Onde ficar em Nova York: 17 hotéis selecionados no Village e no Soho

Rogéria Vianna
por Rogéria Vianna

Onde ficar em Nova York: Soho e Village

Colaborou | Ricardo Freire

Essas duas regiões vizinhas de Downtown são um oásis de prédios baixos e ruas estreitas. Têm climas diferentes, mas complementares.

O Greenwich Village mantém sua característica residencial, com casinhas de tijolinhos e comércio mais voltado para o bairro. Suas ruas são muito usadas como locação de filmes e séries que se passam em Nova York. Por causa da New York University (NYU -- ên uái iú -- para os íntimos), há muitos jovens circulando pela áera. O bairro tem mais duas subdivisões. Entre a 6ª Avenida e o Meapacking fica o West Village, ultracharmoso. Acima da Broadway fica o East Village, boêmio e jovem.

Já o Soho, que se distingue arquitetonicamente pelos edifícios com estrutura de ferro forjado, tem um pique mais comercial. Toda grife que se preze precisa ter uma loja por aqui. (As lojas independentes, porém, vêm debandando para o vizinho Nolita.) A parte mais movimentada do bairro tem pouca opção de hospedagem -- mas nos últimos anos uma nova leva de hotéis brotou abaixo da 6ª Avenida, onde o bochincho é menor (e o zoneamento permite a construção de arranha-céus).

Este post seleciona hotéis na região do Village e do Soho. Para uma visão geral sobre hospedagem em Nova York (comparando 11 regiões diferentes e com dicas para economizar em hospedagem), clique na página Onde ficar em Nova York: introdução.

  • Hotéis em Nova York: Village e Soho

Prós

  • A Nova York charmosa dos filmes, no Greenwich Village
  • Boemia no East Village
  • Compras e restaurantes bacanas no Soho
  • Melhor região para flanar

Contras

  • Poucos hotéis no Village
  • O Soho encaretou (a vibe de antigamente escapuliu para Nolita e Lower East Side)

Mexa no mapa! Use o comando (+) para aproximar e ver a nome e a localização exata de cada hotel. Use o comando (-) para afastar e ver a posição desta região na cidade.

  • Greenwich Village, charme vintage

No coração do Village fica um dos hotéis favoritos do Riq Freire, o charmoso Washington Square Hotel (Waverly Pl entre 6th e 5th Ave), na esquina do agradável Washington Square Park. Além do café da manhã incluído, ainda tem outros detalhes que fazem a diferença: academia e spa no hotel (onde você pode fazer uma massagem para recarregar as energias) e amenities da marca C.O. Bigelow, um ícone do Greenwich Village desde 1836. Tem um bistrô no próprio hotel -- mas se preferir, basta atravessar a rua e ir ao Babbo, restaurante de Mario Batali que fica em frente.

Sem sair da região, é fácil deixar-se conquistar pelo The Marlton (8th St, entre 5th e 6th Avenue). Instalado num edifício histórico, tem atmosfera sóbria e elegante e, opa, café da manhã incluído na diária.

Já o Walker Hotel Greenwich Village (13th St, entre 5th e 6th Ave) é um hotel-boutique que buscou inspiração lá nos anos 20 para compor sua elogiada decoração. Tranquilo, confortável, bem localizado e com um bar para uns drinks - que bela combinação.

  • East Village, vida urbana

No East Village, um hotel que leva o bairro no nome: o East Village Hotel (9th St quase esquina 1st Ave). Aqui você tem uma experiência bem realista do que é viver em Nova York, já que os apartamentos são pequenos studios, com banheiro e cozinha. Não tem elevador e está a uma caminhadinha até o metrô, para ser New Yorker em tudo.

A sua praia não é essa e você pode cacifar um hotel bem moderninho e bacanudo? Então aposte no Standard East Village (Cooper Square quase esquina 5th St), que tem decoração caprichada. Seu restaurante, o Narcisa, é super alto astral, serve a nova culinária americana e ótimos coquetéis.

Na mesma faixa de preço, confira o elegante The Bowery (Bowery esquina 3rd St), que fica na fronteira com o Lower East Side. O lugar tem um charme retrô e estilo de casa antiga, com quartos com janelas panorâmicas e banheiros revestidos em mármore. É pouco? E o que acha de lençóis de 400 fios, chuveiros com efeito de chuva e amenities da C.O. Bigelow? E ainda tem um restaurante italiano, o Gemma, que é aconchegante e tem boa comida. Ambos ficam próximos do agito e da animada cena noturna do lado leste da cidade.

  • Miolo do Soho, entre 6ª Avenida e Broadway

Mais descolado do que passear no Soho é se hospedar por lá. Quer ir sem erro? Um dos primeiros hotéis de charme a se instalar no bairro foi o Mercer (Mercer St esquina Prince St) que tem quartos em estilo loft, clean e espaçosos. Quer relaxar? O hotel dispõe de personal trainers, massoterapeutas e aulas de ioga. Seu restaurante, o bem-contado Mercer Kitchen, é dedicado à cozinha americana. Está no melhor ponto do bairro, circundado pelas melhores lojas

O SIXTY Soho (Thompson St entre Broome e Spring St) é um discreto hotel-boutique cinco estrelas cuja qualidade pode ser observada em cada peça. Tem um bar, um restaurante e outro bar no rooftop.

O The James (Grand St entre Thompson St e 6th Ave) é um hotel mais novo, com design de luxo. No térreo fica um restaurante do chef-celebridade David Burke, enquanto o lounge na cobertura tem um dos bares mais gostosos de NY, com piscina ao ar livre e vista do Rio Hudson.

O Crosby Street (Crosby St entre Spring e Prince St) é cheio de detalhes que encantam: fica em uma charmosa rua de paralelepípedos, tem pátio interno, terraço, quartos com janelas que vão do chão ao teto, lareira na sala de estar e um teatro onde são exibidos filmes aos domingos. Pra melhorar, fica a uma quadra do metrô.

Por sua vez, o simpático Soho Grand (West Broadway entre Grand e Canal St) fica em uma parte interessante do Soho, com muitas galerias de arte e restaurantes. Para dar um toque especial à estada, o hotel dispõe de bicicletas em estilo retrô para emprestar aos hóspedes. Tem também um bar dentro do hotel e outro bem descontraído na área externa, que só funciona nos meses mais quentes.

  • Soho sem bochincho, entre 6ª Avenida e o rio

Seguindo para o oeste da 6ª Avenida, onde já não há tanto comércio, estão vários hotéis. Mas tenha em mente que o coração do Soho estará a 5/10 minutos de caminhada.

O Trump Soho (Spring St com Varick St) chama atenção com seus 46 andares com fachada de vidro. Localizado a apenas uma quadra do metrô, tem quartos modernos e espaçosos com vista panorâmica, spa, 4 restaurantes e uma piscina ao ar livre com bar.

Voltando à hotelaria-boutique, o Hugo (Greenwich St, entre Spring e Vandam St) é invocado e ganha pontos pela localização, perto do ri -- alguns quartos são premiados com essa vista. O bar no rooftop caiu no gosto dos nova-iorquinos, que vão até lá para apreciar uns drinks e a paisagem.

O novinho Arlo Soho (Hudson St, entre Canal e Broome St) tem quartos compactos de 14m2 com móveis de design, geladeira (e alguns, até terraço). Sua loja de presentes abre 24 horas, e ainda oferece o restaurante Harold's Meat + Three e dois bares (um deles na cobertura, com uma vista incrível).

Soho sem firulas

Três hotéis fazem a linha confortável-funcional-sem-pretensões-de-design.

O Courtyard by Marriott Manhattan Soho (Varick st entre Charlton e King st) ganha pontos por sua conveniência: tem uma estação de metrô em frente, academia e quartos com duas camas grandes, capazes de acomodar uma família.

O Four Points by Sheraton Soho Village (Charlton St entre Varick e Hudson St) cumpre a função em oferecer hospedagem com bom preço, localização (fica a apenas uma quadra do metrô) e conforto. Não espere grandes surpresas.

Fechando o trio, o Hampton Inn Manhattan Soho (Watts St entre Varick St e 6th Ave) é para quem busca uma opção econômica, porém de qualidade. Tem café da manhã incluído e quartos espaçosos, alguns deles com vista panorâmica.

Nenhum comentário, deixe o primeiro!

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar