Como comprar passagens multidestinos

Como pesquisar passagem multidestinos e comprar a passagem certa para sua viagem

Passagem multidestinos é a solução para viagens internacionais em que você visita diversas cidades.

Saiba como economizar tempo e dinheiro sem precisar retornar ao primeiro ponto de parada da viagem só para pegar o voo de volta ao Brasil.

A Bóia resume:

  • A passagem multidestinos é a passagem mais conveniente para boa parte das viagens ao exterior
  • A passagem multidestinos normalmente não é mais cara do que a passagem ida e volta pela mesma cidade
  • A passagem multidestinos pode até ser mais barata dependendo da combinação de cidades
  • A passagem multidestinos evita perrengues e stress das conexões entre voos desvinculados
  • Em qualquer viagem com visita a vários destinos, nunca compre sua passagem sem pesquisar também a modalidade multidestinos

Passagem multidestinos: o que é

Se você vai fazer uma viagem internacional visitando vários lugares, nunca compre a passagem aérea sem pesquisar a modalidade múltiplos destinos.

Esta modalidade é oferecida por todos os buscadores, sites de vendas de passagem e sites próprios de cias. aéreas. Pode também aparecer sob o nome “multidestinos”, “várias cidades” ou “vários trechos”.

A passagem multidestinos permite que você combine, no mesmo bilhete, sem pagar mais caro:

  • O voo de ida do Brasil ao primeiro destino a ser visitado
  • O voo de volta ao Brasil saindo do último destino a ser visitado

Também podem ser incluídos trechos intermediários (algumas vezes valerá a pena, outras não).

Neste post você vai ver como pesquisar e emitir passagens na modalidade múltiplos destinos, rentabilizando seus gastos com deslocamento.

Você vai conseguir comprar uma passagem mais abrangente, mais conveniente e, na maioria das vezes, mais barata do que aquela passagem “normal”, que tem ida e volta para o mesmo lugar.

Passagem multidestinos: a mais certa para sua viagem

Muitas de nossas viagens – à Europa, ao Peru, ao Chile, à Colômbia, à Patagônia argentina – costumam ter várias paradas.

Nessas viagens, é muito comum comprar uma passagem aérea inadequada. A gente procura a passagem mais barata possível de ida e volta até o primeiro destino, e depois se vira para comprar os outros trechos. Daí quando chega ao último ponto do itinerário, tem que voltar lá de longe até o ponto inicial da viagem só para pegar o voo de volta ao Brasil.

Nessas viagens, a passagem mais barata ida e volta que a gente encontra na pesquisa não reflete o custo final dos deslocamentos. Vai ser preciso acrescentar o custo de todos os voos “internos” – incluindo o custo do voo de retorno ao primeiro destino da viagem, que precisou entrar no seu roteiro só para pegar o avião de volta para o Brasil.

Pois saiba que, na imensa maioria das vezes, esse último voo interno é totalmente desnecessário (e antieconômico). Se você tivesse pesquisado a volta ao Brasil saindo do último destino do seu itinerário, provavelmente pagaria exatamente o mesmo preço – e em alguns casos, uma tarifa menor.

Se você vai fazer uma viagem picada, no mínimo precisa pesquisar uma passagem multidestinos (ou várias cidades) com ida por uma cidade e volta por outra.

Também é aconselhável pesquisar a inclusão de outros trechos intermediários. Mas chegaremos lá.

Nunca compre passagem só até o meio do caminho

Vamos fazer um paralelo com viagens domésticas.

Se você quisesse ir pra Fortaleza, compraria uma passagem aérea a João Pessoa só porque estava mais barata? Claro que não – você sabe que precisaria comprar uma passagem extra de ida e volta entre João Pessoa e Fortaleza, e isso ia ser caro e inconveniente.

Se fosse passar férias em Foz do Iguaçu, compraria passagem só até Curitiba porque é o único lugar do Paraná com voos diretos desde a sua cidade? Evidentemente que não. Você sabe que, quando não existem voos diretos, o certo é comprar um voo com conexão, que será feita na cidade mais conveniente (pode ser em Curitiba, pode ser em São Paulo, em Brasília…)

Por que então, quando a viagem é internacional, achamos normal comprar a passagem errada? Não tem dia que não apareça na caixa de comentários alguém que comprou a passagem só até o meio do caminho. “Como eu faço pra ir do Meio do Caminho até o Lugar Aonde Eu Realmente Quero Ir?”

Não há nada de errado em programar uma viagem por impulso por causa de uma passagem promocional que apareceu. Desde que essa passagem promocional seja efetivamente para o lugar para o Lugar Aonde Você Quer Ir. Se a passagem for para “um lugar perto” (o Meio do Caminho), segure o impulso um pouquinho. No mínimo, você precisa saber, ANTES de fechar o negócio, como é que se continua a viagem, e quanto custa essa continuação.

Tenha em mente que:

A continuação da viagem nunca sai de graça

Quando a gente descobre uma passagem até o Meio do Caminho está mais barata do que uma passagem até o O Lugar Aonde Você Quer Ir, esquece que a rota (ida e volta) entre os dois lugares não sai de graça. Mesmo que custe baratinho, a sua economia real já não seria aquela toda que você tinha na cabeça. Será que ainda vale a pena?

No exterior, 1 km tem os mesmos 1.000 metros daqui do Brasil

Pesquisando passagens aí na tela do seu computador, você tem a impressão de que, depois de voar 11 horas até o Meio do Caminho, fazer 400 km por terra até o O Lugar Aonde Você Quer Ir vai ser moleza. Não se iluda. 400 km é quilômetro pra caramba em qualquer lugar – seja de trem, de ônibus ou de carro (sem falar que dirigir depois de uma noite mal dormida é um perigo). Quanto precisa ser a economia para compensar o perrengue?

Passagens não-vinculadas são um problemão

Digamos que você comprou a passagem promocional só até o Meio do Caminho. Agora precisa continuar viagem no mesmo dia para o O Lugar Aonde Você Quer Ir. Para que horas você compra esse outro voo?

É difícil estabelecer. É necessário prever um intervalo seguro entre os voos, porque se o primeiro voo atrasar, você perde o voo de continuação, sem choro nem vela nem assistência de nenhuma das duas cias. aéreas envolvidas, que vão alegar não ter nada a ver com a outra passagem. (Comprar um novo bilhete na hora pode sair mais caro do que a sua passagem do Brasil.)

Marcar esse segundo trecho com segurança significa se auto-impor um chá de banco no aeroporto ou na estação ferroviária. E não é só.

No trajeto de volta a coisa é ainda mais tensa: não pode dar nenhum chabu no seu primeiro voo, senão você se arrisca a perder o voo de retorno ao Brasil e ir à falência no fim da viagem. É preciso calcular se a economia vale o risco e o stress.

As vantagens das passagens multidestinos

Pesquisando passagens multidestinos/várias cidades, você consegue:

  • Passagens com ida a uma cidade e volta de outra cidade pagando igual ou mais barato do que ida e volta para a mesma cidade
  • Passagens com conexões vinculadas entre voos: se um voo atrasar e você perder o segundo, a cia. aérea se responsabiliza por colocar você em outro voo, sem custo
  • Passagens com vários trechos internos incluídos, pelo preço de uma ida e volta para mesma cidade (não é sempre que dá, mas sempre pesquise para ver)

Tela a tela: como comprar passagens multidestinos

Veja como pesquisar a passagem múltiplos destinos/várias cidades numa agência online. Neste exemplo, vou usar nosso parceiro KAYAK. Mas dá para fazer em qualquer site de agência ou cia. aérea que tenha esta funcionalidade.

Vamos tomar como exemplo uma viagem de 9 dias a Paris e Veneza, entre 19 e 28 de novembro de 2019, saindo de São Paulo.

A pesquisa de preços foi feita no dia 21 de agosto de 2019.

Vamos fazer 3 simulações no KAYAK:

  • Uma ida e volta pela mesma cidade: São Paulo-Paris-São Paulo, comprando os trechos de ida e volta Paris-Veneza-Paris à parte
  • Uma múltiplos destinos simples com ida por uma cidade e volta pela outra: ida São Paulo-Paris e volta Veneza-São Paulo, comprando o trecho de ida Paris-Veneza à parte
  • Uma múltiplos destinos completa, com os três trechos incluídos na passagem: São Paulo-Paris/Paris-Veneza/Veneza-São Paulo, sem precisar comprar trechos avulsos

Os números mudam, a estratégia permanece

A pesquisa mostrada aqui é real. Foi feita no dia 21 de agosto de 2019.

Ao repetir esta mesmíssima pesquisa, você certamente encontrará valores diferentes. Passagens de avião têm preços voláteis que mudam a todo instante.

Os valores podem mudar, mas a estratégia permanece válida: ao fazer viagens picadas, sempre pesquise passagens na modalidade múltiplos destinos. Na imensa maioria dos casos, você vai economizar (e comprar uma passagem muito mais conveniente).

Pesquisa 1: ida e volta pela mesma cidade

Passagens multidestinos: como pesquisar

Como pesquisar passagem multidestinos e comprar a passagem certa para sua viagem 1

O primeiro impulso de um viajante que quer viajar a Paris e Veneza é comprar uma passagem ida e volta a Paris, por ser uma capital com voos diretos desde o Brasil, e deixar para ver depois como vai e volta de Veneza. Certo?

A menor tarifa encontrada pelo Kayak, no dia em que pesquisei, foi de R$ 2.386 (sem bagagem), pela Air Europa. Uma tarifa superbarata: 590 dólares Na ida e na volta há uma conexão (relativamente rápida) em Madri. Como os vôos estão vinculados na mesma passagem, essas conexões são garantidas.

Passagens multidestinos como economizar

Selecionando apenas voos diretos, a menor tarifa que apareceu foram essas, da Latam e da Air France, na faixa dos R$ 3.300 – pouco mais de 800 dólares. Para uma ida e volta em voos diretos, esse preço também está beeem interessante (pense nas vezes que você pesquisou na alta temporada e as passagens diretas estavam tipo R$ 5.000 ou R$ 6.000?).

Fechado então, pelos R$ 2.386 da passagem com conexão da Air Europa, ou pelos R$ 3.300 dos voos diretos da Latam ou da Air France?

Calma! E os trechos Paris-Veneza-Paris, vão ficar fora da conta?

Passagens multidestinos como pesquisar

Vamos pesquisar.

Passagens multidestinos como pesquisar

Note que eu marquei o voo de Veneza para Paris no dia anterior ao voo de volta ao Brasil. É uma medida de segurança: dormindo em Paris na véspera do voo, eu evito uma conexão desvinculada entre os voos Veneza-Paris e Paris-Brasil.

Nossa! O complemento está super em conta! A low-cost easyJet, viajando entre aeroportos centrais, faz a ida e volta por R$ 281, sem bagagem. 70 dólares! De graça.

Então, juntando a passagem Brasil-Paris-Brasil com a passagem Paris-Veneza-Paris, conseguimos essas tarifas:

  • R$ 2.667, com conexão na ida e na volta
  • R$ 3.585, em voos diretos

Com o acréscimo do trecho Paris-Veneza-Paris, a passagem mais barata ultrapassou a fronteira psicológica dos R$ 2.500, mas continua hiper-atraente. A tarifa do voo direto também não está má. Vamos fechar?

NÃÃÃÃÃO! Nunca compre uma passagem para viagens deste tipo sem ao menos pesquisar a modalidade multidestinos.

Pesquisa 2: ida por uma cidade e volta por outra

Passagens multidestinos como comprar

No KAYAK esta modalidade de pesquisa se chama “Várias cidades”. Em outros sites você pode encontrar “multidestinos”, “múltiplos destinos”, “vários trechos” ou “multitrechos”. Dá no mesmo.

Comprar uma multidestinos ‘simples’, com ida por uma cidade e volta por outra, é a opção ideal para quando você vai fazer os trechos ‘internos’ por trem ou carro.

Também é a melhor opção quando os voos ‘internos’ saírem mais baratos na compra avulsa. Isso costuma acontecer em roteiros com muitos voos intermediários, que extrapolam o limite de quilometragem de uma tarifa transatlântica. Nesse caso, não há problema em comprar os trechos internos por fora – são voos entre destinos intermediários do roteiro, sem conexão nem com o voo de vinda do Brasil nem com o voo de volta ao Brasil.

Passagens multidestinos: como comprar

Vamos pesquisar, então: múltiplos destinos/várias cidades com ida do Brasil a Paris e volta de Veneza ao Brasil.

Passagens multidestinos: como comprar

Olha só: IGUAL OU MAIS BARATO DO QUE A IDA E VOLTA A PARIS!

Como que a gente saberia disso se não pesquisasse?

Na Air Europa, que estava cobrando R$ 2.386 na modalidade ida e volta, a múltiplos destinos com ida a Paris e volta de Veneza está alguns tostões a menos: R$ 2.358 (sem bagagem). Assim como na ida e volta tradicional, a viagem é feita com conexões em Madri tanto na ida (Brasil-Madri-Paris) quanto na volta (Veneza-Madri-Paris).

Na Air France ficou R$ 365 mais barato! De R$ 3.340 na modalidade ida e volta para R$ 2.975 (sem bagagem) na múltiplos destinos com ida a Paris e volta de Veneza. 740 dólares. Na ida, o voo é direto. Na volta, tem conexão em Paris.

“Ah, mas nos dois casos eu vou precisar voltar ao primeiro destino (Madri, no caso da Air Europa; Paris, no caso da Air France”) para pegar o voo de volta ao Brasil! Qual a vantagem?”

São várias vantagens. Você não precisou comprar o voo à parte até o destino de onde sai o voo de volta para o Brasil. Os dois voos que compõem a volta são vinculados, e se um atrasar e você perder a continuação, a cia. aérea realoca você em outro voo, sem custo. E você não precisa prever um intervalo insano nem chegar na véspera para não dar chabu de conexão.

Passagens multidestinos como comprar

Mas ainda falta pesquisar o voo complementar entre Paris e Veneza.

Passagens multidestinos como comprar

De novo, baratíssimo: na low-cost Vueling, o voo direto está ridículos R$ 131 (sem bagagem). 27 dólares!

Então vamos somar a tarifa da multidestinos ‘simples’ (ida Brasil-Paris, volta Veneza-Brasil) com o voo avulso Paris-Veneza:

  • R$ 2.489, com a Air Europa (contra R$ R$ 2.667 na modalidade ida e volta)
  • R$ 3.106, com a Air France (contra R$ 3.585 na modalidade ida e volta)

Vamos fechar, então? NÃO! Pode ser que esta seja a passagem mais em conta, mas nunca deixe de pesquisar também quanto custa incluir o(s) trecho(s) intermediário(s) no mesmo bilhete.

Pesquisa 3: multidestinos com todos os trechos incluídos

Passagens multidestinos como comprar

No KAYAK é possível pesquisar itinerários de até 6 voos na modalidade ‘várias cidades’.

Dificilmente vai valer a pena incluir tantos trechos. Numa viagem de apenas dois destinos, como esta que estamos pesquisando, normalmente incluir o voo intermediário entre os dois destinos não deve aumentar o preço. Mas se a viagem tiver muitos trechos, faça diferentes simulações, incluindo mais ou menos voos intermediários (e sempre comparando com as tarifas conseguidas comprando esse voos intermediários de maneira avulsa).

Passagens multidestinos: como comprar

Veja que interessante.

Pela Air Europa, que cobrou R$ 2.358 pela multidestinos ‘simples’ (sem o trecho intermediário), a multidestinos completinha subiu R$ 2.471. Só que o novo preço inclui o voo intermediário Paris-Veneza (incluindo o voo intermediário, a multidestinos ‘simples’ fica R$ 18 mais cara: R$ 2.489). Ou seja: incluir o trecho intermediário saiu elas por elas (mas você só vai precisar emitir um bilhete, e isso é melhor do que fazer duas compras separadas, concorda?).

Já na Air France a inclusão do trecho intermediário baixou o preço! A multidestinos ‘simples’, sem o trecho intermediário, custava R$ 2.975. Incluindo o voo Paris-Veneza, baixou para R$ 2.735. Incrível! Isso aconteceu porque o itinerário aproveita a sinergia das rotas do grupo Air France-KLM. Graças a uma combinação favorável de cidades, o preço de uma cia. aérea convencional se aproximou, na modalidade múltiplos destinos, do preço da cia. low-cost.

Viu como vale a pena pesquisar todas as possibilidades?

Comparando as três pesquisas, então:

Air Europa:

  • R$ 2.471 na passagem multidestinos completa (Brasil-Paris + Paris-Veneza + Veneza-Brasil no mesmo bilhete)
  • R$ 2.489 na passagem multidestinos simples (Brasil-Paris + Veneza-Brasil) com o trecho intermediário (Paris-Veneza) comprado à parte
  • R$ 2.667 na passagem ida e volta (Brasil-Paris-Brasil) com trechos intermediários (Paris-Veneza-Paris) comprados à parte

Air France:

  • R$ 2.735 na passagem multidestinos completa (Brasil-Paris + Paris-Veneza + Veneza-Brasil no mesmo bilhete)
  • R$ 3.106 na passagem multidestinos simples (Brasil-Paris + Veneza-Brasil) com o trecho intermediário (Paris-Veneza) comprado à parte
  • R$ 3.585 na passagem ida e volta (Brasil-Paris-Brasil) com trechos intermediários (Paris-Veneza-Paris) comprados à parte

Entendeu por que a passagem multidestinos é a melhor solução para a sua viagem?

688 comentários

Excelente! (com um clap clap clap especial para “No exterior, 1 km tem os mesmos 1.000 metros daqui do Brasil” 😀 )

O post ta sensacional, mas sinceramente nem sabia que tinha gente que fazia essas acrobacias. 🙂

Adorei! E tenho uma experiência não muito boa a compartilhar, mas que ficou de lição e no final foi até engraçado.
Eu, meu noivo e meus pais fomos para Roma, via Air France. Fiz questão de escolher a companhia pelo conforto a mais que dá, etc, já que meus pais não tem mais os meus 20 e poucos anos.
Saímos de Floripa rumo a Roma. Paramos em São Paulo, dps Paris, e então Roma. Surpresa desagradável. Nossas malas não vieram no mesmo vôo que nós. Pq? Nossa conexão era de apenas 45 min. Somente 4 ou 5 dias dps as malas deles chegaram (a minha chegou 3 dias dps) todas arrebentadas. Dica 1: não faça escala com pouco tempo, você acha que chega mais cedo, mas fica sem a bagagem, o que foi um transtorno, já que em Roma estava mais de 30 graus e 2 dias dps nosso pacote nos levou para Nápoles e Capri, e só outros 2 dias dps voltamos para Roma e eles reencontraram as malas. Prefira escalas um pouco mais longas, vale a pena o chá de aeroporto, a não ser que se viagem só com mala de bordo.
Bom nessa viagem usamos tds (ou qse, sei lá) meios de transportes da Europa, fizemos um tour em 21 dias. Trem, rem bala, carro e low coast.
Roma – Veneza de trem – não dá pra viajar com mala de 32 kg. Eu achava besteira, mas é sério. A mala não cabe no compartimento, e ao final ela fica sendo jogada de um lado para outro ou no meio do corredor.
Nossa experiência com os vôos internos foi hilária. Já que nosso destino cobria desde o sul da Europa até qse o Norte (Berlim 0 Londres) tivemos de levar roupa pra frio e calor. Resultado mujita roupa. Qdo compramos as passagens nos disseram: “Não tem problema com o que levares na bagagem de mão, desde que seja um volume e a mala despachada tenha 23 kg”. O primeiro trecho deu certo. Saímos de Munique rumo a Berlim. Nossas malas despachadas estavam com 23 kg, mas a mala de mão com qse 20 e nós pesando muitos quilos a mais (colocamos roupa por cima de roupa – minha mãe colocou 4 calças e 7 blusas – não sei pq levou tanta roupa). Deu certo.
Agora de Berlim a Londres essa estratégia não deu certo. A bolsa de mão tinha que cabe naqueles compartimentos q tem em td check in e ngm dá bola. Resultado, não cabia mais roupa em nós, e nossa bolsa de mão não cabia no molde. Cometemos um crime, pagamos 130 euros de excesso de bagagem. Economia porca, que não valeu a pena, mas serviu de lição e, no final, foi engraçado.
Então galera, o que eu aprendi: escala só com mais de 1h30m, e muito cuidado antes de comprar voo low cost, pq o barato pode sair caro.
Boa viagem!
Bjs

Muito bom o post…
Acabei de voltar de uma viagem a Europa com uma escala chata, que não foi tão chata assim, em Istambul. Comprei uma passagem promocional pela Turkis Airlers de SP – Madrid para o final do ano por um preço que certamente não encontraria nem para viajar em destinos nacionais. De quebra abusei das low cost ( que se vc tem planejamento com as malas é uma ótima opção). Fui de Madrid a Lisboa e de Lisboa a Barcelona pagando uma bagatela. Resumindo: com um bom planejamento (comprando com uma certa atecedência), um dose de sorte e com muita pesquisa eu conheci muito bem alguns destinos de Portugal e Espanha sem desequeilibrar meu orçamento.
Abraço e parabéns pelo post.

Bacana essa visão, já provei na prática algumas idas aos EUA combinando passagens via Lima, Bogotá. Teve Aruba via Manaus entre outras. Nas primeiras vezes a economia e passagem breve por esses lugares é interessante. Com o tempo vai estressando um pouco e passa a ser bem consideravel as dicas. Parabéns!

Outro comentário importante … sobre o custo aéreo de uma viagem.

As pessoas não costumam acreditar que o valor de uma passagem só de ida , e quase o valor de uma passagem de ida e volta.
E… já inserir trechos internos na sua passagem de saída do Brasil, muitas vezes,sai muito mais barato que os passes low coasts ou passes de trem .A muitas cias aéreas não cobrma por 1 stop antes do destino final, ou cobram preços amigavéis para as paradas dentro do bilhete saindo do seu país de origem .Resolver isso depois da passagem inicial já comprada, vai aumentar o custo da viagem. Por isso , é preciso estudar bem seu roteiro e planejar também roteiros opconais para a adaptação da sua viagem em boas promoções.

    Ouçam o comandante!

    Com relação as passagens “one way”, depende muito, já tive que comprar passagens apenas de ida, que ficaram melhor que ida e volta, e já tive situações que comprei ida e volta e simplesmente descartei (joguei fora mesmo) a volta. Há também estratégias mais “avançadas” que eu recomendaria apenas a trips experientes e viajando light, algumas delas estão descritas aqui (em Inglês):
    boardingarea.com/blogs/viewfromthewing/2012/01/07/how-to-use-hidden-city-and-throwaway-ticketing-to-save-money-on-airfare/

    Além disso há situações, como a que estou agora, em que o destino final não tem aeroportos principais próximos. Estou pesquisando como chegar a Todi na Itália, as opções daqui de NYC são: 1) Voo direto até Milano, e trem ou carro – opcao com voo mais barato, mas com carro ou trem mais caros
    2) Voo direto até Roma, e trem ou carro – A opcao mais economica.
    3) Voo até Firenze com escala em Zurich, trem ou carro – opcao mais agradavel, por voltar por Firenze.

    Não tem como fugir de escalas, pois não há um grande aeroporto por lá (o de Perugia opera apenas com Low Cost, e dado o tempo limitado que tenho não quero correr o risco).

    Utilizo bastante o http://www.hipmunk.com para procurar precos, a forma que eles deixam listadas as passagens (Agony Level – uma mistura de preço, tempo de voo,etc) é bem interessante, e quase sempre melhor que apenas o custo da passagem.

Nossa!!! Muito pertinente seu texto , sou agente de viagens e vou salvar o link para mandar para os meus clientes!
Explicou exatamente o que temos dizer inumeras vezes, principalmente para os marinheiros de primeira viagem que acham que as cidades da Europa são a apenas 10km uma da outra… e não é bem assim, né !

Riq,

o post está perfeito!!! O que tem de gente que compra passagem aproveitando promoção para Nova York, mas o que queriam mesmo era a California e ai, descobre que a passagem pra lá é quase o mesmo preço que ela pagou pra chegar a NY e com certeza sairia muiiiito mais barato ter comprado a passagem direta!

E essa questão da bagagem também é muito importante. Se você pegar voos internos aqui nos EUA, separados, a maioria cobra por bagagem(exceção da Jetblue ou se você tiver status na empresa que está voando). Os preços começam em $25.00, tem empresa que cobra $50.00 pela segunda mala despachada.

    Além da JetBlue vale lembrar que a Southwest também tem uma franquia de 2 bagagens de 50 libras ( aprox 23 Kg) cada. No restante se nao me engano todas as outras Cias cobram pelas malas despachadas.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.