Paris clássica: Palais-Royal, Galerie Vivienne, Le Grand Colbert

Palais-Royal, Paris

No centro de Paris, na divisa entre o 1º e o 2º arrondissements, já fora da confusãozinha de Châtelet, um espaço de alguns quarteirões esconde um dos passeios mais chiques que você pode fazer na cidade.

Place des Victoires, rue Vivienne, Palais-Royal

Venha pela rue Étienne Marcel para passar pela Place des Victoires — uma praça circular, construída na confluência de seis ruas, que figura fácil entre as mais bonitas de Paris (para mim, só perde para a Place des Vosges e a Place Vendôme). As fachadas são austeras e a estátua eqüestre no meio da praça não tem cara de muitos amigos, mas se você  diminuir o passo vai encontrar as vitrines de Kenzo e Thierry Mugler.

Place des Victoires - foto: Wikipedia

Siga pela rue de la Feuillade e um pouco adiante, à sua esquerda, você encontrará os fundos do Palais-Royal. Entrez, s’il vous plaît.

Jardins do Palais-Royal

Construído originalmente para hospedar o Cardeal Richelieu, o palácio teve diversos usos ao longo do tempo; o mais interessante é o de 1784 para cá, quando virou uma espécie de shopping center avant-la-lettre. Em torno dos seus jardins, me conta a Wikipédia, Louis-Philippe II fez instalarem 145 lojas, entre cafés, restaurantes, salões de cabeleireiro, museus. De todos os ocupantes originais, ainda resta um: o venerável Grand Véfour, um dos bastiões da haute gastronomie, no mesmo endereço há 225 anos.

Palais-Royal, Paris

As arcadas hoje abrigam lojas de grifes, moda de vanguarda, alguns antiquários, uma loja de chapéus, perfumarias. Dois teatros funcionam por lá — o Thêatre du Palais-Royal, numa quina dos fundos, e a Comédie Française, na frente.

Palais-Royal, Paris

Dois ou três cafés das arcadas mantêm mesas no pátio. Sente-se ali para um café ou un verre e você vai pensar que está a léguas do burburinho da Paris central.

Palais-Royal, Paris

O mais bonito do Palais-Royal, pra mim, está no pátio: o jardim é a obra de arte topiária mais linda que eu já vi (e olha que eu fui a Villandry). O espaço é pequeno, mas o efeito é de uma simetria taj-mahaliana.

Continuando em direção à entrada do Palais pela rue Saint-Honoré você vai ver também as 260 colunas moderninhas de Daniel Buren, instaladas em 1986 durante o mandato de Jack Lang como ministro da Cultura.

Saia novamente pelos fundos. Bem no meio da quadra você encontrará a rue Vivienne, onde estão as outras duas paradas do passeio.

Le Grand Colbert

A primeira, já no número 2, é o centenário restaurante Le Grand Colbert. Gastronomicamente ele não faz nem cosquinhas no Grand Véfour, mas oferece cozinha honesta de brasserie num cenário glamouroso. Virou ponto de peregrinação turística depois que uma cena de ‘Alguém tem que ceder’, com Jack Nicholson, Diane Keaton e Keanu Reeves, foi filmada por ali. As formules do almoço (somente prato principal a €15; entrada e prato a €25; entrada, prato principal e sobremesa a €33) são bem abordáveis. Para se sentir a Diane Keaton, peça o frango com fritas :mrgreen: A gente ficou na formule de €25, pediu um pichet de tinto de 45cl (€15) e duas águas (erro! sempre dá para pedir une carafe d’eau, que é de graça), e a conta ficou em €80 para a dupla.

Le Grand ColbertLe Grand ColbertLe Grand Colbert: conta para dois, com vinho

Na saída dê uma passeada na Galerie Vivienne, aberta em 1823 e que ainda hoje é a mais elegante da cidade, com boutiques, galerias de arte, restauradores. Jean-Paul Gaulthier mantém sua loja principal numa das entradas da galeria; o Bistrot Vivienne é muito freqüentado pelo pessoal da moda. Para quem cabulou o almoço no Grand Colbert, a casa de chá A Priori Thé é a única com mesas no corredor da galeria.

Galerie VivienneGalerie VivienneGaulthier na Galerie Vivienne

Querendo se hospedar por aqui, tem um hotel da rede duas-estrelas Timhotel praticamente ao lado.

Leia também:

Palais-Royal no Conexão Paris, por Maria Lina

Moda no Palais-Royal no Conexão Paris, por Maria Lina

Galerie Vivienne no Conexão Paris, por Maria Lina

41 comentários

Olá, pessoal! Amo Paris e será minha terceira vez nessa cidade maravilhosa! Mas estou com uma dúvida: meu passaporte vence em janeiro/2017, posso viajar em julho/2016 com esse ou terei de tirar outro já? Abraços e obrigada desde já!

    Olá, Cicília! Pode sim. Você precisa para entrar no Espaço Schengen de um passaporte com 3 meses de validade para além da data prevista de saída.

Adoro Paris. Na segunda vez (Abril/2004), em viagem com a esposa, conheci, porque me perdi, no trajeto Galerias Lafayette-Hotel Loiret (Marais), o jardim do Palais-Royal. Achei lindo e registrei na memória. Na quarta vez (junho/2014), hospedado próximo, no Novotel Les Halles, estava empolgado para revê-lo, agora com a esposa e o filho de 9 anos. Impressão em 2014: descuidado! Foi um susto. Paris também está diferente. Um monte de garrafas quebradas nas ruas, o Sena sujo com sofá boiando. Será que os turistas vão detoná-la. Continuo amando Paris. Gostaria de iniciar ou terminar minhas viagens lá, nem que o início ou fim fosse Alasca, Bariloche, Fernado de Noronha, etc.

Imagino q uma pessoa q lamenta e diz q errou simplesmente porque pagou pela água q bebeu , porque o restaurante serve água de graça , deve achar vantagem em levar injeção na testa só porque é algo que é dado-lhe de graça …
Chocante!….

Ricardo, você indicaria ficar neste Timhotel? Dei uma pesquisada no site deles e achei o preço camarada. O que acha da localização? Boa ou não?
Vou para Paris em outubro desse ano. Vai ser a minha terceira vez na cidade, porém a primeira vez do meu namorado. Por conta de se tratar da primeira vez dele, você acha que valeria a pena nos hospedarmos nesse hotel?
Nunca fui nesta galeria, mas depois desse post já inclui no roteiro.
Seu blog sempre me surpreende com ótimas dicas. Parabéns!

Desde já grata,
Isabella Alencar

De 16 a 18 Jun, pela primeira vez na Europa, estarei em Paris no Hotel Mercure Paris Austerlitz Bibliotheque – 6, Boulevard Civent Auriol. Depois os roteiros seguintes passam pela Itália, Espanha e Portugal até 01 Julho. Sou quase sexagenário e gosto de conhecer o local onde estou caminhando. Terei um dia livre e a sugestão da operadora é uma excursão opcional ao Palácio de Versalhes. o que achas? Se tiveres outra sugestão, aceito de bom grado. Sabes onde comprar o Livro Bristôs Paris do Alex? Obrigado
Gabriel de Canoas-RS

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.