São Luís o que fazer: centro histórico

O que fazer em São Luís

São Luís: o que fazer | Roteiros práticos

Veja nesta página roteiros para 1 a 3 dias de viagem em São Luís, com dicas de 15 atrações na cidade.

A Bóia recomenda: programas favoritos em São Luís

Visite a Casa do Maranhão

Visite a Casa da Festa (peça a visita guiada!)

Faça a visita guiada ao Teatro Arthur Azevedo

Visite Alcântara — se possível, com pernoite

Voltar | Topo

1 dia em São Luís

São Luís o que fazer

Mesmo que você vá dormir em São Luís apenas seguir na manhã cedo aos Lençóis Maranhenses (ou a Alcântara), ainda dá para fazer um giro proveitoso pelo Centro Histórico.

Com um dia inteiro, você poderá fazer o circuito completo. Caso disponha apenas de uma tarde, será preciso selecionar os pontos de parada. No domingo, fique atento ao horário de fechamento dos museus (a maioria fecha cedo). Na segunda-feira os museus não abrem.

1 dia em São Luís: dia inteiro

Uma tarde em São Luís

1 dia em São Luís: domingo

Voltar | Topo

2 dias em São Luís

São Luís o que fazer

Escolha entre passar o segundo dia em Alcântara ou fazer um passeio a Raposas & Fronhas Maranhenses.

Dia 1

Use um dos roteiros do tópico 1 dia em São Luís.

Dia 2

Escolha entre:

Voltar | Topo

3 dias em São Luís

São Luís o que fazer

Com três dias na cidade, dá para passar uma noite em Alcântara. Vale muito a pena.

Dia 1

Use um dos roteiros do tópico 1 dia em São Luís.

Dias 2 e 3

Escolha entre:

Voltar | Topo

Bumba-meu-boi

São Luís o que fazer: bumba meu boi

O bumba-meu-boi é uma festa junina. A temporada começa no fim de maio, com os ensaios, tem seu auge em junho e se encerra em julho, com os enterros dos bois. A maior parte dos eventos acontece nas comunidades que mantêm seus bois.

Em São Luís, as apresentações acontecem na segunda quinzena de junho, em arraiais espalhados pela cidade, com programação noturna. Os bois não saem desfilando pela rua: apresentam-se em palco, como num show. A programação costuma misturar bois de diferentes ‘sotaques’ (estilos). O mais rico musicalmente é o sotaque ‘de orquestra’, que incorpora instrumentos de sopro (o grande nome no gênero é o Boi de Axixá).

Preste atenção nos brincantes: todos desempenham papéis e têm uma coreografia específica. Há os caboclos de fita, os índios, os vaqueiros… Os bois de sotaque ‘da Baixada’ traz um personagem especial: o Cazumba, mascarado e narigudo, que representa os espíritos da floresta e zanza comicamente pelo palco.

Todos os sotaques, porém, trazem as estrelas da história do bumba-meu-boi. Tem Mãe Catirina, a escrava grávida que tinha desejo de comer língua de boi. Tem Pai Francisco, seu marido, que mata um boi para satisfazer o desejo da mulher. Tem o Dono da Fazenda, que sente falta do boi e vai atrás de pai Francisco para trazer o bicho de volta. E, claro, tem o Boi, que acaba sendo ressuscitado por um pajé — e cuja volta à vida é o motivo dessa festa toda.

O brincante que conduz o Boi é chamado de Miolo, e também é uma estrela — é preciso muita força, destreza e malemolência para executar os movimentos estonteantes do boizinho em cena. De vez em quando, o Miolo vai expor a cara (fique de olho).

Onde assistir ao bumba-meu-boi em São Luís

Durante os festejos oficiais de São João, há muitos arraiais espalhados pela cidade. Esses são os arraiais mais próximos das zonas hoteleiras: o Arraial da Praça Maria Aragão, em frente à Igreja Nossa Senhora dos Remédios, junto ao Centro Histórico, e o Arraial do Ipem (Av. A, 187, Jardim Renascença).

Os arraiais é que são ambientes bastante seguros, freqüentados por famílias com crianças pequenas. O do Ipem é particularmente bem-organizado.

E no centro histórico?

A Praça Nauro Machado, no coração do centro histórico, tem apresentações de bumba-meu-boi só nas sextas e sábados, tanto nas prévias quando durante o São João.

Leia mais: Bumba-meu-boi em São Luís: que bonito é

Voltar | Topo

Atrações A-Z

Alcântara

São Luís o que fazer: Alcântara

A 1h20 de viagem (turbulenta) de barco, Alcântara é, na minha opinião, o ponto alto de uma visita a São Luís. Seu casario está mais bem-conservado, e suas ruínas são ruínas mesmo, com aparência, textura, imponência e pose de ruínas.

Veja como chegar a Alcântara e a diferença entre fazer o bate-volta e pernoitar por lá na página de Alcântara deste guia. Clique aqui.

Voltar | Atrações A-Z | Topo

Casa da Festa (Centro de Cultura Popular Domingos Vieira Filho)

São Luís o que fazer: Casa da Festa

Um pouco afastado do bochincho do miolinho do bairro, o Centro de Cultura Popular Domingos Vieira Filho acaba sendo menos visitado do que deveria. É uma pena. Talvez se fosse usado apenas o seu apelido — Casa da Festa — mais gente subiria até a rua do Giz para apreciar o seu incrível acervo.

Em quatro andares (prepare-se para subir escadas), a Casa da Festa esgota o tema ‘festejos populares do Maranhão’. Ao chegar, solicite a visita guiada com o monitor: as explicações por escrito, nas salas, são escassas. Se bem que o lugar também pode ser visitado apenas para apreciar o belo acervo de arte naïf.

O andar de baixo é todo dedicado ao tambor de mina, a vertente maranhense do candomblé — e que acaba influenciando esteticamente todas as outras celebrações populares.

Há um andar inteiro sobre o bumba-meu-boi e festas juninas. Carnaval, Festa do Divino, Natal, festa de Santos Reis — a Casa da Festa não deixa de fora nenhum festejo importante.

Centro de Cultura Popular Domingos Vieira Filho
  • Endereço: Rua do Giz, 221
  • Telefone: (98) 98576-5783
  • Horários:
    • FECHADA PARA REFORMA
  • Ingressos: entrada gratuita
  • Site

Voltar | Atrações A-Z | Topo

Casa das Tulhas

São Lúis o que fazer: Casa das Tulhas

O mercado do centro histórico é a Casa das Tulhas, que ocupa um quarteirão inteiro entre as ruas da Estrela, Portugal, da Feira e Djalma Dutra. Também conhecida como Feira da Praia Grande é uma mistura de mercado ‘de verdade’ (tem peixaria, açougue, bancas de frutas, farinhas e especiarias) e feirinha para turistas, onde dá para comprar vários produtos típicos e levar como souvenir.

Para ver as bancas do mercado ‘de verdade’, venha de manhã. Mas os stands de produtos típicos e lembrancinhas funcionam até de tarde. Você vai poder comprar tiquira, a aguardente (roxa) de mandioca que é típica do Maranhão; doce de espécie (uma queijadinha de coco feita em Alcântara); farinha grossa de mandioca (a preferida do Maranhão à Amazônia) e curiosas garrafas de cachaça com caranguejos dentro (precisando de um presente bem exótico, fica a dica).

Casa das Tulhas
      • Endereço: R. da Estrela, 184 (e mais 3 entradas)
      • Horário:
        • 2ª a 5ª: 7h-20h
        • 6ª: 7h-21h
        • sáb: 7h-18h
        • dom: 7h-13h

    Voltar | Atrações A-Z | Topo

    Casa de Nhozinho

    Mais ou menos em frente à Casa do Maranhão, a Casa de Nhozinho é um casarão de 4 andares dedicados à obra e à influência de Mestre Nhozinho, um grande artista popular maranhense que continuou criando mesmo com o avanço de uma doença degenerativa. Está em reforma. No térreo a exposição é complementar à Casa do Maranhão.

    Casa de Nhozinho
        • Endereço: Rua Portugal, 185
        • Telefone: (98) 98576-5783
        • Horários:
          • 3ª a dom 14h-18h
        • Ingressos: entrada gratuita
        • Site

    Voltar | Atrações A-Z | Topo

    Casa do Maranhão

    São Luís o que fazer: Casa do Maranhão

    Localizada bem na entrada do Centro Histórico (para quem entra pela região do Cais da Praia Grande), a Casa do Maranhão é uma introdução perfeita à riqueza do folclore e da cultura popular maranhenses.

    Aproveitando o amplo espaço, a Casa do Maranhão expõe obras e instalações de grande porte, de poderoso efeito visual. Entre elas, um magnífico boi gigante (que parece um boi de Tróia, de tanta gente que deve ir dentro para carregar).

    O conteúdo da exposição se confunde um pouco com o da Casa da Festa, mas no fim das contas os dois espaços se complementam.

    Na Casa do Maranhão você se encanta pelo todo — e mais tarde, na Casa da Festa, vai entender o detalhe.

    Casa do Maranhão
        • Endereço: R. do Trapiche, s/n
        • Telefone: (98) 98576-5783
        • Horários: FECHADA PARA REFORMA
        • Entrada gratuita
        • Site oficial

    Voltar | Atrações A-Z | Topo

    Casa do Tambor de Crioula

    São Luís: Casa do Tambor de Crioula

    Outra novidade do Centro Histórico (abriu em julho de 2018), a Casa do Tambor de Crioula não é um museu convencional, mas um centro cultural devotado a esta dança maranhense.

    Nascido nos terreiros, o tambor de crioula é dançado por mulheres dispostas em círculo, ao som de atabaques. Durante a dança, duas dançadeiras de cada vez saem das bordas e vão para o centro do círculo, onde evoluem e terminam o movimento com a umbigada — o cumprimento de barriga.

    Uma pequena exposição, incluindo painéis, vídeos e figurinhas de cerâmica, mostra como o tambor de crioula nasceu e é dançado. Mas a Casa é também um centro de estudos do tambor de crioula, com biblioteca e oficinas de dança e percussão.

    Casa do Tambor de Crioula
        • Endereço: R. da Estrela, 308
        • Telefone: (98) 98576-5783
        • Horários:
          • 3ª a dom 14h-18h
        • Entrada gratuita
        • Site oficial

    Voltar | Atrações A-Z | Topo

    Centro Histórico

    Limpo, recuperado e bem policiado, o Centro Histórico de São Luís já há alguns anos voltou a ser um lugar atraente e imperdível. Para além dos casarões com fachadas de azulejos (restaurados, fechados ou em ruínas), o que dá vida ao centro é o circuito de museus, que funciona muitíssimo bem, com entrada gratuita e monitores sempre disponíveis para visitas guiadas (também sem custo). Siga o roteiro dos museus, e você vai acabar explorando a cidade antiga da maneira mais interessante.

    A maior parte dos museus é dedicada à cultura popular maranhense: a Casa do Maranhão, a Casa da Festa (Centro de Cultura Popular Domingos Vieira Filho), a Casa de Nhozinho e os novos Museu do Reggae e Casa do Tambor de Crioula. Em meio a eles é de praxe uma passadinha na Casa das Tulhas, o antigo mercado do centro histórico.

    O circuito é complementado pelos atrativos que permitem xeretar a vida da aristocracia maranhense de antanho, no Palácio dos Leões, no Museu Histórico e Artístico do Maranhão e sobretudo no Teatro Arthur Azevedo.

    Você encontra um itinerário pronto para visitar o Centro Histórico no nosso Roteiro de 1 dia em São Luís.

    Quando visitar o Centro Histórico

    Os museus abrem cedo, às 9h. As visitas do Teatro Arthur Azevedo, porém, só começam às 14h.

    No domingo e acontece uma Feirinha perto da Catedral (das 9h às 15h) a maioria dos museus fecha entre 13h e 13h30. Já o Teatro mantém visitas a tarde inteira — a última é às 17h.

    Na segunda-feira, os museus estarão todos fechados. Só a Casa das Tulhas funciona.

    No fim de tarde de 6ª feira costuma haver apresentações de música e dança na Praça Nauro Machado, no coração da rua da Estrela.

    Voltar | Atrações A-Z | Topo

    Feirinha de domingo

    Se você já foi a São Luís e nunca soube da existência de uma feirinha no Centro Histórico, saiba que não foi desatenção sua, não. A Feirinha da Praça Benedito Leite existe apenas desde junho de 2017.

    Foi um sucesso instantâneo: numa cidade de praias impróprias para banho, começar o domingo numa feirinha é um programão tanto para os moradores quanto para os turistas.

    O que torna a Feirinha mais bacana do que outras do Nordeste é que, além das barraquinhas de artesanato e comida típica, há apresentações de música e dança — com sorte, você pode ver o compacto de uma apresentação de boi.

    Feirinha de domingo
        • Endereço: Praça Benedito Leite, Centro Histórico
        • Horário: dom 9h-15h – SUSPENSA DURANTE A PANDEMIA
        • Entrada gratuita
        • Instagram

    Voltar | Atrações A-Z | Topo

    Museu do Reggae do Maranhão

    São Luís o que fazer: museu do Reggae

    Aberto em janeiro de 2018, o Museu do Reggae é uma das novidades do Centro Histórico. Compacto e descontraído, o museu conta a história da conquista do Maranhão pelos sons da Jamaica.

    O acervo físico traz capas de discos jamaicanos e maranhenses, compactos raros, objetos de culto (como uma guitarra da Tribo de Jah) e uma réplica da radiola Voz de Ouro Canarinho, uma das primeiras a tocar reggae para os maranhenses dançarem (agarradinhos, à moda local, como se fosse forró).

    Mais reggae:

    Veja dicas de bares de reggae em São Luís e conheça o Reggae Cruise.

    Museu do Reggae do Maranhão
        • Endereço: R. da Estrela, 124
        • Telefone: (98) 3221-9617
        • Horários: FECHADO DURANTE A PANDEMIA
        • Entrada gratuita
        • Site oficial

    Voltar | Atrações A-Z | Topo

    Museu Histórico e Artístico do Maranhão

    São Luís o que fazer: Museu Histórico do Maranhão

    Duas quadras para cima do Teatro Arthur Azevedo, o Museu Histórico e Artístico proporciona uma viagem a uma casa da alta burguesia na virada do século 19 para o 20, com móveis e objetos de época. O casarão também hospeda coleções de numismática, gravuras, fotografias e documentos de época.

    Museu Histórico e Artístico do Maranhão
        • Endereço: Rua do Sol, 302
        • Telefone: (98) 98576-5783
        • Horários: FECHADO PARA REFORMA
        • Entrada gratuita
        • Site oficial

    Voltar | Atrações A-Z | Topo

    Palácio dos Leões

    Sede do governo estadual, o elegante Palácio dos Leões era difícil de visitar: até 2014, era aberto ao público por poucas horas na semana. Desde 2015, porém, oferece visitas guiadas (e gratuitas) de 3ª a domingo.

    O prédio faz parte do Forte de São Luís, construído durante a invasão francesa no topo de uma colina à beira-mar. A construção inicial é de 1612, mas dela nada restou: o palácio foi reconstruído, ampliado e reformado muitas vezes.

    Os visitantes percorrem uma das alas do palácio, onde podem apreciar os móveis, quadros, esculturas, porcelanas e pratarias do acervo.

    Palácio dos Leões
        • Endereço: Av. Dom Pedro II, s/n
        • Telefone: (98) 2108-9108
        • Horários:
          • 3ª a dom 14h-18h
        • Entrada gratuita
        • Site oficial

    Voltar | Atrações A-Z | Topo

    Praias de São Luís

    São Luís o que fazer: Praia do Calhau

    Infelizmente as praias de São Luís costumam estar impróprias para banho, o ano inteiro. Você pode conferir na página de balneabilidade do site da Secretaria Estadual do Meio Ambiente.

    São praias típicas do litoral brasileiro voltado para o norte: retas, com faixa de areia larga e grande variação de maré — por isso, ótimas para caminhar na maré baixa, quando aparece a areia mais dura. A cor varia do azul na época seca (segundo semestre) ao café com leite na época das chuvas (primeiro semestre).

    Mesmo sem o apelo de entrar no mar, você pode dar um pulinho na praia para beber, almoçar ou jantar sentindo a brisa do mar. Os quiosques mais transadinhos estão bem no trecho inicial da praia, conhecido como São Marcos.

    O Biana Bistrô tem um espaço bastante charmoso, e é um restaurante de verdade (av. Litorânea, módulo 11, tel. 98 98181-0866). O L’Apero tem bons petiscos e drinks (av. Litorânea, módulo 4A, tel. 98 3303-0221). A Barraca da Marcela (av. Litorânea, módulo 4B, tel. 98 3235-0988) prepara cozinha regional pé na areia.

    Voltar | Atrações A-Z | Topo

    Reggae

    São Luís o que fazer: Bar do Nelson

    Como você verá no Museu do Reggae, o reggae no Maranhão se dança agarradinho, como se fosse forró.

    Quer ver como a coisa acontece ao vivo? A maioria dos clubes de reggae está situada em bairros periféricos da cidade. Os melhores lugares para conseguir uma lista atualizada dos dias e lugares de festa são o próprio Museu do Reggae, as recepções dos hostels ou o Reggae Cruise.

    Esses são os melhores lugares para cair no reggae sem se afastar da zona central de São Luís (vá e volte de Uber):

        • O Bar do Nelson, que fica no finzinho da praia do Calhau. Funciona em duas noites: 5ª feira (a melhor) e sábado. (av. Litorânea, 135, tel. 98/988-403-196)
        • O Chama Maré, que fica à beira-mar em Ponta d’Areia e voltou a funcionar depois de um tempo fechado. Funciona nas tardes/noites de domingo, das 16h às 23h. (av. Ivan Loureiro, 8, Ponta d’Areia
        • O Rotatória Roots, num lugar de fácil acesso perto do Centro. É o lugar para ir na noite de sábado (22h às 3h). (Av. Guaxenduba, 68, Centro, tel. 98 98892-1300)

    Voltar | Atrações A-Z | Topo

    Reggae Cruise

    Idealizado e conduzido pelo veterano DJ Ademar Danilo, o Reggae Cruise tem saídas na época seca nos fins de tarde domingo (e em algumas noites de lua cheia). O barco passeia pela orla de São Luís ao som do melhor reggae. Custa R$ 80 por passageiro. Consulte as saídas na página do Reggae Cruise no Facebook ou pelo WhatsApp (98) 98137-2423.

    Voltar | Atrações A-Z | Topo

    Raposa, São José de Ribamar e Fronhas Maranhanses

    São Luís divide a mesma ilha (Ilha de São Luís, ou Tupaon-Açu) com mais três municípios. Dois deles têm vilarejos de pescadores que rendem bate-voltas.

    A 30 km de São Luís saindo pela Av. dos Holandeses, Raposa entrou no mapa turístico por conta de dois atrativos: o Corredor das Rendeiras, onde rendeiras produzem e vende artigos em renda de bilro, e o passeio de barco à ilha Carimã, onde se encontram paisagens semelhantes às dos Lençóis Maranhenses (apelidadas de Fronhas Maranhenses) — mas sem a mesma cor de águas das lagoas dos Lençóis. O passeio de barco só pode ser feito durante a maré cheia.

    A 30 km de São Luís pela MA-201, São José de Ribamar é a ‘capital religiosa’ do Maranhão. Seu maior atrativo é uma estátua gigante de São José. Agências de São Luís vendem passeios à região.

    Voltar | Atrações A-Z | Topo

    Teatro Arthur Azevedo

    São Luís o que fazer: Teatro Arthur Azevedo

    Inaugurado em 1817, o Teatro Arthur Azevedo só perde para o de Ouro Preto (de 1770) no quesito teatro mais antigo do Brasil. (Para comparar: o Teatro Amazonas é de 1896; o Teatro Municipal do Rio de Janeiro, de 1909; o Theatro São Pedro de Porto Alegre, de 1858).

    Da mesma maneira que o Teatro Amazonas se deve à riqueza do ciclo da borracha, o Teatro Arthur Azevedo foi construído com a riqueza do ciclo do algodão maranhense. Seus fundadores eram comerciantes portugueses, que lhe deram o nome de Teatro União para celebrar a relação entre Portugal e sua então colônia. O teatro só ganharia o nome do escritor maranhense Arthur Azevedo em 1921.

    As visitas guiadas partem de meia em meia hora entre 14h e 17h, de 3ª a domingo. Além de gratuitas, são completas: os grupos visitam todos os andares do teatro, os camarins e, se não houver ensaios no momento da visita, a área técnica (onde está o maquinário) e o palco. Deixe esta visita para o final do seu passeio: pode ser o ponto mais alto do seu dia no centro histórico.

    Quando visitar, verifique se não há ingressos para algum espetáculo durante a sua estada. Assistir a uma apresentação como espectador é o complemento ideal à visita.

    Teatro Arthur Azevedo
        • Endereço: Rua do Sol, 180
        • Telefone: (98) 99167-2696
        • Horários:
        • Ingresso: as visitas são gratuitas – agende pelo telefone
        • Site oficial

    Voltar | Atrações A-Z | Topo

    Bate-volta aos Lençóis Maranhenses

    São Luís o que fazer: Lençóis Maranhenses

    Sim, existem agências que vendem. Mas veja: não vale a pena ir e voltar no mesmo dia. Entre ida e volta, você vai rodar quase 8 horas pela estrada. Se o passeio às lagoas for feito em Barreirinhas, ainda vai chacoalhar mais 50 minutos em jardineira, na areia, entre a cidade e as lagoas (e outros 50 minutos para voltar). Tudo isso para ficar de 90 minutos a duas horas nas dunas. É muito sacrifício, Brasil.

    Deixe para visitar os Lençóis quando você tiver tempo de ficar por lá pelo menos duas noites — durante os três meses em que há sol e lagoas com bom volume d’água: do fim de junho ao fim de setembro.

    Para roteiros prontos e detalhes de deslocamento, clique:

    Voltar | Topo


    Passagens mais baratas para São Luís no KAYAK

    Encontre seu hotel no Booking

    Alugue carro em São Luís na Rentcars em até 10 vezes

    Trânsfers e passeios em São Luís com a Easy Travel Shop

45 comentários

Olá, tudo bem? Tenho uma viagem programada de 6 dias à São Luís na primeira semana de fevereiro, qual roteiro você recomenda para visitar o paraíso dos Lençóis Maranhenses?

    Olá, Sandra! Deixe para visitar os Lençóis Maranhenses quando você for entre junho e setembro. Em fevereiro as lagoas estarão secas e o tempo, chuvoso.

Boa noite!
Voi para São Luis em novembro, gostaria de saber qual o melhor meio para fazer um bate volta para lençóis Maranhenses.

    Olá, Edna! Não faça. Nem o bate-volta, e muito menos em novembro, quando as lagoas já secaram.

Indicação de agência que faz o passeio nas fronhas em Raposa?

    Olá, Milena! NOsso antigo parceiro não está mais funcionando. Mas no seu hotel em São Luís você consegue o contato de uma agência confiável.

Olá, queridos do Viaje na Viagem! Acabei de chegar de São Luís (de 12 a 16/11/19), segui as dicas dadas por vocês e foi tudo maravilhoso! Visitei o centro histórico (uma tarde), fui à Alcântara, aos Lençóis Maranhenses (base em Santo Amaro – dormi nessa cidadezinha fofinha) e ainda curti uma praia em São Luís, no meu último dia de viagem. Muito obrigada pelas dicas! Vocês são demais! A sempre que vou viajar, primeiro vejo as dicas do Viaje na Viagem. Adoro vcs! 💕

    Oi! Vi que você foi aos lençóis em novembro, ainda havia alguma lagoa com água ou apenas as dunas? Vou agora no fim de outubro e estou em dúvida se vale a pena colocar essa região no roteiro.

Para quem vier a nossa Ilha não deixe de ir na Praça Gonçalves Dias, bem no Centro no final da Rua Rio Branco, a vista é maravilhosa ainda dá para visitar a Igreja de N. S. dos Remédios.
Degustem o nosso sorvete artesanal no caixote, sempre vendido pelos arredores do centro histórico! O mercado das Tuias está em reforma no momento!

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.