Réveillon em Londres: quem já passou?

Big Ben, LondresEstá aparecendo bastante gente pedindo dicas sobre o Réveillon em Londres (inclusive com crianças). Nunca passei um réveillon por lá, mas eu não viajaria com expectativas altas, não.

Sei que, logo após o Big Ben dar as doze badaladas, começa um show de fogos de dez minutos nas imediações da London Eye. Toda a South Bank (como é conhecida a margem sul do Tâmisa nos arredores da London Eye) fica tomada de gente; a partir de uma determinada lotação, o acesso a pedestres é interrompido (o Márcio Moura relata ter ficado preso na multidão na Strand, sem conseguir chegar).

A pergunta para quem foi é até a margem sul é: vale o perrengue? Qual é a antecedência necessária? O frio é suportável? O que acontece depois? Dá para levar crianças? Como é o metrô para voltar?

 

 

 

O povo da noite, como em qualquer grande cidade do planeta, vai ter muitas festas à disposição para escolher; a entrada vai estar mais cara do que o normal, mas faz parte.

Aos que pensam em cacifar uma ceia de ano novo, eu recomendo pensar duas vezes. Os restaurantes que abrem na véspera do ano novo cobram astronomicamente por uma comida que dificilmente será mais do que regular. Eu pegaria a mesma grana e investiria num jantar ou almoço num restaurante estrelado, num dia normal — aí sim vale a extravagância. Para a noite de Réveillon sempre recomendo uma ceia-piquenique no quarto do hotel com coisinhas finas e deliciosas que se tenha garimpado à tarde em mercados e delicatessens.

Bom. Mas e você, que passou o Réveillon em Londres, o que tem pra nos dizer? Solta o verbo, plis!

Leia também:

Réveillon no exterior: o que (não) esperar

Réveillon em Buenos Aires: leitores contam como é

Réveillon em Montevidéu e Punta del Este: leitores contam como é

Réveillon em Santiago: leitores contam como é

10 coisas para fazer quando cai um feriado no meio da sua viagem

Assine o Viaje na Viagem por emailVnV por email
Visite o VnV no FacebookViaje na Viagem
Siga o Ricardo Freire no Twitter@riqfreire
Siga o Viaje na Viagem no Twitter@viajenaviagem


 

34 comentários

Passamos o reveillon 2010/2011 em Londres. Depois de uma experiência anterior em Paris de ficar embaixo da Torre, no mega frio, esperando pela contagem regressiva no meio da rua, optamos em encontrar algum lugar fechado para jantar, com vista para a London Eye, já que queríamos assistir ao show dos fogos (que é lindo sim!! e dura uns 10, 15 minutos!). Bom, em Londres, tudo costuma ser caro, no New Year’s Eve não seria muito diferente. Tentamos pesquisar em vários sites e blogs de viagem, e não encontramos nenhuma opção que não fosse passar a virada às margens do Tâmisa e depois seguir para uma Boate. Resolvemos arriscar o jantar proposto pelo Hotel “Royal Horseguards”, que fica em frente a London Eye e oferece um jantar de ano novo, estilo contemporâneo, com 06 pratos, 02 taças de champagne e 01 vinho (mais bebida, prepare o bolso, porque é pago por fora) (site: http://www.guoman.com/files/pdf/LONRHG/RHG_xmas%202011.pdf). O traje é black tie, mas meu noivo foi de terno preto, eu de vestido curto, e não teve problema nenhum. Achei o serviço muito legal, o hotel é lindo, e o público bem familiar. Tem banda ao vivo antes e depois da virada, muito boa (músicas estilo Lady Gaga e cia) e DJ, pena que só até 1h30 da manhã.
O preço: paguei 225 libras por pessoa, parece que este ano tem uma proposta mais barata, e outra mais cara, então não posso dizer qual a diferença.
A ida foi super tranquila, o jantar estava marcado para às 21h30. Embora as ruas estivessem fechadas, para quem tem o convite para o hotel, eles abrem a passagem, não tivemos problema algum.
À meia-noite, eles abriram a sacada do hall onde era o jantar, me senti uma “lorde” inglesa por alguns minutos rs e foi lindo curtir dali os fogos e a virada.
Fomos embora depois das 2h, e aí que veio o problema: nosso Hotel era próximo a Tower Bridge, fica bem distante de onde estávamos. Não existe táxi, nem ônibus, só a partir das 5h da manhã eles eram permitidos circular. E a maioria das estações fica fechada, porque a polícia quer concentrar a segurança em algumas estações. Então, embora não tenha tido tumulto, nem confusão, tivemos que andar bastante até a estação mais próxima que se encontrava aberta, todas lotadas, nós meio “altos”, mas deu tudo certo.
Então, o que eu mudaria, seria a hospedagem para mais próximo do Hotel (ou nele mesmo, para quem topar pagar).
Mas faria tudo novamente, sem dúvida! Espero que ajude alguém.

Sabe o que uma família c/ criança poderia fazer? Ir dia 31/12 a Greenwich, almoçar, ou fazer um brunch num restô na ruazinha principal, subir ao observatório pelo parque, ver o relógio digital q marcará 364days…hours, etc, tirar uma foto com um pé no ocidente e o outro no oriente e voltar cedo p/ o hotel em Londres p/ fazer a ceia lá no quarto do hotel! Argentinamente “es lo que hay”…
http://www.reino-unido.net/greenwich.htm
http://www.greenwich.gov.uk/Greenwich/LeisureCulture/Tourism/

Moro aqui a 11 anos, nunca fui e jamais iria ver os fogos no centro, muita gente, muito frio e um stress inacreditavel! Tenho amigos que foram, receberam latas de cerveja na cabeca e pra chegar em casa foi uó… Natal até acho legal no frio, mas reveillon é chato, nao reomendo tbém nao…

Sim, já passei um réveillon em Londres e não recomendo. Dificilmente você consegue comer em algum lugar à noite. Dificilmente você consegue assistir à queima de fogos. E depois, como numa mágica, desaparece todo mundo das ruas. Tipo, sei lá, meia-noite e meia, só sobram os bêbeados desmaiados na sarjeta. A maioria das estações centrais de metrô fecham. Sem falar que o frio é de lascar.

Fui há 2 anos. É muito perrengue. Só quem consegue um lugar razoável pra ver os fogos é quem tenta chegar nas proximidades do Parlamento às 15h, 16h do dia 31, no MÁXIMO. Por volta das 18h eles já fecham todo o acesso a área, inclusive as estações de metrô próximas à festa, como a Westminster ou Embankment.

Não tive a menor chance: desci milhares de estações antes e caminhei uns bons quilômetros para chegar… a uns 3km de onde acontecia a festa. Os fogos? Um clarãozinho lááá longe.

O frio é grande, mas a multidão é maior e rola aquele calor humano totalmente indesejável.

Não tem onde sentar muito menos o que comer. Depois da meia noite, volta absolutamente todo mundo de metrô pra casa, e aí você já imagina o que é pra conseguir chegar de volta no trem.

Passei réveillon em Londres em 2007/2008. Fomos tentar assistir a queima de fogos pelo outro lado do Tâmisa, mas optamos por sair do hotel mais ou menos às 23hs, e ir até onde desse, e “tentar” ver alguma coisa. Não quisemos “acampar” mais cedo por dois motivos: primeiro que você acaba perdendo horas preciosas de perambular pela cidade pra ver 10 minutos de queima de fogos, e segundo por que meu filho, que na época tinha 2 anos, estava junto. Passeamos normalmente pela cidade durante o dia e ainda voltamos para o hotel pra “jantar” – compartilho a idéia de que restaurante em noite de Natal e ano novo é besteira. Normalmente são menus fechados que custam 2 ou 3 vezes o que você gastaria normalmente no mesmo restaurante. A nossa ceia foi toda comprada no Tesco que tinha perto do hotel.
A única coisa que tem que ser levada em consideração quando se opta por andar pela cidade na véspera de ano novo é que as estações centrais do metrô, perto de onde acontece a queima de fogos, vão sendo fechadas. Se não me engano, em 2007 os fechamentos começaram às 19hs. Isso acontece por que eles julgam que este local já estará lotado nessa hora, e vão dificultando o acesso, inclusive bloqueando ruas para o trânsito de pedestres.
Pegamos o metrô na estação de Aldgate East e descemos pela linha District até a última estação aberta àquela hora, que não lembro se era a Blackfriars ou a Temple. Acabamos descendo antes, na Mansion House, por que o metrô foi ficando tão lotado, tão lotado, que meu pai, que tem claustrofobia, começou a passar mal e tivemos que sair. Conseguimos andar até um pouco mais perto, mas no fim das contas conseguimos ver pouca coisa dos fogos, já que eles acontecem depois da curva do rio. Meu filho dormiu no meu colo durante toda a queima de fogos, acabou não vendo nada. Na volta tinha muita gente entrando no metrô, então resolvemos andar na direção do nosso hotel, tentando pegar um taxi. Conseguimos um taxi perto da St Paul’s Cathedral, que custou mais de 40 libras até o nosso hotel. Acho que pra valer a pena o sacrifício, tem que ficar ou em South Bank, ou nas regiões de Westminster e Embankment, mas pra isso tem que chegar muito cedo. Como estávamos em City, acabamos ficando presos naquele lado da cidade, sem chance de conseguir chegar em algum lugar com vista razoável, mas foi uma escolha que fizemos desde o início. Já sabíamos que não daria pra ver grande coisa. Espero que alguém que tenha realmente visto a queima de perto possa dizer se vale a pena.

Concordo com o lema “expectativas baixas” para qualquer pessoa que for passar o revellion fora do Brasil, principalmente nas cidades do norte da Europa.
Eu moro em Londres e SEMPRE fujo da cidade no revellion!
Como regra geral os Ingleses não veem a virada de ano como um momento marcante nem tão comemorativo assim, e pra grande maioria das pessoas, revellion, assim como Natal, é dia de jantar em casa da familia e dormir cedo.

Pra galera da balada, sempre rola alguma coisa, e todas as boates da cidade fazem alguma festa de comemoração – que são extamente iguais a qualquer outro sabado a noite… com exeção do preço, que com certeza será multiplicado muitas vezes pelo preço normal – idem para jantares em restaurantes legais (ou não). A programação será basicamente a mesma, mas a conta…. quanta diferença!

Por acaso ano passado fiquei em Londres na epoca das festas, e como moro perto do Big Ben, fiz uma festa de revellion em casa. Mesmo estando a poucos quarteirões da area dos fogos, não conseguimos nem chegar lá perto (as ruas de acesso fecham as 8 da noite, ou assim que lotam, então tem que ficar na rua esperando os 10 minutos de fogos por cerca de 6 horas!!). Mas como moro por ali e conheço bem a area, sabia onde conseguiriamos assistir os fogos, mesmo estando fora da “area de vizualização” delimitada pela prefeitura.

Os fogos foram bem legais, mas não deu 30 segundos do fim e amultidão tomou conta das ruas! Por sorte, voltamos pra casa em pouco segundos, mas preparen-se pra confusão: estações de metro fecham (“crowd control” como os Ingleses chamam), não passam onibus nem taxis por toda parte central.

Dois casais de amigos que estavam lá em casa resolveram tentar voltar pra casa lá pras 2 e pouco da manha e as estação ainda estavam fechadas por causa da multidão, e acabaram tendo que voltar pra casa a pé – que demorou cerca de 1 hora, numa das noites mais frias do ano!

Eu fiz alguns posts sobre isso, com dicas e relatando a experiencia, aqui (incluindo mapas destribuidos pela prefeitura para moradores, areas de acesso e recomenações de segurança):

http://drieverywhere.net/2011/01/02/ano-novo-em-londres-20102011/

http://drieverywhere.net/2010/12/29/virada-do-ano-em-londres/

http://drieverywhere.net/2009/10/28/sal-ano-novo-em-londres/

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.