Primeira viagem ao Peru: Lima, Cusco, Vale Sagrado e Machu Picchu (roteiro para 9 noites)

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Primeira viagem ao Peru: hotel Unaytambo, Cusco

Esta é a primeira parte de um roteiro prático para sua primeira viagem ao Peru: 9 noites entre Lima, Cusco, Vale Sagrado e Machu Picchu.

Recomendo que você leia o post inteiro. Mas se preferir, clique para ir direto ao tópico:

Primeira viagem ao Peru

Por que 9 noites? Não dá para ser menos?

Primeira viagem ao Peru: Lima

Lima

9 noites de viagem ao Peru permitem rentabilizar ao máximo uma semana de férias -- saindo na sexta e voltando no outro domingo. Com oito dias inteiros (já que o primeiro vai ser consumido na viagem de ida), dá para visitar com bastante proveito Lima, Cusco, o Vale Sagrado e Machu Picchu, num roteiro intenso mas sem correria.

Quer incluir outras escalas?

Caso você queira fazer o circuito completo do sul do Peru nesta viagem, acrescente 3 noites em Ica (uma tarde para Huacachina, 1 dia para tour de pisco, 1 dia para Islas Ballestras), 1 noite em Nasca (para sobrevoar as linhas de Nasca na manhã seguinte), 2 noites em Arequipa (acrescente mais 1 noite no Valle del Colca, se quiser visitar o vale) e 2 noites em Puno (para ter um dia inteiro livre para o passeio pelo Titicaca).

Para incluir apenas Nasca entre Lima e Cusco, veja aqui.

Primeira viagem ao Peru: itinerário para 9 noites

Este é o resumo do roteiro. Cada etapa (Lima, Cusco + Valle Sagrado, Machu Picchu) é detalhada em posts separados.

3 noites em Lima

Com 3 noites em Lima você resolve as questões práticas (chip, câmbio, eventualmente passagens de ônibus), tem tempo para passear pela cidade, saborear a culinária peruana e aproveitar as duas horas de fuso horário atrasado (a seu favor) para se recuperar da viagem de vinda e chegar descansado em Cusco.

3 noites em Cusco

Com 3 noites em Cusco você tem dois dias para explorar a cidade sem pressa, e mais um dia para passear fazer um bate-volta a Pisaq. E ainda ganha três noites para curtir os restaurantes e bares do centro histórico.

1 noite em Ollantaytambo

Dormindo 1 noite em Ollantaytambo, você visita a vila de Chinchero, o sítio arqueológico de Moray e as salinas de Maras no caminho desde Cuco. Na manhã seguinte, passeia pelo arqueológico de Ollantaytambo livre de turistas. E à tarde segue a Aguas Calientes (Machu Picchu Pueblo).

1 noite em Aguas Calientes (Machu Picchu Pueblo)

Você vai chegar a Aguas Calientes (ou Machu Picchu Pueblo), a base mais próxima de Machu Picchu, ao entardecer. Instale-se e durma cedo, para no dia seguinte cedinho pegar um dos primeiros ônibus a Machu Picchu.

Visita a Machu Picchu e noite final em Cusco

Depois de fazer o gran finale da viagem em Machu Picchu, você volta a Cusco e capricha no jantar de despedida do Peru.

Pesquise seguro de viagem com nosso parceiro Allianz Travel

Machu Picchu antes de Cusco não seria melhor por causa da altitude?

Primeira viagem ao Peru: Machu Picchu

De fato, Machu Picchu, a 2.400 metros do nível do mar, é bem menos elevada que Cusco, que está a 3.400 metros. Por isso, o soroche, ou mal de altitude, é menos comum em Machu Picchu do que em Cusco. Saindo direto do aeroporto de Cusco para Machu Picchu é possível não sentir os efeitos da altitude na chegada.

O problema dessa estratégia é que ela apenas adia o mal-estar para quando você vier de Machu Picchu para Cusco -- o fato de sair já de 2.400 metros não anula o impacto da altitude de 3.400 metros de Cusco.

Ir a Machu Picchu antes de Cusco também estraga a seqüência do itinerário -- é como iniciar o jantar pela sobremesa. No nosso roteiro, Machu Picchu funciona como o gran finale de uma viagem gradual ao passado. Você começa no Peru moderno (Lima), passa pelo Peru colonial (Cusco), visita resquícios de sítios arqueológicos (em Pisaq, Moray, Ollantaytambo) e termina na mais majestosa cidadela preservada (Machu Picchu).

Quando ir ao Peru

Primeira viagem ao Peru: mercado de Surquillo, Lima

Mercado de Surquillo, Lima

Lima pode ser visitada o ano inteiro.

A região de Cusco e Machu Picchu, no entanto, tem uma época desaconselhável: no verão, entre dezembro e fevereiro, chove muito. Nos anos mais chuvosos, a estrada de ferro chega a ficar interditada.

Para aproveitar melhor o seu tempo e o seu investimento, programe esta viagem entre abril e setembro. Nesses meses, vá preparado para temperaturas abaixo de 10ºC à noite e de manhã cedinho; mas nos dias de sol, que são maioria no meio do ano, as máximas podem chegar perto dos 20ºC no início da tarde.

Dentro da alta temporada, os meses mais disputados em Machu Picchu são julho e agosto, por conta das férias escolares na Europa. Maio e setembro são um pouco mais tranqüilos.

Machu Picchu num feriadão. É possível?

Possível é -- mas não é recomendável. O dia da ida e o da volta são praticamente perdidos (sobretudo quando você vai ou vem direto de Machu Picchu). Complicando mais as coisas, tem o fator altitude, que sempre compromete o dia da chegada a Cusco. Se você quer mesmo usar um feriadão para viajar ao Peru, vá a Lima -- é possível até encaixar uma (supercansativa!) esticada a Nasca. Mas só vá a Cusco e Machu Picchu se você dispuser de cinco dias inteiros -- idealmente, 6 -- para explorar o essencial da região.

Como comprar a passagem aérea

Primeira viagem ao Peru: Andes

Compre uma passagem única, na modalidade "múltiplos destinos" ou "várias cidades", com três trechos:

  • Trecho 1: Brasil-Lima
  • Trecho 2: Lima-Cusco
  • Trecho 3: Cusco-Brasil

Isso pode ser feito com um agente de viagem, em agências online e buscadores, como o Kayak, ou diretamente nos sites da Latam e da Avianca.

A modalidade "múltiplos destinos" ou "várias cidades" rentabiliza todo o percurso e vincula os dois vôos que compõem a volta (Cusco-Lima e Lima-Brasil), garantindo a conexão ou, no caso de atraso do primeiro vôo, a assistência da cia. e reacomodação num outro vôo sem custo extra (leia mais aqui). Isso é muito importante, porque o aeroporto de Cusco fecha com freqüência, por qualquer problema meteorológico. Se o aeroporto fecha, seu vôo atrasa e sua passagem não é vinculada, você vai ter que comprar outra passagem (ou no mínimo pagar multa e diferença tarifária) para conseguir um novo vôo em Lima.

Além disso, a modalidade múltiplos destinos/várias cidades rentabiliza ao máximo a tarifa paga -- na maioria das vezes, você incluirá Cusco praticamente pelo preço de uma passagem Brasil-Lima-Brasil.

Por isso, resista a comprar passagem ponto a ponto Brasil-Lima-Brasil (sem Cusco), mesmo que esteja em promoção. Os trechos internos Lima-Cusco e Cusco-Lima podem sair bem mais caros do que você imagina, e a conexão da volta vai ser super estressante -- já que os vôos não estarão vinculados no mesmo bilhete, e se o primeiro vôo atrasar, você pode perder o segundo, tendo então que remarcar a passagem com multa e diferença tarifária (mesmo que o segundo vôo seja feito pela mesma cia. do primeiro).

Normalmente, quando há promoções a Lima, as mesmas condições valem para Cusco. Sempre pesquise na modalidade múltiplos destinos/várias cidades.

Da mesma forma, não emita passagem com milhas só até Lima. Emita com ida a Lima e volta de Cusco, e veja se consegue emitir também Lima-Cusco com milhas.

Vai passar por Ica, Nasca, Arequipa e Puno?

Se quiser fazer o circuito inteiro do sul do Peru, continue a passagem aérea na modalidade múltiplos destinos/várias cidades, mas apenas dois trechos:

  • Trecho 1: Brasil-Lima
  • Trecho 2: Cusco-Brasil

Faça os trajetos internos de ônibus (com a Cruz del Sur).

Quer ir apenas a Puno antes de Cusco?

Para incluir apenas Puno neste roteiro, compre a passagem aérea na modalidade múltiplos destinos/várias cidades, com 3 trechos:

  • Trecho 1: Brasil-Lima
  • Trecho 2: Lima-Juliaca (o aeroporto mais próximo de Puno)
  • Trecho 3: Cusco-Brasil

Faça o trajeto Puno-Cusco de ônibus (com a Cruz del Sur).

Os melhores vôos para cumprir este roteiro

As dificuldades da Avianca

Depois de ver falir a sua subsidiária brasileira, chegou a vez da Avianca internacional (ou Avianca Holdings) enfrentar problemas contábeis. Grandes prejuízos obrigaram a cia. a cortar rotas e a se reestruturar -- inclusive com mudança de gestão.

A situação já esteve mais preocupante, mas em setembro de 2019 a Avianca obteve sucesso numa operação de alongamento da dívida com seus principais credores -- evitando assim a necessidade de entrar em recuperação judicial.

O noticiário sobre a Avianca já mudou de tom, e está mais otimista. Mas não dá para desconsiderar a situação da cia. na hora de comprar sua passagem. Se você não quer precisar acompanhar as notícias de aviação para se informar da situação da cia. com que vai voar ao Peru, escolha a Latam.

Saindo de São Paulo

Se puder sair na sexta, escolha o vôo Latam com saída de São Paulo às 19h35 (chegada em Lima às 22h55). Siga a Cusco na segunda-feira no vôo Latam das 10h44 (chega ao meio-dia em Cusco). Volte a São Paulo no Latam das 9h30 de Cusco a Lima (chegada às 10h57), com conexão para o vôo Latam que sai às 13h29 e chega em São Paulo às 20h30.

Caso só possa sair no sábado, pegue o vôo Latam das 7h20 (chegada em Lima às 10h50); os outros vôos permancem os mesmos.

Voando Avianca, saia no sábado no vôo das 6h (chegada em Lima às 8h55). Na segunda-feira, siga a Cusco no vôo Avianca das 14h (chegada em Cusco às 15h20). Volte no domingo no vôo da Avianca das 16h15, que faz conexão com o vôo Avianca que sai de Lima às 21h10 e chega em São Paulo às 5h20 da madrugada de segunda. (Leia sobre as dificuldades da Avianca.)

Saindo do Rio de Janeiro

Para sair na sexta, você precisa matar o serviço à tarde e pegar o vôo Latam que sai às 15h30 do Galeão para São Paulo e faz conexão com o vôo Latam São Paulo-Lima das 19h35 (chegada em Lima às 22h55). Siga a Cusco na segunda-feira no vôo Latam das 10h44 (chega ao meio-dia em Cusco). A volta também é bem chata, com saída de cusco no vôo Latam das 5h32 (que chega às 6h59 em Lima), continuando a São Paulo no vôo que sai às 9h14 (e aterrissa às 16h25), para por fim pegar o terceiro vôo ao Rio de Janeiro que sai às 18h35 (e chega ao Galeão às 19h40).

O melhor esquema com partida do Rio de Janeiro é voando Avianca, a única cia. que tem rota direta a Lima e vai também a Cusco. Saia no sábado no vôo Avianca das 5h50 (chegada em Lima às 9h15). Prossiga na segunda a Cusco no vôo Avianca das 14h (chegada às 15h20) e volte domingo no vôo Avianca Cusco-Bogotá das 16h05 que faz conexão com o vôo direto da Avianca Bogotá-Rio das 21h15, direto ao Rio, chegando às 5h30 da madrugada da segunda. (Leia sobre as dificuldades da Avianca.)

Saindo de Porto Alegre

Quem sai de Porto Alegre também deve aproveitar a rota direta da Avianca. Saia no sábado, no vôo Avianca das 6h25 (chegada em Lima às 9h15). Siga na segunda a Cusco no vôo Avianca das 14h (chegada às 15h20) e volte domingo no vôo Avianca das 10h05, que permite que você passeie à tarde por Lima e volte no vôo das 22h50 direto a Porto Alegre, chegando às 5h35 da manhã de segunda. (Leia sobre as dificuldades da Avianca.)

Precisa vacina contra febre amarela para ir ao Peru?

Por enquanto, não precisa.. O Peru é um dos únicos países da América Latina que não exigem a vacina de brasileiros. Mas isso pode mudar a qualquer momento. Se você tem intenção de viajar a países latino-americanos nos próximos anos, consulte seu médico e veja se você pode ser vacinado. Se puder, meu conselho é vacinar-se -- tanto para estar protegido da doença no Brasil como para não ter problemas nas viagens. Se você não puder se vacinar por razões de saúde, seu médico pode emitir um certificado internacional de isenção da vacina.

Lembre-se que a vacina só vale depois de 10 dias; se o Peru passar a exigir a vacina amanhã e a sua viagem estiver marcada para dali a oito dias, não será aceita no dia da viagem e você precisará remarcar. Veja como vacinar-se e tirar o certificado internacional (ou o de isenção) .

Como comprar o ingresso para Machu Picchu

Desde 2011, obedecendo a determinação da Unesco, a cidadela de Machu Picchu passou a receber no máximo 2.500 visitantes por dia. Por isso é importante comprar seu ingresso com antecedência, pelo site MachuPicchu.gob.pe.

O site foi reformulado em janeiro de 2019 e não tem mais versão em português. A versão em inglês costuma aparecer automaticamente para estrangeiros. Se você preferir comprar em espanhol, configure o idioma na barra do alto, à esquerda.

Para iniciar o processo, você precisa escolher uma data. O site vende ingressos para o mês corrente e para os cinco meses seguintes.

A partir de 1º de janeiro de 2019, os ingressos estão sendo vendidos com hora marcada. Há 9 horários disponíveis: a primeira entrada e às 6h, e a última, às 14h.

Os ingressos para estrangeiros custam 152 nuevos soles (algo como US$ 45). Há outras novidades nas regras de visitação; leia aqui.

Além do ingresso simples, há dois outros ingressos disponíveis (com lugares ainda mais limitados) para combinar o circuito da cidadela com o trekking por uma das duas montanhas do complexo. O ingresso Machu Picchu + Montanha Huayna Picchu custa 200 nuevos soles (US$ 60), mesmo preço do ingresso Machu Picchu + Montanha Machu Picchu.

Definido o ingresso, você vai precisar preencher a ficha dos visitantes. No campo de documento, informe o que você vai levar no dia -- pode ser RG ("DNI", em espanhol) ou passaporte.

O pagamento tem uma pegadinha: é preciso usar um cartão de crédito internacional Visa participante do sistema Verified by Visa, ou cartão de crédito internacional MasterCard participantes do sistema MasterCard SecureCode. Estes sistemsa remetem a uma verificação do seu banco emissor (por senha ou token) antes da compra. (Saiba mais sobre esse sistema neste post). Se você ainda não tem um cartão Verified by Visa ou MasterCard SecureCode, vale a pena fazer um -- cada vez mais sites internacionais estão usando o sistema.

Se você estiver no Peru, pode anotar o código da reserva e terá três horas para pagar por boleto numa agência do Banco de La Nación ou em postos específicos em Cusco e Aguas Calientes. Esta alternativa não é recomendável porque é bastante arriscado deixar para comprar o ingresso ao parque só no Peru (sobretudo na alta temporada entre maio e setembro).

Uma vez comprados, imprima os ingressos e leve com você.

Vale a pena incluir a Montanha Huayna Picchu?

A Machu Picchu que está na sua cabeça pode ser visitada em sua plenitude com o ingresso simples. O passeio com calma, percorrendo toda a cidadela, requer três horas, com subidas e descidas, muitas vezes debaixo do sol. É um passeio maravilhoso, porém naturalmente exaustivo.

Quando você inclui uma subida a uma das montanhas -- seja à Huayna Picchu, seja à Montanha Machu Picchu -- você acrescenta de três a quatro horas de esforço físico à sua visita. Sinceramente, não acredito que a relação sacrifício x benefício seja boa.

De todo modo, há três casos de visitantes que devem considerar comprar o ingresso com trilha:

  • Trekkistas, andarilhos, fãs de turismo-aventura
  • Quem gostaria de ter feito a Trilha Inca mas não tem tempo ou fôlego para tanto
  • Quem vai fazer a visita em dois dias consecutivos

Leia mais sobre isso, incluindo opiniões divergentes de leitores, neste post.

Como comprar a passagem de trem

A não ser que você chegue a Machu Picchu pela Trilha Inca, vai precisar pegar o trem até Aguas Calientes (oficialmente, Machu Picchu Pueblo), a cidadezinha de onde partem os microônibus que levam ao santuário de Machu Picchu.

Há três pontos de partida do trem:

  • San Pedro, uma estação em Cusco, que foi reativada em maio de 2019
  • Poroy, uma estação a 25 minutos de táxi de Cusco, de onde saem trens da Peru Rail
  • Ollantaytambo, uma cidade do Vale Sagrado a 2h de carro ou van de Cusco

Saindo de Cusco, a viagem até Aguas Calientes vai levar em média 4 horas, por qualquer uma dessas rotas (táxi a Poroy + trem a Aguas Calientes, ou van a Ollantaytambo + trem a Aguas Calientes).

Se você seguir o meu roteiro, vai pegar pegar o trem em Ollantaytambo. O percurso de ida de Cusco a Ollantaytambo vai ser aproveitado para fazer paradas pelo Vale Sagrado (como você verá neste post).

Duas cias. operam na ferrovia: a PeruRail, do grupo Belmond (antigo Orient-Express) e a Inca Rail.

As duas cias. oferecem vagões com diferentes níveis de conforto. Os preços são por trecho (só ida ou só volta) e variam conforme dia e horário da viagem.

Primeira viagem ao Peru: trem PeruRail Expedition

PeruRail: trem Expedition

Na PeruRail, o vagão menos caro é o Expedition (US$ 75 Poroy-Aguas Calientes, desde US$ 70 Ollanta-Aguas Calientes). Na Inca Rail, a classe mais barata é a The Voyager, que tem tarifas a partir de US$ 70 (Ollanta-Aguas Calientes).

Primeira viagem ao Peru: trem Vistadome PeruRail

PeruRail: trem Vistadome

Os vagões mais panorâmicos da PeruRail (e com melhor serviço de bordo) são os VistaDome (desde US$ 115 San Pedro-Aguas Calientes, US$ 105 Poroy-Aguas Calientes, US$ 95 Ollanta-Aguas Calientes). A classe equivalente da Inca Rail seria a The 360° , desde U$ 115 (San Pedro-Aguas Calientes), US$ 105 (Poroy-Aguas Calientes) e US$ 85 (Ollanta-Aguas Calientes).

Primeira viagem ao Peru: Inca Rail First Class

Inca Rail: vagão First Class

A Inca Rail também tem uma First Class com serviço de luxo desde US$ 208 (San Pedro-Aguas Calientes) e US$ 195 (Ollanta-Aguas Calientes).

Se você está achando tudo muito caro, preciso informar que as duas cias. também têm classes AAAA gargalhantes: a PeruRail tem o Sacred Valley Train (desde US$ 195 Ollantaytambo-Aguas Calientes), o Hiram Bingham (desde US$ 540 Poroy-Aguas Calientes) e a Inca Rail, a The Private Machu Picchu Train (um vagão que pode ser fretado entre Ollanta e Aguas Calientes, com preço sob consulta).

Caso você queira seguir este roteiro que eu sugiro, compre da seguinte maneira:

  • ida: Ollantaytambo-Aguas Calientes num trem do início da tarde, com saída entre 13h e 14h. Você chega a Aguas Calientes a tempo de dar uma descansada à tarde (dá para aproveitar as águas termais).
  • volta: Aguas Calientes-Ollantaytambo, Poroy ou San Pedro, também num horário vespertino, com partida umas duas horas depois do horário em que você calcula terminar sua visita a Machu Picchu.

É melhor comprar a volta a Ollantaytambo, Poroy ou San Pedro?

Dá certo dos dois jeitos. San Pedro está no centro de Cusco e garante uma volta mais confortável. Poroy deixa perto de Cusco, mas ainda envolve pegar um táxi para ir ao seu hotel. E a volta por Ollanta não tem perrengue, não: uma frota de vans estará à espera dos passageiros para transportar até Cusco, por 15 soles por pessoa. O tempo de viagem acaba sendo parecido, porque as vans levam ao centro de Cusco (Poroy está a 18 km da cidade).

Que moeda eu levo para o Peru?

Primeira viagem ao Peru: 100 nuevos soles

Não compre soles peruanos no Brasil

Não compre moedas fracas no Brasil em geral. Os valores parecem pequenos, mas na verdade a cotação é bastante desfavorável; a margem de lucro das casas de câmbio nessas moedas é maior do que as margem que auferem ao vender dólar ou euro. Um exemplo: no momento em que escrevo este post, tendo o dólar como parâmetro, o sol está valendo cerca de 15% a mais do que o real. Só que tem corretora vendendo sol 40% mais caro que o real! Os valores podem mudar, mas a diferença nunca compensa. Se você quer ter soles peruanos no bolso desde a chegada, troque 100 dólares na casa de câmbio do aeroporto, junto às esteiras de bagagem. Mesmo com a cotação fraquinha de casa de câmbio de aeroporto, você vai perder menos dinheiro do que comprando soles no Brasil.

Não leve reais para o Peru

Infelizmente essa cotação da regrinha de três entre dólar, sol e real não se confirma na prática, quando você leva seus reais para trocar numa casa de câmbio no Peru. Durante a minha última viagem, meus reais compravam sempre 10% menos soles do que se eu tivesse usado a mesma quantia em reais para comprar dólares no Brasil e trocar por soles no Peru. Sem falar que o real em espécie sofre do mesmo problema do cartão de crédito: pode desvalorizar durante a sua viagem. Os mercados são interligados, e uma desvalorização do real frente ao dólar no Brasil se reflete imediatamente no Peru (ou qualquer lugar do mundo).

Prefere levar dinheiro vivo? Leve dólares

Da mesma maneira que o dólar vale muito no Brasil, vale muito no Peru também. O dólar que você compra aqui mantém o seu poder de compra lá. Apenas tome o cuidado de pesquisar a cotação do dólar aqui, para comprar o dólar menos caro que encontrar. Tome cuidado também para trocar bem o seu dinheiro no Peru. Troque o mínimo possível em aeroportos, nos fins de semana e fora do horário bancário. A melhor cotação é obtida durante em dias de semana, durante o horário bancário. Evite casas de câmbio muito informais; o risco de receber uma nota falsa é bem maior nesses lugares. Por outro lado, seus dólares podem ser aceitos diretamente por vários operadores de passeios, sem precisar ser trocados em casa de câmbio.

Cartões são menos vilões do que parecem

Todo mundo conhece de cor os problemas do cartão de crédito e do cartão pré-pago: ambos sofrem a incidência de 6,38% de IOF, e o cartão de crédito ainda sujeita você à desvalorização do real entre o dia do gasto e o do vencimento da fatura. Permita-me, porém, lembrar as vantagens dos cartões -- sim, elas existem. A maior delas é garantir o câmbio mais justo do sol peruano para o dólar. Usando cartão você não precisa camelar entre casas de câmbio comparando cotações; e a cotação usada para converter os seus gastos não vai variar entre cidades, horários ou dias da semana, e vai ser bastante superior à cotação de qualquer casa de câmbio (com a incidência do IOF, a cotação do cartão acaba entre igual e ligeiramente inferior às melhores casas de câmbio). Outra vantagem é evitar o risco de receber notas falsas. Uma nota de 100 soles falsa que você receba significa mais de 100 reais.

O cartão pré-pago congela o dólar no momento da compra da moeda, mas dá um pouquinho de trabalho para carregar e controlar o saldo. Mas se você tem medo de desvalorização do real, ou tem limite baixo no cartão de crédito internacional, o pré-pago é uma ótima alternativa.

O melhor cartão de crédito atualmente é o da Caixa, porque oferece uma cotação próxima ao dólar comercial e faz a conversão para reais na data de cada compra (o valor não varia até o vencimento da fatura).

Vale a pena fazer saques em caixas automáticos?

O problema dos saques em soles é que, além do IOF de 6,38% brasileiro, você ainda precisa pagar a tarifa de saque do seu cartão e a tarifa de uso do equipamento. Como os valores máximos de saque são baixos, essas tarifas acabam pesando demais no total. Se você for fazer retiradas, a melhor rede é a BCP, que permite retirar até 700 soles (pouco mais de 210 dólares) e cobra 13,50 soles de tarifa (4 dólares -- 2% no saque máximo). A GlobalNet é a pior: deixa retirar no máximo 400 soles (uns 120 dólares) e cobra 14,50 soles de tarifa (4 dólares -- 3,5% no saque máximo). A rede Scotiabank permite retirar até 500 soles; BBVA e Multired, 400 soles. Clientes Santander Select e Citibank, porém, fazem saques isentos de tarifa (mas com IOF de 6,38%), desde que usem as agências próprias desses bancos.

Um bom mix

Divida sua verba para a viagem ao Peru entre dólares vivos e cartão pré-pago ou cartão de crédito. Use os dólares para trocar dinheiro miúdo para o dia a dia e para pagar diretamente pelos passeios. Pague os hotéis com cartão. Dessa maneira você evita precisar trocar grandes quantias em casa de câmbio (diminuindo o risco notas falsas e o volume de dinheiro vivo a transportar).

Cusco

Boa viagem!

Mais Primeira viagem ao Peru:

794 comentários

André
AndréPermalinkResponder

Voltei de lá tem 2 semanas. Li bastante sobre quando ir e resolvi arriscar ir a Lima e Cusco na primeira semana de abril (de 31/3 a 09/4).

O tempo em Lima estava bem quente. Ficamos bem queimados até nos passeios. Muito calor e umidade. Chegamos em Cusco dia 04/4. Choveu no primeiro dia e no último, mas foram chuvas rápidas. Mas o frio incomodou à noite por causa do vento.

O grande problema pra mim foi a chuva em Machu Picchu. De fato, ela atrapalha. Atrapalha o passeio, as fotos, a vista. Acho que valeu a pena arriscar, por eu não poder ir na melhor época. Mas caso vc tenha essa opção, deixe pra ir a partir da segunda quinzena de maio (foi a dica do pessoal de lá).

A altitude também foi problema pra mim, ainda mais porque meu hotel ficava numa ladeira (Amaru Hostal I). É uma ladeira simples, se for numa cidade ao nível do mar. Mas a 3400m, ela se torna um desafio. Chegava muito ofegante. Também, senti enjoo e dor de cabeça.

É uma viagem muito interessante de ser feita, mas quanto mais vc puder evitar esses percalços, melhor será sua trip!

Ana Claudia
Ana ClaudiaPermalinkResponder

Caso não seja possível comprar o ingresso antecipado de Machu Picchu pela Internet por dificuldades com o cartão de crédito, onde seria possível comprá-lo em Cusco?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Ana Claudia! No Ministério da Cultura em Cusco, calle Garcilaso s/n, de segunda a sábado das 7h às 19h30.

Se você não conseguir comprar eletronicamente, é melhor comprar por uma agência especializada no Brasil ou, em último caso, no Peru.

Mas veja: qualquer cartão Visa emitido por um grande banco brasileiro, Itaú, Bradesco, Santander, Banco do Brasil, está no sistema.

Ana Carolina
Ana CarolinaPermalinkResponder

"Você não precisa levar o cartão com você; pode pedir para algum parente comprar"- eu pedi para uma amiga o cartão dela (pois o meu é Master) e quando fui finalizar a compra apareceu uma mensagem dizendo que o cartão + identificação serão exigidos na entrada... e agora?

tive dificuldade em achar agência aqui no Brasil que venda só o ingresso, só fazem pacotes fechado =/

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Ana Carolina! O Ricardo Freire entrou duas vezes sem que pedissem nada além do passaporte, por isso me repassou essa informação. Mas se no processo de compra está dizendo isso, vou corrigir a resposta.

Ana Carolina Nunes

Duas amigas que foram também falaram que não pediram nada... mas fiquei com medo de comprar. A questão é: e agora? apenas pessoas com Visa podem entrar em Machu Picchu? Temos alternativa para comprar esse ingresso? Tenho o contato de uma agente de lá, vou tentar por ela em última caso, mesmo assim, achei bem limitante uma pessoa física não poder comprar individualmente o ingresso, apenas quem tem Visa.
Obrigada pelo retorno. abs

Ricardo Freire

Ana Carolina, meu melhor conselho se você quer comprar ingressos e passagens por conta própria na internet é: faça um cartão vinculado ao sistema Verified by Visa ou MasterCard SecureCode. Se você tem algum parente que possua um cartão desses, peça para que ele faça um cartão vinculado para você. Cada vez mais sites pedem esse sistema.

Ana Carolina Nunes

Obrigada, Ricardo! Vou ver oq faço...
Aproveitando, parabéns pelo VnV, é sempre meu guia para viagens. Esse roteiro agora para o Peru é toda a minha base de programação. Excelente! abs

Ana Carolina Nunes

Eu enviei um e-mail para eles e vejam a resposta:

"buenas noches le informamos que no es necesario que el dueño de la tarjeta de credito este presente al momento de ingresar a amchupicchu.
la notificacion que usted observó es solo un formalismo de parte de las entidades fiancieras para evitar robos o clonacion de estas tarjetas de credito.
todo lo que suted necesita en la puerta de machupicchu es su boleto y su documewnto de identidad , eso es ,todo."

viva =)

sonia fagundes

Que maravilha achar esta informação aqui!!! Entrei em contato com eles por e-mail faz 1 semana e até agora não responderam...vou comprar com o cartão de outra pessoa...valeuuuu

Roberta Silva
Roberta SilvaPermalinkResponder

Excelente matéria! Vou para o Peru em Julho e ficarei 14 dias para fazer com folga Lima, Paracas, Nazca, Arequipa, Puno e Cusco! Estou ansiosa, deve ser tudo muito lindo! Quando voltar compartilho minha experiência! Abs

celso emerich
celso emerichPermalinkResponder

Sou fâ do seu site e sempre consulto pra qualquer viagem.
Gostaria de saber se o circuito do vale sagrado pode ser feito com carro alugado? .Pode ser uma opção ? via Puca ,Pisac Urbamba ,Ollanta retrnando a Chinchero e finalmente Cusco.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Celso! Não queira dirigir no Peru.

Cleide Lucia
Cleide LuciaPermalinkResponder

Riq, sensacional esse post. Você e sua equipe são incríveis, pensam em cada detalhe, dicas importantes para se organizar uma viagem com sucesso. Nossa, amo seu blog!
Abraço

Alex Melo
Alex MeloPermalinkResponder

Peru foi minha primeira viagem, no mochilão forte. Foram 8 dias pela Bolivia e 23 dias no Peru, em 2004. Que lugar lindo..praia, montanhas, floresta... impressionante.

Um lugar lindíssimo de lá que quase ninguém vai é para o norte, na região de Huaraz Ali tem-se o que chamam de Corredor das cordilheiras:de um lado a Cordilheira negra, mais baixinha e virada para o mar. Do outro a branca:mais alta, mais longe da maresia...com picos gigantescos.

Foram 3 dias por ali, no final da viagem e um dos pontos mais altos de qualquer viagem que já fiz até hoje.

Mari
MariPermalinkResponder

Gostaria de saber se o passeio a Macchu Pichu é seguro de se fazer com meus avôs, que já são idosos (maiores de 70). E também se há problema com a altitude de Cusco para pessoas nessa faixa de idade.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Mari! Consulte o médico, é o melhor a fazer.

Lilia Santos
Lilia SantosPermalinkResponder

Olá Mari,
Viajei para Machu Picchu em 2014 e lá na montanha vi muitos, mas muitos velhinhos (parece que europeus) curtindo tudo!
Eram grupos de idosos super em forma, felizes da vida.
Mas como já foi dito, é preciso consultar os médicos de seus avós para saber se eles podem fazer esta viagem.
A altitude realmente deixa a gente muito ofegante e cansado. Parece que quem tem problemas cardíacos e respiratórios sentem mais...
Mas tudo lá é muito bem organizado. Chegando em Aguas Calientes, eles não precisarão andar muito. E o microonibus leva direto à entrada do parque das ruínas, então neste aspecto é bem tranquilo.
Espero ter ajudado

Melina
MelinaPermalinkResponder

Oi Mari, quando comentei com meu médico que iria a MP ele me disse de um paciente dele que era cardíaco, não sabia, e morreu logo depois de chegar desta viagem. Meio trágico, talvez exceção, mas achei interessante para termos cuidados com a aclimatação e com as pessoas de idade. De fato consultar o médico dele é a melhor ideia!

Fernanda Leal
Fernanda LealPermalinkResponder

Somos seus fãs, Ricardo !
Antes de viajar procuro ler todas as suas dicas. E sempre deu certo.
Eu e meu marido vamos para Cusco na segunda quinzena de maio. Apenas preocupados com o soroche pois estamos fora de forma.
Abração !

Marcilio
MarcilioPermalinkResponder

Muito bom o post, fui ao perú no mês passado e fiquei encantado , quero voltar ! O preço dos passeios acaba sendo bem caro o tren nem se fala um absurdo , porém existe o trajeto de Cuzco a macchu Picchu de ônibus , sim você perde um tempo porém terá uma grande encomonia e esse trajeto hoje e feito por 60% dos turistas estrangeiros .

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Marcilio! Não existe o trajeto de Cusco a Machu Picchu de ônibus. A estrada só chega até Hidroeléctrica, num trajeto de 7 horas desde Cusco. De lá são 3 horas de caminhada a Aguas Calientes. Não passe adiante informações pela metade nem estatísticas que te contaram na rua ("60% dos estrangeiros", hmpf).

Kristen
KristenPermalinkResponder

Eu vou ao Peru mês que vem e acabei fazendo como está descrito no post, com relação a quantidade de dias em cada lugar, horário dos voos, reservas etc. Mas isso depois de muuuita pesquisa. Obrigada VnV por passar tudo mastigadinho! Vai ajudar muita gente! Verdadeira utilidade pública.
A diferença é que vou passar um dia a mais em Lima porque vou chegar no sábado de manhã. E vou fazer a trilha Inca!

Ana Paula
Ana PaulaPermalinkResponder

Instruções perfeitas para quem quer à Machu Picchu. Estou adorando tudo.
Tentei comprar os ingressos para Machu Picchu pelo site indicado, mas este solicita o número do passaporte e 3 pessoas que viajam comigo não tem. Elas podem viajar para o Peru sem passaporte? E, em caso positivo, utilizo que tipo de documento para comprar os ingressos? Muito obrigada!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Ana Paula! Basta informar o número do RG. O Peru pertence ao Mercosul e podemos entrar com o nosso RG original (carteira de motorista não vale).

Neftalí
NeftalíPermalinkResponder

Só pra ser chato...O Peru não pertence ao retrógado Mercosul, e sim à Aliança do Pacífico, junto com o Chile, Colômbia e México. E ao Pacto Andino.
Mas claro, há acordos que permitem que os brasileiros entrem em todos os países da América do Sul (exceto Suriname e as Guianas) somente com RG (relativamente novo).

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Ops, valeu smile

Christiane Ribeiro

Olá Ricardo! Eu e meu esposo estavamos bastante inseguros em fechar a viagem ao Peru por conta, ou seja, sem ser através de uma agência com um roteiro pré definido, mas li seu post hoje e já fechamos tudo por conta! Iremos na segunda quinzena de maio e irei comemorar meu aniversário em Lima. Você citou que lá possui alguns restaurantes, teria alguns para indicar!? Obrigada!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Christiane! Quem responde é A Bóia. No post de Lima há várias indicações. É o segundo da série.

Lilia Santos
Lilia SantosPermalinkResponder

Ricardo, seu roteiro é realmente fantástico. Vai ajudar demais quem se aventurar pelo Peru.
Não sei se você vai escrever um post sobre o Lago Titicaca.
Fiz uma viagem de 15 dias e conheci Cusco, Machu Picchu, Lago Titicaca e Lima.
Para o lago, comprei um passeio em uma agência na Praça das Armas (lá tem uma infinidade de agências!). Ficou mais simples, pois são muitos detalhes e talvez sozinha eu não conseguisse.
Fizemos uma viagem em ônibus turístico, parando em vários locais até chegar em Puno (cerca de 7 horas de viagem). Dormimos lá e na manhã seguinte nos buscaram no hotel e tomamos um barco para conhecer as ilhas flutuantes de Uros. Depois navegamos mais umas três horas até a ilha Amananti, onde fomos recebidos pelos nativos e nos acomodamos na casa de um deles. É o chamado turismo vivencial. Tudo simples demais, um choque de realidade, mas bastante organizado. Pernoitamos nesta ilha, participamos de uma apresentação folclórica e no dia seguinte embarcamos novamente para conhecer a ilha de Taquile (maravilhosa!).
Almoçamos na ilha e logo depois retornamos para Puno.
À noite pegamos um ônibus para voltar a Cusco, onde chegamos somente na manhã seguinte.
Um pouco cansativo, mas valeu a pena.
Tudo isso que relatei estava coberto pelo pacote. Não ficou caro não. Se não me engano, pagamos por volta de 300 reais por tudo isso.
Recomendo incluir a visita ao Lago Titicaca no roteiro!

elka campos
elka camposPermalinkResponder

Olá Bóia! Há alguma orientação para se preparar para o soroche, mal de altitude, antes de se chegar ao destino?
Estive em janeiro de 2015 no Atacama, Chile, e passei muito mal com a altitude. O que me salvou foram os chás, balas e folhas de coca, que nunca encontro no Brasil.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Elka! Encontrará tudo isso em Cusco.

Alessandro Ayres

Relato fantástico Riq!!! Ainda não fui ao Peru, mas com certeza esses posts serão bastante úteis.

Filipe Morato Gomes

O post está super completo, mas tenho uma sugestão: vale muito a pena juntar mais uns dias e incluir algumas ilhas do Lago Titicaca.
Abraço.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Filipe! Esta série foi preparada para quem tem 9 dias e quer aproveitar sua viagem ao Peru da melhor maneira. Haverá outro post com um roteiro incluindo Puno, para quem tem mais dias.

Lais
LaisPermalinkResponder

Olá Bóia,
Vale a pena fazer esta viagem sozinha?? ? É uma pergunta genérica, com resposta também genérica, eu sei!! tirarei férias em junho e minha vontade tá grande de ir ao Peru!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Laís! Sem o menor problema smile

Inclusive periga você conhecer muuta gente bacana pelo caminho!

gisele teixeira

Acabei de voltar de LIma, aos poucos, começo a publicar meus posts no blog ( http://aquimequedo.com.br/category/outras-viagens/peru/). Passo para avisar que a moeda peruana está valendo mais que o real. Ou seja, ficou um pouquinho mais caro. Outra coisa, para os que ficam um pouco mais de tempo em Lima, deixo a dica de um museu que eu amei e não vejo quase as dicas dos bogueiros: o Lugar de la Memoria, que o nos ajuda a entender um pouco o período do terrorismo no Peru, com o Sendereo Luminoso. Uma boa viagem a todos.

Denise Brigido

Olá, vou ao Peru em setembro, ficarei 10 dias, seria possível incluir Puno na minha viagem, se eu acrescentasse mais um dia? Estou com muitas dúvidas ainda, poderia me ajudar? Obrigada

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Denise! Você precisaria de duas noites em Puno. No dia da chegada você não conseguirá fazer nada, no dia seguinte você faz o passeio pelo Titicaca, no terceiro dia vai de ônibus ou trem a Cusco. Você pode voar de Lima a Puno.

Pedro Teixeira Leite Ackel

Ricardo, amo seu site. Fizemos uma viagem para a Califórnia baseada sobretudo nas suas dicas, onde se hospedar, onde ir, os suspiros a cada curva do big sur, etc.. Foi muito boa. E posso dizer com segurança e conhecimento de causa que uma viagem bem planejada e estudada é muito melhor aproveitada do que uma viagem sem o devido planejamento. Obrigado por facilitar mais uma vez a nossa vida. Se tudo der certo, vamos para o Peru no início do segundo semestre e levaremos em conta suas sabias dicas.. Forte abraço, Pedro e Mirela

Emilio Coen
Emilio CoenPermalinkResponder

Depois de mais de 10 anos voltei para a minha cidade natal. E gostaria de comentar o seguinte: O trânsito continua um horror. Para quem for embarcar de noite em Lima, o ideal é que saia com 3 horas de antecedência, pois de noite o trânsito ficar pior, um caos. Demorei duas horas de Surco até o aeroporto no Callao. Outro fato que me chamou a atenção, foi a paranoia com as notas falsas (inclusive moedas). Tomem muito cuidado, se o próprio peruano desconfia tanto das notas é porque deve ter muita falsificação mesmo.

Davi
DaviPermalinkResponder

Terei 4 dias para Cusco + Machu Picchu e prefiro ficar hospedado só em Cusco. Dá certo fazer um bate volta de Cusco a Machu Picchu (só para o passeio a cidadela) mesmo que seja necessário pegar o trem bem cedo?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, David! Não é o ideal, mas é perfeitamente factível.

ERIKA SOARES
ERIKA SOARESPermalinkResponder

Olá! Pretendo fazer em maio ou junho do ano que vem o roteiro que sugeriste de 9 noites (Lima, Cusco, o Vale Sagrado e Machu Picchu).
Gostaria de levar meu sobrinho, de 12 anos... ele tem bom preparo físico, pois pratica natação, judô, e que tais...
É recomendado? Há muitas formalidades e/ou problemas? Desde já agradeço! wink

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Erika! Só precisa autorização dos pais para sair do país.

Barbara
BarbaraPermalinkResponder

Olá!
Tenho exatamente 10 dias de férias no final de junho e estou pensando em seguir o seu roteiro. Acontece que cairia justo na semana em que vai ter a festa do sol em cusco, a qual, olhando fotos e vídeos, não me interessei tanto. A minha preocupação é que cusco parece ficar bem lotado neste período. Você acha que vale a pena ir mesmo assim? Sabe algo sobre essa festa do sol?

Valeu!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Barbara! Quem responde é A Bóia. Todo mundo quer ir a Cusco na época da festa do sol. Sim, estará lotado. Sim, deve valer muito a pena, todos que vão parecem gostar muito. Verifique se ainda há vagas para o trem e o parque antes de marcar viagem.

Jessica Xavier

Olá, boa tarde! ÓTIMO post com muuuitas dicas! Esclareceu muitas informações!
Estou planejando uma viagem para Machu Picchu em agosto e procurei por tickets de trem pela Inca Rail. tenho lido que a Inca Rail só oferece trens para o trecho ollanta-machu picchu-ollanta., porém eu encontrei um trecho Poroy-Machu Picchu-Poroy pela inca Rail também. Essa informação procede ou tem outro local chamado Poroy em Ollanta e eu estou me confundindo? Obrigada!!!!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Jessica! A Inca Rail também está saindo de Poroy. O texto fala isso. Por favor, leia o texto inteiro e com atenção antes de perguntar. A gente levou meses escrevendo. Tire meia horinha para ler com atenção. Obrigada.

Ellis
EllisPermalinkResponder

Sempre que pretendo viajar, faço do VnV a minha primeira escala. Ric, Bóia e demais colaboradores sempre me ajudaram muito. Esta é, porém, a primeira vez que deixo um comentário aqui. Fui ao Peru em 2012 com roteiro muito parecido com o sugerido aqui (inclusive Nasca, Paracas, Islas Ballestas e Huacachina). Eu, ousando dar pitaco no roteiro do fenomenal Ric, acrescentaria um dia em Lima para conhecer Caral, a civilização mais antiga da América. Um sítio arqueológico fantástico. E, quanto aos caixas eletrônicos, havia os municipais (encontrei em Lima, Cusco e Ica) que cobravam taxas mais baixas que as outras redes. Não sei se hoje ainda existem.

Raquel
RaquelPermalinkResponder

NÃO recomendo o lanche no quiosque externo do hotel Belmond em Machu Picchu. O sanduíche é até grande, mas não vale os dólares. Além disso, tem uma fila chata e mal organizada pra pegar e não oferecem nenhum lugar para sentar e fazer o lanche.

Valquiria
ValquiriaPermalinkResponder

O almoço no Belmond só vale a pena pra quem paga em moeda forte, americanos, japoneses... é um bufê razoável, mas pelo preço, para nós que pagamos o dólar a 3,60 (cotação de hoje), não é um bom custo benefício.

carmen
carmenPermalinkResponder

Olá, Ricardo! Mto bom o seu post! Vou fazer um roteiro bem parecido com o seu em julho deste ano, mas vou ter 2 dias a mais. Estava pensando em passar 4 noites em Cusco e 2 em Ollanta. Vc acha que vale a pena estender o passeio dessa forma ou tem alguma outra sugestão?
Obrigada!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Carmen! Você pode voar de Lima a Puno, passar uma noite, fazer o passeio às ilhas Uros e seguir de ônibus noturno a Cusco. Pode também aumentar um dia em Lima e outro em Cusco. Ou ainda aumentar um dia em Cusco e outro em Aguas Calientes, para ir duas vezes a Machu Picchu. Duas noites em Ollanta seriam redundantes.

Cláudia Harumi Yuhara

Fui ao Peru no ano passado e estive, por coincidência, em Cusco uma semana antes do Inti Raymi.
Cara, foi demais! Teve ensaio todos os dias e noites. Lindo! Cusco estava em festas!
Amei o Peru e o seu povo. Quero muito voltar. Se possível, na semana oficial do Inti Raymi.

Juliana
JulianaPermalinkResponder

Riq e Bóia,

Mais uma vez venho agradecer a participação de vocês na minha viagem. Acompanho o VnV desde 2010 e nunca saio de casa sem vcs!! Já indiquei para centenas de amigos em todas as partes do mundo!
Esse roteiro saiu justamente nas minhas organizações da viagem ao Peru! Segui praticamente tudo o que foi colocado aqui...incluindo os restaurantes fantásticos (Ciciolina nota 10!!)...viagem perfeita!!
Muito obrigada mesmo!
Deixando uma dica: na pracinha principal do Barranco, em Lima, conhecemos um restaurante maravilhoso: Ventarrón. Havia sido inaugurado dois dias antes, comida excelente, super diferente e elaborada ... e preços que cabem no bolso! Super indico!!

clovis Jardim Farias

Ótimo roteiro e informações.

Fernanda Paim
Fernanda PaimPermalinkResponder

Ótimas informações!!!

Fabio
FabioPermalinkResponder

Boa noite.
Preciso de passaporte para peru ou consigo viajar apenas com o rg. Meu passaporte venceu e nao terei tempo habil se for viajar.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Fabio! Brasileiros podem entrar com RG no Peru.

Bárbara G
Bárbara GPermalinkResponder

Olá! Vou ao Peru m setembro e tenho duas dúvidas: na Calle Pavitos consigo pegar um ônibus até Ollanta?
E se eu levar reais, consigo trocar facilmente lá por soles? tem indicação de casa de câmbio com boa cotação?
Obrigada!!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Barbara! Tudo está explicado nos textos, por favor leia com atenção. As informações são atuais e não mudamos de opinião desde a publicação.

Gabriela
GabrielaPermalinkResponder

Olá! Vou para Lima e Cusco em setembro. Penso em comprar o trem para Machu Picchu como sugerido no post: partindo de Ollantaytambo e retornonando para Poroy. Minha dúvida é: na ida eu contrato com alguma agencia local o passeio para o sítio arqueologico de Ollantaytambo, e lá mesmo pego o trem? na volta é facil conseguir um transporte (seja onibus, van ou taxi de) de Poroy ate Cusco? Obrigada

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Gabriela! O sítio arqueológico de Ollantaytambo fica dentro da cidade. Uma vez em Ollanta, você não precisa de nenhum apoio para chegar até o sítio. O complicado dessa logística (sem tour nem pernoite) é subir aquilo tudo com mochila nas costas. Se quiser contratar guia, haverá profissionais disponíveis na entrada do parque, como em todos os sítios arqueológicos peruanos. Não há nenhuma dificuldade em pegar táxi ou van em Poroy para Cusco.

Gabriela
GabrielaPermalinkResponder

Obrigada pelas dicas Boia!!

Marcela
MarcelaPermalinkResponder

Acabo de voltar do Peru. Visitamos Lima, Cusco, Ollanta, Aguas Calientes, Machu Picchu... seguimos várias dicas aqui do VnV. A viagem foi maravilhosa!! Já queremos voltar!
Em Cusco, indico 2 ótimos restaurantes decomida peruna, perto da Plaza de Armas, ambos na Calle Plateros:
- Restaurante Morena: Os pratos são bem fartos, indico pedir 1 prato pra 2 pessoas. Provamos as 2 opções de ceviche e foram os melhores que comemos em toda a viagem. Os sucos vem tipo numa jarrinha, bem maior que um copo, e o de manga é delicioso. Tem uma sobremesa chamado Cacao, que é um sorvete servido em um cacau, maravilhoso! Pedindo 1 entrada, 1 prato e 2 bebidas a conta fica em torno de 100 soles.
- Restaurante Peru.ka: Comida peruana, mas com vários pratos de fusion food. Indico o sushi de truta com abacate. Pedindo 2 pratos e 2 bebidas, fica em torno de 80 soles.
De tão bom, fomos 2 vezes em cada um deles! rsrs..
Nos restaurantes que fomos no Peru, eles não incluem a gorjeta na conta, que é opcional. Nós sempre colocamos 10%, e passamos no cartão mesmo, junto com o valor da conta.
Espere que ajude!
Abraços!

Sirlene Alfonso Ortega

Parabéns pelo roteiro. Perfeito para se conhecer e aproveitar muito do que Peru oferece. Valeu !!

vania JACOBINA

Montei minha viagem com o seu roteiro , vou com duas adolescentes ! Depois te conto ! Obrigada suas dicas são excelentes !!!

Eleonora Pinheiro

Oi Ricardo, bom dia. Estamos programando a viagem para o Peru e as suas orientações foram preciosas mas estamos com uma preocupação séria só podemos fazer a viagem em janeiro e pensamos na data 29/12/2016 a 10/01/1/2017. Você acha que é arriscar muito, devido ao cilma, ou dá para ir?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Eleonora! Quem responde é a Bóia. Para que viajar na época duvidosa se você pode viajar na época certa? Machu Picchu não vai sair do lugar, você ainda vai viver muitos anos.

marisa
marisaPermalinkResponder

Adorei o roteiro, bem detalhado, perfeito para quem quer fazer este circuito.parabéns. abd

Fernanda
FernandaPermalinkResponder

Gostaria de saber se é muito cansativo ir com um bebê de 1 ano e 6 meses para o Peru nesse roteiro de 9 dias e se tem alguam dica para esse caso?!?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Fernanda! Você quer levar um bebê de 18 meses para altitudes próximas a 4000 metros e, em vez de consultar seu pediatra, vem pegar pitaco na internet?

Carlos
CarlosPermalinkResponder

A dica é não leva o bebê para um lugar tão difícil.

Dulce Orofino
Dulce OrofinoPermalinkResponder

Oi,Bóia,gostaria de dizer que fiz em Lima e em Cusco,um "free walking tour"'que sai do Pqreu Kennedy ou de Barranco ( em Lima) e da Olaz de Armas ( em Cusco).Vale muito a pena,principamente em Lima.Vicê paga o quanto achar que deve.Muito bom.

Ducarmo Costa
Ducarmo CostaPermalinkResponder

Olá Mari, parabenizo-a pelo intuito de levar seus avós numa viagem fantástica e inesquecível. Estive lá no último mês de julho/ 2016. Tenho 72 anos e meu marido 75. Somos de Natal e temos um filho residente em Porto Velho/ RO. Fomos de carro. Fizemos o percurso em dois dias (muito puxado). Não foi nada difícil, exceto alguns contratempos na alfândega que nos fez pernoitar em Inãpari perdendo uma reserva em Puerto Maldonado. Chegamos à meia noite e meia em Cusco 3:30 no Brasil. Mesmo no verão tivemos zero grau ao atingir 4.800m do nível do mar. Dia seguinte visita pontos importantes em Cusco e dia seguinte subimos a Machu Picchu. Pra nossa idade fio um pouco exaustivo dada a subida ingreme, degraus altos além de seixos soltos, mas, nosso filho auxiliou o pai e a guia(uma moça) me ajudou na subida. Muito frio até a estação onde o trem nos deixou. Ali deixamos as roupas pesadas e seguimos de ônibus até o início da subida. Foi tudo tranquilo. Só ficamos com os lábios ressecados embora usássemos água, óculos p Sol e chapeus ( indispensáveis). Abçs é boa viagem (se ainda não foi). Certamente seus irão adorar

Juliana
JulianaPermalinkResponder

Fui agora em agosto, segui o roteiro aqui do site (após mil leituras em diversas referências e vi que era o melhor mesmo para o tempo que tinha, hehehe), e a viagem foi incrível. Os guias que contratei em Cusco até se impressionaram com o meu conhecimento e acharam que já era minha segunda ou terceira vez no país (Adventure Heart Peru, uma empresa pequena, do Yieber e da Carolina. Gostei bastante, fiz quase todos os passeios privados para duas pessoas, com bons preços - os únicos que encontrei calhando com o a previsão de passeios privados aqui - e não tive problemas).

Tirando o tour em Cusco, fiz todo o resto com guia privado, seguindo as recomendações desse roteiro. Tudo perfeito. Consegui descer em Moray, visitar as estruturas de Pisaq, ver Ollantaytambo mais vazia e com a luz incrível.

A única coisa que eu mudaria é o fim. Ficaria duas noites em Aguas Calientes para poder aproveitar o dia inteirinho em Machu Picchu. Peguei o trem das 16h12 de volta a Cusco no dia que fui, e sair por volta das 14h de lá me deu uma dor no coração... Além disso, 3 horas de trem depois de um dia desses - mais o estresse de lidar com táxi de Poroy a Cusco - foi muito cansativo.

Para quem tem dinheiro, a solução é fácil, é só ficar no Belmond, que inveja daquelas pessoas hospedadas ali, hahaha.

(mas isso vale pra quem quer fazer as trilhas e não liga de ficar o dia inteiro subindo e descendo aqueles degraus hehehe).

Outra coisa para atualizar: não sei se dei azar porque estava um dia muito bonito, mas peguei muuuuita fila no ônibus para subir ao parque. Chegamos na fila 5h10 (os primeiros saíram 5h30), e só consegui pegar às 6h30. Quando chegamos as primeiras plataformas já estavam bem cheias. No nosso hotel, disseram que pra pegar um dos primeiros ônibus tem que chegar 3h da manhã na fila.

Dos restaurantes: em Lima AMEI o El Mercado (melhor experiência), em Cusco o Cicciolina (tive uma experiência péssima no Chicha, atendimento horrível), e o Incontri del Pueblo Viejo em Aguas Calientes (jantei e almocei lá, pizza deliciosa, cervejas artesanais peruanas muito boas).

Do transporte: em Lima só usei Uber, inclusive para ir para o aeroporto. Fácil, prático, e ainda mais barato que aqui. Em Cusco só usei táxi para voltar de Poroy à cidade no último dia (tem que negociar, mas ok). No resto do tempo, andamos, teve translado do guia ou do hotel.

Fui com minha irmã, duas mulheres jovens (23 e 30 anos), saímos à noite, e me senti super segura, não tive medo ou receio em momento algum.

é uma viagem incrível. realmente é incomparável ver todas aquelas paisagens ao vivo. E definitivamente, como os incas sabiam escolher bem onde construir suas cidades.

Leticia
LeticiaPermalinkResponder

Nossa, maravilhoso este site e todos estes posts sobre Peru. Voces estao de parabens!! Facilita demais o planejamento e organizacao da viagem!!

Claudio Toledo

Fui em agosto para o Peru, seguindo as dicas deste site. Optei por chegar a noite em Lima, passar um dia em Miraflores e depois voar para Juliaca. Tudo comprado pelos múltiplos destinos da Latam. De Juliaca, van para Puno. Noutro dia conhecemos o povo de Uros e de Taquile, no lago Titicaca. Dormimos mais uma noite em Puno e noutro dia fizemos a Rota do Sol até Cusco! Vale muito a pena! Em Cusco e no Vale Sagrado fizemos nossos passeios às ruínas com guia privado. Estávamos em 4 e o guia tinha um sedan. Dicas: não deixe de visitar a salineira de Maras!!! Peça ao guia que te leve em uma ONG a caminho de Moray que cuida da fauna local. Eles têm o condor, pumas e outros bichos sendo cuidados lá. Aproveite mais Machu Picchu chegando à noite em Águas calientes, subindo cedo pra MP e se possível, dormindo de novo em Águas Calientes, pra não precisar se apressar pra pegar o trem. Foram 9 noites muitíssimo bem aproveitadas!

Maria Lúcia
Maria LúciaPermalinkResponder

Muito bom! Vamos tentar cumprir. Iremos em novembro .
Obrigada!

Eduardo
EduardoPermalinkResponder

Parabéns e obrigado Ricardo pelo seu relato conciso e detalhista no qual me basiei para minha viagem ao Peru. Já passei por Lima e estou em Custo. Fiz os transfers pela Táxi Datum e recomendo, inclusive em Cusco. No Restaurante Central a reserva tem que ser com mais de 30 dias não consegui. Já no AstridyGaston o site não estava reservando porém fiz a reserva por email. Em hipótese nenhuma tente dirigir em Lima o trânsito é caótico. Usei o Uber e o Easy conforme sua orientação Ricardo. Fiquei no Radisson Decapolis e recomendo. Muito bem localizado e com um surprendente restaurante . E eles pedem táxi por aplicativo para o hóspede. O museu Larco é imperdivel para se conhecer um pouco da história do Peru. O pescados Capitales necessita reserva mas pode ser feita no mesmo dia. O Rafael pelo menos dois dias antes. O restaurante Rosa Náutica possui vista para o mar maravilhosa e a comida muito boa.

Flavia Pedrosa Pereira

Fiquei com dúvidas... O trecho Cusco - Ollantaytambo (parando para visitar Chinchero, Moray e as salinas de Maras pelo caminho) já seria feito de trem (saindo de Poroy)?
Em caso positivo, há possibilidade de, com a mesma pasagem de trem, sair um dia de Poroy, dormir em Ollantaytambo e seguir no outro dia para Aguas Calientes (comprando o trecho Poroy - Aguas Calientes) ? Agradeceria muitíssimo pela informação.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Flavia! Se desse para fazer de trem, esteja certa de que incluiríamos a alternativa.

Fernando Machado

Ótimo post. Parabéns e obrigado!

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia de férias. Só voltaremos a responder perguntas que forem postadas a partir de 3 de junho. Relatos e opinões continuarão sendo publicados.
Cancelar