Fernando de Noronha

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Fernando de Noronha: onde comer

A Vila dos Remédios é o pólo gastronômico da ilha: onde você encontra buffet a quilo no almoço, restaurantes que dispensam reserva no jantar, e ainda lanchonetes e comidinhas.

Caso você queira almoçar ou jantar no restaurante de pousada top, porém, vai precisar reservar. Festivais gastronômicos e restaurantes de mesa única também requerem reserva (em alguns casos, é bom reservar antes mesmo de chegar à ilha).

Se preferir, clique para ir direto ao tópico:

Comer em Noronha: o que esperar

Noronha onde comer: intro

Sair para jantar em Noronha é menos prazeroso do que deveria. Porque o jantar é aquele momento em que, depois de um dia sem pensar no assunto, você é lembrado do Custo Noronha. A pousada, bem ou mal, já está paga, foi pra conta. As taxas também. Os passeios -- bem, os passeios são caros, mas revelam um lugar lindo.

Toda noite, porém, a coluna da direita no cardápio azeda o jantar, antes mesmo dos pratos chegarem. E daí muita gente se decepciona com a comida. Não por ser malfeita -- mas por não ser do outro mundo, como alguns preços podem sugerir.

Calma. Lembre-se de que o litro da gasolina custa R$ 7 -- o que dá a medida do custo de vida na ilha. Qualquer coisa que não seja pescada vem do continente, a 500 quilômetros, de navio ou avião. (E peixe fresco é caro em qualquer lugar do mundo.) Deixe a sua noção de custo x benefício gastronômico em casa, ou você será condenado à infelicidade alimentar.

Para evitar frustrações, é bom modular as expectativas. Vamos lá.

Não espere pratos para dividir

Não é como em outras praias do Nordeste. Em Noronha os pratos são individuais. Digo: existem alguns pratos para dividir -- mas custam o dobro de um prato individual.

Não é (muito) mais caro que São Paulo

Os preços de restaurantes em Noronha regulam com os de restaurantes paulistanos freqüentados pela classe média alta. (O problema é que mesmo os paulistanos de classe média alta não saem sete noites por semana para comer nesses restaurantes.)

Agora: pratos de filé, festivais gastronômicos e restaurantes de mesa única realmente extrapolam a conta média até de quem está acostumado aos preços de comer fora em São Paulo.

Aproveite para explorar a cozinha neo-nordestina

Não peça pratos que você esteja acostumado a comer onde mora.

Escolha o que se faz melhor em Noronha: pratos que incorporam ingredientes regionais nordestinos -- de cuscuz a rapadura -- em receitas autorais. Todo restaurante mais bacaninha tem pratos assim.

Se for pedir peixe ou frutos do mar, pergunte sempre o que há de mais fresco. É o que vale mais o investimento.

Restaurantes fora de pousadas

Mergulhão

Noronha onde comer Mergulhão

A localização já seria motivo suficiente para ir ao Mergulhão: está instalado num mirante natural para o porto, com o Morro do Pico no canto esquerdo do quadro. O ambiente também ajuda: o lugar é mezzo restaurante, mezzo lounge ao ar livre, com tendas no jardim, tudo muito charmoso. E se não bastasse tudo isso... a comida é boa: cauda de lagosta na manteiga de garrafa, tartare de carne de sol com pimenta biquinho, peixe ao curry com camarão e arroz de castanha de caju. Se quiser ir para o pôr do sol, reserve com alguns dias de antecedência. P.S.: tudo bem chegar molhado da praia. (Porto de Santo Antônio, tel. 81 99601-0203. Abre direto entre almoço e jantar. Fecha domingo. Facebook - Instagram)

Cacimba Bistrô

Noronha onde comer: Cacimba Bistrô

Há 10 anos na ilha -- onde começou no restaurante Varanda --, o chef Auricélio Romão é um dos indutores do estilo que hoje predomina na gastronomia noronhense. Seu Cacimba Bistrô, pertinho do palácio na Vila dos Remédios, está sempre cheio. Ou você reserva para a primeira hora do jantar, ou vai acabar na fila de espera -- que é amenizada por boas caipiroskas e petiscos como pasteizinhos de lagosta e bolinhos de carne de sol com jerimum. Entre os pratos, arroz de polvo; peixe na manteiga de castanha de caju; mignon com farofa de banana, gengibre e curry; e um superexótico camarão com quiabo acompanhado por arroz de jaca. (Praça Pres. Eurico Dutra, tel. 81 3619-1200. Abre diariamente. Não fecha entre almoço e jantar. Site - Instagram)

Tricolor

Noronha onde comer: Tricolor

Procurando uma refeição praiana como se estivesse na Bahia? Dirija-se à BR, nas imediações da vila do Boldró. Ali fica o restaurante mais tradicional -- em todos os sentidos -- de Noronha: o Tricolor. Aqui a moqueca é baiana, o peixe é fresco, o arroz de polvo é nota 11 -- graças à mão de dona Edna, cozinheira das grandes. Acompanhe com cerveja Wäls e, se precisar, aproveite o redário do quintal. Posso sugerir um programa duplo? Faça um almoço tardio no Tricolor, lá pelas 5 da tarde, dê um cochilo na rede e depois emende com a palestra do Tamar, que está a uma quadra dali. (BR 363, à altura da vila do Boldró, tel. 81 3619-1286. Abre de 5ª a 3ª das 12h às 21h. Fecha 4ª. Facebook - Instagram)

Pizzaria Na Moita

Noronha onde comer: Pizzaria Na Moita

Pizza? Em Noronha? Sim. Apesar de ser feita em forno a gás (por motivos ecológicos), a pizza da Na Moita tem massa gostosa, com borda grossa e miolo macio -- uma raridade no mundo de pizzas-biscoito do Nordeste. O cenário é singular: uma clareira no meio do mato, com mesas ao ar livre iluminadas por velas (e poucos lugares para se abrigar da chuva). Agora, as pegadinhas. Chegue cedo, porque quando acaba a massa feita para a noite, acaba o serviço. E leve dinheiro (ou reze para o celular conectar e você conseguir fazer uma transferência bancária), pois a casa não aceita cartão. (BR 363, entre a Floresta Nova e a Vila do Trinta, tel. 81 99998-8555. Abre de 6ª a 4ª das 19h às 23h. Fecha 5ª. Facebook - Instagram)

Xica da Silva

Noronha onde comer: Xica da Silva

Na esquina da BR com a Floresta Nova, em frente à entrada da Vila dos Remédios, o Xica da Silva é provavelmente o restaurante mais bem localizado de Noronha: é fácil de encontrar e chegar. O cardápio aposta em clássicos, tanto nordestinos quanto internacionais. Entre os hits, baião-de-dois com carne de sol, camarão na moranga, camarão empanado no coco e linguine ao pesto. (Al. das Acácias, 11, Floresta Nova, tel. 81 3619-0437 - Facebook - Instagram)

Varanda

O Varanda fica numa ruazinha difícil de achar na Vila do Trinta. Mas se você conseguir uma mesa na tal varanda (reserve!), vai almoçar ou jantar com vista para o verde. O cardápio é forte em frutos do mar. Tem bobó de lagosta, risoto de camarão crocante, camarão com quiabo. Para carnívoros irredutíveis, filé à parmigiana com spaghetti ao sugo. (Major Costa, 130, Vila do Trinta, tel. 81 3619-1546. Abre diariamente das 12h às 23h. Facebook - Instagram)

Casa Salviano

Noronha onde comer: restaurante Casa de Salviano

Este restaurante na Colina prepara sushi ao gosto do freguês. Quem curte sashimi e sushi tradicional pode fazer um pedido ortodoxo, que será atendido. Quem quiser cream cheese, maçarico, sushi frito ou molho tarê também vai ficar satisfeito. Seja lá o seu estilo, pergunte por peixe fresco e pescado localmente, para ir na certa. A Casa Salviano também serve ceviche e pratos quentes, como yakisoba e tempurá de peixe. (Colina, tel. 81 3619-0457. Abre de 3ª a domingo das 17h às 23h -- 6ª e sábado até meia-noite. Fecha 2ª. Facebook - Instagram)

O Pico

Noronha onde comer: O Pico

Misto de boutique, loja de presentes, bar, café e restaurante, O Pico é, numa palavra, um point. No seu novo endereço, na descida do palácio para a Praia do Cachorro, ganhou duas atrações a mais: brisa e (pelo menos de dia) vista para o mar, ao longe. O cardápio tem comidinhas (bruschettas, ceviche), pratos consistentes (anchova com risoto de beterraba, carne de sol com purê de feijão fradinho) e doces (cheesecake de cumaru, savarin com cachaça). Não importa onde seja a festa da noite, o Pico sempre será um bom esquenta (ou uma alternativa mais tranqüilinha à muvuca). (Praça do Cruzeiro, ao lado da Atlantis Divers, Vila dos Remédios, tel. 81 3619-1377. Loja: diariamente das 10h às 22h. Restaurante: de 5ª a 3ª das 12h às 23h. Fecha 4ª. Facebook - Instagram)

Praça do Flamboyant

Noronha onde comer: Empório São Miguel

Empório São Miguel: quilo ao meio-dia

A grande praça (oficialmente, 'Bosque') da entrada da Vila dos Remédios é um pólo de restaurantes com preços menos altos que a média da ilha.

Ocupando um quiosque arejado no meio da praça, o tradicional Flamboyant há dois anos abandonou o esquema de buffet a quilo e passou a servir apenas pratos à la carte, inclusive no almoço. Curiosidade: tem moqueca em porção individual. (tel. 81 3619-1510. Abre diariamente das 11h30 às 17h e das 19h às 23h. Facebook - Instagram)

No iniciozinho da rua principal, o Empório São Miguel é o único restaurante da praça que mantém a tradição do almoço em buffet a quilo. À noite funciona à la carte e também como bar. (tel. 81 3619-1859. Abre de 2ª a sábado das 11h30 às 23h, domingo das 17h às 23h. Facebook)

Noronha onde comer: Ginga

Escondidinho do Ginga

Dos mesmos donos do Xica da Silva, o Ginga Bar tem saladas, sandubas, petiscos e pratos leves, como um ótimo escondidinho. Música ao vivo a partir das 21h. (Tel. 81 3619-0461. Abre diariamente das 12h à 1h. Facebook)

Bares/restaurantes em praias

Onde comer Noronha: Bar do Meio

Bar do Meio

Bar do Meio -- leia no tópico sobre a Praia do Meio.

Duda Rei -- leia no tópico sobre a Praia da Conceição.

Barraca das Gêmeas -- leia no tópico sobre a Praia da Cacimba do Padre.

Restaurantes em pousadas

Noronha onde comer: Tejuaçu

Sardinhas nativas na Teju Açu

Quase todas as pousadas da categoria luxo têm restaurantes próprios. Espere preços (ainda) mais salgados que a média, e ambientes tranqüilos -- isto é, em noites em que não aconteça um 'festival'.

A disponibilidade de mesas para não-hóspedes, porém, é limitada. Por isso é indispensável reservar -- mesmo para o almoço, quando os restaurantes costumam estar vazios.

A propósito: se você for almoçar, não vá direto da praia -- passe antes na sua pousada para se trocar. Não-hóspedes são sempre recebidos na parte social dos restaurantes; você não será acomodado na área da piscina.

Restaurante Zé Maria

Apesar de meia ilha só conhecer o restaurante Zé Maria das noites de festival, é nos outros momentos que a qualidade da cozinha se afirma por inteiro. No cardápio, lagosta com creme de macaxeira, arroz de alho e farofa de manga; peixe em crosta de farofa de cuscuz com jambu; linguine com carne de sol e rúcula. A disputada paella do festival, que desaparece em instantes depois de aparecer no buffet, pode ser degustada com sossego quando pedida do cardápio. No mesmo salão funciona o Hachi Sushi, o japa da pousada, servindo peixe fresco, muitas vezes pescado pelo próprio Zé Maria. (R. Nice Cordeiro, Floresta Velha, tel. 81 98829-9749. Abre diariamente das 12h às 23h30; nas noites de 4ª e sábado tem festival. Instagram)

Restaurante Teju Açu

Noronha onde comer: Teju Açu

Cercado por verde, naturalmente ventilado e com vista para o Morro do Pico (pelo menos até o anoitecer), o restaurante da Teju Açu oferece ao não-hóspede uma amostra do astral gostoso da pousada. Vale a pena seguir as recomendações de drinks -- a bartender Cíntia é muito talentosa. Comece com um ceviche ou um vinagrete de polvo e prossiga com camarão selvagem com risoto de funghi e abacaxi grelhado, polvo salteado com brócolis e arroz negro ou cordeiro com risoto e redução de tamarindo. Encerre com o petit-gâteau de goiaba ou a cocada de forno. (Estrada da Alamoa, tel. 81 3619-1571 - Site)

Restaurante da Pousada Maravilha

Onde comer Noronha: Pousada Maravilha

Ciosa da privacidade dos hóspedes, famosos ou não, a Maravilha é a que impõe mais limitações aos clientes visitantes. Sim, a vista é linda -- mas você só vai poder fotografar se não houver ninguém na piscina. Além disso, você precisa ir seco e vestido; o restaurante não aceita quem vem direto da praia. Tudo isso pode parecer antipático, mas pense no outro lado: se você estivesse pagando a diária de 4 dígitos em dólar da Maravilha, ficaria incomodado se a pousada vivesse invadida por curiosos. Caso você queira matar sua curiosidade pela pousada mais exclusiva da ilha, siga as regras, reserve e vá no almoço (à noite não tem graça). A entrada mais pedida é o trio maravilha (tartare de atum, ceviche e camarões empanados). Entre os pratos, destaque para o peixe com salada de feijão verde e farofinha de cuscuz, a lagosta com risoto de grana padano e o atum selado em crosta de gergelim com purê de banana da terra. (BR 363, Sueste, tel. 81 2626-1227. Site)

Restaurante do Vale

Em suas novas -- e amplas -- instalações, inauguradas em 2016, o Restaurante do Vale recebe não-hóspedes sem frescuras. A tradição da casa é o peixe sempre fresco. Você pode escolher entre preparações ortodoxas (filé de peixe grelhado, com arroz de castanha e pirão) ou criativas (atum da ilha em crosta de gergelim com molho tarê e purê de wasabi; filé de peixe grelhado ao molho de açaí com granola salgada e purê de banana). Tem também moquecas (incluindo uma vegana) e filés. As hortaliças e temperos são produzidos na horta -- você vai passar por ela se entrar pelo estacionamento. 5ª feira é a noite mais concorrida, por causa da Peixada do Sólon -- veja no tópico festivais. (R. Pescador Sérgio Lino, 18, tel. 81 3619-1293. Abre das 12h às 15h e das 18h às 21h. Facebook - Instagram )

Restaurante Triboju

Noronha onde comer: restaurante da pousada Triboju

É discreto e reservado como a própria pousada. O restaurante é voltado para a área da piscina, sem vista exterior -- ou seja, não há diferença de paisagem indo de dia ou à noite. Tem peixe na crosta de coco com purê misto de batata e macaxeira; moqueca de frutos do mar com farofa de pão; atum selado com risoto. Para os saudosos de carne, filé à parmigiana com spaghetti. De sobremesa, cartola. (R. Amaro Preto, 133, Floresta Velha, tel. 81 3619-1313. Site)

Restaurante Morena

Onde comer Noronha: restaurante Morena

Para ficar com inveja da vista dos hóspedes da Pousada Morena, venha almoçar aqui. (Mas se for pedir ceviche, pergunte antes se tem limão -- o meu veio sem, curtido só no azeite, e depois que pedi demorou quase 10 minutos para providenciarem.) Tem camarões salteados em vinho branco com mousseline de macaxeira; peixe no papillote com coco, banana e castanhas; picadinho com ovo mollet, arroz biro-biro e farofa de pão. Nas noites de 6ª, tem festival de ceviches. (R. Nice Cordeiro, Floresta Velha, tel. 81 3619-1142. Aberto das 12h às 22h. Site)

Mesas únicas

Quer jantar numa casa em Noronha? Reservando com antecedência, você consegue se encaixar num grupo que compartilha a mesma mesa (e o mesmo cardápio).

Palhoça da Colina

Se existe um prato típico de Fernando de Noronha, é o peixe (normalmente, barracuda) assado na palha de bananeira em fogo de chão. Até o início dos anos 2000, havia um restaurante especializado nisso na praça do Flamboyant, debaixo de uma gameleira. Desde 2004, Tinho e Jacqueline continuam essa tradição, recebendo grupos de 10 pessoas numa palhoça rústica, com mesa baixa, almofadões e luz de velas. Entre os acompanhametos, batata, banana e cebola na brasa; abacaxi assado; farofa de couve com banana; arroz (branco e integral), salada de rúcula -- e o bom papo do Tinho. Custa R$ 150 por pessoa, sem bebidas. (Colina, tel. 81 3619.1473. Site)

Mesa da Ana

Noronha onde comer: Mesa da Ana

A chef Ana Jabur e seu hilário marido Rock também recebem grupos de até 10 pessoas numa 'varanda de jantar' decorada com objetos vintage (entre eles, uma vitrola que ainda funciona). Ana é formada pela Cordon Bleu, já morou e trabalhou na França, e aplica em Noronha a filosofia da cozinha do mercado. Oferece o que há de mais fresco, em preparações autorais que podem lançar mão de temperos pouco usados na ilha, como o nam pla (molho de peixe thai). A refeição tem duas entradas, um prato principal e uma sobremesa, em porções do tamanho certo, acompanhadas por ótimo pão caseiro. A noitada começa um pouco antes das 20h30 com drinks e acaba duas horas depois; enquanto Ana se vira na cozinha, Rock destila histórias de Noronha para os comensais. Para garantir lugar, reserve antes mesmo de viajar; ao reserva, vão perguntar sobre suas restrições alimentares. Custa R$ 250 por pessoa, sem bebidas. (Vila do Trinta, tel. 81 99338-4925. Facebook)

Festivais

Alguns restaurantes de pousadas têm noites especiais com buffet. Desses, recomendo a Peixada do Sólon, na Pousada do Vale.

Peixada do Sólon

Noronha onde comer: Restaurante da Pousada do Vale

Toda noite de 5ª feira, o Restaurante do Vale assa quatro peixes enormes (desses que aparecem em foto de pescador) na palha de bananeira. Na mesma noite, você pode experimentar barracuda, cioba, pargo e dourado, desrinchados por um garçom a postos no buffet. Para acompanhar, uma boa mesa de saladas, pratos quentes e sobremesas, que são repostas à medida que acabam. Dá para se servir, repetir e tripetir sem atropelos. Um amigo recomendou (e eu esqueci de provar!) a bochecha da barracuda -- peça para o garçom-destrinchador. Custa R$ 180 por pessoa, sem bebidas. Hóspedes têm desconto. Reserve com alguns dias de antecedência. (R. Pescador Sérgio Lino, 18, tel. 81 3619-1293. Facebook - Instagram )

Festival Zé Maria

O Festival Gastronômco da Pousada Zé Maria é o acontecimento das noites de 4ª e sábado na ilha. A comida -- um buffet com dezenas de pratos, encabeçados por uma paella e incluindo sushi -- é só um detalhe. A noitada é comandada por Zé Maria em pessoa, que encarna o mestre de cerimônias e apresenta os pratos antes de liberar a mesa. Quase sempre tem algum famoso à mesa do Zé, e depois do jantar rola um karaokê. Vá pela zoeira e pela festa, não pela experiência gastronômica, que é prejudicada pelo grande número de pessoas se servindo ao mesmo tempo. Custa R$ 250 por pessoa, sem bebidas. É preciso reservar com antededência. (R. Nice Cordeiro, Floresta Velha, reservas para o festival: 81 3619 1819. Site)

Festival de Ceviche

Nas noites de 6ª feira, a Pousada Morena faz um buffet de ceviches que é bastante elogiado na ilha. Eu não estive numa 6ª para poder conferir. Minha experiência com ceviche na pousada (pedi no almoço, e veio só curtido no azeite, sem absolutamente nenhum limão, nem vestígio de leche de tigre) não me autoriza a recomendar. Mas repasso os elogios que ouvi -- de repente o meu caso foi um acidente fortuito. Custa R$ 195 por pessoa, sem bebidas. (R. Nice Cordeiro, Floresta Velha, tel. 81 3619-1142. Site)

10 comentários

Maria Bernadete Maia

Adoro te ouvir na Band News e adorei a dica do restaurante Mergulhão. Obrigada

Carin
CarinPermalinkResponder

Boa tarde.
Dicas maravilhosas!
Quanto tempo "antes da viagem", para reserva de restaurantes (Mesa da Ana e Festival Zé Maria)?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Carin! Algumas semanas para ter certeza de que vai conseguir lugar.

Anna Francisca

Atualizando: acabei de voltar de Noronha, hospedada na Pousada do Vale. A Peixada do Sólon não é mais grátis aos hóspedes que passaram a ter um desconto no buffet do jantar das quintas-feiras.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Obrigada, Anna! Já estamos atualizando.

Natalia ferraz

Boa noite. Infelizmente tive a experiência de ir na Peixada do Sólon e foi dinheiro jogado no lixo. A entrada foi muito fraca, eram bolinhos de peixe frito, os bolinhos estavam secos, duros...péssimos, mas o pior foi o jantar...os tão aguardados 4 peixes que vcs haviam dito foram reduzidos a dois, não deu para quem quis, meu esposo quis repetir o prato e não conseguiu, os peixes haviam acabado, eu não tive vontade nenhuma de repetir pois estavam com mta espinha e o sabor não era nada demais.
Totalmente engana turista. Me senti lesada, roubada...e até as sobremesas eram uma porcaria.
Sinceramente acho que vcs deveriam ter mais responsabilidade quando postam as dicas de restaurantes por aqui.

Ricardo Freire

Natália, lamento de verdade que vocês não tenham gostado e tenham achado que o gasto não valeu. De fato, nem todos os dias de operação de um estabelecimento -- qualquer estabelecimento -- são felizes. Fora que unanimidade não existe. Não é porque o restaurante é o 3º do ranking do TripAdvisor, com 5 estrelas dadas pelos clientes, que todo mundo precise concordar. Discordar não é apenas válido, como também útil -- e, por isso, este espaço está aberto a comentários. Mas daí a chamar minha opinião isenta de "irresponsabilidade", sinceramente, é uma ofensa que não posso aceitar. Irresponsabilidade é você dizer isso a meu respeito. Tenha cuidado com as palavras que escolhe na internet.

Kátia
KátiaPermalinkResponder

Estive em Noronha em setembro de 2019 e gostaria de compartilhar algumas dicas. Recomendo muito o prato da Boa Lembrança de 2019 do restaurante Varandas - camarões com purê de banana. Recomendo também o restaurante Cacimba. Ótima comida no geral (e excelente atendimento do garçom Henrique). No Xica da Silva, você encontra, de longe, a melhor porção de isca de peixe da ilha e com ótima relação custo-benefício. Imperdível! Destaque também para o excelente camarão na moranga (outro prato imperdível!). Atendimento sempre simpático! O Restaurante do Vale foi uma surpresa muito agradável. O caminho até lá é meio difícil (recomendo ir de táxi), mas vale a pena. Ambiente rústico chique, pouquíssima iluminação. Boas entradas e bons pratos principais, mas o destaque super especial vai para uma sobremesa que é um tipo de bolo com café e brigadeiro acompanhado de sorvete (melhor sobremesa que comi em Noronha!) e para a caipirinha de manga com cachaça envelhecida (vale a pena pedir a cachaça envelhecida!). Na parte de lanches, você encontra uma ótima tapioca e um gostoso açaí (a bons preços) na rua do ICM-Bio, mas do outro lado da calçada da sede do Projeto Tamar. Não me lembro do nome certo, mas fica um pouco mais adiante da casa em que há apresentações sobre energia na ilha. Sobre barracas de praia, a barraca do Duda Rei na Praia da Conceição tem uma excelente e generosa porção de camarões ao alho e óleo e um bom aipim frito. O peixe do Recanto da Graça (na Praia do Porto) também é bom. Você pode pedir as iscas. Ainda na Praia do Porto, vale a pena visitar o restaurante Mergulhão, que tem uma vista incrível. Sugiro chegar bem cedo ou reservar. As iscas de peixe já valem como almoço leve para duas pessoas e evitam um rombo no orçamento. Fui ao restaurante do Zé Maria em noite à la carte, mas a comida deixou a desejar. A comida a quilo no Empório São Miguel também não estava boa. Já o sorvete de lá é bom (destaque para o de iogurte com frutas vermelhas - ou algum nome parecido com esse). Por falar em sorvete, não deixe de provar o picolé "Paleta da Ilha", igual ou melhor do que qualquer paleta mexicana. Ele é feito pelo filho do Valdênio e, portanto, pode ser encontrado no restaurante do Valdênio (que fica na Vila dos Trinta, mas onde não consegui ir) ou no Bar do Tota, na Praia do Cachorro.

Miriam
MiriamPermalinkResponder

Adoro seu blog!
Estou em Fernando de Noronha.
Todos já comentaram sobre os melhores e mais caros restaurantes da ilha. Fui em alguns e gostei muito.
Em Noronha só existe o caro e o mais caro.
Para quem prefere comida simples com preço justo tem almoço por quilo no Empório São Miguel e no restaurante da Mãezinha, ambos perto da praça Flamboyant.
O cartão de crédito é aceito em quase todos os lugares. Apenas os passeios pagos com dinheiro tem descontos.

GIOVANNI NUNES DA SILVA

Quero deixar minha contribuição visto que o site me ajudou bastante.

1) Conforme a Kátia mencionou a Tapiocaria do Tutuca (Rua que da acesso a praia do Boldró, que é a mesma rua do projeto Tamar, porém um pouco mais a frente e do outro lado da rua) é uma excelente opção na ilha. Tem tapioca, açaí, sucos, misto quente, deliciosos e com bom preço. Outra coisa, quer uma hospedagem simples, porem limpa, com ar condicionado, frigo bar, localização perfeita e bom preço? Procure por Casa do Maneco. O quarto é pequeno e simples, mais o atendimento, localização e preço faz valer muito a pena. Não deixe de alugar o bug pelo menos 1 dia para rodar na ilha, é bem legal, aluguei na VIP locadora, uma rua acima do restaurante Chica da Silva se não me engano, não tive problemas.

Mais um detalhe, se seu voo sair de Recife e o tempo de espera for grande, tem um hotel Ibis bem pertinho do Aeroporto de Recife, pertinho mesmo, tem bons preços e um excelente café da manhã, vale a pena, ficar muito tempo em aeroporto, ninguém merece.

Mergulhadores: Quando dizem que Noronha tem a época boa para mergulhar, acreditem. Fui agora em novembro e não estava bom.

Então está aí, minha contribuição.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia de férias. Só voltaremos a responder perguntas que forem postadas a partir de 3 de junho. Relatos e opinões continuarão sendo publicados.
Cancelar