Guia de Jericoacoara

Guia de Jericoacoara

Jericoacoara

O vilarejo de pescadores que saiu na revista do Washington Post em 1987 (eu conto a história verdadeira aqui) tornou-se um vilarejo cosmopolita.

Quase quatro décadas mais tarde, não são apenas os ventos que atraem os wind e kitesurfistas: sair à noite é o outro esporte oficial de Jericoacoara.

O pôr do sol mais concorrido não é mais o da Duna, mas o do rooftop do Café Jeri. Não há mais jangadas no mar — mas o hotel Essenza tem uma na piscina, para os hóspedes tirarem selfie.

Nos anos 80, redes serviam de cama nas pousadas. Hoje, fazem o papel de espreguiçadeiras aquáticas nas lagoas de Jijoca, Barrinha e Tatajuba.

Jericoacoara o que fazer: lagoa da Barrinha

À noite, por sinal, o barulho que predomina não é o do mar – mas o da festa mais próxima de você.

E antes que você ache que todas essas mudanças têm a ver com a inauguração do aeroporto, saiba que não. O aeroporto é muito mais conseqüência do que causa dessa nova Jeri.

O importante para curtir a viagem é não ir em busca de uma Jericoacoara que não existe mais. Jeri é uma festa – você só precisa aceitar o convite.

A Bóia recomenda:

Deu no Washington Post: “Uma das 10 praias mais bonitas do mundo” (só que não)

Jericoacoara

Em 1987 Jericoacoara não passava de um vilarejo de pescadores isolado por dunas nos confins do oeste do Ceará.

Seu destino começou a mudar em março de 1987, quando o Washington Post resolveu fazer uma matéria para sua revista de domingo sobre praias exóticas e desconhecidas.

Um dos correspondentes do jornal tinha estado recentemente em Jericoacoara, e emplacou a praia na reportagem — que continha mais duas: Sanibel Island, na Flórida, e Mombasa, no Quênia.

Àquela altura, pouquíssimos brasileiros já tinham ouvir falar de Jeri. Numa época em que não havia internet, a revista Visão resolveu turbinar a notícia, anunciando que “o Washington Post elegeu Jericoacoara como uma das 10 mais bonitas praias do mundo”.

Só que não. Lendo a matéria original, você não vai encontrar nenhuma menção a ranking.

(Na capa da revista, porém, havia a chamada ‘As melhores praias do mundo estão chamando’).

Mas a história das “10 mais bonitas” pegou, e não há quem tire o título do curriculum vitae de Jericoacoara.

Se você quer entender todo o mal-entendido, leia esta matéria do ‘Guardian’ britânico, que inclui uma entrevista com o autor da reportagem original.

Receba a Newsletter do VNV

Serviço gratuito

267 comentários

Gostaria de saber se é possível conhecer Jericoacoara e os Lençóis Maranhenses em uma mesma viagem. Duração aproximada de 10 dias. Há algum transporte interligando as duas regiões ou é necessário ir a uma cidade maior?

Fui duas vezes no mes de maio(em 2016 e 2017) e foi perfeito, teve alguma chuvinha, que nao atrapalhou em nada. A vila não estava tão cheia, então aquela vibe de mais privacidade e tranquilidade permanece. Em 2019 fui no carnaval, Jeri mesmo foi horrível (muito lotada, muita chuva, ceu nublado, não teve um por do sol 😭), a sorte foi que fiquei hospedada a maior parte dos dias na Lagoa do Paraiso, o clima estava bem diferente: a chuva so passou por ali mto rapidamente, o ceu nao ficava nublado por muito tempo, fora a paz de ficar hospedada numa pousada que tinha a lagoa como quintal e a privacidade que isso proprocionou(essa parte da lagoa nao tem acesso facil a todos os turistas, como no caso do Alchemist). Mas sim, fiquei sabendo que uns dias antes de chegarmos choveu MUITO, inclusive as estradas estavam alagadas e teve enxorrada em Jeri. Sinceramente não recomendo essa época, dependendo de qnd vai e as expectativas/planos que tem(ver por do sol, fazer passeios) pode ser afetados pelo clima. Eu só me conformei pq já tinha ido outras duas vezes haha, e por isso continuo amando e recomendando Jeri, mas não nessa época de chuvas.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.