Vai por mim: Costa Amalfitana e Capri

Positano

Positano

O que é

A Costa Amalfitana é um trecho de 60 km do litoral da Campânia, entre Sorrento e Salerno, servido uma estrada costeira que é uma passarela estreitíssima, esculpida, em boa parte, no precipício. Ao longo da estrada, entre uma vista vertiginosa e outra, encontram-se cidades históricas como Amalfi (à beira do mar Tirreno) e Ravello (no alto da montanha), além de um lindo vilarejo que escorrega pela encosta até a praia: Positano.

Capri é um destino cobiçado desde a época dos imperadores romanos – Otaviano e Tibério construíram palacetes por lá. Por sua proximidade à Costa Amalfitana, pode ser visitada na mesma viagem.

Como chegar: Costa Amalfitana

Carro. Sorrento, no início da costeira, fica a 290 km do aeroporto de Roma (Fiumicino), e a 53 km do aeroporto de Nápoles (Capodichino).

Trem. A viagem de Roma a Nápoles leva entre 1h20 e 2h40, dependendo do trem. Na estação central de Nápoles você procura a plataforma da ferrovia regional Circumvesuviana, que leva a Pompéia (36 min., estação Pompei Scavi Villa Misteri) e Sorrento (1h07). (Vou avisando: os trens da Circumvesuviana são bem pobrezinho.)

Depois de chegar a Sorrento, quem não quiser alugar carro pode fazer a costeira nos ônibus da SITA e, na temporada, nos barcos do Metrò del Mare.

Como chegar: Capri

Capri está ligada ao continente por linhas regulares de barco partindo de Nápoles (40 a 80 minutos de viagem, dependendo do equipamento) e Sorrento (20 a 40 minutos de viagem).

(Para ver como se chega a Nápoles e a Sorrento, veja o item anterior)

Quando ir?

Tanto a Costa Amalfitana quanto Capri só “funcionam” a pleno de meados da primavera a meados do outono. Julho e agosto, porém, ficam cheios demais por conta das férias européias. Os meses ideais são junho e setembro.

Na baixíssima temporada há muita coisa fechada (incluindo hotéis), e pouca vida ao ar livre. As paisagens e os cenários, porém, continuam por lá, e o trânsito está livre. Eu não iria no inverno, não. Mas… dois blogueiros que eu respeito, a Luisa e o Marcio, foram e gostaram; clique nos nomes para ler os relatos. (Atualização: nos comentários, a Luisa avisa que a sua recomendação é específica para a época do Réveillon, quando a maioria dos hotéis da costeira volta a abrir; e o Marcio relata que adorou compartilhar os lugares da costeira freqüentados pelos moradores, mas que achou Capri excessivamente parada.)

Para ver um panorama geral de temperatura e chuvas na região, clique aqui.

Dá para ir e voltar no mesmo dia saindo de Roma?

De carro (ou mesmo de ônibus, em excursão), são três horas e tralalá de viagem até Sorrento; eu sinceramente não faria um bate-volta que envolvesse seis horas de estrada só de deslocamento.

Capri é um pouquinho mais viável, se você pegar o primeiro trem a Nápoles. Ainda assim, o ritmo puxado e os horários marcados podem deixar o passeio, além de corrido, tenso demais; nesse caso, é melhor cacifar uma excursão.

(Há quem ofereça passeios integrando Pompéia e a Costa Amalfitana num dia só; eu acho loucura.)

Estratégia de viagem 1: ideal

Se eu fosse fazer essa viagem hoje, eu pegaria o trem de Roma a Nápoles.

Caso tivesse um dia sobrando, me hospedaria uma noite em Nápoles. Aproveitaria o dia para ir a Pompéia pela Circumvesuviana e, na volta, passar no Museu Arqueológico para ver as obras que não estão mais nas ruínas. (E de noite experimentaria uma autêntica redonda napoletana.) Para ler sobre minha última passagem por Nápoles, clique aqui.

Caso não tivesse tempo sobrando, tomaria um táxi da estação para o porto de Molo Beverello e pegaria direto um alíscafo (barco rápido) para Capri.

Em Capri ficaria uma ou duas noites. Os lerês básicos (da incontornável — e, para mim, decepcionante — Gruta Azul, ao forte no topo do Monte Solaro, para cima de Anacapri) tomam o primeiro dia inteiro. A noite é para você fazer a passeggiata sem os turistas do dia; e o segundo dia, para se dar ao luxo de curtir Capri sem lerês, fazendo suas próprias descobertas.

Depois pegaria o barco para Sorrento e lá alugaria um carro. Montaria base 15 km adiante, em Positano, que para mim é o mais encantador dos vilarejos da costeira. (Há muitíssimos, porém, que preferem Ravello — mas os 8 km de subida a 15 km/h prejudicam bastante os planos de quem quer ficar no vaivém.)

Ficaria três noites por lá (o mínimo-mínimo-mínimo são duas); não deixaria de subir a Ravello nem de visitar as lojas de fábrica de cerâmica pintadas a mão em Vietri sul Mare (no finzinho da costeira, quase em Salerno).

Alternativa ao carro: há quem sustente — e acho o ponto de vista interessantíssimo — que de carro você perde muito do encanto da costeira, já que precisa prestar atenção no trânsito (e achar lugar para estacionar). Se você não vai com tempo muito corrido, considere fazer os trajetos de ônibus (no sentido Salerno, no lado da estrada que acompanha o penhasco) e de Metrò del Mare (no sentido Sorrento; funciona apenas na temporada).

Por fim, devolveria o carro em Sorrento e voltaria de trem a Roma, via Nápoles (Circumvesuviana até a Piazza Garibaldi, então trem rápido).

Estratégia de viagem 2: prática/econômica

Com menos tempo e dinheiro para gastar, eu viria de trem até Nápoles e pegaria a Circumvesuviana a Sorrento. Montaria base em Sorrento mesmo.

Separaria dois dias para fazer a costeira, de ônibus ou carro (veja estratégia número 1) e um terceiro dia para fazer o bate-volta de barco a Capri.

Pompéia poderia ser feita na ida ou na volta de trem (desça na estação Pompei Villa Scavi); a entrada Marina Grande/Piazza dell’Anfiteatro tem um guarda-volumes.

Onde ficar

Tanto a Costa Amalfitana quanto Capri (com pernoite) combinam com romance e lua-de-mel — e valem um investimentozinho a mais.

Se puder, pense em hotéis do padrão do Luna ou da Casa Morgano em Capri; da Casa Albertina e da Villa Rosa em Positano;  ou do Chiaja em Nápoles.

E você? Tem uma informação a acrescentar? Uma experiência a compartilhar? Ou discorda de alguma coisa que eu escrevi? A caixa de comentários é sua!

Leia também:

Costa Amalfitana: um guia completo em 60 dicas selecionadas (2013)

Passo a passo: bate-volta de Roma a Pompéia e Nápoles


1.269 comentários para “Vai por mim: Costa Amalfitana e Capri”

  1. Caros, bom dia

    Irei chegar dia 4/8 em Napolis e pretend ficar dia 5 e 6 em Capri e de 7 a 10 na costa Amalfitana, minhas duvidas são.
    1o – Fico em Capri ou Anacapri?
    2o – Qual cidade fico na Costa, Positano ou Sorrento?
    3o – Nessa epoca é uma boa alugar carro p/ passear na Costa?

    Abs

    Emmerson

    1. Olá, Emmerson! Veja as dicas no post acima!

  2. Olá Boia!
    Tenho observado que o clima na Itália (assim como no Brasil) tem se modificado bastante.
    Estive em final de maio – início de junho em Roma e Toscana e peguei média de 14 graus, e todos os 12 dias com chuva. (A propósito tenho que agradecer todas as dicas sobre a Toscana que garimpei nesse site, ótimas, salvou a temporada que o tempo não ajudou.)
    Porém, assim sendo, calculo que Costa Amalfitana em outubro/2013 pode se tornar viável se o verão se estender tb. É apenas uma aposta.
    Vc tem algum dado mais atualizado sobre esse assunto? Por exemplo como foi em 2012…
    Abraços,
    Claudia

    1. Olá, Claudia! Você pode tentar fuçar em sites como accuweather.com e weather.com .

  3. Muito obrigada, Boia!
    Abraços,
    Claudia

  4. Olá Boia!

    Consultei os sites que vc me passou sobre o clima e verifiquei que não há informação diferente da tabela já publicada pelo Ricardo Freire em “Costa Amalfitana: quando ir” (2007).
    Sendo assim, o melhor é seguir as orientações do comandante.
    Obrigada,
    Abraços,
    Claudia

  5. Esse post aqui eh dos mais comentados e em retribuição, vou dar meus pitacos p ajudar outros trips então perdão, mas vai ser longo rs Trouxe ele impresso e foi o que nos salvou qdo ligamos p o hotel de Anacapri que oferecia ida e volta do Porto p informar o horario de chegada e nos informaram apenas nesta hora que o transfer era ate as 17hs, eram 18hs qdo chegamos – qdo eu sair dele digo o nome. A semana começou intensa em Roma, andamos bastante, cheia, mas so foi possivel virmos em Agosto por questoes profissionais e um evento de amigos. Rodamos Vaticano, Trastevere, Coliseu (na minha 3a vez nao consegui ir aos subterraneos pq a prioridade era do meu Rick conhecer mas vacilei nao reservando antes). Napoles estava menos cheia – fomos a Pompeia no dia que pegamos o trem das 11hs vindo de Roma. Uma boa estrategia eh ir no final do dia nestes tempos de muito calor : caminhamos por 70 % cento de 16 as 19hs, com menos turistas.
    No dia seguinte pegamos a Circunvesuviana novamente p em Erculano pegar o Vesuvio Express, a subida depois de 4 dias andando e subindo escada (torre do Vaticano imperdível inclusive!) eh cruel mas vale. Quem disse que tínhamos forca p museu depois? Rs

  6. Deixamos o museu Arqueológico p o dia seguinte – dormimos 2 dias no Chiaja, promoção do Booking, onde Pietro e sua equipe foram muito atenciosos conosco, uma gracinha de hotel de charme. Depois do Museu, almoçamos no Rosso Pomodoro próximo ao Porto e voltamos p pegar as malas no hotel. Fomos de taxi de lá por 8 euros incluso as malas ate o Molo Beverelo. Em Capri pegamos o ônibus p Anacapri com mala e tudo pela sacanagem do hotel nao ter avisado que o serviço de transfer era ate 17hs qdo tentei reservar antes. Cada mala media custa 1,80 euros, mesmo preço da passagem. Imagine a Niemeyer no Rio num ônibus pequeno numa sexta-feira do ultimo final de semana de ferias ensolaradas dos italianos. Adicione viaje em pe. nome disso perrengue rs

  7. (continua” o sol apareceu de novo e vamos sair hehe)

    1. Obrigada, Cristina!!! E boa continuação de férias :D

  8. Obrigada Bóia! Algo a considerar vindo em Agosto eh que o tempo aqui eh quente mas chove tb. Cientes de que teria um temporal hj, chegando no final do dia, tivemos que concentrar tudo que queríamos fazer no dia seguinte. Assim, diria que 3 noites em Capri nesta época sai caro, mas valeu a pena considerando que hj ficamos pela piscina enquanto tinha sol, no quarto enQuanto a ladeira a frente alagava e de quebra assistimos o inicio da festa da Uva, celebrando os 90 anos dela e a Setembratta. Banda, desfile, trajes típicos, imagino que parecido c o do Sul, com menos animação claro mas c musicas italianas que os locais cantam. Ontem saímos do hotel as 12 hs, fomos ao lere principal, a Gruta, entre o ônibus e o barquinho, para Agosto ate que achei que esperamos pouco – já o pessoal do barco esperava mais pq eram muitos barcos enquanto pessoas esperando eram poucos. Havia 6 barquinhos na nossa frente apenas. As 13:15, já de volta a Anacapri, fomos p o outro ponto de ônibus, onde pegamos para a Marina Grande

  9. No ponto esperamos 40 min, pq o 1o onibus veio lotado. Lá na Marina Grande pegamos o 2o barco disponível para o ilha tour. Pq o 1o estava cheio. Custou 17 euros, por 1h e nos aprovamos Riq, pq nossa viagem eh longa nao costumamos viajar nessa época e um barco privado c marinheiro custava de 100 euros ( as 15hs, p 2 pessoas 2 horas) a 150 euros (preço do nosso hotel) e ainda queríamos conhecer Capri e subir o Monte Solaro coisas que havíamos programado para o 2o dia mas com a previsão de chuva, tivemos que encarar. Subimos o funicular após uma pizza rápida na Marina Grande, rodamos por Capri lotada nu sábado a tarde e descobrimos o caminho para a Marina Piccola, descida factível para quem andava há 5 dias loucamente pela Italia rs. Lá mergulhamos as 18hs c a praia só nossa. Como o ultimo ônibus para Anacapri tinha saido meia hora antes de chegarmos, saímos de lá a tempo de voltar p Capri de ônibus e caminhando descobrimos uma subidinha p um Belvedere, estava perto da hora do sol se por e já na subida se vê a Marina Grande de um outro angulo ( do nosso hotel vímos tb). Do Belvedere Cannone vimos o anoitecer, os Fariglioni que vimos de perto no Ilha Tour, a Marina Piccola que mergulhamos e o Monte Solaro um pouco acima, que nao nos fez falta c essa vista só p nos, de novo, pq nao tinha ninguém. De quebra ainda ouvimos o ensaio de um show no Certame San Giacomo, que se via de lá tb. Voltamos p Anacapri após voltarmos pelas vielas de Capri, onde vimos o movimento de novo certos de que nao precisavamos voltar a noite pq Anacapri era bem mais tranquilo.

  10. Olá Bóia,
    Estou indo c o meu marido p a Itália em outubro/2013 (de 15 a 31). Chegaremos por Milão e terminaremos em Roma
    Estou c mtas dúvidas em irmos ou não p a Costa Amalfitana nesta época (se formos, penso lá por 23/10)
    Pelo q li acima fiquei mto em dúvida mesmo! Vc acha q vale a pena fazê-la ou é melhor ficarmos mais tempo hospedados em outras cidades?
    Aguardo retorno.
    Obrigada

    1. Olá, Ana Carolina! Quanto mais tarde em outubro, maior a chance de pegar chuva: http://www.viajenaviagem.com/2007/10/costeira-amalfitana-quando-ir/

      Os melhores meses são mesmo junho e setembro.

      1. Obrigada pelo seu retorno.
        Estou montando um novo roteiro começando por Milão e terminando em Roma mesmo.
        Vou deixar a Costa Amalfitana + Capri p uma próxima viagem à Itália nos meses sugeridos, dai incluo tbém a Sicília.
        Obrigada novamente.

  11. Olá Bóia, vou para Roma no início de novembro, e de lá vou até florença. Penso em ir via costa amalfitana de carro, vc acha viável?

    Abs,

    1. Olá, Gustavo! É viável mas não é aconselhável. Vá à Costa Amalfitana na temporada, entre maio e setembro.

  12. boa tarde Boia
    indo para Milao dia 16.09 e penso em ir para a Costa Amalfitana nesse periodo.As cidades sao muito paradas ? qual e a vida noturna ?
    Obrigado

    1. Olá, Osmar! O Ricardo Freire comenta que setembro é um mês ideal para ir à Costa Amalfitana no texto acima ;)

  13. Olá,
    Preciso de um Help!!! Estou em Positano e preciso da indicação de alguma agencia ou motorista que faz transfer para Roma.
    Vim de Roma para cá de trem, mas a viagem foi muito cansativa pois estamos com malas e a troca de trens foi muito demorada.
    Vcs podem me ajudar!??? Preciso muito!!!
    Desde já agradeço!!!

    1. Olá, Anna Luiza! O seu hotel tem os contatos.

  14. Ana Luiza,

    Infelizmente não posso ajudá-lá, pois não tenho a informação que vc precisa. A única coisa que posso lhe dizer é que um transfer assim vai custar bem caro. Se isso não for um problema para vc, pergunto no hotel se eles não podem indicar alguém. Cuidado com os famosos taxistas “abusivi” (piratas).

  15. Gostaria de agradecer todas as dicas! Elas foram valiosíssimas para o andamento da minha viagem! Até fiquei rindo em alguns momentos porque lembrava dos seus comentários no blog… Para completar algumas dúvidas como a da Ana Luiza: no hotel vc consegue motoristas e eles cobram 40 euros a hora , mínimo de 4 horas. Recomendo alugar uma scooter em Capri para poder ir a Ana Capri e visitar todas as praias. Sai 50 euros o dia e precisa só da nossa carteira de habilitação.
    Muito obrigada mesmo! Valeu!
    ps. Continue escrevendo! Vc é ótimo! Bjs

  16. Leia nosso post mais recente sobre a região:

    Costa Amalfitana: um roteiro completo em 60 dicas (2013)

1 ... 11 12 13