“Não vamos levar 1.000 passageiros por navio a Noronha”, afirma diretor da Pullmantur

Cruzeiro em Noronha

Milton Sanches, diretor da Pullmantur e da BCR Cruzeiros, deixou ontem este comentário no post  “Cruzeiro em Noronha: precisa?“.

“Ricardo: Tenho acompanhado a tua campanha contra os navios e é incrível o número de bobagens e mentiras que você coloca nas reportagens. Você deveria se informar melhor para saber que os cruzeiros marítimos são a forma mais ecológica e sustentável de conhecer a Ilha, porque não se utiliza da água e energia da Ilha, porque os passageiros passam poucas horas no Arquipélago e a grande parte do lixo desses passageiros são guardados, separados e reciclados pelo navio, que segue rigorosamente todas as normas. Internacionais, da Anvisa, do CPRH e do ICM BIO, o pouco que produzem na Ilha é recolhido e tratado com todo o lixo produzido pelos turistas que vem de avião, sem contar o produzido pela população da Ilha que recebe tratamento exemplar. A o contrário do que você diz o navio não vai trazer 1.200 passageiros e nem 1.000 e nem desembarca 600 ou 500 passageiros, porque o limite de desembarque máximo simultâneo é de 350 passageiros, assim mesmo distribuídos em passeios diferenciados com alternância de praias, etc. O navio traz uma contribuição fundamental para grande parte dos moradores da Ilha e se essas inverdades continuarem a serem veículadas tomaremos as medidas legais cabíveis para reparar o dano causado. Também pediria que fosse mais educado com s pessoas que fizeram os cruzeiros e verificaram que suas colocações são inverídicas e fantasiosas, bem como as pessoas que estavam na Ilha e verificaram que o impacto alegado nunca existiu. Quero ver se você tem a coragem e a hombridade de publicar o meu email”.

É com satisfação que este blogueiro recebe a declaração de que, mesmo com os navios maiores desta temporada, será mantido o limite de passageiros por desembarque.

CORREÇÃO:

O sr. Milton Sanches foi diretor de cruzeiros da CVC até o início deste ano. Hoje é diretor da Pullmantur e da BCR Cruzeiros, respectivamente dona do navio Ocean Dream e operadora do cruzeiro a Noronha.

Leia mais:

Cruzeiro em Noronha: precisa?

Praticamente duplicam os cruzeiros em Noronha

Alerta: navio à vista em Fernando de Noronha (O Globo)

Ameaça de lotação em Fernando de Noronha preocupa ambientalistas (iG)

Assine o Viaje na Viagem por emailVnV por email
Visite o VnV no FacebookViaje na Viagem
Siga o Ricardo Freire no Twitter@riqfreire
Siga o Viaje na Viagem no Twitter@viajenaviagem


196 comentários

Já estive em Noronha duas vezes, sempre foi meu sonho conhecer a ilha, e na ultima vez fiquei lá por 15 dias, e infelizmente no final da minha viagem chegaram os malditos navios. Uma droga, porto lotado, barcos lotados circulando, muitos carros circulando tirando toda a tranquilidade e sossego de Noronha,acho que este tipo de turismo não é compativel com um santuario ecologico. Alem disso se você não faz questão de um super hotel, procura apenas um quarto limpo, tranquilo, e com café da manhã bem gostoso, existem preço acessíveis, lugares com boa comida e com bom preço, pelo menos eu comi melhor e mais barato que em Natal por exemplo.
Não vá de cruzeiro vc não vai conhecer Noronha, apenas passar por lá,fique pelo menos 7 dias na ilha para realmente conhecer este pedaço do paraíso com respeito a natureza.De cruzeiro o tal preço acessivel é puro pacote enganação!! Pretendo voltar a Noronha e certamente fora da temporada de cruzeiros e jamais de navio, e espero que este turismo puramente exploratório não acabe com esse lugar tão lindo e preservado. Procuere se informar, porque conhecer a ilha de longe, navegar na web é mais barato!!

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.