Disney Dream: embarcando e desembarcando de um cruzeiro da Disney

Heloísa Dall'Antonia
por Heloísa Dall'Antonia

Exterior do Disney Dream
Fotos | Nelson Alves Jr.

Estava voltando de outra viagem quando a chefe me mandou e-mail perguntando se eu podia representar o VnV em um cruzeiro de três noites pelas Bahamas a bordo do Disney Dream. Apesar de já ter viajado bastante, navio eu nunca havia encarado e explico o porquê: sou daquelas pessoas que passam mal de ir no banco de trás do carro e que acreditam que quem consegue ler no metrô certamente tem poderes mutantes. Mas sempre soube que, se um dia eu fosse tentar fazer um cruzeiro, seria um do camundongo. smile

Tarefa aceita, marido escalado como acompanhante (são dele as fotos do post), malas prontas. Lá fomos nós para nossa primeira experiência Disney Cruise Line da vida. Assim, considere que tudo o que você lerá daqui pra frente é a experiência de um casal de adultos, sem crianças junto, debutando em viagem de navio.

Nesta primeira parte do texto, você vai ler sobre embarque, desembarque e dicas para se planejar antes de entrar no navio. Logo mais você lerá sobre toda a estrutura da embarcação e, num outro post ainda, conhecerá Castaway Cay, a paradisíaca ilha particular da Disney.

Os valores para uma viagem de 3 noites no Disney Dream em 2016 começam em US$ 1.022. As operadoras que trabalham com os cruzeiros da Disney podem ser conhecidas aqui.

Antes de embarcar

Detalhe da frente do Disney Dream

Programe-se para chegar a Miami, Orlando ou arredores ao menos um dia antes da partida do navio. Sempre existe a possibilidade da companhia aérea fazer uma “surpresa” pra você atrasando o horário de voos e afins.

A Disney Cruise Line tem ônibus que levam passageiros do aeroporto de Orlando, assim como de todos os hotéis de dentro do complexo Disney, até Port Canaveral, de onde saem os cruzeiros. O custo é de US$ 35 por pessoa, por trecho. Caso alugue um carro, há estacionamento no porto e fora dele, mas também há opções de hotéis próximos que oferecem shuttles. O site Mouse Savers tem uma lista interessante de hospedagens, valores e vantagens para que você possa decidir o que é melhor para sua família.

O terminal da Disney Cruise Line no porto fica bem próximo à entrada norte. Separe numa mala de mão seus pertences essenciais (remédios, itens de higiene, uma troca de roupa ou mesmo a roupa de banho): como só será possível entrar nos quartos a partir de um determinado horário (e suas malas já estarão ali), é interessante estar preparado para aproveitar o navio logo na chegada.

No terminal de embarque

Mickey posa para fotos no Disney Dream

Depois de um rápido “hi-four” com algum funcionário com luvinhas do Mickey, entregue suas malas devidamente identificadas com as etiquetas que vêm junto do livrinho do cruzeiro (se você não o recebeu antes da viagem, a retirada dele é feita no porto mesmo). Você só as verá de novo já na sua cabine. Dali, siga para as filas dos guichês com os comprovantes da viagem e seu passaporte.

O processo é semelhante ao de check-in em um hotel. Você vai conectar seu cartão de crédito internacional à chave do quarto e todos os membros da família vão tirar fotos para serem identificados pelo sistema. A partir daí, não há mais necessidade de portar a carteira, ou mesmo o passaporte, enquanto você estiver dentro do navio. A sua Key to the World vai servir pra tudo: abrir a porta da sua cabine, pagar bebidas e compras nas lojinhas (inclusive em Castway Cay).

Check-in do Disney Dream

Ainda no terminal é possível fazer reservas para os restaurantes em que elas são necessárias (Palo e Remy) e inscrever crianças e jovens nas atividades propostas no navio (você também pode fazer suas reservas com antecedência online ou ainda dentro da embarcação, no Guest Relations). Ao menos um personagem, devidamente vestido para o cruzeiro, estará disponível para fotos, junto de uma maquete enorme da embarcação. E se o tamanho dela chamou sua atenção ali, imagine ao chegar de verdade lá dentro.

O Disney Dream é o terceiro navio da Disney Cruise Line. Sua primeira viagem aconteceu em 2011. Dispõe de 1458 tripulantes e tem capacidade para 4.000 passageiros, 14 decks e 1250 cabines (sendo 150 internas e 1.100 com vista externa). O barco -- que de ponta a ponta é maior do que a altura do Chrysler Building de Nova York, ou do que a Torre Eiffel -- costuma fazer roteiros de 3, 4 ou 5 noites pelas Bahamas, saindo de Port Canaveral. Normalmente o embarque começa próximo às 12h e vai até as 15h45.

Entrada do embarque para o Disney Dream

Caso você chegue com tempo de folga antes da embarcação zarpar (o que aconselho com veemência), aproveite o tempo para curtir as piscinas ainda vazias, assim como para dar uma explorada geral nos decks e até fazer a primeira das muitas paradinhas possíveis nos restaurantes.

Saiba antes de ir

Telas do aplicativo do Disney Cruise Line

Baixe o aplicativo da Disney Cruise Line antes de viajar. Enquanto não tiver chegado o dia da sua partida ele não vai ter lá muito conteúdo, mas passa a ajudar bastante quando você estiver embarcado. Com ele você visualiza a programação do dia, seleciona as suas preferidas, explora os decks do navio e consegue trocar mensagens com outras pessoas a bordo. A rede Wi-Fi do navio é gratuita quando usada exclusivamente para esse app.

Nenhuma loja fica aberta quando o navio está atracado, seja nos Estados Unidos, ou nas paradas. Gorjetas podem ser pagas antecipadamente, quando você fechar a viagem –- por conta própria ou com seu agente, mas também podem ser dadas quando estiver a bordo (a própria Disney sugere alguns valores neste link).

Detalhe dos botes amarelos do Disney Dream

Durante a viagem achei um fato curioso, mas só fui ter certeza ao chegar em casa e pesquisar. Normalmente, botes salva-vidas têm a cor laranja, mas os da Disney têm permissão da Guarda Costeira Americana para que os seus sejam amarelos. Olhe para as cores da embarcação quando estiver em terra firme: lembrou algum camundongo ai? Preste também atenção aos apitos do navio. Eles vão “tocar” os acordes de diversas músicas, como “Do you wanna build a snowman?”, “It’s a Small World”, “Be Our Guest”, “Yo Ho (A Pirate’s Life For Me)” e “A Dream is a Wish Your Heart Makes” para delírio dos passageiros.

Momento Easter Egg! O membro dos “Muppets” Pepe tem uma cabine só para ele no Disney Dream e ela é, digamos, meio que menor do que as habituais. Procure pela portinha do 5148 ½.

Hora de dizer tchau

Frente da maquete do Disney Dream

Se você quiser que a tripulação leve suas malas para fora do navio, no dia anterior à chegada em Port Canaveral, sua bagagem deve estar até as 22h devidamente fechada e etiquetada com as tags que você encontrará na sua cabine. Faça uma pequena mochila com os itens que você precisará no dia seguinte (a troca de roupa, itens de higiene, documentos), e encontre com suas malas novamente já fora do navio, em grandes seções determinadas pelas tais tags (cada uma ganha um personagem da Disney para ser mais facilmente identificada). Caso não faça questão disso, leve você mesmo sua bagagem no dia seguinte de manhã, após o café.

Antes de sair do porto você passará por uma versão enxuta da alfândega norte-americana, sendo necessário apresentar novamente seu passaporte. É tudo muito simples e o processo em si não dura nem cinco minutos, se você der sorte com a fila. O desembarque começa por volta de 7h30.

Mas e aí, enjoou?

Por do Sol no mar

Saí do Brasil com uma caixa do remédio contra enjoo que meu médico havia passado (rigorosamente tomado todos os dias). Ainda assim, a primeira tarde/noite foi definitivamente a mais difícil. A sensação de desorientação e de estar pisando em um colchão d'água era terrível. Passei bastante mal e não consegui, sequer, conhecer o Palo, onde tinha reserva para jantar. Mesmo assistir ao primeiro espetáculo no teatro, sem absolutamente nada no estômago, foi complicado.

Felizmente, o segundo dia já começou com o navio atracando em terra firme. Como também era o dia da festa no convés, com muito vento no rosto fiquei bastante bem, e até jantei. smile No terceiro dia, em Castaway Cay, também fiquei ótima, e quando o navio começou o caminho de volta estava na piscina, o que também foi excelente para não sentir nada da maresia. Ou seja, sobrevivi. Mas a sensação de pisar em um colchão d’água continuou por alguns dias mesmo quando voltei à terra firme.

Heloísa viajou a convite da Disney Cruise Line.

Leia mais:

3 comentários

Murilo
MuriloPermalinkResponder

Vou ser chato e fazer uma pequena correção (gostaria até mesmo que não fosse publicado o comentário)...

Na parte "entregue suas malas devidamente identificadas com as etiquetas que VÊEM junto do livrinho do cruzeiro", o correto seria "vêm" (verbo vir), e não "vêem" (verbo ver).

O sentido empregado no texto dá a entender que as etiquetas estão vendo.

Procurei uma seção "fale conosco", para fazer sigilosamente, mas não achei.
Estou comentando apenas para colaborar com um site que tanto já colaborou comigo.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Corrigindo djá! Obrigada!

Polyana
PolyanaPermalinkResponder

Obrigada pelo relato, foi bastante esclarecedor!

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar