Em 2017, Latam enxuga tarifas domésticas e cobra por assento, pontos e refeição

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Novas tarifas Latam 2017

Colaborou | Heloisa dall'Antonia

Como você decide a compra de uma passagem aérea? Pelo horário de saída ou chegada? Pelo tempo de duração do vôo? Pelo fato de não ter escala nem conexão? Pelas milhas? É possível que todos esses fatores influenciem na sua decisão, mas para a maioria dos passageiros, o fator realmente decisivo será o preço. Não é por outro motivo que os buscadores de passagens aéreas vêm configurados para apresentar os resultados ordenados pelo preço.

Pressionada por concorrentes low-cost no Chile e na Colômbia, pelo anúncio de uma subsidiária da Ryanair na Argentina a operar já no ano que vem, e pelos preços consistentemente menores da Gol no Brasil, a Latam criou uma fórmula para enxugar suas tarifas e aparecer melhor nos buscadores e agências.

A partir de 2017, as tarifas de vôos domésticos da Latam no Brasil, Chile, Argentina, Peru, Colômbia e Equador vai seguir o modelo das low-costs européias: a passagem vai dar direito apenas a subir no avião (e, por enquanto, despachar mala até 20 kg). Todo o resto será opcional, e cobrado à parte: marcação de assento, possibilidade de alteração ou reembolso, alimentação a bordo, acúmulo de milhas. Haverá 50 itens que poderão ser adicionados à tarifa básica.

Caso você não se importe de não marcar assento, concorde em não poder alterar a passagem, leve lanche de casa e não faça questão de milhas, voar pela Latam vai efetivamente ficar mais barato para você. (Caso você insista em marcar assento, ter direito a alterar a passagem, comer, beber e juntar milhas, provavelmente voar pela Latam vai ficar um pouco mais caro do que é hoje.)

Os custos desses itens não foram revelados; o cronograma de implantação também permanece indefinido.

O esquema das novas tarifas Latam 2017 já vai servir para acostumar o passageiro a uma mudança pleiteada por todas as cias. aéreas, que é a de poder cobrar extra pelo despacho de bagagens, como já ocorre na Europa e nos Estados Unidos (e não só em low-costs), e também por conexões. As empresas alegam que quem viaja sem mala e em vôos diretos acaba subsidiando quem voa carregado e usa estrutura de mais de um aeroporto no deslocamento. Caso o pedido seja aprovado pela Anac, o efeito deve ser o mesmo das novidades da Latam: voar vai ficar mais barato para uns e mais caro para outros.

Será que Gol, Azul e Avianca vão seguir o modelo das novas tarifas Latam 2017, para não ficarem atrás nos buscadores de passagens? Já já saberemos.

Leia mais:

35 comentários

Eduardo Menezes

Pra mim, esse novo modelo vai resultar num modelo de serviços low-cost sem redução eferiva das tarifas atuais.

Claudia Souza
Claudia SouzaPermalinkResponder

Concordo!

Antonio
AntonioPermalinkResponder

CONCORDO !!!

Camila
CamilaPermalinkResponder

Tb acho. Aqui de Fortaleza, pelo menos, Gol é o mesmo preço da Latam, apesar de se vender como low-cost.

Roberta
RobertaPermalinkResponder

Concordo plenamente! Ou com uma redução desproporcional aos benefícios que perderemos

Gustavo
GustavoPermalinkResponder

Acho que a medida não é ruim, mas deveria ser acompanhada de uma maior abertura do mercado pra concorrência. Sem concorrência vai acabar reduzindo a qualidade sem muita redução no preço. No mais, pra mim essa medida só tem a melhorar, afinal, na maioria das viagens sempre levo só uma mochila à bordo, e para viagens maiores ou mais longas não é problema pagar um pouco mais caro.

Afonso Claudio

Gustavo,
O que acontecerá com o tempo, é que você pagará o mesmo valor que paga hoje, para viajar sem mala...
E quando for viajar com mala despachada, pagará ainda mais caro...

elka campos
elka camposPermalinkResponder

E na emissão por milhas, haverá alterações também? Ultimamente está saindo mais "barato" emitir passagens com milhas para voos internacionais do que em longas distâncias dentro do Brasil.

Feliie
FeliiePermalinkResponder

Exato. É o preço de hj, acrescido dos extras. Sem redução.

Danilo
DaniloPermalinkResponder

Famoso modelo low-cost high fare. Vamos continuar pagando o preço que pagamos hoje, mas sem os "serviços" que atualmente são "gratuitos", ou seja, para desfrutarmos desses serviços, iremos pagar mais caro pela passagem.
O que me revolta é o fato deles darem a notícia como se fosse uma vantagem incrível para o passageiro!
Fora a questão de passagens não reembolsáveis, que é de legalidade questionável, tanto que decisões judiciais têm favorecido os consumidores nesses casos, determinando o reembolso de 70, 80% do valor da passagem.

Pedro
PedroPermalinkResponder

Que retrocesso! É bem possível que os preços sejam menores no começo, mas quando o passageiro se acostumar com a nova "cultura", a empresa aumente os preços das passagens e o passageiro nem note. Possivelmente as outras empresas também vão acabar fazendo o mesmo.

Izabella Zava
Izabella ZavaPermalinkResponder

O grande problema dessas medidas é que as empresas começam a operar no estilo low cost, mas na verdade o "low" nunca é executado. Então só serve pra nós pagamos cada vez mais e mais.

Valdecir
ValdecirPermalinkResponder

Em se tratando de Brasil, não sentiremos redução de preços pois acredito que os empresários do setor vão usar isso para reduzir os serviços e cobrar por eles. Sendo assim quem mais uma vez vai pagar o "pato" somos nós. Ainda vai demorar muito para que as coisas aqui funcione como em outros lugares principalmente Europa. A ganancia e a cultura dos nossos empresários de repassar os custos para o consumidor ao invés de brigar com o Governo para baixar impostos e outras taxas é muito dessa gente que prefere o caminho mais comodo sem arrumar encrenca com o poder. Mas um dia a casa deles cai, pq o povo não é besta não. É só ficar esperto e escolher quem oferece o melhor pelo menor preço. Serviços em voos aéreos conta muito.

Kamila
KamilaPermalinkResponder

Péssimo! Como viajar com crianças sem marcar previamente os assentos? Terei que pagar mais para me sentar ao lado dos meus filhos menores de idade?!

Monica
MonicaPermalinkResponder

Atualmente Congonhas é o nosso hub. As
Cias aéreas nos obrigam a fazer conexão lá para chegarmos ao nosso destino final. Pagaremos mais por não estarmos fazendo um voo direto?!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Monica! A associação das cias. aéreas está pleiteando isso com a Anac. Mas hoje é ilegal cobrar por isso, e não está previsto (por enquanto) na nova estrutura tarifária da Latam.

Elaine Scanavacca

Que horrivel isso. Essa necesdidade dos buscadores de apresentar preços baixos gera essa falsa tarifa onde tudo é pago a parte, nada pode, tarifa " me engana que eu gosto"! Paga agua, paga mala, paga assento, ( mae compra num dia e resolve levar o filho, compra depois e cada um vai num canto). Que pesadelo. ???

Larissa Almeida

A Latam já não está respeitando a marcação de assentos. Tive dois voos recentes e nos dois separaram a família toda, inclusive deixando crianças de 4 e 8 anos sozinhos, cada um em uma fila. No retorno percebemos a tempo e conseguimos depois de muita argumentação realocar as crianças comigo e o pai separado.
Acredito que é só redução de custos mesmo pra eles. O cliente que fica prejudicado

carolina Pedroso

Larissa, as cias aéreas realmente não deixam duas crianças pequenas sentarem juntas. Tem que estar cada uma com um adulto responsável, acredito que por questão de segurança. Pelo menos foi isso que me explicaram.
No caso teria q ficar um com vc e outro com o seu marido.

Marilia
MariliaPermalinkResponder

Na latam parece que não eh bem assim. No check in não respeitaram a marcação previa dos assentos e meus separaram dos meus filhos menores. Me disseram que teria que tentar trocar dentro do avião, ate ai ja estava irritadíssima. No avião o comissário não quis saber so depois que fiz um escândalo conseguiram nos juntar. Um absurdo!!

Flavio Almeida

O curioso é que não vejo nenhuma preocupação em melhorar o serviço. Conforto, por exemplo, pra quem mede mais de 1,80 m, como é meu caso. Mais um absurto, mas em se tratando de Brasil, tudo pode e fica por isso mesmo.

Andre L.
Andre L.PermalinkResponder

A parte do reembolso opcional me parece uma dessas ações "se pegar, pegou".

A Justiça tem, consistentemente, dado ganho de causa no caso de quem pede reembolso antecipado, e considerado abusivas cláusulas que proibem reembolso ou cobram um exagero de "taxas administrativas" mesmo que a devolução seja feita com muita antecedência.

Michele Capiotti

Da minha parte se praticam os preços RyanAir tá valendo smile Morando em Dublin e reservando com 2 meses de antecedencia pago em torno de 24 euros, as vezes 30% menos, em voos de um hora. Show de bola! E isso não vale só para RyanAir, já aconteceu com AirLingus e Swiss.
Não me importo em não ter serviço de bordo, já levo um lanche em voos tem muito tempo (muito mais saudável que os lanches das cias) e, tenho o hábito de andar sempre com uma garrafa de água.
Nesses casos também não me importo tanto com o reembolso, o valor é tão baixo que compensa o risco.
No etanto, se os valores praticados não forem condizentes com os serviços de cada tipo de tarifa e, se eles ficarem vendendo tudo ao mesmo tempo agora (de cigarros eletrônicos a loteria) no voo aí pode ser bem inconveniente.

Márcia
MárciaPermalinkResponder

Quanto ao reembolso de passagem, isto de cobrar às vezes quase 100 % de multa é uma bobagem. A justiça brasileira já é pacífica quanto ao reembolso de 95 %, admitindo apenas 5 % de multa. Já ganhei ações nessa esfera. Quanto à marcação de assento, lanche e bagagem mínima, para quem viaja sem crianças, seria até uma opção interessante, caso houvesse uma substancial redução de tarifas.

Maria Luiza Araujo

Boa tarde, comprei hospedagem pelo Hotéis.com em hotel em Miami, pelo valor mais barato, sem direito à alteração. Cinco dias antes da viagem, precisei ser internada, incluindo cirurgia. O médico fez uma declaração/atestado, encaminhei à Hotéis.com e eles dizem que podem fazer coisa alguma. Perdi tudo que paguei. É isso mesmo? Em caso de emergência não há possibilidade de alteração?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Maria Luiza! O melhor canal para tentar um ressarcinento é o juizado de pequenas causas.

Dani S.
Dani S.PermalinkResponder

Já aproveitando pra reclamar: a Latam diz que vai fazer alterações a partir de 2017, mas já mudou o site, que não permite mais sequer marcar assentos nos vôos desse ano. Legal, né?

Marcelo de Carvalho

Ainda em 2012, vindo de Santiago pela LAN, não consegui marcar assento pelo site. Então liguei na central de atendimento. Para minha surpresa, minha tarifa não dava direito a marcar assento. Em um vôo internacional de 4 horas! Pelo menos, puder vir sentado, pois meu maior medo era a LAN ter criado a "geral" no avião, para quem não faz questão de viajar sentado.

Neftalí
NeftalíPermalinkResponder

Isso de marcar assento continua um problema, pois apesar da fusão (ou confusão) entre a Lan e Tam, se você comprar um vôo na Lan que seja operado pela Tam (e vice versa), ou Lan Argentina, ou Tam Mercosul, etc...Você não consegue marcar o seu lugar nem fazer o checkin online! O "Latam" ainda é ficção, pois as várias empresas ainda operam separadamente.
Porém é uma tendência mundial, já que até a Qantas, teoricamente uma das melhores empresas do mundo, cobra a marcação antecipada de assentos em todos os seus vôos.

adila
adilaPermalinkResponder

O Programa Multiplus é atualmente o pior deles: as milhas sao engolidas de 5.000 e até de 10.000 em dez mil, para vc recebe-las de volta vc paga um valor absurdo, e ao tentar usá-las no resgate de passagens sao poucas as opções "viáveis", seja em termos de valor, seja em termos da viagem em si.Via de regra, os valores baixos te deixam HORAS numa conexao, ou te obrigam a mudar de aeroporto, ou então o vôo de prosseguimento só sai na manhã seguinte.
Viagens que nao sao premios, e sim CASTIGOS.Nao junto mais pontos na TAM.

adila
adilaPermalinkResponder

E a propósito: A AZUL anda cobrando taxas embutidas nos preços de todas as passagens, INCLUSIVE PELO SITE. Só libera na compra pelo celular.Pode isso???Inclusive nas compras "preço+pontos"???

marcia
marciaPermalinkResponder

essa Latam caiu no meu conceito e na qualidade...considerada a melhor, desde sua junção com a lan ficou pessima...meu voo de JFK para GRU...foi pessimo...parecia um busao de lotação....banheiros sujos...minha poltrona quebrada....acho q andar de metro em sao paulo é mais confortavel......e espera pra ver.....a Gol ainda vai se superar de que essa porcaria de Latam...viva a azul e avianca.

Pedro C.
Pedro C.PermalinkResponder

Como tudo no Brasil, o passageiro vai ser o mais prejudicado, a empresa vai permanecer com a mesma tarifa e cobrando como "taxas opcionais" os serviços que hoje são gratuitos.

Kati
KatiPermalinkResponder

As vezes sinto que vivemos uma eterna pegadinha no brasil e a qualquer momento alguém vai chegar e dizer: olhe pra câmera escondida e veja, vc está numa pegadinha.
PAGAR PRA MARCAR acento pra poder figurar melhor nos buscadores? só pode estar de brincadeira. A Gol já anunciou que não vai baixar nada e pior, hoje muita gente (como eu) compra em promoções pois dependo disso pra ver minha família que mora a 1200 km de distância de mim, aí o que pode ser que baixe é o preço médio, que por acaso é alto. Pra quem compra de promoção vai pagar mais caro. Isso se baixar alguma coisa pois com essas mudanças vc provavelmente no futuro pagará mais caro (pois TUDO no Brasil só aumenta de preço) para ter menos "benefícios" que tem hoje. Só pode ser piada.

Kati
KatiPermalinkResponder

Além do que, marcação de assento (detalhe que escrevi errado no outro comentário) é um extra?! Isso é uma ficção que a latam criou pois bagagem despachada e refeição ok, isso pode até ajudar a reduzir os custos mas vc ter como "extra" marcação de assento é uma ficção que eles criaram pra poder cobrar mais pelo que temos hoje.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar