Pampulha: como chegar

Pampulha: como chegar e o que visitar no novo Patrimônio da Humanidade

Pampulha: como chegar

O conjunto arquitetônico modernista da Pampulha, em Belo Horizonte, acaba de ser classificado como Patrimônio da Humanidade pela Unesco — numa reunião que incluiu outros 20 sítios naturais e culturais na lista (entre eles, o conjunto de obras de Le Corbusier espalhadas por França, Bélgica, Suíça, Alemanha, Argentina, Índia e Japão).

Pampulha: como chegar

A Lagoa da Pampulha foi formada pelo represamento de um riacho. A obra foi terminada na gestão de Juscelino Kubitschek como prefeito. JK decidiu embelezar o novo cartão-postal de Belo Horizonte com edifícios modernistas projetados por um iniciante Oscar Niemeyer — inaugurando uma parceria que seria retomada em Brasília.

Desde o centro da cidade, são 13 km — uma distância que parece maior por causa do trânsito belo-horizontino.

O jeito mais confortável de visitar a Pampulha é de carro: as atrações são espalhadas no entorno da lagoa, que não é servida por nenhum ônibus que leve de um ponto importante a outro (pode isso, Belo Horizonte? Tem que botar um micro-ônibus ai!).


Novidade: ônibus circular na Pampulha!

  • Desde o sábado 24 de setembro a linha 512 sai da Estação Pampulha do MOVE (o BRT belo-horizontino) e percorre todos os atrativos culturais e naturais do entorno da Lagoa. Ainda estou em busca de detalhes de sintonia fina de uso da linha para atualizar aqui, mas o básico está explicado por enquanto neste post aqui (clique!)

De táxi, a corrida da Praça da Liberdade (que concentra a maioria dos museus da cidade) e a igrejinha de São Francisco sai R$ 38 (R$ 45 em bandeira 2) segundo o cálculo do site Tarifa de Táxi. O trajeto leva 30 minutos com trânsito moderado.

O visitante mão-fechada pode pegar um ônibus superconveniente, o 5106, que passa na Praça da Liberdade (o ponto é no número 153, na lateral do Palácio da Liberdade) e segue até a Pampulha pelo corredor do BRT MOVE, com paradas no Mineirão, na Igrejinha e a uma (longa) quadra da portaria 1 do Parque Ecológico. A passagem custa R$ 3,70 e o Google Maps estima a viagem da Praça da Liberdade à igrejinha em 1h10min.

A melhor pedida para quem chega de táxi ou ônibus é completar o circuito de bicicleta. No próximo tópico eu dou o serviço.


São Miguel das Missões
Missões, a missão

Pampulha: o que visitar

Uma pessoa que só tenha lido as manchetes pode achar que o novo patrimônio da humanidade mineiro é a igrejinha de São Francisco, o ícone principal da Pampulha. Mas não: o que entrou na lista da Unesco foi o conjunto de quatro prédios niemeyrianos: a igrejinha, o Cassino da Pampulha (atual Museu de Arte da Pampulha), o Iate Clube e a Casa do Baile. Dos quatro, só o Iate Clube não pode ser visitado.

Além dos atrativos sob os holofotes da Unesco, a Pampulha também tem outros lugares que ajudam a compor um dia (ou dois) de passeio: o estádio Mineirão, o Parque Ecológico e a Fundação Zoo-Botânica — onde estão o Zoológico, com seu Aquário e o Jardim Botânico.

Querendo fazer o circuito de bicicleta, aproveite os pontos do Bike BH (as bicicletas laranjinhas do Itaú) na esquina da rua Versília com a orla da lagoa, nas proximidades do portão 1 do Parque Ecológico ou no estacionamento do parque. Sábado e domingo também dá para alugar na filial da BikeMania do Mirante Bem-Te-Vi (Av. Otacílio Negrão de Lima, 5470; tel. 31/3443-1438 (sábado, domingo e feriado das 8h às 18h).

Igrejinha da Pampulha

Pampulha: como chegar

O nome oficial é Capela de São Francisco de Assis. Apesar de ateu, Oscar Niemeyer tinha mão boa para obras religiosas, não? Mas como outras obras do seu currículo, a igrejinha é bem mais interessante por fora do que por dentro.
Pampulha: como chegar

Não é permitido fotografar os interiores. E para tirar fotos externas bem melhores do que essas minhas, contorne a lagoa até a margem oposta…


Igrejinha da Pampulha

  • Av. Otacílio Negrão de Lima, 3000 | Tel. 31/3427-1644 | Visitas: 2ª a sábado das 8h às 17h; domingo das 11h às 14h | Ingresso: R$ 3 (estudantes e maiores de 60 anos: R$ 2)

Casa Kubitschek

Não faz parte do conjunto chancelado pela Unesco, mas está a uma distância caminhável da igrejinha (na direção do parque). O projeto é de Niemeyer, e os jardins, de Burle Marx. Foi construída como casa de campo do prefeito, e é toda decorada com mobiliário modernista brasileiro.


Casa Kubitschek

  • Av. Otacílio Negrão de Lima, 4188 | Tel. 31/3277-1586 | Visitas: 3ª a domingo das 9h às 18h | Ingresso: grátis

Casa do Baile

Pampulha: como chegar

O mais fotogênico dos prédios do conjunto — outra parceria Niemeyer-Burle Marx — funcionou como casa noturna (municipal!) entre 1943 e 1948; acabou fechando, devido à decadência da área depois do fechamento do cassino na margem oposta. Hoje sedia o Centro de Referência em Arquitetura e Urbanismo, faz exposições e rende ótimos posts no Instagram.

