Canal St.-Martin, onde o verão de Paris acontece

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Canal St.-Martin

Nas minhas últimas três passagens por Paris (duas bem rapidinhas, em outubro e dezembro de 2011; e uma de 8 dias, em julho de 2013), me hospedei numa região que a cada volta me conquista mais: o Canal St.-Martin, no 10º arrondissement.

Canal St.-MartinCanal St.-Martin

Vista do "meu" apê

Charmoso, informal, desencanado, o Canal St.-Martin é um oásis de despretensão em Paris. Um lugar desprovido de monumentos, museus ou prédios demasiadamente históricos, e que por isso acaba atraindo uma maioria de parisienses em busca de diversão, misturada com um tipo especial de turista: aquele que não está interessado apenas em atrações turísticas.

O ano inteiro, a região é uma pintura, graças às pontes de pedestres arqueadas, acopladas a escadarias, que permitem a passagem de barcaças e elevam os passantes à altura das copas das árvores.

Canal St.-MartinCanal St.-Martin

Canal St.-Martin

O tráfego de barcos -- tanto de passeio, quanto de carga -- passa por uma eclusa: o barco fica represado enquanto o nível da água é artificialmente ajustado. Sempre que isso acontece, junta gente para assistir. (Mas acho que a operação não é tão divertida para quem está preso no barco, não; a Lina do Conexão Paris é da mesma opinião.)

Canal St.-MartinCanal St.-Martin

Verão no canal

No verão, a festa móvel de Paris se transfere para cá: em dias (e noites) quentes, as margens do canal ficam tomadas por uma moçada que vem tirar os sapatos e fazer piqueniques regados a cerveja ou rosé. (O gramado do Jardin Villemin, um parque que vai até o quai de Valmy, vira uma prainha.) Bares e bistrôs das redondezas vendem sandubas e comidinhas à emporter (pra viagem). A pizzaria Pink Flamingo inventou sua própria bossa: você faz o pedido no restaurante e, ao pagar, recebe um balão numerado. Quando a pizza fica pronta, o entregador localiza você na margem do canal pelo número no balão.

Jardin Villemin

Jardin Villemin

Menos metido do que o Marais, mais charmoso do que a Bastille e bem menos turisticão do que o Quartier Latin, o Canal St.-Martin proporciona uma ~pausa que refresca~ na sua turistagem parisiense. Dê uma voltinha por aqui: tenho certeza de que você também vai se apaixonar.

Canal St.-Martin

Canal St.-Martin no outono

Veja como chegar e onde ficar, comer, beber e comprar no Canal St.-Martin:

Como chegar ao Canal St.-Martin

A estação mais conveniente para o miolinho-filé do bairro é a Jacques Bonsergent, que faz parte da linha 5 (Bobigny-Place d'Italie). Mas dá para vir caminhando de duas estações mais poderosas: République, servida pelas linhas 3, 5, 8, 9 e 11, e Gare de l'Est, para quem vem pelas linhas 4, 5 e 7.

.
É tranqüilo vir a pé do Marais: são uns 30/40 minutos pelo caminho mais reto (saia pela rue de Turenne, nas imediações da Place des Vosges, e você vai dar na République).

Onde se hospedar no Canal St.-Martin

O hotel mais cool do pedaço é o Le Citizen, de apenas 12 quartos, todos com vista para o canal. Não é barato (mas no Marais custaria o dobro).

No miolinho do bairro, em meio às lojas e bistrozinhos, considere o charmoso Garden St.-Martin ou os econômicos Soft e Kyriad Paris 10.

A meio caminho entre a estação République e o Canal, o Ibis Styles Paris République deixa você na porta tanto da vida boêmia do bairro quanto da estação mais prática da região.

Dentre os hotéis nas redondezas da Gare de l'Est, o Timhotel Gare de l'Est (vizinho ao Jardin Villemin) e o Ibis Gare de l'Est (numa ruazinha transversal do Boulevard Magenta) são os que têm localização mais simpática (dá até para esquecer que você está pertinho de uma estação de trem).

A novidade do bairro é o hostel-design Generator, que fica perto do bochicho e tem também quartos privativos.

Onde comer e beber no Canal St.-Martin

.
As duas margens do canal (quai de Valmy e quai de Jemmapes) e as ruelas transversais e paralelas são cheias de cafés, bares e pequenos restaurantes. Pouquíssimos têm grandes pretensões gastronômicas, mas no geral come-se bem, a preços palatáveis. Como os lugares são pequenos, é recomendável reservar (por telefone ou email; pode ser em inglês).

Hôtel du NordHôtel du Nord

Hôtel du Nord

Uma das estrelas do canal -- não pela comida, mas pelo ambiente -- é o Hôtel du Nord (102 quai de Jemmapes, tel. 01 40 40 78 78, laurie@hoteldunord.org), que não é hotel, apenas usa o nome do célebre filme rodado nos anos 30 no canal.

Já a unanimidade entre os foodies é o bar à vins Le Verre Volé (67 rue de Lancry, tel. 01 48 03 17 34), com menu bistronomique que muda a cada refeição.

Pink FlamingoLe Cinquante

Pink Flamingo | Le Cinquante

Para receber sua pizza à beira do canal, passe no hypadíssimo Pink Flamingo (67 rue Bichat, tel. 01 42 02 31 70). Mas as pizzas não só só hype, não: as coberturas são originalíssimas, e usam ingredientes como queijo de cabra, figos frescos, homus e curries orientais.

Outro clássico do bairro é o baratíssimo Le Cambodge (10 avenue Richerand, tel. 01 44 84 37 70), que não aceita reservas e serve comida cambojana autêntica (o prato mais pedido é o bobun, uma sopa com macarrão de arroz e rolinhos fritos). A espera é sempre tão grande que abriram uma filial no fim da rua, o Le Petit Cambodge (20 rue Alibert, tel. 01 42 45 80 88 ), aberto sem interrupção entre almoço e jantar. Entre os dois cambojanos, a cantina La Madonnina (10 rue Marie et Louise, tel. 01 32 41 25 26) prepara massas autênticas como no sul da Itália (comi um rigatoni à siciliana de chorar de bom), e o Le Carillon (18 rue Alibert) é o perfeito café de esquina onde vale a pena esperar por uma mesa na calçada.

Canal St.-Martin

No quai de Valmy, o Chez Prune (36 rue Beaurepaire) tem a calçada mais disputada. Se você passear de dia, entre segunda e sexta, procure a premiadíssima padaria Du Pain et des Idées (34 rue Yves Toudic, esquina rue de Marseille), uma das preferidas da querida Constance Escobar. Na mesma rua, o bar de tapas Les Voisins (27 rue Yves Toudic, tel. 01 42 49 36 58 ) combina com uma noite de verão. Entre os bistrôs bem franceses da área, o Les Enfants Perdus (9 rue des Récollets) é bem recomendado. Já o onipresente tailandês Mme Shawn (56 rue de Lancry, tel. 01 42 38 07 37; 34 rue Yves Toudic, tel. 01 42 08 05 07; e 3 rue des Récollets, tel. 01 42 72 36 06) faz a linha pra francês ver: os sabores são domesticados (assim como o brasileiro, o francês não curte pimenta). Não importa onde você jante, recomendo que dê uma passadinha depois no irresistível bar Le Cinquante (50 rue de Lancry, tel. 01 42 02 36 83), uma portinha que preserva a decoração original de fórmica, para um último armagnac de pé na calçada antes de dormir.

Mas não fique só com essas indicações. Faça suas próprias descobertas: passeie uma tarde pelas ruelas internas do bairro e várias portinhas vão chamar sua atenção; confie no seu taco e faça uma reserva para voltar outra noite.

Onde comprar no Canal St.-Martin

Canal St.-MartinCanal St.-MartinCanal St.-Martin

Flanando pelo canal

As lojinhas independentes são um dos atrativos do bairro e estão espalhadas pelas ruazinhas. Duas ruas, porém, concentram as lojas de novos estilistas que começam a ser badalados: a rue de Marseille e a Beaurepaire. O Conexão Paris tem um post muito bacana sobre compras na área.

Leia mais:

17 comentários

Claudia Matoso

Em função da época (início de abril) e do dia bem nublado, não foi ainda dessa vez que vi o Canal lotado de gente. Mas concordo que, independente da época, é uma delícia de passeio, e fotogênico demais. No meu caso, tinha sempre uma ou outra árvore lotada de florzinhas rosas pra deixar ainda mais bonita a foto! smile

Nati S.
Nati S.PermalinkResponder

Um outro bar suuuuper legal na região do canal é o Comptoir Général http://www.lecomptoirgeneral.com/

Lu
LuPermalinkResponder

Eh uma delícia de lugar, mas c/frio e chuva, como é ao ar livre, perde um pouco da graça.
Uma das vezes comi no Fuxia, q tem de tudo um pouco, saladas, porções, sandubas, e tem um astral bem legal! Fica do outro lado do Hotel du Nord, um pouco mais acima, numa esquina. É sentar ali e ficar vendo o movimento.
De outra vez, comi no Robinet d'Or, q me foi indicado por um cara do hotel. É simpático, só tem locais e o preço é bom, mas a comida ñ é nenhuma Brastemp, apenas honesta! Fomos lá num sábado e depois viemos descendo À beira do Canal a pé. Foi mto legal, Estava cheio de jovens descolados, mto movimento, bem animado!
Mas, concordo c/o Riq q é um lugar prá ver parisienses passeando, ñ tem nada de turísticagem.

Neftalí
NeftalíPermalinkResponder

Indico o restaurante L’Auberge Pyrénées Cévennes, na Rue de la Folie Méricourt 106, perto do começo do canal. O melhor cassoulet de Paris!! Não é barato nem caro, o menu custa uns 30 euros, mas para mim valeu cada centavo. Tem que ter cuidado pois as porções são gigantes, é comida tradicional francesa, especialmente do sudoeste. Quem gosta de feijoada vai amar esse cassoulet.

Priscila Reis
Priscila ReisPermalinkResponder

Que delícia de post! Realmente essa área vem crescendo bastante, atraindo pessoas que querem estar numa Paris menos turística, menos sofisticada. E o verão em Paris...sempre agradável, quando até os parisienses se dão ao luxo de relaxar e sorrir smile

Da última vez que estive em Paris, também adorei flanar por Montmartre. Mas não a Montmartre do Moulin Rouge. Descobri uma Montmartre local, gourmet, cheia de quitandas, vendinhas, ruas charmosas. Sem nenhuma pretensão, me apaixonei e escrevi esse post lá no blog: http://www.voali.com.br/passeio-em-montmartre-o-bairro-mais-charmoso-e-boemio-de-paris/

Amei!

Cristina
CristinaPermalinkResponder

Já fiquei nesse Ibis Ibis Gare de l’Est numa noite de domingo para segunda, para pegar um trem no dia seguinte. Demos uma volta atrás de um café, todos fechados, voltamos para ele e o café da manhã padrão Ibis foi a melhor opção. Ja fiquei tb no Ibis Republique e no verão realmente essa região é outra, pelas fotos.

Laura
LauraPermalinkResponder

Eu passei lua de mel em Paris , fiquei hospedada pertinho do Hotel du Nord ao lado do Canal Saint Martin, conhecem o filme ? http://www.saboreandoparis.com/filmes-sobre-cidade-de-paris/
Adorei o Bairro , quero sempre me hospedar la

Mila
MilaPermalinkResponder

Olá Bóia! Em primeiro lugar, adoro o site e as suas dicas e do Ricardo!!! Elas me ajudaram muito. Bem, estive em maio em Paris e, num fim de tarde/início de noite, fui andando da Place de la Republique (pertinho do meu hotel) até o Canal na altura da estação Stalingrad.. Fã do clássico de Jean-Pierre Jeunet, acabei me desapontando, pois achei a região meio estranha, em certos pontos erma e, mais próximo da estação supracitada, tive até uma sensação de insegurança (única em 2 semanas que passei em Paris).. será que foi só impressão ou eu dei azar naquele dia??? Por conta disso, nem cogitava numa próxima ida a Paris voltar ao canal, mas seu post me fez pensar sobre isso.. abraços

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Mila! O trecho bacana do Canal St.-Martin está descrito e delimitado no mapa inserido no post. Stalingrad está muito adiante deste trecho.

Fora do verão, não há muita atividade visível na rua. Você foi em maio. O título do post é “Paris no verão”. Em maio a garotada ainda não está fazendo piquenique nas margens.

Quanto à sensação de insegurança: o problema na Europa não são as ruas ermas nem as regiões habitadas por imigrantes. O problema da segurança aos turistas está no transporte público e nos locais turísticos.

Leia:
https://www.viajenaviagem.com/2013/07/europa-inseguranca-turismo

Vera Moreira
Vera MoreiraPermalinkResponder

Olá...
Pessoal amei o post sobre o Canal Saint Martin. Pretendo passar um mês em Paris em maio/2015 e estou escolhendo um bairro pra ficar. Preciso de orientação para alugar um apartamento de 1 quarto ou estúdio, justo num bairro charmoso e não tão caro.Pergunto a vocês, que conhecem, qual a melhor opção?? Agradeço a gentileza.Vera Moreira

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Vera! Conheça aqui as regiões de Paris e descubra onde é melhor ficar: https://www.viajenaviagem.com/2011/10/em-que-regioes-de-paris-e-melhor-se-hospedar

Andrei Lopes
Andrei LopesPermalinkResponder

Boa Tarde!
Ja estive em Paris em maio 2014, porem pretendo voltar agora em agosto (ferias escolares) (Paris/Belgica/Amsterda) com meu filho de 12 anos, porem ja entrei em alguns blogs e no geral dizem que é uma péssima época para ir para Europa.
O que você acha, loucura ir nessa época ou tem um roteiro menos lotado (ou vazio demais como em alguns comentários)?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Andrei! Agosto é lotado e quente no sul e no leste da Europa. É uma boa época para Europa central e nórdica. Seu roteiro é viável.

Maiana
MaianaPermalinkResponder

Boa noite! Lendo o texto, notei que em uma das visitas o Ricardo ficou hospedado na região do Canal Saint Martin no inverno (dezembro). Contudo, o post é bastante específico quanto ao verão. Pretendo ir em dezembro, passar o Natal em Paris e lendo as dicas pensei em me hospedar na região por 04 noites, mais especificamente no Hotel Ibis Paris Canal Saint Martin (12 Rue Louis Blanc). Seria uma boa opção ou no inverno, e mais especificamente no Natal, a cidade seria melhor aproveitada em outra localização? Aceito sugestões! Obrigada!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Maiana! No inverno o movimento cai bastante e a região ganha um quê melancólico. Tem a sua beleza e o seu charme, mas não provoca o frisson do verão.

Helena
HelenaPermalinkResponder

Quero conhecer está rua !

Vânia Lúcia Oliveira Fernandes

O local é charmoso
Vc vê a. Vida do parisiense. Ótimo para relaxar

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar