Bariloche

O que fazer

  • 0
Mariana Amaral
por Mariana Amaral

Bariloche: o que fazer

Viagens para as montanhas combinam com aquela preguicinha gostosa, dormir até tarde e deixar a agenda livre de compromissos, certo? Bem, não em Bariloche. Há muito o que fazer em qualquer época do ano, especialmente nas duas principais temporadas: a de inverno e a de verão.

Se preferir, clique para ir direto ao tópico:

  • Quantos dias em Bariloche?

bariloche cerro catedral

4 dias

Com 4 dias inteiros em Bariloche, você faz um bom número de passeios – e fica com algum espaço de manobra caso enfrente as chuvas tão comuns na região.

Veja itinerários de 4 dias no inverno aqui e de 4 dias no verão aqui.

6 dias

Se você dispuser de 6 dias inteiros, sua viagem ficará mais completa.

No inverno, suba uma segunda vez ao Cerro Catedral; inclua um passeio de barco; ou visite Villa La Angostura e a sua estação de esqui 'boutique', Cerro Bayo.

No verão, adicione um trekking pelo Cerro Tronador ou esportes aquáticos nos lagos. Ou considere estender a viagem pela Rota dos 7 Lagos, passando por Villa La Angostura e dormindo em San Martín de Los Andes.

Se você estiver pensando em fazer o Cruce Andino, combinando Lagos Andinos chilenos com Bariloche, comece pelo Chile, para poder ter chance de pegar o vulcão Osorno iluminado pelo sol da manhã.

Atrações | Inverno | O ano todo | Primavera, verão & outono | Menu completo |

  • Roteiros dia a dia no inverno

bariloche piedras blancas

Clique nos passeios em azul e você será levado ao ponto exato do texto em que cada passeio é descrito.

4 dias em Bariloche, básico

Dia 1 | Circuito Chico (panorâmico)
Dia 2 | Teleférico do Cerro Otto (esquibunda, confeitaria giratória)
Dia 3 | Cerro Catedral (esqui, snowboard, atividades extra-ski)
Dia 4 | Piedras Blancas (esquibunda, tubing)

4 dias em Bariloche, com emoção

Dia 1 | Circuito Chico (panorâmico)
Dia 2 | Piedras Blancas e Euca ou Winter Park (esquibunda, tubing, arvorismo, tirolesa, esqui)
Dia 3 | Cerro Catedral e passeio noturno (esqui, moto de neve, quadriciclo de neve)
Dia 4 | Cerro Catedral (esqui, snowboard, atividades extra-esqui)

4 dias em Bariloche, sem esporte

Dia 1 | Circuito Chico (panorâmico)
Dia 2 | Teleférico do Cerro Otto (teleférico, confeitaria giratória)
Dia 3 | Cerro Tronador (panorâmico)
Dia 4 | Isla Victoria e Bosque de Arrayanes (passeio de barco, panorâmico)

Leia também:

Atrações | Inverno | O ano todo | Primavera, verão & outono | Menu completo |

  • Roteiros dia a dia no verão

Clique nos passeios em azul e você será levado ao ponto exato do texto em que cada passeio é descrito.

4 dias em Bariloche

Dia 1 | Circuito Chico (panorâmico)
Dia 2 | Circuito Grande (panorâmico)
Dia 3 | Cerro Tronador (trekking)
Dia 4 | Isla Victoria e Bosque de Arrayanes ou Puerto Blest (passeio de barco)

4 dias em Bariloche, com emoção

Dia 1 | Circuito Chico (panorâmico)
Dia 2 | Euca ou esportes ao ar livre (rafting, SUP, trekking, ciclismo, cavalgada...)
Dia 3 | Praia (de lago!) ou esportes ao ar livre
Dia 4 | Cerro Tronador (trekking) ou Puerto Blest (passeio de barco)

6 dias: Bariloche + Rota dos 7 Lagos

Dia 1 | Circuito Chico
Dia 2 | Isla Victoria e Bosque de Arrayanes ou Puerto Blest
Dia 3 | Villa La Angostura, Rota dos 7 Lagos e pernoite em San Martín de Los Andes
Dia 4 | San Martín de Los Andes
Dia 5 | San Martín de Los Andes
Dia 6 | Paso Córdoba e retorno a Bariloche

7 dias: Bariloche e Cruce Andino

Dia 1 | Puerto Montt e Frutillar, com pernoite em Puerto Varas
Dia 2 | Puerto Varas
Dia 3 | Bate-volta às pingüineiras de Chiloé, com pernoite em Puerto Varas
Dia 4 | Travessia dos lagos e chegada a Bariloche
Dia 5 | Circuito Chico
Dia 6 | Circuito Grande
Dia 7 | Isla Victoria e Bosque de Arrayanes

Leia também:

Atrações | Inverno | O ano todo | Primavera, verão & outono | Menu completo |

  • Transporte em Bariloche: táxi, trânsfer ou carro alugado?

transporte em bariloche

Carro

Alugar carro é recomendadíssimo durante o verão, para poder fazer passeios com mais liberdade, demorar nos mirantes, curtir o agito à beira-lago e incluir a Rota dos 7 Lagos no seu itinerário. (Ou para quem vai ficar em algum dos hotéis da avenida Bustillo, mais distante do centro da cidade.) Não gosta de dirigir durante as férias? Tudo bem, você pode fazer os passeios com trânsfer compartilhado, ônibus, táxi ou remis. Nesse caso, hospede-se no Centro, para facilitar os deslocamentos.

No inverno, dirigir é pouco aconselhável; pode haver gelo nas pistas, o que aumenta o risco de acidentes.

Ônibus

onibus em bariloche cerro catedral

Linha 55

Há transporte público para muitas das atrações de Bariloche, mas o serviço... Para o Cerro Catedral, por exemplo, a frequência é de hora em hora, e no auge da temporada os veículos rodam lotados. Consulte o site da empresa MiBus para ver horários e paradas, ou passe no posto de atendimento turístico, no Centro Cívico, e pegue um folhetinho com as informações completas.

As passagens só podem ser pagas com o cartão de transporte SUBE. Se for visitar Buenos Aires antes de Bariloche, compre e carregue o cartão por lá. Do contrário, tente a sorte nos kioscos da rua Moreno ou da rua Elflein. As passagens custam entre 15 e 32 pesos (julho/2017).

Trânsfer compartilhado

O trânsfer compartilhado deve ser contratado no dia anterior ao passeio com as agências de receptivo em Bariloche. É uma boa alternativa de transporte para quem quer mais conforto e viaja sozinho ou em dupla, ou prefere não esquentar a cabeça com a contratação de remis para ir e voltar dos passeios.  Dependendo do serviço, você pode ser buscado e deixado no seu hotel, ou precisar se deslocar até algum ponto de encontro para esperar a van.

Remis e táxi

Compare: fazer passeios de remis (carro com motorista) geralmente sai mais barato do que contratar trânsfer compartilhado para quem viaja em grupos de 3 ou 4 pessoas. Peça ajuda ao seu hotel para agendar um veículo, e deixe o preço e o horário de retorno combinados com o motorista. Corridas de táxi, cobradas pelo taxímetro, custam ligeiramente mais caro do que corridas de remis para longas distâncias. Para se deslocar pelo centro, o táxi costuma ficar mais em conta.

Atrações | Inverno | O ano todo | Primavera, verão & outono | Menu completo |

  • Como contratar passeios e alugar roupas para a neve?

aluguel roupa de neve bariloche

Patagonia Showroom

Você não precisa contratar passeios antes de viajar a Bariloche. Use o dia da chegada para visitar as agências de receptivo, que funcionam até 21h.

Ingressos que podem ser comprados diretamente na bilheteria da atração:

  • Piedras Blancas
  • Euca
  • Winter Park
  • Cerro Otto
  • Cerro Campanario
  • Cerro Catedral (passes de esqui e teleféricos; visitar a base é grátis)

Passeios que devem ser comprados nas agências:

  • Circuito Chico
  • Circuito Grande
  • Passeio ao Cerro Tronador
  • Passeios de barco (Bosque de Arrayanes e Isla Victoria, Puerto Blest)
  • Passeios noturnos
  • Trânsfers compartilhados

As agências de receptivo trabalham com valores bastante próximos, senão iguais, para os passeios. A Vivir Viajes (Mitre, 131), a Select Travel (Villegas, 237) e a Si Turismo (Villegas, 222) têm ótimo atendimento. Pergunte por descontos para pagamento em dinheiro, ou para o agendamento de vários passeios juntos.

Aproveite também o dia da chegada para alugar roupas próprias para a neve. Não economize: é importante usar trajes adequados para se proteger do frio e do vento, e calçados antiderrapantes para diminuir as chances de escorregões. Leve do Brasil gorro, cachecol e a 'roupa de baixo' (segunda pele e meias térmicas). Alugue o conjunto de calça, jaqueta, luvas e botas impermeáveis em Bariloche.

A Patagonia Showroom (Palacios, 151) é a loja de aluguel de roupas mais bacana da cidade, mas há diversas outras na rua Mitre e suas transversais.

Atrações | Inverno | O ano todo | Primavera, verão & outono | Menu completo |

  • Bariloche: as atrações de inverno

Teleférico do Cerro Otto

cerro otto bariloche

Cerro Otto

A apenas 5 km do centrinho, o passeio com o teleférico do Cerro Otto é o mais prático de se fazer em Bariloche, e também o mais amigável para pessoas de todas as idades. Sim, o Cerro Campanário tem uma vista ainda mais bonita, e Piedras Blancas tem pistas de esquibunda muito mais emocionantes. Mas o bacana do complexo do Cerro Otto é justamente oferecer um pouquinho de tudo, servindo especialmente bem às famílias em que nem todos podem ou querem fazer esportes na neve.

Além de uma pista de esquibunda para adultos e outra para os pequenos (há ainda uma terceira, mas costuma ser dedicada a excursões de estudantes), há também um circuito para caminhada com raquetes, e um funicular que facilita a subida ao final das atividades (que são pagas à parte, no local).

O complexo tem terraços para observar a vista e brincar à vontade na neve, uma lanchonete, e lá também está a célebre Confeitaria Giratória, que vale conhecer mais por sua engenhosidade (o salão dá uma volta completa de 360° em até 40 minutos) do que pelos doces e refeições, que não são grande coisa.

O ingresso pode ser comprado nas agências de receptivo, ou diretamente nas bilheterias do Cerro Otto no centro da cidade (na rua Mitre, esquina com Villegas, ou na rua San Martín, esquina com Pagano). A subida é feita em teleférico de cabine fechada.

Como chegar ao Cerro Otto

O transporte do centro de Bariloche à base do teleférico está incluso no valor do ingresso e os ônibus partem do mesmo endereço das bilheterias. Você também pode ir de táxi ou de remis; deixe o horário do retorno combinado com o motorista. A corrida vai custar em torno de 95 pesos (julho/2017).

Teleférico do Cerro Otto

  • Av. de los Pioneros, 5.000 | Tel. 294/444-1035 | Abre diariamente, das 10h às 19h | Ingressos: até 5 anos, e acima de 65 anos, grátis; de 6 a 11 anos, 250 pesos; de 12 a 64 anos, 400 pesos | O ingresso inclui transporte ida e volta de ônibus | Esquibunda: 200 pesos por 3 descidas (para adultos) ou por 1 hora (para crianças) | Caminhada com raquetes: 200 pesos | Preços de julho/2017 | Consulte horários dos ônibus e do teleférico aqui

Cerro Catedral

cerro catedral bariloche

Cerro Catedral

A grande estação de esqui de Bariloche, o Cerro Catedral fica a 20 km do centro e merece pelo menos um dia inteiro na sua programação. São 34 meios de elevação, 120 km de pistas e caminhos, e uma base com uma super estrutura. Já na chegada você vai encontrar várias escolas de esqui e snowboard, outros tantos locais de aluguel de equipamentos, e mais muitas lojas de artigos esportivos (mas prefira alugar roupas e calçados para neve antes, no centro de Bariloche). As crianças vão se esbaldar: algumas escolas oferecem programas especiais só para a meninada, de dia inteiro ou de meio dia. E, fora do horário da classe, ainda dá para brincar no kid's club do Cerro Catedral, com acesso incluso no passe de esqui infantil (há também uma creche, paga à parte, para bebês e crianças de até 3 anos).

Os passes de acesso às pistas são vendidos na hora, na bilheteria. Se pretender esquiar por dois ou mais dias, compre o passe já considerando todas as visitas à estação, para garantir um descontinho.

Como peatón (pedestre), você não paga para entrar; apenas se quiser fazer algumas das atividades oferecidas pelo complexo, ou passear nos teleféricos.

Em três teleféricos é permitido o embarque de não-esquiadores:

  • No bondinho (Cable Carril)
  • No teleférico de cabine fechada (Telecabina Amancay)
  • Nas Telesillas Princesa, uma seqüência de três teleféricos de cadeirinha

Sem o passe de esqui, você precisa comprar um ticket avulso para o meio de elevação que escolher. Vale mais a pena subir com o Cable Carril. Lá em cima você tem uma excelente vista da paisagem e das manobras alheias, e pode aproveitar as duas lanchonetes para se abrigar do frio e comer alguma coisinha (há também outras lanchonetes e restaurantes espalhados pela estação). O passeio pode continuar até ainda mais alto, com a cadeirinha Lynch, mas não é um local muito seguro para não-esquiadores. Se pretender fazer alguma atividade extra-esqui (como caminhada com raquetes, tubing, bicicletas de neve), verifique se ela está sendo oferecida no dia da sua visita, e de onde ela parte, para comprar acesso ao meio de elevação correspondente, caso necessário.

Como chegar ao Cerro Catedral

A maneira mais barata de ir ao Cerro Catedral é com o ônibus da linha 55, que parte da rodoviária de Bariloche, passa pelo centro e leva até a entrada da estação. Do centro até o Cerro Catedral, o trajeto leva aproximadamente uma hora – e conseguir um assento vago no auge do inverno, pegando o ônibus na calle Moreno, é praticamente impossível. A passagem custa 28 pesos (julho/2017), e só pode ser paga com o cartão de transporte SUBE.

Com remis, a corrida fica em cerca de 400 pesos, do centro até a estação. Para o retorno, deixe o horário combinado com o seu motorista; existe um ponto de táxi bem em frente ao Cerro Catedral, mas a corrida sai um pouco mais cara no relógio.

As agências oferecem trânsfer compartilhado de ida e volta ao Cerro Catedral por cerca de 375 pesos, mas só contrate a opção de 4 horas de passeio se não tiver intenção de esquiar (para aproveitar mais o dia na estação e fazer aula de esqui, procure pelos trânsfers compartilhados que saem de Bariloche cedinho pela manhã e só voltam ao final da tarde).

Cerro Catedral

  • Base Cerro Catedral | Tel. 294/440-9000 | Na temporada de inverno, abre diariamente, das 9h às 17h | Passes diários para esquiadores: a partir de 370 pesos para crianças, e 650 pesos para adultos; consulte a tabela completa de preços aqui | Acesso avulso de teleférico: com Cable Carril ou Telecabina Amancay, a partir de 445 pesos para adultos; com Telesillas Princesa, a partir de 335 pesos; consulte a tabela completa de preços e veja descontos para crianças aqui | Tubing: 80 pesos por 1 descida para crianças até 11 anos; 115 pesos para maiores de 12 anos | Outras atividades: consulte preços aqui | Preços de julho/2017

Piedras Blancas

piedras blancas esquibunda bariloche

Piedras Blancas

A atividade de inverno número 1 de Bariloche entre brasileiros não é o esqui, nem o snowboard, mas sim deslizar sentado sobre a neve, em uma pranchinha plástica. Senhoras e senhores, com vocês, o esquibunda! Se o Cerro Catedral é o principal centro de esqui da região, nenhum outro complexo oferece concorrência ao Piedras Blancas no quesito esquibunda – ou, como dizem os argentinos, culipatín. São 3 km de curvas, divididos entre 4 pistas por entre os bosques, e mais uma área exclusiva para crianças pequenas, onde podem brincar com segurança.

O ingresso do Piedras Blancas pode ser comprado nas agências de receptivo ou direto na bilheteria. Dá direito ao aluguel do trenó de plástico e a até 6 ascensos de teleférico – o que significa poder descer 6 vezes de esquibunda pelas pistas. Quer mais adrenalina? O complexo também tem uma pista de 1 km de tubing (que deixa a pista do Cerro Catedral no chinelo) e um circuito de zipline (tirolesa). As duas atividades extras devem ser pagas à parte.

Piedras Blancas só não tem a mesma estrutura que o Cerro Catedral ou o teleférico do Cerro Otto para entreter quem não for participar das brincadeiras na neve. Até existe um passe para pedestres, mais barato, que inclui apenas uma subida de teleférico, sem esquibunda. Mas não há mirantes ou lugares abrigados do frio como nos centros de inverno concorrentes. Se alguém da família não for participar da brincadeira, é melhor ficar pelo centrinho de Bariloche, ou fazer outro passeio.

No mesmo complexo do Piedras Blancas está o parque de arvorismo Euca e o pequeno centro de esqui Winter Park.

Como chegar a Piedras Blancas

Piedras Blancas está a cerca de 7 km do centro de Bariloche – também no Cerro Otto, assim como o teleférico e a Confeitaria Giratória, mas em outro setor do monte. Não há linhas de ônibus até lá.

O trânsfer compartilhado de ida e volta custa cerca de 280 pesos (julho/2017), em um passeio com duração total de 4 horas (escolha o turno da manhã para pegar menos filas nos teleféricos; as excursões de adolescentes costumam chegar mais tarde).

Com remis ou táxi, a corrida do centro até Piedras Blancas fica em torno de 350 pesos. Deixe combinado o retorno com o seu motorista.

Piedras Blancas

  • Acesso pela Av. de los Pioneros, km 1 | Tel. 294/443-0417 | Na temporada de inverno, abre diariamente, das 9h às 17h | Ingressos: a partir de 440 pesos para crianças até 11 anos, e de 650 pesos para maiores de 12 anos, com 6 descidas de esquibunda inclusas; consulte a tabela completa de preços aqui | Pacote esquibunda + tubing: a partir de 700 pesos para crianças até 11 anos, e de 950 pesos para maiores de 12 anos, incluindo 1 descida de bóia | Outras atividades: consulte preços aqui | Preços de julho/2017

Winter Park

winter park bariloche

Winter Park

O pequeno centro Winter Park fica anexo a Piedras Blancas e oferece uma introdução mais amistosa ao esqui. São vendidos passes diários de meio dia ou de dia inteiro, que incluem equipamento, aulas em grupo e um período para uso livre das pistas, que são apenas 3. (O passe de meio dia já está de bom tamanho.)

Não há teleférico; os meios de elevação são de arrastre, uma espécie de gancho que se encaixa entre as pernas e puxa o esquiador pista acima. A experiência não substitui conhecer uma estação de esqui do porte do Cerro Catedral, mas ajuda a dar mais segurança para esquiadores de primeira viagem. As aulas acontecem em horários fixos, em turmas de até 10 pessoas.

Como chegar ao Winter Park

Anexo ao Piedras Blancas, o Winter Park também pode ser visitado de táxi ou remis (calcule gastar em torno de 350 pesos no trajeto, saindo do centro de Bariloche). Caso opte pelo trânsfer compartilhado, há duas saídas diárias, partindo do Centro Cívico, organizadas pelo próprio Winter Park. Não há transporte público até o local.

Winter Park

  • Acesso pela Av. de los Pioneros, km 1 | Tel. 294/481-0100 | Aulas em 2 turnos, às 9h30 e às 13h | Ingresso: a partir de 915 pesos para crianças até 11 anos, e de 1025 pesos para maiores de 12 anos, com equipamento incluso; consulte a tabela completa de preços aqui | Preços de julho/2017

Passeios noturnos

bariloche refugio arelauquen

Refugio en Arelauquen

Há quatro passeios noturnos, todos estrategicamente combinados com jantar.

Na Noche Nórdica, você pilota um quadriciclo por 4 km na neve (menores de 16 anos não pilotam, mas podem ir na garupa), e o cardápio tem especialidades patagônicas e fondue de queijo.

No Refugio en Arelauquen, o menu é parecido (um tantinho mais caprichado), e o veículo muda para uma moto de neve.

Na La Cueva (um restaurante montado dentro de uma caverna no Cerro Catedral; daí o nome), os pratos principais são carne ou peixe preparados no forno à lenha, e o acesso se dá tanto em motos de neve quanto em quadriciclos, dependendo das condições do terreno.

Mais econômico, o passeio Montanha & Tango troca os veículos de neve por uma caminhada com lanternas, jantar à luz de velas e música ao vivo. É o único que permite a participação de crianças menores de 5 anos.

Noche Nórdica

  • Cerro Otto | Tel. 294/444-1527 | Ingressos: 2.800 pesos para crianças entre 6 e 10 anos; 3.500 pesos para maiores de 11 anos | Trânsfer, jantar e trajeto de quadriciclo inclusos

Refugio en Arelauquen

  • Ruta 82 | Tel. 294/447-6154 | Ingressos: 2.800 pesos para crianças entre 6 e 12 anos; 3.500 pesos para maiores de 13 anos | Jantar e trajeto de moto de neve inclusos | Trânsfer: 450 pesos

La Cueva

  • Cerro Catedral | Tel. 294/4460-478 | Ingressos: 2.800 pesos para crianças entre 6 e 12 anos; 3.500 pesos para maiores de 13 anos | Jantar e trajeto de moto de neve ou quadriciclo inclusos | Trânsfer: 450 pesos

Montaña & Tango

  • Refugio Berghof, Cerro Otto | Tel. 294/427-1527 | Ingressos: grátis para crianças até 3 anos; 1.500 pesos para crianças entre 4 e 12 anos; 1.950 pesos para maiores de 13 anos | Trânsfer, jantar e show inclusos

Preços de julho/2017.

Atrações | Inverno | O ano todo | Primavera, verão & outono | Menu completo |

  • Bariloche: as atrações do ano todo

Circuito Chico

circuito chico bariloche

Circuito Chico

O passeio de introdução a Bariloche (em qualquer estação) é o Circuito Chico, um tour panorâmico de 66 km pelas paisagens mais bonitas nos arredores da cidade, geralmente começando pelo Cerro Campanario. A subida ao topo do cerro é feita por um teleférico de cadeirinha e deve ser paga à parte. Não economize. Lá do alto você tem uma vista espetacular que não se repete no Cerro Otto, no Cerro Catedral ou em qualquer outro lugar de Bariloche.

O passeio continua pela margem sul do lago até a Capela de Santo Eduardo, em frente ao hotel Llao Llao, à beira do lago Nahuel Huapi. É um tour de uma manhã ou uma tarde, e deve ser contratado nas agências de receptivo.

No inverno, faça o Circuito Chico na primeira tarde em Bariloche; assim, você aproveita a manhã para alugar roupa com calma. E uma recomendação: não aceite a combinação do Circuito Chico com o Cerro Catedral no mesmo dia; o Cerro Catedral merece um dia só para ele.

Como chegar ao Cerro Campanario

O Cerro Campanario pode ser visitado com trânsfer compartilhado dentro do passeio do Circuito Chico, ou então com táxi, remis ou ônibus. As linhas 10, 20 e 22 levam até a base, e a passagem custa 18 pesos (julho/2017). Para ir do centro de Bariloche ao Cerro Campanario de remis ou táxi, espere pagar em torno de 320 pesos.

Circuito Chico

  • Tour a partir de 375 pesos para maiores de 3 anos; grátis para menores de 2 anos. Não inclui a subida no teleférico.

Cerro Campanario

  • Av. Bustillo, km 17,5 | Tel. 294/442-7274 | Abre diariamente, das 9h às 18h, com último ascenso às 17h30 | Ingressos: até 4 anos, grátis; de 5 a 12 anos, 110 pesos; a partir de 13 anos, 220 pesos | Preços de julho/2017

Cerro Tronador

O passeio ao Cerro Tronador leva até a base deste vulcão que é o ponto mais alto do Parque Nacional Nahuel Huapi, com seus mais de 3.500 metros sobre o nível do mar. Fazendo fronteira entre a Argentina e o Chile, o Tronador sustenta várias geleiras e ruge como um trovão quando há desprendimentos. É um passeio contemplativo, com trechos de caminhada. Funciona durante todo o ano, mas é mais bonito durante o verão, com chances melhores de dias claros.

Cerro Tronador

  • Tour a partir de 980 pesos para maiores de 3 anos; grátis para menores de 2 anos. A entrada do Parque Nacional Nahuel Huapi deve ser paga à parte; custa 250 pesos para maiores de 13 anos, 60 pesos para crianças entre 6 e 12 anos, e é grátis para crianças até 5 anos. | Preços de julho/2017

Euca

euca arvorismo bariloche

Euca

O parque Euca, do ladinho do complexo de Piedras Blancas, é um circuitão de arvorismo com muitas pontes suspensas, obstáculos e tirolesa. As atividades são divididas por altura, e a entrada dá direito a 2 horas e meia de brincadeiras, com equipamento de segurança incluso. Tanto crianças como adultos podem participar.

Como chegar ao Euca

O Euca pode ser visitado de táxi ou remis (calcule gastar em torno de 350 pesos no trajeto, saindo do centro de Bariloche), ou com trânsfer compartilhado (espere pagar por volta de 280 pesos, ida e volta, por pessoa). Não há transporte público até lá.

Euca

  • Acesso pela Av. de los Pioneros, km 1 | Tel. 294/470-0562 | Ingressos: a partir de 450 pesos; consulte a tabela completa de preços aqui | Preços de julho/2017

Isla Victoria e Bosque de Arrayanes

O passeio de barco mais procurado de Bariloche dura meio dia e cruza o lago Nahuel Huapi com paradas no Bosque de Arrayanes (inspiração de Walt Disney para o bosque de Bambi) e na ilha Victoria, já em frente a Villa La Angostura. É um passeio de meio dia, com caminhadas leves.

Escolha fazer o passeio com a embarcação Cau Cau se quiser mais conforto, ou com a Modesta Victoria para navegar em um barco vintage de madeira, construído na década de 30. Ambos têm capacidade para 300 passageiros e partem do Puerto Pañuelo, perto do hotel Llao Llao.

O passeio é oferecido em qualquer época do ano, mas é bem mais aproveitável em dias de verão.

Embarcação Cau Cau

  • Saídas do Puerto Pañuelo | Passeio de dia inteiro com início às 12h15; passeio de meio dia com início às 13h55 | Ingressos: grátis para crianças até 4 anos, 530 pesos para crianças de 5 a 11 anos, 1060 pesos para maiores de 12 anos

Embarcação Modesta Victoria

  • Saídas do Puerto Pañuelo | Passeio de meio dia com início às 14h | Ingressos: grátis para crianças até 4 anos, 530 pesos para crianças de 5 a 11 anos, 1060 pesos para maiores de 12 anos
  • O traslado de ida e volta ao Puerto Pañuelo, saindo do centro de Bariloche, custa 230 pesos (julho/2017). Para ir de ônibus, pegue a linha 20; o trajeto custa 28 pesos. De remis ou táxi, calcule pagar por volta de 350 pesos entre o centro e o porto.
  • Com qualquer uma das embarcações, a entrada do Parque Nacional Nahuel Huapi deve ser paga à parte; custa 250 pesos para maiores de 13 anos, 60 pesos para crianças entre 6 e 12 anos, e é grátis para crianças até 5 anos. É preciso pagar também a taxa de embarque do Puerto Pañuelo, que custa 58 pesos por passageiro, e chegar com pelo menos 30 minutos de antecedência ao porto.

Puerto Blest

Puerto Frías

Lago Frías

O outro passeio bacana que sai do Puerto Pañuelo leva ao Lago Blest e à Cascata dos Cântaros, com a opção de navegar também pelo Lago Frías. Este passeio nada mais é do que o primeiro terço do Cruce Andino (ou Cruce de Lagos), a travessia que continua ao Chile. Uma parte dos passageiros volta a Bariloche e a outra (que despachou as malas no embarque) segue para Peulla e Puerto Varas.

Dedique o dia mais ensolarado da viagem a esse passeio. Se a previsão for de chuva, dispense.

Puerto Blest

  • Tour a partir de 530 pesos para crianças entre 5 e 12 anos, 1060 pesos para maiores de 13 anos; grátis para menores de 4 anos.
  • O traslado de ida e volta ao Puerto Pañuelo, saindo do centro de Bariloche, custa 230 pesos (julho/2017). Para ir de ônibus, pegue a linha 20; o trajeto custa 28 pesos. De remis ou táxi, calcule pagar por volta de 350 pesos entre o centro e o porto.
  • A entrada do Parque Nacional Nahuel Huapi deve ser paga à parte; custa 250 pesos para maiores de 13 anos, 60 pesos para crianças entre 6 e 12 anos, e é grátis para crianças até 5 anos. É preciso pagar também a taxa de embarque do Puerto Pañuelo, que custa 58 pesos por passageiro, e chegar com pelo menos 30 minutos de antecedência ao porto.

Atrações | Inverno | O ano todo | Primavera, verão & outono | Menu completo |

  • Bariloche: as atrações de primavera, verão e outono

san martin de los andes 7 lagos

San Martín de Los Andes

Fora do inverno (e sobretudo no alto verão, alta temporada dos argentinos), é a vez de outras atividades ao ar livre. As montanhas se tornam propícias para trekking, rafting, parapente e arvorismo. Passeios de bicicleta e a cavalo, observação de pássaros, golf, pesca esportiva e todo tipo de esportes náuticos estão na ordem do dia.

Entre os passeios disponíveis no inverno, continuam valendo o Circuito Chico e os passeios de barco.

Dá também para percorrer as estradas panorâmicas, como a Rota dos 7 Lagos entre Villa La Angostura e San Martín e los Andes (perfeito para passear de carro, pernoitando uns dias em San Martín), ou como o Circuito Grande (para quem preferir fazer passeio em grupo, voltando a Bariloche no mesmo dia).

Outro passeio imperdível, e que é muito melhor de fazer sem neve, é ao Cerro Tronador, o mais alto de Bariloche, que oferece o percurso mais bonito da região.

Entre a primavera e o outono, o Cruce de Lagos fica mais ágil: chega-se a Puerto Varas no mesmo dia, sem necessidade de dormir em Peulla.

Os cerros Catedral e Otto, fora do inverno, funcionam parcialmente. No Cerro Catedral a maior atração é o trekking. No Cerro Otto, o esquibunda é substituído por um circuito com bóias infláveis. Não faça desses passeios a sua prioridade; a paisagem não é a mesma sem a neve.

Circuito Grande

O Circuito Grande é uma rota circular que leva a Villa Traful e Villa La Angostura, passando por lagos, mirantes e adicionando outro tipo de paisagem ao seu repertório: a estepe patagônica. Com excursão, vira um passeio de dia inteiro (ideal para quem não dirige ou não quer mudar de base durante a viagem), e acaba servindo como aperitivo da Rota dos 7 Lagos.

O Circuito Grande não é vendido no inverno.

Circuito Grande

  • Tour a partir de 1.020 pesos para maiores de 3 anos (setembro/2017); grátis para menores de 2 anos.

Atrações | Inverno | O ano todo | Primavera, verão & outono | Menu completo |

11 comentários

Tatiana
TatianaPermalinkResponder

Para o passeio no circuito do chico tem idade mínima e no cerro catedral.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Tatiana! Tem não. Se você estiver com bebê de colo, provavavelmente não vai querer subir nos teleféricos abertos.

Renata
RenataPermalinkResponder

Em todos os passeios, é possível voltar antes caso seja necessário? Irei com uma criança de 2 anos e minha preocupação é ficar amarrada com o pequeno precisando esperar a volta no horario combinado. Tenho esta opção de voltar antes?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Renata! Se for em grupo, não dá. Imagine estar no meio de um passeio de barco com mais 15 pessoas e dizer que precisa voltar. Seja razoável...

Em outros lugares, é só tomar um táxi do meio do caminho.

Mari Helem Rech Rodrigues

Fui informada de que existe um ônibus de linha que faz Villa La Angostura até Puerto Varas em mais ou menos 4 horas. Isso existe? Vou estar com a família e achei interessante cruzar o "passo" dos Andes...

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Mari! Tem sim, é o ônibus que vem de Bariloche.

Doris petry
Doris petryPermalinkResponder

E possivel aprender a esquiar aos 60 anos? Existem atividades para essa faixa etaria ou mais?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Doris! Por que não? Lembre-se apenas de fazer o seguro adequado (seguros comuns não cobrem acidentes de esqui).

Leonardo Ferreira Riera

Fomos no verão, portanto, o passeio do Circuito Chico é imperdível. Subir de teleférico no Cerro Campanário com a vista mais bela da região.
Relato:
https://comidaparaviagem.wordpress.com/2016/01/10/bariloche/
O Circuito Grande merece um dia por cada trajeto (Rota dos 7 Lagos e Paso Córdoba). Infelizmente não conseguimos vistar Vila Traful.
Tem um post específico sobre o caminho:
https://comidaparaviagem.wordpress.com/2016/01/10/rota-dos-7-lagos-e-paso-cordoba/

Alex
AlexPermalinkResponder

Boa noite! Vou no meio de agosto e tinha incluído Cerro Tronador no roteiro, mas vi que você diz que é melhor no verão. Fiquei na dúvida... excluo Cerro tronador do roteiro? Se sim qual outra boa opção para substituí-lo? Agradeço desde já!!!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Ola, Alex! No verão, o Cerro Tronador se transforma num local para lindas caminhadas. No inverno o passeio é mais limitado, mas te levam até um lugar de onde você vê o glaciar de pertinho.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar