Europa: como lidar com a insegurança? 1

Europa: como lidar com a insegurança?

Hotel na Gare de l'Est, Paris

Dá para viajar para a Europa com tanto terrorismo?

O recente alerta de viagem emitido pelo Departamento de Estado americano em 1º de maio de 2017, alertando os turistas americanos para os perigos de uma viagem à Europa, confirma: não é só você que está paranóico com terrorismo. Até hoje esse tipo de alerta era reservado para destinos conturbados, como o Egito (ou o Brasil).

O problema é que temos aí o roto falando do esfarrapado: os Estados Unidos, além de alvo de atos isolados de terrorismo (lembre-se da maratona de Boston e das recentes explosões malfadadas em Nova York), também sofre com a praga dos atiradores solitários — o caso mais recente foi a boate gay de Orlando.

Se bem que… quem somos nós para falar? Morar no Brasil ainda é muitíssimo mais perigoso do que passar férias em Paris. A probabilidade de você ser envolvido num atentado terrorista não é muito maior da probabilidade de o seu avião cair (toc toc toc). Qualquer um de nós está mais sujeito a desenvolver trombose durante um vôo ou se envolver num acidente de carro durante a viagem do que estar no lugar onde explodam a próxima bomba.

Deixar de viajar à Europa por causa de terrorismo é como não viajar à Califórnia ou ao Chile por medo de terremoto (podem acontecer a qualquer momento e fazem efeito em áreas muito maiores). Acredite: fazer passeio de bugue ‘com emoção’ em Natal é mais perigoso que visitar Istambul.

De todo modo, é como eu sempre digo: o único conselheiro que realmente conta é o travesseiro. Viajar serve para alimentar sonhos (antes) e relaxar (durante). Se uma viagem está tirando o seu sono, é porque você não deve fazer.

Europa: outras questões de segurança

Antes dos atentados, as perguntas que apareciam aqui no site sobre segurança na Europa normalmente eramassociadas a hospedagem. A região tal é perigosa? Dá para sair sozinha à noite?

A questão da insegurança na Europa é que ela não está onde imaginamos que esteja.

Entornos de estações ferroviárias, bairros habitados por colônias de imigrantes, ruas que ficam ermas à noite — tudo isso parece inseguro, tudo isso traz sensação de insegurança, mas é muito mais seguro do que aparenta. Não existe a cultura de violência que esperamos desse tipo de ambiente no Brasil. Não há lugares “barra pesada” nas regiões centrais das cidades (a não ser que estejam ocupados por drogados).

Os larápios da Europa, tanto nativos quanto importados, agem à luz do dia, em aglomerações, em momentos que você esteja distraído ou aberto à interação.

Ou seja: o perigo não mora naquelas três quadras que você vai percorrer à noite entre o metrô e o seu hotel, com a antena ligadíssima ao menor movimento suspeito. O perigo mora na maior atração turística da cidade, debaixo do sol, quando você está com as duas mãos ocupadas segurando a câmera e seu olhar está atento apenas no enquadramento da foto. Ei, cadê minha carteira que tava no bolso de trás?

4 tipos de lugar em que você não deve bobear:

1. Dentro de estações de trem e aeroportos

Ao desembarcar, não dê trela a ninguém que venha oferecer transporte. É pirata. Todos os aeroportos e estações ferroviárias têm pontos oficiais de táxi. Procure a sinalização, entre na fila.

Antes de embarcar, nunca deixe nenhum item de bagagem de bobeira; ele pode desaparecer. Dispense qualquer papo com quem se aproxime para perguntar ou pedir coisas — sobretudo se estiverem em dupla (espertinhos trabalham em equipe: um distrai, o outro subtrai).

2. No transporte público

Metrô e ônibus são os ambientes de trabalho favoritos dos batedores de carteira. Não carregue nada nos bolsos de trás. Ao entrar e sair do vagão, mantenha a mão dentro do bolso onde está seu dinheiro. Use mochila e bolsa à sua frente. Para total paz de consciência, guarde cartões de crédito/débito/identidade na doleira. (Deixe o passaporte no cofre do hotel!)

3. Nas atrações turísticas

Junte as recomendações do transporte público com as do embarque na estação de trem: tenha cuidado com bolsos e bolsa, e não dê trela para quem venha puxar papo ou pedir informação. As atrações mais visitadas são o playground natural dos golpistas — deixe para fazer amigos em lugares menos turísticos.

Em Roma e em Barcelona, tome cuidado também nas ruelas onde passem motos — como há trombadinhas motorizados, use bolsa e cãmera a tiracolo, voltadas para o lado do comércio, não da rua.

4. Nos estacionamentos e postos de gasolina

Nunca deixe bolsas, sacolas ou malas à mostra. Há quadrilhas especializadas em arrombar carros ou em subtrair malas do banco de trás enquanto você está abastecendo.

Leia mais:

147 comentários

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.