o que fazer em fernando de noronha

Guia de Fernando de Noronha

O que fazer em Fernando de Noronha

Veja nesta página o que fazer em Fernando de Noronha e como organizar sua estada na ilha. Saiba como são as praias, os passeios, mergulhos, ingressos, agendamento e transporte na ilha.

Roteiro sugerido

Dia da chegada

Dispense o trânsfer compartilhado para não perder sua primeira tarde na ilha numa sessão de venda de passeios. Pegue um táxi ou mesmo um ônibus, deixe sua mala na pousada e curta o fim de tarde e o pôr do sol na Praia da Conceição ou na Praia do Meio.

À noite, vá ao Centro de Visitantes do ICMBio comprar seu ingresso para o parque e assista à sua primeira palestra no Projeto Tamar.

Noronha o que fazer: roteiro sugerido

Segundo dia

Sugestão: troque o Ilhatour por uma manhã inteira na praia mais bonita do Brasil, a Praia do Sancho.

Esteja às 15h no Centro de Visitantes para pegar sua senha e agendar a Trilha da Atalaia ou outros passeios controlados dentro do parque.

Demais dias: passeios básicos

Faça um mergulho com tartarugas na Praia do Sueste.

Acompanhe uma captura intencional de tartarugas. Quando retirar o seu ingresso para o parque nacional, informe-se sobre os horários e locais da atividade durante a sua estadia.

Faça snorkel na Baía dos Porcos durante a maré baixa — na ida ou na volta curta a Cacimba do Padre. (As praias do Bode e do Americano podem fazer parte da mesma caminhada.)

Vá à praia do Boldró também num momento de maré baixa, para aproveitar a piscina natural que se forma na beira.

Faça o passeio de barco.

Faça um batismo de mergulho.

Assista ao pôr do sol no Forte do Boldró.

Programas complementares

Considere dar uma voltinha de PlanaSub ou remar numa canoa havaiana.

Para repetir

As praias do Cachorro, do Meio, da Conceição e do Porto sempre estarão à mão para um dia mais relaxado (ou para a volta de qualquer passeio).

Se você faz mergulho ou snorkel, é claro que vai aproveitar todas as chances.

Você vai mais de uma vez ao Sancho, não vai? Vá.

Estude a programação das palestras do Projeto Tamar para não perder as que mais interessem.

Como se deslocar em Noronha

Noronha como se deslocar

Dá para resolver todos os seus deslocamentos em Fernando de Noronha combinando caminhadas com trechos de ônibus e de táxi.

Também é possível alugar bugue ou carro ou ainda bicicleta elétrica.

Alguns passeios incluem trânsfer de/para a pousada.

A pé

Como se deslocar em Noronha: a pé

Se você está hospedado entre a Vila dos Remédios, a Floresta Nova e a Floresta Velha, vai resolver boa parte da sua vida a pé.

Grande parte dos restaurantes da ilha está no centrinho da Vila dos Remédios, no plano.

A partir do centro você desce a pé às praias ‘urbanas’ de Noronha: o Cachorro, a Praia do Meio e a Conceição. (Na volta, porém, talvez queira chamar um táxi para enfrentar a subida.)

De ônibus

Noronha como se deslocar: de ônibus

Microônibus cruzam a ilha a cada meia hora, entre 7h e 22h, partindo das duas pontas da BR (Porto e Sueste).

A passagem custa R$ 5. Você paga para o motorista. (Moradores viajam de graça. Por isso, não espante ao ver tanta gente saindo sem pagar.)

Não importa onde você esteja hospedado, nunca estará longe de uma parada. A linha percorre toda a extensão da BR, do Porto ao Sueste, e faz três entradas:

  • Entra na Vila do Trinta, indo até a praça principal
  • Entra na Vila dos Remédios, indo até a praça do ponto de táxis
  • Entra na Estrada da Basinha, indo até o fim do asfalto

Caso você pegue o ônibus numa dessas entradas (Vila do Trinta, Vila dos Remédios ou Basinha), verifique o sentido: o ônibus pode estar indo na direção Porto ou na direção Sueste.

O ônibus deixa você ‘na porta’ de diversos atrativos:

Combinando ônibus + caminhada, você pode cobrir os demais atrativos da ilha:

De táxi

Noronha como se deslocar: de táxi

Sempre que não der para caminhar ou você não tiver paciência de pegar ônibus, vá de táxi.

Antigamente, os táxis de Noronha eram bugues, e a ruindade da telefonia/internet da ilha tornava difícil chamar um táxi fora das vilas. Hoje a situação está bem melhor. A frota de táxis é de carros convencionais, e sempre vai ter um lugarzinho com sinal de celular para você fazer uma chamada. Ligue, e no máximo em 10 minutos o táxi vai aparecer para te pegar.

As corridas são tabeladas entre os diversos pontos da ilha. Você pode ver a tabela completa baixando o aplicativo Nortax (disponível apenas para Android).

Os preços da volta são iguais aos da ida. A bandeira 2 vale entre 20h e 6h e aos domingos. Não há acréscimo por bagagem ou por chamada.

Táxi em Fernando de Noronha

  • Telefone: (81) 3619-1314
  • Tarifas de/para Vila dos Remédios (janeiro/2019):
    • Porto: R$ 25 (bandeira 2: R$ 28)
    • Vila do Trinta/Colina: R$ 23 (bandeira 2: R$ 26)
    • Floresta Nova/Floresta Velha: R$ 23 (bandeira 2: R$ 26)
    • Praia da Conceição: R$ 26 (bandeira 2: R$ 30)
    • Hotel Dolphin: R$ 25 (bandeira 2: R$ 28)
    • Pousada Teju Açu: R$ 28 (bandeira 2: R$ 32)
    • Centro de Visitantes/Tamar: R$ 28 (bandeira 2: R$ 32)
    • Aeroporto: R$ 30 (bandeira 2: R$ 34)
    • Praia da Cacimba do Padre: R$ 36 (bandeira 2: R$ 40)
    • PIC do Sancho: R$ 36 (bandeira 2: R$ 40)
    • Praia e pousadas do Sueste: R$ 36 (bandeira 2: R$ 40)
    • Praia do Leão: R$ 46 (bandeira 2: R$ 50)

De bugue, carro ou moto

Noronha como se deslocar: de bugue, carro ou moto

Alugar um veículo dá a você completa autonomia para se deslocar pela ilha. Os preços, porém, são bastantes salgados — uma diária de bugue pode sair mais caro que 10 corridas de táxi.

Além disso, lembre-se que a gasolina em Noronha custa R$ 7 o litro, e que há Lei Seca na ilha.

Há muitas locadoras na ilha. O melhor canal para alugar um veículo é por meio da sua pousada, para reduzir as chances de pegar um abacaxi.

Bugue

A diária de bugue sai entre R$ 250 e R$ 350 (na época do Réveillon, os preços duplicam). Quanto mais barato o bugue, maior a probabilidade de estar detonado.

Carro

Carros fechados custam a partir de R$ 350 por dia (o dobro disso no Réveillon). Na média, são mais novos e bem-conservados que os bugues.

Moto

A diária de moto em Noronha fica entre R$ 150 e R$ 170. É preciso habilitação para dirigir motocicleta.

De bicicleta elétrica

Noronha como se deslocar: bicicleta elétrica

O transporte individual ecologicamente correto de Noronha é a bicicleta elétrica. A Caio Bikes, na Vila dos Remédios, aluga as bicicletas a R$ 60 por dia. É preciso retornar a bicicleta antes das 18h, para que seja recarregada durante a noite. Se está interessado, reserve a sua antes mesmo de viajar. O telefone do Caio é (81) 98927-4024.

E bicicletas comuns, dá para alugar?

Sim, também é possível alugar bicicletas comuns na ilha. Mas a topografia (e o estado das estradinhas fora da BR) requerem bom preparo físico e bicicletas melhores do que as que disponíveis para alugar.

De trânsfer

Alguns passeios buscam e levam você de volta à sua pousada, diminuindo o custo de transporte.

Os passeios com trânsfer incluído são o ilhatour, a maioria dos mergulhos e passeios de barco, Plana Sub e Projeto Navi.

O trânsfer de chegada do aeroporto à pousada costuma ser oferecido como cortesia. Mas pode ser uma cilada — eu explico por quê.

Ingresso para o parque

Noronha ingresso parque nacional

Para entrar nas áreas do Parque Nacional Marinho é preciso comprar um ingresso especial — que não está incluído na taxa de proteção ambiental (TPA) que você paga na chegada.

O ingresso ao parque é um cartão magnético que armazena seus dados e vale por 10 dias consecutivos. Esse cartão libera a catraca dos três PICs (Postos de Informação e Controle das praias do Sancho, Sueste e Leão) e é exigido para fazer qualquer passeio de barco, caminhada ou mergulho que entre na área do parque.

Faça seu cartão no Centro de Visitantes na Vila do Boldró ou num dos três PICs. (Mesmo que você compre antecipadamente pela internet, vai precisar passar num desses postos para tirar a foto que será armazenada no cartão.)

Informações práticas

Praias de Fernando de Noronha

Fernando de Noronha é uma ilha achatada. Tem duas costas: o Mar de Dentro, voltado para o noroeste, e o Mar de Fora, voltado para o sudeste.

A maioria das praias está no Mar de Dentro: Porto, Cachorro, Praia do Meio, Conceição, Boldró, Americano, Bode, Cacimba do Padre (todas essas, fora da área do parque nacional), Baía dos Porcos e Sancho.

As praias do Mar de Fora estão todas dentro da área do parque: Leão, Sueste e Atalaia.

No quesito ‘pegar praia’, os dias em Noronha rendem mais do que na costa leste do Nordeste: por aqui o sol nasce e se põe na hora certa dos trópicos (alvorada em torno das 6h, pôr do sol lá pelas 18h), e as praias do Mar de Dentro (voltadas para o poente) têm luz até o fim da tarde. Ou seja: nenhuma praia acaba mais cedo por conta de sombra de morro ou coqueiro (ou prédio…).

Graças a esse expediente 100% aproveitável do sol, é possível seus passeios em dois turnos, interrompendo seu dia para almoçar e dar uma descansadinha entre uma praia e outra.

Para saber sobre todas as praias, é só continuar lendo na seqüência do texto. Se preferir, veja no menu ao lado e clique direto na praia desejada:

Praia do Porto

Noronha o que fazer: Praia do Porto

É a praia mais, digamos, pitoresca de Noronha, por causa do píer e das muitas embarcações que ficam ancoradas. (No início de outubro, quando o porto está povoado pelos veleiros participantes da regata Recife-Noronha.)

A natureza, porém, também comparece. As águas da praia do Porto são calmas e transparentes, e o Morro do Pico à esquerda do quadro. É usada para snorkel e treinamento de batismo o ano inteiro. Na época de swell, é uma escolha segura para quem quer mar calmo.

Tem loja de aluguel de snorkel e nadadeiras, loja de conveniência e, no alto, o excelente restaurante Mergulhão (disputadíssimo ao pôr do sol).

Informações práticas

Praia do Cachorro

Noronha o que fazer: Praia do Cachorro

Entre abril e início de outubro, a praia do Cachorro funciona como prainha da Vila dos Remédios. Tem barracas simplesinhas, que servem tanto a moradores quanto a turistas.

Nessa época, ninguém precisa ir mais longe do que o Cachorro para pegar uma praia sensacional. O morro do lado direito emoldura a paisagem, e o mar é cristalino, gostosíssimo de entrar.

O swell que entra em outubro, porém, traz pedras enormes, que tomam o lugar da areia. E o Cachorro deixa de ser uma praia a considerar.

Além das barracas na areia (na época em que há areia), você encontra restaurantes e lanchonetes abertas na Vila dos Remédios.

Informações práticas

Praia do Meio

Noronha: o que fazer - Praia do Meio

É chamada assim porque fica no meio do caminho entre a Praia do Cachorro e a Praia da Conceição.

É extensa e poderia ser descrita como ‘selvagem’ e ‘deserta’ se não fosse por um grande foco de badalação, no seu canto esquerdo: o Bar do Meio. Na divisa com a praia da Conceição, este é o beach lounge mais disputado da ilha ao pôr do sol — com preços que refletem a procura.

As tendas, para até 6 pessoas, têm consumação mínima (que pode chegar a R$ 750), mas as mesas do restaurante, não. Na temporada tem música ao vivo a partir do fim da tarde. Funciona das 13h às 21h. Reservas: (21) 99623-6496 ou (81) 3619-0424.

Informações práticas

Praia da Conceição

Noronha o que fazer: Praia da Conceição

A praia da Conceição é o Posto 9, o Porto da Barra, a Maresias de Noronha: um point. Está a uma curta caminhada da Vila dos Remédios, mas como não está exatamente no centro, oferece a sensação de praia selvagem. O Morro do Pico se ergue do canto esquerdo da praia. Se fosse preencher uma ficha, o Morro do Pico preencheria, no campo ‘endereço’: Praia da Conceição.

Numa ilha em que todas as praias são lindas, Conceição se distingue pelo serviço. Foi a primeira praia de Noronha a ter um bar descolado: o Duda Rei, que está por ali há 20 anos. A banheira (com chuveiro) que é símbolo do bar é quase tão fotografada quando o Morro do Pico.

O mar é tranqüilo no meio do ano, quando dá também para fazer SUP. Na temporada de swell, as ondas atraem os surfistas. Mas em qualquer temporada, Conceião é a praia para pegar sol e relaxar no fim de tarde.

Tanto o Duda Rei quanto barracas avulsas no canto esquerdo alugam guarda-sóis e cadeirinhas. (Tanto bebidas como cadeiras são menos caras nas barracas avulsas da direita.) No canto esquerdo da praia, a Casa de Doca também funciona como bar (e sempre tem um reggae tocando).

Informações práticas

Praia do Boldró

Noronha o que fazer: praia do Boldró

É a Praia da Conceição espelhada: o Pico está plantado no canto direito. Tem uma atração a mais: uma piscina natural rente à areia, que aparece na maré baixa.

É uma praia supersossegada: tem muito menos gente do que na Conceição ou na Cacimba. Na entrada da praia, o Gérson vende bebidas geladas.

Informações práticas

Praia do Americano

Noronha o que fazer: Praia do Americano

Das praias do Mar de Dentro, é a menos freqüentada. Já foi tida como a ‘praia de nudismo’ de Noronha — num tempo em que ilha era pouco visitada. Mas continua o lugar ideal para quem quer uma praia efetivamente deserta.

Informações práticas

Praia do Bode

Noronha o que fazer: Praia do Bode

Fica entre a praia do Americano — as duas compartilhem a mesma trilha de acesso — e a Cacimba do Padre, com a qual se une na maré baixa. Escale a Pedra do Bode para tirar fotos bacanas (dos Dois Irmãos na Cacimba do Padre).

O mar é calmo no meio do ano e irado na época do swell.

Informações práticas

Praia da Cacimba do Padre

Noronha o que fazer: Praia da Cacimba do Padre

A Cacimba do Padre é uma das praias mais especiais de Noronha. Primeiro, por causa da luxuosa figuração dos Dois Irmãos, as duas pedras gêmeas que emergem do mar, no canto esquerdo. Depois, porque serve de porta de entrada para a Baía dos Porcos. E finalmente, porque é a sede das etapas de campeonatos de surf que acontecem em Noronha.

Aproveite a praia na maré alta e atravesse para a Baía dos Porcos na maré baixa, para fazer snorkel.

É uma ótima opção para almoçar pé na areia: há barracas-restaurantes junto à área do estacionamento. A mais elogiada é a Barraca das Gêmeas.

Informações práticas

Noronha o que fazer: Baía dos Porcos

Na seqüência de praias do Mar de Dentro, a partir do Porto, a Baía dos Porcos é a primeira localizada na área do parque nacional marinho.

A vista do alto, com os Dois Irmãos ao fundo, é talvez o cartão-postal mais reconhecível de Noronha. A diminuta faixa de areia e a formidável transparência da água mostram que a Baía dos Porcos não é uma praia de estender a canga e tomar sol: é para fazer snorkel — idealmente, na maré baixa. Na época do swell (novembro a fevereiro), porém, fica com o mar mexido.

O acesso não é fácil: é preciso usar uma trilha que sai do canto esquerdo da Cacimba do Padre (e que só é 100% segura na maré baixa). Não é possível continuar para Praia do Sancho: a trilha que existia está interditada, por problemas de segurança.

Para ter aquela visão clássica do alto, você precisa ir ao Mirante Dois Irmãos, que está dentro da área do PIC Sancho e não dá acesso à Baía dos Porcos. Veja como chegar ao mirante no tópico da Praia do Sancho.

Informações práticas

Baía do Sancho

Noronha o que fazer: Praia do Sancho

Se for verdade que toda unanimidade é burra, então também deve ser que toda regra tem sua exceção. A despeito da unanimidade, a Praia do Sancho é a mais fotogênica do Brasil, sim.

Veja só: a enseada, toda perfeitinha, está ao abrigo de falésias onde parece que plantaram um jardim vertical. O mar é um catálogo Pantone em degradê, cobrindo os mais bonitos matizes de verde e azul. Vista ao rés da areia (ou do meio do mar) a praia já é um deslumbre. Do alto, então, é covardia.

Noronha o que fazer: PIC Sancho

Na sua primeira manhã em Noronha, corra para tomar esse choque de beleza. Dirija-se ao PIC Sancho, use seu cartão-ingresso do parque (comprado no dia da chegada) para passar pela roleta, caminhe 350 metros pela passarela de madeira ecológica (feita de PET reciclado) e… tcharam!: você chegou ao Mirante do Sancho. Aquela vista que você desconfiava ser photoshopada estará ali, debaixo do seu nariz, talvez até mais bonita do que nas fotos.

Noronha o que fazer: Mirante Dois Irmãos

Guarde alguns megapixels para a continuação da trilha. 200 metros adiante, sempre para a direita, você chega ao Mirante Dois Irmãos, que revela o ângulo mais bonito da Baía dos Porcos.

Mirantes: a trilha completa

Noronha o que fazer: trilha Golfinho-Sancho

Se quiser fazer o tour completo da borda da falésia, comece a caminhada pela trilha da Baía dos Golfinhos, de 1.100 metros. Do Mirante dos Golfinhos você segue pela beirada (numa trilha de chão, sem passarela), em direção ao Mirante do Sancho. No meio do caminho, vai poder tirar a rara foto dos Dois Irmãos e do Morro do Pico no mesmo quadro.
[/box]

Há quem se contente com a vista e vá embora (que o ilhatour não pode parar). Vai por mim: faz isso não. Para ter a experiência completa, você vai precisar descer até a praia. “Ah, mas eu vou voltar quando fizer o passeio de barco“. Sim, vai. Mas não vai ser a mesma coisa. Descer ao Sancho, caminhar pela areia, fazer snorkel em pontos distantes de onde os barcos param — enfim, apreciar e curtir a praia como um banhista, não como um passageiro de barco, faz toda a diferença.

Praia do Sancho: escadaria de acesso

A descida é feita por uma escadinha instalada numa fenda da rocha. Agüente a claustrofia por três minutos, e o paraíso virá como recompensa (quer dizer, ainda tem algumas dezenas de degraus escavados na falésia até alcançar a areia). Desde dezembro de 2018, o tráfego na fenda está organizado: a cada hora, funciona apenas num sentido (descida ou subida). Antes de descer, veja no painel em quais horários você vai poder subir.

Noronha o que fazer: Praia do Sancho

Leve água e víveres (se não trouxe da pousada, compre na lanchonete do PIC) para passar uma manhã por aqui. (Haverá sombra na falésia.) Caso você siga a minha sugestão de vir na sua primeira manhã na ilha, sugiro também o complemento: saia do Sancho para o Centro de Visitantes do Boldró, onde às 15h30 começa a distribuição de senhas para agendar a trilha do Atalaia e outras atividades controladas dentro do parque nacional.

Informações práticas

Praia do Leão

Noronha o que fazer: Praia do Leão

É a mais monumental das praias do Mar de Fora, e santuário de desova de tartarugas marinhas. Aqui o comportamento do mar é o oposto do Mar de Dentro. Na época de mar calmo nas praias do poente, a Praia do Leão fica brava. Na época do swell, fica mais mansa. Ainda assim, é preciso ter cuidado com as correntes marítimas.

Desde dezembro de 2018, o acesso está controlado por um PIC 100% sustentável (a energia é solar, a água da chuva é reaproveitada, o banheiro é seco).

Informações práticas

Praia do Sueste

Noronha o que fazer: Praia do Sueste

A Praia do Sueste é habitat de tartarugas marinhas, graças à existência do único mangue em ilhas do Atlântico Sul. O acesso ao mar é controlado: a praia é dividida em três zonas, delimitadas por bóias.

O canto esquerdo é reservado a pesquisadores. O meio da praia tem acesso liberado para banhistas. No canto direito só se pode entrar para mergulhar — e sempre vestindo colete de flutuação (dá para alugar no local, a R$ 10 avulso ou R$ 25 num kit com snorkel e nadadeira).

O Sueste oferece duas atividades sensacionais: o mergulho guiado para nadar com tartarugas, o ano inteiro, e a captura intencional de tartaruga, durante uma parte do ano.

Informações práticas

Praia da Atalaia

Noronha o que fazer: Praia da Atalaia

É a proibidona de Noronha. Apenas 96 felizardos por dia são autorizados a entrar na Praia do Atalaia e mergulhar, por 30 minutos, no aquário natural represado pela maré baixa. Aqui você observa, com snorkel, corais tão ricos quanto os encontrados em mergulho de cilindro, além de muitas espécies, incluindo polvos, moréias e tubarões.

Os visitantes são divididos em 6 grupos com hora marcada para entrar n’água, com colete de flutuação. Todos precisam estar na praia 20 minutos antes do horário. Vá com uma camiseta com proteção UV, porque não é permitido usar filtro solar durante a flutuação. Tampouco é permitido usar nadadeiras, nem pisar no chão do aquário ou tocar nos corais e criaturas marinhas.

Veja como fazer o agendamento no tópico Trilhas.

Informações práticas

Passeios e atividades

Ilhatour

Noronha o que fazer ilhatour

Uma tradição de Fernando de Noronha desde que a ilha era visitada em pacotes de apenas 2 dias (combinados com mais 5 dias no continente), o Ilhatour sacia a curiosidade dos visitantes apresentando praticamente a ilha toda num dia só.

Entre 8h30 e 18h30, você é levado de 4×4 ou bugue à maioria das praias, com paradas rápidas para banho e mergulho. Há também uma parada para almoço (pago à parte). O desfecho é sempre no Forte do Boldró, para ver o pôr do sol. Você é buscado e levado de volta à pousada.

Os guias têm um repertório testado e aprovado de curiosidades, dicas e lendas urbanas de Noronha, o que torna o passeio informativo e divertido.

Mesmo reconhecendo que este é um passeio com alto índice de satisfação, eu sustento a minha opinião: acho dispensável. Se você quer saber por quê, eu explico aqui.

Nossa parceira Easy Travel Shop vende antecipadamente o passeio, em versão compartilhada ou privativa em até 10x sem juros:

Informações práticas

Vale a pena fazer o ilhatour?

Ao contrário do que vão responder 120% das pessoas a quem você fizer essa pergunta, eu acho que não vale a pena, não. Na minha opinião, a volta pela ilha em 4×4 ou bugue só é um bom negócio para vai passar pouco tempo na ilha (tipo duas noites).

Para o resto da turma, acredito que sejam R$ 250 esbanjados à toa. Todo mundo reclama das taxas e dos preços de Noronha, mas — gozado! — ninguém acha caro investir R$ 250 por cabeça num passeio que serve só para ver a quais praias você vai querer voltar com calma para aproveitar de verdade… Ju Medeiros, o compositor oficial da ilha, chama esse passeio de corre-tour.

“Ah, mas o ilhatour serve também para localizar as praias, assim eu não me perco nos outros dias”. Vai por mim: se perder em Noronha é a coisa mais difícil do mundo. Só existe uma estrada asfaltada, que permite cruzar a ilha de norte a sul em 15 minutos. As estradinhas de terra para as praias saem todas dela. Tudo é bem sinalizado. Se você olhar um mapa antes de sair, garanto que acha qualquer praia na primeira tentativa.

E tem a questão da luz. As praias de Noronha precisam de sol para revelar a transparência do mar. Uma nuvem que encasquete de ficar meia hora estacionada sobre uma praia, e pronto: a sua escala do ilhatour não terá servido nem pra tirar foto boa…

Se você ficar quatro ou cinco dias inteiros na ilha (eu não ficaria menos do que isso; acho que numa primeira viagem o ideal é uma semana), vai conseguir curtir as principais praias no momento mais propício — e ainda arranjar tempo para fazer passeio de barco e batismo de mergulho.

Passeio de barco

Noronha o que fazer: passeio de barco

Faz parte do pacote de passeios do visitante de primeira viagem. Os barcos saem do Porto, passam pelas ilhas secundárias e percorrem todo o Mar de Dentro até a Ponta da Sapata. Há uma parada de 40 minutos para mergulho na Praia do Sancho — quem não sabe nadar pode usar os espaguetes de espuma. No caminho é possível encontrar golfinhos. Alguns passeios também oferecem mergulho com plana sub (pago à parte).

Informações práticas

Snorkel

Fernando de Noronha o que fazer: mergulho

Há muitos pontos fáceis para fazer snorkel na ilha.

O mais à mão é a Praia do Porto — onde há inclusive um naufrágio. A Baía dos Porcos é a meca do snorkel na maré baixa. E o Sancho nunca decepciona — vasculhe perto das pedras, e você sempre verá peixinhos.

Alguns pontos de snorkel só têm acesso por trilha, com agendamento obrigatório no ICMBio. O aquário natural da praia da Atalaia é o mais procurado. Mas você pode agendar também as piscinas naturais dos Abreus e do Morro de São José — veja os detalhes no tópico trilhas.

Se pretende fazer snorkel mais do que um ou dois dias, vale a pena comprar equipamento e trazer. Mas é bastante fácil alugar o equipamento na ilha, tanto no centro quanto no porto. A máscara com snorkel custa entre R$ 10 e R$ 20 por dia, dependendo do modelo. O par de nadadeiras sai R$ 10 por dia.

Mergulho

Noronha

Fernando de Noronha é praticamente sinônimo de mergulho. Os mergulhadores foram os primeiros viajantes a desbravar a ilha, quando o turismo convencional ainda nem existia.

Há pontos de mergulho dentro e fora do parque nacional. As operadoras escolhem os locais de acordo com as correntes marítimas e o swell.

Os mergulhos mais em conta são realizados na praia do Porto, aproveitando um naufrágio. Esses mergulhos saem mais barato porque dispensam o deslocamento em barco.

Se você nunca mergulhou, Noronha é o lugar ideal para fazer o seu batismo ou mesmo um curso com certificação ao final. Veja todas as possibilidades clicando nos sites das operadoras, na caixa de serviço.

É possível mergulhar em Noronha o ano inteiro. Os melhores meses são agosto e setembro, com mais luz e visibilidade. Na época do swell (outubro a março) os mergulhos no Porto podem ser eventualmente cancelados (e os barcos podem enfrentar mar encrespado no caminho dos pontos de mergulho).

Informações práticas

PlanaSub

O PlanaSub é uma invenção noronhense: uma prancha aerodinâmica que permite mergulho de apnéia (sem cilindro) rebocado por uma lancha a baixa velocidade. É um ‘vôo submarino’.

As lanchas rebocam até 5 passageiros ao mesmo tempo. Se você quiser, pode ficar apenas flutuando na superfície, olhando para baixo e respirando pelo snorkel. Querendo mergulhar, é só apontar a prancha para baixo (e depois para o alto, para voltar rapidamente à superfície).

É um mergulho simplificado e mais em conta, que pode ser feito por mergulhadores experientes ou meros praticantes de snorkel.

Nossa parceira Easy Travel Shop vende antecipadamente o PlanaSub em versão compartilhada ou privativa em até 10x sem juros:

Informações práticas

Captura intencional de tartaruga

Noronha o que fazer: captura de tartaruga

Toda 2ª e 5ª feira, visitantes podem acompanhar o trabalho de monitoramento das tartarugas marinhas realizado pelo Projeto Tamar.

Nessas ocasiões, um biólogo do projeto faz o que se chama tecnicamente ‘captura intencional’ de uma tartaruga, que é submetida a uma biometria na areia e, depois, devolvida ao mar.

É como fazer uma rápida visita a uma estação do Projeto Tamar — só que a tartarugona que você vai ver não está em cativeiro.

Dependendo da época do ano, a captura pode ser feita nas praias do Sueste, do Boldró ou do Porto.

Informações práticas

Mergulho com tartarugas

A Praia do Sueste oferece a oportunidade de nadar junto a tartarugas marinhas. Elas vêm se alimentar no mangue e são dóceis.

Portando um colete de flutuação, você pode entrar (sem nunca tocar os pés no chão) no canto direito da praia. É quase garantido que você encontará alguma tartaruga.

Vale a pena contratar um dos guias-mergulhadores que estão de plantão no PIC Sancho. Eles têm técnica e faro para encontrar as tartarugonas.

Informações práticas

Mirante dos Golfinhos

Noronha o que fazer: Mirante dos Golfinhos

Todos os dias, ao amanhecer, uma equipe de biólogos do Projeto Golfinho Rotador está a postos, no Mirante dos Golfinhos, para fazer recenseamento de golfinhos na baía. Tradicionalmente eles vêm brincar e namorar na Baía dos Golfinhos, abaixo da falésia, durante a manhã. Há sempre binóculos à disposição dos visitantes, e os biólogos costumam fazer comentários sobre o comportamento dos golfinhos.

Só tem um problema: em 2018 diminuiu bastante a freqüência de golfinhos à baía. Há quem atribua esse fato ao aumento dos passeios de barco. Os golfinhos agora parecem preferir se reunir em ilhotas próximas ao porto, fora da rota dos passeios.

Caso você tenha disposição, o PIC Sancho admite visitantes para essa atividade a partir das 6h30.

Informações práticas

Canoa havaiana

Pense na canoa havaiana como um super-caiaque — que, além de muito mais estiloso, leva você mais longe. As canoas levam de uma a quatro pessoas, sempre com um capitão-guia a bordo, para ajudar a remada e coordenar os movimentos. O roteiro normalmente vai do Porto até a Praia da Conceição, com paradas para fotos e mergulhos (e ocasionalmente a vista de golfinhos).

Informações práticas

Trilhas com agendamento

Noronha o que fazer: trilha da Atalaia

Se você quer fazer trilhas dentro da área do parque nacional, vai precisar garantir seu lugar, porque o número de visitantes por dia é controlado. Ao fim deste tópico você verá como fazer o agendamento.

São 5 trilhas:

Trilha Praia da Atalaia

Trilha de 45 minutos, a partir da Vila do Trinta, que leva a um aquário natural, represado na maré baixa. 96 visitantes por dia, divididos em 6 grupos de 16 participantes. Leia mais.

Trilha ‘Atalaia contemplação’

Para quem está interessado em fazer a trilha da Atalaia, sem entrar no aquário. Funciona apenas na maré alta, quando a praia está interditada.

Trilha Morro São José

Uma ilha secundária com excelente área para snorkel. Só tem acesso na maré baixa, a partir do mirante Air France, no norte da ilha. Nos dias de lua cheia ou nova, quando a maré seca bastante, dá para usar uma trilha de pedras, sem necessidade de contratar guia. Mas nas luas minguante ou crescente, quando a maré não seca o suficiente, a travessia precisa ser feito a nado — e então é obrigatório ir com guia. Em qualquer uma das situações, são 16 vagas por dia.

Trilha Abreus

A piscina natural da Enseada dos Abreus é uma alternativa à da praia da Atalaia. O acesso é mais difícil, numa trilha que acompanha o desnível de uma pedra, com um corrimão de corda. Só é permitida a flutuação com colete (e sem protetor solar), durante a maré baixa. 40 vagas por dia. Dá para ir sem guia.

Trilha Pontinha-Caieiras

Sai da Vila do Trinta e leva a outras duas piscinas naturais no nordeste da ilha: Pontinha e Caieiras. Nas duas só é possível flutuar com coletes, e sem protetor solar, durante a maré baixa. 40 vagas por dia. É obrigatório contratar um guia.

Tem uma variante, Atalaia-Pontinha-Caieiras, que inclui Atalaia. A saída também é da Vila do Trinta.

Trilha Capim-Açu

É uma trilha de duas horas que começa no PIC Sancho e termina na Praia do Leão, passando por uma estrada histórica e contornando toda a ponta sul da ilha, totalmente preservada. Visita a caverna Capim-Açu. 40 vagas por dia. É obrigatório contratar um guia.

Como fazer o agendamento

Noronha o que fazer: agendamento de trilhas

Desde dezembro de 2018, o agendamento das trilhas em Noronhas é feito em totens de auto-atendimento que funcionam das 17h às 20h. O agendamento precisa ser feito pessoalmente.

A primeira tela mostra todos os passeios existentes. Você escolhe e verifica a disponibilidade. Para reservar, usa a leitora óptica no código de barras do seu ingresso do parque.

Podem ser agendados passeios com até 6 dias de antecedência. A trilha da Atalaia é a que esgota mais rápido. Para garantir seu lugar, chegue cedo.

A distribuição de senhas começa às 15h30. É possível entrar na fila antes do início da distribuição de senhas.

Entre a distribuição de senhas e o início do agendamento, há projeção de vídeos de natureza no auditório e uma palestra sobre os atrativos do parque. Caso você consiga uma das primeiras senhas (chegue antes das 15h!), pode ficar livre a tempo de assistir ao pôr do sol no Forte do Boldró — vá de ônibus (sentido Sueste) ou táxi (R$ 30).

Forte do Boldró

Fernando de Noronha o que fazer: pôr do sol no Forte do Boldró

As ruínas do Forte de São Pedro do Boldró servem de camarote para a melhor vista do pôr do sol em Noronha. Daqui você assiste ao sol baixar no mar, atrás dos Dois Irmãos.

O lugar é o ponto final dos roteiros de Ilhatour, o que é garantia de lotação todas as tardes.

Há um bar com mesas, mas também dá para sentar na pedra. A trilha é copiada de João Pessoa: o Bolero de Ravel.

Palestras do Projeto Tamar

Noronha o que fazer: Palestras do Tamar

Realizadas todas as noites às 20h, no auditório do Centro de Visitantes do ICMBio na Vila do Boldró, as palestras do Projeto Tamar são puro extrato da Noronha das antigas.

Tudo na ilha pode mudar, menos a tradição de iniciar a noite assistindo a algo que funciona como um programa do Discovery Channel ao vivo. Os biólogos são divertidos e conduzem os seus 90 minutos com destreza de professor de cursinho. Não dá pra não gostar.

A cada noite há um assunto diferente (que pode não se repetir na semana seguinte): tubarões, tartarugas, plásticos nos oceanos, golfinhos-rotadores, a geologia do arquipélago, esponjas marinhas, a vida em Noronha… Quando está na ilha, Ju Medeiros, o cantor-compositor oficial de Noronha, também ocupa uma das noites com seu show.

Informações práticas

Noite em Fernando de Noronha

O que fazer Noronha: noite

A night de Noronha fica na parte mais histórica da Vila dos Remédios, entre o Palácio, a Igreja e a Praia do Cachorro. É fácil chegar a pé. Depois da noitada, porém, é possível que você queira chamar um táxi para subir a ladeira e voltar à sua pousada.

O Bar do Cachorro tem sempre alguma programação musical à noite, de segunda a sábado. Normalmente começa com MPB e, em noites definidas, segue com forró. Quando for à Praia do Cachorro, dê uma entradinha: sempre tem um quadro com a programação da semana.

A pizzaria Muzenza, ao lado da igreja, costuma ter uma noite de reggae na 5ª e samba no domingo.

O Pico é, no mínimo, o esquenta mais gostoso da vila. Também tem noites de festa e show.

104 comentários

O aluguel de buggy está custando em outubro 350 reais por dia e o de moto 170 reais. Corridas de Taxi são pre-fixadas e custam de 26 reais a 48 reais. Vale a pena alugar algum veículo pra ter mais autonomia e não ficar dependendo de disponibilidade e comunicação pra chamar o Taxi. Os ônibus demoram cerca de 1 hora para passar no ponto.
Há um mês a rede de telefonia e internet está péssima na Ilha . Não conseguimos ligar nem fazer PIX e usar cartão para pagar os serviços. Tem que levar dinheiro em espécie. E muito.
O preço de um prato de comida custa no mínimo 100 reais por pessoa em qualquer restaurante, com exceção dos dois da praça Flamboyant. Para ver o por do sol no Bar do Meio cobram de 500 a 1000 reais de consumação por mesa, dependendo do lugar da mesa.
Aluguel de barraca com cadeiras de praia começa em 50 reais. Recomendo levar salgadinhos na bolsa como amendoim e castanhas. Pra quem bebe muito, levar para as praias bolsa térmica e abastecer com gelo e bebidas nos mercadinhos da Vila. Uma long neck na praia custa 18 reais e um água de coco 20 reais.

A Trilha Capim Acu é feita em média em 6 horas e não em 2 horas e exige preparo pois tem trecho em cima de pedras. É a trilha mais longa da Ilha.

Boa tarde, estou com viagem marcada para proximo dia 03.04, ficarei apenas 3 dias, mas com toda essa questao da pandemia, gostaria de saber quais sao as restricoes e quais passeios estao sendo realizados. Com relação ao exame, o RT-PCR, precisa ser feito com 5 a 6 dias de antecendencia para ter o resultado aproximadamente no dia da viagem? Grato

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.