Europa: como lidar com a insegurança?

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Hotel na Gare de l'Est, Paris

Dá para viajar para a Europa com tanto terrorismo?

O recente alerta de viagem emitido pelo Departamento de Estado americano em 1º de maio de 2017, alertando os turistas americanos para os perigos de uma viagem à Europa, confirma: não é só você que está paranóico com terrorismo. Até hoje esse tipo de alerta era reservado para destinos conturbados, como o Egito (ou o Brasil).

O problema é que temos aí o roto falando do esfarrapado: os Estados Unidos, além de alvo de atos isolados de terrorismo (lembre-se da maratona de Boston e das recentes explosões malfadadas em Nova York), também sofre com a praga dos atiradores solitários -- o caso mais recente foi a boate gay de Orlando.

Se bem que... quem somos nós para falar? Morar no Brasil ainda é muitíssimo mais perigoso do que passar férias em Paris. A probabilidade de você ser envolvido num atentado terrorista não é muito maior da probabilidade de o seu avião cair (toc toc toc). Qualquer um de nós está mais sujeito a desenvolver trombose durante um vôo ou se envolver num acidente de carro durante a viagem do que estar no lugar onde explodam a próxima bomba.

Deixar de viajar à Europa por causa de terrorismo é como não viajar à Califórnia ou ao Chile por medo de terremoto (podem acontecer a qualquer momento e fazem efeito em áreas muito maiores). Acredite: fazer passeio de bugue 'com emoção' em Natal é mais perigoso que visitar Istambul.

De todo modo, é como eu sempre digo: o único conselheiro que realmente conta é o travesseiro. Viajar serve para alimentar sonhos (antes) e relaxar (durante). Se uma viagem está tirando o seu sono, é porque você não deve fazer.

Europa: outras questões de segurança

Antes dos atentados, as perguntas que apareciam aqui no site sobre segurança na Europa normalmente eramassociadas a hospedagem. A região tal é perigosa? Dá para sair sozinha à noite?

A questão da insegurança na Europa é que ela não está onde imaginamos que esteja.

Entornos de estações ferroviárias, bairros habitados por colônias de imigrantes, ruas que ficam ermas à noite -- tudo isso parece inseguro, tudo isso traz sensação de insegurança, mas é muito mais seguro do que aparenta. Não existe a cultura de violência que esperamos desse tipo de ambiente no Brasil. Não há lugares "barra pesada" nas regiões centrais das cidades (a não ser que estejam ocupados por drogados).

Os larápios da Europa, tanto nativos quanto importados, agem à luz do dia, em aglomerações, em momentos que você esteja distraído ou aberto à interação.

Ou seja: o perigo não mora naquelas três quadras que você vai percorrer à noite entre o metrô e o seu hotel, com a antena ligadíssima ao menor movimento suspeito. O perigo mora na maior atração turística da cidade, debaixo do sol, quando você está com as duas mãos ocupadas segurando a câmera e seu olhar está atento apenas no enquadramento da foto. Ei, cadê minha carteira que tava no bolso de trás?

4 tipos de lugar em que você não deve bobear:

1. Dentro de estações de trem e aeroportos

Ao desembarcar, não dê trela a ninguém que venha oferecer transporte. É pirata. Todos os aeroportos e estações ferroviárias têm pontos oficiais de táxi. Procure a sinalização, entre na fila.

Antes de embarcar, nunca deixe nenhum item de bagagem de bobeira; ele pode desaparecer. Dispense qualquer papo com quem se aproxime para perguntar ou pedir coisas -- sobretudo se estiverem em dupla (espertinhos trabalham em equipe: um distrai, o outro subtrai).

2. No transporte público

Metrô e ônibus são os ambientes de trabalho favoritos dos batedores de carteira. Não carregue nada nos bolsos de trás. Ao entrar e sair do vagão, mantenha a mão dentro do bolso onde está seu dinheiro. Use mochila e bolsa à sua frente. Para total paz de consciência, guarde cartões de crédito/débito/identidade na doleira. (Deixe o passaporte no cofre do hotel!)

3. Nas atrações turísticas

Junte as recomendações do transporte público com as do embarque na estação de trem: tenha cuidado com bolsos e bolsa, e não dê trela para quem venha puxar papo ou pedir informação. As atrações mais visitadas são o playground natural dos golpistas -- deixe para fazer amigos em lugares menos turísticos.

Em Roma e em Barcelona, tome cuidado também nas ruelas onde passem motos -- como há trombadinhas motorizados, use bolsa e cãmera a tiracolo, voltadas para o lado do comércio, não da rua.

4. Nos estacionamentos e postos de gasolina

Nunca deixe bolsas, sacolas ou malas à mostra. Há quadrilhas especializadas em arrombar carros ou em subtrair malas do banco de trás enquanto você está abastecendo.

Leia mais:

144 comentários

Atsu
AtsuPermalinkResponder

Quase fui assaltado no metro de Barcelona, o classico da escada rolante.

Um cara vai na frente e outro atras e na saida da escada rolante o da frente para voce acaba esbarrando nele e o cara de tras esbarra em voce, nesse momento o cara de tras tira tua carteira e educadamente pede desculpa pelo esbarrão e vai embora. Por sorte a carteira trancou na costura do bolso e não saiu... Isso foi 3 da tarde.

Gustavo
GustavoPermalinkResponder

Usei o metro em Barcelona apenas duas vezes e foi durante o dia que me senti mais inseguro. Estava com duas amigas que falavam em inglês todo e um grupo de rapazes nos olhavam de forma muito estranha. Eu estava muito atento e um senhor na minha frente fez sinal para tomar cuidado. Uma das meninas que estuda lá disse que várias amigos já foram assaltados.

Guta | Blog Vambora!

Conheço pessoas que voltaram faz pouco tempo de Paris e a dica do metrô e trem é mesmo super importante. Eles presenciaram algumas vezes, no tumulto de entrar e sair do trem, grupos de pessoas esbarrando em turistas e levando documentos, carteiras, etc.
Outra dica que me falaram é no metrô a noite e de madrugada (especialmente quem volta de algum bar, festa e dá aquela cochilada sem querer no banco): há grupos especializados em roubar tudo de quem está dormindo (inclusive sapatos, coitados!)
Última dica que me falaram de lá é o golpe da aliança: especialmente nas pontes, cheias de turistas, derrubam uma aliança de ouro no chão e chegam perto de você perguntando se não é sua. Há quem diga (por ser "de ouro" e quer dar uma de "esperto") que é e dai pedem um dinheiro pela recompensa...Tipico golpe "turistão" mas as vezes, nas férias, a gente se deixa levar.

Vanessa Dias
Vanessa DiasPermalinkResponder

Estive em Paris em abril e esse golpe da aliança realmente acontece e por mais que vc fale não a pessoa fica andando atras de vc insistindo.

ana Cecília Araujo

Em Paris, também quase fui vítima desse golpe da aliança.

Bruno MEndonça

Também vi esse golpe da aliança em PAris, com um casal ao meu lado, em frente a Opera Garnier

Candida Silva
Candida SilvaPermalinkResponder

Já dizia minha avó: prudência, dinheiro no bolso e canja de galinha, não fazem mal a ninguém!

Camila
CamilaPermalinkResponder

Já tenho doutorado em andar com a bolsa junto ao corpo, transpassada para a frente, com a mão sempre na fechadura/zíper. Moro em Fortaleza hehehehe

Viviane
VivianePermalinkResponder

Já quase fui assaltada uma vez em Barcelona. Em frente ao Parque de la Ciudadela (perto do Museu do Picasso), um rapaz se aproximou para oferecer ajuda quando me viu com o mapa na mão. Achei estranho e reparei que não havia outras pessoas na rua naquele momento (eram umas 3 p.m. e a cidade pára para a siesta). Agradeci, disse que não precisava e atravessei a rua para entrar no parque. Ele passou um bom tempo me seguindo, o suficiente para me assustar e eu entrar no Museu do Chocolate para pedir ajuda ao segurança. O rapaz entrou lá tb e ficou sentado numa mesa do café do museu me aguardando. Mostrei ao segurança e ele disse que o rapaz era conhecido ali, fazia roubos pequenos como câmeras, carteira, etc. já que pelas leis locais o ladrão não poderia ser penalizado caso o roubo fosse inferior a 300 euros.

Marcella Pacca

Nossa, isso é muito verdade. As 3 vezes em que "quase" fui assaltada na Europa eu estava distraída durante o dia.

Em Roma, no aeroporto, minha mãe deixou a bolsa em cima do carrinho da mala para falar comigo. Na hora que olhei tinha um cara com a mão em cima da bolsa. E foi bem a tempo pra eu, instintivamente, agarrar a bolsa do outro lado e ficar num cabo de guerra com o assaltante que não desistia. E dai aconteceu o mais engraçado: levamos uma bronca do assaltante!! hahaha
Bem ao estilo italiano, ele ficou bravo que a gente tinha deixado a bolsa fácil pra ele roubar e que era culpa nossa de sermos distraídas e etc, como se a gente tivesse "atrapalhado" o assalto dele! Absurdo, não é? ehhehe Mas aprendemos a lição e ficamos com a bolsa.

A segunda foi clássica em Paris. Sentados na parte de fora de um dos bistrôs, a garçonete alertou: não deixe seu celular na mesa. Na hora eu pensei: ele ta na minha frente, eu vou perceber se alguém pegá-lo né? Mas não percebi!
Vieram umas 6 crianças em volta da mesa colocando mapas e papéis pra colher assinaturas. Elas falam tanto e vem tao em cima que te deixam tonto. Logo depois a tal garçonete apareceu e mandou elas saírem de lá. Na hora pensei em checar minha bolsa, tudo ok. Dai minha irmã comenta: nossa, uma das crianças estava com a mão em cima do meu celular, que bom que percebi e bati na mão dela! E foi ai que a ficha caiu, tinham levado o meu!
As crianças estavam ainda do outro lado da rua e eu sai correndo atrás delas. E claro, elas foram pra um beco... e eu já comecei a ficar com medo. Do outro lado do beco tinha uns motoqueiros meio mal encarados e foi então que desisti de pegar meu celular, quando um deles veio até mim e, para minha surpresa, me defendeu!! E logo em seguida surgiu outro garçom e mais motoqueiros e eles intimaram as crianças a devolverem o meu celular. =) E tudo acabou com palmas! hehehe

E por fim, estava no onibus em Paris quando senti minha bolsa "se mexer". Sem nem olhar,eu só peguei a bolsa e coloquei na frente da barriga. Nada foi roubado. 5 minutos depois uma senhorinha grita que foi roubada e pedia para parar o onibus... o assaltante só estava atrás de quem estivesse mais distraído e infelizmente a senhora que foi roubada.

Diversas vezes eu voltava de bares e baladas(!) sozinha, e foram nos momentos cotidianos que eu quase fui assaltada. Nas três vezes tive sorte ou percebi rapidamente a situação, mas melhor não dar chance!

Bruno MEndonça

Essa de colher assinatura em PAris é clássica!! Vi um grupo roubar a correte de uma alemã! Eles cercam as pessoas solicitando a assinatura em um "abaixo-assinado", com o único objetivo de que você se distraia. Ao passar por essa situação, basta dar um NÃO bem forte que eles se intimidam...

Philipp
PhilippPermalinkResponder

Tem uma serie - nao sei se passa(ou) no Brasil - chamada Scam City que retrata os golpes:

http://science.discovery.com/tv-shows/scam-city
http://en.wikipedia.org/wiki/Scam_City

Alguns episodios estavam no youtube.

Philipp
PhilippPermalinkResponder

Encontrei (em inglês):

Roma: http://www.youtube.com/watch?v=qZBU-vMDefk
Praga: http://www.youtube.com/watch?v=a8CLA4NxuO0
Rio de Janeiro: http://www.youtube.com/watch?v=M1C9o7XagLg
Marrakech: http://www.youtube.com/watch?v=ifSZTZZ2xRk

Há outros, mas não encontrei episódios completos e estes acima são de um canal oficial.

Marcella Pacca

Nossa, que legal! Quero ver todos.
Adoro programas de viagem, mas esse é bem diferente do que estou acostumada a ver... hehehe
Muito bom! Gostei muito! Obrigada

Mon
MonPermalinkResponder

Gente, só lembrem a diferença de furto e assalto. Quando você está distraído e te roubam sem você perceber, é furto. Assalto, que pode ou não ser à mão armada, é quando rola uma abordagem por parte do malfeitor. wink

Tendo dito isso e considerando que o tipo de roubo mais comum na Europa é mesmo o furto... é ok andar com a câmera fotográfica no pescoço? Porque, se o mais provável é que me roubem na bolsa, sem eu perceber, teoricamente, o meu pescoço é um lugar seguro, né?
Então, dá pra andar sem problemas ou o meu raciocínio está certo, mas extremista? smile

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Mon! Pode andar com sua câmera na boa; em lugares como Roma e Barcelona, ponha a tiracolo.

Mon
MonPermalinkResponder

Obrigada!

Cris
CrisPermalinkResponder

Mon, tem lugares da Europa em que eu já caminhei com a câmera pendurada no pescoço e me senti tranquila, e nada me aconteceu.

Berlim, Miunique e Viena são exemplos. E isso que em Munique e em Viena eu estava hospedada perto de estações de trem)

Em Londres eu acho que eu também fiz isso, e tudo foi tranquilo também.

Em Paris, em algumas regiões, como Quartier Latin e Saint Germain des Près, eu também fiz. Mas em locais mais visados, como nas imediações do Louvre, da Torre Eiffel, da Opera, Sacre Coeur, Arco do Triunfo, eu prudentemente coloquei a câmera dentro da bolsa (que é meio grandinha).

Em outras cidades, como Barcelona, Roma e Praga, nunca andei com a câmera no pescoço. E em Praga foi mais por precaução mesmo. Em Barcelona, como no meu primeiro dia na cidade eu testemunhei um furto dentro do metrô, eu resolvi não arriscar.

Detalhe, eu SEMPRE ando com a bolsa trespassada, mas ficando com ela um pouco mais para frente do que na lateral do corpo. A tal bolsa tem fecho de ziper e além da alça de trespassar, ela tem outra alça mais curta e eu "enrolo" a mão nessa alça também, e seguro o final do ziper. Cartões, cash em notas maiores e passaporte sempre na doleira. Deixo sempre cash pequeno (entre 20-30 Euros) num bolso externo da bolsa (fechado com ziper também), para não precisar pegar na doleira e nem abrir a bolsa no meio da rua ou em locais mais lotados. E o celular sempre em bolso interno ou da bolsa ou do casaco.

O negócio é ficar antenta, sempre, mas sem ser paranóica (para não transformar uma vagem de férias em um período de stress). No furto que eu testemunhei em Barcelona, a vítima foi muito distraída: a menina estava com uma enorme mochila cargueira nas costas, em pé bem na frente de uma das portas do vagão, e com a mão esquerda segurando um dos pilares do vagão e falando ao celular que estava na mão direita. Nem preciso dizer que numa das paradas, o larápio se aproximou dela, e quando soou o sinal de fechar a porta, deu um salto, pegou o celular da mão dela e saiu correndo para fora do vagão antes da porta se fechar. É essse tipo de situação que dá mais chance da pessoa ser furtada!

Abs,

Cris

Dionísio
DionísioPermalinkResponder

MON, desculpe, a diferença é entre furto e roubo. Furo, subtração da coisa sem violência ou grave ameaça; roubo, subtração mediante violência ou grave ameaça. Assalto não é terminologia jurídica.

Dionísio
DionísioPermalinkResponder

Corrigindo, furto e não furo...hehehe

Mon
MonPermalinkResponder

Ah, Dionísio, nem tava pensando nos termos juridicos, não. smile Fiz o comentário mais porque era o termo que o pessoal tava usando mesmo. Socialmente, assalto é quando há abordagem, até pelo significado da palavra, que tem essa conotação de ataque mesmo.

Cris, acho que vai ser tranquilo, então. Porque vou pra Paris e UK. Basta ficar mais atenta em Paris, então, minha bolsa é igual a sua, e eu tbm fico sempre segurando, rs.
Obrigada!

Paula*
Paula*PermalinkResponder

Utilidade Pública esse post! wink

Adriana Castro

Pois é. Em Paris fiquei hospedada "sem querer" em Montmartre(digo sem querer pq era o ap. de um amigo do meu namorado) e eu só soube qual era o bairro que ficaria 3 dias antes de chegar e eu já tinha lido(acho que aqui mesmo, de comentários de leitores) que Montmartre era o pior local para se hospedar em Paris. Eu simplesmente AMEI aquele bairro. Claro, o nosso amigo alertou para não ir para a parte mais industrial(onde não tem nada pra fazer mesmo) pq lá existe uma espécie de cracolândia, mas por todo o restante do bairro que andamos foi incrível. Estávamos perto de vários pontos do "tour Amelie Poulain", Moulin Rouge, Café Des Deux Moulins etc..., muitos cafés, gente bonita e alternativa. Na próxima, não tenho dúvidas que é lá que me hospedarei novamente. wink
Pra ajudar, o apartamento dele ficava no 10 andar de um prédio que tinha vista para a Sacre Coeur. Tive a sorte de pegar a lua cheia e ter a vista mais incrível que poderia ter em Paris. wink

https://fbcdn-sphotos-e-a.akamaihd.net/hphotos-ak-prn1/1039549_10201017289027979_708355411_o.jpg

E realmente a insegurança está onde NÃO imaginamos que está, e percebi isso justamente quando fui ver a Monalisa no Louvre(com mais um aglomerado de gente) e ao lado tinha um avisinho: CUIDADO COM OS BATEDORES DE CARTEIRA. Pois é nesse aglomerado de gente que você acha que está lá para ver a Monalisa que se infiltra os batedores de carteira. Quando que você imagina que será assaltado dentro de um museu onde todos pagam para entrar?
Eu andei com minha câmera pendurada por todos os lugares, em Roma, saí com ela a tiracolo a noite, caminhando, saia e voltava pro hotel andando às 02h da manhã e nenhum sinal de perigo. Como é bom sentir essa segurança! É uma pena que aqui em SP eu não posso sequer pensar em ir jantar num restaurante, pq corro o risco de ser assaltada em um arrastão. ;(

Douglas
DouglasPermalinkResponder

Boia ou alguem que posso ajudar...é perigoso voltar a noite do trem que faz Eurodisney / Paris? Sera q sempre tem movimento, todos os dias? grato

-- A.L.
-- A.L.PermalinkResponder

Como o próprio post diz, é nos trens, ruas e locais mais movimentados que há maior perigo.

Mariana Ribeiro

hi, hi, hi smile

Vanessa Dias
Vanessa DiasPermalinkResponder

Tem que ficar atento, mas vc não estará sozinho, tem sempre muita gente voltando, o trem não volta vazio.

Danilo
DaniloPermalinkResponder

Eu achei bem tranquilo. Ja voltei duas vezes em um dos últimos trens. Mtas familias voltando.
É o que disseram em cima, é só ficar atenta às mochilas e bolsas.

Moreno
MorenoPermalinkResponder

No metrô de Paris o que não falta é aviso. Barcelona e Roma é para os mais atentos. Para os homens, dinheiro miúdo no bolso da frente da calça. O resto na doleira. Dessa forma, nunca tive problemas. Outra coisa, acabei de me hospedar ao lado da Centraal Station em Amsterdam. Super tranquilo. Já em Montmartre vi gente sendo presa aos montes dentro da estação do metrô. Evite.

Damares Lombardo

Nas grandes cidades da Europa sempre ocorreram furtos dentro de metrô e ônibus, mas raramente a gente escuta falar de assalto (moro em Milão há 22 anos). A zona da estação de trem de Milão, Stazione Centrale, não é perigosa, tem muitos hotéis com bons preços, mas tem umas 2 ruas que eu não recomendaria por exemplo pra mulheres sozinhas.

Marcelo Ribeiro

Cai no famoso golpe de Istambul (TAXISTAS)... vc da uma nota de 50,00 e mais alguma outra (tipo a corrida deu 60,00).. ai o cara consegue te distrair falando algo do lugar ou fala cuidado ao sair, enfim.. (e a esta altura o cara de pau virou seu amigão puxando a assunto a corrida inteira)... ai, ele vira, e te mostra uma nota de 5,00... e cai nessa..pedi desculpas ainda para o "fdp".. e deu outra de 50.... portanto em taxis, nao custa alertar , de a grana pedindo conferencia.. em Istambul principalmente nos taxistas que ficam parados pertos das atrações... abs.

José
JoséPermalinkResponder

Duas vezes tentaram bater minha carteira em Madri, uma no metro na saída da Plaza de Toros e a outra quando caminhava pelo Paseo do Prado. Outra vez, em Colônia, tentaram me aplicar um golpe quando eu caminhava em direção aos prédios guindastes. Enfim, não dá para dormir no ponto.

Anne
AnnePermalinkResponder

No ano passado, em Paris, aconteceu comigo o golpe da aliança. Na mesma hora lembrei de alguns alertas, e baixou em mim meu lado "sem educação" e sem compaixão com aquela figura tão "nobre" que tinha achado "minha" aliança. Falei alto e num português bem marrento, que não era minha, que não tava entendendo nada e fui embora deixando a mulher falando sozinha.

Na mesma viagem, em Lisboa, ao subir o Castelo de São Jorge, vi uma escultura engraçada escrito "Urinol". Notei uma moça sentada no banco e outra a alguns metros de distancia de boina vermelha que parecia esperar alguém. Só que eu notei que tinham um biotipo parecido, não eram portuguesas, mas tbm não pareciam ser turistas.

Seguimos em frente. Passamos um tempão lá no castelo.
Na descida, como minha mãe se afastou de mim, rapidamente tirei uma foto do tal "urinol" com uma câmera compacta. Justamente pra ser rápida e não mostrar que tinha outra câmera maior na mochila. Aparentemente não tinha ninguém no local.

Mas acho que, em viagem meu instinto fica mais aguçado pra certas coisas. Pois nesse local, de repente pressenti alguém perto de mim, numa rua de paralelepípedos larga, clara e com poucas pessoas. Eram as tais duas moças do começo, já bem perto de mim, mirando minha mochila, direto no ziper mais externo (tolinhas, só iam achar caneta e lenços de papel. Meu lado "sem educação" aflorou novamente e tasquei bem alto: "Ei, p$%$#, que susto! Sai pra lá!" Elas se assustaram mais do que eu. risos
Mais tarde almoçando ali perto, o garçom falou pra tomar cuidado com umas ucranianas que ficavam por ali. Falei o que tinha acontecido, e ele.. "Elas mesmo e alertem quem for passar por ali." Cá estou, alertando vcs...

Camila
CamilaPermalinkResponder

Esse da aliança é impressionante como tem gente que cai. É muito na cara, e depois que você dispensa eles nem esperam você dispersar pra tentar com outra pessoa!

clarice perrone

Concordo, Camila.
O mais incrível é que para cair nesta ( ficar com o que não é seu) tem que ser muito desonesto!!!!!

Felipe
FelipePermalinkResponder

Apesar dos perigos não podemos comparar com nada no Brasil. Acho Paris perigosa principalmente no metrô e perto de Montmartre de noite.

Maura
MauraPermalinkResponder

Um dos motivos de eu não ter "apreciado" tanto assim Roma foram os pickpockets! Principalmente na região do Termini! Nossa, os caras são muito cara de pau! Eles tropeçam, esbarram em ti e ficam te tocando, tentando pegar coisas nos bolsos! Ou então quando tu espera pra atravessar a rua, nas filas, até na fila do Museu do Vaticano! Em Barcelona não tive problema algum, mas também sempre procuro andar como uma "local", mesmo que esteja meio perdida fico firme e sigo andando hahaha aí entro em alguma loja, abro o mapa e me localizo! No Porto, PT, nunca teve problemas com assaltos e tal, sempre foi tranquilo. Quando a coisa começou a ficar feia mesmo, financeiramente, as tentativas de assalto começaram. Exemplo: tu andava na rua e vinha em direção um cara bem vestido, que te pedia um cigarro ou falava algo bem baixo que tu não entendia; quando tu parava pra falar com ele ou caminhava mais devagar pq ele vinha a teu encontro, chegava outro cara por trás e pegava o que tu tinha de valor. A primeira vez eu parei e falei com ele, aí vi o cara se aproximando por trás e saí andando; nas outras duas tentativas eu corri e atravessei a rua... O Porto é delicioso e sempre me senti mto segura lá, pegava onibus a meia-noite, sem medo. Depois...
Ah, na Espanha e Portugal tem que ter muito cuidado também com uns ciganos romenos que tem por toda parte! Eles sao muito espertos, te furtam e tu nem ve! E chegam falando contigo, te deixando meio perturbado, e quando tu ve tem uns cinco ao teu redor! Cuidado mesmo! Eles andam com uns panfletos pra distribuir. Quando tu pega eles te cercam!

Maura
MauraPermalinkResponder

A respeito de Portugal e Espanha falo com propriedade de residente! Não parem pra falar com os Romenos! As crianças são muito bonitinhas, mas são as "iscas", infelizmente!

Rodolfo
RodolfoPermalinkResponder

Mês passado estive com minha esposa em Amsterdan, Berlin, Munich, Stuttgard, Garmisch, Potsdam, Praga, Roma, Vaticano, Paris, Versailles e Brugges e não tivemos nenhum problema, tanto de dia quanto a noite ou madrugada. Somente em Paris por duas vezes umas mulheres tentaram dar o golpe da aliaça. Simplesmente olhei na cara delas, dei risada e segui meu caminho. De resto andava com uma máquina pequena na mão e minha esposa com uma profissional pendurada no pescoço. Mesmo na estação de trem e aeroportos sempre estávamos com as máquinas a mostra e nenhum problema. Evidentemente que sempre alertas, afinal, gato escaldado de SP tem medo d'agua.

Guilherme
GuilhermePermalinkResponder

Em Paris eu só tive medo quando peguei o trem errado e fui parar, sozinho, na periferia da periferia, à noite, num bairro de argelinos - eu dormi no trem sem querer. Mas pode ser neura minha porque eu perguntei como voltar e uma moça super paciente e muito educada me explicou com detalhe como chegar até o meu hostel.

Guilherme
GuilhermePermalinkResponder

Já tive que correr de skinheads em Barcelona, 1h da manhã perto da estação Sants. Mas acho que tive a má sorte de estar na hora errada, no lugar errado, porque foi o único perrengue da viagem.

Em Madri, meu pai distraiu um segundo na porta do hotel do aeroporto, e levaram uma mala com vários produtos eletrônicos.

Por outro lado, já fiz foto com câmera profissional na Torre de Belém, em Lisboa, meia noite de domingo e não vi absolutamente nada suspeito. Acho que é a cidade mais segura que já vi na vida.

Germano JS
Germano JSPermalinkResponder

Excelente texto. Sugiro que façam um também focando a América Latina.

Próxima Trip - Erika

boa idéia!

Robson Dombrosky | viajenaimagem.com

Germano, para dicas mais aplicáveis à América Latina, sugiro a leitura desse texto que escrevi para o Blog Sundaycooks: http://sundaycooks.com/2013/04/22/seguranca-em-viagens-13-conselhos-de-um-viajante-calejado/

Dalva
DalvaPermalinkResponder

Tentaram nos assaltar em Barcelona, batedores de carteira, mas felizmente fomos mais espertos. A comédia foi quando alertamos um policial na estação de metrô e ele nos perguntou se os meliantes tinham cara de mouros??? Não é piada , acho que o policial quis tirar uma conosco. Fiquei desacreditada e muito ligada em todos os outros lugares que visitei.

Dalva
DalvaPermalinkResponder

Tentaram nos assaltar em Barcelona, batedores de carteira, mas felizmente fomos mais espertos. A comédia foi quando alertamos um policial na estação de metrô e ele nos perguntou se os meliantes tinham cara de mouros??? Não é piada , acho que o policial quis tirar uma conosco. Fiquei desacreditada e muito ligada em todos os outros lugares que visitei. E não foi só na Espanha não!!!

João
JoãoPermalinkResponder

Comigo aconteceu algo parecido como o já mencionado golpe no parque del Ciutadela. estava olhando o guia, um cara falando inglês, pediu p ver meu guia, fui querer ajudar e acabei perdendo 300 euros... logo após esse cara chegar, apareceram 2 caras dizendo-se policiais e que ele era um procurado e que fazia batidas no parque, pediram p ver meu passaporte e tb perguntaram se tinham dinheiro p ficar na europa. Respondi que sim, mas eles insistiram, no meio de tudo isso, acabei cedendo e quando fui mostrar o passaporte, o dinheiro veio junto. Eles pediram p ver se tinha como me sustentar lá, disse que sim, mas eles tomaram o dinheiro da mão e contaram... nesse inteirim, o cara que chegou primeiro (fingindo ser turista) tinha desaparecido e quando fui conta e quando fui "liberado", faltavam 300 euros. Enfim, sei que bobei, mas a partir dali passei a ser mto mais cuidadoso e olha que eu era paranoico, mas nunca pensei que fosse acontecer algo as 10hs da manhã e assim, tive que encurtar a viagem. Relatando p que ninguém mais passe por isso.

Cris
CrisPermalinkResponder

Em relação ao golpe do anel (aliança, etc), eu não consigo compreender como é que esse tipo de golpe ainda encontra "mercado" para ser praticado. É uma das coisas mais divulgadas e ainda assim, sempre tem um incauto que acaba caindo.

Nas duas vezes que eu levei minha mãe a Paris, ela quase caiu no tal golpe, e isso eu que já tinha a alertado para isso.

N primeira vez, em frente ao Museu d'Orsay, ela me chamou dizendo, " olha só, essa velhinha com um anel"! Tive quase que gritar com ela, para ela lembrar que eu já tinha avisado.

Na segunda vez em Paris, em frente à Opera, novamente uma velhota cigana com o anel para cima da minha mãe, e ela outra vez querendo dar papo para a meliante. Dessa vez, eu disse para ela: "pô, mãe, quer cair de novo nesse golpe"?? E depois ela fica braba consigo mesma por quase ter sido vítima das ciganas! Heheh ... Mas ela me jurou que da próxima vez, vai chutar o anel que a cigana jogar na frente dela.... Kkkk (veremos...)

Robson Dombrosky | viajenaimagem.com

Quem me dera que o Brasil fosse assim "tão perigoso" quanto a Europa, onde praticamente a totalidade das ocorrências são furtos onde o dono nem percebe que foi roubado. Pelo menos você ainda tem a chance de andar tranquilamente por aí com sua câmera DSLR sem receio de levar um pipoco ou uma facada. Basta aprender apurar seu senso de segurança e atenção que, a princípio, você estará livre desses aborrecimentos.

Rafael Victor
Rafael VictorPermalinkResponder

Nunca tive problemas nos lugares que fui na Europa, tanto na Espanha, quanto em Portugal ou Itália. Também não presenciei furtos a outras pessoas. A situação mais próxima, pelo que me lembro, foi em Milão. Na saída do Castelo Sforzesco tinha uns africanos muito chatos querendo amarrar umas fitinhas no meu pulso e no da minha esposa. Os caras não sabiam que já havíamos morado em Salvador: eu dei logo um chega pra lá, nem ouvi qualquer ladainha. Em Roma um indiano também se ofereceu para bater nossa foto na Fontana de Trevi. Na hora não percebi que era cilada e achei que fosse um turista também, típica "troca de fotos", dai entreguei a máquina, já que o espaço era curto e superlotado e ele não poderia fugir do meu campo de visão. Após bater a foto o cara ficou pedindo dinheiro e oferecendo um serviço de polaroid. Eu também nem dei bola, disse que não pagava nada e pronto hehehehehe

Rafael Victor
Rafael VictorPermalinkResponder

Só complementando: pra quem morou em Salvador e mora em São Paulo, a Europa é muito tranquila, assim como as cidades da América do Sul que conheci (tirando Ciudad del este heheheheh). Até mesmo Buenos Aires, que realmente piorou bastante nos últimos dois anos, ainda é bem mais segura que a maioria das capitais brasileiras. Tomando os cuidados básicos necessários você terá uma viagem bem tranquila.

OBS: eu e minha esposa sempre rimos quando lembramos dos avisos dos "carteiristas" nos elétricos de Portugal.
OBS: lembrei de outra situação pitoresca em Lisboa, ao voltar de um bar, com fado, no Bairro Alto. Tomamos um táxi indicado pelo dono do estabelecimento, gente boníssima, com o qual compartilhei umas taças de vinho verde. Pois bem, ao passar por uma rua estreitinha, o taxista esbarrou em um molecada que bebia no meio da rua. O cara ficou louco, baixou o vidro, deu dois tapões no moleque e saiu. o moleque chutou o carro e o taxista desceu e botou todo mundo pra correr hehehehhehehehhe O cara era uma figuraça e mesmo com a "parada" a corrida custou apenas 5 euros.

Rina
RinaPermalinkResponder

Em 2011 viajamos pela Croacia e nos sentimos muitos seguros em todos os lugares. Chegamos em Zagreb a noite e ficamos numa pousada perto do aerporto porque seguiriamos para Split pela manha. Era tao perto que foi dificil chegar de carro. No final da viagem retormamos a Zagreb, devolvemos o carro no aerporto e deixamos a bagagem nesta mesma pousada e fomos para um hotel no centro so com uma mochila. Nosso voo para o Brasil era muito cedo e a ultima noite a nossa opcao era a pousada inicial, cuja proprietaria era muito gente boa. Dava para ir a pe para o aeroporto ( tipo 200 m) mas ficamos receosos , porque seria 4:30 da manha e com duas malas e uma mochila. Perguntamos entao a proprietaria se era perigoso o percurso e ela demorou muito para entender e nao foi pelo idioma, mas porque isto estava fora da sua experiencia. Sentimos uma inveja grande. La fomos nos puxando nossas malas de madrugada sem nenhum problema.

Lili-CE
Lili-CEPermalinkResponder

A Croácia foi o lugar com maior sensação de segurança que visitei. A ironia é que não faziam parte da União Européia, em 2008. E olha que eu estava vindo da Dinamarca...

val
valPermalinkResponder

minha filha acaba de "perder" a carteira em Split!

Patricia Luck
Patricia LuckPermalinkResponder

Aconteceu conosco mês passado: dentro do tram em Bruxelas, indo para a estação central para pegar o trem para Amsterdam. Começou uma movimentação "estranha" dentro do vagão, uns caras querendo entrar, tropeçando na gente (e nem estava cheio)...Falei para meu marido: encosta na parede porque essa movimentação tá muito estranha...
Assim que ele deu um passo pra trás, pisou na própria carteira.
Abriu a carteira e os 230 euros haviam sumido.
Nós já havíamos sacado quem eram os caras, o que eles não esperavam era que meu marido pegasse dois deles pelo colarinho e eu o terceiro, chacoalhando ele como uma louca e gritando (para chamar a atenção das câmeras): "Give back the money!!!" e meu marido "We're all going to the police!!"
Os caras arregalaram os olhos e o dinheiro começou a aparecer amassado no chão. Assim que o tram parou em uma estação, eles fugiram.
Catamos o dinheiro e quando conseguimos contar (assim que paramos de tremer), encontramos 240 euros...danos morais imediatos!

OBS 1: a carteira do meu marido estava no bolso DA FRENTE da calça jeans! O cara conseguiu colocar a mão e puxar sem ele sentir, com certeza no momento do empurra-empurra.
OBS 2: é claro que nós nunca iríamos reagir em outra situação, um assalto, por exemplo. Somos do RJ e sabemos que seria muito perigoso. Mas como estávamos dentro de um meio de transporte no centro da cidade, com câmeras e estações fechadas...eles não querem roubar seus documentos, não querem que você vá à polícia porque seriam descobertos.

Cátia Silva
Cátia SilvaPermalinkResponder

Tudo o que escreveste é bem verdade!

Sou portuguesa e vivo em Espanha... em 2006 quando deixei a ilha onde nasci (Madeira), que por aquela altura era muito segura, hoje em dia já temos que ter mais cuidado mas continua sendo segura se comparamos com muitas cidades europeias. Eu estava acostumada a viver o meu dia a dia sem preocupar-me se me roubariam ou não, resultado: roubaram-me duas vezes no primeiro mês, uma no metro em Barcelona e outra em Valência...

Custou mas já aprendi a lição! Aqui na Europa temos cidades muito bonitas mas temos que ir com os olhos bem abertos nos lugares mais turisticos porque quem menos esperas que te roube é quem o fará...

beijinhos

Barbara
BarbaraPermalinkResponder

Ótimo artigo! Ultimamente tenho recebido também vários e-mails de turistas desesperados com medo de visitar a Itália e realmente digo a mesma coisa: a violência aqui não tem nada a ver com a violência no Brasil. Obviamente, não existe lugar turístico 100% seguro em lugar nenhum do mundo, é sempre bom não dar bobeira. Mas até ter pânico de vir a Itália pela insegurança... bem, no comments.

Tânia
TâniaPermalinkResponder

Em Barcelona, fui furtada dentro do shopping La Maquinista quando eu olhava umas roupas em uma loja. Levaram minha carteira com meu passaporte e todos os cartões de crédito. Foi um sufoco, já que estava com passagem de volta marcada para dois dias depois.

Natalie Soares

Nos tempos pré-VnV, quando cheguei na central de atendimento ao turista em Paris, a primeira coisa que me orientaram foi: "nunca deixe sua carteira por cima - seja dentro da bolsa, seja dentro da mochila. Sempre coloque algum objeto por cima para dificultar a vida dos 'mãos bobas'." Levei esse conselho pra vida toda razz

Silvia
SilviaPermalinkResponder

Canja de galinha e cuidado não faz mal a ninguém. Estivemos esse ano na Itália e nada nos aconteceu. De fato, o metrô, especialmente o de Roma e de Milão são dignos de cuidado. Chegamos a ver 2 mulheres (uma grávida) tentando roubar a carteira do bolso de um turista.Por sorte ele percebeu, segurou a moça e gritou polícia...não sei como, mas ela sumiu. Tinha uma comparsa que entrava no trem e puxava assunto pra roubar nossa atenção.Sair com um mochila virada pra frente e não dar bobeira quando estiver vendo o mapa ajudam. Encontre um canto onde você possa encostar na parede e observar o que acontece à sua volta. Quem está acostumado a andar em São Paulo é mestre nisso! De qualquer forma, me senti muito mais segura lá do que aqui.

Rogerio Milani

Post perfeito Ricardo! É o que sempre costumo escrever ou responder para os leitores do meu blog também. Naquela hora da maior alegria ou da "falsa" sensação de segurança, é quando os larápios aproveitam para fazer a festa... Atenção nunca é demais, inclusive na Europa!

Abraço!

Bárbara
BárbaraPermalinkResponder

Acho que o post ajuda muito. Agora vou falar da minha experiência.

Estive em Londres, Paris, Roma, Bruxelas, Amsterdã, Nice, Montpellier, Marseille e nada aconteceu. Algumas tentativas de abordagem, mas que foram frustradas por um safanão que só carioca sabe dar. Roma e Paris são bem piores, a sensação de que alguém vai te furtar nas áreas turísticas é bem maior que nas outras cidades.

Em Nice, eu fui seguida por um cara na orla. Foi muito tenso. Por mais que eu tentasse despistá-lo, não conseguia. Fiquei mais preocupada pois estava num apartamento alugado, viajando SOZINHA muito perto do lugar onde ele começou a me seguir. Medo de que ele soubesse onde eu estava hospedada.

Em Portugal, a coisa foi diferente. A sensação de segurança é maior, mas... Vi senhor ser furtado no elétrico em frente à Catedral e uma senhora, brasileira, teve a bolsa furtada DENTRO DO RESTAURANTE do meu hotel. Fiquei chocada.

Apesar de falarem que é batido, eu não sabia do golpe do anel. Por isso, esses posts são sempre bons para alertar.

Mônica Coelho

Olá! Já fui assaltada em Barcelona dentro da estação do metrô e dentro de uma champanheria na mesma viagem.

Bruno
BrunoPermalinkResponder

Sabemos que existem diversos tipos de formas para roubar o turista nos pontos de maior movimento na Europa, do punguista (batedor de carteira) ao estelionatário. E foi com um destes que um amigo se saiu super bem e me ensinou: Atenção, só funciona com aquele chato que vai tentar te enrolar na conversa. A solução é simples, invente uma língua maluca e enlouqueça ele.
No caso ele falou que funcionou com um cara que era um verdadeiro poliglota. Na base da Torre Eifel, ele notou que tinha um sujeito que abordava as pessoas tentando algumas assinaturas e independente da nacionalidade, o cara arranhava no no idioma. Provavelmente se alguém assinasse, ele iria exigir algum tipo de contribuição. Pois na "vez" dele e da esposa, o cara tentou se comunicar e eles inventaram uma lingua que foi batizada de "The Pol, The Max Pol".
Ficaram falando estas doideras ao mesmo tempo que fingiam dar alguma trela para o malandro, que claro, se interessou na esperança de conseguir sugar alguns euros.
Pois eles alugaram o cara até entrarem no elevador, e deixaram-no com a pulga atrás da orelha para entender qual nacionalidade pertenciam. Subiram à torre depois morrendo de rir com a cara de desespero do malandro tentando captar o que diziam.
Mas a alegria de pobre durou pouco, pois no dia seguinte, no metrô tiveram 120 euros subtraídos do bolso pelos batedores profissionais que nas horas de pico frequentam estes espaços. Atenção e cuidados nunca é demais nestas horas.

Leo
LeoPermalinkResponder

Na base da Torre Eiffel, vimos umas pessoas sendo abordadas pelo pessoal da "assinatura". Vi que eram brasileiros e falei bem alto: é golpe, hein!!! As pessoas têm que ser minimamente espertas, pelo amor de Deus! Mas, mesmo assim, tive que repetir várias vezes pra meu marido colocar a carteira no bolso da frente da calça... Oh, teimosia!!!
Em Amsterdam, fomos seguidos por um cara estranho, mas ele despistou quando viu que percebemos. E era de dia!... Lá tb, de manhã, outro cara tentou puxar papo. Basta ir em frente, não dar trela, não aceitar ajuda em qq lugar. Na dúvida, grite bem alto não, em qq língua. Não dá pra sentir inseguro, mas é bom tomar cuidado.
Post super útil. Avisar nunca é demais!

Regina Pelissaro

Eu e meu marido já viajamos por várias cidades européias e somente tivemos problemas em duas. Na primeira vez que fomos para a Europa contratamos um pacote turístico terrestre que visitaria cinco capitais: Madri, Londres, Paris, Bélgica e Amsterdam. Acontece que de Bélgica para Amsterdam pediram para que deixássemos uma muda de roupa na mochila porque eles somente iam retirar as malas no hotel de Amsterdam. Aí ficou aquele dúvida: deixamos o dinheiro e os passaportes no ônibus ou os mantemos conosco? Resolvemos mantê-los conosco, achando arriscado deixá-los na mala, dentro do ônibus..... Durante a viagem o ônibus fez uma parada em Haia, para passearmos pelo centro da cidade. Na volta, há cerca de 100 metros do ônibus, fomos abordados por uma homem pedindo para que nós tirássemos uma foto dele. A seguir, pediu para meu marido tirar uma foto junto comigo, para guardar de recordação. Estranhamos o fato e ficamos extremamente alertas. Nesse momento apareceu outro homem, fardado, mostrando - bem rapidamente - uma insígnia de policial federal e pedindo nossos passaportes (que estava, junto com todo nosso dinheiro, na minha bolsa). Percebemos, numa fração de segundo, que ele não mostrava claramente o distintivo, estava nervoso e que também não havia qualquer viatura da polícia federal nas proximidades. Meu marido, muito rapidamente, pegou minha bolsa e o chamou para nos acompanhar ao ônibus, repetindo várias vezes que os passaportes estavam lá. Mas o ladrão ficava repetindo: Passaport, passaport. Com nossa atitude o ladrão desistiu e saiu correndo.
Em outra viagem tivemos um problema quando visitávamos a Bocca Della Veritá, em Roma. Era o último dia de uma viagem de 30 dias sem quaisquer incidentes e, devido a isso, você tende a relaxar a guarda um pouco e acabamos comendo bola. Meu marido estava vestindo uma bermuda e, no bolso dianteiro estavam o cartão de crédito e mais uns 150 euros. Enquanto estávamos olhando a Bocca, houve um empurra-empurra como se a pessoa quisesse espaço para bater uma fotografia, e lá se foi nosso dinheiro. Foi tão rápido que quando meu marido percebeu já não havia mais ninguém do empurra-empurra por perto.
Em Lisboa fomos alertados por policiais pra ficarmos espertos com nossas coisas, mas não tivemos qualquer problema.
Em Berlin, quando fomos pagar umas compras apresentando a cópia do passaporte, ao invés do original, o atendente perguntou porque não estávamos com o original e, quando comentamos que sempre andamos somente com a cópia, deixando o original no cofre do hotel por causa de segurança, ele se mostrou totalmente surpreso. Disse que na Alemanha não há assaltos e até chamou a moça do caixa ao lado para comentar o fato.
Por fim, penso que não se pode comparar - em termos de segurança - qualquer lugar da Europa com o Brasil. Lá sinto-me sempre muito segura!

Taíse Gonçalves

Perfeito!!!
Perto da Catedral de Baeza em Jaén, Espanha, minha irmã e eu ficamos apavoradas por ser mais de 23h e não haver ninguém na rua...medo típico dos cariocas (falando por mim, né?). No final da rua, já rindo da atitude ridícula, estavam duas velhinhas sentadas olhando as estrelas e nosso pânico, claro!
Já em Madrid, ao 12h na praça central vimos algumas tentativas de mãos leves em algumas pessoas...exatamente como o Ricardo descreveu!

Marcelo Lopes
Marcelo LopesPermalinkResponder

Vi dois golpes em Milão, em frente à Catedral. Era um grupo de africanos, que davam cobertura uns aos outros.
No primeiro, eles ficavam ostensivamente oferecendo uma fitinha (como a do Senhor do Bomfim), dizendo que era de graça, se a pessoa não quisesse não precisava ficar. Insistiram tanto que uma americana acabou aceitando. Então o sujeito colocou a fitinha, mas amarrou nós em cima de nós. A fita ficou de tal maneira, que só sairia cortada com tesoura. Foi aí que o sujeito disse que não podia cortar, que ou ela comprava a fitinha ou desamarrava os nós.

Ao mesmo tempo, um outro se aproximou de um oriental que estava sozinho e tirando fotos da Catedral com uma câmera profissional. Então o sujeito se ofereceu para tirar uma foto dele com a Catedral ao fundo. E não é que o oriental deu a câmera pro sujeito! E por incrível que pareça, o sujeito não saiu correndo com a câmera, mas em compensação exigiu 10 euros para devolver a câmera, alegando que era por ter tirado a foto.

VaneZa NarciSo

O perigo mora no descuido.
Em Lisboa no ponto pra pegar o eletrico pro castelo de são jorge vi a policia pegando uma turminha que estavam assaltando.
Em Paris vi o golpe do anel, já tinha lido e não cair.
Em Barcelona me hospedei no bairro gótico, que não tem boa fama , mas não vi anormalidade, ao contrário vi familias passeando tarde da noite com seus pequenos.
Sempre próximo das estações haverá mal intencionados, todo cuidado é pouco.
Informação é proteção e esse post é de utilidade pública.
Sempre viajo sozinha aqui no Brasil e no exterior, portanto não descuido!

Mage Santos
Mage SantosPermalinkResponder

Artigo corretíssimo! A segurança aqui é mesmo isso. Mesmo eu, que sou residente em Milao, não dou bobeira no metro. Creio que eles prefiram turistas e ficam ligados quando as pessoas falam outras línguas, mas aqui a maioria dos roubos são no metro, cometidos por garotas bem vestidas, do leste europeu... Existe uma gang, administrada por um chefe. Eles aliciam garotas gravidas, assim a policia prende mas tem que soltar.
Outra coisa para ficar ligado aqui, são os ciganos que ficam perto das maquinas que vendem bilhetes do metro e oferecem ajuda.
A estação central de trem também é um lugar bem complicado. Geralmente, não existe abordagem, violência. Quase sempre as pessoas so percebem o furto depois.

Carol/SC
Carol/SCPermalinkResponder

Em Munique a sensação é de segurança total. Nem à noite no metrô com poucas pessoas na estação sentíamos medo.
De lá fomos para Paris e sentimos a diferença quando chegamos: pedintes na rua em Saint Germain, mendigos dormindo na estação de metrô, vendedores insistentes na Torre Eiffel...Isso tudo nos deixou um pouco inseguros, mas, ao contrário de muitos relatos, em 07 dias não sofremos nem vimos qualquer tentativa de golpe, nem em Montmartre.
Acho que a sensação de insegurança em Paris foi mais pelo contraste com Munique, pois andamos tranquilamente por Paris, inclusive à noite e com câmera no pescoço sem problemas. O que não quer dizer que não tomamos alguns cuidados: cópia de passaporte, VTM e dinheiro iam no money belt. Na mochila, só água, casaco e coisas de pouco valor.

Robson Campos
Robson CamposPermalinkResponder

Vejo que a maioria ainda confunde muito assalto com furto.

Geralmente na europa é tudo furto, mas já vi relatos de assalto também principalmente em PARIS.

Já faz um certo tempo a Ruth Escobar foi assaltada quando entrava em um hotel em Paris e ainda levou uma facada basta procurar no google para ler a notícia.

Estive em Londres o ano passado fiquei na Aldgate East, no IBIS LONDON CITY, me senti bem e super seguro ali naquela área.

Andando mais por londres estava circulando na carnaby street uns 5 kms de onde estava, e já vi um africano sendo preso era pickpocket. Já percebi que no centrão de Londres era barra pesada.

Tirei até foto da prisão do pickpocket:

http://img40.imageshack.us/img40/141/47j.JPG

Gostei de ver que a Polícia Londrina é atuante bem diferente da Itália.

Perto dali também vi um africano me seguindo, já fiquei ressabiado, pois não sei se seria furto ou um assalto.

Entrei num supermercado para pegar um leite, aí o cara entrou junto e me olhou da cabeça aos pés, eu estava com um sobretudo e meu óculos rayban pendurado na frente. Eu olhei bem para cara dele, sou faixa preta de hapkido, e já pensei se vier vou derrubar, aí o cara acho que pressentiu que ia ter treta e foi embora.

Então tem muito folclore pensando que a europa é segura eu particularmente não vejo esta segurança que falam.

A ITÁLIA estou achando bem perigosa muitas gangues, isso não é coisa boa podem acuar uma pessoa que está sozinha e não sabe se defender.

A polícia Italiana não faz nada ou niente como parlam, vi um vídeo no youtube que um carabinieri dentro da viatura até ri do turista que caiu num golpe, sorte ainda que foi um golpe. Ao invés de abrir um B.O e apurar os fatos ficou no seu comodo dolce far niente.

O golpe da falsa polícia que relataram aí acima, é manjado se isso acontecer comigo vai ficar crítico o negócio, só mostro minha carteira e passaporte se tiver 2 ou 3 viaturas senão nada feito.

Polícia nenhuma ou nessuna nunca me parou na Europa não vai ser agora que irão parar ainda mais na itália onde é tutto dolce far niente.

Estou indo para a Itália o ano que vem, por que ganhei uma passagem, mas confesso que perdi o tesão, pois para mim é um lugar muito perigoso bem mais do que imaginava.

Irei ficar duas semanas e quero rodar por lá, mas estou achando bem inviável quero ir na cinque terre e vi que tem uma gangue nos trens.

Não gosto destas gangues isso me cheira mal, se a polícia prestasse limpava isso de lá são coniventes com pequenos furtos e até algo mais que deve acontecer e não relatam.

Estou montando um plano de guerra para ir, pois sou especialista em segurança e não gosto do modus operandi destes "FURTOS" que ocorrem na Itália.

Vivo em São Paulo e nunca fui assaltado, já tentaram me furtar no largo da concórdia no Brás um falso aleijado, esbarrou em mim, e socou o dedo na minha carteira que estava no bolso da frente da calça jeans. Dedo pesado por sinal, aí meu instinto me fez reagir instantaneamente dei uma chave no seu dedo, poderia ter quebrado o dedo dele, mas o empurrei contra a parede.

Hoje quebraria sem pestanejar o dedo de qualquer um que socasse as mãos no meu bolso isso é legítima defesa.

Achei este ótimo site com dicas tem até um monotripé para vc mesmo tirar suas fotos eu já comprei o meu no Ebay.

http://www.mochileiros.com/dicas-seguranca-t48386.html

Queria curtir a viagem numa boa, mas vi que não vai dar para relaxar.

Enfim, acho que quem vai viajar para a Europa principalmente sozinho (Itália,França e Espanha) é bom treinar um pouco de defesa pessoal sinto que lá a coisa não é brincadeira desemprego muito alto e gente chegando da lampedusa todos os dias.

Quando estiver lá irei fazer um relato diário sobre tudo que ver penso em montar um blog de segurança.

Daniel
DanielPermalinkResponder

Nossa, vc parece ser muito chato e arrogante!
Se o cara só te seguiu, como sabia que era africano?
Muito nhenhenhé nesse seu texto...

Robson Campos
Robson CamposPermalinkResponder

Bom se é besteira para vc para mim e outros não é.

Acredito que no seu mundo virtual nada aconteça.

Agora para mim e outros que estamos na pista tudo é possível.

Abcs,

Rafael Victor
Rafael VictorPermalinkResponder

Cara, não viaja na paranóia hehehehehehhehehe Como relatei acima, passei 23 dias na Itália e a única oportunidade em que senti algo próximo de um furto foi com as caras da fitinha ai (africanos) em frente ao Castelo Sforzesco, em Milão. Como eu morei em Salvador, mandei i cidadão passear e nem dei trela.

Repito, quem mora no Brasil, especialmente em grandes cidades (eu morei em Salvador e hoje moro em São Paulo) não tem de ter qualquer paranóia com a maioria das viagens internacionais. A Europa continua bem mais segura que o Brasil, assim como grande parte da América do Sul, aqui incluso Buenos Aires.

Robson Campos
Robson CamposPermalinkResponder

Damares Lombardo, por favor você poderia citar quais são estas duas ruas em milão que não são seguras.

Afinal estamos falando de segurança e seria muito bom todos ficarem sabendo.

Abcs.

Bia
BiaPermalinkResponder

Atenção! Em Roma os taxistas também usam o golpe de trocar a cédula. Ao fim de um trajeto de 47 euros dei uma nota de 50. Ele virou pra frente rapidamente e voltou-se com uma nota de 10, dizendo que eu havia me enganado. Na hora fiquei confusa (a cor das notas é parecida...) e dei outra de 50!!! De volta ao hotel, contei o dinheiro que sobrou e vi que, da primeira vez, tinha dado 50 mesmo.
Pegamos o taxi no Vaticano, no ponto que fica em frente à basílica.
Fiquem atentos a esses golpistas profissionais, travestidos de trabalhadores!

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia de férias. Só voltaremos a responder perguntas que forem postadas a partir de 3 de junho. Relatos e opinões continuarão sendo publicados.
Cancelar