3 dias em Bogotá: a experiência do Dionísio

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Bogotá. Foto: João Batista de Andrade, o Jotabê

A caminho de Aruba, o Dionísio resolveu fazer um pit-stop em Bogotá, na ida e na volta, acrescentando novos ingredientes à sua viagem. Não se arrependeu: encontrou uma cidade bonita, interessante e, confirmando a maciça propaganda do órgão de turismo da Colômbia, sem nenhuma sensação de insegurança. Mas é melhor ouvir isso nas palavras dele (viagem feita em 2010):

Texto | Dionísio

Partimos de Porto Alegre rumo a Bogotá na manhã do dia 5 de março, para uma jornada de 10 horas até a capital colombiana, com conexão em Guarulhos. O ruim foi ter que pegar as malas em Guarulhos e despachá-las a Bogotá. Não permitiram mandá-las direto de Porto Alegre.

Após cerca de 2h30min fuxicando no free-shop de Guarulhos, embarcamos num Boeing 737-800 da Varig bem novo e com bom espaço para as pernas. A bordo, um almoço bem honesto (duas opções de pratos quentes, salada, sobremesa, bebidas e cafezinho) e, mais tarde, um lanchinho bem gostoso. Mas, apesar do voo longo de 6 horas de Guarulhos a Bogotá, travesseiro e manta são exclusividades da classe Comfort (mais cara e quase vazia). Em tempo: apesar das informações em contrário do pessoal de terra da Gol, é permitido, sim, o uso de notebook a bordo, exceto na decolagem e no pouso.

Quase 6 horas depois de não enxergar nada, avistamos Bogotá. A cidade é enorme!

Do ar, vimos muitas estufas da grande produção das famosas flores colombianas e notamos que Bogotá é cercada de montanhas altas e verdes.

Desembarque, imigração tranquila, bagagens e nada de free-shop! As lojas só estão disponíveis no embarque. Nos chamou a atenção que a saída da sala de desembarque ocorre diretamente na rua - sem revistas nem checagem de conteúdo das malas, apenas um simpático militar nos perguntou quanto dinheiro tínhamos e por que estávamos viajando à Colômbia. Não vimos nada daquele controle rígido que algumas pessoas relatam. Aliás, tirar os sapatos só no aeroporto de Aruba (no embarque).

Logo na saída do aeroporto está o guichê dos táxis oficiais, a preço fixo por bairro. Pagamos 18 mil pesos para ir à Zona Rosa, algo em torno de 18 reais. Atendidos por um senhor maleteiro também simpático (pediu gorjeta em reais e não em pesos, pode?), seguimos num carro limpo, confortável e bem cuidado, com um motorista falante que nos mostrava tudo ao redor e sugeria passeios. Nos contou que até pouco tempo atrás turistas como nós não podiam ir a Bogotá porque provavelmente seriam roubados ou sequestrados assim que deixassem o aeroporto. Segundo ele - e todo mundo lá - a tranquilidade de hoje tem nome: Alvaro Uribe, o presidente colombiano.

O trânsito era pesado, mas fluía bem, sempre tendo os Cerros Orientales como testemunha. Até o nosso hotel, na Zona Rosa, foram 25 minutos na hora do rush ao final da tarde de sexta-feira.

Antes de viajar, escolhemos, primeiramente, a região de hospedagem: Zona Rosa. Área de alto padrão, recheada de lojas, shoppings, bares, cafés e restaurantes, é um dos principais centros comerciais e noturnos de Bogotá. Depois, o hotel: GHL Hamilton, da rede GHL, que possui vários hotéis na Colômbia.

A Zona Rosa é muito bacana, um lugar excelente para um turista aproveitar Bogotá. Muita, muita gente mesmo nas ruas. Pessoas bonitas, bem vestidas, de todas as idades, aproveitam as opções de divertimento do bairro. Poucos pedintes, quase nenhuma abordagem e, mesmo assim, bastante cordiais.

Nosso quarto no hotel tinha vista para o Centro Comercial Atlantis - onde está, por exemplo, o Hard Rock café - e das montanhas, que estavam logo ali, bem próximas, a poucas quadras.

Saímos a caminhar pela Zona Rosa na primeira noite, um tanto assustados com o frio que fazia (Bogotá tem sempre um clima fresco) e logo após o jantar nos entregamos à cama, bem cansados da longa viagem dos pampas ao norte da América do Sul.

No dia seguinte, deixaríamos o hotel ao meio-dia para ir a Aruba. Acordamos cedinho e fomos caminhar até o Paque de la 93, outra região de alto padrão da Bogotá, também rica em bares, restaurantes e cafés.

No caminho, deu para notar como as ruas são limpas e bonitas e com muitas opções gastronômicas e de compras. O famoso e longínquo restaurante Andrés Carne de Res tem uma filial logo ali. Árvores, cliclovia e nada de lixo no chão. Uma beleza.

Achamos interessante que os belos morros de Bogotá são parcialmente ocupados, mas não por favelas, e sim por prédios de alto padrão. Além disso, as construções em tijolinho à vista são típicas de Bogotá, o que dá um charme à cidade.

De volta do passeio de umas duas horas, sempre a pé, já perto do nosso hotel passamos pela famosa Zona-T, a confluência de duas ruas que concentram muitos bares e restaurantes dentro da Zona Rosa. Este lugar simplesmente bomba à noite! De dia, ruas limpíssimas.

Como não podia deixar de ser, a Zona Rosa também tem algum comércio mais popular e há alguns ambulantes que vendem frutas lindas e frescas.

Partimos a Aruba e retornamos a Bogotá para mais duas noites. Como estavam ocorrendo as eleições parlamentares no país, não pudemos beber nada alcoólico, pois a lei é muito rígida e todo mundo obedece. Para terem uma ideia, os supermercados isolam o corredor das bebiias alcoólicas e os bares nem pensam em oferecer nada contra a lei.

Havia um clima de "tensão moderada" na cidade, porque os terroristas poderiam fazer alguma coisa para atrapalhar o pleito. Confesso que dias antes havia lido uma reportagem no El Tiempo analisando as possíveis ações terroristas e fiquei um tanto preocupado ao me ver em Bogotá justamente no dia das eleições. Mas tentamos não nos deixar abater ou influenciar e partimos para a rua, amparados pelo forte policiamento que, de verdade, nos deu uma sensação boa de segurança.

Um fato notável: apesar de tudo, os policiais e militares são todos muito corteses no trato com as pessoas.

O rumo do sábado de manhã foi a região da Candelária, zona histórica de Bogotá onde se concentram atrações sensacionais. O primeiro ponto de parada foi o Museo del Oro. É deslumbrante! Coisa de primeiro mundo.

Saindo dali, passamos por uma zona bem "centrão", mais pobre e cheia de comércio popular, mas que em nenhum momento nos deu medo de caminhar, porque havia policiais por todos os lados.

Achei engraçado ver que quem precisa telefonar aluga um celular ali mesmo, na calçada, dos muitos ambulantes que oferecem o serviço chamado de "minuto".

Seguimos a pé à Plaza Simón Bolívar, ponto de encontro de prédios históricos importantes, como o Capitólio, a Suprema Corte e a Catedral Primada. Os prédios antigos estão muito bem conservados.

Subimos a ladeira da Candelária, apreciando o casario antigo e procurando nosso objetivo-mor: o Museo Botero.

No museu, o ponto alto da visita a Bogotá: a obra de Fernando Botero. Imperdível, simplesmente! Bacana é que deixam fotografar à vontade, sem flash, e a gente tem vontade de clicar tudo! O Museu Botero foi um lugar marcante que realmente emocionou, ainda mais sob a vigilância de Monserrate, o majestoso monte colado à Candelária.

Depois de bater perna o sábado inteiro, a noite foi de descanso, após um ótimo jantar na própria Candelária, no restaurante El Corral do Centro Cultural Gabriel García Márquez.

Domingo, último dia, céu azul e rumamos a Usaquén, um bairro histórico onde fica o Mercado de Pulgas.

O Mercado de Pulgas tem lindo artesanato e pratos típicos para quem quiser conferir a culinária local. É um programa muito legal para a manhã de domingo.

O bairro de Usaquén é repleto de restaurantes transados e lota no domingo, quando bogotanos e turistas circulam pelas ruas estreitas de casinhas bem conservadas.

Usaquén conta também com um charmoso shopping construído unindo antigas casas de fazendas que lá existiam. O nome é Hacienda Santa Barbara.

Final da tarde, hora de deixar o hotel e voltar ao Brasil. Antes tive que comer um hamburguer com banana frita (platano), tipo chips, que me estava deixando curioso há dias...

Embarque no aeroporto El Dorado, com procedimentos tranquilos e rápidos. A ala internacional tem várias lojinhas pequenas duty free, onde dá para se divertir enquanto não chega a hora de entrar no avião.

Dicas

1. Bogotá é um excelente destino para quem quer gastar milhas ou vai ao Caribe ou outros destinos colombianos, como Cartagena e San Andres. A cidade é linda, limpa, arborizada e oferece muitas e ótimas opções culturais, gastronômicas e comerciais. O povo é muito educado e gentil.

2. A cidade transmite sensação de segurança, pois há policiais para onde se olha. Mas é bom não dar bobeira, porque continua sendo uma metrópole sulamericana (isso fala por si só). Mas Bogotá também dá a sensação de ser uma cidade que está melhorando, um lugar em que estão fazendo alguma coisa contra a violência e o tempo perdido. Isso deve ser apreciado (taxistas contam muito bem as trasformações positivas da capital).

3. Hospede-se na Zona Rosa (os Jardins, Leblon ou Moinhos de Vento de lá), não importa quanto tempo ficará em Bogotá. Infraestrutura completa e segurança são pontos altos. Acho que vale mesmo se for para apenas passar a noite e pegar uma conexão no outro dia. O bairro está a cerca de 25 minutos do aeroporto. Ficamos no Hotel GHL Hamilton, tipo business, muito correto, suítes amplas, café da manhã regular, staff atencioso, ideal para quem quer sair a pé.

4. Jante e curta a noite na Zona Rosa, mais especificamente na Zona-T. Recomendo o restaurante Via María, de pratos deliciosos e de preço justo. O mojito foi o melhor que já provei. Outro lugar bom para comer - e que está em vários pontos da cidade - é o restaurante El Corral. Há, além disso, os bares e restaurantes do Parque de la 93 e da Zona G (de gourmet), com boa reputação e em bairros próximos à Zona Rosa.

5. Os restaurantezinhos da Candelária oferecem uma experiência mais "roots", com pratos bem típicos. São bem simples e atraem muitos jovens turistas europeus e americanos. Não arrisquei, pois, confesso, não achei bom o aspecto dos lugares.

6. Use táxi, pois é muuuuuito barato. Pegamos vários táxis diretamente nas ruas e sempre deu tudo certo, com segurança e bons papos com os motoristas.

7. Os preços em geral são bem compatíveis com os brasileiros.

8. Pacotes de legítimo café colombiano são bons presentinhos de viagem. Os mais vendidos são os da Juan Valdez, uma espécie de MacDonald's do café. Mas atenção: os preços são bem mais baixos nos supermercados do que nas próprias cafeterias.

9) Reserve hotel com antecedência, pois a cidade é muito grande para sair procurando um lugar para ficar. Valorize seu tempo.

10. Leve um agasalho, pois o clima é sempre fresco devido à altitude. E por falar em altitude, estive ofegante durante todos os três dias em Bogotá (amarrar os sapatos era como fazer ginástica...). Minha esposa nada sentiu.

Opinião final

Bogotá é positivamente surpreendente. O medo inicial de ir a uma cidade tão marcada pela violência e pelo terrorismo se dissipa tão logo se pise na rua e se veja que as pessoas estão ali, normais, vivendo as suas vidas e aproveitando uma cidade que tem muito a oferecer. Acho que vale para Bogotá o exemplo do Rio de Janeiro (já se discutiu no VnV a questão do medo de visitar um lugar com fama de "mau"). E o melhor é que Bogotá fornece, realmente, sensação de segurança, o que é indispensável para se curtir uma viagem.

Muito bacana, Dionísio! Obrigado!

E em tempo: a foto que ilustra o post é do nosso Jotabê. E o relato dele de Bogotá, no Descobrimento da América+, pode ser lido aqui, aqui e aqui.

Leia mais:

53 comentários

Mari Campos
Mari CamposPermalinkResponder

Beeeeelo relato, Dionisio! Ando pensando - e muito! - em usar umas milhitas para conhecer a Colombia. Este ano ainda, se tudo der certo wink

Vera Lucia
Vera LuciaPermalinkResponder

Dionísio, adorei sua experiência em Bogotá. A nossa querida America do Sul está mais segura, com menos violência. Quem sabe em breve...

Pavan
PavanPermalinkResponder

Esse relato veio em hora muito apropriada. Vou pra Colômbia em junho, com as milhas da Gol, e estou fechando meu roteiro. Já vi que vou ter que ficar em Bogotá por mais um ou dois dias além do planejado, rs. Pra isso, acho que vou riscar da viagem a Zona Cafetera.

MIGUEL ANGELO / admviagens

Dionísio, que rica experiência essa sua, tenho muita curiosidade de conhecer Bogotá e consequentemente Aruba. Essa questão de segurança me faz adiar essa viagem até hoje, é um projeto a longo prazo, quem sabe daqui para lá a cidade perderá esse rótulo, e já está perdendo a partir de relatos como o seu carregados de credibilidade. Achei muito romântica essa sua visão da cidade quase um poema, quem sabe não me apaixono por ela também.

Abraço a todos-tenhamos uma semana abençoada.

Dionísio (www.espacovital.com.br)

Acho que Bogotá é um destino que está caindo de maduro. Me parece um ótimo momento para visitar a cidade e, provavelmente, outros pontos do país.

Devemos lembrar que neste ano haverá eleição presidencial e uma grande preocupação dos colombianos é sobre a capacidade dos candidatos de manter a bem sucedida política de segurança do atual presidente.

Por isso, há uma incerteza muito grande quando ao futuro, porque eles ainda estão começando a consolidar as boas práticas que vêm gerando bons resultados sociais, e temem que tudo se perca.

Espero que consigam manter e melhor o que está aí, mas minha sugestão é: quem puder ir, vá logo.

Edson
EdsonPermalinkResponder

Pessoal,
Estive em Bogotá há 2 anos e fiquei surpreso com a cidade. Realmente limpa, organizada, segura e com boas opções culturais e gastronômicas.
Para quem vai, recomendo dois lugares: Cerro Montserrat (de onde se pode ter uma vista fantástica da cidade) e a Categral de Sal na cidade vizinha de Zipaquirá (foi uma das coisa mais impressionantes e belas da viagem, independende do lado religioso).

Ermesto, o pato

Fui e tambem gostei, achei bom e barato, e um povo muito simpatico.

Recomendo também o museu do ouro,e uma visita ao mirante, que se faz com um trenzinho.

E o café é espetacular!v Qualquer café é uma delicia...

Érica França

Belo relato, Dionísio. Bacana saber que não são apenas números ue traduzem a maior segurança em Bogotá, mas também a sensação nas ruas. Isso conta muito.

Simone
SimonePermalinkResponder

Adorei o relato, vou com meu marido para Bogota em 16.05.10, vi muitas coisas na internet, vamos passar 7 dias na cidade, mas todas as pessoas que falo da viagem, dizem: "credo! cuidado com a Farc! Vcs sao malucos?"
Sinto que vou gostar muito da Colombia.

Ana
AnaPermalinkResponder

Os albergues em Bogotá são seguros?

Dionísio
DionísioPermalinkResponder

ANA, não tenho conhecimento sobre os albergues. Sugiro buscares junto à Hostelling International quais são os albergues de lá e depois fazeres uma pesquisa no TripAdvisor.

Ricardo Freire

O melhor lugar para procurar albergues é o http://www.hostelworld.com , traz os da HI e os outros, todos ranqueados por quem se hospedou.

Ricardo Freire

Bogotá é segura, Ana.

Gabriela
GabrielaPermalinkResponder

Oi Riq,

Por acaso você tem alguma indicação ou contato para aluguel de imóveis em Bogotá? Na verdade seria por no máximo 2 meses, para um casal que vai para lá em função da adoção de uma criança daquela cidade e precisa ficar lá durante esse tempo para que a criança se habitue a eles e todos os tramites legais sejam concluídos.
Estavam com tudo esquematizado, mas houve um furo da pessoa que os receberia e agora estão meio na corrida. Se você ou alguém puder dar uma indicação, agradeço muito.
Beijos
P.S. Ainda estou na Itália, mas indo para o Brasil via Atlanta (obrigada pelas dicas) logo, logo

Ricardo Freire

As palavras-chave para buscas são "vacation rentals", "apartments" e "apartamentos" pesquisados com "Bogotá".

https://www.viajenaviagem.com/2009/03/como-alugar-apartamentos-de-temporada-no-exterior-parte-1/

Lu Malheiros
Lu MalheirosPermalinkResponder

Gabriela,
O Edson fez uma pergunta semelhante há pouco tempo aqui mesmo neste post. Eu nunca aluguei apartamentos em Bogotá,mas dei a indicação de 2 sites para ele (leia os comentários até o final que você achará a minha reposta).
Boa sorte!

Gabriela
GabrielaPermalinkResponder

Obrigada, Lu e Riq. Vou olhar tudo direitinho. Ontem estava meio sonada e aflita para ajudar o casal em questão.
Beijos

Tassiane
TassianePermalinkResponder

olá!!!

Vc sabe me falar como é San Juan,Porto Rico, Mar do Caribe???

Ricardo Freire

A cidade antiga é das mais bonitas do Caribe. Mas não é propriamente um balneário -- não é pelas praias da cidade que você deveria sair do Brasil e ir para lá. As praias mais bonitas em Porto Rico estão em duas outras ilhas, Vieques e Culebra.

Nana
NanaPermalinkResponder

Olá pessoal, estarei em transito na cidade de Bogotá, no dia 25 de junho deste ano, ficarei la por 10 horas, estou sem saber o que fazer. Por gentileza alguem me sugere algo?
Muito obrigada
Abraços

Ricardo Freire

O mais conveniente nessas horas é pegar um táxi, dar um passeio no centro histórico e escolher um bom restaurante para almoçar.

Carlos Nascimento

Em Bogotá o táxi é barato, o transmilenio é moderno, mas são as busetas que fazem sucesso.
A cidade é apaixonante, e esta nova face se deve a Antanas Mockus, que conseguiu empurrar o candidato de Uribe para um segundo turno. Quando ele foi prefeito de Bogotá implantou o projeto que deu segurança à cidade, e a base de tudo foi a cultura, tanto que o programa se chamou "Cultura Cidadã".
À noite, na Candelária, o Restaurante "El Gato Gris" é uma boa pedida, bons preços e sempre uma boa música, bem próximo ao "Chorro de Quevedo" o lugar onde tradicionalmente se atribui o marco inicial da cidade.
Se quiser se sentir mais perto das estrelas, como lá se diz, vá à Monserrate (é aquela construção branca no alto do morro da foto acima), há duas opções, teleférico ou funicular, mas há quem suba à pé para pagar promessas. Lá há o Santuário do Senhor caído com uma impressionante imagem de Jesus Cristo.
Aos domingos pela manhã o centrão é fechado aos carros. E o policiamento é redobrado (sempre tem os lanceiros aproveitadores), mas não tenha medo.
Os Museus são fantásticos, além do Museu do Ouro, também são dignos de nota o Museu de Arte Colonial e o Museu Nacional.
Para quem viaja com crianças convém da uma passada na Maloka, um espaço interativo de Ciência e Tecnologia, além é claro do Museo de Los Niños.

Edgar Rodriguez

É isso ai fera. Sou bogotano é tudo o que você diz é assim mesmo. Valeu pelo ótimo comentário.

Edson
EdsonPermalinkResponder

Alguém poderia me dar uma indicação de onde procurar apartamentos mobiliados para alugar por temporada em Bogotá?

Lu Malheiros
Lu MalheirosPermalinkResponder

Edson,
Eu nunca usei mas tá no google http://www.welovebogota.com/ Eles alugam apartamentos e quartos. Este site aqui http://www.bogotarentapartments.com/ parece ter mais opções.
Abs,

Edson
EdsonPermalinkResponder

Lu,

Obrigadão pelas dicas. Vou ver se encontro ali o que busco.
Abrãção,
Edson

Daniela Franco

Recomendo demais fazer o tour de bike em Bogota, http://www.bogotabiketours.com/. O guia e dono da empresa é um jornalista americano, Mike, que sabe muito da historia de Bogota e da Colombia e te leva a lugares muito legais, que dificilmente voce iria sozinho (como o mercado de frutas/verduras/carnes onde fizemos uma degustacao de deliciosas frutas e o cemiterio, onde estao enterrados os principais ex-presidentes e outros "famosos", sempre com historias interessantes). Da para ter uma super ideia da cidade e recomendo o passeio no primeiro dia de Bogota. Bogota é uma cidade que merece ser visitada por nós brasileiros (pela Avianca sao apenas 5 horas de viagem em um Airbus novissimo!). Tem muita coisa para ser vista e os museus Botero e do Ouro sao fantasticos. So por eles ja vale a pena ir ate la.

ana
anaPermalinkResponder

Será que vcs têm dicas de hospedagem em Bogotá, por um preço mediano? Vou fazer um curso na Colombia e estou querendo aproveitar para passar uns 3 dias na cidade, mas estarei sozinha. Estou na faixa dos 30 anos e adoraria ir para um lugar que fosse fácil para conhecer gente...

Dionísio
DionísioPermalinkResponder

Ana, fiquei na Zona Rosa em um hotel chamado GHL Hamilton Court, com diária de 250 reais.

Bogotá não é barata na hotelaria, não.

Não sei o que é preço mediano para ti. Talvez 250 o sejam, pois há hoteis bem mais baratos (e bem mais simples) e vários outros caríssimos.

A Zona Rosa é um bairro mais classe A, com muita gente nas ruas, curtindo as lojas, bares, restaurantes e cafés. Realmente, tem muita, muita afluência mesmo de pessoas à noite.

mas, quando dizes "conhecer gente", se isso signifcar fazer uma amizade, conhecer mesmo (e não só ver), talvez uma hospedagem tipo hostel fosse mais indicada.

Pelo que senti em Bogotá, a zona da Candelária tem muita gente nesse perfil.

Luiz Jr. (Blog Boa Viagem)

eu ficaria na CANDELARIA no hostal fátima, pagando U$ 20,00 a diária, com facilidades como cozinha, quarto com banheiros privados de agua quente, áreas comuns com outros viajantes que podem lhe render boas experiências de vida, e todas as outras facilidades que os ALBERGUES podem nos proporcionar wink Eu fiquei lá, 4 dias, me apaixonei..., Bão, bunito e barato. No pé do monserrate!

vera sobral
vera sobralPermalinkResponder

ola....Sou fã do VnV, do Riq e dos seu "ajudantes" fieis...Isso é uma maravilha! Parabéns!!!

Preciso de dicas sobre SANA (RJ) hospedagem e o que fazer. Estarei por lá no inicio de novembro por 4 dias.

Abraços

vera

Dionísio
DionísioPermalinkResponder

Acabei de saber que agora tem Ibis em Bogotá: http://www.ibishotel.com/pt/hotel-7318-ibis-bogota-museo/index.shtml

Jamille Souza
Jamille SouzaPermalinkResponder

Oi Dionísio,

Na volta da minha lua de mel em Aruba-Curaçao vamos passar 4 dias em Bogotá. Gostaria de ficar na Zona Rosa, como você sugeriu, mas não achei esse bairro no hoteis.com. Você sabe se esse bairro tem outro nome ou fica perto do que?

um abraço

Dionísio
DionísioPermalinkResponder

JAMILLE, desculpe pela demora. Só hoje vi tua pergunta.

A Zona Rosa não é bem um bairro, e sim uma pequena área dentro de um bairro que, se não me engano, se chama La Providéncia. Também coladinha fica a zona chamada Retiro.

Fiquei no hotel GHL Hamilton.

Na mesma região tem os hotéis Andino Royal, La Boheme, Boeheme Royal, Saint Simon, Charleston, Virrey Park, Morrison, BH Retiro.

Clara
ClaraPermalinkResponder

Achei o relato legal. Acho que faltou sublinhar a altitude, 2.600 metros, que é muito relevante na escolha de um destino. Meu marido esteve em Bogotá num congresso este ano, e me contou que algumas pessoas sofreram com a altitude, umas mais, outras menos. Porém de resto, adorou a cidade e o relato dele coincide bastante com o seu.

Clara
ClaraPermalinkResponder

Outra coisa: a caminho dos EUA, fiquei impressionada com o nível de revista aos passageiros. T-o-d-o-s os passageiros(sem exceção) tiveram a bagagem de mão meticulosamente revistadas e foram pessoalmente revistados(apalpados, mas com respeito). Na volta idem, sendo que acrescento que minha bagagem de mão(e de todos, claro) foi submetida ao olfato de 2 cães policiais, um a 10 metros do outro. Nem nos EUA vi tanto cuidado.

Dionísio
DionísioPermalinkResponder

Pois, é, eu fiquei ofegante o tempo todo, durante três dias. Minha esposa não sentiu nada.

E talvez a revista mais rigorosa seja mesmo para voos aos EUA, porque nas nossas quatro passagens pelo aeroporto de Bogotá passamos incólumes e não vimos nada de mais com os outros passageiros.

Luca
LucaPermalinkResponder

O pior não é a revista para enrtar e sair dos países, mas a revista para entrar em museus e outros grandes espaços públicos. Não gostei tanto da cidade (embora tenha gostado do país). O forte da América Latina, definitivamente, não são as capitais (exceção honrosa feita à Buenos Aires).

Beatriz Mazer
Beatriz MazerPermalinkResponder

Nem me lembrei da altitude quando estive lá! vejam mais dicas no meu blog www.jovensdeespirito.com.br

Ronei
RoneiPermalinkResponder

Meu Caro,

Muito bom o seu relato. Realmente bastante explicativo.
Como estarei, de 12 a 28-03-2011, na Venezuela, Nicaragua, Costa Rica, Panamá e Colômbia, espero puder usufruir, na prática, das suas boas dicas.
Valeu!

Ricolin
RicolinPermalinkResponder

Muito bom relato. Sou fã do VnV e sempre o consulto antes de fazer uma viagem.
Irei para Bonaire em Abril via Bogota. Gostaria de saber mais informaçoes sobre o Duty Free do aeroporto e o que você recomenda trazer de lá que realmente compense.

Um abraço!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Ricolin!
Bonaire é para mergulhar, esperamos que você esteja indo lá para isso!
Duty free funciona assim: a gente se informa dos preços daqui antes, depois entra e vê o que está valendo a pena!

Roberto Marques

Oi Dionísio, tudo bem? Interessante o seu relato. Vou para Bogotá no próximo mês, ficarei 5 dias lá. O seu relato me deixou tranquilo e com a certeza de que vou gostar muito de lá. Um forte abraço.

Andressa Lopes

Estou indo pra Bogotá amanhã, e ADOREI a sua experiencia, e me deu um super ânimo!!!!
Valeu smile

Luis Fernando
Luis FernandoPermalinkResponder

Fui à Colômbia, Três vezes em Bogotá e uma vez na Ilha San Andrés, ótimo lugar para se conhecer. Indico à todos.

Fernando Mendes

Ola! Estou indo pra miami dia 17 de janeiro e vou fazer escala em bogota.
Gostaria de saber se precisa de levar um certificado de vacinacao de febre amarela par entrar no pais.
Grato!!!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Fernando! Um leitor relatou ter viajado para o Caribe via Bogotá e não ter sido indagado sobre a vacina. A gente sempre acha melhor tomar e despreocupar a cabeça.
Leia aqui:
https://www.viajenaviagem.com/2011/03/caribe-lima-panama-caracas-bogota-pediram-vacina-para-voce/comment-page-1/#comments

Bogotá, uma boa pedida na América do Sul | culturaeviagem

[...] Bogotá é uma cidade bem espalhada. Para não perder tempo com deslocamentos longos, eis abaixo algumas dicas retiradas do site https://www.viajenaviagem.com/2010/04/tres-dias-em-bogota-a-otima-experiencia-do-dionisio/ [...]

Barbara
BarbaraPermalinkResponder

Fizemos um passeio de 4:00 h por boa parte da cidade. unca fizemos nada tão fascinante. Bogotravel tours e Fernando= guia nos levou a um passeio inesquecível. É um grande conhecedor de Bogotá y colombia. A recepção e o guia foram muito atenciosos e prestativos para mostrar a cidade e também a história de cada um dos pontos visitados. Fora a parte turística, também passamos por zonas de comércio popular e outros pontos que são a verdadeira Bogotá.

Bogotravel tours: http://www.bogotraveltours.com/

Alicia
AliciaPermalinkResponder

Hola, sualmente os Bike tours já são muito interessantes pois reunem agilidade, pessoas interessantes e a visita aos pontos turisticos mais tradicionais.

Foram experiências, sabores (frutas num mercado local, e muitas histórias poco famozas =secretos)

Eu recomendo a todos os brasileiros que querem desfrutar

Recomento a todos: http://biketoursandrentalsbogota.com (Guia Fernando)

Tania Freire
Tania FreirePermalinkResponder

Estamos pretendo viajar para Bogotá e Cartagena em nov. desse ano e caso alguém possa comentar sobre cia aéreas e a melhor forma de viajar para esses destinos. Agradeço desde já. Gostaria também de saber se é melhor ficar na ida em Bogotá ou na volta de Cartagena seguindo para o Rio de Janeiro. Pelo que sei a única empresa que faz vôos diretos do Rio para Bogotá é a Avianca, correto?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Tania! Além da Avianca, também dá para ir pela panamenha Copa, via Cidade do Panamá. Eles têm uma subsidiária local. Dá para fazer Rio-Panamá-Bogotá-Cartagena-Panamá-Rio, quem sabe parando no Panamá na volta para fazer umas comprinhas.

Leia:
https://www.viajenaviagem.com/destino/bogota
https://www.viajenaviagemcom/destino/cartagena
https://www.viajenaviagem.com/destino/panama

martha
marthaPermalinkResponder

Dionisio, muito esclarecedor seu relato do passeio por Bogotá. Ajudou muito. Parabéns!!!!

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar