Maceió

Água na boca

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

A orla mais fotogênica do Nordeste fica em Maceió. Grande parte dos visitantes, porém, só vê as praias urbanas na hora de sair do hotel e de voltar, no fim da tarde: ao norte e ao sul existem praias ainda mais bonitas, e com balneabilidade melhor.

Depois de um dia de passeio, Maceió recebe você de volta com a mais variada coleção de restaurantes que você encontrará numa capital do seu porte. Do sururu nativo à comida peruana, a mesa de Maceió é tão apetitosa quanto suas praias.

Quando ir

O tempo é mais firme entre setembro e março. Os meses mais propensos a chuvas são maio e junho. O mar é bonito o ano inteiro, mas fica mais claro nos últimos e nos primeiros meses do ano. O alto verão é também quando a bela praia urbana de Ponta Verde oferece balneabilidade.

O Réveillon é bastante movimentado, com pelo menos duas mega-festas produzidíssimas. É possível comprar ingressos perto do dia, em postos de vendas nos hotéis.

Em janeiro a elite da cidade se transfere para a Barra de São Miguel, 30 km ao sul, onde também acontece o Carnaval de rua da região. Já o melhor São João é na cidade histórica de Marechal Deodoro, 20 km ao sul.

Como chegar

Maceió é ligada por vôos diretos a São Paulo, Rio, Brasília, Belo Horizonte, Salvador, Recife e Aracaju. De outras cidades é preciso fazer conexão em alguma dessas cidades (na maioria das vezes, São Paulo ou Salvador).

São Miguel dos Milagres está a 100 km ao norte: é preciso sair da estrada logo depois de São Luís do Quitunde. Maragogi fica a 130 km; a viagem leva entre duas horas e duas horas e meia, por causa do trânsito pesado de Maceió até Paripueira e das curvas da serrinha no interior.

A BR 101 liga Maceió a Aracaju (285 km ao sul). Mesmo depois que concluírem a sua duplicação, o caminho mais bonito continuará sendo a litorânea AL 101 Sul, que permite a entrada em várias. (Para prosseguir a Sergipe, pegue a balsa de Penedo para Neópolis.)

Onde ficar

A orla de Pajuçara é o endereço de boa parte dos hotéis de Maceió – e do comércio voltado para os turistas, incluindo feirinhas de artesanato.

O bairro mais interessante de Maceió, no entanto, é a Ponta Verde, vizinha da Pajuçara. Por ali você na praia mais bacanas e se sentirá num ponto mais residencial e menos turístico.

O outro pólo hoteleiro importante da cidade é a Jatiúca, onde ficam os hotéis com maior estrutura. A beira-mar por ali tem tapioqueiras e até forró (mas o mar nunca está em condições de banho).

Para ficar pé-na-areia fora da cidade, escolha entre resorts em Pratagi e Ipioca (20 e 30 km ao norte), e hotéis na Barra de São Miguel (30 km ao sul).

Veja um dossiê detalhado das praias, hotéis e restaurantes de Maceió aqui.

O que fazer

Alugue um carro. Mas quando der preguiça, pegue praia em Ponta Verde, em barracas como a Lopana e a Canoa. (Veja 5 bares de praia em Maceió e arredores que eu recomendo.)

Se for ao litoral norte (recomendo ir ao Hibiscus, em Ipioca), almoce na volta num dos restaurantes dos Altos de Ipioca. Voltando do litoral sul (Barra de São Miguel é a mais gostosa), a parada obrigatória é nos restaurantes à beira do canal da Massagüeira.

Eu explico toda a região -- para você escolher o que visitar -- neste post.

Não recomendo fazer o bate-volta a Maragogi: é muito puxado (Paripueira é mais perto). O passeio à foz do São Francisco fica mais confortável quando você dorme em Penedo.

Maceió no Viaje na Viagem

104 comentários

Cristiano
CristianoPermalinkResponder

Hoje estive na Pizzaria Nicole. Fui conhecer porque ao passar de taxi achei o lugar agradável. Como estou em viagem com minha família, fomos eu, minha esposa, uma amiga e meus dois filhos.
Ao chegar, optamos pelo rodízio e experimentamos o primeiro pedaço da pizza, sendo que adorei o sabor da massa. Foi só. A partir daí começou o que viria a ser a pior experiência de minha vida em um restaurante.
De início, não fomos mais servidos por um bom tempo. Enquanto isso, os "garçons", um bando de moleques que ficava gritando e brincando na hora de servir, não tinham critério algum de distribuição pelas mesas. Parecia que cada um ia para aonde bem entendesse. Quando percebemos que já fazia uns 10 minutos que ninguém notava nossa presença, reclamamos com um menino-garçon, que passou a nos servir muito a contra gosto. Mesmo assim, chegaram poucas opções, no máximo 04. Por fim desistimos.
Resolvi então implorar pelos sabores doces. Ocorre que enquanto esperávamos, começamos a chorar.... Parece piada. Dentro da cozinha, estavam preparando cebolas, e lá fora, nós estávamos em pranto. Não era pelo péssimo serviço. O gás oriundo da cebola chegou até onde estávamos sentados, tornando impossível permanecer no ambiente. Enquanto isso, os garçons adolescentes se divertiam rindo do nosso sofrimento em contato com o sulfóxido de tiopropanal das cebolas.
Chegaram as pizzas doces que não eram de todo ruins, apesar de temperadas com o sumo de cebolas.
Pedi a conta que não chegou. Com pressa de deixar a sessão de tortura a que estávamos sendo submetidos, me dirigi até o caixa que era um computador ajeitado sobre 03 engradados de cerveja. A mocinha do caixa, "mui" simpática, passou uma pessoa na minha frente, como não poderia deixar de ser.
Acertei e pedi a ela que, por gentileza, solicitasse um táxi para nos levar ao hotel. Ela simplesmente disse que desconhecia qualquer número ou serviço de táxi. Mesmo estando em Maceió, uma cidade litorânea que tem entre suas principais rendas, o turismo.
Minha impressão: PÉSSIMO SERVIÇO, ATENDIMENTO NOTA ZERO, MÁ VONTADE DE FUNCIONÁRIOS, FALTA DE PROFISSIONALISMO. PIZZARIA DE QUINTA CATEGORIA. AOS VISITANTES DE MACEIÓ, NÃO PERCAM SEU TEMPO NESTE LUGAR HORROROSO. HÁ MUITOS RESTAURANTES BONS. VÃO POR MIM, AO SE APROXIMAR DE NICOLE PIZZARIA TROQUEM DE PASSEIO!

Atenção: perguntas que já estejam respondidas no texto e comentários ofensivos ou em maiúsculas serão deletados.

Cancelar