Metrô de Paris: leitora conta como agem os batedores de carteira

Mariana Amaral
por Mariana Amaral

Metrô de Paris

Histórias sobre furtos e golpes contra turistas não são novidade em relatos de viagem às capitais da Europa. A Priscila procurou nossa página no Facebook para alertar outros turistas sobre a ação de batedores de carteiras -- ou pickpockets, em inglês ou francês -- nos metrôs e pontos turísticos de Paris.

No meu segundo dia em Paris, eu e minha amiga fomos encontrar minha tia e meu primo na estação Denfert-Rochereau, onde pára o ônibus Orlybus. Fizemos um tempinho ali na pracinha e depois seguimos para a estação de metrô. Quando o trem chegou, a porta abriu e eu e meu primo entramos primeiro, mas me chamou a atenção um adolescente que ficou parado e não me deu passagem. Eu pus a mala na minha frente e fui entrando e achei aquilo super estranho. Quando a minha amiga e minha tia foram entrar, duas garotas adolescentes, uma delas grávida, ficaram fechando a frente das duas enquanto elas tentavam entrar antes que a porta do trem fechasse. Quando a porta fechou elas conseguiram se desvencilhar das meninas e sentaram.

Neste instante apareceu um senhor que veio correndo, gritando, falando alguma coisa em francês que a gente não entendia e apontava para dentro do trem. Esse senhor estava acompanhado de mais duas pessoas. O trem saiu e a nós ficamos meio assustados porque não entendemos o que o homem falava... Então minha amiga detectou a bolsa aberta e a falta da carteira. Daí minha amiga apontou para a menina grávida e falou: "Ela roubou minha carteira!!!". Minha tia, num ímpeto, olhou para a cara das meninas e falou em português em tom bem enérgico: "Devolve a carteira dela!!!". E para a nossa surpresa ao invés deles devolverem uma carteira, vieram duas! Pois minha tia não se deu conta que elas tinham pego a carteira dela também! O trem chegou na próxima estação, Raspail, e eles desceram na maior cara dura.

Minha amiga não se ligou em deixar o dinheiro em espécie que ela levou para a viagem no hotel e eles pegaram 500 euros da carteira dela. Da carteira da minha tia eles pegaram 50 euros. Ficamos sem reação, completamente atônitos!

Quando chegamos no hotel contamos para a gerente para ver o que podíamos fazer. Ela disse que não tinha o que fazer, mas falou para tomarmos cuidado com os pickpockets. Eles ficam nas estações mais visadas: Denfert-Rochereau, Étoile, Louvre, La Défense, etc. Sempre estão em bandinhos – 1 menino com 2 meninas, ou 3 meninas; são romenos e adolescentes, normalmente empurram as pessoas na porta do metrô para a pessoa cair e pegam a bolsa.

No domingo eu fui ao Louvre e em todos os pontos do museu tem avisos para tomar cuidado com os pickpockets. Funcionários do museu estão espalhados por todas as salas, sempre circulando. Há 10 meses estive no Louvre e não tinha esses avisos! Isso significa que a situação está bem crítica! Dentro de Versailles também tinha aviso para tomar cuidado com os pickpockets. No domingo, quando voltávamos para o hotel de metrô, um casal sentado em nossa frente percebeu também que havia sido roubado.

Na quarta antes de vir embora estivemos na estação Denfert-Rochereau pois a gerente nos orientou para irmos até lá comunicar o roubo ao funcionário que fica no guichê. Fomos até lá, eu contei tudo o que aconteceu e ele verificou num caderno de ocorrência que eles têm para ver se havia algum registro e não tinha nada. Daí ele ligou para uma central e me disse o seguinte: que poderíamos ter ido na Gare de Lyon, que é onde fica a polícia que cuida desses casos de roubos pelos pickpockets. Ele nos perguntou também se nós seríamos capazes de reconhecê-los e eu disse que sim. Mas, infelizmente, não tínhamos mais tempo para isso...

Acho legal compartilhar isso com vocês para alertar quem está indo para Paris, e para a Europa em geral, pois no meu hotel tinha uma moça viajando com a mãe e elas foram assaltadas em Portugal e na Itália.

No ano passado eu pegava todo dia essa linha de metrô e minha bolsa não tinha nem zíper e graças a Deus não aconteceu nada desse tipo. Mas vejo que agora as coisas estão bem complicadas.

Então acredito que o melhor meio neste tipo de caso é a prevenção. Paris é linda, os turistas vão cheios de dinheiro para gastar, as pessoas ficam envolvidas numa atmosfera de romantismo e inocência que a própria cidade inspira e se esquecem dos problemas sociais gerados por uma grande crise que eles enfrentam. A impressão que se tem é que ninguém faz nada porque os roubados são os turistas, e enquanto houver turistas "alimentando" esse tipo de negócio, os nativos estão a salvo. Não sei se meu pensamento é certo, mas é essa a impressão que se tem... infelizmente!

Use o relato da Priscila para não esquecer de tomar os cuidados de sempre: nunca andar com grandes quantias de dinheiro; guardar o passaporte no cofre do hotel; não usar o bolso da calça para colocar a carteira; não deixar itens importantes nas partes de fácil acesso da mochila; usar bolsas com fecho e carregar junto ao corpo, principalmente dentro de transportes públicos.

Leia também:

70 comentários

Tarcísio
TarcísioPermalinkResponder

Estive em Paris em janeiro de 2017 pela primeira vez e não volto nunca mais, perigosa e decadente!
Não recomendo para ninguém, há lugares mais tranquilos para ir.

Michel Dantas
Michel DantasPermalinkResponder

Concordo em todos os aspectos. Senti-me no Rio de Janeiro; uma cidade bela, mas muito perigosa. Não vai demorar muito para os furtos evoluírem para os assaltos à mão armada...

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar