Os 7 erros da nova marca do turismo do Brasil

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Marca Brasil

Os 7 erros de 'Brazil. Visit and love us'

Sei que este texto aqui não vai dar em nada. E, francamente, perto de outras coisas que estão acontecendo, este é um assunto menor.

Mas por ter trabalhado tanto tempo em publicidade (fiz umas coisinhas aí que talvez você conheça) e estar há 21 anos metido com turismo, não posso deixar de me manifestar sobre o novo slogan e a nova marca Brasil anunciados pela Embratur.

Conversei com angloparlantes nativos, especialistas em promoção turística e publicitários, e trouxe exemplos para ilustrar a minha opinião.

O texto ficou gigante, então aqui vai um índice clicável para quem se perder pelo caminho.

1. O slogan não soa fluido em inglês

Antes mesmo de examinar seu significado, deve-se dizer que "Brazil. Visit and love us" é uma frase que soa estranha. Não é que esteja errada -- só não é escorreita. OK, não precisa googlar 'escorreito': é uma frase que está longe de ser redondinha. Não parece ter sido escrita ou aprovada por angloparlantes nativos.

Meus interlocutores em off usaram os adjetivos "clumsy" e "awkward" (desajeitado, esquisito).

A opinião dos meus entrevistados coincide com estas duas, de um americano aleatório que respondeu a uma pergunta que alguém (não eu) publicou no Quora (um "Yahoo respostas" de gente mais preparada) e de um correspondente de uma revista sobre política e economia latino-americana no Twitter:

Marca Brasil

"O slogan que você apresenta na pergunta não funciona. Não tem impacto nem real significado para um angloparlante nativo." (Link aqui.)

Marca Brasil

"Eu evito ser maldoso no Twitter, mas o slogan é bizarro e embaraçoso e qualquer consultor internacional -- ou angloparlante nativo -- poderia ter dito isso a eles." (Link aqui.)

Voltar | Topo

2. O slogan não significa o que a Embratur acha que signifique

No momento do lançamento da nova marca, o slogan "Brazil. Visit and love us" veio traduzido no release como "Brasil. Visite e encante-se". (Link aqui.)

"Visit and love us" não significa "Visite e encante-se". Significa "visite e nos ame", não há o que inventar aqui.

Esse "encante-se" poderia ser algo como, sei lá, "be amazed" (mas este verbo já é usado no slogan da Tailândia). Certamente não é "love us".

Voltar | Topo

3. "Us" não é um pronome que se use para um país

Em publicidade, "we"/"us" são habitualmente usados por empresas. É um recurso empregado para humanizar anunciantes/corporações.

Mas não há precedentes de seu uso para um país. Vasculhei todo este atlas de slogans turísticos de países e não achei nenhum "us".

Marca Brasil

(Link do mapa aqui.)

Quando um país usa "nós" na sua comunicação, está sim se referindo ao seu povo.

E se o slogan que você criou manda amar o povo do seu país, então esteja preparado para todas as interpretações possíveis.

Voltar | Topo

4. Não se usa "amar" no imperativo em publicidade

A publicidade não vive sem o imperativo -- o verbo usado no modo que comanda uma ação do interlocutor.

O verbo neste modo serve para, digamos assim, sugerir com força: "compre", "experimente", "troque", "descubra", "aproveite", "curta", "ligue já". Não há a conotação de 'ordem', porque são comandos que fazem parte da paisagem da publicidade desde a invenção do anúncio, e já se enfraqueceram ao longo do tempo.

Mas veja: os verbos amar, gostar, adorar (e outros, como aprovar ou ficar satisfeito) não fazem parte desse elenco. Não se usa nenhum deles no imperativo, porque seria uma sugestão forte demais. Pode parecer, sim, uma ordem.

É por isso que você não vai ver nenhum slogan como "Brastemp. Experimente e ame nossas lavadoras", ou "Boticário. Use e adore". Quando é para usar esses verbos, a publicidade troca o imperativo por um vaticínio -- uma aposta de que o consumidor vai ficar satisfeito. Em vez de "ame", entra o "você vai amar" (você vai gostar, você vai adorar, você vai aprovar, você não vai se arrepender, você vai se apaixonar).

O McDonald's, por exemplo, usou o verbo amar de uma maneira bastante original, transferindo para a boca do consumidor: "Amo muito tudo isso" (e não "Peça e ame nossos sanduíches").

"Ame" também pode ser usado como um pedido, um apelo aos bons sentimentos do receptor. "Ame a natureza, não use canudo de plástico". "Ame as crianças com câncer, participe do Teleton". "Ame a nossa cidade, pague o IPTU em dia".

E em turismo? "Ame a Bahia, passe suas férias aqui" seria uma campanha justificável num contexto em que a Bahia quisesse estimular o turismo intra-estadual e de baianos expatriados. Mas para o público geral, neutro, sem vínculo emocional com o anunciante, é óbvio que "Visite a Bahia, você vai amar" funciona melhor.

Já "Bahia. Visite e nos ame" seria um slogan tão indefensável quanto "Brazil. Visit and love us".

Voltar | Topo

5. Tem conotação sexual, sim

Nenhum anunciante responsável vai pôr um centavo numa campanha que não tiver passado por algum tipo de pré-teste. A finalidade dos pré-testes é descobrir se a mensagem será entendida pelo público da maneira que se espera.

Se há algum mal-entendido, a campanha é gongada, porque não se joga dinheiro fora numa comunicação que parte do público, ainda que minoritária, vai entender errado. Nenhum anunciante responsável vai investir numa comunicação impregnada de ruído.

É sintomático que uma das críticas mais duras ao novo slogan tenha vindo da associação brasileira de turismo de luxo, a BLTA (Brazilian Luxury Travel Association) -- que, ao contrário da Embratur, usa o inglês no dia a dia dos seus negócios.

Aspas para Simone Scorsato, diretora executiva da BLTA (link aqui):

"[O slogan] é ambíguo e facilmente incompreendido, mesmo para quem fala inglês em qualquer lugar do mundo, não cumprindo, assim, o objetivo de promover, efetivamente, o Turismo de maneira positiva.”

"A BLTA não pode observar silenciosamente os gastos públicos na promoção do Turismo sem uma consideração cuidadosa da linguagem e ignorando tendências e práticas óbvias na indústria global de viagens. Essas falhas estão custando aos brasileiros empregos de qualidade e crescimento econômico sustentável a longo prazo.”

"[A BLTA solicita que a Embratur] retire imediatamente o slogan e comece a explorar alternativas que não deixem em aberto possibilidades passíveis de interpretação errônea”.

É interessante acrescentar aqui outra resposta aleatória à pergunta que publicaram no Quora, de um americano que já veio ao Brasil seis vezes:

Marca Brasil

"[...] Não fizeram nenhum 'focus group' [pré-teste] antes? [...] De fato, é um slogan abstrato demais para evocar imagens ou experiências, exceto que sim, turismo sexual logo vem à mente, devido às palavras escolhidas. Mas já que a prostituição é legal lá, será que não é um aspecto [intencional da frase]?" (Link aqui.)

A reação da Embratur às críticas é terraplanista (link aqui):

"Quanto às alegações que o slogan poderia ser considerado um incentivo ao Turismo sexual, a Embratur afirma que não há sentido em fazer essa ligação.

O Instituto frisa que o governo brasileiro não reconhece a expressão ‘Turismo sexual’, e reforça que a exploração sexual não é Turismo, é crime.

Nós queremos que as pessoas venham e amem o Brasil. Amem as nossas praias, cachoeiras, nosso Turismo náutico, de pesca, de mergulho, o Turismo de negócios e eventos, a nossa gastronomia, cultura e esporte."

Quem deve dizer se a mensagem tem ou não tem esta ou aquela conotação não é o emissor. É o receptor. Está totalmente fora do alcance do emissor controlar o entendimento do receptor. Publicidade não vem com manual de instruções, nem com um personal explicator para explicar a mensagem, receptor por receptor. Se o receptor entende a mensagem de uma maneira diferente da pretendida pelo emissor, o emissor vai precisar investir numa nova comunicação para desfazer o mal-entendido. Release para a imprensa não resolve.

Mas a Embratur ainda consegue tirar um argumento surreal da cartola: não há conotação sexual porque nós, autoridades, não reconhecemos a existência de turismo sexual. Aliás, exploração sexual é crime!

Há dois problemas aí: turismo sexual existe, sim. No Brasil e em todo lugar.

Veja o que diz o empresário Oscar Maroni, dono do estabelecimento Bahamas, em São Paulo: (link aqui)

Marca Brasil

Além disso, turismo sexual não é crime no Brasil -- quando praticado consensualmente entre pessoas maiores de 18 anos, sem intermediários que configurem a "exploração".

E cá entre nós: se esse "love us" é tão maravilhosamente amplo como a nota apregoa (inclui até "queremos que amem o turismo de negócios"), por que cargas d'água não incluiria o turismo sexual?

O próprio presidente já declarou que "quem quiser vir aqui fazer sexo com uma mulher, fique à vontade" (link aqui").

Voltar | Topo

6. A nova marca é um retrocesso

Tem tanta coisa aqui nesta parte que precisei dividir em três subtópicos.

Considerações sobre a nova marca

Marca Brasil

A nova marca Brasil constrange o design brasileiro. Ela está para uma marca de verdade como uma live de Facebook está para um comercial propriamente produzido.

Foi orgulhosamente anunciada como tendo sido feita internamente, em prazo récorde, economizando dinheiro público. Todas essas qualidades estão bem evidenciadas no resultado: é amadora, mal-acabada e pobre.

O nível é tão pouco profissional que, "para economizar", foi usada uma fonte gratuita. Só que o autor não autoriza o seu uso comercial. (Link aqui.)

A bandeira brasileira foi escolhida para estampar a marca porque segundo a Embratur, é o maior símbolo nacional, e o mais conhecido no exterior. "Nossa natureza, nossos esportistas, a música, a comida, todos estes pontos da cultura nacional levaram nossa bandeira lá fora, com muita maestria". (Link aqui.)

Reflita: nossa natureza levou nossa bandeira lá fora? A música levou nossa bandeira lá fora? A comida levou nossa bandeira lá fora? Nossos esportistas... tem bandeira do Brasil na camiseta da Seleção? Não me lembro.

Marca Brasil

Na verdade, só quem leva a bandeira nacional lá fora com maestria são as Havaianas. E por sinal, a bandeira brasileira numa tira de chinelo associa ao Brasil uma miríade de sensações positivas: sol, praia, ar livre, movimento, descontração, alegria. Cada par de Havaianas com bandeirinha vendido no exterior é uma propaganda grátis do Brasil.

Já a bandeira nacional aplicada como mero símbolo cívico na nossa marca de turismo não acrescenta absolutamente nada ao que o lettering já informa: trata-se de uma marca do Brasil. Uma escola de contabilidade chamada Brasil poderia usar a mesmíssima bandeira no seu logotipo, que não ficaria estranho.

Ah, sim: o release ainda explica que o redesenho da bandeira foi inspirado na rosa dos ventos.

Marca Brasil

Com vocês, Rosa dos ventos x Rosa dos ventos estilizada da Varig x "rosa dos ventos", entre aspas, da nova marca Brasil.

Marca Brasil

É preciso explicar ao receptor que a bandeira da marca Brasil é uma rosa dos ventos estilizada. Mas não é preciso explicar ao receptor que a bandeira da marca Farmácia Popular contém um comprimido. (Aliás, que bela marca! Duvido que tenha sido feita internamente pelos servidores do Ministério da Saúde.)

Lembrei de duas outras marcas, dentro do mesmo universo cívico-patriota, que conseguem passar noção de direção e movimento (o que, acredito, deve ter sido o ponto de partida da rosa dos ventos):

Marca Brasil

Governo do Distrito Federal e Projeto Rondon (o logo original era esse que está dentro do zero dos 50 anos)

Marca Brasil

Sem falar que a própria Embratur aproveitava uma bandeira brasileira no seu logotipo, de maneira muito melhor -- a bandeira se tornava mata, areia e mar. Consegui localizar essa bandeirinha em materiais desde 1978.

Marca Brasil

Este anúncio da Varig, de 1997, dá vida a essa idéia. Foi criado pela Young & Rubicam (diretor de arte: Rodrigo Butori) a partir de uma foto de Cássio Vasconcellos.

Marca Brasil

Já este anúncio é mais antigo, de 1986. Criado pelo saudoso Tomás Lorente, na DPZ, para a Fundação S.O.S. Mata Atlântica.

Marca Brasil

É usado até hoje como marca da fundação. (Infelizmente, é uma imagem cada vez mais atual.)

Qualidades e limitações da marca antiga

Marca Brasil

A marca Brasil anterior é de 2004. Foi fruto de um riquíssimo trabalho de planejamento, o Plano Aquarela.

O plano fez um excelente diagnóstico da situação do Brasil no turismo internacional e de como explorar o potencial de crescimento do Brasil. Muitos de seus insumos continuam válidos até hoje.

A escolha da marca foi feita por um concurso feito em parceria com a Associação dos Designers Gráficos do Brasil. Ganhou um belo trabalho de Kiko Farkas. Jogue a marca Brasil antiga entre outras marcas de promoção turística, e ela salta aos olhos: é muito bonita.

Marca Brasil

A referência dada aos designers no concurso

Apesar de tudo, eu não sou fã do resultado final. Não culpo o designer, mas o briefing. A referência usada para pautar os concorrentes foi um jardim de Burle Marx. Isso encaminhou a marca para um nível de abstração e sofisticação que funciona melhor numa galeria de arte do que em comunicação de massa.

Tenho também um pouco de implicância também com o vermelho e o laranja, que fogem à nossa paleta de cores e parecem estar ali como concessão, ou agrado, ao cliente -- estou chutando, não conheço os bastidores da história, não.

(O pior é que eu intuo que a pressa em fazer uma marca nova se deve à paranóia de ter um símbolo pátrio com uma manchinha vermelha. Na nota da Embratur a marca é descrita como uma "ameba vermelha". Chamar de ameba é do jogo -- já era a maldade preferida dos detratores quando a marca foi adotada. Agora: "ameba vermelha", pelamor.)

Na minha opinião, a marca seria mais efetiva, comunicaria melhor, atingiria um público mais amplo se fosse mais óbvia, se tivesse um significado identificável pelo receptor médio.

(Imagine um lettering Brasil desenhado pelo Romero Britto ou pelo Eduardo Kobra. É isso que eu chamo de apelo universal imediato. 150% de aproveitamento da comunicação.)

O slogan também não ajuda. "Brasil - Sensational!" é um primo pobre de "Incredible India" e "Amazing Thailand", sem a força de nenhum dos dois. ('Sensational' é um adjetivo pouquíssimo usado em inglês, soa português traduzido.)

Incredible India

Incredible India

Veja: o 'Incredible India' comunica todo o mistério da Índia num pingo do 'i'.

Amazing Thailand

Já o 'Amazing Thailand' entrega um sorriso. (Um dos apelidos do país é "a terra dos mil sorrisos".)

Mesmo com todas essas observações, tenho convicção de que a marca anterior tem grandes vantagens com relação à que está sendo proposta agora. É a um só tempo elegante e lúdica. Não leva a interpretações dúbias. A associação de turismo de luxo nunca emitiu uma nota dizendo que seus clientes estrangeiros vão entender que no Brasil podem contrair amebas vermelhas.

Na falta de uma solução óbvia e popular, é mil vezes preferível uma marca sofisticada a uma marca tosca.

Marcas e slogans que deveríamos mirar

Mas se eu não amo a marca Brasil anterior, por que estou gastando o meu e o seu tempo reclamando da marca nova? Porque se é para mudar, que se mude para uma marca que realmente faça a diferença.

O benchmark, o caso de sucesso que deve servir de parâmetro, o exemplo que deve ser batido é esse aqui:

Marca Peru

A marca Peru.

Inspirada nas linhas de Nasca, a marca Peru é intransferível, impactante, sintética, vibrante. Tem punch. Tem significado. Não requer personal explicator. Foi lançada em 2011, não apenas para promoção turística, mas também para identificar produtos made in Peru. (A marca Brasil anterior também tinha essa intenção, mas nunca se materializou.)

A marca Peru deu tão certo que virou souvenir. Os turistas compram bugigangas com a marca Peru como quem compra miniaturas da Torre Eiffel em Paris. A marca realmente virou um símbolo do Peru. E certamente teve sua influência no espetacular aumento do turismo estrangeiro no país -- de 2,5 milhões em 2011 para 4,4 milhões em 2018, um crescimento de quase 80%. (O Brasil foi de 5,4 milhões em 2011 para 6,6 milhões em 2018, um aumento de menos de 25%.)

Qualquer nova marca que seja cogitada hoje deve ser examinada à luz da marca Peru. É tão boa quanto a marca Peru? Não é? Pois então não serve. Próxima!

A marca Peru é tão boa que vingou sem a ajuda de um slogan. Mas não se deve ignorar o potencial de um bom tema de campanha.

Alguns slogans excepcionais, que deveriam servir de parâmetro para medir a força e a qualidade de qualquer frase que seja proposta pelo Brasil:

Marca Costa Rica

'Costa Rica, sem ingredientes artificiais'. Na mosca. Posicionou a Costa Rica como um paraíso rústico e selvagem. Tornou-se o destino de natureza preferido pelos americanos na América Latina.

Slogan Colômbia

'Colômbia, o único risco é você querer ficar'. Corajoso e brilhante. Ajudou a reinserir a Colômbia no mapa do turismo, depois do fim da guerrilha. (Hoje a campanha tem o tema 'Realismo Mágico', que é interessante mas um pouco mais intelectual.)

100% pure New Zealand

'100% pura Nova Zelândia'. Uma campanha longeva, de enorme sucesso. As fotos já são naturalmente deslumbrantes, e a frase turbina o efeito no receptor.

Islândia

'Inspirado pela Islândia'. Um dos maiores casos de crescimento de turismo dos últimos anos também está alicerçado num conceito simples e poderoso.

Slogan México

'México, viva para acreditar'. Não é nenhum 'sem ingredientes artificiais', mas é uma mostra de como um país não-angloparlante pode criar e aprovar um slogan que soe gostoso em inglês. "Live it to believe it" tem graça e ritmo (duas coisas que faltam ao "Visit and love us").

Voltar | Topo

O "z" é importante, mas não precisa estar na marca

O Plano Aquarela recomendou que se usasse Brasil com 's' na marca internacional. Não tenho nada contra. Vários países usam as grafias originais de seus nomes nas suas marcas de promoção turística.

Marcas bilíngües

O problema é que a Embratur levou esse raciocínio também aos textos. E começamos a escrever no nosso material promocional coisas como "Come to Brasil" e "Brasilian people". Isso não existe.

Em inglês, Brasil se escreve Brazil. Assim como em português, Uruguay se escreve Uruguai, Ecuador se escreve Equador, Perú se escreve Peru e Colombia tem chapeuzinho: Colômbia. Um americano que escreva 'Brazil' em vez de 'Brasil' está sendo tão imperalista quanto você quando escreve 'paraguaios' em vez de 'paraguayos'.

Mas o problema não parou aí. Por causa dessa patriotada, deixamos escapar domínios importantíssimos de brazil com z. O turismo brasileiro não é dono de visitbrazil.com, nem de brazil.info, nem mesmo de brazil.travel (os domínios .travel foram lançados já com a internet madura e o brazil.travel poderia ter sido comprado pela Embratur antes de cair na mão de um aventureiro).

Visit Brazil

VisitBrazil.com: por US$ 499.999,99 pode ser seu

Ficamos só com o visitbrasil.com, esse híbrido nada intuitivo, que requer a ajuda do Google para chegar até ele.

Brasil com z

Brasil já estava com z no site e nos posts

Felizmente, o problema do Brasil com s nos textos em inglês já não existe desde a Embratur do governo Temer. Os "Brasil" e "Brasilian" já foram modificados para "Brazil" e "Brazilian", para gáudio dos motores de busca, que já podem somar a quantidade de "Brazil" nos textos para oferecer a quem joga "Brazil" no Google.

Com esse ruído já resolvido, voltemos então à questão do Brazil com s ou z incorporado à marca.

Se tivermos uma "marca Brazil", com o Brazil com z incorporado ao logotipo, vamos precisar ter também uma marca Brasil, uma marca Brésil, uma marca Brasile, uma marca Brasilien, uma marca Brazilië, uma marca Burajiro e por aí afora. Não é muito prático.

Dá para resolver muito bem com Brasil com s na marca e Brazil com z nos enunciados e textos -- como já demonstrava a Espanha, um dos decanos da promoção turística no mundo:

Marca Espanha

A lição da Espanha: España na marca, Spain no texto

É isso. Obrigado por ter chegado até aqui -- pelo menos não perdi meu tempo sozinho.

Leia mais:

218 comentários

João
JoãoPermalinkResponder

Parabéns por tentar, Ricardo. Infelizmente, compartilho da sua opinião, tanto quanto ao assunto em si, como ao retorno que esse texto terá por parte das autoridades.

Dani S.
Dani S.PermalinkResponder

Não perdeu seu tempo não. Quem sabe em 20 anos alguém ouça e pare de desperdiçar dinheiro (que não temos) em projetos sem resultados. Enquanto isso, qualquer ilhinha do Caribe recebe mais turista que a gente.
Bravo, Riq!

Mag Magnavita
Mag MagnavitaPermalinkResponder

O texto merece ser formatado para ser apresentado em uma mesa redonda. Você continua firme no topo da minha lista de palestrantes !!!!! Parabéns !

Marcos Felipe Magalhães

Não preciso citar meu currículo, porém tenho história de 50 anos em marketing em grandes empresas e autor de livros sobre o assunto. Não cito isto para me valorizar, mas para parabenizar o autor pela qualidade da crítica quanto à campanha Brazil love us. Argumentos justos e muito bem colocados. Espero que os tomadores de decisão tomem conhecimento destes comentários. Parabéns!

Dionísio
DionísioPermalinkResponder

Fantástica análise. Não é nem preciso concordar contigo. Por si só, o teu trabalho de apreciação e fundamentação é admirável. Muito obrigado!

Célia Alves
Célia AlvesPermalinkResponder

Ric, genial!
Obrigada

Simone Scorsato

Perfeita análise Ricardo Freire! Dentro dos 7 erros existem inúmeras justificativas sobre o quão desajeitado, desastroso é essa necessidade de desconstrução, de se lançar um novo que não diz nada do que somos e do que precisamos! Não dá para adotar, não dá para promover, não dá para se orgulhar ... só lamento Brasil!

RODRIGO PASSOS GALVAO

Ricardo, que Deus multiplique seu bom senso ao ponto de ecoar no planalto. Crítica embasada e construtiva, não torna necessária muita humildade pra voltarem atrás, retirando esta atrocidade travestida de redução de custo.

Vanessa Alves Justino Borges

Bravo Ricardo!
Muito bem fundamentado.

CARLOS RICHARD RAGOY

Análise genial.
ps. Inglês do slogan by "Embaixador Idiomas".

Isabel
IsabelPermalinkResponder

Ótimo, Ricardo! Que aula! Obrigada!

Gisela Rao
Gisela RaoPermalinkResponder

Sensacional!!! 8- Nos coloca no papel de vítima, os carentes que precisam ser amados :/

Jayme Serva
Jayme ServaPermalinkResponder

Ótimo texto, do começo ao fim.

NinoBellieny
NinoBellienyPermalinkResponder

Porque duvidar que a marca da Farmácia Popular tenha sido feita por internos do MS? Soou como menosprezo. Poderia ter pesquisado e aí sim, tirar as conclusões. No mais, texto muito bem elaborado e pedagógico

Stalimir
StalimirPermalinkResponder

Impecável

Caru
CaruPermalinkResponder

Afe, que maravilha! ?

Raul
RaulPermalinkResponder

Obrigado pela aula...

Tita
TitaPermalinkResponder

Excelente análise! Adorei ler seu texto !

Mirella
MirellaPermalinkResponder

Que analise incrível, Riq!
Obrigada por publicar!

Patrícia de Oliveira Machado Gomes

Parabéns pela excelente aula de Branding!! Bem explicado, com exemplos e fundamentação!! Para aqueles que acham que qualquer um pode fazer um logotipo, vc demonstrou como técnica, pesquisa e talento são fundamentais para criar excelência!!

Cristiana
CristianaPermalinkResponder

Parabéns pelo texto inteligente, que traz argumentos técnicos consistentes e, ao mesmo tempo, tem uma linguagem simples, uma verdadeira aula de marketing.

Alexandre Arruda

Muito bom. Concordo q as escolhas foram infelizes. Infelizmente teremos q viver com isso e sentir a dor quando as vemos.

Jose Afonso
Jose AfonsoPermalinkResponder

Excelente texto. Mas eles não querem ouvir, estão turbinados pelo “Ame-o ou deixe-o” Então é melhor deixar prá lá.

Daniela Serra
Daniela SerraPermalinkResponder

Simplesmente, excelente! Aula. Vou compartilharsmile

Edmundo Oliveira

Esclarecedor e didático; aprendi um tanto de coisas neste ótimo texto. A principal é que a simplicidade de uma marca é uma soma de complexidades (linguística, gráfica, sensorial, cultural, motivacional e talvez mais...) que não podem ser resolvidas senão por profissionais e, ainda assim, com bons filtros antes da divulgação

marina
marinaPermalinkResponder

muito boa análise! sobre o desastre publicitário que é essa campanha: sintomático, né? só olhar os designs dos ministérios. tudo parece ter sido feito em 5min pelo dudu bolsonaro.

Luis Barbuda
Luis BarbudaPermalinkResponder

Criado em 1977, por Aloísio Magalhães, o sistema de identidade visual da Embratur era coerente, racional e brasileiríssimo na sua economia gráfica e cromática. Ao longo das décadas, entregue a sucessivas administrações pouco afeitas à importância do branding, a marca foi sendo distorcida, maltratada, vilipendiada até a total descaracterização.

A marca Brasil, criada por Kiko Farkas, é também um primor de originalidade e captura movimento, alegria, dinamismo e diversidade, atributos positivamente associados ao Brasil. Ela deixou de existir agora, substituída por esse monstrengo de confecção interna. E isso é divulgado com orgulho.

A marca de Aloísio conversava com o Concretismo e a racionalidade expressiva que deu origem ao melhor do design brasileiro. A de Farkas alinhava-se, em continuidade, a esse mesmo espírito, ainda que dialogando mais com o Neoconcretismo e a Tropicália.

A "marca" Brazil com "Z" - e seu dúbio slogan - expressa o quanto decaímos como cultura e civilização, e conversa com a ignorância e o servilhismo que assolam a nação.

Rachid
RachidPermalinkResponder

Registrei madeinbrazil.net esses dias. Incrível, aliás, que tava livre.
Jamais usaria Brasil com "s", pois ninguém busca asssim no google, pelo menos lá fora. Hoje o que importa são as buscas online.
2019.

Jeanine
JeaninePermalinkResponder

Excelente e esclarecedor teu texto. Obrigada por compartilhar informações e análises conosco. ABS JEANINE

Cecilia A
Cecilia APermalinkResponder

Ótima analise, especialmente dos aspectos de identidade visual e textual da marca. Complementa muito bem um artigo mais curto que escrevi sobre o mesmo tema, que se estende por outras manifestações marcárias: https://www.istoedinheiro.com.br/a-marca-de-uma-nacao/

Marcos Alvarenga

Esgotou o assunto. Nada mais a acrescentar.

Vagner
VagnerPermalinkResponder

Há vários anos eu comentei aqui no site, num texto com a mesma pegada que esse: "Ricardo Freire para ministro do turismo!". Você respondeu algo como "Deus me livre!".
Imagino que agora seja, do seu lado, mais "Deus me livre" do que nunca, enquanto do meu lado é "Ricardo Freire para ministro do turismo" mais no que nunca.
Abraço

Juliana
JulianaPermalinkResponder

Ótimo. Você abordou a técnica. E tudo envolvido nela. Mas, e a estética e apropriação da fonte? De cada, quando eu olhei pra essa “marca” me veio à cabeça essas indagações: 1. “Love us” (é realmente isso que querem dizer?” 2. ESSA FONTE?! 4. ESSE KERNING? 3. Esse desenho simplista da bandeira? 4. QUE AMADOR CRIOU ISSO?! Outro exemplo de fiasco foi o logo da Copa. Este segundo, me dói as entranhas até agora.

Andrea Cals
Andrea CalsPermalinkResponder

Matou

Pierre Brisset

Não sou um angloparlante nativo, mas a lógica aqui desenvolvida é impecável e os exemplos citados muito bem escolhidos. Compartilho a descrença em ver isto ter alguma consequência, mas levarei o texto pra frente como exercício participativo numa democracia precisando.

Eliana Sá
Eliana SáPermalinkResponder

Ninguém mais credenciado para opinar sobre esse assunto do que você. Obrigada pela palestra!

José
JoséPermalinkResponder

Ótima crítica

Debora
DeboraPermalinkResponder

Excelente análise, feita por quem realmente conhece o assunto!

Vera Schäfer
Vera SchäferPermalinkResponder

Seu texto foi um bálsamo nesta manhã de domingo. Eu temia comentar porque no contexto atual, esse é dos males o menor e eu não tenho o seu background pra falar do assunto e correr o risco de me mandarem ficar quieta. Mas meu, que aula de publicidade que você acabou de dar pra essa garotada (me incluo, apesar de não tão jovem). Obrigada ?

Andréa Silveira

Ricardo, sempre que planejo uma viagem, consulto suas dicas. Já me agraciaram com experiências únicas! Sem erros. Neste post você fez o que sempre faz: apresenta, analisa e alerta. O que há de bom e/ou ruim. A escolha é de quem vai rumo ao destino. E neste caso, nosso destino tem sido traçado por uma “agência de turismo” de quinta categoria! Estamos perdidos nos mais sutis dos detalhes... gratidão por suas considerações!

Iran Rosa
Iran RosaPermalinkResponder

Ótima abordagem! Tempo ganho. Nada como o velho e bom português para explicar as coisas. ✌

Tato Freire
Tato FreirePermalinkResponder

Freire, sempre brilhante.
Grato por esta delícia de reflexão.
Um abraço,

Juliana DL
Juliana DLPermalinkResponder

A coisa é tão, mas tão ruim, que eu, que tenho 0 experiência em publicidade, entendi rapidinho o tamanho da porcaria que fizeram.

Anamaria
AnamariaPermalinkResponder

Parabéns pela crítica inteligente, com argumentos e sagaz. É uma pena não ter gente competente à frente do divulgação e fomento do turismo no Brasil.
Mais uma da série “Que fase, Brasil, que fase!”

Cassio Leitão

Concordo 110%! Ótimo texto!

Bianca
BiancaPermalinkResponder

Eu achei bem bacana tudo o que ele escreveu e realmente li como uma aula de marketing. A parte que fala sobre a conotação sexual é perfeita e sim, precisa ser revista urgentemente. Mas discordo, com absoluto respeito, do texto a seguir " Foi orgulhosamente anunciada como tendo sido feita internamente, em prazo récorde, economizando dinheiro público. Todas essas qualidades estão bem evidenciadas no resultado: é amadora, mal-acabada e pobre." Economizar dinheiro público num momento como este, de total reorganização, é fundamental. E nem tudo aquilo que é barato é ruim. Assim como, nem todas as propagandas que custaram milhões aos cofres públicos, foram garantia de um excelente trabalho de marketing. Da mesma forma como o "love us" teve uma conotação sexual, este comentário me passou uma conotação política. Espero estar errada...

Eliana Griner
Eliana GrinerPermalinkResponder

Perfeita sua análise.. uma aula..

Eu só tive outra "intuição" com relação à ameba vermelha.. eu, como vc, tbm não gosto nada da marca anterior, mas acredito que eles enxergaram um arco-íris ali, e associaram ao movimento LGBT. Mas, como disse, mera intuição tbm..
Mais uma vez, que aula!!!!

Nelson graybart

Parabens pelo profundo e abrangente comentario.

Roberto
RobertoPermalinkResponder

Perfeita análise com profundo conhecimento. Ganhei uma grande aula com poucas palavras, obrgado!

Silvia Aquino
Silvia AquinoPermalinkResponder

Excelente texto! Análise brilhante. Quem sabe os autores da marca leem e passam o trabalho para alguém competente?

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Cancelar