Por dentro do Oasis of the Seas

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

O bar Viking Crown
O bar Viking Crown

Antes de mais nada, devo lembrar aos tripulantes, passageiros e pára-quedistas do blog que não sou nenhuma autoridade em cruzeiros. Basicamente porque este não é o tipo de viagem que faz a minha cabeça. O mundo, no entanto, está pouco se importando com a minha opinião; o nicho de cruzeiros vai muitíssimo bem, obrigado, em qualquer lugar do mundo em que haja navios em operação. Me interessa, portanto, saber como funciona e entender também dessa modalidade de viagem (mais ou menos como acabei entendendo -- bastante, modéstia às favas -- de resort, mesmo sem ser propriamente fã do gênero).

Solarium: sol e piscina sem muvuca
Solarium: sol e piscina sem muvuca

Fiquei feliz de comprovar que a experiência num navio pode ser bem diferente da outra. Meus três dias no Oasis of the Seas não tiveram praticamente nada em comum com a semana em que fiquei a bordo do Zenith da CVC, há dois anos. Daquele lá só se salvaram a festa, a comilança e a bebelança (e o mestre de cerimônias dos shows de humor). Desta vez eu consegui entender melhor por que tanta gente gosta de cruzeiro.

O parque aquático das crianças
O parque aquático das crianças

Um navio de grandíssimo porte, que ofereça uma enorme variedade de espaços e atividades, funciona como uma espécie de universo paralelo. Tudo o que você procuraria em terra firme está a uma viagem de elevador (com uma ou duas passagens por corredores) do seu quarto. (Eu acho mais divertido procurar essas coisas em terra firme, mas nem todo mundo precisa concordar comigo.)

Jogatina
Jogatina

Um navio do tamanho do Oasis of the Seas -- o maior já construído, e que começa a operar de verdade agora em dezembro --, então, é como uma versão turística da Arca de Noé: você vai encontrar a bordo pelo menos um representante de cada espécie de estabelecimento que você freqüentaria nas férias em terra firme.

O  bar Champagne
O bar Champagne

A diferença do Oasis

O que torna o Oasis of the Seas diferente até mesmo dos outros navios da sua família não é o tamanho -- mas o que fizeram para aproveitar essas superdimensões. E o que fizeram foi cavar um buraco, um vão, uma fenda no meio do navio. Em vez de ser um bloco maciço com um convés por cima, o Oasis é composto por duas alas de apartamentos que também têm vista para os pátios internos.

Central Park
Central Park

Central Park bis
Central Park bis

No pátio do centro do navio foi criado o Central Park, uma praça ao ar livre com arbustos, plantas e um jardim vertical de verdade, ladeado por restaurantes, bares, lojas e galerias.

Royal Promenade e a clarabóia
Royal Promenade e a clarabóia

No meio do jardim foram construídas clarabóias que vazam luz natural para a Royal Promenade, a "rua" principal do navio, por onde se embarca e se desembarca, e onde ficam os restaurantes, bares e lojas abertos até mais tarde. (De lá também se desce facilmente ao deck de baixo, onde se concentra a vida noturna, com salas de espetáculo e o cassino.)

A Boardwalk
A Boardwalk

O outro espaço ao ar livre criado pelo vão fica na popa: é a Boardwalk, uma avenida temática criada para parecer um píer de praia na Califórnia, com direito a carrossel antigo e barraca (em inglês fica melhor: "shack") de frutos do mar.

O carrosselzinho
O carrosselzinho

É essa configuração -- e não simplesmente o tamanho -- que faz o Oasis of the Seas parecer um bicho diferente de todos os outros do seu bioma. Pode reparar: este será o primeiro navio de cruzeiro do qual você não verá a tradicional foto da piscinona do convés rodeada por uma arquibancada de espreguiçadeiras. Em primeiro lugar, porque não há piscinona, mas uma série de piscinas pequenas e jacuzzis. E depois, porque esta seria a última foto do navio que um editor selecionaria; o Central Park, a Boardwalk e os espetáculos são infinitamente mais interessantes.

Holiday on ice at sea?
Holiday on ice at sea?

Por sinal, mesmo para alguém tão inexperiente em cruzeiros como eu, a sensação de não precisar subir ao convés para sair do ambiente fechado é surpreendente. Eu estava hospedado no décimo-primeiro deck, e para ir ao Central Park eu descia ao oitavo (para a Boardwalk, descia ao sexto).

No Comedy Club
No Comedy Club

Como funciona

Há dois restaurantões enormes que abrem para todas as refeições sem cobrar. Um é o buffetzão-padrão, chamado Windjammer, e outro é o restaurantão-formalzão, chamado Opus.

Tentando pegar leve no Opus
Tentando pegar leve no Opus

Além deles, há uma série de lugares que servem café da manhã, almoço e lanche na faixa. À noite, todos os restaurantes "especiais" (com exceção da pizzaria Sorrento's, na Royal Promenade) exigem reserva e cobram à parte. Mas não são caros: o menu completo do 150 Central Park, o restaurante de chef do navio, sai US$ 35. Em restaurantes mais prêt-à-porter, como o japonês Izumi, os pratos (combinados de sushi, por exemplo) saem por módicos US$ 7 a US$ 9. É mais um suplemento do que propriamente um jantar à parte.

150 Central Park
150 Central Park

Alguns lugares, porém, cobram o dia inteiro, como a lojinha de cupcakes (mas os donuts e os sorvetes estão incluídos). Bebidas alcoólicas não estão inclusas. Quem quer escapar da comilança pode se refugiar no Solarium Bistro, que tem buffets saudáveis no café da manhã e no almoço (e cobra no jantar). O cardápio do restaurantão principal, o Opus, sempre tem alguma opção sem carboidratos ou frituras.

Na acadjimia
Na acadjimia

Freqüentar a academia é grátis, mas alguns aparelhos e todos os tratamentos de spa são cobrados.

Tirolesa, não: zipline
Tirolesa, não: zipline

As atividades mais diferentonas, como as piscinas de ondas para fazer surf e body-boarding e a tirolesa (zipline, em gringuês), precisam ser reservadas; as vagas esgotam logo.

Guitar Hero na área teen
Guitar Hero na área teen

Os shows estão incluídos -- e são muito bons. Há um musical da Broadway -- o primeiro encenado num navio --, o "Hairspray". O espetáculo do teatro aquático (no final da Boardwalk) é claramente (bem) inspirado no Cirque de Soleil, e tem direito a mergulhadores à la Acapulco, numa piscina que fica o tempo todo mudando de profundidade. Tem também um espetáculo de patinação no gelo, "Oasis Dream", e um segundo musical, "Come fly with me", que ainda não estava pronto para estrear no nosso cruzeiro. Um teatrinho pequeno serve para apresentações de comédia stand-up, e há também um clube de jazz. Com exceção do jazz, todos os espetáculos precisam ser reservados (dá para fazer isso pela internet, antes de embarcar).

Blaze, uma das discos
Blaze, uma das baladas

Depois do show da noite você ainda pode escolher entre duas discos (uma mais jovem, outra para tiozinhos), um lugar de música latina ao vivo, um bar de karaokê, um piano bar, um bar dançante com vista para o convés, um pub com som ao vivo -- e mais o cassino, claro.

Também salsa, rumba e cha cha chá
Também salsa, rumba e cha cha chá

É muita gente? Balança?

Nosso cruzeiro saiu com 4.000 passageiros e não parou em lugar nenhum. O navio tem capacidade para 6.000 passageiros e faz pelo menos três paradas num cruzeiro de sete dias. Não posso avaliar, portanto, se essa diferença de dois mil passageiros influirá demais na qualidade de serviço. No nosso cruzeiro, tudo correu às maravilhas. Também não posso falar sobre os desembarques nas escalas. O embarque e o desembarque na base, em Fort Lauderdale, foram tranqüilissíssimos.

Outra piscina no Solarium
Outra piscina no Solarium

Quanto a balançar -- nadica de nada. A maior parte do tempo você nem se lembra de que está num navio.

Vai pra onde? Quanto custa?

O Oasis parte de Port Everglades, o porto de Fort Lauderdale, a meia hora do aeroporto de Miami (e a cinco minutos do aeroporto de Fort Lauderdale). Não é todo porto que pode receber um navio desse tamanho. Nos primeiros anos estão programadas escalas em Labadee (uma praia privada no Haiti, onde foi construído um píer especial), St. Maarten, Cozumel, Costa Maya (lugarejo na fronteira do México com Belize, um pouco ao sul de Tulum), St. Thomas (nas Ilhas Virgens Americanas), Falmouth (cidade histórica na Jamaica) e Nassau (nas Bahamas).

Sai menos caro do que você poderia imaginar. O querido Bruno Vilaça da Superviagem me passou os valores do cruzeiro mais barato do ano que vem -- saída em 27 de novembro, com escalas em Labadee, Cozumel e Costa Maya. Os preços não incluem aéreo (mas já incluem as taxas de R$ 508 por pessoa) e foram calculados ao câmbio de R$ 1,80 por dólar.

Quem comprar agora nesse cruzeiro paga, por pessoa, R$ 2.077 em cabine interna (sem janela), R$ 2.137 em cabine externa (R$ 2.337 com varanda), R$ 2.177 com vista para o Central Park (R$ 2.337 com varanda) e R$ 2.277 com vista para a Boardwalk (R$ 2.527 com varanda). Como se pode notar, as cabines com vista para o vão são mais caras do que as com vista para o mar! E só por curiosidade, os lofts de dois andares, nesta saída, custam R$ 7.687 por pessoa (mais barato que muito Réveillon por aí, hehe).

Salvo algum desastre (ops) no serviço ou nas operações de embarque e desembarque com o navio lotado, acredito que este será um sucesso total de boca-a-boca. É bem possível que esses preços subam. Se você está interessado, adiante-se. (O Bruno informa que brasileiros podem fazer em 5 vezes sem juros e sem entrada.)

No Aquatheater
No Aquatheater

Era isso, pessoal. Não doeu. Posso até dizer que eu praticamente gostei eekops:

Veja também:

Welcome aboard

Quem tem nutricionista tem medo

Ontem à noite no Oasis of the Sea

La Nave

166 comentários

Mari Campos
Mari CamposPermalinkResponder

Viu? Eu sempre digo - tem muito mico, sobretudo no Brasil - mas cruzeiro pode, sim, ser uma experiência legal wink

diogo
diogoPermalinkResponder

"posso até dizer que eu praticamente gostei" foi a cereja do bolo!!

Arthur
ArthurPermalinkResponder

Nesse navio eu iria. Pena ter que se deslocar até a Flórida... E o porto do Rio há anos precisando (e sendo prometida) uma dragagem para acomodar meganavios, de maior calado...

Eduardo T
Eduardo TPermalinkResponder

Tá gostando! Logo logo vai lançar um guia de cruzeiros! hahahh!

Martinha
MartinhaPermalinkResponder

Serà??

lol

Martinha
MartinhaPermalinkResponder

Adorei..
Tb nunca pensei em fazer cruzeiro..
Mas convenceu..
Ainda + com essas fotos lindas.. (que eu amei, pois não tem mta gente)
Transmitiu uma certa tranquilidade..
é de se pensar..
=)

Arthur
ArthurPermalinkResponder

O pátio interno foi a idéia mais genial. Belíssimo. Dá a oportunidade de se ter cabines com vista para "dentro".

Sylvia
SylviaPermalinkResponder

"...versão turística da Arca de Noé.."grin
então .. a partir deste conceito dá prá pensar em pensar eekops:

Priscila (Inquietos)

Eu desejo pro Riq um guia das melhores ilhas do mundo, não de cruzeiros!

Gustavo - Viajar e Pensar

Po realmente este Oasis of Seas, é um capítulo a parte no quesito Cruzeiros.
Talvez o que menos vai importar são os portos de paradas.
Abraço!!!

Adriana
AdrianaPermalinkResponder

surreal este navio! realmente tem tanta coisa p fazer que ao passar tempo nas ilhas onde para, mta coisa passa pela tangente...
faria sim, em algumas ocasiões, por ex - com família grande; mas ainda prefiro sair e exploreeee!

CarlaZ
CarlaZPermalinkResponder

Sabe que eu gostei...e penso que o destino é o de menos...o navio em si é a viagem (mas não está nos meus planos).
Mas acho que 3 dias devem ser suficientes...

Rodrigo
RodrigoPermalinkResponder

Riq,

Eu tenho uma certa fascinação por esses mega navios.

Se você for convidado para o lançamento desse aqui com cabines design http://www.epic.ncl.com/, pode deixar que carrego as malas..rsrs

Arthur
ArthurPermalinkResponder

Fala Rodrigo, se vc gosta de mega navios, o maior navio já construído foi o petroleiro "Knock Nevis", com 458 metros (!) de comprimento, desativado em 2004 e atualmente usado como tanque flutuante de petróleo, ancorado. E o maior navio em atividade atualmente é o cargueiro de containers "Emma Maersk", com 397 metros de comprimento. Devem ser ótimos para o cooper matinal da tripulação...
http://en.wikipedia.org/wiki/Knock_Nevis

Rodrigo
RodrigoPermalinkResponder

Cooper matinal..rsrs 8)

Mariana "de Toledo" _ @merel

AMEI AMEI a crônica de 2008.

Quanto ao navio... hm... acho que continuo me sentindo oprimida. Mas fico feliz de você ter 'praticamente gostado'; é sempre bom a gente conseguir quebrar os próprios preconceitos smile

Cristina L
Cristina LPermalinkResponder

eu faria de conta que estava em uma experiência extra-life, vivendo num ambiente de luxo e necessidades satisfeitas. entraria num mode: "essa poderia ser a minha vida".

se pensasse que era uma viagem, pronto. acabaria a graça!

Lucia Malla
Lucia MallaPermalinkResponder

Riq, vou vestir minha carapuça de "malla" sem alça e te perguntar algo meio "verdade inconveniente"... vc viu se havia esquema de reciclagem de lixo à bordo? E outras iniciativas "ecoconscientes"?

Ricardo Freire

Deve ter um capítulo sobre isso no release, vou ver. Mas eu não sou a pessoa mais indicada para descobrir o que é eficiente e o que é só RP não...

Lucia Malla
Lucia MallaPermalinkResponder

O link q achei sobre o navio há uns dias atrás apenas dizia q o navio "tem menos impacto" - o q não quer dizer muita coisa, é discurso vazio... Fiquei mais curiosa com a idéia de incentivar as pequenas atitudes, o q há dentro do navio nesse sentido.

Se vc tiver qqer nota oficial ou não-oficial sobre o tema, vc me passa please?

Obrigada, Riq!

Lucia Malla
Lucia MallaPermalinkResponder

Ah, e isso se vc quiser e tiver tempo, lóóógico... não precisa se estressar sobre. É só uma curiosidade de bióloga mesmo. smile

Ricardo Freire

Nesse momento tô fora da base.

Mas fora o apelo para não lavar toalhas e canecas plásticas nos cafés (mas com o estoque de descartáveis de papel ao lado) não fui alvo de nenhuma ação educativa, não.

luis r.
luis r.PermalinkResponder

olha, eu sabia q poderia contar com sua objetividade e perspicácia pra destrinchar qual é, enfim, a desse tal barcão (adorei a definição de alguém daqui: iceberg desgarrado da barra da tijuca). mas admirado mesmo eu fiquei foi com o delicioso texto do cruzeiro anterior. ñ há a menor chance de eu chegar aos 44 anos (ano q vem!) escrevendo de forma tão bacana e simpática assim! prazer te ler novamente.

Lili-CE
Lili-CEPermalinkResponder

Eu faria, mas só com férias (leia-se tempo) sobrando... Trinta dias no ano são preciosos, não posso desperdiçar.

Tweets that mention Por dentro do Oasis of the Seas « Viaje na Viagem -- Topsy.com

[...] This post was mentioned on Twitter by Ricardo Freire and Blog de Viagens, Liliane Gondim. Liliane Gondim said: A experiência do @riqfreire no Oasis of The Sea: http://migre.me/d8er [...]

Carla
CarlaPermalinkResponder

Bom, eu continuo dizendo que não seria a minha primeira opção, mas depois de ter o meu próprio gostinho de um cruzeiro, já não torço o nariz... wink (Que engraçado, encontrei um comentário meu na crônica de 2008 dizendo justamente que adoraria fazer o cruzeiro na Patagônia que pretendo fazer agora nas férias! grin )

Ernesto, o pato

Nossa nova barbadaNem estavamos pensando em viajar.... Mas como eu vi um cruzeiro de 14 noites entre natal e ano novo, no celebrity, que é um navio 5 estrelas, numa cabine externa por 950 dolares com todas as taxas pelo www.vacationstogo.com ( aqiu, voce vai cair duro, era 3 vezes este preço!!) , Porto Rico, lá vamos nos.... Abaixo o roteiro.... Alias se voce nunca foi para o Caribe tai uma oportunidade. O Aero,com todas as taxas esta a 1.100 dólares na Copa. e um bom hotel no Hotwire 100 dólares o casal. Depois vamos alugar um carro, mas deve ser barato, como costuma ser nos EUA...

Ricardo Freire

Alugar carro não está mais barato nos EUA não, Ernesto. Durante a crise as locadoras se desfizeram dos leasings e estão operando com estoque baixo. Os preços subiram.

Ernesto, o pato

Riq

Mas eu acho que uns 5 dias de carro não deve passar de uns 200 dolares, chutando por alto...

Carla
CarlaPermalinkResponder

Não deve passar, não, Ernesto. Por via das dúvidas, olha no Kayak antes de reservar, porque volta e meia eles têm boas promoções para pegar e devolver o carro em alguns aeroportos - sem falar que o próprio comparativo de preços já dá uma idéia do que esperar...

Ricardo Freire

Também andei olhando Porto Rico em janeiro vocês têm razão. É que eu fiquei traumatizado com a Flórida. Achei a tarifa-base cara (não achei por menos de 45 dólares o econômico, talvez por ter feito em cima da hora) e os seguros, GPS e taxas inflaram muito a conta.

Carla
CarlaPermalinkResponder

Os seguros inflam a conta horrores mesmo... Eu tenho usado sempre o seguro do cartão de crédito, não contrato mais nenhum em locadora desde o ano passado!

Ricardo Freire

Eu morro de medo de na hora do vamo-ver o seguro brazuca não cobrir/funcionar. É o tema mais recorrente dos ombudsmans da Traveler americana -- com os cartões DELES...

Carla
CarlaPermalinkResponder

Bom, esse medo eu também tenho - acho que nem dá pra ser diferente, com tanta propaganda enganosa por aí... Mas faço assim: toda vez que vou alugar um carro, eu ligo para o cartão, confirmo todas as coberturas e guardo o número do protocolo. Na verdade, eu sei que deveria pedir a apólice, mas nunca me lembro disso com antecedência... (Até hoje nunca precisei usar seguro nenhum, então não dá pra garantir que funcione... Mas eu também nunca tinha usado o seguro das locadoras, então também não podia garantir que eles funcionassem...)

lucia latorre
lucia latorrePermalinkResponder

Ola Riq Freire.
Veja só, apresentei você hoje um para um estagiário do meu trabalho. Jovem de 20 e poucos anos, que começa a se interessar por viagens, e que veio me pedir dicas de viagem.
Perguntar a mim, veja só, pessoa que a menos de 3 anos atrás, nunca tinha feito nenhuma viagem internacional.
E que nunca imaginara que isso seria possivel.

Há 4 anos atrás conheci o blog da Cora Ronai.
Encantei-me com as viagens que ela faz e que tão ricamente descreve em seu blog. Lá na Cora, conheci você.
Minha filha conheceu você.
E sabe o que? Achamos quer podiamos nos aventurar também.
Toma aqui, toma acolá, dica aqui, dica acolá, muita, muita economia daqui, fomos absorvendo tudo e em 2008 nos aventuramos : primeiro Cancum, depois NY.

Como tinhamos feito a lição de casa diretinho, fomos felizes, muito felizes em nossa viagem.
Andando na quinta avenida, eu tinha medo de acordar e de repente descobrir que estava apenas sonhando.......
Assistir um show na Broadway....é, eu estava lá, era dificil de acreditar , mas estava.
A gente tinha pouco dinheiro, mas gastava cada dolar como se fosse um milhao.
Quando voltei, sentia uma emoção tão grande, quando assistia um filme e o lugar , bem o lugar agora eu conhecia. Assisti Spider Man, todos os tres novamente, somente para ter a certeza que eu conhecia aqueles lugares.

Bom depois fomos para Buenos Ayres,..... a cidade estava logo ali, e eu com 51 anos estava conhecendo-a pela primeira vez......

Este anos, agora em novembro, dia 01, fomos para Los Cabos no México.
Depois Miami, depois NY.
Nossa intenção era ir para Las Vegas, mas ficamos temerosas e acabamos indo novamente para NY.

Bem, o que eu queria dizer mesmo, é muito obrigada.
Obrigada pelo seu trabalho. Obrigada por ter contribuido para sonhos meus que acreditava impossiveis....

Sim, sim, eu andei de charrete em NY. ( um dos sonhos da minha listinha de coisas a realizar)

Ricardo Freire

Oi Lucia! Bem-vinda à caixa de comentários!

Também conheço você do blog da Cora. E também viajo no que você escreve mrgreen

(Povo, a Lucia Latorre é a Lucia/SP do fim do texto do Palco HSBC desta semana!)

Fernanda Oliveira

Nossa, que fotos lindas!
Abobalhei aqui com o tamanho do navio, e as coisas que ele oferece. Eu sempre achei que num cruzeiro, as pessoas poderiam ficar entediadas, mas agora eu vejo que não.
Bem, até penso em fazer um pra Noronha, mas não sei não, tenho receio com cruzeiros. O que eu posso dizer é que esse texto seu me abriu os olhos, e tirou um pouco do receio que eu tinha... Quem sabe em 2010 eu não me aventuro?
É, quem sabe... Enquanto isso, well done Ricardo! Adorei as dicas, e fica aí registrado pra quem quiser se aventurar, né? Aliás, esse site é excelente pra qualquer pessoa. Estou adorando vir aqui e descobrir ainda mais coisas... É sempre um prazer.

PS: Já mostrei o Desempacotando NY pra minha mãe, e ela adorou! Virou celebridade aqui em casa, todo mundo amando as suas dicas. Ganhou três fãs hein? grin

Ricardo Freire

Fernanda, obrigado pela audiência e pela propaganda mrgreen

Mas olha só: no caso de Noronha, os navios são BEM fraquinhos, viu? E chegar de navio lá é um péssimo meio de visitar a ilha, em todos os sentidos: para quem chega e para quem está lá. Eu sou pela proibição de cruzeiros para o arquipélago -- a chegada de um naviozão infringe o limite de forasteiros permitido pela lei (as autoridades locais deixam porque como os cruzeiristas não dormem na ilha, não contam) e tumultuam a ilha.

Vá para Noronha para ficar cinco dias; menos do que isso não vale a pena...

E se você quer viajar de navio, escolha pelo navio -- seja pelo que há para fazer a bordo, seja pela companhia. As escalas serão sempre acessórias, a não ser nos casos em que só podem ser avistadas/alcançadas de navio.

Fernanda Oliveira

Nossa, que horror!
Ainda bem que eu soube agora, antes de me arrepender. Bem, eu pensei em Noronha porque moro aqui em PE, e ainda não tive oportunidade de ir ao arquipélago. Sempre tinha outras coisas em mente, e adotava o bordão "amanhã eu vou". Você pode imaginar que o amanhã nunca chegava né?
Eu pretendo fazer uma viagem pra lá, afinal de contas, nada mais justo conhecer parte do lugar onde eu moro não é mesmo? Só que eu estou com o coração tão dividido! Desde que eu comecei a me aventurar aqui no site, eu descobri uma Argentina tão envolvente que fica impossível não ler o seu registro no país hermano e não ficar com vontade de ir pra lá!
Aliás, eu estou num impasse horrível! Estava começando um planejamento com algumas amigas pra fazer um mochilão na europa, mas sabe como são as pessoas, não é? Se empolgam com facilidade, e tem uma tendência absurda de desistirem com a mesma facilidade com que ficaram empolgadas. Ainda bem que não tinha comprado nada, senão seria uma viagem furadíssima!
Eu destrinchei ao máximo os seus posts sobre BsAs, mas depois que eu li sobre o roubo da sua câmera (foi lá, não foi?) eu fiquei apreensiva. Ouvi vários comentários de amigos que se aventuraram por lá, e tiveram alguns momentos não muito agradáveis. :/
E como eu sou mochileira de primeira viagem (em viagens internacionais), queria saber a tua opinião pessoal mesmo: Mesmo com tudo isso, ainda vale a pena conhecer BsAs?

PS: Perdão pelo post imenso, acho que me empolguei um pouquinho. Mea culpa!

Ricardo Freire

Claro que vale, imagine.

Lili-CE
Lili-CEPermalinkResponder

Lucia, vir aqui é quase tão bom quanto viajar!

Rosa
RosaPermalinkResponder

Oi Lúcia/SP, show o seu pensamento no palco HSBC. Muito bacana!!!

Rosa
RosaPermalinkResponder

Riq, eu vou pedir o orçamento para o Bruno. O meu único impeditivo era o enjôo, como você garantiu que não balança (plano A) e a Carla me passou o plano B, vou encarar. Meu marido está super feliz, ele ama navios.

Paula
PaulaPermalinkResponder

Minha família e eu estivemos num cruzeiro "mico-total" Island Escape e ficamos traumatizados com o esquema. Depois de muita terapia de nossa atual agente embarcamos no Silverwind. Adoramos e percebi que não dá para generalizar...depois de ler este post me animei com o Oasis, apesar de ser gigante!

Twitted by dianacarval

[...] This post was Twitted by dianacarval [...]

Ed
EdPermalinkResponder

Riq,
não me lembro de ter lido comentários seus sobre o público embarcado na Flórica em comparação com os passageiros do cruzeiro a partir de Santos. E as implicações disso para o climão a bordo...

Ricardo Freire

O público era composto por convidados -- agentes de viagens e suas famílias e, minoritariamente, jornalistas. Não é possível comparar por esse ângulo, já que não eram passageiros "normais".

Luciana Bordallo Misura

Riq, eu ainda nao me rendi aos cruzeiros, mas ando pensando no assunto. Com esse post do Oasis voce me deu mais um empurraozinho. Algo a comentar a respeito do Oasis para criancas? Nao sei se voce chegou a prestar atencao nisso...

Ricardo Freire

Tem uma grande área reservada tanto aos pequenos quanto aos teens. O parque aquático dos petizes é bem bacaninha, com esses bichos inspirados em Nikki de St. Phalle e uma piscina de correnteza. Nesse capítulo, é um resort itinerante.

Silvana
SilvanaPermalinkResponder

Fazer parte da tripulação e conhecer o mundo, pra mim ja seria ótimo

Gilberto
GilbertoPermalinkResponder

Prezado Ricardo,
Já te acompanho faz um tempinho, apesar de nunca ter feito parte da tripulação. Até tenho seu livro smile Adoro suas matérias e seu estilo. Bom, sua viagem no Oasis of the Seas foi uma grata e feliz coincidência, uma vez que eu e minha esposa estaremos neste navio fazendo um cruzeiro, com saída de Fort Lauderdale (Fort Lauderdale, Flórida; Charlotte Amalie, St. Thomas; Philipsburg, St. Maarten; Nassau, Bahamas; Fort Lauderdale, Flórida) no dia 13/02/10. Sua matéria está excelente e nos possibilitou conhecer o Oasis por dentro. Obrigado e sucesso sempre. Ah! Desempacotando NY tá show. Um abraço.

Darlene
DarlenePermalinkResponder

Olá, Ricardo.
Estamos com um cruzeiro confirmado para fevereiro nesta "MARAVILHA" - Oasis Of the Seas -
Poderia nos ajudar indicando como fazer para reservar lugar nos Shows?
Obrigada, parabéns pela reportagem...
Darlene

Ricardo Freire

Você precisa fazer seu pré-check-in no site do navio. Quem lhe vendeu o cruzeiro deve dar o link. Uma vez no site você consegue reservar.

Maria Célia
Maria CéliaPermalinkResponder

Riq, estou programando conhecer o Oasis no meu aniversário (29 de novembro), que foi exatamente a época que vc viajou. Uma dúvida: como é o clima nesta época do ano no Caribe? Pergunto isso porque em outubro de 2008 fiz uma viagem de um dia para Bahamas partindo de Ft. Lauderdale (roubada total!!!) e tava muuuuuito frio, inclusive a bordo. Ou seja: nada de piscina, nada de praias, só uma ventania danada... mas foi um único dia, sei lá né... Vc acha que em novembro vamos conseguir aproveitar as praias e a parte externa do navio?

Outra dúvida, que tipo de acomodação você sugeriria? Estou tentada a optar pela opção com varanda, porque a diferença de preço não é tão grande, mas vc acha que vale a pena? E qual é a melhor vista? Oceano / Central Park / BoardWalk? Eu vi que as internas são mais caras, mas vc recomenda?

Ricardo Freire

Sempre existe a possibilidade de chuva. O clima do Caribe nunca é totalmente estável.

A minha cabine tinha vista para o mar. Acho mais tranqüilo.

Maria Célia
Maria CéliaPermalinkResponder

Tenquiú!

Andrea
AndreaPermalinkResponder

Vocês já ouviram falar se no desembarque do Oasis of the Seas existe uma saída mais rápida que a pessoa desembarca com suas próprias malas, isso acontece assim que o navio atraca no porto, chama algo como : "saída express".

Ricardo Freire

É bastante tranqüilo, Andrea. Saí com minhas próprias malas na boa. A continuação da sua viagem é que depende do que você tenha contratado -- se ônibus para o aeroporto, se trânsfer para o estacionamento.

Não sei se a imigração para voltar é complicada, porque o meu navio não saiu de águas americanas.

Mas olhe só: para não se estressar à toa, não programe nenhuma conexão em cima da hora com a chegada do navio, não. Não vale a pena estragar a viagem com nervosismo na última hora.

Gisele
GiselePermalinkResponder

Alguém tem idéia de quanto anda saindo uma cabíne vista mar? E os roteiros, sao mesmo o máximo?

Ricardo Freire

Orce aqui, Gisele: http://www.royalcaribbean.com.br/

As paradas são... paradas, Gisele. Iguais às paradas de qualquer navio de cruzeiro, com as mesmas limitações de tempo de quaisquer outro navio de cruzeiro. Como eu escrevi neste post, a maior motivação para embarcar nele tem que ser o próprio navio.
https://www.viajenaviagem.com/2009/11/la-nave/

Maria Célia
Maria CéliaPermalinkResponder

Algumas datas já estão esgotadas para as cabines internas, e em todas elas o preço já está beeeem mais caro... to aqui chorando porque ainda não fechei a minha viagem e ela acabou de ultrapassar o orçamento. Mesmo sabendo que ia subir, deixei pra resolver mais pra frente! Eu não acreditooo!

Gisele
GiselePermalinkResponder

Rik vc embarcou onde?
Estou quase certa para ir em 01/05. Como é o tempo no caribe nesse período?

Ricardo Freire

É ótima época para ir ao Caribe.

O embarque é em Fort Lauderdale.

Juliane
JulianePermalinkResponder

Gente fazer cruzeiros é MARAVILHOSO, já fiz 3 e não me arrependo é DEMAIS de boom!..

Regina
ReginaPermalinkResponder

Riq! Tudo bem?
Etou precisando de imagens deste navio.
Você sabe onde posso conseguir?
Se puderes me ajudar, super obrigada!
Regina

Ricardo Freire

A assessoria de imprensa é a Xpress: http://www.xpressonline.com.br/

Claudia Liechavicius

Oi Riq.
Por falar em navios, achei de péssimo gosto aqueles monstros atracados no "santuário" de Fernando de Noronha. Estragam a paisagem e lotam o paráiso sem necessidade nenhuma.

Mas, a costa brasileira tem sido bem explorada ultimamente por grandes empresas européias. E isso eu acho legal.No início do mês fiz meu primeiro cruzeiro no Brasil e gostei da experiência (já fiz um cruzeiro pelo Caribe e outro nas ilhas gregas). Escolhi o Costa Concórdia com um cruzeiro temático chamado Bem-estar. Para quem não gosta de ficar só comendo e jiboiando é ótima opção. Aí vai o link para quem quiser ler minha experiência.
http://www.viajarpelomundo.com/2010/01/na-onda-da-costa-brasileira.html

O Spa Samsara é o que mais vale a pena no navio.

Ah. Esqueci de contar que ontem li seu livro e adorei. Você tem um estilo muito descontraído e crítico. Delicioso o texto. Obrigada pela sua contribuição nas minhas idas e vindas.
Bj
Claudia

Vinícius
ViníciusPermalinkResponder

Excelente Post, estou por aqui planejando mais uma viagem, depois de uma ida com sucesso a Buenos Aires a partir das dicas do Blog.

Eis a questão: Estamos querendo estrear em Cruzeiros. Há uns dois anos planejamemos viajar em um cruzeiro, mas, depois de tantas reclamações e até incidentes, reparei que não era tão bom assim.

Ai decidimos dar um tempo, e agora começamos a repensar. Como estamos ainda "contagiados" pela Argentina, estamos pensando fazer o Cruzeiro de 7 dias, mesclando conhecer a "vida" no navio, mas também retonar a Buenos Aires e de quebra conhecer Montevideu.

É um cruzeiro em janeiro, saindo de Santos, com passagem em Punta del Este, Montevideu, Buenos Aires e retornando.
http://www.royalcaribbean.com.br/findacruise/cruiseDetails/itinerary.do;jsessionid=0000P_1p9mZfIujsbswWW9yIm86:13dlj1tud?packageCode=SP07F010&date=201100&promoType=&year=2011&hasSenior=&hasMilitary=&hasFireandPolice=&state=

Sei que passar um dia em Punta é pouco, mas, o foco é o cruzeiro,e resolvi escolher esse roteiro pois me disseram que em Viagens Internacionais são um pouco melhores, e como disse ainda passaremos dois dias em Buneos Aires.

A pergunta: Alguém já fez esse trajeto? O que achou?

No caso a cia é a Royal Caribbean, navio Splendour Of The Seas , alguém conhece?

O que achou?

Dessa vez (diferente de Buenos Aires) pretendemos levar os Ninos...

Abraços
Vinícius

Ricardo Freire

Fiz um cruzeiro da CVC que parava em Punta e Buenos Aires. Mas em Punta a gente tinha o dia inteiro, das 8 da manhã até as 8 da manhã do dia seguinte.

A parada em Punta desse roteiro é muito rápida demais. Das 12h às 21h não vai nem dar tempo de ficar pro pôr-do-sol.

Vá pelo navio, não pelas paradas.

yara cynthia
yara cynthiaPermalinkResponder

Viagem no tempo. O post sobre os tapetes me fez voltar ao post do navio gigante que me fez ir mais atrás: o primeiro cruzeiro do Riq. Além do texto ser muito engraçado e os comentário muitas vezes sem noção, o lay out era totalmente vintage!!!
E só se passaram 2 anos.
Parabéns ao Riq por transformar o site em um lugar onde as pessoas podem encontrar o que procuram, de maneira objetiva e sem precisar aporrinhar o "comandante".

Ricardo Freire

Faz menos de um ano, Yara mrgreen

yara cynthia
yara cynthiaPermalinkResponder

Comentei no post errado... que vergonha.

Ricardo Freire

Magina, nos dois dá certo smile

Ticiana
TicianaPermalinkResponder

Oi Ricardo,
estou me programando para fazer essa viajem no carnaval e achei seu blog muito interessante e gostaria de saber se vc pode responder uma curiosidade. A água da piscina é doce ou salgada? E onde vc acha que é melhor ficar, nas cabines com vista para o bordwalk ou para o central park? Tenho medo que seja barulhento.
Atenciosamente
ticiana Duarte

Ricardo Freire

Água doce. Eu pegaria uma cabine com vista para o mar. Mas o Central Park é sossegado.

Gabriel Dias
Gabriel DiasPermalinkResponder

É doce? Nos dois que eu já fiz pela RC eram salgadas.
Doce é bem melhor!

Leonardo
LeonardoPermalinkResponder

eae Ricardo,
parabéns pelo post..completo. Vou em abril mas ja gostaria de saber sobre as lojas, compensa comprar algumas coisas nas lojas do próprio cruzeiro ou aproveitar para comprar em Miami mesmo???
Abraços
Leonardo

Gabriel Dias
Gabriel DiasPermalinkResponder

Miami, sem dúvida. No máximo o que vale a pena comprar são bebidas, pelo comodidade. Mas se você for aproveitar Miami por alguns dias encontrará preços melhores. É o mesmo esquema de um hotel, onde tudo é mais caro do que o encontrado na loja em frente a ele.

Juliana
JulianaPermalinkResponder

nossa, passei meu dia inteirinho procurando pelo Oasis...Adorei as fotos ! Espero que ele venha para o Brasil um dia, mas caso contrario vou até ele ! haha

Vicente
VicentePermalinkResponder

Olá Ricardo! Estou com uma viagem de 7 noites marcada no Oasis com minha noiva, no dia 22 de outubro de 2011 e gostaria de saber como é o clima nessa época no Caribe e na Flórida (Fort Lauderdale). Ouvi falar que não é muito quente e que venta demais.. Verdade? Quanto as compras, onde é mais em conta, Miami ou St. Maarten, St. Thomas e Nassau, que são os pontos de parada do navio na data de minha viagem? Abraço e obrigado pela atenção...

Adriana
AdrianaPermalinkResponder

Oi Vicente. Acabei de chegar do Oasis, fazendo o mesmo percurso que você vai fazer. Os preços nas ilhas são os mesmos de Miami, com a diferença de que nelas você não paga imposto. O que vocês vão encontrar é um número enorme de joalherias.
No navio há também um comércio muito grande de relógios e jóias, tudo sem os impostos de Miami.
Aproveite a viagem. Foi tudo muito bom.

Carol
CarolPermalinkResponder

Olá Ricardo, estou conhecendo seu blog agora e já amo!! Estamos indo para o oasis em jan/12 eu (7dias), meu esposo, filha, sobrinha e casal de amigos. Nunca se quer entrei em um navio! Por favor, me diga uma coisa, qual a atividade que mais lhe agradou durante sua viagem? O que é imperdível? É muito tempo? Vamos ter três paradas. No texto vc diz que alguns restaurantes são pagos! Pensávamos que era tudo incluso exceto bebida alcoólica! Tiroleza, aquele surf,vc foi? é pago? é um preço justo?
Vc fez uma programação antes? Teria alguma dica de programação?
Desculpas por todas minhas perguntas....
OBG!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Carol! Aqui quem responde é A Bóia, assistente do Ricardo Freire para perguntas.

O Ricardo Freire foi numa viagem inaugural para a imprensa há quase dois anos. O melhor é você confirmar nas condições da sua reserva o que é incluído e o que é pago, essas coisas podem mudar com o tempo (e variar conforme a tarifa e a classe da acomodação).

Maria José Ataíde

Olá,Ricardo!Comprei o cruzeiro para 3 pessoas em Dezembro,mas só depois notei q nossa cabine fica no começo do navio(deck 7),fiquei muito preocupada,séra q é o caso de tentar trocar?

Obrigada,desde já!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Maria JOsé! Aqui quem responde é A Bóia. Quanto mais você investir na sua acomodação, melhor acomodada ficará grin

Fátima Calani

Olá,Ricardo! Tudo bem?
Em dezembro viajo durante 07 dias no Oasis... Você acha que vale a pena comprar roupas e acessórios no navio? Fico muito na dúvida, pois gostaria de ir "apenas com a roupa do corpo", mas tenho medo de chegar lá e ser muito mais caro ou não tem tantas opções.
Muito obriga,
Fátima Fernandes.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Fátima! Aqui quem fala é a Bóia, assistente do Ricardo Freire para perguntas. Se quiser comprar roupas, o melhor é chegar dois dias antes e aproveitar Fort Lauderdale e Miami. No navio os preços tendem a não ser competitivos com os das lojas de terra firme.

Fátima Calani

Muito obrigada pela informação... O grande problema é que chego 8h antes do navio sair.

Gabriel Dias
Gabriel DiasPermalinkResponder

Isso é bem arriscado, Fátima. Se o seu voo atrasar na saída do Brasil você pode até perder o navio. E perdendo não há o que fazer. Se não houver seguro seu investimento será totalmente perdido. É sempre bom chegar 1 ou 2 dias antes.

Fátima Calani

Após ler seu comentário, liguei na mesma hora para a agência e já estou adiantando 02 dias.

Muito obrigada por essa super dica, vc nos salvou!!

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia de férias. Só voltaremos a responder perguntas que forem postadas a partir de 3 de junho. Relatos e opinões continuarão sendo publicados.
Cancelar