Nova York: Citibank paga US$ 41 mi para pôr sua marca em bikes compartilhadas

Viaje na Viagem
por Viaje na Viagem

Jornal da BóiaDeu no New York Times: semana passada o prefeito Michael Bloomberg anunciou que o programa de aluguel de bicicletas de Nova York, a estrear em julho, será patrocinado pelo Citibank e se chamará CitiShare.

Nova York segue, desta maneira, a moda lançada por Londres, onde os serviço é patrocinado pelo banco Barclay's, e adotada pelo Rio, onde o patrocinador é o Itaú.

Para pôr sua marca por 5 anos nas 10.000 bicicletas compartilhadas que vão circular por Manhattan e pelo Brooklyn, o Citi pagou 41 milhões de verdinhas.

Mas essa dinheirama toda não vai tornar o sistema baratissíssimo, não. Para usar será preciso pagar primeiro uma taxa de adesão -- US$ 9,95 por dia, US$ 25 por semana ou US$ 95 por ano, ao gosto do freguês. Isso dará direito a meia hora de uso grátis (45 minutos no caso dos assinantes anuais). A partir do 31º minuto (ou do 46º para os anuais), haverá a cobrança de extras: US$ 4 para a primeira hora, US$ 13 para 90 minutos e US$ 25 para duas horas.

Para comparar: em Paris, a assinatura por um dia custa € 1,70, a primeira meia hora suplementar sai € 1, a segunda sai € 2, e a terceira, € 4. Em Londres, a diária custa £ 1, a primeira meia hora suplementar £ 1, ou 90 minutos suplementares £ 4. No Rio o passe mensal custa R$ 10, e o diário, R$ 5; a primeira hora é grátis, e a primeira hora suplementar sai R$ 5.

Nas próximas semanas devem ser anunciados os pontos onde se localizarão as 600 estações do sistema em Nova York.


Nossa correspondente Marcie Grynblat Pellicano já abriu o bico, lembrando que quando Mr. Bloomberg foi a Paris para conhecer o Vélib de perto voltou dizendo que não tinha nada a ver com Nova York...

Eu confesso que, embora ache a iniciativa moderna e simpática, não tenho ânimo para aderir, não. Não me vejo andando de bicicleta na rua, numa cidade que não domino completamente... caminhar pode ser mais antiquado, mas me parece mais seguro e proveitoso grin

Leia também:

Bicicletas em Nova York: Paris fazendo escola, no Abrindo o Bico

Citibank pays to put name on shared bikes, no New York Times

Siga o Viaje na Viagem no Twitter - @viajenaviagem

Siga o Ricardo Freire no Twitter - @riqfreire

Visite o VnV no Facebook - Viaje na Viagem

Assine o Viaje na Viagem por email - VnV por email


4 comentários

José Luiz
José LuizPermalinkResponder

Eu acho uma iniciativa ótima para moradores (nem tanto pelo fato de ter a bicicleta pois qualquer morador pode ter uma, mas pelo fato de vc não ter que se preocupar em guardar a bicicleta pra qualquer lugar que vc vá)

Agora, pra turismo eu acharia mais interessante se as cidades começassem a pensar em rotas turísticas de bicicletas assim como existem os walking tours... eu realmente não alugaria bicicleta se não houvesse um incentivo para pelo menos ter uma ideia de caminhos a percorrer com a magrela grin

Leonardo Marzullo

Uma pequena informação adicional: no Rio, tanto no passe mensal quanto no diário, você pode utilizar livremente a bicicleta desde que por, no máximo, 1 hora. Se quiser utilizar mais do que isso sem pagar a hora suplementar, deve fazer intervalos de 15 min entre os períodos.

Katiane
KatianePermalinkResponder

Achei salgado o preço em NY.
Concordo com o José Luiz quando ele diz ser uma opção ótima para moradores. Aqui no Rio aderi ao passe mensal e a cidade se expandiu! rsrs Poder ir no shopping ou almoçar um pouquinho mais longe de bike é show, além da orla da Praia ser um incentivo a mais!
Acho que a coisa deu certo por aqui, tem dias q fica difícil encontrar bike! Quem ainda não tomou coragem recomendo!

Frank (Dois Mapas)

Sinceramente, desafio alguém a pedalar em Miami entre junho e setembro, especialmente naqueles dias típicos da Florida (úmidos e quentes), fazendo umas comprinhas e carregando tudo de bicicleta hehehe.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar