Coronavírus: não viaje (pelo menos) até o fim de abril

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Todo mundo ama o Keukenhof

Keukenhof, Holanda: abertura adiada

Coronavírus e viagens

Muita gente tem o costume de pesquisar no Viaje na Viagem qual é a melhor época para viajar para todo lugar. Tem uma razão: a gente também diz quais são as épocas para não viajar para esse ou aquele lugar. A gente não esconde nada: desaconselha viajar nas épocas em que pode chover muito, pode haver furacão, pode estar lotado demais, pode estar tudo fechado...

Pois bem: infelizmente, de agora a pelo menos até o fim de abril não é época boa para viajar para lugar nenhum.

Não só porque a viagem está sujeita a todo tipo de perrengue -- fechamento de atrações e restaurantes, bloqueio de fronteiras, interrupção das ligações aéreas, imposição de quarentenas ao chegar (e a voltar também), tudo isso sem aviso prévio.

Esse é só um lado da questão. O outro lado, mais importante ainda, é que precisamos ficar em casa para ajudar a conter a propagação da Covid-19 no Brasil.

Mesmo que não haja medidas de restrição de viagem no Brasil ou em alguns outros países (que podem ser impostas a qualquer momento!), devemos ajudar a restringir a circulação -- pelo bem de todos.

Como cancelar sua viagem

Você precisa usar o mesmo canal onde comprou a sua viagem.

Se você comprou com agente de viagem, entre em contato com o agente e peça para que informe as suas opções.

Se você comprou sua passagem em sites de cias. aéreas ou em agências online (tipo Decolar ou Expedia), procure na própria homepage o link para a página de cancelamentos ou reembolsos.

Se você reservou um hotel em sites de reserva de hotéis (tipo Booking ou Hotéis.com) com tarifa não-reembolsável, localize o email de confirmação e clique no link para admnistrar a sua reserva.

O reembolso é garantido?

A política de cancelamento e reembolso varia de fornecedor para fornecedor -- e vem mudando com bastante velocidade.

Muitos fornecedores já dispõem de ferramentas para fazer a alteração no próprio site, dispensando ligação para a central de atendimento.

Para países com restrição de entrada ou circulação está fácil conseguir alterar a viagem sem multa. Alguns (poucos) fornecedores oferecem reembolso integral. A maioria, infelizmente, oferece apenas o crédito para remarcar a viagem, sujeito a diferença tarifária.

Para países ou períodos ainda sem restrições anunciadas, o cancelamento e a alteração sem custos estão mais complicados. Nesses casos pode valer a pena esperar até que restrições de viagem para o seu destino sejam impostas, para que a sua viagem entre na categoria anterior.

Para viagens dentro do Brasil, Gol, Azul e Latam estão permitindo alterações sem custo, com datas variáveis (15 de abril na Latam, 14 de maio na Gol e 31 de maio na Azul).

O horário do seu vôo foi alterado? Você tem direito a reembolso total!

Devido à baixa brutal do movimento, as cias. aéreas brasileiras e estrangeiras estão sendo obrigadas a reformular sua malha aérea, enxugando vários horários.

Caso o seu vôo seja cancelado ou tenha o horário alterado (em mais de 30 minutos para vôos nacionais, ou em mais de 1 hora para võos internacionais), existe uma regra da Anac que determina que o passageiro pode recusar o novo dia/horário e pedir reembolso total, sem multas.

Regra da Anac

Você pode ler esta regra nas FAQs do site da Anac.

A pegadinha: essa opção não costuma ser oferecida online. Para exercer seu direito de reembolso de um vôo com horário alterado você vai precisar enfrentar a fila da central telefônica e solicitar ao atendente.

Vale a pena apelar à Justiça?

Dadas as proporções da pandemia, não acredito que seja difícil conseguir na Justiça o reembolso que for negado por fornecedores com escritório no Brasil.

A campanha "Não cancele, remarque!"

Existe uma campanha para conscientizar os viajantes a não cancelar suas viagens, mas remarcarem mais para a frente. Isso poderia diminuir o tamanho da quebradeira de empresas do ramo de turismo, poupando muitos empregos em pousadas, hotéis, agências de viagem e de turismo receptivo.

Eu apóio totalmente a iniciativa.

Porém... acho que existe um elo que precisa ser sensibilizado para que dê certo: as cias. aéreas. É decepcionante que muitas cias. aéreas não ofereçam sequer alguns períodos do ano para que o consumidor remarque sua passagem sem diferença tarifária. A continuar assim, clientes que compraram passagens promocionais terão estímulo para buscar o reembolso por meio litigioso, e não para fazer a mesma viagem no futuro.

Como você está resolvendo sua viagem?

Compartilhe com a gente a sua experiência para alterar ou cancelar sua viagem. Assim todo mundo se ajuda. Obrigado!

Leia mais:

391 comentários

Sandra
SandraPermalinkResponder

Olá , para dar um retorno , o booking conseguiu resolver o problema, entrou em contato com hotel que creditou o valor da cobrança antecipada, já que a reserva era com cancelamento gratuito. Aproveito para agradecer ao viajenaviagem pelas dicas sempre maravilhosas, pela agilidade em ajudar os viajantes e apesar do caos de toda essa pandemia , nos fornecer informações confiáveis e úteis para as tão necessárias férias .

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Sandra! Que bom!

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Atenção: Bóia de férias. Só voltaremos a responder perguntas que forem postadas a partir de 23 de novembro.
Cancelar