Nova York: o Whitney Museum agora está no Meatpacking (a Marcie mostra pra você)

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Whitney Museum
Texto e fotos | Marcie Grynblat Pellicano, do Abrindo o Bico

Sabe onde o High Line começa? Exato, na Gansevoort. É nessa mesma rua onde, desde o 1º de maio, o novo Whitney Museum está de portas abertas. O único detalhe é que, para os sócios de carteirinha, elas já estavam abertas há alguns dias. Aproveitando-me dessa mordomia, estive lá e agora conto um pouco do que vi.

Na verdade, “o acervo” do museu já começa do lado de fora fora, com o prédio do Renzo Piano à beira do Hudson. E, dentro, oito andares com espaços modulares para abrigar qualquer tipo de obra ou instalação.

Whitney Museum

Para a inauguração, o que o museu fez foi selecionar amostras de sua coleção permanente. Algo do tipo: expor as joias da coroa. Tudo cronologicamente disposto, do 8º andar em direção ao térreo.

O título da mostra é America Is Hard To See, de um poema de Robert Frost. E, mesmo que não tenha sido essa a intenção, há obras várias obras de fato difíceis de ver. Um exemplo: o World Trade Center em chamas.

Whitney Museum

O fato que é que sou mais atraída por nomes como Hopper, O’Keefe e Stella do que Warhol, Basquiat ou Koon. Mas bom é que estão todos lá, agora com espaço à vontade: metros e metros de parede e pavimento.

Untitled

Mas o novo Whitney não é apenas arte. Lá você reencontra também o Untitled, o restaurante do Danny Meyer que já fazia sucesso na sede do Upper East Side. Um café. Um teatro. Uma loja (que não poderia faltar). E galerias externas com vistas maravilhosas. Aqui, o Hudson. Ali, o Empire Sate Building. Mais para lá, o East Side. E, completando, o novo World Trade Center com a Estátua da Liberdade ao fundo.

Whitney Museum

Opa, estava esquecendo uma coisa digna de nota que você pode ver do terraço mais alto: em primeiríssimo plano, uma antiquada caixa d’água de madeira contrastando com o ferro, vidro e cimento do Signor Piano.

Se o High Line e as demais novidades do Meatpacking District já despertavam a curiosidade de milhões de turistas, preparem-se para uma invasão ainda maior a partir de 1º de maio. O novo Whitney quer se transformar num polo de atração e, pelo que vi, ele tem todas as condições de conseguir isso. Desde que o visitante se sinta confortável com os 22 obamas do ingresso...

WHITNEY MUSEUM
Novo endereço: 99 Gansevoort, entre Washington e 10ª Avenida. Horários: domingo, 2ª e 4ª das 10h30 às 18h. 5ª, 6ª e sábado das 10h30 às 22h. 3ª fechado. Ingresso: US$ 22; grátis até 17 anos. Ingressos antecipados fura-fila: aqui. Hotéis mais próximos: os chiques Gansevoort, Soho House e Standard HighLine, e o econômico The Jane (banheiros compartilhados).

Mais segredos de Nova York no Abrindo o Bico:

6 comentários

val
valPermalinkResponder

Tenho visto fotos pelo Instagram e está lindão...

livia
liviaPermalinkResponder

Estava procurando informações sobre uma cidadezinha linda na Bahia que acho que vi por aqui há muitos, quando me deparei com um post de 2005 seu que lembro até hoje! O da historia da foto (horrorosa) do Hotel Unique kkkkk Muito boa!
Engraçado também ler voce escrevendo naquela época sobre o difícil êxito de conseguir uma conexão discada.. rsrsrs

mirella matthiesen

Nossa Marcie, estava lendo sobre isso ontem, pois vou publicar um post sobre NY amanhã.
Achei muito legal essa sua resenha do museu e estou doida para visitá-lo!!!! Estou contando os dias para volta a sua city smile
bjos

Mari Campos
Mari CamposPermalinkResponder

Sou fãzona do Whitney! Eis aí um maravilhoso pretexto para voltar a NY <3

Breno
BrenoPermalinkResponder

estive em NY no início de abril, e nem sabia do novo museu.

fui conhecer o último trecho da highline (acima da rua 30) e depois, voltando na direção sul, em vez de seguir até o final, na rua 14, desci no chelsea market (também porque queria ir ao banheiro razz).

mesmo não estando ainda aberto ao público, provavelmente eu teria gostado muito de ver o prédio do renzo piano (sou arquiteto), enfim, que saco, vou ser obrigado a voltar a NY em breve razz

Helder Almeida - Lisboa

Visitei o novo museu em Setembro: lindíssimo, muito funcional, boas vistas panoramicas, mesmo ao lado da High Line (optima). A arquitetura é arrojada. Não vou comparar com os Gugenheim de NY ou Bilbao. Não são comparaveis. O de Bilbao também é "único".

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar