Golpes contra turistas na Europa: Duc, Maria Lina e Dri alertam

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Paris: Basílica do Sacré-Coeur

É fato que o Brasil é um lugar infinitamente mais inseguro que a Europa. Mas por incrível que pareça, um turista brasileiro talvez corra mais riscos lá do que aqui.

Ocorre que o problema no Brasil é a violência -- que aprendemos a evitar não andando por lugares ermos ou pouco vigiados. Batedor de carteira, por aqui, é profissão em extinção; seu campo de ação parece limitado a festas com aglomeração (como todas aquelas da Bahia).

Na Europa a violência é mínima. Mas a arte de aproveitar-se das distrações dos forasteiros é desenvolvidíssima. Enquanto a gente está lá, embasbacado com alguma vista ou tentando entender o metrô, algum artista surrupia a nossa carteira ou mete a mão na nossa bolsa sem que percebamos. Deixar mala ou bolsa aparecendo em carro estacionado, então, é fatal.

Mais chatos (por humilhantes) são os golpes perpetrados em dupla ou trio: enquanto um puxa papo ou chama a atenção para uma coisa qualquer, o outro passa a mão no que estiver desguarnecido.

Recentemente, vários blogueiros que moram (e um que morou) na Europa trouxeram o tema à tona.

O Dani Duc, que tem o excelente DucAmsterdam.net (indispensável para viajar a Amsterdã e à Holanda), contou uma série de perrengues que passou em diversas cidades européias. Seus leitores contribuíram com suas próprias histórias nos comentários.

A Maria Lina, do queridíssimo Conexão Paris, repercutiu uma denúncia de leitores sobre golpes e intimidações nas escadarias de Sacré-Coeur.

Dentro do assunto, o PêEsse lembrou um post do ano retrasado em que a hilária -- e ao mesmo tempo seriíssima -- Dri Setti, do Achados, faz um verdadeiro inventário das várias maneiras de baterem a sua carteira na Espanha (e como escapar de ser uma vítima).

De novo: não é que a Europa seja perigosa. Ela só não é tão segura quanto a gente imagina -- e os riscos são diferentes daqueles nos quais já estamos escolados. Ter consciência disso já nos torna menos vulneráveis grin

E você? Já passou por algum perrengue do gênero? Conte na caixa de comentários!

Leia também:

199 comentários

Marce Lelis
Marce LelisPermalinkResponder

Tive carteira, passaporte, segundo celular e uns 250 euros roubados en Berlin - 2 moças que pareciam romenas, búlgaras (ou vizinhos) vieram me perguntar na rua se eu sabia se havia alguma agência do Citibank perto (de verdade pareciam turistas perdidas, com mochilas e tudo) - Eu sabia que havia um quiosque de atendimento turístico a uns 50 metros e andei com elas até metade do caminho (uns 20 metros). Estava um pouco distraído, elas se despediram e foram em direção ao quiosque e eu entrei em um taxi - Quando fui olhar dentro de uma pequena mochila que levava minhas coisas já não estavam. Na Europa qualquer pessoa pode ser delinquente, todo cuidado é pouco.

Daniela
DanielaPermalinkResponder

Tenho visto vari os relatos de brasileiros roubados durante excursões pela Europa, naqueles grupos formados quando se chega lá, muitos acreditam terem sido vítimas de pessoas que estão infiltradas nessas excursões!

Márcio
MárcioPermalinkResponder

Estávamos eu e a esposa na ponte dos suspiros em Veneza e um senhor puxou conversa, como estava bem vestido eu acabei por conversar com ele , quando minha esposa se aproximou de nos ele pegou de repente a maquina de sua mão e começou a tirar fotos nossa e depois quis cobrar um valor nem tão alto mas eu ainda estava meio assustado com a situação, demos a ela um euro e pouco e fomos embora......As fotos ficaram horrorosas mesmo tendo Veneza ao fundo.

Eduardo santos

Três dias atrás chegando em Atenas ao me levantar para descer um senhor quis sentar no meu lugar e aí fechou a passagem para a porta, veio outro e pisou no meu pé...nisso senti algo mexendo noeu bolso e quando pus a mão já era tarde.

Tenham cuidado pois agem em grupos e não tem idade cor ou sexo.

Por sorte meu passaporte estava seguro, só mesmo a dor de cabeça de ter que tirar nova CNH é RG e alguns reais.

ANDREA
ANDREAPermalinkResponder

Alugamos a Vila La Nutrice para celebrar meu aniversario de 50 anos. Viajamos com uma turma de 16 amigos e parentes e fomos muito bem recebidos pelo proprietário Paolo e sua filha Olivia. Eles prepararam um jantar delicioso no noite da nossa chegada. A casa é muito confortável com 9 suítes, com uma cozinha completa e uma sala de jantar com uma mesa gigante muito conveniente. Passamos 8 noites encantados com tudo, porém na ultima noite fomos ROUBADOS quando estávamos dormindo . Os ladrões entraram na casa arrombando a porta da sala, entraram em todos os quartos e NINGUÉM escutou nada. Levaram todo nosso dinheiro, joias, óculos de marca e alguns casacos. Acreditamos que tenham utilizado o ''spray do sono'' pois ninguém percebeu nenhum movimento na casa e algumas pessoas acordaram se sentindo mal. Chamamos os policiais e nos dizeram que só naquela semana havia ocorrido 5 roubos/assaltos em vilas naquela região de Florença. Minha impressão é que os ladrões conheciam a casa muito bem, eram profissionais pois levaram somente coisas que tinham valor e permaneceram na casa no máximo 30 minutos. Ficamos todos em choque em perceber como estávamos vulneráveis naquela casa. Na tarde anterior ao roubo a internet parou de funcionar, não sei se foi só uma coincidência ou não mais achamos também estranho. Lamentamos que o proprietário não tenha nos alertado ou colocado câmeras e alarme pela casa; considerando que a região vem sofrendo com muitos assaltos. Levei mais de um ano para organizar essa viagem pensando em proporcionar só momentos felizes com os amigos, mais infelizmente este ocorrido nos deixou chocados e amedrontados. Com certeza na Itália não ficarei mais em villas ou casas, vamos optar por hotéis que ofereçam mais segurança.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar