Lares Adventure, dia 1: pachamanca na montanha e caminhada a Pisaq Alto

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Lares Adventure

Moradores de Viacha

Fui convidado pela Mountain Lodges of Peru para testar seu circuito The Lares Adventure, que vai de Cusco a Machu Picchu ziguezagueando entre o Vale Sagrado (que faz parte do roteiro básico de todo visitante à região) e uma região um pouco acima onde se encontram comunidades mais autênticas.

Cusco

Cusco

Durante cinco dias – depois de dois dias de aclimatação à altitude em Cusco (altitude: 3.430 m) – fui levado às maiores atrações do Vale Sagrado (sempre no momento em que havia menos turistas) e também a povoados e paisagens aonde dificilmente conseguiria chegar por conta própria. A cada dia, meu único trabalho era escolher entre os passeios oferecidos: o cardápio de atividades sempre inclui um programa cultural e duas caminhadas opcionais.

Não é barato, mas supervale o que custa: a diária da parte terrestre sai 400 dólares por pessoa, cobrindo acomodação, refeições, deslocamentos (inclusive o trem a Machu Picchu) e ingressos de todas as atrações (inclusive Machu Picchu). É um preço compatível com programas deste gênero, como os dos hotéis bacanas que incluem refeições e passeios no Atacama e na Patagônia chilena.

Se está fora do seu orçamento, não se preocupe: em setembro eu volto para zanzar um mês pelo Peru, dessa vez no peito e na raça, e vou trazer atualizadinhas todas as dicas que você precisa para não passar perrengue numa viagem por conta própria. Até lá, fique com o relato dessa viagem extraordinária, que vou narrar dia a dia (e que, preste atenção, já vai conter várias dicas que viajantes independentes podem aproveitar).

    Diário de Lares
    Dia 1

A saída estava marcada para as 7h30 da manhã. Normalmente não gosto de começar o dia tão cedo, mas pelo menos o fuso horário está a nosso favor: quando o despertador tocou às 6h, no Brasil (e no relógio do meu organismo) eram 8h.

Awana Kancha

awanakancha2

Pouco depois das 8h no horário peruano chegamos à primeira parada: o Awana Kancha (altitude: 3.525 m; aberto todos os dias; entrada grátis), um showroom bolado por uma ONG para servir como introdução didática à produção têxtil artesanal do Peru.

Awana Kancha

Na entrada, quatro cercadinhos contíguos são habitados por lhamas, alpacas, guanacos e vicunhas – que, junto com as manjadas ovelhas, são os fornecedores oficiais de fibras para os tecidos peruanos.

awanakancha1

Depois de ver a diferença entre os bichos (e de poder alimentar lhamas e guanacos com ramos de ervas), você passa pelo quiosque em que são mostradas as diferenças entre os fios e de onde vêm os tingimentos naturais usados pelos produtores tradicionais.

awanakancha4

Na terceira etapa você vê artesãs peruanas em ação: as senhoras vêm de diversos povoados e, em sistema de rodízio, passam um mês tecendo à vista dos turistas. No final do percurso, uma lojinha – perdão, lojona – vende a produção dos povoados agrupados pela ONG.

Acordar cedo valeu a pena: chegamos bem antes dos ônibus dos grandes grupos e tivemos o lugar só para nós por meia hora. Mas não entramos na loja: a Lares Adventure faz uma forcinha para que a gente gaste dinheiro diretamente nos pueblos mais remotos que o programa visita (no que fazem muito bem).

Povoado e mercado de Pisaq

Pisaq

pisaq7

Ainda eram 9 e pouco quando chegamos em Pisaq (altitude: 3.010 m), um dos vilarejos essenciais do Vale Sagrado, endereço de importantes ruínas incas e também do mercado de artesanato mais procurado do pedaço. A van parou na entrada da cidade, ainda longe do mercado, para que a gente pudesse observar a vida cotidiana do pueblo.

Pisaq

No miolinho do centro, visitamos um pequeno jardim botânico particular que possui uma interessante coleção de cactus.

Pisaq

Mais adiante, experimentamos pela primeira vez os deliciosos pãezinhos andinos, de massa leve e meio adocicada, que lembram uma esfiha sem recheio (devemos ter sido os primeiros forasteiros a ser atendidos naquela manhã).

Mercado de Pisaq

Continuamos até o famoso mercado, que àquela hora ainda estava sonolento e vazio. A diversidade de produtos é grande, mas a mistura de produtos artesanais com industrializados torna arriscada a compra para quem não tem o olho ou o tato treinados. Comprei duas bonequinhas bem rústicas, charmosamente mal-acabadas, para o meu banco de presentes. Cada uma saía 15 soles (15 reais), mas a moça me fez as duas por 28, sem eu pedir. (Se eu tivesse habilidade para a pechincha mais elementar teria levado as duas por 20 ou menos.)

Viacha: colheita e pachamanca

Viacha

Embarcamos na van e começamos a subir a serra. Depois de 10 minutos na estrada, o guia nos chamou a atenção: ao longe, dava para ver pelo menos 15 grandes õnibus estacionados junto ao portão principal do sítio inca de Pisaq. Dali a uma hora no máximo estariam todos no mercado.

viacha0
viacha0b

Passamos batido pelo sítio arqueológico (chegaríamos bem mais tarde, e por outro caminho), saímos do asfalto e continuamos por uma estradinha de terra até a comunidade de Viacha (altitude: 3.941 m). Um ranchinho na entrada do povoado estava preparado para nos receber com uma pachamanca – uma refeição tradicional andina em que carnes e legumes são preparados debaixo da terra, cozidos com o calor de pedras quentes. Fomos recebidos por um grupo de moradores em suas roupas tradicionais (que usam no dia a dia) e por um cooler cheio de Cusqueñas geladas.

vichay12

Logo em seguida chegou a parte do grupo que tinha optado pela caminhada matinal, trocando a demonstração têxtil e a voltinha consumista no mercado por um trekking desde Amaru, mais alto na montanha. Depois da apresentação de uma canção em quêchua, subimos todos para uma breve cerimônia na zona agrícola do povoado.

vichay13

As comunidades andinas fora das grandes cidades continuam praticando a agricultura de subsistência de maneira comunitária. O que sobra da produção local é usado para escambo com os excedentes de outras comunidades que cultivam alimentos diferentes.

viacha1
Viacha
viacha4

Como visitamos na época da colheita, a comissão de boas-vindas do pueblo nos apresentou um ritual de agradecimento a Pachamama, a Mãe-Terra, que é feito antes de iniciarem os trabalhos (e envolve, entre otras cositas más, folhas de coca, azeite de ervas e um mantra em quêchua que terimna com um assopro).

viacha13

Viacha

Viacha

Em seguida, conhecemos as ferramentas tradicionais para plantar e colher milhos e batatas e, como número de platéia, um de nós foi convocado a dar o inicio simbólico à colheita de tubérculos naquele ponto do terreno.

viacha7

viacha8

Descemos para o ranchinho e a pachamanca já estava desenterrada e servida no buffet. A colheita quente consistia em cinco variedades de batatas e tubérculos aparentados (o melhor deles: uma batata-doce que era um mel; o mais esquisito: um tubérculo aguado que tinha gosto de chuchu, mas era fibroso), milho branco, banana da terra, frango, cordeiro, porco e cuy, o porquinho-da-índia que é a iguaria de estimação dos peruanos. (o gosto lembra o das partes escuras de um galetinho).

Viacha a Pisaq Alto

Depois de mais uma Cusqueña, tudo o que eu queria era uma hamaca – sim, a velha e boa rede. Mas não, não tinha. O jeito foi tomar uma dose dupla do café bem forte, porque meia hora depois partiríamos a pé para a próxima etapa da jornada.

Pisaq Alto

viacha9

A comunidade de Viacha está a uma hora de distância, quase em linha reta, da parte alta da zona arqueológica de Pisaq. Por ser curta, a trilha funciona também como test-drive para que os sedentários do grupo se animem (ou não!) a optar pelas caminhadas dos dias seguintes.

A decisão é feita individualmente todos os dias pela manhã: o grupo tem guias disponiveis para até três passeios simultâneos. No nosso grupo estavam o Johann, que apesar do nome alemão é um cusqueño típico (com algum talento para a comédia stand-up) e é o especialista da equipe em história e cultura andinas; o Andrés, um chileno radicado em Cusco, grande estudioso da relação entre arquitetura e astronomia nas civilizações incas e pré-incas (e que também é dono de um fôlego notável e também está apto a liderar caminhadas) e o Antonio, o simpático guia principal de caminhadas, que morou um tempo no Brasil, fala português e tem como missão demover os preguiçosos de fazer apenas os passeios culturais.

pisaq-arq-11

pisaq-arq-10

Olha a Mari Campos aí, gente!

A caminhada de Viacha à zona alta de Pisaq tem um custo x sacrifício excelente: fazendo um pequeno esforço, chega-se a um mirante espetacular para a parte mais nobre da cidadela, construída no topo de um morro. É uma visão parecida – numa escala bem menor, evidentemente – com a que os andarilhos têm no final da trilha inca que leva a Machu Picchu.

Alto Pisaq

De lá descemos mais um pouco para visitar o sítio arqueológico (altitude: 3.530 m) – praticamente vazio de colegas turistas, que a essa hora deviam estar subindo e descendo as escadarias de Ollantaytambo.

Pisaq Alto

pisaq-arq-5

Pisaq Alto

pisaq-arq-2

Ainda tivemos forças para subir até o topo da parte alta do sítio arqueológico, pouco visitada por quem está com pressa. Lá em cima acredita-se que se organizavam velórios e cerimônias funerárias. O que se sabe ao certo é: a vista é linda smile

Lamay Lodge

lamay1

lamay3

Ainda havia um pouquinho de luz natural quando chegamos ao lodge de Lamay (altitude: 2.958 m), que tem três lhamas residentes no quintal.

lamay5

lamay2

Uma ducha forte, um jantarzito nativo, porém com toque de chef, e uma cama gostosa era tudo o que a gente precisava para se recuperar de um dia mais do que intenso.

Ricardo Freire viajou a convite da Mountain Lodges of Peru.

Leia mais:

28 comentários

val
valPermalinkResponder

Que lindo! Achei o preço justo pelo que oferece.

gostaria de saber mais sobre a aclimatação...(Medo!)

Ricardo Freire

Val, para minha total decepção, não tive nenhum sinalzinho de soroche! Mas no primeiro dia fiquei quietinho na minha (cheguei ao hotel à tarde, e só saí à noite para jantar) e tomei bastante água o tempo todo. Meus únicos episódios de desconforto foram em subidas -- me faltou bastante o ar nessa subida à cidaela de Pisaq Alto, e depois durante um passeio de bicicleta. Mas nada que eu não tenha experimentado antes em teste ergométrico smile

Ricardo Freire

Ah! E não consegui gravar os boletins da Bandnews FM de um fôlego só. Tive que descobrir como funciona o botão do pause!

val
valPermalinkResponder

hahahaha wink

hum...animador isso! Peru está na lista!( e o que não está?) rs

Gustavo
GustavoPermalinkResponder

Os últimos dias antes da viagem aqui no Brasil dei pra fazer umas corridas na esteira e preparar pros trekkingns no Peru. Fui pensando que seria o rei do trekking. Saindo da rodoviária de Cuzco, não consegui nem chegar até o hostel e juquei na rua mesmo, de tão mal que fiquei com a altitude. Tomei uma pílula do soroche e melhorei.

Rodrigo Barneche

Riq fazendo trekking? O mundo tá muito mudado mesmo... wink

Ricardo Freire

Haha, só fiz esse curtinho do primeiro dia, e depois uma bicicletada café-com-leite (pros outros, pra mim foi forte) no terceiro dia. De resto, fiquei nas atividades culturais smile

Hugo
HugoPermalinkResponder

Esporte do dia: fuga de ônibus de turismo sem obstáculos. Nada melhor do que chegar cedo e aproveitar um lugar com calma.

Nos EUA algumas atrações chamam o primeiro grupo de "early bird". E é ótimo passar alguns minutos no lugar apenas com o pessoal do seu grupo.

Fabiola
FabiolaPermalinkResponder

Riq,
você estará no Peru em setembro?? Legal!! Quem sabe não esbarro em vc por lá?? E consigo umas dicas in loco??!!
Parabens pelo blog!! Adoro!!

Ricardo Freire

Oi Fabiola, eu sou gordinho, tenho cavanhaque branco sem bigode, não uso cabelos e devo estar de camiseta preta smile

Mô Gribel
Mô GribelPermalinkResponder

Hahahahaha ri alto, Riq! Só você....

Helenice Figueiredo

Amei a descrição!...e ri muito também. A camisa preta é sua marca registrada.

Ju Schmidt
Ju SchmidtPermalinkResponder

Ai, Riq! Que demais! O Peru é incrível mesmo... Estive lá com meu namorado em dezembro 2014/janeiro 2015 e já estou pronta para voltar. Não fiz nada muito fora do circuito clássico de turista, mas se quiseres te passo uma listinha de passeios e restaurantes que considero imperdíveis. Cuzco é puro amor! Me arrependo muito de não ter passado mais dias por lá e em Águas calientes... Acho que vou contigo em setembro! haha Beijos

Tania
TaniaPermalinkResponder

Nossa! Que legal! Estive no Peru no ano passado - Lima, Cuzco e Machu Picchu - só por 5 dias, e fiquei com gostinho de quero mais. Quanto ao soroche...fiquei super mal quando cheguei em Cuzco, vindo de Lima - 0 para mais de 3.000, não deu outra, passei um dia com tontura, náusea, enjoo, dor de cabeça...tomei o remedinho que vende na farmácia, chá de coca, suplemento extra de oxigênio no quarto do hotel...nada...Um dia depois, tcharam! estava nova. O tempo é o melhor remédio! Vou acompanhar tudinho!

Lu Malheiros
Lu MalheirosPermalinkResponder

Lindas fotos, lindo passeio! Acompanhei tudo pelo insta!
Você volta em setembro? Que beleza!!!! smile

Mari Campos
Mari CamposPermalinkResponder

Que ráaaaaapido, the flash! Delícia ler aqui e relembrar com detalhes tão precisos meu dia favorito de todo o nosso passeio - e morri de rir com a relação custo x sacrifício da (inesquecível) caminhada de Viacha à zona alta de Pisaq grin

Mirella
MirellaPermalinkResponder

Nossa Riq, que legal... bom saber que ainda existem empresas que nos levam para algo diferente!!! Muito bom mesmo smile
Assim até anima pegar excursão...
Abs

Claudia Matoso

De matar essas fotos! Lindas demais! E assim desse jeito, realmente até dá pra encarar uma excursão.

Sylvia
SylviaPermalinkResponder

Confesso q fiquei cem porcento chocada
ao ver no Insta tu numa bike.
E juro q pensei : é só pose , ele não vai fazer isso!

Lu
LuPermalinkResponder

Só mesmo o Peru p/fazer de vc um atleta de altitude!

Denise Leorte
Denise LeortePermalinkResponder

Quando virão os outros dias?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Denise! O segundo dia está previsto para ser publicado no domingo.

Lena
LenaPermalinkResponder

Adorei, Riq! smile

Estava super curiosa para ler o relato compelto da viagem. Acompanhei tudo pelo instagram e babei nas fotos e passeios. Nunca estive no Peru e ainda não consegui decidir qual roteiro faria quando este dia chegar. Estava achando que este dia seria em setembro, mas agora que você promete trazer mais informação mastigada em setembro, acho melhor adiar wink

Uma dúvida: o custo de $400/pessoa é para acomodação dupla, certo? Ou seja, $800/apto? Ou existe opção de ocupação single?

Beijos

Ricardo Freire

Oi Lena, é em acomodação dupla, sim. Ocupação single custa 25% extra (ou seja, 500 dólares/noite para o programa de 5 dias e 4 noites). Mas eles podem juntar roommates, se x passageirx pedir smile

https://mountainlodgesofperu.squarespace.com/lares-rates/

Lena
LenaPermalinkResponder

Obriaga, Riq! Acho muito bom mesmo até pra single! Bem mais barato do que as opções do Atacama e Patagônia.
Bj

Obs: descobri por que meus comentários não entravam. O sistema não aceita endereço de twitter ou instagram na área de "site" e não envia msg de erro. Então a gente fica sem saber se não entrou. Agora não erro mais wink

Adri Lima
Adri LimaPermalinkResponder

Que delicia poder aproveitar a região assim! Já se vão 10 anos que estive no Peru, num esquema mochilão economia total, e adoraria voltar num esquema mordomias + cultura + paisagens deslumbrantes. Favoritadíssimo!

Viviane
VivianePermalinkResponder

Riq, conheci seu blog hoje e pirei! Hehehe... Fiquei mt animada com a possibilidade dessa viagem..nunca fui e tb nunca viajei sozinha, estou ensaiando a primeira vez. Muuuuito medo do ar rarefeito, de não saber se esse roteiro é boa pedida pra quem vai solo, e do clima.. Quais os melhores meses e como é a temperatura? Vcs levam mala ou só mochila na viagem toda?

Desculpe as muitAs perguntas, coisas de novata.. ?☺️

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Viviane! Quem responde é A Bóia. A bagagem é transportada pelas vans. Os melhores meses vão de maio a setembro.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar