Recife

Boa Viagem

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Desde que Porto de Galinhas foi elevado a capital do turismo de massa em Pernambuco, Recife perdeu o seu status de destino de praia.

Tanto melhor: no Recife a praia é um (ótimo) complemento a tudo o mais que a cidade oferece. A saber: dois centros históricos (o Recife Antigo e a vizinha Olinda), vida cultural intensa, gastronomia de qualidade.

Boa Viagem, o bairro praiano onde está a maioria dos hotéis, é tão auto-suficiente que até o aeroporto fica por lá. Se o trânsito estiver livre e o check-in do seu hotel for eficiente, ao desembarcar você estará a vinte minutos da sua primeira caminhada pelo calçadão.

Mas aproveite para se aventurar longe da praia: na Zona Norte, o bairro de Casa Forte -- e seu núcleo mais antigo, o Poço da Panela -- revela um Recife charmoso e desconhecido dos turistas.

Quando ir

O tempo firme se estende de setembro a março; outubro, novembro e dezembro são particularmente secos. Maio, junho e julho costumam ser chuvosos.

O Carnaval não acontece só nas datas oficiais: se você aparece nas duas semanas que antecedem a muvuca, já vai se divertir em blocos pré-carnavalescos tanto no Recife Antigo quanto em Olinda.

Caruaru, a 150 km, disputa com Campina Grande (PB) o título de São João mais animado. Mas a viagem ao Alto do Moura para visitar os ateliês dos discípulos de Mestre Vitalino pode ser feita o ano todo.

Como chegar

O Recife é servido por vôos diretos de São Paulo (Guarulhos), Rio de Janeiro (Galeão), Brasília, Belo Horizonte, Salvador, Fortaleza, Aracaju, Natal, Maceió, Fernando de Noronha, Campina Grande, Petrolina e Juazeiro do Norte.

Do exterior há vôos diretos desde Lisboa, pela TAP, Cidade do Panamá, pela Copa, e Miami, pela American.

O aeroporto fica a 10 minutos de carro da orla de Boa Viagem. Há dois tipos de táxi no aeroporto: especial, com tabela, e comum, pelo taxímetro; cada um tem seu ponto devidamente marcado na calçada. Vai a Porto de Galinhas e não pretende alugar carro? Veja as opções de transporte aqui.

A propósito, Porto de Galinhas está mais perto: a nova via expressa Rota do Atlântico, pedagiada, começa na ponte de Barra de Jangada (na ponta sul de Jaboatão), atravessa a Reserva do Paiva e o complexo de Suape e vai duplicada até Nossa Senhora do Ó, já na reta final do antigo acesso a Porto, sem precisar passar pelos engarrafamentos da PE 060. A estrada nova também é um excelente atalho para as praias de Cabo de Santo Agostinho.

Onde ficar

Boa Viagem é a principal zona hoteleira da cidade. O melhor ponto para se hospedar, hoje, é a ponta sul do bairro -- o Pina --, onde estão os hotéis mais novos e com mais restaurantes interessantes para ir a pé. No entanto a melhor barraca de praia, a do Pezão, está a meia hora de caminhada de lá. Veja meu dossiê de hospedagem no Recife aqui.

Olinda está a 15 minutos de táxi do Recife Antigo e meia hora de Boa Viagem (também há ônibus de linha, que levam 90 minutos ou mais entre Olinda e Boa Viagem). A Pousada do Amparo é a mais sofisticada (os apartamentos mais confortáveis estão no anexo); a Pousada dos 4 Cantos tem preços camaradas e o Hotel 7 Colinas, uma piscina irresistível.

A maior novidade no front hoteleiro é o Sheraton Reserva do Paiva, a meio caminho entre o Recife e Porto de Galinhas.

O que fazer

O Recife Antigo tem duas novas atrações: o Cais do Sertão, que homenageia Luiz Gonzaga, e o Paço do Frevo, um museu do carnaval pernambucano. Visite também a primeira sinagoga das Américas e o observatório da Torre Malakoff. Pegue o barquinho para ir até o Parque de Esculturas de Francisco Brennand, plantado no recife que deu nome à cidade. Almoce na Casa de Banhos (que também está localizada no recife) ou no Bistrô & Boteco, anexo ao Cais do Sertão. Um desfecho para um dia no centro histórico pode ser o passeio de catamarã pelo Capibaribe, que sai dali na praça do Marco Zero.

Olinda é melhor visitada com sol baixo; chegue para almoçar tipo às 13h30 (no Beijupirá, na Oficina do Sabor ou no Patuá) e faça a digestão no sobe-desce-ladeira.

Entre 3a. e 6a., vá ao bairro da Várzea visitar o museu-ateliê de Francisco Brennand (abre de 2a. a 6a.) e o a coleção de arte e armas do Instituto Ricardo Brennand (abre de 3a. a domingo). O tour pode continuar pela Fundação Gilberto Freyre e pelo bairro do Poço da Panela. Eu conto como fazer neste post.

A ilha de Itamaracá, 70 km ao norte, rende um passeio de um dia inteiro, com visita ao Forte Orange, praia na ilhota da Coroa do Avião e uma passada no Projeto Peixe-Boi. No caminho faça um desvio para ver o centro histórico de Igarassu.

Se você quer fazer um bate-volta a Porto de Galinhas, consulte a tábua das marés; é na maré baixa que aparecem as piscinas naturais e a praia fica boa para entrar n'água.

Recife no Viaje na Viagem

4 comentários

Atenção: perguntas que já estejam respondidas no texto e comentários ofensivos ou em maiúsculas serão deletados.

Cancelar
Paula
PaulaPermalinkResponder

Oi, Ricardo! O que você recomenda pra se fazer de romântico em Recife? Não conheço a cidade. É possível um bate e volta pra Porto de Galinhas, ou não é recomendável? Obrigada!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Paula! Quem responde é A Bóia.

O bate-volta a Porto de Galinhas só faz sentido se a maré estiver favorável à visita às piscinas naturais. Veja:
http://www.viajenaviagem.com/2013/07/como-combinar-porto-de-galinhas-e-maragogi-na-mesma-viagem

Veja nossas dicas do Recife na página do Recife:
http://www.viajenaviagem.com/destino/recife

Luiz Lessa
Luiz LessaPermalinkResponder

Olá, tenho do 01/02/2015 até 08/02/2015, pra viajar. Pretendo ir a Porto de Galinhas. Vale a pena reservar hotel e ficar lá esses dias todos, ou é viável dividir a estadia com João Pessoa e Natal? Lembrando que irá, eu minha esposa e meu filho de 10 anos e a nossa preferência é por praias.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Luiz! Vale a pena ficar o tempo todo em Porto de Galinhas e eventualmente fazer passeios às redondezas. Chegar com hotel reservado é essencial no verão.