Montreal: um pé lá, outro cá

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Montreal

É normal que cidades ofereçam contrastes, mas nesse quesito fica difícil bater Montreal. Dividida entre a Europa e o Novo Mundo, o Canadá unido e a autonomia regional, o francês e o inglês, a segunda maior cidade canadense faz do seu caldo de contradições o seu maior charme. Em nenhum lugar do mundo ocidental a questão da língua é tão preponderante.

Vieux Montréal

Barcelona pode ter abraçado o catalão com desmedido entusiasmo depois do fim do franquismo, mas o fato é que ali toda a população é perfeitamente bilíngüe. Já em Montreal, segundo o censo de 2006, pouco além da metade da população se declara fluente em francês e inglês. Quem atende ao público, porém, normalmente fala inglês. Por ironia, o turista que fale francês talvez tenha mais problemas para se comunicar, já que o sotaque québecois é virtualmente impenetrável para ouvidos não habituados.

Vieux Montréal

Mais francesa que a França

Fundada por franceses em 1642, Montreal logo se tornou o principal centro do comércio de peles da América do Norte. O domínio da França, contudo, durou apenas até 1760, quando as colônias francesas do Canadá foram entregues à Inglaterra como conseqüência da vitória britânica na Guerra dos Sete Anos. Mesmo constituindo a minoria da população, os ingleses formavam a elite de Montreal, controlando a banca e o comércio. Ainda durante o período colonial britânico os anglos fundaram a Universidade McGill, a mais importante e prestigiosa da cidade – e onde até hoje as aulas são dadas em inglês.

Universidade McGill, Montreal

A dominação cultural da elite anglófona só foi seriamente contestada pela maioria québecoise a partir da década de 1970. Desde então uma legislação lingüística rigorosa regula a comunicação no serviço público (onde o bilingüismo é obrigatório), nas escolas (as aulas podem até ser em inglês, mas os trabalhos podem ser apresentados em francês, mesmo na McGill) e no comércio. Todos os letreiros de Montreal precisam estar em francês – e é por isso que você vai ler coisas como “Café Starbucks Coffe” ou “Poulet Frit du Kentucky” (em vez de Kentucky Fried Chicken).

Montreal

O purismo é tamanho que faz o francês aparecer em ocasiões em que já não é mais usado na França. A placa “PARE”, que em território francês é “STOP”, em Montreal é “ARRÊT”. Estacionamento, que em qualquer cafundó da França é “Parking”, no Québec é “Stationemment”. Vale a pena prestar atenção nesses detalhes. Em plena era da globalização, é uma experiência única estar num lugar onde a língua universal é combatida com tanto (e provavelmente inútil) esforço.

Montreal, igreja anglicana

Entenda a cidade

Montreal está situada numa ilha do rio São Lourenço, ao pé do Mont Royal (que em francês arcaico se chamava “Mont Réal”, daí o nome). O Boulevard St.-Laurent divide a cidade entre o Oeste anglófono (você percebe pelo nome das ruas: University, Peel, Mansfield) e o Leste québecois. É provável que você se hospede no leste anglo – onde estão a principal zona hoteleira, o grande comércio e a estação de trem – e faça turistagem no leste francês, região em que se encontram a cidade antiga, o porto e o parque olímpíco.

Catedral de Montreal

No eixo leste-oeste, a rua mais importante é a Sainte-Catherine, que vai mudando de cara conforme a região. No canto oeste estão as grandes lojas de departamento. Passando o Boulevard St.-Laurent a rua se torna o epicentro do Quartier des Spectacles, o bairro dos teatros e centros culturais. Continuando para leste você passa pela Universidade de Québec em Montreal (UQÀM) e pela rodoviária e chega ao Gay Village.

Gay Village, Montreal
Mont-Royal, Montreal

Fora da região turística fica o Plateau du Mont-Royal, onde predominam as casas de três andares típicas da cidade e há bons restaurantes frequentados pelos locais (o principal polo é a rua Duluth). Há também muitos enclaves de comunidades de imigrantes; o mais colorido – e mais fácil de visitar – é Chinatown, que fica próxima à cidade antiga, ao longo da rue de la Gauchetière e suas transversais.

Chinatown, Montreal

Aproveite o metrô

Quando a temperatura permite, Montreal é um bom lugar para caminhar: quase tudo é plano (na parte central, a exceção é uma subidinha entre a rue Sainte-Catherine e a Sheerbrooke, coisa de duas quadras). No frio ou debaixo de chuva, existe a famosa rede de galerias subterrâneas. Com pressa ou preguiça, porém, o metrô é uma mão na roda: fácil de entender, limpo, fluido. E é a melhor maneira de chegar a lugares como a ilha de Santa Helena, o Parque Olímpico e o bairro do Plateau du Mont-Royal. A viagem avulsa é muito cara: 3 dólares canadenses. O negócio é comprar um passe de um dia (8 dólares canadenses) ou três dias (16 dólares canadenses). O passe de um dia se paga em três viagens; o de três dias, em seis; ambos são válidos no ônibus da STM para o aeroporto (tarifa avulsa, 8 dólares canadenses).

As estações valem por um guia turístico. Na linha verde, desça em Peel para ir ao Museu de Belas Artes e aos bares das ruas Crescent e Maisonneuve; na Place des Arts para o Museu de Arte Contemporânea; em Berri/UQAM para os barzinhos da rue St.-Denis; em Beaudry para o Gay Villlage; em Viau para o Parque Olímpico, Torre de Montreal e a estufa Biodôme.

Museu de Belas Artes, Montreal

Crescent Street, Montreal

Biodôme + Torre de Montreal

Vista da Torre de Montreal

Biodôme, Montreal

Na linha laranja, Bonaventure é ligada à estação de trem; Square-Victoria leva aos bares transados da extremidade da rue McGill próximos ao porto; a Place d’Armes é o melhor acesso à cidade antiga e a Chinatown, e Mont-Royal serve para os restaurantes da rue Duluth.

Porto de Montreal

Place d'Armes, Montreal

A linha amarela é curtinha mas é o melhor caminho para a ilha Santa Helena, onde estão o museu Biosphère, dedicado ao meio ambiente, o Cassino de Montreal e o parque de diversões La Ronde, que pertence à família Six Flags. No verão também é montada uma praia fluvial. Leia mais sobre o metrô aqui.

Ilha Ste. Helène vista da Torre de Montreal

Montreal

A cidade subterrânea

Montreal tem a maior rede do planeta de passagens construídas sob a terra, a RÉSO. São mais de 30 km de túneis e galerias que tornam a cidade mais habitável durante o interminável inverno canadense. Não se trata, porém, de um universo paralelo, como muitos forasteiros imaginam. A RÉSO é apenas a interligação entre os pisos subterrâneos de shopping centers e edifícios comerciais. Na maior parte do tempo você se sente dentro de um shopping center, não de uma galeria de passagem. É preciso usar um mapinha em que os pontos de acesso à superfície (os shoppings, edifícios ou metrô) aparecem como “estações”. Para não se perder, basta ver na sinalização dos corredores a direção da próxima “estação” do seu percurso. Leia mais sobre as galerias aqui.

Bixi, Montreal

Chegar e ficar

A pouco menos de cinco horas de trem de Toronto e a três horas de Québec (com wifi a bordo!), Montreal compõe um roteiro ferroviário perfeito para quem quer explorar o leste do Canadá sem os contratempos dos aeroportos (mas para voltar de Quebec a Toronto, use o avião).

Quem chega a Montreal de trem já está muito próximo da principal região hoteleira da cidade. O hotel Fairmont Queen Elizabeth é interligado à estação; o renovado Novotel está a cinco minutos de táxi. Outro ótimo ponto para se hospedar é o início da rua Sherbrook – uma localização conveniente tanto para a cidade antiga quanto para a zona comercial. Por ali, fique no metido Hotel 10 (desde US$ 175) ou no funcional Hilton Garden Inn (desde US$ 160)

Mile End, MontrealTorre de MontrealVieux Montréal

Leia mais:

117 comentários

herbal
herbalPermalinkResponder

Hello!

Gigi
GigiPermalinkResponder

Boa noite
Sou fã do Ricardo Freire. Acompanho suas dicas, tanto no jornal Estado de São Paulo como no site.
Gostaria de viajar no outono, de carro, passando pelo estado de Vermont até Montreal e Otawa.
Preciso de ajuda para o itinerário, pois não sei de onde sair e o que conhecer no caminho. Só sei que nessa época as árvores estão com um colorido especial.
Desde já agradeço
Gigi

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Gigi!

Leia o roteiro pela Nova Inglaterra da Kênia:
https://www.viajenaviagem.com/2013/02/nova-inglaterra-de-carro-roteiro-dicas

christiane wakisaka

ola, bom dia, vamos eu, meu marido, filhos de 14 e 16 anos e minha mae de 73 anos, de 09 a 20 de outubro - semana do saco cheio - para o canada, com intenção de conhecer montreal , otawa, toronto e quebec, voce sugere algum roteiro saindo de Sao Paulo? pensei em ir direto de avião ate quebec, quebec a montreal de carro (temo neve, ou e muito improvável nesta época? a estrada 40 que margeia o lago st pierre ou a 20? ) ou trem, e depois montreal a otawa tb de trem ou carro, obrigada, christiane

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Christiane! Veja dicas para a sua viagem aqui: https://www.viajenaviagem.com/destino/canada

Emanuel Lima
Emanuel LimaPermalinkResponder

Vivi lá de 1973 a 1983. Retornei lá em 2011. Sempre foi um lugar bom para se viver.

Mara
MaraPermalinkResponder

Oi bóia!
Estou tentando comprar passagem de trem no site da viarail mas não completa... alguém passou por isso aqui? não é possível comprar do Brasil, tem que ser na hora lá?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Mara! Conseguimos ir até a última página antes de comprar. Se o seu problema for com cartão de crédito, desbloqueie para compras internacionais e volte a tentar.

Ana Carolina
Ana CarolinaPermalinkResponder

Estou em busca de um Intercâmbio no Canadá, e me deram a opção de escolher entre Montreal, Vancouver e Toronto. Tenho domínio do Inglês, mas não sei falar nada em francês, e gostaria de fazer o curso do Idioma em Montreal. Será que consigo me virar na cidade sem saber falar o Francês? Obrigada

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Ana Carolina! A maior parte dos habitantes de Montreal é bilíngüe.

Maria Luiza
Maria LuizaPermalinkResponder

Vou a Nova York em maio e estou planejando fazer uma viagem de trem pela Amtrak até Montreal, ficar uns dois ou três dias e retornar à Nova York. A viagem é muito cansativa, vale a pena? Onde ficar e o que ver em dois dias em Montreal?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Maria Luiza! Veja dicas de Montreal:
https://www.viajenaviagem.com/destino/montreal

A viagem de trem leva 11 horas, não é exatamente um passeio.

Apinages Martins Lima

é mais pratico viajar na costa leste de trem ou carro?

Lucas
LucasPermalinkResponder

Olá!
No post, Ricardo sugere ir de trem de Toronto a Montreal e dps Quebec e voltar de Quebec para Toronto de avião, certo?! Existe alguma forma de fazer uma compra integrada ou devo comprar as passagens de trem e avião separadamente mesmo?
Obrigado!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Lucas! Separadamente.

Joao
JoaoPermalinkResponder

Sobre taxis: Fui enganado no aeroporto de Toronto e na estação de trem de Montreal usando os taxis aparentemente oficiais (aqueles que pegamos na fila). Recomendo fortemente o Uber. Todos que peguei foram otimos e muito eficientes e respeitosos.

Marcia Silva Tachibana

Obrigada. Ótima dica

Mônica
MônicaPermalinkResponder

Olá! Por que a recomendação de voltar de avião de Quebec a Toronto de avião - e não de trem?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Mônica! Porque de trem são de 9 a 10 horas de viagem. Uma viagem de 9 a 10 horas de trem é muito chata.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar