Patagônia: como se deslocar entre os destinos (de avião, ônibus e barco)

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

El Calafate

A Patagônia é imensa. Começa numa região que nós, brasileiros, nem chamamos de Patagônia: Bariloche, Villa La Angostura, San Martín de Los Andes (na Argentina) e os Lagos Andinos (no Chile) já fazem parte do território patagônico. De Bariloche a Ushuaia, na ilha de Tierra del Fuego, são 2.200 km -- a mesma distância entre Brasília e Porto Alegre (e só um pouquinho maior do que o trajeto do Rio a Montevidéu).

Programar um pinga-pinga pela Patagônia requer calma: o dia da chegada em cada lugar normalmente é um dia perdido, porque é difícil se encaixar em algum passeio imediatamente. (Aproveite para agendar os passeios dos próximos dias.) As conexões de ônibus dificilmente são imediatas; é provável que você precise dormir uma noite na escala. Lugares que dependem de boa visibilidade para valerem a pena -- como Torres del Paine e El Chaltén, cujas montanhas mais célebres passam mais tempo cobertas por nuvens do que em perfeitas condições de avistamento -- requerem uma permanência mais longa para não frustrar a viagem. Pense em pelo menos três ou quatro dias por parada, para dar tempo suficiente de se encaixar nos passeios. Se quiser fazer uma viagem pá-pum, com a logística toda azeitada, compre um pacote de alguma boa operadora de ecoturismo.

Este post tem duas partes. Primeiro, dou uma geral nos tipos de transporte. Rolando a página tem um apanhado sobre todas as opções de transporte coletivo entre os principais destinos.

De carro

As longas distâncias, as estradas ermas, a paisagem mais que monótona, a escassez de postos de gasolina, os eventuais trechos de cascalho e a falta de sinal de celular fazem de qualquer viagem de carro abaixo da região de Bariloche e Lagos Andinos uma aventura. Esses percursos têm mais a ver com rali do que propriamente com turismo. Por isso, viagens de carro pela Patagônia austral é um assunto que não tratamos aqui no Viaje na Viagem.

Tenho convicção de que foruns de jipeiros são canais mais adequados para discutir estratégias, riscos e cuidados inerentes a esse tipo de viagem.

De avião

Trelew, El Calafate, Ushuaia e Punta Arenas têm aeroportos que operam o ano inteiro, com vôos às capitais Buenos Aires e Santiago.

Não há vôos internacionais ligando destinos da Patagônia argentina à Patagônia chilena.

Na temporada, a Aerolíneas Argentinas tem vôos domésticos entre alguns destinos argentinos (El Calafate-Trelew, El Calafate-Ushuaia, Trelew-Ushuaia, Trelew-El Calafate, Bariloche-El Calafate).

No Chile, há vôos entre Puerto Montt e Punta Arenas, e entre Punta Arenas e Puerto Williams, do outro lado do canal de Beagle, em frente a Ushuaia.

Para 2016, a Latam anunciou a rota sazonal Santiago-Puerto Natales. Vai operar de dezembro a fevereiro (as vendas começam em 27 de julho de 2016).

De ônibus

Para quem gosta de estrada e tem tempo de sobra, dá para cobrir toda a região de ônibus. Mas entenda que as saídas são esparsas (não conte com mais de um ônibus por dia) e as conexões dificilmente serão imediatas. Nem sempre dá para comprar pela internet; quanto mais para o sul você vai, mais acaba tendo que recorrer à bilheteria da rodoviária.

A cidade de Río Gallegos funciona como um hub para os destinos mais austrais da Argentina.

Note que não há estrada entre Puerto Montt, nos Lagos Andinos, e a região de Puerto Natales/Punta Arenas, no extremo sul do Chile. A Carretera Austral vai só até Villa O'Higgins.

De barco

Há duas rotas regulares de cruzeiros que são interessantíssimas.

A Navimag opera ferries de carga que levam passageiros na temporada (outubro a março) entre Puerto Montt e Puerto Natales, perto de Torres del Paine, numa viagem de 3 dias e meio.

E a cia. Australis, entre setembro e março, opera um excelente e confortabilíssimo cruzeiro entre Ushuaia e Punta Arenas, em viagens de 3 ou 4 dias (ida) ou 7 dias (ida e volta, por itinerários distintos).

Além delas, não dá pra não citar o Cruce de Lagos, que faz a travessia de três lagos entre Bariloche, na Argentina, e Puerto Varas, no Chile.

De Buenos Aires:

Argentina

De Bariloche:

Llao Llao, Bariloche

De Trelew/Península Valdés:

Península Valdez

De El Calafate:

El Calafate

De El Chaltén:

De Ushuaia:

Ushuaia

  • A Punta Arenas: 11h de ônibus (Bus Sur, Buses Pacheco) ou 25 min de barco a Puerto Williams (Ushuaia Boating) + 1h15 de avião a Punta Arenas (Dap) ou 3 dias com o cruzeiro Australis
  • A El Calafate: 1h15 de avião (Aerolíneas, sazonal) ou 12h de ônibus a Río Gallegos (Taqsa/Marga) + 4h de ônibus a El Calafate (Taqsa/Marga)
  • Leia sobre Ushuaia

De Santiago:

Chile

  • A Puerto Montt/Puerto Varas: 1h45 de avião (Latam, Sky) ou 13h de ônibus (Pullman, TurBus, Condor)
  • A Punta Arenas: 4h30 de avião (Latam, Sky)
  • A Puerto Natales: 4h de avião direto (na temporada, entre dezembro e fevereiro, com Latam) ou 4h30 de avião a Punta Arenas (Latam, Sky) + 3h de ônibus a Puerto Natales (Buses Fernández, Buses Pacheco, Bus Sur).
  • Leia sobre Santiago

De Puerto Montt/Puerto Varas:

Osorno visto de Puerto Varas

De Puerto Natales (Torres del Paine):

Torres del Paine

De Punta Arenas:

Punta Arenas

76 comentários

Wilza
WilzaPermalinkResponder

Olá... você acha que é viável ficar hospedado em Puerto Natales para visitar o Parque Torres del Paine ou seria melhor ficar hospedado dentro do parque? Muito obrigada pelo retorno.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Wilza! Para fazer curcuitos guiados, de ônibus de tour, dá para se hospedar em Natales.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar