima em 2004, e já era uma cidade bastante interessante. Sei que de lá para cá melhorou muito.
O que eu realmente gostei foi do Centro Histórico. É meio muvucado, mas a Plaza Mayor é extremamente limpa, e bastante segura. Ali perto tem o Museu da Inquisição que é bastante interessante, onde na época tinha até guia para acompanhar contando a história da inquisição em Lima, que foi até razoavelmente forte. Ao final, no subsolo, tem alguns dos minúsculos lugares onde todos ficavam.
Além deste, outro que gosto muito é o Monastério San Francisco, outro que fiz com guia, e já está bem citado nos blogs, é muito bom mesmo (ok, é meio claustrofóbico e as ossadas são muitas, mas vale a pena).
Fora isto, é o já citado mesmo: a Catedral bonita demais, Shopping Lacormar, Plaza del Amor, e comer uma chifa (mistura peruana e chinesa) que é muito bom!

Inquietos
InquietosPermalinkResponder

Paula, eu geralmente fotografo a plaquinha da obra de arte para lembrar depois e pesquisar. Acho mais fácil do que anotar. Claro que em museus que NÃO pode fotografar nem isso eu faço, pois a máquina fica na mochila.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar