O que é melhor: pacote, excursão ou conta própria?

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Empacotado ou desempacotado?

Minha posição pessoal, compartilhada por muitos freqüentadores assíduos deste site, é que viajar por conta própria é mais gostoso e recompensador. Mas até eu reconheço que há casos em que o pacote é uma boa alternativa (e que até a excursão pode ter o seu lugar). Vai depender do destino, das circunstâncias de viagem e da personalidade do viajante.

Pacote

Como funciona. Operadoras fazem acordos com companhias aéreas (às vezes, fretam vôos exclusivos) e bloqueiam apartamentos em hotéis e resorts, oferecendo um preço normalmente interessante.

Vantagens. Você não tem trabalho quase nenhum além de escolher um dos hotéis oferecidos. Um passeio de boas-vindas costuma estar incluído. Há possibilidade de parcelamento.

Desvantagens. A seleção de hotéis é limitada. A distribuição de hóspedes pelos hotéis na chegada e o recolhimento de todos na saída pode comer boa parte do primeiro e do último dia. Você é induzido a comprar os passeios "opcionais" com o receptivo da empresa. E muitas vezes não se informa o suficiente sobre o destino, por saber que a operadora cuida de tudo (e acaba deixando de fazer atividades mais bacanas). Vôos fretados podem ter horários esquisitos ou ser remarcados em cima da hora.

Onde/quando vale a pena. Os preços mais apetitosos aparecem nos pacotes que usam vôos fretados. Na ponta do lápis, pacote nunca é mau negócio em praças onde as operadoras brasileiras tenham força junto à rede hoteleira -- como Buenos Aires, Orlando, Cancún, capitais do Nordeste, resorts. Para feriados, Réveillon e Carnaval, os pacotes podem ser a única opção de quem não fez reservas a tempo, já que as operadoras têm bloqueios de assentos de aviões e quartos de hotéis para os atrasadinhos. Faz sentido também comprar pacote de ecoturismo, porque você já sai com os passeios organizados e garantidos (e com garantia de qualidade, quando a operadora é especializada).

Onde/quando não vale a pena. Para Europa e Nova York, os pacotes oferecem apenas a comodidade do tudo-em-um: você acaba pagando preços de mercado, por uma seleção pequena de hotéis. E quando você consegue comprar uma passagem de avião descontada, é fácil igualar ou bater os preços dos pacotes.

Recomendações. Mesmo se você for comprar pacote, não deixe de fazer as mesmas pesquisas que você faria para viajar por conta própria. Você estará em condições muito melhores de fazer suas escolhas e saberá que atividades fazer de maneira independente. Outra dica que vale quase sempre é não optar pelo hotel mais barato; normalmente é só um chamariz. Tente extrair do vendedor a informação "qual é o que não dá reclamação?".

Excursão

Como funciona. Você compra a hospedagem e toda a logística de deslocamento. Seu itinerário é meticulosamente pré-programado, com um ou outro momento livre. Todos os passeios principais estão incluídos (os ingressos, nem sempre), assim como algumas refeições. A passagem aérea ida e volta muitas vezes é paga à parte.

Vantagens. Novamente você não se preocupa com nada. Não precisa encontrar o endereço do hotel, nem vai dar de cara com uma atração fechada. Roteiros mirabolantes, impossíveis de fazer com suas próprias pernas, ficam magicamente factíveis.

Desvantagens. Os roteiros convencionais tentam entupir o seus dias na estrada com o maior número possível de cidades e países, resultando numa colcha de retalhos de city-tours, com mais tempo no ônibus do que em terra firme. É preciso conviver com um grupo fechado, em que é inevitável o aparecimento de personagens como o engraçadinho e o reclamão.

Onde/quando vale a pena. No meu caderninho, excursões só fazem sentido em países "difíceis" -- Egito, Índia, Irã, Rússia... -- ou quando são organizadas em torno de roteiros temáticos, com guias especializados e público homogêneo. Viagens gastronômicas, enófilas, arquiteturísticas, educativas (história da arte, antropologia), esportivas, viagens de bicicleta, travessias: quando você viaja com a sua turma, para ver/aprender coisas que seria mais difícil ou impossível sozinho, o esquema só tem vantagens. Finalmente, excursões também se justificam em caso de pânico de viajar sozinho ao exterior -- neste caso, qualquer país dá para enquadrar na categoria "difícil".

Onde/quando não vale a pena. Roteiros que cobrem muito chão em pouco tempo valem só para quem quer "ticar" pontos do mapa.

Recomendações. Jogue o roteiro no Google Maps e no Via Michelin para ver as distâncias percorridas a cada dia e a estimativa de horas em trânsito. E se possível, embarque com familiares ou amigos. Viajar em grupo é indolor quando você leva sua própria turma.

Por conta própria

Como funciona. Você monta o seu roteiro, pesquisa preços e faz todas as reservas, sozinho ou com ajuda de um agente de viagens.

Vantagens. Nunca foi tão fácil produzir uma viagem independente. Está tudo na internet: os vôos, os hotéis, os carros, as opiniões de outros viajantes. Você tem acesso às ofertas e pode se hospedar em hotéis que não são oferecidos pelos pacotões. E no processo de pesquisa, acaba aprendendo muito sobre o destino que vai visitar, o que proporciona uma viagem mais rica e satisfatória.

Desvantagens. Dá um trabalho danado, sobretudo nas primeiras vezes. Qualquer desatenção no preenchimento de datas pode resultar em multas ou gastos não-reembolsáveis.

Onde/quando vale a pena. Quem se diverte montando uma viagem por conta própria (e viu que consegue melhorar sua viagem desta maneira) dificilmente viaja de outro jeito.

Onde/quando não vale a pena. Os tais "destinos difíceis" (Egito, Rússia, Índia, China) impõem desafios extras aos desempacotados. Para lugares de ecoturismo, viajar por conta própria dá mais certo quando você vai com tempo de folga para se encaixar nos passeios ao chegar (nem todos ocorrem todos os dias, alguns precisam de quórum para se realizar).

Recomendações. Não se entusiasme demais com as possibilidades. Lembre-se de que não é humanamente possível realizar sozinho os roteiros mirabolantes das excursões. Cheque três vezes a data antes de dar o "enter" de qualquer compra pela internet. Para comprar passagens aéreas internacionais, use um agente de viagem -- ele tem acesso a ferramentas que não estão disponíveis ao consumidor final, e além de descobrir os dias mais em conta pode rentabilizar a sua tarifa em vôos de continuação. E se você se sente inseguro para fechar negócios na internet, faça sua pesquisa e entregue para o agente aparar arestas e fazer as reservas.

Leia mais:

181 comentários

Atenção: os comentários estão encerrados.

Yoyo Pizy
Yoyo PizyPermalink

Um post completo que não deixa a menor dúvida, na hora de escolher de que maneira desejamos viajar.
Estou com viagem marcada para a Europa e penso em "empacotar" somente passagens e hotéis.

André L.
André L.Permalink

Acho que a Europa é o destino mais fácil (depois dos EUA) para viajar sem empacotar hoteis, e aquele (novamente, depois dos EUA) em que é mais fácil descolar barbadas, barganhas e uma experiência de viagem muito melhor SEM pacote.

Maria Célia
Maria CéliaPermalink

Riq, vou fazer uma pergunta que eu acho que vai resultar numa boia vermelha... rsrs, mas vou me arriscar...

Como eu descubro um bom agente de viagens?

Pode parecer uma pergunta ridícula, mas no meu círculo de relacionamentos ninguém, absolutamente ninguém utiliza um agente de viagens (só o vendedor de pacotes da CVC).

Não sei se é do seu feitio indicar profissionais, mas se vc não quiser ou puder indicar um, me dá uma dica de como localizar e identificar se um profissional é competente e confiável?

Ricardo Freire
Ricardo FreirePermalink

A maioria dos agentes de viagem vive de viagens corporativas, não de lazer. O ideal é trabalhar com a agência de viagem que atenda a empresa onde você trabalha. Assim a sua viagem recebe o mesmo tratamento. Um cliente avulso, que dê muito trabalho e pouco retorno, não é um cliente interessante. As comissões estão minguando, é preciso ganhar escala.

Para obter atenção/dedicação de um agente, sempre é bom chegar indicado. Porque o nível de especulação é muito alto, e muita gente faz os agentes trabalharem à toa. Nessas horas os pacotes fechados ajudam o agente.

A descrição da Sylvia sobre o que esperar/como usar os agentes hoje em dia é perfeita.

Jacque
JacquePermalink

Olá Maria Célia,

Aproveito o seu comentário para Lhe apresentar a nossa agência de viagens, fundada há 14 anos, a BE HAPPY VIAGENS. Trabalhamos com consultoria e assessoria para viagens de lua de mel, viagens para casais e outras viagens...O nosso foco é o atendimento personalizado, no qual buscamos adequar o melhor produto, disponível no mercado, à necessidade e expectativa de cada viajante! Convido-a a conhecer o nosso trabalho através do site: www.behappyviagens.com.br. Não deixe de ler o link dos Depoimentos! Grande abraço. Jacqueline

Clara
ClaraPermalink

Ötimo post, Riq!

A pergunta da Maria Célia é super pertinente, junto-me à ela nessa questão, sendo que moro no Rio. Estou altamente insatisfeita com a minha agente, que nas minhas últimas viagens não conseguiu (ou não quis, sei lá) ter ofertas melhores do que eu consegui. Isso inclui duas viagens à Europa e uma, a próxima, que farei aos States. Nessas viagens, eu as planejei e fiz tudo sózinha( e modéstia à parte, com muita competência). Mas realmente sinto falta de ter um bom agente de viagens, ou isso é profissão em extinção?

André L.
André L.Permalink

Acho que o mercado está passando por uma mudança estrutural. Por décadas, agente de viagem era sinônimo de uma empresa, em geral familiar, ganhando gordas comissões para emitir bilhetes aéreos (9 a 13% de comissão era o "normal" até o fim da década de 1990). Sem Internet, sem descontos para venda direta, ficava fácil prestar atendimento e fornecer informações de forma prestativa a abrangente (os bons agentes) para atrair clientes, já que preços de hoteis e passagens em geral eram fixos.

Isso mudou, e o mercado está se transformando. Pagamento de comissão tende à extinção, ao menos para produtos clássicos e fáceis como passagens aéreas e reservas em hoteis de locais manjados. Com isso, o agente muitas vezes pouco - ou nada - ganha para descolar uma passagem interessante para você, ainda mais passagens complexas e cheias de idas-e-vindas. Nem sempre vc vai comprar com ele, é fácil pegar a rota que ele montou, simular e comprar online se for mais barato e por aí vai.

Acho que a relação precisa mudar entre cliente-agente, para uma em que ele seja remunerado por buscar informações e te apresentar a melhor opção. Friso: melhor opção PARA O CLIENTE (vc), não aquele que lhe renderá a maior comissão. Mais ou menos como advogados e médicos trabalham (os bons).

O "x" da questão é que poucos consumidores estão preparados para pagar o agente dessa outra forma, pelo que ele encontra para você, pelo serviço de assessoria em si.

Bruno Vilaça
Bruno VilaçaPermalink

Clara, sou agente e vou dar meu pitaco. Hoje muitos clientes querem competir com o agente, numa espécie de gincana ou maratona. A chave da questão é ter um agente-aliado. Não é raro que o cliente, pesquisando full-time na internet, acabe encontrando uma ou outra barbada que o agente não viu (ou não estava disponível) no momento em que ofereceu um orçamento, já que toda disponibilidade e dinâmica de preços é bastante variável na linha do tempo. Esse momento é a hora de trocar figurinhas com seu (bom) agente: provavelmente é aí que ele vai entender realmente sua necessidade e provavelmente conseguirá condições iguais ou ainda melhores.

Carol Garcia
Carol GarciaPermalink

Olá,
por aqui tbm sofremos e muito.
parece que hoje só existem agências e não agentes de viagem.
o que se tem são funcionários que só te passam links por e-mail e nunca tem informações precisas sobre passeios ou hospedagem.
desde que o riq "me ensinou" o termo desempacotar nunca mais viajamos por fretamentos ou pacotes.
uma beleza.
na última viagem só utilizei agência mesmo pra fechar as passagens aéreas, o resto foi tudo por nossa conta.
ótima pedida.
já estamos planejando a próxima e vamos desbravar mais um item do desempacote: alugar um apto ao invés de ficar num hotel.
bjocas a todos

Carolmay
CarolmayPermalink

Muito bom! Concordo com cada vírgula. Muita gente reclama no twitter quem segue operadoras e agências, mas muitas vezes a economia passagem/hotel é imbatível. Depois é só não fazer os passeios empacotados!

carrico
carricoPermalink

Riq, sempre viajei por conta própria, inclusive para o Egito, mas gostaria de incluir mais um país onde creio que a excursão ou, no mínimo um pacote, infelizmente seja inexorável: Israel. No ano passado fui a Israel e, por questões de segurança e locomoção (apesar da pequena extensão territorial), depois de algumas consultas, fui obrigado a contratar uma excursão. Houve perdas e ganhos, inclusive com relação a tempo de deslocamento e passagem para a fronteira com a Jordânia (que fiz via terrestre), mas pelo menos viajamos de forma segura.

Tweets that mention O que é melhor: pacote, excursão ou conta própria? -- Topsy.com

[...] This post was mentioned on Twitter by Carolina Rodrigues, Carolina Rodrigues. Carolina Rodrigues said: Li no Google Reader: O que é melhor: pacote, excursão ou conta própria? http://goo.gl/fb/NiFTS [...]

Sylvia
SylviaPermalink

O agente de viagens é indispensável para a emissão de bilhetes complicados,para obter tarifas não disponíveis na web e para os casos em que o pax não dispõe de tempo e/ou conhecimento para realizar reservas.

É importante lembrar que o agente-babá, o agente-psicoterapeuta está extinto : ele não vai fazer suas escolhas pessoais nem vai 'descobrir' uma hospedagem novinha, suuper bem localizada por 100 doletas;não vai dar a relação de ATM da cidade ;não vai te dizer se é melhor Maldivas ou Seicheles..

As primeiras escolhas de viagens são fácéis de fazer e empacotado ou excursionado pode ser uma ótima porta para descobrir qual é o perfil de cada um.

Bruno Vilaça
Bruno VilaçaPermalink

Sylvinha, você não tem idéia de como ainda existe o agente-terapeuta, o agente-advisor, o agente-babá, o agente-concierge! Aliás, me arrisco a dizer que esse é o futuro de nossa profissão: sai o agente e entra o consultor de viagens. Quem ficar só no beabá-tirador-de-passagem vai sumir do mercado em pouco tempo... Muitos agentes não entender que é preciso transformar a internet é uma aliada e o planejamento conjunto de viagens com o cliente é cada dia mais prazeroso e eficiente.

Gustavo -  Viajar e Pensar

Realmente alguns CityPack (voo + Hotel, em alguns Carro) possuem valores imbatíveis, porém com limitação nas opções. Fui a Paris e Punta Cana com esse tipo de serviço imbatível.
Uso o agente de Viagens como a Sylvia falou, existem tarifas aéreas somente disponíveis via agência.
Gosto sempre de estudar e pesquisar, quem não arrisca não petisca.

Ricardo Freire
Ricardo FreirePermalink

Discordo quanto à Europa. Os citypacks incluem hotéis a preços interessantes, mas com um bom garimpo na internet dá pra conseguir coisa mais interessante, mais bem-localizada e mais em conta.

Gustavo -  Viajar e Pensar

Alterando, quando fui os citypacks foram imbatíveis em custoXbenefício (mesmos hotéis e voos), não sei hoje, mas sempre faço a cotação de ambos.
A maioria de minhas viagens são Passagem na mão e reservas na NEt de hotéis, carro e etc, total desempacotado, excessão nestas duas vezes.
Já fui para os EUA sem Hotel reservado, pegando o guia de desconto e parando nas saídas das Interstates, para não ter que seguir datas e sim curtir os locais.

please ficou duplicado apaga um, Sorry!!!

yara cynthia
yara cynthiaPermalink

Concordo com pacotes para países difíceis. Em 2007 fui para a Turquia - que para mim parecia difícl, mas mostrou-se facinha - com um pacote. Foi bom. Mas principalmente porque a tarifa do bilhete do pacote me dava direito a um stop over e então fiquei 10 dias em Madri na volta. Em janeiro, estou pretendendo ir para a Tunísia - dificil? - e vou de pacote. De novo, stop over em Roma. Mais dez dias.

Gustavo -  Viajar e Pensar

Alterando, quando fui os citypacks foram imbatíveis em custoXbenefício (mesmos hotéis e voos), não sei hoje, mas sempre faço a cotação de ambos.
A maioria de minhas viagens são Passagem na mão e reservas na NEt de hotéis, carro e etc, total desempacotado, excessão nestas duas vezes.
Já fui para os EUA sem Hotel reservado, pegando o guia de desconto e parando nas saídas das Interstates, para não ter que seguir datas e sim curtir os locais.

Bruno Vilaça
Bruno VilaçaPermalink

Riq, perfeito o post! Adorei. É o que eu tento explicar todo dia. Vou 'mimeografar'! Beijos (saudade) a/de todos.

Arthur | Agora Vai
Arthur | Agora VaiPermalink

Há também outra alternativa: ir de pacote na primeira vez e depois ir por conta própria, quando já se conhece o lugar.

Juliana Amorim
Juliana AmorimPermalink

Clara, como vc eu tb moro no Rio e sofro do mesmo problema.
Como Riq sempre diz, a indicação de alguém com Cacife alto numa agência ajuda MUITO, só que eu vivi o desmoronamento do meu castelinho, quando eu comecei a perguntar se ela , minha agente, não conseguia a passagem ,mais baratinha da Air Berlin, a promoção da Turquish airlines, saindo de Madrid... Coisas básicas que nós viciados em viagens lemos por ai. A menina surtou e disse que se eu conseguia bons preços, comprasse sozinha. Realmente compro tudo sozinha, mas as vezes queria poder delegar esta função " busca da melhor passagem". Acho que os tempos mudaram, os agentes de viagem estão mudando e os que não mudaram ficaram chatos e sem paciência com consumidor que já sabe os nomes de cias aereas, nomes de alianças, rotas de voo.

Ricardo Freire
Ricardo FreirePermalink

Juliana, é preciso também saber o que pedir ao agente. Low-cost é algo que não se pede: o agente não é remunerado.

Mas o agente é insubstituível para rentabilizar tarifas saindo do Brasil -- que é o jeito mais seguro e confortável de viajar. Pode ser que ele não chegue no preço final do roteiro-gambiarra (às vezes chega!), mas a viagem fica menos estressada.

Alexandre Costa
Alexandre CostaPermalink

A minha primeira viagem por conta própria foi em 2007, com a ajuda do antigo site Freire´s. Fiz uma viagem pelo Nordeste, de João Pessoa a Maceió, com direito a alguns dias na Rota Ecológica. Foi uma experiência inesquecível, que não seria possível em um pacote. Desde então, só viajo assim. Já fui a Buenos Aires (alugando um apê por 10 dias), Sul da Bahia (que incluiu uma visita à Praia do Espelho, outra que não encontro em pacotes) e, neste ano, um tour pela Europa.

Posso dizer que dá mais trabalho, mas acho prazeroso planejar a viagem, estudar os destinos, encontrar lugares fora do circuito turístico tradicional, enfim, montar um roteiro com a minha cara! Todas as informações necessárias estão na internet, basta ter paciência para garimpá-las por aí. A compra das passagens de avião ou trem, reserva de hotéis, ingressos para museus, está tudo a um clique de distância.

Marcelo Galvão
Marcelo GalvãoPermalink

Riq, precisei de pacote em uma viagem ao Egito, pois há trechos em que o governo inviabiliza o deslocamento do turista caso ele não esteja inserido em um grupo, como é dito pelo Airton Ortiz em seu ótimo livro "Egito dos Faraós". Excluído este tipo de situação, em tempo de eleições, voto no PVCP - Partido do Viajante por Conta Própria. Em tempo, em pesquisa recente o meu agente conseguiu o melhor preço no aluguel de carro.

PêEsse
PêEssePermalink

Provavelmente minha opinião é influenciada pelo fato de eu ser um adepto e defensor de carteirinha das viagens independentes. Mas, considerando o cada vez mais crescente aumento do acesso do público médio à Internet para obter informações e preparar e executar sua própria viagem, na minha opinião a tendência é que o agente de viagens tal como hoje é concebido só sobrará para quem precisa parcelar em diversas vezes ou para quem, por um motivo ou por outro, não tem acesso à Internet ou a cartão de crédito. Fora disso, acredito que o caminho é mesmo a viagem cada vez mais independente.

Com exceção de passagens aéreas complicadas (e dois ou três stopover ou entrar por um lugar, fazer vôos internos e voltar por outro lugar não necessariamente torna a passagem complicada), dá para fazer tudo pela Internet. Eu tenho contatos em duas agências. Para hotéis eu nem as procuro mais, seja qual for o destino. Nunca conseguiram uma relação custo X benefício que batesse a Internet. No aéreo eu ainda mando o que consegui na pesquisa prévia pela Internet mas há bastante tempo elas não conseguem bater. No máximo, igualam, mas aí costumeiramente propõem vôos diferentes daqueles de minha preferência. Que fique bem claro: eu já mando o e-mail para os dois agentes que conheço avisando que só fecharei com eles se eles conseguirem preço melhor. Empate não basta. Acho até que isso os desestimula na pesquisa (o que, se for verdade, só demonstra a falta de competitividade das agências), mas pelo menos fico com a consciência tranqüila por não estar criando falsas expectativas em ninguém. A conversa “mas por agência você tem a segurança de ter alguém por trás, dando um suporte se algo der errado” não me seduz. Fico muito mais sossegado com um e-mail recebido de uma companhia aérea e/ou de um hotel (sei com quem falei, quando falei, posso entrar em contato novamente mais próximo da viagem reconfirmando tudo etc.) do que com um voucher de agência (que pode ser cancelado. E outra coisa: se houver algum problema, não acho que ligar para o meu agente no Brasil e esperar que ele resolva a coisa daqui seja a maneira mais rápida e dinâmica de solucionar um problema.

Faço tudo pela Internet. Nunca clonaram meu cartão e nunca houve um problema de maior relevância. Os poucos prejuízos que tive foram causados por mim mesmo (mudanças posteriores de planos ou reservas feitas incorretamente).

Sobre a nova função do agente de viagens, a de consultor, embora ache que seja um caminho, não acho que vá dá certo logo. O brasileiro não é acostumado a contratar o melhor profissional que seu dinheiro pode pagar. Se um advogado cobra R$ 300 por um divórcio ou para elaborar um contrato e outro cobra R$ 500 pelo mesmo serviço, o mais barato tende a ser o escolhido, ainda que o mais caro seja comprovadamente um melhor profissional e o cliente reconheça isso. As exceções que conheço são mais ligadas a empresas, não a pessoas físicas. Assim, o que o candidato a viajante puder fazer sozinho, ainda que fazendo uma besteira aqui e ali, ele vai tentar, até para não gastar com o consultor. Por isso que acho vai demorar a emplacar.

Gabriel Dias
Gabriel DiasPermalink

Concordo totalmente. Todas as minhas viagens são por conta própria. Com agências também já desisti, pois os preços nunca são bons e ainda cobram taxas adicionais que na Internet não cobram. Mas é preciso tempo e paciência para pesquisar na Internet. Muitas pessoas não têm e acabam preferindo a comodidade. Uma pena, pois é tão bom começar a viagem antes dela realmente acontecer.

PêEsse
PêEssePermalink

Mesmo correndo o risco de levar uma BV, pergunto: por que Egito, China e Índia foram considerados “destinos difíceis”? Que dificuldades mais particulares um viajante independente passaria nesses lugares? Não estou discordando, não, apenas querendo saber, por puro desconhecimento mesmo.

Gabriel Dias
Gabriel DiasPermalink

Egito é complicado. Fiz uma viagem pela Royal Caribbean e passamos dois dias lá. No ônibus que nos levou para o Cairo havia um segurança armado (e em todos os outros também). Fomos orientados sobre questões de segurança antes da chegada e durante. Há muito pobreza. A guia avisou que nos pontos turísticos os locais tentariam de todas as maneiras ganham algum dinheiro. O trânsito é louco e não há sinais. Acho que 90% dos carros são batidos.

Lucia Malla
Lucia MallaPermalink

PêEsse, eu não acho China complicado, pelo menos não nas cidades maiores. Mas entendo a colocação do Riq, pq são destinos q as pessoas em média terão mais dificuldades logísticas para se organizar q o "normal". A probabilidade de dar zica se organizando sozinho pra um lugar desses é maior.

Ricardo Freire
Ricardo FreirePermalink

O problema da Índia é uma burocracia doida e a dificuldade de fazer qualquer coisa (incluindo se livrar de todos os que te oferecem coisas). Você fica o tempo todo com inveja daqueles casais que têm um guia privativo.

No Egito eles maltratam muito a gente. Enrolam, complicam. Sabem que a gente não vai voltar mesmo -- e se aproveitam. Um grupo te protege dessas coisas.

Na China o problema é que parece que quanto mais para o interior vai, menos consegue fazer coisas por conta própria. Mas preciso estudar melhor.

Sylvia
SylviaPermalink

PêEsse já falamos um pouco sb isso , (e sabes minha posição):

*Achei tranquilissimo ir pra Pequim desempacotada, e acredito que seja facinho Xangai , Xian, Guilin.. os destinos turisticos mais procurados ( ser brasileiro ajuda um monte )

* India , é o que o Riq falou .Alugar um carro resolve 90% das coisas, pois o motorista vem junto e serve de escudo.

*Egito : desempacotado vai precisar no minimo do dobro do tempo ; o país não é amigável com turistas independentes.

Mas vejam bem, não é preciso sair empacotado do país de origem.
Empacotar ao chegar é muito mais intessante wink

Cristina
CristinaPermalink

PêEsse, eu fui sozinha para o Egito e o que ouvi de história de mulher sequestrada....até de casal em lua de mel! Só depois de 12 dias tive coragem de andar a pé sozinha na melhor região do Cairo e de dia, com bastante movimento...fui de excursão e o guia foi um bonus para a segurança que senti lá.

PêEsse
PêEssePermalink

Puxa, uma pena essa dependência de guias ou de grupos. Mas é muito bom ser avisado disso antes, para tentar procurar um bom guia ou um bom grupo. Para mim, um dos principais problemas em ter de contratar um guia ou aderir a um grupo é que o viajante só vai até onde a maioria vai ou até onde seu guia quer que você vá. O espaço para procura por algo mais lado B (aquilo menos conhecido mas que é ótimo que você descobre e depois conta aqui para só o pessoal do VnV ficar sabendo) fica bem restrito. Mas, paciência, não se pode vencer sempre.

Como disse a Sylvia, já que o empacotamento é inevitável, melhor que seja só no destino. Além de ser um turismo mais sustentável (concentra os recursos na mão-de-obra local), ainda dá para sentir as reais necessidades e restringir o empacotamento apenas àquilo em que ele for realmente imprescindível. Saindo empacotado já desde o Brasil as chances de empacotar mais do que o necessário aumentam.

Cristina
CristinaPermalink

PêEsse, entendo perfeitamente - adoro ser levada pelos locais a lugares como uma loja de suco naturais na praia em Alexandria que o guia que era de lá me garantiu que era o único onde eu poderia tomar um suco decente no Egito. A minha excursão era bem chinfrim - para jovens do mundo todo com pouco dinheiro - mas o guia era um egiptólogo que eu gostei tanto que contratei para mais 1 dia em Alexandria. Pacote desde o Brasil concordo, deve ser programa 5 tacapes!

Nico
NicoPermalink

Apenas uma perguntinha: alguém tem conseguido usar o via michelin em português nestes últimos dias? Não estou conseguindo colocar os paises na parte de itinerários. Será que é só no meu pc que tá dando problema?

Ricardo Freire
Ricardo FreirePermalink

No meu não tão entrando os países não. Nem no Firefox nem no Explorer. sad

Nico
NicoPermalink

É isso mesmo Ricardo. Tb já tentei pelo Firefox e no Explorer. Torcer pra que seja apenas uma manutenção no site.

Carla
CarlaPermalink

Eu sou adepta de viajar por conta própria, mas para a maioria das passagens aéreas internacionais, sempre recorri a um agente (bom, tenho uma amiga de infãncia que é agente, o que facilita as coisas...) E no caso de certas viagens, acho mesmo que é impossível se virar por conta própria - como na RTW, por exemplo... (Simulamos pelo site da Star Alliance, mas não só não dava certo, como a minha amiga/agente emitiu o bilhete por R$ 1000 a menos do que tínhamos cotado online!)

Ana Tereza Merger
Ana Tereza MergerPermalink

Oi Ricardo, passei para lhe informar que o "Persa Brasileiro na Provence" mudou de visual e de endereço: www.naprovence.com. Fico aguardando a sua visita. Beijos!

Lucas B.
Lucas B.Permalink

Olha, não sei se e questao de confianca, mas eu gosto de desempacotar tudo, gosto de fazer tudo certinho, marcar tudo, me divirto e acabo fazendo so o que eu quero, e acordando na hora que eu quero, talvez as vezes fique mais caro, mas vale à pena pra mim grin Mas isso só é possivel porque eu sou o cumulo da chatisse checando data e horario, checo umas 10 vezes sério... No máximo eu pego um city tour, gosto mesmo de conhecer as coisas sem ninguem pra me falar nada eek

Ernesto, o pato
Ernesto, o patoPermalink

Alguns agentes tem contatos nas Cias aereas, que as vezes, em voos internacionais garantem preços melhores do que na Net, e as passagens de multiplos destinos ainda são dificeis de emitir.

Eu faço como o Pesse, e mando para o agente o que consegui. As vezes ele tem algo melhor. Em geral, tenho comprado a parte internacional terrestre na Internet,e a passagem no agente.

Para os trechos nacionais, sempre pela internet.

Se alguem quiser o telefone, é 11.3231.4422 (william)

O maior problema do agene, é num pais de tantos impostos, competir com as tarfias net de agentes internacionais, como o vacationstogo, ou mesmo do patrocinador deste site o hoteis, que tem volume e custos menores, pelo fato de parte das instalações serem feitas fora do Brasil.

Particularemente, eu acredito que o agente vai sobreviver trabalhando para empresas e eventos, e no caso das pessoas fisicas, apenas os CVC de Shoppings, para coisas bem padrões, OU aqueles que tenham uma expertise em algum ramo (cruzeiros, viagens a Africa, Russia,etc..) que os leve a dar uma boa consultoria e ter preços competitivos.

A silvia do Matrqueando, parece estar criando um caminho próprio, de sem ser uma agente, criar um guia personalizado, e com atrações e hoteis pensados nos gostos de cada um . Nunca usei, mas a proposta parece interessante.

Mas, todas as profissões mudaram. Do que eu fazia como advogado, há 25 anos atrás, mais da metade se faz hoje pela internet. Meus principais clientes, na época eram outros advogados, e eu acompanhava os processos deles em SP. Hoje isto é feito via NET, e o acompanhamento pessoal é reservado apenas para casos mais importantes. Também tive que mudar meu foco de atuação profissional.

Georgia
GeorgiaPermalink

Comecei a viajar com pacote e estou aprendendo aqui no VNV a viajar desempacotada (obrigada Riq e todos os trips) mas estou sentindo mesmo falta daquele agente de viagem para me ajudar com a passagem intercontinental com vários trechos. Desempacotar fica um pouco mais caro, e muuuuito melhor.

Wanessa
WanessaPermalink

Como a maioria do povo daqui, também costumo organizar minhas viagens por conta própria, mas, pelo menos quando se trata de Europa (destino mais distante que já fui), emito as passagens com agente de viagem. Nem sempre é financeiramente vantajoso incluir trechos internos na passagem intercontinental, mas até pra tentar, o agente é necessário.
E pode ser muito útil: na minha última viagem, que precisei interromper 10 dias antes do planejado, só tive de ligar pro meu agente e ele fez todas as alterações pra mim. Até pagou a diferença de preço pela mudança e eu só precisei pagar na agência depois de voltar ao Brasil. Contar com essa ajuda não tem preço!

Marcelo Galvão
Marcelo GalvãoPermalink

PêEsse, além do que já foi dito pelo Gabriel Dias e o próprio Riq, no Egito, em 2008, em um determinado trecho da viagem, se não me engano, a Abu Simbel, o deslocamento do nosso grupo foi feito bem cedo, dentro de um horário estipulado pelas autoridades locais, pois depois o trânsito não era mais permitido. E tão só para grupos. Turista sem guia não podia passar.

Sabrina
SabrinaPermalink

Achei muito legal este post, e assim como muitos sinto falta da figura do agente. Por mais informação que temos através da internet e facilidades para compra de passagens e reserva de hotéis, quem tem uma vida atribulada pode acabar não tendo tempo pra uma boa pesquisa. Eu por exemplo mooro de medo do que o Riq disse no post, clicar em alguma coisa errada...rs. Percebi aqui também, que a galera do Rio como eu, estamos "orfãos" desta figura...rs.

Walter F Leite
Walter F LeitePermalink

Ricardo, acordar as sete da manhã e entrar num ônibus para mais um dia visitando pontos e com dez minutos para tirar fotos, tô fora, nunca mais, a última foi a dez anos.
Certinho mesmo eu gosto de fazer a hospedagem, até para passar nas alfandegas e provar para onde estou indo ou ficar.

Milena
MilenaPermalink

Vou para Punta Cana no Ano que vem, fiz varias pesquisas nas agencias de viagens e os pacotes estão me saindo mais caro do que eu montar minha propria viagem.

A pergunata é : Uma pessoas que vai para Punta Cana consegue se virar sozinha ?

Alguem dos trips já foi para Punta Cana montando sua propria viagem ? Alguem poderia me mandar algum relato pra me ajudar?

oBRIGADA !!!

Ricardo Freire
Ricardo FreirePermalink

Fui a Punta Cana totalmente por conta própria, reservando hotéis no http://www.hoteis.com e andando de táxi (é tabelado).

Leia os posts em https://www.viajenaviagem.com/americas/caribe-a-z/punta-cana-ricardo-freire

Clarissa M. Comim
Clarissa M. ComimPermalink

Eu prefiro programar minhas viagems. O bom é justamente isso: programar! Ler sobre os locais que vc quer visitar, programar o dia na cidade, escolher os hotéis e o tipo de locomoção. É como se fossem duas viagens wink

Alex Melo
Alex MeloPermalink

Sou adepto de programar eu mesmo praticamente tudo. Mesmo passagem aérea, acabo quase sempre comprando diretamente.
Mas.... já teve alguns feriados em que simplesmente estava com preguiça e fechei pacote de excursão com a CVC.

Sim, tem problemas e pode ficar meio quadradinho, mas ainda assim quase sempre valeu a pena. Ou seja: acho que ainda vai ter espaço prá todo mundo.
Fora gente como meus pais, que sempre gostaram de viajar, mas não de pesquisar tanto. Resultado: acho que nunca foram para o Nordeste se não fosse de pacote, parcelando o máximo possível de vezes. E adoram fazer deste jeito wink

Rakane Messalla
Rakane MessallaPermalink

Eu tbm prefiro programar as minhas viagens,depois que fui para Gramado empacotada percebi que consigo fazer minha propria progarmação pesquisando e trocando ideias com outras pessoas!!

lene
lenePermalink

fui pra europa nesses pacotes de excursão (porque viajei sozinha, o tal medo..) e é bem isto: muito mais ônibus que terra firme. até o trajeto paris/londres é de ônibus (um dia inteiro perdido!) em vez das 3h de eurostar. cansativo e pouco aproveitável. no nordeste acho que as promoções "segundo aéreo grátis" facilitam bastante, e também já peguei o hotel pela agência e aéreo com pontos fidelidade, ficou em conta.

Márcio Cabral de Moura

Normalmente eu compro as passagens internacionais via agente, não que seja mais barata (mas também não é mais cara), mas pelo menos ajudo uma empresa local, com a comissão. Ainda que a TAP tenha me dado problemas, mudando o vôo e dizendo que a culpa foi de minha agente, que não me avisou - só que eu sei, mas fica difícil provar ao contrario, que não foi.

Hotéis, eu sempre reservo por conta própria, pois os que as agências dispõem não são os melhores. Melhor dizendo, são bons demais, ou seja, caros demais, e normalmente sempre hotéis muito grandes. O hotel, eu realmente prefiro pesquisar qual eu quero, qual o melhor lugar etc. (Na minha próxima viagem estou pensando em experimentar o hoteis.com, mas até então eu sempre fiz a reserva diretamente com o hotel - exceto numa vez para o Rio, que aparecia vaga no Submarino Viagens, mas não no site do próprio hotel. Liguei para o hotel e disseram que era possível que o Submarino Viagens estivesse com o quarto bloqueado. Comprei via Submarino Viagens e deu tudo certo).

Agora, para alguns lugares (Venezuela e Ilha de Páscoa) o uso de agência (de lá) foi mandatório.

No caso da Venezuela é porque a compra via cartão sai muito mais caro do que pagando em dólares, então, só com uma agência (e ainda teve toda a confusão logística de fazer um depósito em dólares nos EUA).

No caso da Ilha de Páscoa, é porque a LAN Chile tem preços só disponíveis para cartão de crédito chileno (cerca de metade do preço do cartão de crédito internacional). Aí, só com uma agência chilena, para resolver essa questão.

Ah, também já usei pacote uma vez para ir para Noronha. Na segunda vez já fui sem pacote. A vantagem de ir sem pacote foi que eu pude escolher com qual empresa fazer os passeios que eu queria (em particular o de barco em torno da ilha).

No mais, parabéns, Riq, pelo post, acho que isso mesmo que você disse.

Anelise
AnelisePermalink

Também prefiro a viagem desempacotada, sem sombra de dúvidas. O que mais me irrita nos pacotes é toda aquela espera nos ônibus que passam de hotel em hotel para pegar hóspedes para um passeio.
Mas comecei a desempacotar por necessidade, após experiências frustradas com agentes que só me ofereciam as viagens padrão CVC e nem se importavam em pesquisar um hotel ou companhia aérea diferente que eu sugerisse. Aqui em Porto Alegre somos muito mal servidos de agências de viagem; eu, pelo menos, já fui em várias (com indicação, sem indicação, famosas, desconhecidas...) e nunca tive sorte.
Mês passado fui aos EUA 100% por conta própria, visitamos 5 cidades e foi a melhor viagem de todas, sem nenhuma intercorrência.

Rakane Messalla
Rakane MessallaPermalink

Esse ano não ia Viajar, pois estou fazendo a programação da viagem para Punta Cana 2011, mas como todos os viajólogos (as) eu comecei a fazer uma pesquisa sobre Natal, uma possibilidade seria comprar o Pacote pela CVC, mas meu Marido e eu só tiramos férias me Dezembro, altíssima Temporada em Natal então nada feito o Valor do Pacote sairia pra lá de 5 mil.

Mas não satisfeita, fiz muitas pesquisas e vi que eu conseguia montar minha viagem por si própria, ganhando mais tempo e pagando um valor bem menor.

Já fiz a reserva da Hospedagem, já comprei as passagens aéreas por um preço acessível e aluguei um carro, concerteza tudo isso por menos de 5 mil!!

Em nossas viagens sempre contratamos Transfer, mas dessa vez resolvemos fazer diferente e ter uma experiência nova ...

Quando chegar vou ter o prazer de contar a todos com está a cidade do Sol !!!

Marcelo
MarceloPermalink

Eu acho que para viagens de ecoturismo o pacote é perfeito!
Há boas empresas do ramo no Brasil e tive excelentes experiências em viagens à Chapada Diamantina, Boipeba e Península de Maraú. E já estou planejando um pacote ecoturístico para Noronha. Quero fazer muitos passeios, com bons guias e a única preocupação de me divertir. Cada um tem seu perfil, eu me estresso com planejamentos. Mas quando é só prá relaxar, sempre viajo desempacotado.

LILIAN AZEVEDO DE MORAES

Esse ano fiz uma viagem para os E.U.A e reservei via internet os hoteis,transfers e aluguel de carro.O preço do aéreo que a agente de viagens conseguiu foi imbatível 1260 dólares( RJ/SP/N.Y) (N.Y./LAS VEGAS)(L.V/MIA/RJ).Como sou novata nessa modalidade"desempacotada" ainda fico com medo.Procuro sempre ver se tem blog de algum brasileiro que more na cidade-destino,leio tudo,pergunto.Depois que a gente começa acha quase um abuso pagar tão caro pela "mesma viagem".Uma coisa que reparei´é que vicia ler blogs todos os dias.Meus filhos falam "mãe você vai viajar pra onde?" pra que está lendo isso?.Parece que os blogueiros se tornam amigos,eles nem sabem que são nossos amigos,mas a gente se considera.Lendo os comentarios aprendo muita coisa,vejo muita dica boa e passo a conhecer outros blogs,além dos comentaristas mais frequentes.Forma-se uma rede solidária.É muito bom !

CarlaZ
CarlaZPermalink

Sempre fiz viagens por conta propria...mas tentei usar agente pra me ajudar numa viagem ano passado. Ela so achou passagens piores que eu tinha achado! E aonde eu queria ajuda ela falou que nao conseguiria (e depois eu vi que era facil...pra ela)
Tenho uma amiga que é agente...mas ela também nao me ajuda nunca!!! Ela sabe que gosto de planejar viagens...entao eu sou o cliente que ela odeia...porque da muito pitaco. Volta e meia eu tento alguma coisa...mas ela tem muita má vontade com isso.
Apesar de gostar de montar, eu compraria facil pacotes passagens + hotel e como amo viajar seria uma boa cliente pra ela...realmente nao consigo entender!

Cristina
CristinaPermalink

CarlaZ
viagem por conta própria é sempre mais legal, sobretudo para viajantes com nosso perfil, mas já fui dos outros 2:
excursão - Egito - pq é perigoso ir sozinha ou até em casal. Grécia eu me arrependi de ter feito de excursão, até pq usava-a só para translados e hotel lá para o 2o dia do tour...Nordeste eu penso que ter ido 1 vez com minha familia me deu tarimba para as demais vezes sozinha.
pacote - Punta (Uruguai) - pq era reveillon e eu jamais conseguiria no mês anterior passagem e hotel por aquele preço.

Mac
MacPermalink

Povo já deve estar careca de saber, mas segue um site com dicas para fazer sua mala:

http://www.efetividade.net/2010/09/13/roupa-para-10-dias-em-uma-maleta-aprenda-com-a-profissional/

[ ]s

Rogéria
RogériaPermalink

Eu faço parte do Independentes F.C. A-do-ro planejar cada etapa da viagem. Depois que descobri as ferramentas certas para minhas buscas, a organização da viagem (minha e de amigos que me pedem) virou diversão. No entanto, as passagens internacionais sempre compro com a minha agente milagreira, que consegue tarifas excelentes.
Mas confesso que em viagem nacionais, como para o Nordeste, por exemplo, os valores do pacotes são imbatíveis. Basta escolher um bom hotel. Mas chegando ao destino eu alugo um carro e nunca caio no papo dos passeios à parte. Faço meu roteiro e monto minha viagem sob medida para o meu gosto.

Malu
MaluPermalink

As passagens aéreas eu só compro com agente. Pesquiso muito antes e monto o meu roteiro com horários de voos e companhia aérea. Ligo para o super Rubens e ele faz as reservas. Não é pela menor tarifa e sim pelo conforto de ter alguém a recorrer em caso de mudanças de última hora pois ele fica ligado na sua viagem.
Já aconteceu de ligar de Madri para ele antecipar uma conexão para não chegar muito em cima da hora com outro voo. Ele providenciou tudo e nos mandou um fax para o hotel com tudo resolvido.Ele ficou resolvendo e nós ficamos passeando (sem nenhum custo extra).
Agora, na minha próxima viagem em outubro, resolvi ficar mais dois dias, liguei para a companhia aérea, via Skype, procurei os dias e horários com a mesma tarifa que eu já havia pago e ele providenciou toda a parte burocrática.
Trens, trechos em low cost e hotéis eu faço sozinha, pela internet e adoro. Já estou com a passagem pelo Eurostar em mãos e já fiz o check in na EasyJet, com o cartão de embarque impresso.
Adoro viajar desempacotada e fico entrando nos sites dos hotéis e no Tripadvisor (Hoteis.com,Booking.com,Venere) até conseguir a tarifa que eu quero para o hotel escolhido.
Curto muito montar minhas viagens pois, na maioria das vezes, vou sozinha. É um prazer ter um roteiro elaborado por mim.Com todas as informações que temos aqui no ViajenaViagem, fica muito fácil e prazeiroso.

Malu
MaluPermalink

Lilian, no post que o Riq fez sobre low-cost https://www.viajenaviagem.com/2009/07/cias-low-cost-na-europa-modo-de-usar/ eu pesquisei quais companhias voavam para o destino que eu queria, no caso, de Toulouse para Londres.Era a EasyJet e tem a opção de idioma em português. Me inscrevi no site, coloquei todos os meus dados da viagem (data e local de partida e para onde)e fiz as reservas. Imprimi tudo. Comprei no próprio site e imprimi novamente.Inclui e paguei pela bagagem despachada.Faltando 30 dias para a viagem fiz o check in on line e recebi o cartão de embarque com a ressalva que eu deveria me dirigir ao balcão da companhia só para entregar a bagagem a ser despachada e em seguida ir para o portão de embarque. Achei tudo muito simples e fácil.Na volta conto aqui se tudo deu certo toc toc toc mrgreen
Deveria ter incluido esse trecho antes mas resolvi ir para Londres depois da passagem comprada.
Comprar a passagem Londres/Paris pelo Eurostar foi mais fácil ainda e já entregaram em casa, pelo correio.Os preços também foram super bons pois pesquisei e comprei com muita antecedência.

Letícia R.
Letícia R.Permalink

Minha primeira viagem à Europa foi desempacotada; deu supercerto!

Já fui pro nordeste e pra Buenos Aires de pacote, por causa dos preços. Escapei dos programas chatíssimos em conjunto e curti os lugares por minha conta, mas não escapei das chatices de que você falou, Ricardo, com chegadas e saídas - irritante!

Recentemente, descobri uma agente de viagens maravilhosa aqui em BH! Cheguei por indicação, ela atende a muita gente que conheço. Ela é descolada e viaja muito. Temos uma parceria bacana, de troca. Ano passado, fiz um mês entre Itália e Grécia com a preciosa ajuda dela no início e no fim, incluindo cruzeiro. No meio, fiquei solta, à vontade, alugando carro, encontrando hotel... foi perfeito!

Neste ano, fui a Israel. Só encarei em excursão, acho que é um país "difícil". Mas fui com meu marido e estávamos entre conhecidos que tinham o mesmo objetivo, então voltamos felizes da vida. E ainda rolou um upgrade: alguns dos conhecidos tornaram-se amigos!

Se alguém quiser o contato da minha super agente de viagens em BH, é só falar.

Andre L.
Andre L.Permalink

Brevíssimo comentário: se a viagem a Israel for restrita a Israel apenas (sem incursões na Jordânia, Egito ou viagens do estilo quero-ser-correspondente-de-guerra), é super tranquilo. O país tem níveis europeus de serviços públicos, segurança (com terrorismo e tudo o mais, o nível de mortes violentas lá é menor que nos EUA relativamente à população), facilidade de se virar em inglês, em dirigir carro etc.

Os territórios palestinos são fortemente cercados e isolados, e, claro, turista nenhum com miolos vai querer entrar lá. Vc não entraria sozinha a toa em uma favela brasileira, não faria isso no território dos inimigos de Israel.

No mais, o país é ótimo, moderno, avançado.

helo
heloPermalink

OI Andre, viajei para a Jordania em novembro de 2009 com meu marido e um amigo e achei tranquilo. A fama da cordialidade do povo jordaniano se confirmou para nós. Contratei transfers e passeios com os hoteis bem recomendados nos quais nos hospedamos. Eu e o Breno viajamos tambem independentes para Egito em maio. Deu tudo certo, mas tomamos o cuidado de contratar transfer e passeios entre as cidades com agencias/hoteis bem conceituados.

Adriana Pessoa
Adriana PessoaPermalink

Eu prefiro eu mesma montar nossas viagens. Aqui em casa, eu faço tudo: coto as passagens e hoteis, aluguel de carro...desde quando alugamos uma casa na Toscana, preferimos alugar apartamento. No nosso caso, um casal e um filho de 12 anos, vale muito a pena. Em julho alugamos um apê muito charmoso e ultra confortável no Bairro Alto, em Lisboa por 70 euros dia. Em um hotel, jamais consiguiríamos este preço. Além do mais, preparar uma viagem é bom demais da conta!!

LILIAN AZEVEDO DE MORAES

Adriana,para alugar casa ou apartamento você consulta algum site ou blog específico ? Você se comunica em inglês nos emails ?

LILIAN AZEVEDO DE MORAES

Malu, lendo o seu comentário fiquei com agua na boca ,querendo saber fazer isso tambem.Como se faz essa pesquisa e reserva low cost? Quero muito aprender a fazer certas coisas para viajar mais vezes,pois se economizamos/cortamos certos custos ao montarmos nossas próprias viagens , outras se tornam possiveis.Estava tentando ver passagens para Praga pela TAM e percebi que só chegaria ao meu destino quase 30 horas depois pois tinha escala demorada em Paris.Depois vi que se comprasse passagem para Paris,lá poderia ver voo para Praga por um preço barato e levaria apenas 1h e meia de viagem ,mas eu não sabia fazer esse processo todo sozinha pela internet ainda sem saber bem inglês.Outra coisa que tb não sei fazer é ficar alguns dias na cidade da escala para só depois prosseguir viagem.Não sei se o Ricardo já abordou esse tema.Caso já o tenha feito peço desculpas e se puderem me indiquem como chego lá.

Ana Carolina
Ana CarolinaPermalink

Lilian
as dicas para montar por conta as viagens estão espalhadas pelo blog. Eu já viajei empacotada, mas com o tempo fui seguindo as dicas que o Riq e os comentaristas dão e elegi o viajar 'por conta' como meu estilo, já que considero os preparativos e pesquisa prévia parte da própria viagem. Exemplo disso é que mês passado estive no Deserto do Atacama e passei uma semana ótima, por menos da metade do preço que me custaria se eu tivesse apelado para uma agência. Dá um certo trabalho, mas eu me divirto muito!

De qualquer maneira, para passagens aéras o Riq costuma aconselhar fechar a compra com agentes de viagens. Ele explica as 'n' razões por aí, mas no seu caso, sem facilidade com inglês, acho que comprar por agente pode ser a melhor solução, inclusive para discutir essas possibilidades de escalas, paradas, etc.

Uma ferramenta muito útil que eu adoro em pesquisas, reservas e compras é o tradutor do google. Vá no site do google, clique em mais e em tradutor. Tem diversas línguas ali e é super prático para usar. Eu me comunico razoavelmente em inglês, mas consulto muito o tradutor para não cair em ciladas da língua. Espanhol, embora eu entenda quando leio e escuto (e consiga me expressar falando e gesticulando), só consigo escrever com a ajuda do tradutor. Nesse caso eu sempre termino os e-mails pedindo desculpas por não conhecer direito a língua e já informo que utilizei a ferramenta (tradutor do google) para me auxiliar.

Georgia
GeorgiaPermalink

Lilian, gosto muito do site attitudetravel para pesquisar low cost. Ele separa por Países ou regiões e lista quais companhias servem aquelas áreas específicas. Por exemplo: vc já sabe que estará em Paris. O site mostra que companhia liga Paris com n cidades. Daí é só escolher! Outro site bom para low cost é o flylowcostairlines e o skyscanner que o pessoal já falou.
Falando nesse assunto, tenho uma dúvida mega básica: posso comprar pelo skyscanner? Se eu simular aquela passagem complicada, multi-city, com mais de uma companhia... consigo comprar?

Andre L.
Andre L.Permalink

O Kayak melhorou bastante a cobertura de empresas aéreas low-cost. Aqui na Europa, até vôo de Ryanair já aparece em algumas rotas. A Ryanair mudou a política de permitir que sites terceiros coletem e informem os preços dos seus bilhetes. Easyjet tem cobertura total do Kayak, assim como outras cias. low cost.

Seja como for, a combinação Skyscanner.net e Kayak costuma cobrir todas as cias. aéreas operando em determinado trecho.

Sites brasileiros têm algo que me irrita profundamente: presos na década de 1980, insistem em não informar taxas de embarque, combustível e segurança na consulta inicial. Os sites internacionais só deixam de fora tarifas realmente opcionais como bagagem, assento premium, embarque antecipado etc.

Ricardo Freire
Ricardo FreirePermalink

É como a Ana Carolina disse: passagem complicada, com permanência na escala, um agente compra melhor.

Sobre low-costs:
https://www.viajenaviagem.com/2009/07/cias-low-cost-na-europa-modo-de-usar/

Sobre aluguel de apartamentos:
https://www.viajenaviagem.com/2009/03/como-alugar-apartamentos-de-temporada-no-exterior-parte-1/

Em países cujas línguas não sejam português ou espanhol você vai ter que trocar emails em inglês. Mas não precisa responder na hora, sempre dá pra chamar alguém para ajudar.

Malu
MaluPermalink

Ops, o comentário saiu lá em cima. Sorry!

LILIAN AZEVEDO DE MORAES

Obrigada Ana Carolina e Georgia já anotei as orientações.
Eu já organizei sozinha viagem à Paris e duas aos E.U.A. MAS SÓ FAÇO O BÁSICO ,isto é,hotéis,aluguel de carro,transfers e ,passeios.Tudo que planejei foi com super ajuda desse blog e de outros aqui citados,leio tudo,faço anotações e às vezes ainda compro umas revistas Viagem e Turismo,Próxima Viagem....mas ainda sou novata nessa empreitada desempacotada.

Ana Carolina
Ana CarolinaPermalink

Nossa, Lilian! reservar hotéis, transfers, passeios e alugar carro no exterior está bem longe de básico na minha humilde opinião. E acho que organizar três viagens internacionais, uma a Paris e duas aos USA já te tirou o título de novata wink

Érica França
Érica FrançaPermalink

Algumas pessoas comentaram aqui, inclusive o comandante Riq, da importância de um agente na emissão de uma passagem aérea internacional, com destinos múltiplos. Pesquisei São Paulo-Roma-Atenas pela Internet e consegui bons preços. Não é seguro?

Ricardo Freire
Ricardo FreirePermalink

Seguro é. Mas normalmente os agentes têm acesso a ferramentas de reserva que rentabilizam melhor as tarifas, sobretudo quando você acrescenta mais de uma escala.

Andre L.
Andre L.Permalink

É seguro sim. Já viajei várias vezes com passagens internacionais emitidas sozinho, sem ajuda de ninguém, no site das cias.

Luisa
LuisaPermalink

Vou ser sincera, nao è que eu adore organizar viagens... Eu bem que preferia ter alguem que fizesse todo o trabalho de reservas e logisticas por mim, mas descobri que, se eu quiser um trabalho bem feito, devo fazer eu mesma! Entao aprendi a gostar, por pura falta de opçao.

Nao tem nada que me irrite mais do que "jogo de empurra" nas agencias. Vc contrata uma viagem para Tres Pontinhos com a sua agencia. A sua agencia vai contratar com a agencia local de Tres Pontinhos que, por sua vez, vai contratar com o fornecedor final dos serviços. È sò dar um problema na viagem que a culpa è sempre do outro que nao viu, que nao avisou, que nao remarcou, que nao confirmou...

Jà passei por essa situaçao duas vezes e decidi que quanto menos intermediarios envolvidos, melhor! Prefiro pagar mais caro, mas compro tudo diretamente: seja hospedagem, passagens aereas, aluguel de carro e qq outra coisa que eu venha precisar.

E vi outra vantagem de organizar tudo por conta propria em èpocas de crise: diversidade de fornecedores. Se algum deles falir, fica facil consertar o estrago, pois o resto da viagem està garantido. Uns 10 dias antes do inicio das ferias de agosto, uma grande e renomada agencia da Italia faliu e deixou em casa varios turistas que haviam comprado seus pacotes... È exceçao, mas acontece...

helo
heloPermalink

OI Luisa, tenho a mesma opinião. Mesmo quando compro um pacote, prefiro contratar diretamente com a operadora. Infelizmente, nos últimos anos, não estava tendo sorte com agentes de empresa de turismo. Pedia para cotar um determinado roteiro/hoteis e demorava um tempão para vir a resposta (não maioria das vezes, não era nem do jeito que eu queria). Atualmente, tenho uma boa agente para comprar passagens areas (ela me dá retorno rapidinho dos trechos que tenho interesse).

Ricardo Freire
Ricardo FreirePermalink

Haha, você se refere a operadoras, né?

Quando eu era rico shock viajei uma vez com a chiquérrima-carérrima Abercombie & Kent e também fiquei passado com o fato de os receptivos locais serem... locais, sem a grife A&K mad

marcia palhares
marcia palharesPermalink

Eu também prefiro viajar desempacotada, adoro fazer as reservas via net e anoto todos os lugares que pretendo ir(tirando várias sugestões daqui mesmo). Agora, passagem aérea eu acho mais vantajoso comprar por agente, principalmnete se não for ponto a ponto. Este ano, quando fui pra Portugal, tentei comprar a passagem pelo site da TAP. Era caríssimo!! (RJ - Lisboa - Porto - Lisboa _RJ). Consegui pela CVC a passagem (no horário que eu queria) e 4 noites de hotel 4* e ainda mais barato!!