Kenoa quer dizer uau

Kenoa, Barra de São Miguel

Confesso que eu estava com o maior pé atrás com o Kenoa.  Eu normalmente fico com um pé atrás quando anunciam algum hotel superluxo; os releases costumam ser bem mais grandiosos do que a realidade. Neste caso, eu tinha ainda mais motivos para desconfiar. Já tinha visto as fotos do site: todas em plano fechado, o que para mim significava que 1) ou o lugar não estava pronto, e/ou 2) os espaços eram diminutos. Achava também a localização meio suspeita — não conseguia enxergar um hotel de luxo na superconstruída praia de Barra de São Miguel, e ainda por cima num trecho da praia que eu sabia estar fora da área protegida por recifes.

Pois bem.

Entrei pelo portão do hotel — que fica no fim de uma rua sem saída e não tem placa na porta — e meus temores pareciam se confirmar. O estacionamento era apertado. O prédio terminava quase rente ao muro. Já comecei a prever uma claustrofobiazinha básica.

A impressão melhorou um pouco no check-in, a bordo de uma mimosa de maracujá com canela (tão surpreendente quanto gostosa). Perguntaram o meu gosto musical e o que eu gostaria de ter na adega do meu apartamento. Gostei.

Fomos em direção ao quarto. E então…

Kenoa, Barra de São Miguel

Uau.

Kenoa, Barra de São Miguel

E uau.

Kenoa: um dos baresKenoa: sala vista do wine barKenoa: poltrona no bar

E mais um pouquinho de uau.

Kenoa: espreguiçadeira na piscinaKenoa: o prédio principal

Mais tarde o Pedro Marques, o jovem português que é o mentor e o sócio-administrador do hotel, me explicaria que as fotos do site estão em close porque, na sua concepção, o Kenoa não é um hotel para ser revelado, mas para ser descoberto. Por que esses portugueses finos são tão tímidos? A Ana Catarina do Tauana, de Corumbau, também não mostra o hotel inteiro no site. Tudo bem. Revelo eu :mrgreen:

Pedro MarquesKenoa: vista lateral da fila do gargarejo

O Kenoa está e não está na Barra de São Miguel. O hotel se situa no último lote da praia onde é permitido construir. Ao lado começa uma área de proteção ambiental que vai até a Praia do Francês. O ponto da praia é pouquíssimo freqüentado; sem a proteção dos recifes, as águas são traiçoeiras, e por isso não há muvuca por ali. O único movimento é o de gente caminhando pela areia, e só na maré baixa. Em nenhum momento você se sente na Barra propriamente dita. Meu GPS interno me dizia que a minha localização era De Frente Para Um Incrível Mar Azul-Esverdeado que eu não cansava de olhar.

Kenoa: piscinaKenoa: 'aquário' na parte de baixo da piscina

Ocupando um terreno onde previamente havia outras casas, o Kenoa se aproveita de um zoneamento urbano, que permite que seus apartamentos da frente e suas piscinas fiquem debruçados sobre o mar (na mesma linha das demais casas da praia). Em qualquer praia deserta isso não seria possível — nem aceitável. Por conta disso, o Kenoa tem as piscinas com bordas infinitas mais perfeitas que eu já vi no Brasil.

Kenoa: a borda realmente infinita

O hotel compensa essa, digamos, permissividade topográfica com uma postura ecoambiental exemplar. A construção e a operação seguem a cartilha mais radical de sustentabilidade que você possa encontrar por aí. As paredes são feitas de argamassa sem acabamento — para não usar tinta. Todas as madeiras são certificadas ou de demolição (há muitos dormentes de ferrovia que fazem as vezes de vigas). Os (poucos) ferros que há já são pré-enferrujados. Os guardanapos e toalhas de linho não são passados a ferro — são postos à mesa charmosamente amarfanhados. A água das piscinas dos bangalôs é marinha. Não se usa plástico em lugar nenhum nem embalagens individuais de papel. (O adoçante vem à mesa num lindo conta-gotas usado em laboratório de química.) Peças rústicas de vários continentes — muita coisa vinda da África — misturam-se pelos ambientes, sem que você consiga identificar a origem (poderiam muito bem ser daqui).

Mimosa de maracujá e canelaKenoa: detalhe de cadeiraKenoa: pia do banheiro

Kenoa: sobre o criado-mudoCravo: sem fumaça, o cheiro é uma djilíciaSala do bangalô

Tudo isso seria muito aborrecido — caso não resultasse tão bonito. O fato é que a história que existe por trás de cada peça do mobiliário ou de cada detalhe de construção apenas torna mais interessante aquilo que, à primeira vista, já era de impressionar. (Anote o nome do arquiteto: é o alagoano Osvaldo Tenório.)

Quarto de um bangalô JaobiKenoa: bangalô Jaobi

Os doze bangalôs da frente têm bom tamanho, entre 60 e 80 metros quadrados, aproveitados com inteligência. São compridos e estreitos, divididos em volumes — banheiro, quarto, sala, deck. Um muro alto torna os decks realmente privativos; há uma porta com chave que dá acesso direto à praia.

Amanhecer no deckSol alto no deck

As piscininhas são aquecidas (por energia solar), de modo que dá para usar de noite (se eu fosse você, vinha na lua cheia).

À noite no deck

Há apartamentos menores, de 48 metros quadrados, que ainda não foram inaugurados. Ficam num predinho de dois andares anexo ao prédio principal. A vista é lateral — ou seja: para a área de proteção ambiental e para o mar desimpedido até o Francês. Ao contrário do que acontece no Nannai, quem ficar no apartamento do Kenoa não vai sofrer com a visão da piscina privativa do bangalô alheio.

No caféNo caféQuerendo ficar na fileira do gargarejo mas ter uma frente mais larga de praia, cacife a Villa Kenoa, uma suíte dupla de 120 metros quadrados.

Cataplana de frutos do marCataplana servida

O restaurante tem cardápio — e visitas regulares de supervisão — de César Santos, da Oficina do Sabor de Olinda. Pedro propôs-lhe o desafio de fazer cozinha nordestina na cataplana, a panela ovalada portuguesa feita de cobre. A cataplana que provei — de frutos do mar com leite de coco — estava divina. A versão de César para o arroz-de-pato (guarnecido com chips de bacon) tampouco era de se devolver à cozinha :mrgreen: O atendimento ainda está um pouco verde, mas a simpatia da juventude alagoana ajuda a relevar qualquer deslize.

No caféMinitapiocasArroz de pato

E quando você pensa que já viu tudo, tem o spa. Zen no último. Você passa pela porta e no ato seus olhos, ouvidos e nariz começam a ser massageados pelo ambiente.

No spaNo spaNo spa

Quando eu quero elogiar um pousada charmosa, eu normalmente digo que ela parece sempre pronta para uma sessão de fotos da Elle Décor. Pois para elogiar o Kenoa, vou ter que dizer que o hotel parece ter aberto já pronto para entrar num livro internacional da Taschen.

Prédio principalWine bar visto por fora

É um hotel que estaria completamente à vontade em José Ignacio, o enclave eco-rústico-chique de Punta del Este. Mas que fica ainda mais gostoso à beira do mar de Alagoas.

O restaurante e o spa são abertos ao público. Os pratos individuais ficam em torno de R$ 45; as cataplanas, para duas pessoas, vão a pouco mais de R$ 90. As massagens começam em R$ 80 e chegam a R$ 230.

Kenoa, Barra de São Miguel

Se você vier visitar, esteja preparado para não querer sair. Então prepare-se, porque aí a conta começa em R$ 1.550 (R$ 1.240 na baixa) se você fizer questão de piscina privativa. (Nos apartamentos do anexo, com ofurô na varanda, as diárias vão a R$ 1.040 na alta e R$ 830 na baixa.) Fora de feriados, a estada minima é de uma noite. Alguém aí falou em… lua de mel?

Kenoa, Barra de São Miguel

Confesso que eu estava com o maior pé atrás.  Eu normalmente fico com um pé atrás quando anunciam algum hotel superluxo; os releases costumam ser bem mais grandiosos do que a realidade. Neste caso, eu tinha ainda mais motivos para desconfiar. Já tinha visto as fotos do site: todas em plano fechado, o que para mim significava que 1) ou o lugar não estava pronto, e/ou 2) os espaços eram diminutos. Achava também a localização meio suspeita — não conseguia enxergar um hotel de luxo na superconstruída praia de Barra de São Miguel, e ainda por cima num trecho da praia que eu sabia estar fora da área protegida por recifes.

Pois bem.

Entrei pelo portão do hotel — que fica no fim de uma rua sem saída e não tem placa na porta — e meus temores pareciam se confirmar. O estacionamento era apertado. O prédio terminava quase rente ao muro. Já comecei a prever uma claustrofobiazinha básica.

A impressão melhorou um pouco no check-in, a bordo de uma mimosa de maracujá com canela (tão surpreendente quanto gostosa). Perguntaram o meu gosto musical e o que eu gostaria de ter na adega do meu apartamento. Gostei.

Fomos em direção ao quarto. E então…

Kenoa, Barra de São Miguel

Uau.

Kenoa, Barra de São Miguel

E uau.

Kenoa: um dos baresKenoa: sala vista do wine barKenoa: poltrona no bar

E mais um pouquinho de uau.

Kenoa: espreguiçadeira na piscinaKenoa: o prédio principal

Mais tarde o Pedro Marques, o jovem português que é o mentor e o sócio-administrador do hotel, me explicaria que o raciocínio por trás das fotos em close no site era o de que o Kenoa não é um hotel para ser revelado, mas para ser descoberto. Por que esses portugueses finos são tão tímidos? A Ana Catarina do Tauana, de Corumbau, também não mostra o hotel inteiro no site. Tudo bem. Revelo eu :mrgreen:

Pedro MarquesKenoa: vista lateral da fila do gargarejo

O Kenoa está e não está na Barra de São Miguel. O hotel se situa no último lote da praia onde é permitido construir. Ao lado começa uma área de proteção ambiental que vai até a Praia do Francês. O ponto da praia é pouquíssimo freqüentado; sem a proteção dos recifes, as águas são traiçoeiras, e por isso não há muvuca por ali. O único movimento é o de gente caminhando pela areia, e só na maré baixa. Em nenhum momento você se sente na Barra propriamente dita. Meu GPS interno me dizia que a minha localização era De Frente Para Um Incrível Mar Azul-Esverdeado que eu não cansava de olhar.

Kenoa: piscinaKenoa: 'aquário' na parte de baixo da piscina

Ocupando um terreno onde previamente havia outras casas, o Kenoa se aproveita de um zoneamento urbano, que permite que seus apartamentos da frente e suas piscinas fiquem debruçados sobre o mar (na mesma linha das demais casas da praia). Em qualquer praia deserta isso não seria possível — nem aceitável. Por conta disso, o Kenoa tem as piscinas com bordas infinitas mais perfeitas que eu já vi no Brasil.

Kenoa: a borda realmente infinita

O hotel compensa essa, digamos, permissividade topográfica com uma postura ecoambiental exemplar. A construção e a operação seguem a cartilha mais radical de sustentabilidade que você possa encontrar por aí. As paredes são feitas de argamassa sem acabamento — para não usar tinta. Todas as madeiras são certificadas ou de demolição (há muitos dormentes de ferrovia que fazem as vezes de vigas). Os (poucos) ferros que há já são pré-enferrujados. Os guardanapos e toalhas de linho não são passados a ferro — são postos à mesa charmosamente amarfanhados. A água das piscinas dos bangalôs é marinha. Não se usa plástico em lugar nenhum nem embalagens individuais de papel. (O adoçante vem à mesa num lindo conta-gotas usado em laboratório de química.) Peças rústicas de vários continentes — muita coisa vinda da África — misturam-se pelos ambientes, sem que você consiga identificar a origem (poderiam muito bem ser daqui).

Mimosa de maracujá e canelaKenoa: detalhe de cadeiraKenoa: pia do banheiro

Kenoa: sobre o criado-mudoCravo: sem fumaça, o cheiro é uma djilíciaSala do bangalô

Tudo isso seria muito aborrecido — caso não resultasse tão bonito. O fato é que a história que existe por trás de cada peça do mobiliário ou de cada detalhe de construção apenas torna mais interessante aquilo que, à primeira vista, já era de impressionar. (Anote o nome do arquiteto: é o alagoano Osvaldo Tenório.)

Quarto de um bangalô JaobiKenoa: bangalô Jaobi

Os doze bangalôs da frente têm bom tamanho, entre 60 e 80 metros quadrados, aproveitados com inteligência. São compridos e estreitos, divididos em volumes — banheiro, quarto, sala, deck. Um muro alto torna os decks realmente privativos; há uma porta com chave que dá acesso direto à praia.

Amanhecer no deckSol alto no deck

À noite no deckAs piscininhas são aquecidas (por energia solar), de modo que dá para usar de noite (se eu fosse você, vinha na lua cheia). Querendo mais frente de praia, cacife a Villa Kenoa, uma suíte dupla, com 120 metros quadrados.

(Há apartamentos menores, de 48 metros quadrados, que ainda não foram inaugurados. Ficam num predinho de dois andares anexo ao prédio principal. A vista é lateral — ou seja: para a área de proteção ambiental e para o mar desimpedido até o Francês. Ao contrário do que acontece no Nannai, quem ficar no apartamento do Kenoa não vai sofrer com a visão da piscina privativa do bangalô alheio.)

Cataplana de frutos do marCataplana servida

O restaurante tem cardápio — e visitas regulares de supervisão — de César Santos, da Oficina do Sabor de Olinda. Pedro propôs-lhe o desafio de fazer cozinha nordestina na cataplana, a panela ovalada portuguesa feita de cobre. A cataplana que provei — de frutos do mar com leite de coco — estava divina. A versão de César para o arroz-de-pato (guarnecido com chips de bacon) tampouco era de se devolver à cozinha :mrgreen: O atendimento ainda está um pouco verde, mas a simpatia da juventude alagoana ajuda a relevar qualquer deslize.

No caféMinitapiocasArroz de pato

No caféNo café

E quando você pensa que já viu tudo, tem o spa. Zen no último. Você passa pela porta e no ato seus olhos, ouvidos e nariz começam a ser massageados pelo ambiente.

No spaNo spaNo spa

Quando eu quero elogiar um pousada charmosa, eu normalmente digo que ela parece sempre pronta para uma sessão de fotos da Elle Décor. Pois para elogiar o Kenoa, vou ter que dizer que o hotel parece ter aberto já pronto para entrar num livro internacional da Taschen.

Prédio principalWine bar visto por fora

É um hotel que estaria completamente à vontade em José Ignacio, o enclave eco-rústico-chique de Punta del Este. Mas que fica ainda mais gostoso à beira do mar de Alagoas.

O restaurante e o spa são abertos ao público. Os pratos individuais ficam em torno de R$ 45; as cataplanas, para duas pessoas, vão a pouco mais de R$ 90. As massagens começam em R$ 80 e chegam a R$ 230.

Kenoa, Barra de São Miguel

Se você vier visitar, esteja preparado para não querer sair. Então prepare-se, porque aí a conta começa em R$ 1.550 (R$ 1.240 na baixa) se você fizer questão de piscina privativa. (Nos apartamentos do anexo, com ofurô na varanda, as diárias vão a R$ 1.040 na alta e R$ 830 na baixa.) Fora de feriados, a estada mínima é de uma noite. Alguém aí falou em… lua de mel?

127 comentários

Ola!! Estou muito em duvida entre o Kenoa e o Nannai para comemorar aniversario de casamento. Qual voce sugere por favor?

    Olá, Roberta! Kenoa é um hotel com jeito mais exclusivo e acomodações inferiores aos bangalôs com piscina do Nannai. Mas o Nannai só é exclusivo enquanto você está no seu bangalô, saindo dele você está num resort.

Ola, Ricardo. Sempre recorro ao viajenaviagem para decidir meus roteiros de viagem. Mas agora estou em apuros na dúvida entre 3 diarias no Kenoa ou em Ponta dos Ganchos. Não sei qual criterio q uso para decidir entre ambos. A viagem é romântica p comemorar nosso primeiro ano de casados e será no fds de 15 de novembro. To em duvida em relacao ao clima nessa epoca: chove em barra de sao miguel? Será se vamos poder curtir o mar em Ponta dos ganchos ou nessa época a agua é fria e gelada? Obrigada pela disposição em me ajudar com sua experiência

Olá Ricardo!
Adoro as suas dicas! O kenoa é baby friendly? Tenho um filho de 2 anos que viajaria comigo e meu marido (sem baba). Há academia? Somos workoutholics!
Obrigada e um abraço

    Olá, Ana! O Kenoa tem academia, sim. O resort permite a hospedagem de crianças, mas tem mais jeitão de viagem a dois. Entre em contato para saber se oferecem estrutura para bebês.

Olá Ricardo , boa tarde!

Trabalho no setor comercial do Kenoa e reservas e me encantei com seu blog e com suas colocações sobre o lugar.

Concluí que a algum tempo não vem desfrutar da experiência Kenoa o que nos daria um enorme prazer .

Apenas para lhe dizer que estamos a sua disposição e lhe parabenizar pelo blog e pelas colocações em relação ao Kenoa!

Atenciosamente,
Danielle Leite Borba

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.