Como chegar a Auschwitz e Birkenau: as dicas da Silmara

Birkenau

A Silmara esteve na Polônia em dezembro e fez uma escolha corajosa para um fim de ano: no dia 31 pegou um trem em Cracóvia e foi, sozinha, conhecer o memorial Auschwitz-Birkenau. Em resposta às dúvidas de outra leitora, deixou aqui um relato completo sobre a sua viagem e as dificuldades que encontrou no percurso. Para saber como chegar e circular por onde um dia funcionaram os campos de concentração, siga as dicas da Silmara:

Eu saí de Cracóvia, da estação central. É bom ficar de olho nos horários pois, quando eu fui, era uma espera grande entre um trem e outro. Detalhe: NINGUÉM falava em inglês lá. Tinha (ainda deve ter) apenas um guichê que é pra “viagens internacionais” e daí a atendente fala inglês. Mas não se engane: se você não vai fazer viagem internacional, ela não vai te atender.

Comprei a passagem, mas me venderam um ticket que era para o trem um minuto depois! Perguntei, em inglês, onde era a plataforma, número, etc. (estava tudo em polonês, claro) e a funcionária me respondeu em polonês. Resumo da ópera: corri feito doida, cheguei na lateral de um trem e fui conferir o destino dele. Não deu tempo, o trem fechou as portas e partiu. Perdi. Voltei no balcão da mulher “simpática” e que só fala em polonês contigo (como se fosse a língua mais fácil do mundo e supondo que eu sou obrigada a falar polonês). Tive que escrever num papel que eu havia perdido o trem e queria o próximo. Creio que tive de esperar por volta de duas horas ou mais lá. Frio… enfim…

De Cracóvia até Oswiecim (que é o nome original, em polonês, de Auschwitz) são mais ou menos duas horas de viagem de trem. Chegando na estação de Oswiecim, você pega um ônibus bem na frente mesmo dessa estação minúscula (é só perguntar que eles te informam). É rapidinho até lá. Daí você desce e é free, não paga nada. Leve sua água, algum alimento e lenço de papel. Sim, vai ser necessário. A não ser que seja um coração de pedra!

Estive lá no dia 31 de dezembro de 2011. Chovia e lá é MUITO grande! O caminho todo é feito de terra, portanto, se chover, você vai molhar os pés e talvez escorregar. Eu fui de bota, até porque estava com receio de que nevasse. Passei umas três horas lá, tirei várias fotos. É triste demais.

De lá, peguei um táxi para Birkenau, que é perto dali. Dedique um dia todo pra fazer esses dois roteiros (o meu trem — que eu perdi — era para 7h15, mas só cheguei às 11h). Fique atenta aos horários de encerramento. Me lembro que um fechava às 16h e o outro fechava antes. Então, confira antes de ir!

Birkenau é gigante. Andei muito mesmo. E, para mim, foi o mais horripilante. E eu fui sozinha, sem roteiro ou ajuda de ninguém. No fim do dia, estava muito cansada.

Para ir embora, peguei um ônibus na frente do campo de Birkenau (é só pedir informacão ali na torre de entrada — que era a torre do comando — e eles te informam, caso você não saiba onde pegar). E lá se foram mais duas horas de retorno para Cracóvia. Recordo que cheguei por volta de 20h.

Minha dica: se você for de qualquer lugar com destino a Auschwitz, comece pelo menos um dia antes esse roteiro, pois te garanto, você vai ficar muito cansado, fisicamente e psicologicamente. Tanto é que, quando cheguei no lugar que eu estava para dormir, eu não tive ânimo pra sair e festejar a virada do ano. Tomei banho, comi, falei com minha família pelo Skype e fui dormir. Simplesmente estava exausta e sem clima de festa!

Agradecemos as dicas, Silmara!

Leia também:

Varsóvia e Cracóvia pra Marcie

O emocionante carnaval da Marcie em Varsóvia

Siga o Viaje na Viagem no Twitter@viajenaviagem

Siga o Ricardo Freire no Twitter@riqfreire

Visite o VnV no FacebookViaje na Viagem

Assine o Viaje na Viagem por emailVnV por email

40 comentários

Olá Pessoal,
Fui em setembro de 2015 para Polônia e deu super certo, estávamos em 4 ,eu uma amiga e um casal. Tudo foi pesquisado aqui do Brasil. Estávamos hospedados bem próximo a estação Central da Cracóvia (Krakow Glowny). Compramos o Ticket do trem um dia antes para partir bem cedo.(a compra foi tranquila só mostrar a cidade Oświęcim). O Ônibus demora umas 2horas e depois fomos caminhando tranquilo. Atualmente é possível visitar dois campos: Auschwitz I, o campo de concentração original, e Auschwitz II (Birkenau), construído posteriormente como campo de extermínio. Transporte gratuito leva e traz. O tempo estava bom, porem lá venta muito por isso é bom ir de agasalho. Escolhemos visita guiada “em espanhol” pois português iria demorar um pouco.Apesar de ter reservado o ingresso direto no Memorial deu uma pequena confusão, mostrei a troca de emails o que ajudou um pouco, mas o que ajudou realmente foi o cartão de livre acesso a museus ( funcionário de museu) que nem sabíamos que iria ajudar muito e dar livre acesso. * senão a próxima visita iria demorar muito e já havia reservado aqui do Brasil acredito que sem o cartão iria complicar um pouco pelo horário.
Dica site do museu >>> http://visit.auschwitz.org/
vale muito a pena a visita um mergulho na História e inacreditável a imensa organização para matar humanos. Triste porem necessário para não ficar esquecido na memória da humanidade.

Achei interessante o comentário da Silmara, tenho interesse em visitar o museu. Tenho receio com relação ao inglês, não sei se consigo chegar lá sozinha. Em fevereiro tenho um congresso em Hannover/ Alemanha e gostaria de fazer um roteiro até lá., mas fiquei insegura com a narrativa da Silmara.
Vou treinar mais o inglês e seguir us conselhos dela ref. Ao lanche, água e I lencinho. Vou acrescentar a capa de chuva e sapatos a prova d’Água. Não gostaria de perder essa oportunidade. Não é um passeio que muitos gostariam de ir, mas não podemos esquecer dessa história tão marcante.
Se puder enviar mais detalhes eu agradeço.
Bjs

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.