Pampulha: como chegar

Não se deixe enganar pelo mapa: a Casa do Baile parece estar perto da igrejinha, mas dá meia hora de caminhada. (O Iate Clube, porém, fica a pouca distância.)


Casa do Baile

  • Av. Otacílio Negrão de Lima, 751 | Tel. 31/3277-7443 | Visitas: 3ª a domingo das 9h às 18h (5ª até 21h) | Ingresso: grátis

Museu de Arte da Pampulha

Originalmente era o Cassino da Pampulha, mas teve vida curta como antro de jogatina — da inauguração em 1942 à proibição do jogo pelo presidente Dutra em 1946. Virou museu em 1956 e tem ênfase em arte brasileira moderna e contemporânea: você vai encontrar Guignard, Di Cavalcanti, Franz Krajcberg, Iberê Camargo e Tomie Ohtake no acervo permanente. Em fevereiro de 2016 foi anunciado que o museu fecharia em julho para reforma. O plano, porém, foi adiado, sem data.

É a atração mais longe de visitar: está na margem oposta à dos outros pontos de visita.


Museu de Arte da Pampulha

  • Av. Otacílio Negrão de Lima, 16585 | Tel. 31/3277-7946 | Visitas: 3ª a domingo das 9h às 18h30 | Ingresso: grátis

Parque Ecológico

Pampulha: como chegar

O parque ocupa uma ilha no cantinho da lagoa. Tem uma área aberta à visitação pública, outra acessada apenas em visitas agendadas, e outra de uso exclusivo para pesquisadores. As capivarinhas fazem parte do elenco de bichos soltos no pedaço. Procure pelo Jardim Japonês, o cantinho mais querido do parque.


Parque Ecológico

  • Av. Otacílio Negrão de Lima, 7111 | Tel. 31/3277-7439 | Aberto: diariamente até o pôr do sol | Ingresso: grátis

Fundação Zoo-Botânica

O Zoológico e o Jardim Botânico de Belo Horizonte dividem o mesmo endereço. Vale a pena pagar o ingresso à parte para visitar o Aquário da Bacia do São Francisco, o maior aquário de peixes de água doce do país.


Fundação Zoo-Botânica

  • Av. Otacílio Negrão de Lima, 8000 | Tel. 31/3277-7439 | Visitas: de 3ª a domingo das 8h30 às 17h | Ingresso: de 3ª a 6ª, R$ 3; sábado, R$ 4; domingo e feriado, R$ 6; Aquário: + R$ 6

Mineirão

Pampulha: como chegar

Felizmente, o nome Arena Minas não pegou. Inteiramente reformado para a Copa, o Mineirão oferece visitas combinadas às dependências do estádio e ao Museu do Futebol Brasileiro.


Mineirão

  • Av. Av. Coronel Oscar Paschoal, Portão G2 | Tel. 31/3499-4300 | Visitas guiadas: de 3ª a 6ª das 9h às 17h; sábado e domingo das 9h às 13h – de hora em hora | Fechado para visitas entre 25 de julho e 25 de agosto devido aos Jogos Olímpicos | Ingresso: R$ 20 (meia-entrada, R$ 10)


Férias de julho: Inhotim
Oh, Minas Gerais

Roteiro completo: como combinar Belo Horizonte, Inhotim, Ouro Preto e Tiradentes na mesma viagem

Pampulha: onde comer

O belo-horizontino cultua o tropeiro do Mineirão, mas para experimentar você vai ter que assistir a um jogo.

Xapuri, Pampulha
Xapuri

Agora a sério: nenhum passeio à Pampulha será completo sem uma parada no Xapuri, endereço da melhor comida mineira. Como não fecha entre o almoço e o jantar, é perfeito para quem está turistando (R. Mandacaru, 260; tel. 31/3496-6198; abre de 3ª a sábado das 12h às 23h; domingo e feriado das 12h às 18h).

Pampulha: onde ficar

Caso você queira dedicar um fim de semana específico à Pampulha — ou aproveitar uma viagem para assistir a um jogo no Mineirão — pode se hospedar por ali mesmo. A região tem vários hotéis, graças não apenas aos atrativos da lagoa, mas também por causa do Aeroporto da Pampulha (hoje praticamente desativado) e de um campus da UFMG.

Dois hotéis estão diretamente na orla: o San Diego Concept, vizinho ao Iate Clube e à Casa do Baile, e o Pampulha Design, para os lados do Museu da Pampulha, na margem oposta às outras atrações.

Na região entre o Mineirão e o aeroporto você vai encontrar hotéis de redes conhecidas, como o Ibis Styles Pampulha e o Quality Pampulha.

Leia mais:


Belo Horizonte

18 comentários

O lugar é seguro? Temos seguranças na área? Sou mulher e irei sozinha direto do aeroporto Cofins para lá, então estarei com mochila. Outra dúvida, tem uma opção saindo do Cofins para a Pampulha?

    Olá, Audrey! Sendo homem ou mulher, não se faz turismo carregando a bagagem em passeios.

Existe também às terças feiras uma boa e variada programação noturna nos principais cartões postais da Pampulha! Procure se informar e programe-se!

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.