Primeira viagem ao Peru: Lima, Cusco, Vale Sagrado e Machu Picchu (roteiro para 9 noites)

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Primeira viagem ao Peru: hotel Unaytambo, Cusco

Esta é a primeira parte de um roteiro prático para sua primeira viagem ao Peru: 9 noites entre Lima, Cusco, Vale Sagrado e Machu Picchu.

Recomendo que você leia o post inteiro. Mas se preferir, clique para ir direto ao tópico:

Primeira viagem ao Peru

Por que 9 noites? Não dá para ser menos?

Primeira viagem ao Peru: Lima

Lima

9 noites de viagem ao Peru permitem rentabilizar ao máximo uma semana de férias -- saindo na sexta e voltando no outro domingo. Com oito dias inteiros (já que o primeiro vai ser consumido na viagem de ida), dá para visitar com bastante proveito Lima, Cusco, o Vale Sagrado e Machu Picchu, num roteiro intenso mas sem correria.

Quer incluir outras escalas?

Caso você queira fazer o circuito completo do sul do Peru nesta viagem, acrescente 3 noites em Ica (uma tarde para Huacachina, 1 dia para tour de pisco, 1 dia para Islas Ballestras), 1 noite em Nasca (para sobrevoar as linhas de Nasca na manhã seguinte), 2 noites em Arequipa (acrescente mais 1 noite no Valle del Colca, se quiser visitar o vale) e 2 noites em Puno (para ter um dia inteiro livre para o passeio pelo Titicaca).

Para incluir apenas Nasca entre Lima e Cusco, veja aqui.

Primeira viagem ao Peru: itinerário para 9 noites

Este é o resumo do roteiro. Cada etapa (Lima, Cusco + Valle Sagrado, Machu Picchu) é detalhada em posts separados.

3 noites em Lima

Com 3 noites em Lima você resolve as questões práticas (chip, câmbio, eventualmente passagens de ônibus), tem tempo para passear pela cidade, saborear a culinária peruana e aproveitar as duas horas de fuso horário atrasado (a seu favor) para se recuperar da viagem de vinda e chegar descansado em Cusco.

3 noites em Cusco

Com 3 noites em Cusco você tem dois dias para explorar a cidade sem pressa, e mais um dia para passear fazer um bate-volta a Pisaq. E ainda ganha três noites para curtir os restaurantes e bares do centro histórico.

1 noite em Ollantaytambo

Dormindo 1 noite em Ollantaytambo, você visita a vila de Chinchero, o sítio arqueológico de Moray e as salinas de Maras no caminho desde Cuco. Na manhã seguinte, passeia pelo arqueológico de Ollantaytambo livre de turistas. E à tarde segue a Aguas Calientes (Machu Picchu Pueblo).

1 noite em Aguas Calientes (Machu Picchu Pueblo)

Você vai chegar a Aguas Calientes (ou Machu Picchu Pueblo), a base mais próxima de Machu Picchu, ao entardecer. Instale-se e durma cedo, para no dia seguinte cedinho pegar um dos primeiros ônibus a Machu Picchu.

Visita a Machu Picchu e noite final em Cusco

Depois de fazer o gran finale da viagem em Machu Picchu, você volta a Cusco e capricha no jantar de despedida do Peru.

Pesquise seguro de viagem com nosso parceiro Allianz Travel

Machu Picchu antes de Cusco não seria melhor por causa da altitude?

Primeira viagem ao Peru: Machu Picchu

De fato, Machu Picchu, a 2.400 metros do nível do mar, é bem menos elevada que Cusco, que está a 3.400 metros. Por isso, o soroche, ou mal de altitude, é menos comum em Machu Picchu do que em Cusco. Saindo direto do aeroporto de Cusco para Machu Picchu é possível não sentir os efeitos da altitude na chegada.

O problema dessa estratégia é que ela apenas adia o mal-estar para quando você vier de Machu Picchu para Cusco -- o fato de sair já de 2.400 metros não anula o impacto da altitude de 3.400 metros de Cusco.

Ir a Machu Picchu antes de Cusco também estraga a seqüência do itinerário -- é como iniciar o jantar pela sobremesa. No nosso roteiro, Machu Picchu funciona como o gran finale de uma viagem gradual ao passado. Você começa no Peru moderno (Lima), passa pelo Peru colonial (Cusco), visita resquícios de sítios arqueológicos (em Pisaq, Moray, Ollantaytambo) e termina na mais majestosa cidadela preservada (Machu Picchu).

Quando ir ao Peru

Primeira viagem ao Peru: mercado de Surquillo, Lima

Mercado de Surquillo, Lima

Lima pode ser visitada o ano inteiro.

A região de Cusco e Machu Picchu, no entanto, tem uma época desaconselhável: no verão, entre dezembro e fevereiro, chove muito. Nos anos mais chuvosos, a estrada de ferro chega a ficar interditada.

Para aproveitar melhor o seu tempo e o seu investimento, programe esta viagem entre abril e setembro. Nesses meses, vá preparado para temperaturas abaixo de 10ºC à noite e de manhã cedinho; mas nos dias de sol, que são maioria no meio do ano, as máximas podem chegar perto dos 20ºC no início da tarde.

Dentro da alta temporada, os meses mais disputados em Machu Picchu são julho e agosto, por conta das férias escolares na Europa. Maio e setembro são um pouco mais tranqüilos.

Machu Picchu num feriadão. É possível?

Possível é -- mas não é recomendável. O dia da ida e o da volta são praticamente perdidos (sobretudo quando você vai ou vem direto de Machu Picchu). Complicando mais as coisas, tem o fator altitude, que sempre compromete o dia da chegada a Cusco. Se você quer mesmo usar um feriadão para viajar ao Peru, vá a Lima -- é possível até encaixar uma (supercansativa!) esticada a Nasca. Mas só vá a Cusco e Machu Picchu se você dispuser de cinco dias inteiros -- idealmente, 6 -- para explorar o essencial da região.

Como comprar a passagem aérea

Primeira viagem ao Peru: Andes

Compre uma passagem única, na modalidade "múltiplos destinos" ou "várias cidades", com três trechos:

  • Trecho 1: Brasil-Lima
  • Trecho 2: Lima-Cusco
  • Trecho 3: Cusco-Brasil

Isso pode ser feito com um agente de viagem, em agências online e buscadores, como o Kayak, ou diretamente nos sites da Latam e da Avianca.

A modalidade "múltiplos destinos" ou "várias cidades" rentabiliza todo o percurso e vincula os dois vôos que compõem a volta (Cusco-Lima e Lima-Brasil), garantindo a conexão ou, no caso de atraso do primeiro vôo, a assistência da cia. e reacomodação num outro vôo sem custo extra (leia mais aqui). Isso é muito importante, porque o aeroporto de Cusco fecha com freqüência, por qualquer problema meteorológico. Se o aeroporto fecha, seu vôo atrasa e sua passagem não é vinculada, você vai ter que comprar outra passagem (ou no mínimo pagar multa e diferença tarifária) para conseguir um novo vôo em Lima.

Além disso, a modalidade múltiplos destinos/várias cidades rentabiliza ao máximo a tarifa paga -- na maioria das vezes, você incluirá Cusco praticamente pelo preço de uma passagem Brasil-Lima-Brasil.

Por isso, resista a comprar passagem ponto a ponto Brasil-Lima-Brasil (sem Cusco), mesmo que esteja em promoção. Os trechos internos Lima-Cusco e Cusco-Lima podem sair bem mais caros do que você imagina, e a conexão da volta vai ser super estressante -- já que os vôos não estarão vinculados no mesmo bilhete, e se o primeiro vôo atrasar, você pode perder o segundo, tendo então que remarcar a passagem com multa e diferença tarifária (mesmo que o segundo vôo seja feito pela mesma cia. do primeiro).

Normalmente, quando há promoções a Lima, as mesmas condições valem para Cusco. Sempre pesquise na modalidade múltiplos destinos/várias cidades.

Da mesma forma, não emita passagem com milhas só até Lima. Emita com ida a Lima e volta de Cusco, e veja se consegue emitir também Lima-Cusco com milhas.

Vai passar por Ica, Nasca, Arequipa e Puno?

Se quiser fazer o circuito inteiro do sul do Peru, continue a passagem aérea na modalidade múltiplos destinos/várias cidades, mas apenas dois trechos:

  • Trecho 1: Brasil-Lima
  • Trecho 2: Cusco-Brasil

Faça os trajetos internos de ônibus (com a Cruz del Sur).

Quer ir apenas a Puno antes de Cusco?

Para incluir apenas Puno neste roteiro, compre a passagem aérea na modalidade múltiplos destinos/várias cidades, com 3 trechos:

  • Trecho 1: Brasil-Lima
  • Trecho 2: Lima-Juliaca (o aeroporto mais próximo de Puno)
  • Trecho 3: Cusco-Brasil

Faça o trajeto Puno-Cusco de ônibus (com a Cruz del Sur).

Os melhores vôos para cumprir este roteiro

As dificuldades da Avianca

Depois de ver falir a sua subsidiária brasileira, chegou a vez da Avianca internacional (ou Avianca Holdings) enfrentar problemas contábeis. Grandes prejuízos obrigaram a cia. a cortar rotas e a se reestruturar -- inclusive com mudança de gestão.

A situação já esteve mais preocupante, mas em setembro de 2019 a Avianca obteve sucesso numa operação de alongamento da dívida com seus principais credores -- evitando assim a necessidade de entrar em recuperação judicial.

O noticiário sobre a Avianca já mudou de tom, e está mais otimista. Mas não dá para desconsiderar a situação da cia. na hora de comprar sua passagem. Se você não quer precisar acompanhar as notícias de aviação para se informar da situação da cia. com que vai voar ao Peru, escolha a Latam.

Saindo de São Paulo

Se puder sair na sexta, escolha o vôo Latam com saída de São Paulo às 19h35 (chegada em Lima às 22h55). Siga a Cusco na segunda-feira no vôo Latam das 10h44 (chega ao meio-dia em Cusco). Volte a São Paulo no Latam das 9h30 de Cusco a Lima (chegada às 10h57), com conexão para o vôo Latam que sai às 13h29 e chega em São Paulo às 20h30.

Caso só possa sair no sábado, pegue o vôo Latam das 7h20 (chegada em Lima às 10h50); os outros vôos permancem os mesmos.

Voando Avianca, saia no sábado no vôo das 6h (chegada em Lima às 8h55). Na segunda-feira, siga a Cusco no vôo Avianca das 14h (chegada em Cusco às 15h20). Volte no domingo no vôo da Avianca das 16h15, que faz conexão com o vôo Avianca que sai de Lima às 21h10 e chega em São Paulo às 5h20 da madrugada de segunda. (Leia sobre as dificuldades da Avianca.)

Saindo do Rio de Janeiro

Para sair na sexta, você precisa matar o serviço à tarde e pegar o vôo Latam que sai às 15h30 do Galeão para São Paulo e faz conexão com o vôo Latam São Paulo-Lima das 19h35 (chegada em Lima às 22h55). Siga a Cusco na segunda-feira no vôo Latam das 10h44 (chega ao meio-dia em Cusco). A volta também é bem chata, com saída de cusco no vôo Latam das 5h32 (que chega às 6h59 em Lima), continuando a São Paulo no vôo que sai às 9h14 (e aterrissa às 16h25), para por fim pegar o terceiro vôo ao Rio de Janeiro que sai às 18h35 (e chega ao Galeão às 19h40).

O melhor esquema com partida do Rio de Janeiro é voando Avianca, a única cia. que tem rota direta a Lima e vai também a Cusco. Saia no sábado no vôo Avianca das 5h50 (chegada em Lima às 9h15). Prossiga na segunda a Cusco no vôo Avianca das 14h (chegada às 15h20) e volte domingo no vôo Avianca Cusco-Bogotá das 16h05 que faz conexão com o vôo direto da Avianca Bogotá-Rio das 21h15, direto ao Rio, chegando às 5h30 da madrugada da segunda. (Leia sobre as dificuldades da Avianca.)

Saindo de Porto Alegre

Quem sai de Porto Alegre também deve aproveitar a rota direta da Avianca. Saia no sábado, no vôo Avianca das 6h25 (chegada em Lima às 9h15). Siga na segunda a Cusco no vôo Avianca das 14h (chegada às 15h20) e volte domingo no vôo Avianca das 10h05, que permite que você passeie à tarde por Lima e volte no vôo das 22h50 direto a Porto Alegre, chegando às 5h35 da manhã de segunda. (Leia sobre as dificuldades da Avianca.)

Precisa vacina contra febre amarela para ir ao Peru?

Por enquanto, não precisa.. O Peru é um dos únicos países da América Latina que não exigem a vacina de brasileiros. Mas isso pode mudar a qualquer momento. Se você tem intenção de viajar a países latino-americanos nos próximos anos, consulte seu médico e veja se você pode ser vacinado. Se puder, meu conselho é vacinar-se -- tanto para estar protegido da doença no Brasil como para não ter problemas nas viagens. Se você não puder se vacinar por razões de saúde, seu médico pode emitir um certificado internacional de isenção da vacina.

Lembre-se que a vacina só vale depois de 10 dias; se o Peru passar a exigir a vacina amanhã e a sua viagem estiver marcada para dali a oito dias, não será aceita no dia da viagem e você precisará remarcar. Veja como vacinar-se e tirar o certificado internacional (ou o de isenção) .

Como comprar o ingresso para Machu Picchu

Desde 2011, obedecendo a determinação da Unesco, a cidadela de Machu Picchu passou a receber no máximo 2.500 visitantes por dia. Por isso é importante comprar seu ingresso com antecedência, pelo site MachuPicchu.gob.pe.

O site foi reformulado em janeiro de 2019 e não tem mais versão em português. A versão em inglês costuma aparecer automaticamente para estrangeiros. Se você preferir comprar em espanhol, configure o idioma na barra do alto, à esquerda.

Para iniciar o processo, você precisa escolher uma data. O site vende ingressos para o mês corrente e para os cinco meses seguintes.

A partir de 1º de janeiro de 2019, os ingressos estão sendo vendidos com hora marcada. Há 9 horários disponíveis: a primeira entrada e às 6h, e a última, às 14h.

Os ingressos para estrangeiros custam 152 nuevos soles (algo como US$ 45). Há outras novidades nas regras de visitação; leia aqui.

Além do ingresso simples, há dois outros ingressos disponíveis (com lugares ainda mais limitados) para combinar o circuito da cidadela com o trekking por uma das duas montanhas do complexo. O ingresso Machu Picchu + Montanha Huayna Picchu custa 200 nuevos soles (US$ 60), mesmo preço do ingresso Machu Picchu + Montanha Machu Picchu.

Definido o ingresso, você vai precisar preencher a ficha dos visitantes. No campo de documento, informe o que você vai levar no dia -- pode ser RG ("DNI", em espanhol) ou passaporte.

O pagamento tem uma pegadinha: é preciso usar um cartão de crédito internacional Visa participante do sistema Verified by Visa, ou cartão de crédito internacional MasterCard participantes do sistema MasterCard SecureCode. Estes sistemsa remetem a uma verificação do seu banco emissor (por senha ou token) antes da compra. (Saiba mais sobre esse sistema neste post). Se você ainda não tem um cartão Verified by Visa ou MasterCard SecureCode, vale a pena fazer um -- cada vez mais sites internacionais estão usando o sistema.

Se você estiver no Peru, pode anotar o código da reserva e terá três horas para pagar por boleto numa agência do Banco de La Nación ou em postos específicos em Cusco e Aguas Calientes. Esta alternativa não é recomendável porque é bastante arriscado deixar para comprar o ingresso ao parque só no Peru (sobretudo na alta temporada entre maio e setembro).

Uma vez comprados, imprima os ingressos e leve com você.

Vale a pena incluir a Montanha Huayna Picchu?

A Machu Picchu que está na sua cabeça pode ser visitada em sua plenitude com o ingresso simples. O passeio com calma, percorrendo toda a cidadela, requer três horas, com subidas e descidas, muitas vezes debaixo do sol. É um passeio maravilhoso, porém naturalmente exaustivo.

Quando você inclui uma subida a uma das montanhas -- seja à Huayna Picchu, seja à Montanha Machu Picchu -- você acrescenta de três a quatro horas de esforço físico à sua visita. Sinceramente, não acredito que a relação sacrifício x benefício seja boa.

De todo modo, há três casos de visitantes que devem considerar comprar o ingresso com trilha:

  • Trekkistas, andarilhos, fãs de turismo-aventura
  • Quem gostaria de ter feito a Trilha Inca mas não tem tempo ou fôlego para tanto
  • Quem vai fazer a visita em dois dias consecutivos

Leia mais sobre isso, incluindo opiniões divergentes de leitores, neste post.

Como comprar a passagem de trem

A não ser que você chegue a Machu Picchu pela Trilha Inca, vai precisar pegar o trem até Aguas Calientes (oficialmente, Machu Picchu Pueblo), a cidadezinha de onde partem os microônibus que levam ao santuário de Machu Picchu.

Há três pontos de partida do trem:

  • San Pedro, uma estação em Cusco, que foi reativada em maio de 2019
  • Poroy, uma estação a 25 minutos de táxi de Cusco, de onde saem trens da Peru Rail
  • Ollantaytambo, uma cidade do Vale Sagrado a 2h de carro ou van de Cusco

Saindo de Cusco, a viagem até Aguas Calientes vai levar em média 4 horas, por qualquer uma dessas rotas (táxi a Poroy + trem a Aguas Calientes, ou van a Ollantaytambo + trem a Aguas Calientes).

Se você seguir o meu roteiro, vai pegar pegar o trem em Ollantaytambo. O percurso de ida de Cusco a Ollantaytambo vai ser aproveitado para fazer paradas pelo Vale Sagrado (como você verá neste post).

Duas cias. operam na ferrovia: a PeruRail, do grupo Belmond (antigo Orient-Express) e a Inca Rail.

As duas cias. oferecem vagões com diferentes níveis de conforto. Os preços são por trecho (só ida ou só volta) e variam conforme dia e horário da viagem.

Primeira viagem ao Peru: trem PeruRail Expedition

PeruRail: trem Expedition

Na PeruRail, o vagão menos caro é o Expedition (US$ 75 Poroy-Aguas Calientes, desde US$ 70 Ollanta-Aguas Calientes). Na Inca Rail, a classe mais barata é a The Voyager, que tem tarifas a partir de US$ 70 (Ollanta-Aguas Calientes).

Primeira viagem ao Peru: trem Vistadome PeruRail

PeruRail: trem Vistadome

Os vagões mais panorâmicos da PeruRail (e com melhor serviço de bordo) são os VistaDome (desde US$ 115 San Pedro-Aguas Calientes, US$ 105 Poroy-Aguas Calientes, US$ 95 Ollanta-Aguas Calientes). A classe equivalente da Inca Rail seria a The 360° , desde U$ 115 (San Pedro-Aguas Calientes), US$ 105 (Poroy-Aguas Calientes) e US$ 85 (Ollanta-Aguas Calientes).

Primeira viagem ao Peru: Inca Rail First Class

Inca Rail: vagão First Class

A Inca Rail também tem uma First Class com serviço de luxo desde US$ 208 (San Pedro-Aguas Calientes) e US$ 195 (Ollanta-Aguas Calientes).

Se você está achando tudo muito caro, preciso informar que as duas cias. também têm classes AAAA gargalhantes: a PeruRail tem o Sacred Valley Train (desde US$ 195 Ollantaytambo-Aguas Calientes), o Hiram Bingham (desde US$ 540 Poroy-Aguas Calientes) e a Inca Rail, a The Private Machu Picchu Train (um vagão que pode ser fretado entre Ollanta e Aguas Calientes, com preço sob consulta).

Caso você queira seguir este roteiro que eu sugiro, compre da seguinte maneira:

  • ida: Ollantaytambo-Aguas Calientes num trem do início da tarde, com saída entre 13h e 14h. Você chega a Aguas Calientes a tempo de dar uma descansada à tarde (dá para aproveitar as águas termais).
  • volta: Aguas Calientes-Ollantaytambo, Poroy ou San Pedro, também num horário vespertino, com partida umas duas horas depois do horário em que você calcula terminar sua visita a Machu Picchu.

É melhor comprar a volta a Ollantaytambo, Poroy ou San Pedro?

Dá certo dos dois jeitos. San Pedro está no centro de Cusco e garante uma volta mais confortável. Poroy deixa perto de Cusco, mas ainda envolve pegar um táxi para ir ao seu hotel. E a volta por Ollanta não tem perrengue, não: uma frota de vans estará à espera dos passageiros para transportar até Cusco, por 15 soles por pessoa. O tempo de viagem acaba sendo parecido, porque as vans levam ao centro de Cusco (Poroy está a 18 km da cidade).

Que moeda eu levo para o Peru?

Primeira viagem ao Peru: 100 nuevos soles

Não compre soles peruanos no Brasil

Não compre moedas fracas no Brasil em geral. Os valores parecem pequenos, mas na verdade a cotação é bastante desfavorável; a margem de lucro das casas de câmbio nessas moedas é maior do que as margem que auferem ao vender dólar ou euro. Um exemplo: no momento em que escrevo este post, tendo o dólar como parâmetro, o sol está valendo cerca de 15% a mais do que o real. Só que tem corretora vendendo sol 40% mais caro que o real! Os valores podem mudar, mas a diferença nunca compensa. Se você quer ter soles peruanos no bolso desde a chegada, troque 100 dólares na casa de câmbio do aeroporto, junto às esteiras de bagagem. Mesmo com a cotação fraquinha de casa de câmbio de aeroporto, você vai perder menos dinheiro do que comprando soles no Brasil.

Não leve reais para o Peru

Infelizmente essa cotação da regrinha de três entre dólar, sol e real não se confirma na prática, quando você leva seus reais para trocar numa casa de câmbio no Peru. Durante a minha última viagem, meus reais compravam sempre 10% menos soles do que se eu tivesse usado a mesma quantia em reais para comprar dólares no Brasil e trocar por soles no Peru. Sem falar que o real em espécie sofre do mesmo problema do cartão de crédito: pode desvalorizar durante a sua viagem. Os mercados são interligados, e uma desvalorização do real frente ao dólar no Brasil se reflete imediatamente no Peru (ou qualquer lugar do mundo).

Prefere levar dinheiro vivo? Leve dólares

Da mesma maneira que o dólar vale muito no Brasil, vale muito no Peru também. O dólar que você compra aqui mantém o seu poder de compra lá. Apenas tome o cuidado de pesquisar a cotação do dólar aqui, para comprar o dólar menos caro que encontrar. Tome cuidado também para trocar bem o seu dinheiro no Peru. Troque o mínimo possível em aeroportos, nos fins de semana e fora do horário bancário. A melhor cotação é obtida durante em dias de semana, durante o horário bancário. Evite casas de câmbio muito informais; o risco de receber uma nota falsa é bem maior nesses lugares. Por outro lado, seus dólares podem ser aceitos diretamente por vários operadores de passeios, sem precisar ser trocados em casa de câmbio.

Cartões são menos vilões do que parecem

Todo mundo conhece de cor os problemas do cartão de crédito e do cartão pré-pago: ambos sofrem a incidência de 6,38% de IOF, e o cartão de crédito ainda sujeita você à desvalorização do real entre o dia do gasto e o do vencimento da fatura. Permita-me, porém, lembrar as vantagens dos cartões -- sim, elas existem. A maior delas é garantir o câmbio mais justo do sol peruano para o dólar. Usando cartão você não precisa camelar entre casas de câmbio comparando cotações; e a cotação usada para converter os seus gastos não vai variar entre cidades, horários ou dias da semana, e vai ser bastante superior à cotação de qualquer casa de câmbio (com a incidência do IOF, a cotação do cartão acaba entre igual e ligeiramente inferior às melhores casas de câmbio). Outra vantagem é evitar o risco de receber notas falsas. Uma nota de 100 soles falsa que você receba significa mais de 100 reais.

O cartão pré-pago congela o dólar no momento da compra da moeda, mas dá um pouquinho de trabalho para carregar e controlar o saldo. Mas se você tem medo de desvalorização do real, ou tem limite baixo no cartão de crédito internacional, o pré-pago é uma ótima alternativa.

O melhor cartão de crédito atualmente é o da Caixa, porque oferece uma cotação próxima ao dólar comercial e faz a conversão para reais na data de cada compra (o valor não varia até o vencimento da fatura).

Vale a pena fazer saques em caixas automáticos?

O problema dos saques em soles é que, além do IOF de 6,38% brasileiro, você ainda precisa pagar a tarifa de saque do seu cartão e a tarifa de uso do equipamento. Como os valores máximos de saque são baixos, essas tarifas acabam pesando demais no total. Se você for fazer retiradas, a melhor rede é a BCP, que permite retirar até 700 soles (pouco mais de 210 dólares) e cobra 13,50 soles de tarifa (4 dólares -- 2% no saque máximo). A GlobalNet é a pior: deixa retirar no máximo 400 soles (uns 120 dólares) e cobra 14,50 soles de tarifa (4 dólares -- 3,5% no saque máximo). A rede Scotiabank permite retirar até 500 soles; BBVA e Multired, 400 soles. Clientes Santander Select e Citibank, porém, fazem saques isentos de tarifa (mas com IOF de 6,38%), desde que usem as agências próprias desses bancos.

Um bom mix

Divida sua verba para a viagem ao Peru entre dólares vivos e cartão pré-pago ou cartão de crédito. Use os dólares para trocar dinheiro miúdo para o dia a dia e para pagar diretamente pelos passeios. Pague os hotéis com cartão. Dessa maneira você evita precisar trocar grandes quantias em casa de câmbio (diminuindo o risco notas falsas e o volume de dinheiro vivo a transportar).

Cusco

Boa viagem!

Mais Primeira viagem ao Peru:

752 comentários

Andrezza
AndrezzaPermalinkResponder

Muito obrigada!?

eva rocha
eva rochaPermalinkResponder

Valeu pelas dica boas de Lima, ajudou muito, Peru ferias sua linda chega logo.

Daniela Farina

Olá Ricardo, tudo bom? Acabei de fazer minha primeira viagem ao Peru, com meu marido e minha mãe, de 73 anos - mas corpinho e saúde de 65. Seguimos praticamente todas as suas dicas e a viagem foi maravilhosa! Gostaria apenas de acrescentar algumas sugestões, especialmente para as pessoas que forem com essa turma de 70+. Ficamos apenas 1 dia em Lima e fizemos exatamente a sua indicação de roteiro: centro histórico, Antígua taberna Queirolo e Museu Larco - o museu é mesmo sensacional! Pegamos um tour de 1 hora com uma guia do próprio museu (a 10 soles por cabeça, além da entrada), que percorre as 12 principais peças, finalizando na sala erótica. Não somos turistas de pegar guia em lugar nenhum, prefiro sempre fazer o dever de casa, lendo e estudando antes, mas, no Peru, achamos que fez todo o sentido e acrescentou muito à nossa viagem. Em Cusco, muito por causa da minha mãe, que tinha o seu próprio timing de andar, mas devagarzinho, pegamos um tour privado muito bom, indicado pelo nosso hotel (ficamos no Sonesta, na Av. Del Sol, a 5 soles de taxi da Plaza de Armas). A empresa foi a Vladitours, que nos disponibilizou uma van com motorista e guia a 60 dólares por pessoa. É um pouco caro, mas valeu muuuuito à pena! O guia era ótimo e fizemos tudo no nosso tempo - 1 dia pelas ruínas próximas a Cusco, indo até Pisaq e voltando. E, no dia seguinte, fomos para Ollantaytambo, parando nas Salineras, Maras e Chinchero, onde visitamos uma ONG de mulheres tecelãs e compramos coisas lindas, foi espetacular! Sua dica par dormir no El Albergue em Ollantaytambo foi uma das melhores coisas do roteiro: a pousada é mesmo um charme, a comida deliciosa e o ambiente, acolhedor. Deixamos minha mãe descansando lá - para recobrar forças para MachuPIcchu - e fomos visitar o sítio arqueológico no dia seguinte pela manhã, quando está bem mais vazio e com a luz do sol lindíssima... Já em Águas Calientes, depois de pegar o trem VistaDome da Peru Rail, tentamos ir nas piscinas de águas calientes, mas achamos o programa meio "roubada" com muita gente, música alta, nada a ver... Para a visita a MachuPicchu, contratamos um guia indicado pelo hotel (Casa Andina Standard) que também foi bacana. Lá em cima, ficamos muito emocionados e agradecidos à minha mãe, que foi quem teve a ideia dessa viagem. Para os leitores que pensam em levar seu papai ou mamãe, não pensem duas vezes. Basta fazer um roteiro mais tranquilo, com pelo menos 1 ou 2 dias de descanso, que dá tudo certo! Só mais uma coisa: em Cusco descobrimos um restaurante muito bom, Yako, especializado em "culinária das alturas". Fica bem pertinho do Museu Inka e vale muito à pena! Mais uma vez, obrigada por suas dicas, aqui em casa gostamos muito do seu site, é nossa referência para qualquer viagem. Abraços e até a próxima!

Diogo Mourão
Diogo MourãoPermalinkResponder

Para complementar os comentários da Daniela, sou o marido dela, em Aguas Calientes seguimos a dica do restaurante Incontri del Pueblo Viejo. Chegamos cedo, conversamos muito com o garçom-entertener Léo, que queria aprender português, e conhecemos a dona. Todos os pratos estavam excelentes, mas o tiramissu, feito na mesa, foi talvez o melhor que já comemos na vida. Ainda teve cortesia de limoncello feito na casa. Experiência nota 10.
E uma dica para quem for. A oferta de um pisco sauer ou qualquer drink de graça é feita por muitos restaurantes. Não vá pela tentação. São mini-copos pars provar. Ou seja, escolha sem pensar no drink de cortesia. Como o Ricardo Freire, indico o Incintri. Para terminar, quando falamos no Incontri que eles deveriam agradecer ao Viagem
na Viagem porque tinha muito brasileiro lá, disseram que se lembram do Ricardo e pediram o nome do blog.
Abraços e, como disse a Daniela, até a próxima

irismayre
irismayrePermalinkResponder

POR FAVOR ME AJUDEM!!!!!!!!! Não consigo comprar os ingressos para Machu Picchu (e já comprei as passagens)!!! O BB fala que o site da compra NÃO envia o código de verificação do cartão para o banco ....

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Iris! O seu cartão não faz parte do sistema Verified by Visa ou MasterCard SecureCode? Ou o seu banco está dizendo que não é para você colocar o código? Se o seu banco está dizendo isso, ele está errado. O sistema é seguro.

Adriana Ferreira

Olá. Estou com o mesmo problema que você. Já liberei meu cartão para uso no Peru, na central de Cartões do BB. Como você resolveu o problema?

Sara
SaraPermalinkResponder

Oá, Ricardo.
Estou querendo incluir a ida a Puno no roteiro, mas estou em dúvida se faço antes de ir ao Machu Picchu ou depois, saindo de ônibus de Cusco mesmo. O que você acha?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Sara! Deixe Machu Picchu para o gran finale. Se quiser incluir Puno, voe de Lima a Juliaca. Fique duas noites em Puno (para ter um dia inteiro disponível para o passeio pelo lago Titicaca), depois siga de ônibus para Cusco, retomando o roteiro aqui descrito.

Luciana
LucianaPermalinkResponder

Olá, Ricardo! Acompanho suas dicas de viagem há tempos e elas sempre foram preciosas! Estivemos no Peru entre 16 e 26 de maio de 2019 e seguimos suas dicas de 9 dias. Deu tudo super certo. Queria apenas acrescentar que, em Lima, conseguimos comprar e recarregar o chip Claro na mesma loja na Avenida Larco. Fizemos uma programação bem redondinha dos passeios, pesquisamos bastante e seguimos suas sugestões. Percebemos que quando íamos contratar algum passeio ou transporte e o agente ou motorista percebia que tínhamos noção do preço justo as negociações aconteciam de forma muito mais interessante. Em uma oportunidade o guia pediu se eu podia informar onde tinha conseguido tantas informações. Logicamente indicamos o Viaje na Viagem e suas dicas! Mais uma vez obrigada por compartilhar conosco suas preciosas dicas!!!

Emerson
EmersonPermalinkResponder

Olá Ricardo. Estive no Peru entre os dias 7 e 16 de Junho de 2019. Segui praticamente todas as suas dicas de viagem, foram muito valiosas. A viagem só não foi 100% porque no último dia de minha viagem (acredite...) tive meu celular furtado por um trombadinha na Calle Suecia 345, em frente ao Hotel Tierra Viva Cusco Plaza. No dia em questão havia um multidão nesta rua, e ainda havia um carro no meio da rua, impedindo o fluxo das pessoas. De certa forma, estou responsabilizando o hotel pelo ocorrido, pois nesse dia, estava retornando de Matchu Picchu (vindo de Poroy) e o funcionário do hotel foi me receber no taxi um pouco acima na rua e me orientou a passar no meio daquela multidão! Sequer tive a orientação do hotel de que ali era perigoso passar, ou que deveria ter atenção especial aos meus pertences. Uma lástima. Foi uma perda irreparável. Todos os meus registros foram perdidos (fotos, vídeos, etc...). Fica aqui o alerta, evitem de ficar neste hotel, ou ao menos evitem de passar por esta rua. Risco de ser furtado.

Gloria
GloriaPermalinkResponder

Em qualquer lugar do mundo, tem-se cuidado com pertences em meio a multidões... e até fora delas! Como pode culpar um hotel por isso? Esperava mesmo que ele dissesse "cuidado, tem um multidão, é perigoso.." Tipo de crítica que tenta reportar a terceiros a própria falta de cuidado ou má sorte. Vivemos no Brasil, e se um viajante brasileiro não sabe cuidar de seus pertences em qualquer país do mundo, pode mudar de planeta.

wanderleia
wanderleiaPermalinkResponder

Olá, estou lendo as dicas e gostei muito, queria uma ajuda... uma dica. Vou para o Peru, minha intenção máxima é conhecer Machu Pichu então não vou se não houver a possibilidade, o problema é que só posso ir em janeiro e tenho lido muito sobre a estação chuvosa. O que você acha? Alguém tem experiencia sobre o mes de janeiro para contar?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Wanderleia! Haverá um momento da sua vida em que você poderá viajar em outro mês que não janeiro, e Machu Picchu continuará lá, igualzinho ao que é hoje.

wanderleia
wanderleiaPermalinkResponder

Nossa!!! Me preocupei... já estava a ponto de comprar as passagens... Teria que esperar mais dois anos para reprogramar as ferias... Que complicado e triste...

Selma Banfield

Olá!
Estou indo para Cusco semana que vem e depois de me aclimatizar, penso em alugar um carro para fazer as cidades ao redor de Cusco. Como são as estradas? Vale a pena alugar e ter a liberdade de horários?
Obrigada por qualquer dica.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Selma! Desrecomendamos vivamente alugar carro e andar nas estradas do Peru.

Lorena Pinho
Lorena PinhoPermalinkResponder

Oi Bóia!

Estou planejando a minha viagem seguindo o seu roteiro. Fiquei com uma dúvida: dormindo em Águas Calientes para ir no dia seguinte para Machu Picchu, ao final do passeio você recomenda voltar para Cusco. Neste caso, temos algum lugar apropriado onde deixar a bagagem durante o passeio em Machu Picchu?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Lorena! Se você tivesse lido a série inteira, teria encontrado a resposta para essa pergunta. Os hotéis em Cusco guardam a bagagem para seus hóspedes. Se você embarcar em Ollantaytambo (e voltar por lá), pode deixar sua bagagem nos guarda-volumes das duas cias. na estação.

Esse roteiro é super fechadinho, por favor leia a série inteira de 4 posts com atenção, é muito difícil aparecer uma pergunta que não esteja respondida no texto.

Eduardo
EduardoPermalinkResponder

Gostaria de realizar essa viagem de 9 noites acompanhado da minha filha de 20 anos pro ano que vem...quais os valores ?

Jessica
JessicaPermalinkResponder

Oii boa noite!
Eu tenho interesse em fazer essa viagem, com os passeios propostos. Qual é, em média, o valor do pacote pra 1 pessoa?
Só uma estimativa mesmo..
Obrigada
Jessica

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Jessica! Não é um pacote. É um itinerário sugerido. Os custos variam conforme a época da viagem, o momento da compra da passagem, o tipo de hotel escolhido, os hábitos alimentares em viagem de cada um. A maioria desses custos, porém, pode ser prevista. Comer no Peru é mais barato que no Brasil.

Veja:
https://www.viajenaviagem.com/2013/07/como-estimar-gastos-viagem/

Adriana Vieira

Olá Ricardo parabéns pelo trabalho tão sério, sempre sigo e curto suas dicas! Comprei por impulso uma passagem Rio/Lima/Cusco/ Rio e tenho q usar pois já está no limite de validade. O trecho é de 7 dias em Lima e depois 7 dias em Cusco. A multa para mudar é alta, então estou meio q obrigada a seguir esse tempo. O que vc recomendaria? 7 dias em Lima têm oque fazer? Ou viagens próximas? O q vc recomenda ? Talvez eu tenha hospedagem em uma casa de amigos em Lima. Mas Cusco deve ser hotel. E a grana está meio curta tb. Grata desde já no q puderes ajudar. Abs Adriana

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Adriana! Quem responde é A Bóia. Você pode ir de ônibus a Ica e Nasca, voltando a Lima.

Marcos
MarcosPermalinkResponder

Parabéns pelos conteúdos, não faço nenhuma viagem sem passar por aqui e pegar dicas... Tenho dúvidas: Pretendo seguir o roteiro em setembro, minha esposa está grávida e estará de 4 para 5 meses de gravidez. Algum trecho do roteiro, principalmente em Machu Picchu tem alguma dificuldade extra ou não recomendada percebida por vocês para uma gestante período? (Obs. Vou consultar o médico também) smile

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Marcos! Cusco exige pela altitude, Machu Picchu é mais baixo mas é preciso caminhar por até 3 horas (lentamente, porém). O melhor é falar com o médico.

Sandro
SandroPermalinkResponder

Ótimo conteúdo,tenho uma pergunta,em Lima existe um sistema de aluguel de bikes como no bike itaú aqui no Brasil?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Sandro! Veja: https://www.smoove-bike.com/lima

Melissa Bosquê

Olá Ricardo,

As suas dicas para quem vai pela primeira vez ao Peru são ótimas!!! Acabo de fazer o roteiro de 9 dias, Lima, Cusco, Vale Sagrado, Ollantaytambo e Machu Picchu, e foi fantástico! Eu já acompanho o site há muito tempo mas foi a 1a viagem que me baseei 100% nele e foi excelente, recomendo super. Gostaria de agradecer a você e toda a equipe que me ajudou a fazer uma viagem maravilhosa!!! Muito obrigada.

Luisa Strassburger Freitas

Uma dúvida... qual o calculo que faço para saber quando levar de dinheiro por dia na viagem?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Luisa! Some os gastos de transporte e passeios. A alimentação pode variar brutalmente de pessoa para pessoa -- a gente acaba gastando o que pode.

Danielle
DaniellePermalinkResponder

Olá Bóia , estou querendo ir no período de 7a 14 de novembro, e vi que é o início das chuvas.
Vc saberia me dizer se nessa época são só pancadas ou se é época de fechar estradas ??

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Danielle! A época que não se recomenda ir é entre janeiro e março.

Thais
ThaisPermalinkResponder

Olá Ricardo! Obrigada pelas dicas, mto valiosas! Quero muito conhecer Machu pichu, mas minhas férias serão 15-30 de novembro, vc acha possível ou muito arriscado em relação as chuvas?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Thais! Desrecomendamos viajar para lá entre janeiro e março. Recomendamos viajar para lá entre maio e setembro. Não recomendamos nem desrecomendamos viajar para lá em novembro.

Leticia Nascimento Gomes

Olá! Gostaria de saber o porque da sugestão de ir de Puno a Cusco de ônibus já que existe um vôo de Juliaca para Puno. Qual é a vantagem de ir de ônibus?
Muito obrigada!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Leticia! Você quer dizer vôo entre Juliaca e Cusco, certo? Obrigada por informar, esse vôo é novidade. Começou agora dia 1º de julho. Sim, é melhor do que ir de ônibus.

Leticia Nascimento Gomes

Sim, é vôo de Juliaca para Cusco. Muito obrigada pelo retorno!

Bruno Pereira Lourenço da Silva

Olá Ricardo,

Inicialmente, parabéns pelo site, é muito completo e com dicas importantíssimas.
O que ajuda muito são os comentários, que são bem atuais e dão credibilidade as informações que contam nele.

Sou de Porto Alegre/RS e atualmente a Avianca, que tinha voos diretos para Cusco, entrou em falência e seus voos não foram direcionados a outras companhias.

Estamos buscando um roteiro mais produtivo, visto que o tempo de conexão é muito grande, quando saímos de Porto Alegre.

Pensamos em ficar alguns 2 dias em Lima e seguir para Cusco e retornar pelo Chile e ou Bolívia, aproveitando assim mais uns 2 dias nesta cidade antes do Retorno.

Qual sua dica, para esses trechos, para uma viagem de 7 a 9 dias?

Desde já agradeço!
Bruno Lourenço.

Abraço!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Bruno! A Avianca que entrou em falência foi a brasileira. A Avianca Perú continua voando, inclusive a Cusco. A rota Porto Alegre-Lima ainda existe (nunca houve "vôo direto a Cusco"). Para uma viagem de 9 dias, siga o roteiro desta série. Não dá tempo para ir ao Chile ou à Bolívia numa viagem aproveitável.

Felipe
FelipePermalinkResponder

Ricardo boa noite!! Ótimo seu seu site e suas dicas, vou ao Peru em Outubro e vou seguir o roteiro proposto mas sem a parte de Lima. Gostaria de incluir o lago Humantay e a Montanha colorida, ali entre o 3 e 4 dias antes de seguir p Ollantaytambo. Acha possível? Achei lindos esse dois lugares.
Obrigado pelas dicas e parabéns!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Felipe! Ambos lugares são turismo de Instagram, que vão comer dias, sugar sua energia e só entregarão a foto que você imagina se fizer um dia bonito. Humantay está completamente fora deste roteiro, você vai ter que investir dois dias indo e voltando de Lima. Montanha Colorida é uma maratona de 8 horas de caminhada (ou um pouco menos no lombo de cavalo) a 4.500 metros de altitude. É tão insano que o Ricardo Freire sequer considerou incluir uma mera sugestão de passeio complementar.

Patricia Folle

Não consegui comprar ingressos para Machu Picchu para od ia 09 ou 10/08 pelo site. Onde posso comprar?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Patricia! Parece que pelo novo sistema, se esgotaram online, é porque não há mais ingressos disponíveis para o dia. Você pode tentar com alguma agência de viagem para ver se há alguma alternativa.

https://www.adiosadventuretravel.com/blog/2016/08/when-machu-picchu-entry-tickets-are-sold-out/

Henrique
HenriquePermalinkResponder

Comprei os ingressos para machu picchu porem nao recebi os ingressos por email ! Quando comprei imprimi a confirmação da compra . Quando entro no site oficial e clico no check in consigo ver minha reserva comcluida porem nao tem nenhum lugar para imprimir os ingressos , apenas um botao para enviar por email porem não recebi oa ingressos . Como resolver esse problema ? Grato

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Henrique! Verifique na caixa de spam.

Henrique
HenriquePermalinkResponder

Tb não está na caixa de spam

Henrique Silva

Olá, tudo bom?
Além de Cusco, tenho interesse em ir até Huaraz, vc tem ideia de um melhor roteiro? Pq Huaraz fica ao Norte de Lima, completamente diferente de Cusco.

Obrigado!!!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Henrique! Huaraz é o que o Ricardo Freire chama de "turismo de Instagram". Um destino que te tira completamente do caminho, requer dois ou mais dias de viagem e dá um trabalhão só para fazer a foto que os outros já fizeram. Ponha Huaraz no seu roteiro quando você viajar para aquela parte do Peru.

Vandira
VandiraPermalinkResponder

Gostei das informações e tenho uma pergunta Está seguro viajar com a Avianca? Fui comprar a passagem e o vendedor ficou em dúvida pediu para esperar uns dias.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Vandira! Em março de 2019 a Avianca Peru cancelou várias rotas e alguns horários. Desde então, não houve modificações na sua operação. Aqui no blog não têm aparecido reclamações dos vôos ao Peru.

Juliana Vermelho Martins

Realizei esse roteiro em julho de 2019. Segui exatamente o que foi proposto aqui e foi tudo EXCELENTE! Agradeço imensamente ao blog pela riqueza de detalhes que me permitiu organizar essa viagem e executá-la sem qualquer problema.

Dito isso, vou acrescentar alguns comentários da minha experiência que podem vir a ajudar outras pessoas que decidam fazer o mesmo roteiro.

Nosso grupo tinha seis pessoas: meus pais (78 e 72 anos), meus filhos (19 e 15 anos), meu marido e eu (51 e 49 anos).

A questão da altitude em Cusco realmente deixou todos com a mobilidade meio restrita e não deve ser ignorada. Por conta da idade dos meus pais, eu optei por uma van com guia para todos os passeios por lá e essa decisão foi acertada. Meu pai, por exemplo, preferiu não andar e subir em todos os lugares que visitamos e ficou na van nos esperando, conversando com o motorista. Também pudemos ajustar os tempos e os locais de acordo com a disposição física de todos.

ROUPAS: apesar de ser julho e de a previsão ser de frio, esse frio só acontecia bem cedo ou à noite. A sugestão é se vestir "em camadas": uma camiseta, um casaco leve e mais um casaco por cima que seja fácil de carregar amarrado na cintura ou de ser colocado dentro de uma mochila. A variação de temperatura durante o dia vai fazer com que você tire e coloque peças pra se ajustar, não tem outra maneira. Um único casaco muito pesado não vale a pena. O melhor é a sobreposição de peças.

CHAPÉU: leve um chapéu (chapéu mesmo, não boné, a não ser quem tem cabelo comprido e protege o pescoço com o próprio cabelo) porque o sol queima muito! Além de protetor solar, claro. Se não levar de casa, não dispense os vendedores ambulantes ou as lojinhas que oferecem chapéus por toda parte.

REMÉDIOS: leve remédio para vômito e diarreia. Do nosso grupo de seis pessoas, três tiveram esses problemas. Depois soubemos que é bastante comum, não só por causa da água, mas também por causa da altitude.

SACOLA: normalmente eu andava com uma mochila pra passar o dia, mas ao chegar nas atrações, o guia sugeria deixar na van pra não ficar carregando peso, no que ele tinha toda razão. Só que era preciso levar uma garrafa de água e pelo menos a carteira com algum dinheiro. Então, passei a usar umas sacolas dobráveis que costumo carregar na bolsa para essas mini-saídas. Deixava na van a mochila com o que tinha levado para o dia e que era mais pesado (carregador de celular, protetor solar, casaco ou cachecol que ia tirando conforme o dia esquentava) e levava essa sacolinha pra andar nos locais específicos. Com a questão da altitude, qualquer peso a menos que a gente carregar, melhor!

De resto, é só seguir as dicas do Ricardo ajustando as preferências do grupo que tudo sairá PERFEITO! Já indiquei o blog para vários amigos e certamente vou usar em outras viagens.

Mariana
MarianaPermalinkResponder

Olá Ricardo! Tudo bem?
Estou programando viajar para o Peru de 27/09 a 06/10/19, seguindo seu roteiro.
Mas vi que dia 08/10/19 (terça-feira) é feriado no país, e não sei como são os feriados por lá.
Você acha que esse feriado pode "atrapalhar" com filas a visita a Machu Picchu no sábado dia 05/10?
Escolhi essa época justamente por ser mais"tranquila".
Obrigada!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Mariana! Não há problema.

Ju Caires
Ju CairesPermalinkResponder

Olá, achei sensacional o site e as dicas, minha duvida é, vou viajar saindo de Sp,
consigo comprar passagem área, São Paulo x CUSCO e mesma coisa para volta CUSCO X São Paulo, não pretendo ficar em Lima, sei que o avião vai parar no aeroporto de Lima, para fazer a troca e seguir para cusco, minha duvida é, Pode dar errado? Eu comprando a passagem aérea assim, direto Sp x Cusco sem ser modalidade múltiplos destinos/várias cidades?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Ju! Está certinho assim. Se um vôo atrasar e você perder o seguinte, a cia aérea realoca você em outro vôo sem custo.

Cristina
CristinaPermalinkResponder

Olá! O seu blog é muito bom! Estou montando minha viagem baseada toda nele porque por coincidencia peguei 9 noites por lá também.

Minha dúvida: com o dólar do jeito que está (4,171) e numa casa de câmbio que consigo soles por 1,367, não compensa pegar aqui? Li que não recomenda a compra aqui, mas se minhas contas não estiverem erradas parece que compensa rs. Se puder comentar, agradeço! Abs.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Cristina! Pela sua conta, o equivalente a 1 dólar compra 3,05 soles. No Peru o equivalente a 1 dólar compra 3,36 soles segundo o site https://cuantoestaeldolar.pe/ . Você vai perder 10% comprando aqui. Sai mais barato e dá menos trabalho usar cartão pré-pago e pagar 6,38%, como a gente não cansa de falar.

Todo mundo foge dos 6,38% como o diabo da cruz, mas encara perder 10%, 15% rindo, como se estivesse fazendo o melhor negócio do mundo.

Não há exceções. Não se compra moeda fraca no Brasil a bom preço. A instabilidade do dólar não muda nada. Os mercados são interligados. As casas de câmbio têm margem maior nas moedas fracas do que nas moedas fortes -- ou seja, ganham mais nas moedas aparentemente baratinhas.

Mas a gente vai precisar repetir isso dois milhões de vezes, e as pessoas vão continuar não acreditando. Eu nem sei porque eu me dou ao trabalho de explicar de novo, o Ricardo Freire já inclusive me mandou parar de aprovar essas perguntas. É enxugar gelo.

Luiz M
Luiz MPermalinkResponder

Entre os vários roteiros ao Vale Sagrado, não li referencia a possibilidade de alugar um carro em Cusco e fazer o Vale Sagrado e ir dormir em Ollantaytambo pra visitar MP. Obrigado!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Luiz! Não alugue carro no Peru. Siga as dicas do roteiro.

Ivanete Della coletta

Sem dúvida foi a melhor esclarecimento que encontrei, completo e com clareza em casa passo para uma viagem sem surpresas e transtornos. Me ajudou em tudo. Parabéns!! por ajudar nessa viagem tão esperada.

Ivanete Della coletta

Achei espetacular seu comentário, admiro pessoas que assumem suas falhas. Absurdo responsabilizar o hotel. Lastimável ler o depoimento desse turista.

Adriana Ferreira

Olá Ricardo. Muito obrigada por ajudar os apaixonados por viagem. Montei meu roteiro para Setembro, seguindo todas as suas dicas. Depois eu digo como foi o resultado. Estou com o mesmo problema da Irismayre, relatado aqui nos comentários dia 11/06. Não consigo comprar os ingressos para Machu Picchu. Meus cartões fazem parte do sistema Verified by Visa ou MasterCard SecureCode. Já solicitei o desbloqueio para uso no Peru (é necessário). Entretanto, o site de vendas não retorna a informação de compra à administradora do cartão. Seria possível contatar a Iris para saber como ela resolveu o problema? Estou tentando há 3 dias, sem sucesso. Vi um outro site que vende esses intressos: Get Your Guide, mas a um preço muito superior ao do site oficial, e não sei se é seguro. Muito obrigada.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Adriana! Infelizmente não podemos compartilhar contatos. O Get Your Guide é uma empresa séria.

Roberta Freiberger

Primeiramente, gostaria de parabenizá-lo pelo site!
A organização e riqueza de detalhes realmente são impressionantes.

Estou indo ao Peru no próximo mês e, ao pesquisar passagens de trem para MP surgiu a dúvida sobre a estação San Pedro. O atendimento on line da Inca Rail me informou que fica a 10 minutos da praça das armas, em Cusco. Contudo, como não vi qualquer menção à tal estação, fiquei com a pulga atrás da orelha... Há algum fator desabonador à estação San Pedro?
Agradeço, desde já, a atenção!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Roberta! Esta estação é novidade, começou a operar este ano. Precisamos atualizar este item. A localização é excelente, bem central (o Ricardo Freire chegou por ela quando veio de Puno). Só a Inca Rail oferece esta alternativa.

Carina Gonçalves

Oi Ricardo! Adoro seu blog, obrigado por compartilhar tanta informação e dicas ótimas!!!
Tenho uma dúvida, para comprar os ingressos para Machu Picchu eles já estão aceitando o Mastercard SecureCode?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Carina! Quem responde é A Bóia. Sim, estão.

Marcelo Santos de Cajueiro Costa

As informações são muito úteis e estão apresentadas de forma clara e organizada. Sou jornalista e aprecio um texto bem escrito. Só tenho duas perguntinhas. Você fala em levar uma mochila para o Vale Sagrado e Machu Piccho. Pode ser aquela mala de mão com rodinhas (no padrão para levar na cabine de avião)? As costas vão agradecer. Vamos dormir em Ollanta (não em Águas Calientes) e a ideia é pegar na volta um trem direto de Águas Calientes para Cusco. Onde deixo a malinha ou mochila? É seguro deixar na entrada do parque em Macho Piccho? Ou é melhor deixar na estação de trem na Águas Calientes?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Marcelo! Quem responde é A Bóia. O limite de peso estabelecido pelas cias. ferroviárias é de 5 kg.

Você deixa sua mala grande no hotel em Cusco ou no guarda-volumes da estação em Ollantaytambo. A mochila ou bolsa pequena que você levou a Aguas Calientes pode ficar no hotel (se for fácil voltar a hotel para pegar depois de visitar a cidadela) ou no guarda-volumes da estação ferroviária de Aguas Calientes.

Cristiane C Viana

Parabéns, gostei muito de suas orientações,muito claras e organizadas.
Reservei 6 dias livres em Cusco, pq tinha intensão de ir,além dos passeios tradicionais, Machu Picchu, Ollantaytambo e arredores , ir tb a montanha 7 cores e Lago Humantay. Mas pelos comentários aqui vi q estes dois últimos vcs consideram " roubada". Sendo assim ,eliminando este do meu roteiro, terei 2 dias para preencher. Vcs teriam alguma sugestão de como poderia aproveitar mais estes dias q ficarão livres ? Será uma viagem com meus filhos q são jovens . Obrigada.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Cristiane!

Veja nosso roteiro para 6 dias entre Cusco, Vale Sagrado e Machu Picchu:
https://www.viajenaviagem.com/2016/04/roteiro-cusco-e-vale-sagrado/
https://www.viajenaviagem.com/2016/04/machu-picchu-e-cusco/

Andressa
AndressaPermalinkResponder

Acabei de fazer o roteiro do viaje na viagem. Sensacional! A viagem foi perfeita! Obrigada ☺️

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Obrigada pela feedback, Andressa!

Flávio Lisboa

Estou planejando minha viagem seguindo 100% do roteiro Lima/Cusco/Ollanta/Aguas Calientes/Cusco que sugeriram. Sensacional.
Minha única dúvida é a seguinte: vale voltar de trem a Ollanta para coletar a bagagem no El Albergue e seguir de van até Cusco ou seria melhor deixar a bagagem no hotel em Cusco antes de ir para Ollanta e voltar de Aguas Calientes direto de trem para Poroy? Obrigado!!!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Flavio! Se você puder ficar duas noites só com a mochilinha (a noite de Ollanta e a noite de Aguas Calientes), deixe a mala no hotel em Cusco, e compre o trem de volta a San Pedro (nova opção que apareceu este ano, é uma estação bem central em Cusco). Se preferir ficar com a mochilinha só uma noite, leve a mala a Ollanta e deixe lá, no hotel ou no guarda-volumes, voltando de van ao centro de Cusco.

Niara
NiaraPermalinkResponder

Olá! Fiz minha primeira viagem para o Peru há dois anos e seguimos totalmente o roteiro
Estamos voltando agora com outras pessoas porém temos 4 dias extras (vamos repetir Cusco, vale sagrado, Machu picchu) o que acha q vale mais a pena, ir para lima depois ou fazer lago Titicaca, Colca, puno?
Adoramos Lima e vi muitos comentários não tão animadores das outras cidades até mesmo pelo curto tempo
Vamos chegar por Cusco pela data para encontrar o restante do grupo, mesmo não sendo o ideal por causa da altitude mas não temos Opcao...
Obrigada

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Niara! Puno/Lago Titicaca e Arequipa são lugares bastante interessantes, mas talvez menos interessantes do que Cusco e Machu Picchu. Numa viagem que englobasse todos esses destinos, a gente deixaria Machu Picchu para o fim.

Vocês podem subir de ônibus a Puno, ficar duas noites (para ter um dia inteiro para fazer o passeio do Titicaca) e então voar a Lima (desde Juliaca) para os últimos dois dias.

Outra opção é pegar um ônibus de Cusco a Nasca, dormir uma noite e fazer o sobrevôo de Nasca na manhã seguinte. De Nasca podem seguir a Ica, ficando duas noites (para visitar destilarias de pisco e ir ao oásis de Huacachina), seguindo de ônibus a Lima para uma última noite.

Nalba
NalbaPermalinkResponder

Olá, Boia!
Quero fazer o roteiro que vocês sugerem para as 9 noites, só que tenho 13 noites e gostaria de acrescentar Ica e Arequipa. O meu problema é que preciso voltar para Lima no retorno ao Brasil. O que vocês sugerem para facilitar a minha vida?
Chego em Lima 8 de outubro às 22h e retorno de Lima 22 de outubro às 23h.
Infelizmente não consegui comprar a passagem na opção múltiplos destinos porque estamos usando milhas.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Nalba! Durma na véspera da volta em Lima. Faça Lima-Ica-Nasca-Cusco de ônibus.

Gabriela
GabrielaPermalinkResponder

Boa tarde!
Eu e meu marido estamos organizando nossa primeira viagem ao Peru! Chegaremos em uma sexta a noite e voltamos ao Brasil no domingo seguinte pela manhã, ambas as passagens com chegada e saida de Lima.
Pretendemos seguir o roteiro que vc sugeriu, mas, estou tentada a acrescentar uma visita a Puno/ Lago Titica. Você acha que valeria a pena ou seria mto corrido... ah, e se valer a pena, em que parte da viagem eu encaixaria essa ida e Puno

Aguardo seus comentários!
Muito obrigada

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Gabriela! Seria preciso voar de Lima a Juliaca, ficar duas noites em Puno para ter um dia inteiro para o passeio do lago. Vá de ônibus de Puno a Cusco.

Ou seja: dispondo do mesmo tempo de viagem que sugerimos no nosso roteiro, não há tempo para essas duas noites em Puno.

Não abuse da altitude, não faça de sua viagem uma corrida de obstáculos. Não funciona à altura do mar, no Peru menos ainda.

Durma em Lima na véspera do vôo de volta ao Brasil, ou você se arrisca perder a passagem de volta se o vôo de Cusco atrasar (o aeroporto fecha com freqüência).

Eduardo
EduardoPermalinkResponder

Ricardo, enquanto espero no aeroporto de Lima minha conexão para o Brasil, gostaria de agradecer por essa série de postagens. Segui cerca de 90% do seu roteiro e fiz uma viagem fantástica ao Perú, além de ter ficado muito contente de ter conhecido um pouco mais da história fantástica dos incas. Complementando suas postagens, seguem algumas observações minhas:
- Não é fácil agendar com agências o tour de bate volta para Pisaq, por indicação do meu hotel, contratamos um motorista privado, que além de nos levar para Pisaq, nos levou para os sítios arqueológicos dentro de Cusco (Sacsayhuaman, Qenko, Puca Pucara e Tambomachay), o qual recomendo já que apesar de ser apenas motorista, nos deu várias dicas dos locais, além de se esforçar para falar em português (Eugênio Huacac - eugenio.pillco@gmail.com);
- Realmente é essencial pernoitar em Ollantaytambo que realmente é muito charmosa e também em Aguas Calientes, para chegarmos renovados em Machu Picchu;
- No retorno de Aguas Calientes para Ollantaytambo não foi tão simples pegar uma van para Cusco na Real Inka, esperamos um bom tempo e como a van não encheu, tivemos que pegar um taxi;
- Eu e minha esposa viciamos no Chilcano que realmente é bem melhor que o Pisco Sour! Rsrs
Até a próxima viagem! Abs

Eduardo Xavier

Olá!
Já comprei as passagens Poa-Lima, Lima-Cusco e Cusco-Poa.
Chego em Lima num sábado de manhã, voo para Cusco na quinta (5 dias depois, fim da tarde), e retorno de Cusco para Porto Alegre sábado da outra semana à noite. Serão 14 noites no Peru.
Após ler o post, estou pensando em visitar Nazca, Arequipa e Puno antes de fazer o tour Cusco, Ollantaytambo e Machu Pichu.
Vale a pena abandonar o voo de Lima a Cusco e fazer o roteiro de Lima-Nazca-Arequipa-Puno de ônibus?
Contando os 14 dias disponíveis, qual o roteiro recomendado em cada local (1-Lima, 2-Nazca, 3-Arequipa, 4-Puno, 5-Cusco...), quantos dias em cada?
Se puderem me ajudar, fico desde já grato.

p.s. As passagens sem o voo interno estavam mais caras (só poa-lima cusco-poa). Vai entender?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Eduardo! Tem que ver se o abandono do vôo do meio não vai implicar no cancelamento da sua reserva de volta... Esses 5 dias que sobram poderiam ser distribuídos assim: uma noite em Nasca, duas em Arequipa e duas em Puno.

Virginia Rosa
Virginia RosaPermalinkResponder

Isso foi um achado!!! Seu site me encorajou.
Minha mãe quer muito ir a Machu Picchu. Ela faz 70 em julho, queremos programar pra maio, aí eu faço 48...rs... e mais uma amiga de 55.
Os comentários da Daniela Farina completaram tudo!
Muito grata por esse achado!!!
Agora é começar a organizar!

Marcelo Jesus
Marcelo JesusPermalinkResponder

Virgínia, fui a Machu Picchu na semana santa de 2014 com dois filhos adolescentes (13 e 10 anos) e sogro e sogra (76 e 73 anos).
Não tivemos problema algum!
Também reservamos uma van privativa e fizemos todos os passeios no nosso próprio ritmo e interesse.
Uma coisa que me pareceu fundamental, chegamos a Cusco num sábado ao final da tarde (umas 16h00 ou 17h00 mais ou menos) e ficamos este dia e o domingo bem mais quietos, aclimatando. No domingo fomos somente até a Plaza de Armas e a Catedral, que ficavam na esquina do nosso hotel, caminhando com calma. Começamos os passeios com a van somente na segunda-feira.
Na quarta fomos de trem até Águas Calientes, dormimos lá, e na quinta fomos bem cedinho para Machu Picchu (estávamos dentro da cidadela um pouco antes das 7h00) e voltamos no meio da tarde para Cusco.
Ficamos ainda na sexta-feira por lá e voltamos ao Brasil no sábado.
O segredo é respeitar o ritmo de cada um. Se sua mãe está com a saúde em dia e boa mobilidade não há motivo para ter receio.
Boa Viagem!

LEONARDO DOS SANTOS FONSECA

Olá Ricardo,
Qual a melhor alternativa/logistica de incorporar a este roteiro ao Peru uma passagem em Copacabana/Lago Titicaca e um giro em La Paz e 3 dias ao Salar de Uyuni. Estou me programando para Set. 2020.

Obrigado,

Leonardo (Belo Horizonte)

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Leonardo! Quem responde é A Bóia. Você pode ir de Cusco a Puno de ônibus, de lá a Copacabana, então de ônibus a La Paz e avião a Uyuni, pela Amaszonas.

Alvaro fermandes de almeida filho

Leitor assiduo...rs...
Ja usei muitas dicas...
Parabens!
Vou chegar em Cusco numa sexta, 15.11 , a tarde.
Pensei neste roteiro :
Sabado / Cusco
Domingo : Tour Vale Sagrado ate Oitambo ( rs...)com pernoite
Segunda : Dia em Oia e a tarde ida para Aguas Calientes com pernoite
Terca : Machu Pichu pela manha com retorno a tarde para Cusco.
Quarta : retorno para SP cedinho

Voce faria alguma sugestao?
Da pra fazer dessa forma?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Alvaro! O roteiro que recomendamos está na série. Você é livre para fazer as adaptações que quiser, só não nos peça para dizer que vai ser a mesma coisa. Existe algo que o nosso roteiro leva em conta que é a adaptação à altitude. Não dá para querer ser the flash a 3.000 metros.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia de férias. Só voltaremos a responder perguntas que forem postadas a partir de 3 de junho. Relatos e opinões continuarão sendo publicados.
Cancelar